História O tempo -Limantha- - Capítulo 33


Escrita por:

Postado
Categorias Malhação
Tags Limantha, Romance
Visualizações 403
Palavras 2.354
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Festa, LGBT, Luta, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Momento casal, para tirar um pouco do pesado que foi o capítulo anterior.
Cada história tem dois lados e a verdade.
Boa leitura...

Capítulo 33 - Saudade


Tinha se passado o final de semana e eu não tinha visto ou sequer falado com a Samantha, a vontade de ir atrás dela era grande. Confesso. Más o orgulho também. Ela que tinha começado com essa história de tempo, nada mais justo que ela terminasse com isso. Quando ela voltar vou agir com frieza e despreza-lá um pouquinho porque ela merece? Não! Porque sou totalmente trouxa por ela.

Eu me julgava a cada segundo por está sendo besta olhando o celular para ver se ela tinha me ligado ou mandado uma mensagem, a cada toque da campainha eu corria para ver ser era ela. E assim o final de semana foi passando.

Hoje me acordei mais cedo que o habitual para uma segunda feira. Sim por causa dela. Se tudo desse certo e ela fosse ao colégio a gente iria se ver, e isso já era o suficiente para amenizar um pouco da minha saudade. Me julguem.

Eu batucava com o dedo freneticamente na mesa de aula, todos os alunos já tinham chegado e nada da Samantha.

- Eu estou tentando estudar um pouco antes da prova de física e esse barulho não está ajudando muito dona Gutierrez.

- Desculpa Tina, eu nem percebi que estava auto.

- Estou percebendo que você está agitada desde que entramos, o que aconteceu?

- Estou ansiosa para ver a Samantha.

- Vocês ainda não se viram? Ela nem te ligou ao menos?

- Não! - Digo triste.

- Não vejo motivos para a Samantha tá fazendo isso, depois do que você me contou era para ela está duvidando do mundo todo, menos de você. O que? Só porque a Clara está no hospital ela vira imune a qualquer suspeita? Não sei a versão da Clara mas o que eu sei é que você não tem nada haver com isso, para ser tratada desse jeito.

- No fundo eu sempre soube que ela iria ficar a favor da Clara, por isso muitas vezes evitei falar sobre ela, até mesmo quando ela ficava me provocando dizendo que amava a Samantha, se eu contasse a Sam iria achar que eu estava apenas com ciúmes.

- A Samantha está sendo infantil, você não merece isso. Então para de sofrer por causa dela Superioridade é a palavra Heloísa superioridade.

A Tina estava certa eu estava me deixando abater por uma culpa que não era minha. Se a Samantha não via isso problema dela. Eu que não iria ficar sofrendo por alguém que não estava nem aí.

- Você tem toda a razão, como sempre, se ela quiser que venha correr atrás de mim, e outra eu não vou….

As palavras somem da minha boca junto com a marra que eu estava demonstrando no mesmo momento que vejo a Lambertini entrar pela porta. Por Deus ela Precisava ser tão linda assim?

Ela não me olhou, sequer demonstrou que queria me ver. Sentou-se na primeira cadeira que viu e lá permaneceu.

Foi a primeira a entregar a prova e sair da sala. Vamos combinar a samantha não era a gênia em física para ter feito tão rápido.

- Presta atenção na prova Heloísa. - Tina sussurrou baixinho.

- Como vou me concentrar se o amor da minha vida está me esnobando?

- Isso deveria ser o suficiente para você meter o foda-se é fazer sua prova.

- Você tem razão. De novo.

O tempo vai passando, os alunos vão entregando as provas e saindo. Continuo na sala mesmo depois de terminar. Eu não iria atrás dela como um cachorrinho.

 

                    Samantha

Passo o final de semana no hospital junto com a Clara, a cada dia ela melhorava mais, sua recuperação rápida era surpreendente.

Todos esses dias eu não tirava a Heloísa da cabeça, eu tinha feito a maior burrada da minha vida ao pedir um tempo, se o que eu mais queria era permanecer toda minha vida ao seu lado. Mas com que cara eu iria atrás dela depois do que fiz? Esperei ela me ligar, seria mais fácil se ela tomasse a iniciativa e viesse atrás de mim? Ok isso não é o correto, já que fui eu que pedi um tempo, mas precisava ela aceitar tão de boa assim?

Chego atrasada no colégio na segunda feira, o trânsito estava infernal. Antes de entrar na sala paro um pouco, eu estava com vergonha de encarar a Heloísa ao mesmo tempo que estava louca para vê-la.

Entro e sento rápido, sem olhar em minha volta, eu fazia a burrada e não sabia como resolver.

Eu podia não está a olhando mas conseguia sentir seu cheiro por toda a sala. A prova estava mais difícil do que eu imaginava, eu não tinha estudado o final de semana porque fiquei no hospital, desisto de fazer já que não estava entendendo nada, estudaria para a recuperação, entrego a prova e vou sentar  no pátio.

A lica poderia sair a qualquer momento da sala, ela era boa em física, não iria demorar a terminar. Diferente do que eu imaginei ela não saiu nem depois que acabou a aula.

O próximo professor entra na sala, ao contrário do que fiz quando cheguei sento na minha cadeira habitual a frente de Heloísa. Ela não me ver porque estava de costa conversando com a Tina, que me olha porém não me dar muita bola. Bem, se a Tina estava sendo fria comigo imagina a Heloísa? Eu realmente merecia.

 

                      Heloísa

Estava conversando com Tina quando vejo seus olhos ir em direção da porta.

- Não olha, a Samantha está voltando.

- Se você não tivesse me avisado seria mais fácil não olhar, como vou resistir?

- Seja forte mulher.

Ouço ela arrastar a cadeira com uma força desnecessária, queria chamar minha atenção ou era impressão minha?

- Ela te deu uma secada pesada amiga.

- E isso quer dizer o que?

- Boa pergunta. - Ela sorrir.

Me reviro para frente e admiro seus cabelos que estavam perfeitamente ondulados. Parecia escrever algo seus movimentos eram sutis. Guto que sentava na última cadeira a chama, ela se vira e pela primeira vez nossos olhares se cruzam.

Nos encaramos por longos segundos, depois de alguns dias eu voltava a encarar os castanhos de seus olhos que me lembravam fogo. Eu tinha uma sede por ela que nunca era saciada.

     O silêncio foi quebrado por Guto que voltou a chamar. Mas nosso olhares continuaram fixo.

     A respiração alterada.

     As batidas do coração descompensada eu não sabia se eles batiam rápido ou se estavam parando aos poucos a cada segundo.

Eu não conseguia desviar meu olhar dela.

Continuei olhando. Analisando cada detalhe.

     Perfeita.

     Perfeita demais.

Ela se levanta, me levanto junto, em  passos lentos ela se aproxima.

     Meus lábios tremiam.

Ela coloca a mão sobre meu rosto e acaricia. Fecho os olhos sentindo o contato.

- Heloísa. - sua voz sai baixo.

Senti sua respiração mais próxima, sabia que ela tinha se aproximado.

      Abrir os olhos.

Toquei suas mãos que estavam em meu rosto e as afastei. Me lembro que ela estava me esnobando até agora, e a mágoa vem.

- Como vai a Clara? - pergunto sem fazer questão de negar a dor que eu estava sentindo.

- Lica…

Ela tenta novamente se aproximar, me afasto e saiu da sala.

 

                    Samantha

Quando vou sair atrás de Heloísa, Tina me puxa pelo braço me impedindo de sair.

- Por favor Tina eu preciso falar com ela.

- Eu vou deixar você ir, só por favor não magoa mais a minha amiga, ela já está sofrendo demais com esse afastamento de vocês.

- Eu só quero resolver tudo.

- Então assim faça.

Ela me solta e vou rápido procurar por Heloísa. A encontro sentada na biblioteca, quando ela me ver se levanta para ir embora.

- Por favor, amor me escuta. Não vai embora. - Seguro seu braço

- Me solta Samantha.

- Por favor não faz isso comigo.

- Não foi eu que te esnobei até agora. Nenhuma mensagem Sam?

Ameaço falar mas a voz não sai, eu estava errada.

- Eu sei, eu errei, o que mais quero é que você me perdoe meu amor, foi difícil para mim também esses dias.

- Mas a escolha foi sua Samantha, não minha.

Ela estava sendo dura comigo como nunca antes, quer dizer, ela nunca tinha sido dura comigo antes, era a primeira vez que discutimos  e eu não sabia como agir.

 

                    Heloísa

Meu alto controle estava se esgotando a cada segundo perto de Samantha. Eu não sabia quanto tempo mais eu iria resistir.

Eu te amo Lica… Preciso de você.

Ela estava quase chorando, mas eu também estava.

- Sofri muito esses dias. Eu não quero um relacionamento onde mal começou e já estamos brigando.

Pela primeira vez a razão falava mais alto.

- Você está terminando comigo?

Abaixo a cabeça, eu não me via longe da Samantha eu a amava acima de tudo.

- Não faz isso comigo, Lica. - Ela pedia desesperada.

Eu queria tanto beijá-la mas não podia, se eu cedesse ela poderia voltar a fazer isso, principalmente quando eu contasse o que o Felipe tinha revelado.

- Eu não vou terminar com você. - Repondo.

Ele segura meu rosto, suas mãos estavam geladas e trêmulas. Chega bem perto, sinto sua respiração se misturar com a minha. Passa o nariz em meu pescoço sentindo meu cheiro.

Com o coração descompensado eu a abracei. Forte. Senti minha alma completa novamente, era assim que eu sentia quando estava com ela.

        Passei os lábios pelo seu rosto.

        Parei perto de sua boca.

        Nossos lábios se tocam.

        Eu estava entregue...

No meio da sala da livraria sentir o doce do seus lábios. Samantha sorriu aliviada mordeu meu lábio me enlouquecendo, se aproxima da minha orelha e sussurrando diz.

- Eu quero você… inteirinha.

Com a excitação transbordando por todo o corpo, caminhei, com Samantha grudada em mim até uma mesa próxima. Fiz com o que ela se sentasse na mesa e me pus entre suas pernas.

Meus lábios passeavam pelo seu pescoço mordendo, sugando. Deixando marcas. Do pescoço desci até seu colo, toco seu seios por cima da blusa que estavam eriçados, como  um convite para que eu os tivesse.

- Lica… Alguém.. Pode entrar. - ela diz com a voz vacilante.

- Aqui é uma biblioteca os alunos vão a qualquer lugar menos aqui.

Coloco minha mão por dentro de sua blusa  acaricio seu seios. Ela geme na minha boca.

- É… perigoso. - Ela diz entre gemidos.

- O que deixa ainda mais excitante.

Retiro sua blusa deixando a mostra seu sutiã vermelha. Desabotoou sua calça e retiro a peça, a calcinha era da mesma cor.

Desci beijando e chupando sua barriga, Samantha gemia arqueando seu sexo até encostar em minha barriga.

Coloco a mão dentro de sua calcinha encontro seu sexo molhado e pulsante, acaricio o clitóris, pressiono .

     

                   Samantha

Arqui meu quadril em direção de seus dedos. Ela me penetra com força  fazendo-me gemer.

Ela mordia meu pescoço enquanto estocava com rapidez e força.

Retiro sua blusa queria sentir seu corpo enquanto ela me tinha toda.

Eu estava queimando, nem o frio do ar condicionado fazia surtir qualquer efeito para baixar minha temperatura.

A cada estocada sua em meu sexo as batidas do meu coração falhava.

Seus dedos entravam e saiam de mim sem qualquer piedade.

Eu estava preste a gozar, naquele instante o ar dos meus pulmões esvaíram-se

As paredes da minha intimidade começaram a contrair com o dedo de Heloísa dentro.

Ela pareceu perceber porquê deixou os movimentos mais intensos, até o momento que finalmente atingir meu ápice.

Solto um longo e rouco gemido enquanto respiro ofegantemente.

Aconchego minha cabeça em seu ombro eu estava tremendo. Depois de um tempo ela faz menção de se afastar, mas não deixo.

Passo os braços ao redor do seu pescoço e a abraço sem nada a dizer.

Só saio de seus braços quando o sinal do intervalo toca.

- É melhor a gente se vestir Sam, já brincamos demais com a sorte.

- Não sei se vou conseguir sair dessa sala caminhando, juro que ainda não estou sentindo minhas pernas.

Heloísa dá um sorriso safado… que sorriso

- Deixa eu te ajudar a se vestir.

Ela pacientemente coloca cada peça de minha roupa distribuindo beijos pelo local. Era admirável como ela sempre cuidava de mim, eu tinha a mulher mais perfeita do mundo.

- Gutierrez você quer casar comigo?

Ela me olha e sorrir..

- E me tornar membro da família Lambertini? Acho que não.

- Nossa, quem em Sã consciência despreza uma Lambertini depois de ter feito amor com ela? - digo brincando.

- Uma gutierrez malvada. - Ela responde.

- Eu amo todas as suas versões de boa a má. Eu te amo pelo simples fato de você existir. Me desculpa pelo que fiz, eu nunca quis ficar longe de você.

- Tudo bem, eu já te desculpei, só não faz mais isso, não vamos deixar que interfiram no nosso relacionamento outra vez.

- Eu prometo que vou ser mais parcial, e não deixar que historinhas nos afete. Vou está ao teu lado independente do que inventem, porque sei que de todos você é a única que não mentiria para mim.

Nos beijamos um beijo de saudade e carinho.

Eu prometia para mim mesma e para ela que nunca mais seria burra e ficaria longe, nem por um segundo.



 

É querer sempre mais
A minha estrada corre
Pro seu mar

Agora vem pra perto, vem
Vem depressa, vem sem fim
Dentro de mim
Que eu quero sentir
O teu corpo pesando
Sobre o meu
Vem, meu amor, vem pra mim
Me abraça devagar
Me beija e me faz esquecer

Bem que se quis
Depois de tudo
Ainda ser feliz
Mas já não há
Caminhos pra voltar

O que que a vida fez
Da nossa vida?
O que que a gente
Não faz por amor?
Mas tanto faz
Já me esqueci
De te esquecer porque

O teu desejo
É meu melhor prazer
E o meu destino
É querer sempre mais
A minha estrada corre
Pro seu mar

 

          Marisa Monte

              Bem que se quis



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...