1. Spirit Fanfics >
  2. O submisso depressivo >
  3. Tá bom.

História O submisso depressivo - Capítulo 39


Escrita por:


Notas do Autor


Annyeonghaseyo meus bolinhos de arroz ❤

⏩Eu tive um ideia: Vou tentar postar tudo segunda feira ok?

⏩ Vcs estão bem? Depois dessa pandemia, e tudo mais, estou preocupada com vcs. Se quiserem conversar me chamem no pv, estou aqui pra vcs ok?

⏩ Esse capitulo está em terceira pessoa, senti necessidade de fazer isso pra retratar de forma organizada os fatos. Espero que gostem.

⏩OBS: NÃO estou incentivando ninguém a cometer nenhum tipo de crimes ou tortura!!!!

Lavem as mão e fiquem bem 😁

Capítulo 39 - Tá bom.


"— Quem é aquele garoto?

— Qual garoto? — franzo o cenho.

— Você sabe do que estou falando.

— Faz tudo parte da transação — explico.

— Tem certeza?

— Acha que eu não sou profissional?!"


Autora.


O som do copo de vidro sendo estilhaçado no chão ecoou por todo o cômodo, cacos se espalharam por todos os lados enquanto o líquido vermelho — sendo este o suco de groselha — se alastrava pelo piso. Taehyung estava estático, não sabia como reagir, não quando acabara de receber a notícia de seu ex/amor da sua vida iria se casar.

— Nós não vamos! — proferiu Jin jogando o convite em cima da mesa da sala de jantar ao passo que uma das empregadas se apressava em limpar o chão — Isso é ridículo! Taehyung você está bem?

— E-estou — murmurou fitando o nada.

Sentia todo o seu corpo formigar, suas mãos suavam frio. Por que aquilo estava acontecendo? Tentava ingnora as falas de Seokjin sobre tal assunto, sua cabeça estava a mil.

— Como ele é capaz de fazer isso depois de sumir daquele jeito?!

— Amor calma — Namjoon tentou apaziguar a situação porém de nada adiantou.

— Não tem nada de calma Namjoon! Aquele filho da puta, ainda tem a cara de pau de mandar um convite?! Eu devia...

— Nos vamos — o moreno balbuciou.

— O que?! Como assim Taehyung?!

— Tudo bem hyung — respirou fundo tentando retomar a compostura — Afinal éramos colegas de trabalho.

— Tae...

— Eu... Preciso organizar umas coisa que o Jungkook me pediu — virou-se rapidamente tomando seu caminho.

O Kim mais velhos apenas suspirou, sabia que não estava nada bem, mas não forçaria Taehyung, não era seu feitio. Além do mais assim como Taehyung, Seokjin também tinha feridas abertas dentro de si e sabia como era, apesar de por um bom tempo ter achado que elas já tinham cicatrizado, apenas percebendo que não, no ultimo mês em que acompanhou o crescimento da barriga do dongsang vulgo Jimin.

Seu coração apertou ainda mais assim que viu Jungkook — que cancelou tudo que havia agendado em seu dia para cuidar de seu pequeno — acarinhando a barriga do Park no jardim. Os dois estavam sorrindo, compartilhando do sentimento de estar esperando um bebê, este que Seokjin sabia que nunca mais sentiria.

Correu para o seu quarto permitindo que as lágrimas que estava segurando caissem apenas quando deitou-se em sua cama. Abraçou o travesseiro sentindo seu interior se rasgando, sabendo que nenhum remédio seria capaz de exterminar essa dor. Se sentia inútil, baldado, baldio, e se amaldiçoava por não poder conseder a sensação de paternidade para Namjoon.

— Eu sou tão fútil — murmuro apertando o travesseiro contra si — Por que e-eu não posso? Por que? — fechava os olhos com força, se deleitando daquele sentimento que para si era um pecado, afinal nunca tinha experimentado tal coisa, mas não poderia negar que sim, estava com inveja do Jimin. Não que desejasse algo de mal para ele e para o bebê, pelo contrário, mas queria e muito estar na pele dele e ter a mesma sorte que ele.

— Jin você está aí? — a voz de Namjoon se faz presente e ele se encolhe — Jin? — fecha a porta se aproximando — Amor tudo bem? Por que... por que está chorando minha vida? — indaga preocupado se sentando ao lado do loiro.

— N-não foi nada — funga.

— Você não sabe mentir, não pra mim — alisou o rosto avermelhado a sua frente — Me conta meu anjo, o que aconteceu.

— Eu sou um inútil Namjoon — dita se sentando.

— Por que diz isso?! — questiona sem entender tais palavras.

— Porque sim! Porque eu não sirvo pra nada! Sou um inútil! Um infrutífero! Um parasita que nunca vai te dar um filho! É isso que eu sou! — aquelas palavras saiam queimando sua garganta por tamanha amargura e atingiam Namjoon como tiros a queima roupa — E-eu sou só um fardo pra você Namjoon... Le-lembra o que o médico falou quando fomos saber o porquê de eu não ter conseguido segurar o bebê? Ele disse que eu não poderia engravidar, não conseguiria segurar o bebê, pois meu organismo não tem capacidade pra isso! — berra sentindo seu coração se despedaçar — E é por isso Namjoon que e-eu sou apenas um parasita na sua vida que vai ficar sugando tudo que você tem sem poder te dar nada em troca!

— Seokjin! — o abraça — Nunca mais fale isso está me ouvindo? — seu tom estava firme — Nunca mais diga que é um inútil, que é um parasita porque você não é! Não é nada disso! Além do mais. Por que acha que eu me casei com você hum? Me casei porque te amo, se nós não pudermos ter filhos tudo bem! Com tanto que você esteja comigo nada mais importa meu amor, nada mais.

— Ma-mas....

— Sem mas Jin, sem mais —beija seu fios enquanto faz um leve carinho em seu braço — E você já me retribuiu, apartir do momento que escolheu me amar você já estava me retribuindo — Namjoon pega delicadamente o rosto de seu marido entre suas mãos — Eu amo você mais que tudo nesse mundo. Não se menospreze nunca mais, ouviu? — Seokjin assentiu fechando os olhos tendo seus lábios tomados pelo Kim mais novo. — Eu te amo, te amo muito — sussurrou rente aos lábios fartos do loiro — E eu vou te dar tanto amor que você vai enjoar de mim — sussurrou deitando-o na cama ficando por cima do mesmo.

Pela primeira vez naquele dia Jin sorriu, um sorriso doce que encheu o coração de Namjoon de alegria.

— Não acho que isso seja possível — puxou o assassino para um beijo necessitado e cheio de amor — Porque eu te amo demais pra isso.


21:43 pm.


Jungkook dedilhava os objetos cortantes de metais que brilhavam diante a luz da lua cheia. Seus olhos estavam vidrados no medo da garota amarrada e amordaçada em uma cadeira de madeira a sua frente. Sorriu de maneira sádica ao fita as lágrimas de puro desespero escorrendo pelo rosto pálido.

— Ah Hae Rim, eu te avisei não foi? — estalou a língua várias vezes negado com a cabeça ao mesmo tempo — Te disse que iria se arrepender se encostasse nele — passou o canivete Tauros que continha a bainha amadeirada lentamente pelas maçãs do rosto da ruiva — Agora você só vai colher o que plantou — balbucia trasferindo o primeiro corte contra a face cheia de maquiagem. A garota resmungava amedrontada se mexendo na tentativa de se soltar — Fica quietinha... Não quero sujar todo o piso — sorriu ladino.


[...]


Sentando no sofá de camurça de seu quarto Jimin espera por Jungkook com um bico nos lábio e o Mini Kookie em seus braços, o moreno havia dito assim que Jimin se deitou na cama que precisava fazer algo e voltaria logo. Apartir daí ele não consegui mais dormir e seguiu para o sofá onde esperou, esperou e... Esperou. Droga o Jungkook está demorando demais! Pensou já irritado — hormônios da gravidez — Bufou cruzando os braços, estava frio devido a chegada do inverno e ele queira os braços do Jeon em volta de si. A porta foi aberta e logo fechada por Jungkook que se surpreendeu ao ver Jimin acordado.

— Jungkook por que demorou? — o loirinho indaga manhoso se levantando e indo em direção ao maior arregalando os olhos a medida que se aproxima — Jungkook... O que aconteceu? — fitou cada mancha de sangue em suas mãos e roupa — O que você fez?

— Nada Jimin — serrou os labios passando a mão em seus fios o levando para trás. Eles realmente estão grandes.

— Não mente pra mim Kookie. Me diz, o que aconteceu? 

— Já disse que nada! — esbravejou vendo o menor se encolher.

— Você matou alguém... — murmurou — Jungkook quem você matou? — o coraçãozinho do pequeno bateu rapidamente com medo da resposta, e depois de um longo suspiro o Jeon lhe respondeu.

— A Hae Rim.

— Por...

— Ela te machucou Jimin! Eu falei pra ela não encosta em você, mas ela não ouviu, e teve o que mereceu! — Jimin abaixou a cabeça sem saber como contestar apertando o Mini Kookie em suas mãos. Por mais que a garota tivesse lhe feito mal, não queria sua morte.

— Jung...

— Eu vou tomar um banho — o cortou, seguindo para o banheiro Jimin assentiu seguindo-o com os olhos. Ele estava sensível e ter Jungkook sendo grosso consigo o deixava triste de uma maneira que sua cabecinha não conseguia explicar.

O grávido se sentou na cama pensativo com os olhinhos cheios de água, sentindo um grande remorso, afinal se não tivesse a empurrado isso não teria acontecido... Certo? Saiu de seus pensamentos assim que viu o Jeon passar em sua frente apenas com uma toalhas azul marinho enrolada em sua cintura. Depois de um tempo desvaneando se levantou indo até o closet vendo Jungkook com as mão apoiadas a parede pensando em algo. O abraçou por trás sentindo seu corpo tenso se relaxar a medida em que dava algumas selares em suas costas largas.

— Jungkook...

— Faz parte da minha personalidade Jimin e do meu trabalho — suspirou olhando para o teto — Não sei se algum dia vou conseguir parar. Eu... Gosto disso.

— Por mim. Por favor, não gosto quando você mata pessoas — falou baixinho apoiando sua bochecha cheinha nas costas úmidas a sua frente.

Jungkook fechou fortemente os olhos e cerrou o punho. Ele tinha que renunciar a isso, tinha que deixar esse desejo por sangue e sofrimento de pessoas que lhe fizeram mal de lado, mas será que conseguiria?

— Não acho que eu consiga — se virou abraçando-o de lado fazendo a cabeça com fios dourados se apoiar em seu peito.

— Eu te ajudo — a pequena e gordinha mão direita de Jimin se alocou no peito do Jungkook que subiu desceu mais rapidamente devido ao contato.

— Me perdoa anjinho.

— Tudo bem... Pelo menos ela não vai mais encomodar você... — olhou para Jungkook vendo algumas mechas dos logos fios caindo sobre seu rosto.

— Eu te amo — sussurrou roubando um beijo do loirinho que se surpreendeu pois estava destraido arrumado os fios rebeldes do Jeon, porém sorriu em seguida.

— Também te amo Jungkook, muito muito — lhe deu selinho demorado deleitando-se da sensação boa que era estar nos braços quentes do Jeon o beijando — Nunca divide disso, tá bom?

— Tá bom — sorriu acariciando a barriga do baixinho.


Sexta-feira, 20 de dezembro, 2018.


A última semana havia sido corrida para Park, pois, suas provas finais foram aplicadas, e o fato de sentir incômodos na barriga de dois meses e meio enquanto estudava não o ajudava em nada! Desengonçado o loirinho perambulava os corredores a procura de Seokjin.

"Quando estiver pronto me procure, nós iremos na frente e o Jungkook e o Tae iram depois"

Foi o que o hyung tinha dito, e assim que o achou os dois foram em direção ao carro. No caminha da escola — mais precisamente de sua formatura — Jimin sentia seu ventre borbulhar, e não sabia dizer se era por causa do bebê ou de sua ansiedade. Sempre sonhou no dia em que se formaria e depois iria para uma faculdade — apesar de achar que não chegaria a isso — porém esse sonho havia mudado por causa da gravidez, queria dar o máximo de atenção e amor ao seu bebê, tudo que não recebeu quando criança queria dar ao seu filho e por isso a faculdade poderia esperar.

— Eu estou tão ansioso — resmunga e Jin lhe dá uma batida nas costa.

— Vai dar tudo certo, vai lá, no final nós estaremos te esperando aqui.

E assim foi. Após a cerimônia e o entregue dos certificados de conclusão do ensino médio, Jimin se despediu dos seus dois amigos e logo focou nos três homens a sua espera sorrindo largo e correndo até os braços Jungkook, que lhe deu os parabéns e sussurrou um "eu te amo" no ouvido do menor, não poderia dizer aquilo em voz alta, todos ali pensavam que Jungkook era apenas uma familiar de Park e ele queria que assim ficasse. Taehyung lhe entregou o grande buquê de girassóis que o Jeon havia lhe feito carregar, também lhe parabenizando assim como Jin.

Jimin gostou de ver o sorriso no rosto do Kim, que certamente no dia seguinte estaria derramando lágrimas e mais lágrimas.


[...]


Minseok observava seu namorado olhar de um lado para o outro, como se alguém estivesse para chegar, porém tanto ele quanto o Jae Beom sabiam bem que o pai do Lim não viria. O Sr. Lim fez questão de deixar bem claro que não apareceria na formatura do filho devido ao trabalho. Porém o moreno parecia ainda ter esperança de algo. 


Crianças...


— Jae — o chamou se aproximando sutilmente — Ele não vai vir — abraçou o garoto por trás, este que é um pouco menor que si, depositando um beijo em seu ombro não se importando com os olhares das pessoas em volta — Estou aqui pra você.

Jae Beom suspirou concordando, por mais que seu pai não fosse um dos melhores, queria que ele estivesse ali, virou-se para o loiro descansando as mãos sobre o seu peito se auto criticando por não ter dado mais atenção ao seu homem que estava ali lhe dado apoio.

— Desculpe...

— Tudo bem amor — beijou a testa do menor.

O Kim não estava a espera de ninguém, e Jae Beom sabiam bem disso pois o mesmo já havia lhe contado que era órfão e não tinha ninguém próximo para lhe acompanhar ao final da formatura.

— Eu te amo — o abraçou, dessa vez sem vergonha alguma, afinal eles já eram de maior e haviam se formado, não tinham que dar satisfações a ninguém, não mais, pelo menos não o Jae Beom...

— Eu também te amo e sempre vou te amar — tomou os lábios do moreno de forma calma, sentindo seu ventre tremer ao se lembra do moreno enterrando seu pênis em si, assim o puxou com mais vigor invadindo sua com sua língua a boca alheia, aproveitando o momento pois sabia que aquilo não iria durar por muito tempo e por isso nos últimos dias tinha decorado cada detalhe, cada expressão e cada gesto que fazia de Lim Jae Beom único.


Sábado, 21 de dezembro, 2018.


Arregalou os olhinhos admirado com aquela enorme cátedral decorada com rosas vermelhas e tecidos brancos, nunca tinha entrado em uma igreja muito menos ido a um casamento, e por mais que aquela ocasião fosse de tristeza para o seu amigo, não podia deixar de ficar extasiado em ver tais coisas. Jimin calçava um sapato preto acompanhado pro uma calça branca e uma blusa de botões, folgada — devido a barriga — de mesma cor. Já Jungkook optou por um smoking totalmente preto e gravata borboleta, tendo parte de seus longos fios amarrados em um coque enquanto outros caiam sobre seu rosto e nuca. Taehyung estava deslumbrante com um terno preto e gravata de mesma cor lhe dando um ar de "gênio do crime", não que ele não fosse, afinal é um dos melhores hackers que existem. Nanjoom escolheu um terno mais neutro deixando em evidência seus fios alaranjados e Seokjin vestia um terno branco com uma maquiagem muito bem feita, por mais que não concordasse em estar ali — deixando isto claro com a carranca que fazia desde que chegaram a festa — não perderia a oportunidade de está maravilhosamente bem arrumado. Todos se sentarem em uma das últimas filas a pedido de Taehyung que não queria ficar a vista.

O toque do piano soou e as portas da catedral se abrir-se revelando a noiva com um longo vestido de renda branco e véu curto, o buquê em suas mãos continham margaridas e lírios roxos. Jimin logo abriu um sorriso, também era a primeira vez que via uma noiva tão de perto.

— Ela está linda — comentou para Jungkook que em seu ouvido sussurrou "Um dia será você a entrar por aquela porta e eu ali na frente esperando por você" Jimin o olhou com brilhos nos olhos apertando com mais força a mão do moreno.

Jin apenas revirou os olhos bufando, nem se atreveu a olhar para a noiva, não queria está ali e não queria que sua amigo estivesse ali. Taehyung sentiu seu coração se contrair e suas pernas vacilarem, segurou fortemente o choro que insistia em sair. Não choraria, não ali. Encarou Hoseok, dessa vez por um longo tempo, vendo que sua expressão não havia mudado, continuava sério, sem nenhuma demostração de felicidade e alegria, ele não havia dado um sorriso em todo o tempo em que o Kim lhe observou. Mas por quê?

O "aceito" dos dois foi dito e depois daquilo Taehyung concluiu que seu mundo tinha definitivamente desabado, amava Hoseok por mais que soubesse que aquilo não era recíproco, não conseguia parar de ama-lo.


Notas Finais


Nhaaa, esse capítulo serviu de leve introdução para o próximo. Fortes emoções estão chegando!!!

Se cuidem❤

Beijos do Jin pra vcs 😘✌


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...