1. Spirit Fanfics >
  2. O Terror da Vida Real >
  3. O Terror da Vida Real

História O Terror da Vida Real - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


se você for sensível à conteúdos pesados, não leia.

Capítulo 1 - O Terror da Vida Real


o sol raiava naquele belo dia de verão, onde crianças brincavam alegres e um churrasco acontecia no quintal da família Johnny. as crianças logo ficaram entediadas naquele quintal, pois os brinquedos eram poucos para tantas crianças. os homens, que já estavam bêbados àquela hora da manhã, permitiram que as crianças dessem uma volta por aí com suas bicicletas, porém elas teriam que voltar em alguns minutos, pois eles serviriam o prato originário do Brasil, a feijoada. as crianças pegaram suas bicicletas e, aquelas que não tinham, ficavam em pé no ferrinho da roda. cada um que estava ali se conhecia pouco, porém sabiam que seriam grandes amigos. a idade delas regulava entre os 9 à 11 anos, então estavam todos na flor da idade. o "líder" do grupinho chamou todos para um estacionamento abandonado perto da casa dele, pois lá eles teriam um espaço amplo para suas brincadeiras. a cidade estava bem movimentada e, de certa forma, brilhante com o orvalho. porém, o céu tomou uma coloração acinzentada e suas nuvens perderam a felicidade que possuíam de uma hora para outra. as crianças não estranharam e seguiram seu rumo, sem se deixar abalar. alguns minutos de pedaladas animadas se passaram e as crianças chegaram no tão esperado local. ele era realmente bem amplo, porém levemente assustador, pois também possuía algumas lojas abandonadas e uns carros velhos totalmente desmontados.

as crianças logo decidiram sua brincadeira. era esconde-esconde. todos se esconderam em lugares óbvios, exceto Jolyne. a garotinha de descendência japonesa de apenas 9 anos se escondeu dentro de uma das lojas, se aprofundando na escuridão cada vez mais quando ouvia algum ruído por perto. ela esqueceu que estava brincando e resolveu explorar a loja, pois estava curiosa. a garotinha passava a mão nas mesas e impressoras empoeiradas da loja, sem perceber o que estava fazendo. ela avançava na escuridão até se deparar com uma porta, aparentemente trancada. Jolyne encarou a porta por alguns segundos até perceber que ela se abria lentamente, porém, por ainda ser pequenininha, ela não percebeu o olhar que vinha de trás da porta. quem quer que estivesse atrás daquela porta, abriu ela ainda mais e permitiu que a garota entrasse. ela entrou e não percebeu o maníaco psicopata que lhe esperava. o homem adulto estava com um facão de cozinha em sua mão e, sem dó, empurrou a garotinha no chão, logo depois acertou o pescoço de Jolyne com o facão. ele sorriu com o sangue estampado em sua máscara. o homem retirou o facão do pescoço da garota e deu passos profundos até a entrada da loja, onde observou as outras crianças gritando a procura de Jolyne. ele sorriu novamente e, com a intenção de matar mais algumas crianças, bateu a porta na parede, chamando a atenção de todos. eles suspeitavam que fosse Jolyne, então foram vasculhar a loja. o "líder" do grupinho foi o primeiro a entrar e foi surpreendido com uma forte pancada na parte de trás de seu joelho esquerdo, derrubando-o no chão. as crianças se assustaram e recuaram, presenciando uma das piores cenas de sua vida. o homem quase todo abaixado em cima do corpo do líder, ainda vivo. o maníaco terminou o serviço puxando um revólver Taurus e atirando nas costas da criança, onde seria o pulmão direito. o sangue espichou em seu rosto e se impregnou na máscara e em parte da roupa. as crianças, sem pensar duas vezes, pegaram suas bicicletas e fugiram, indo para a residência da família Johnny. a criançada percebeu o que havia acontecido e decidiu contar, porém que ainda com receio. o filho da senhora Johnny contou tudo e quais crianças morreram, ainda assutado com aquela traumática cena. a mulher, sem dúvidas do que poderia ter acontecido, ligou para a polícia, relatando o local e como o maníaco se parecia. os adultos acompanharam a polícia, para poderem ter mais detalhes, e deixaram as crianças sozinhas na grande casa. o assassino, sabendo do que aconteceria, entrou no bosque ao lado do estacionamento e se escondeu lá, passando atrás do quintal de inúmeras casas até chegar na casa dos Johnny. ele conseguiu identificar a casa por conta da intensa risada infantil vinda de lá. o maníaco não poderia deixar provas, então decidiu que iria terminar com as crianças ali mesmo, assim pulando a cerca sem produzir barulho e foi andando pelo quintal, observando tudo com muito cuidado. ele adentrou na casa por meio de uma janela aberta, deixada assim pelas crianças, pois elas estavam sentindo um forte calor.

as crianças se localizavam no sofá virados para a televisão, perdendo totalmente a noção do que havia ao redor deles. ele se aproximou da criança que estava mais na ponta do sofá, uma pequena menina de 8 anos chamada Jullie, e desferiu um golpe com seu punho na cabeça dela, desacordando-a e, em seguida, terminou com um tiro em sua cabeça. restavam apenas mais 3 crianças que poderiam delatar como e onde o homem se escondeu. essas perceberam o que havia acontecido e, rapidamente, correram da sala, tentando destrancar a porta, porém, sem sucesso. o homem recarregou seu revólver e atirou novamente em mais uma criança, em uma artéria no pescoço, matando-a. restavam mais dois, que tentaram fugir para o outro lado, porém o homem foi mais rápido e atirou no joelho de uma das crianças, o chamado Jacob, fazendo com que ela caísse no chão e não conseguisse mais levantar. a última subiu as escadas o mais rápido possível, ofegante por tanto pedalar e, agora, correr. o psicopata tinha certeza que aquela criança que estava no chão, não iria tão longe e decidiu ir atrás do jovem que subiu as escadas. ele andou lentamente, passando seu facão contra a parede e manchando-a de sangue. a criança foi rápida e se escondeu em baixo de sua própria cama, esperando não ser encontrado, porém, o assassino já sabia onde ele estava somente pelo barulho que a criança fez. ele entrou no quarto do garoto e engatilhou seu revolver, disparando sua bala no colchão da cama. a bala foi forte o suficiente para atravessar o colchão e a base da cama box, atingindo o peito da criança.

o homem, com o intuito de finalizar a última criança, desceu as escadas velozmente e observou a cena em que a criança não estava mais lá. ele logo imaginou que ele havia se escondido, porém ele estava lá fora junto de seus pais, os outros adultos e a polícia. ele desistiu e se rendeu, tendo em mente que ele não conseguiria fugir daquela casa são e salvo da polícia. tudo ocorreu pacificamente, desde a rendição até os policiais colocarem ele no carro.

então, dias se passaram e o veredito do assassino havia saído. ele ficaria preso por 54 anos por homicídio, estupro, roubo e uso de arma de fogo em localidade habitada e ainda morte na cadeira elétrica. o nome deste indivíduo é Jones Brekham de 21 anos, relatando durante sua estadia na cadeira o porque dele ter feito aquilo. ele escreveu que sua insanidade veio junto de um trauma de infância, onde ele foi estuprado por seu pai diversas vezes. ele também anotou que sempre teve uma vida calma e não se arrependeu de nada o que fez, em toda sua existência.


Notas Finais


obrigado por terem lido. :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...