1. Spirit Fanfics >
  2. O Trote >
  3. Mesa dos seis

História O Trote - Capítulo 4


Escrita por:


Capítulo 4 - Mesa dos seis


Sala de casa, 13:45.

Minha mãe está deitada, provavelmente ficou a manhã toda desfazendo as caixas.

Eu, particularmente acho que ela fez um ótimo trabalho. Não tem uma caixa na cozinha, em compensação, a sala está entupida de caixas, só enxergo o sofá.

Eu decidi organizar a sala pra adiantar tudo.

Banheiro de casa, 17:58.

Já vai dar seis horas e eu desfiz metade das caixas. Entrei debaixo do chuveiro e tomei uma ducha fria.

As gotas geladas entrando em contato com meu suor quente é uma das melhores sensações que já senti.

Passo as mãos pelos fios de meu cabelo o jogando pra trás. Ergo o rosto, deixando a água cair.

Eu esperei o dia todo por esse banho, eu definitivamente precisava desse banho.

Termino de me banhar e me enrolo na toalha.

Me olho no espelho, esse cara aí já teve dias melhores. Eu me encarei me depreciando.

Eu realmente já tive dias melhores.

Escovei os dentes e dei um sorriso, quase igual os comerciais de pasta de dente.

Com a toalha em minha cintura, sai do banheiro. Passei brevemente pelo corredor até o meu quarto.

Decidi colocar meu pijama dessa vez. Um pijama quentinho e soltinho.

Coloquei minha calça moletom e minha regata azul. Passei a toalha no meu cabelo o chacoalhando.

Meu dia foi tão conturbado que me esqueci de pegar os livros da escola! Amanhã vou mais cedo e pego antes da aula.

Ainda são seis horas mas ja estou desmontado na cama.

Pego meu celular e fico no twitter, esperando o sono vir.

Assim que ele chega meus olhos começam a se fechar. Coloco o celular encima da cômoda e viro pra parede, ali, adormeço.

Meu quarto, 04:46.

Acordei de madrugada, talvez por ter dormido mais cedo.

Levantei da cama e fui até o banheiro.

Escovei os dentes e usei o banheiro.

Desci pra cozinha, o céu escuro, bom ainda.

Comi o prato que tava guardado no micro-ondas, minha mãe é incrível.

Enquanto comia eu fuçava meu 'explorar' do Instagram.

Eu sei que não vou conseguir dormir mais uma vez, então, pra não ser tempo perdido eu desenho. Desenhar nunca foi uma prioridade na minha vida mas sempre foi um hobby.

Eu diria que sei desenhar muito bem. Mas hoje estou com bloqueio, não faço ideia do que desenhar, penso em desenhar um rapaz.

Começo com o formato do rosto, desenho o formato do queixo. Faço a boca mas a apago. Faço o nariz que fica muito bom logo de primeira.

Quando me dou conta é Jimin quem estou desenhando. Típico.

Por que logo depois de quase apanhar eu penso em Jimin? Eu poderia estar jurando trevas àqueles que não agiram contra, eu poderia estar arrumando a casa, eu poderia estar lendo mas estou pensando em Jimin e de forma automática.

Eu só queria um desenho, mas parece que saiu uma espécie de fanart dele.

Decidi terminar o desenho, tendo agora Jimin como base. Bom, definitivamente agora.

Terminei de desenhar e guardei no caderno.

No desenho, Park Jimin está fazendo um coração com os dedinhos, quem olhar errado pode pensar que está pedindo dinheiro, mas é só um coraçãozinho, poxa!

Percebo que já são seis horas. Decido por mim já começar a rotina, a fudida rotina.

Tomo um banho, coloco minha calça jeans, minha camisa do Taz cinza, balanço os fios do meu cabelo da intenção de espetá-lo.

Desisti.

Peguei a escova e fiz um topete igual do Elvis Presley. Meu cabelo está grandinho, preciso cortar.

O topete está ridículo. Gargalho sem medo de acordar meus pais.

Por fim ajeito a franja bem separada a frente da cabeça.

Vou até meu quarto arrumar a minha mochila que já está pronta, então é só uma... revisão?

Eram seis e meia e já estava pronto.

Já que eu moro a três quarteirões e ainda é cedo, decidi passar café.

O cheiro de café recém passado adentra minhas narinas me causando sensação gostosa.

Quase vejo o bom cheiro passeando pela casa, por entre as cortinas, batendo na porta dos meus pais decidindo entrar sem permissão. Minha mãe por sua vez atende ao cheiro e levanta indo até a cozinha.

O que acabei de descrever parece comercial de café, mas foi exatamente assim que imaginei assim que terminei de passar café.

O dia não parece que vai ser bom, a casa já está pronta. Mamãe agora elétrica, convidou suas amigas pra vir a casa nova. Eu vou ir pra escola e de lá virei direto pra cá. Papai por sua vez vai trabalhar, inclusive é pra estar se arrumando!

Com passos apressados entro em seu quarto e o acordo:

– Papai! Papai! – faço um intervalo com as palavras enquanto o chacoalho – Acorde! Vamos! – o chacoalho novamente – Você vai se atrasar!

Papai não se mexe, quem olhasse de fora pensaria que ele está morto. Mas, graças a Deus, ele está vivo e resmungando.

Ele levanta lentamente da cama e com dificuldade (a barriguinha de chopp não o permite fazer algumas ações), pede pra eu me retirar.

Eu saio do quarto e entro no meu, pego minha mochila, coloco uma boa quantidade de café em minha garrafa térmica e saio.

Subo o primeiro quarteirão com a força do ódio. Estou energizado, talvez pelo café, talvez pelo banho ou pelo desenho de outrora.

O que de fato não importa pois quando passo pela casa de Jimin, o mesmo bate a porta.

Eu desvio olhar e finjo não ligar ou não tê-lo visto.

– Jeon!

Eu viro pra ele.

– Ah! Oi!

– Que bom que você tá aqui, não queria subir sozinho!

– Entendi...

– Como que tá o lance das mudanças?

– Como?

– Como que anda a organização, a desfeita das malas?

– Terminamos ontem, parecia que nunca ia chegar, não sei porque essa obcessão por decorações.

– E você está cansado?

– Nem estou tão cansado assim, acordei cedo demais hoje.

– Que horas, você dormiu bem?

– Dormi feito uma pedra! – dou risada – Acordei as quatro.

– Caramba! Não conseguiu dormir depois?

– Não... e pra não perder o tempo eu... – penso se devo contar sobre o desenho.

– Você fez coisas de menino? – ele ri – Que nojo, Jeon!

– Não! Nada disso – dou uma risada nervosa e frouxa – eu desenhei você.

Ele apoia as mãos nas alças da mochila, olha para os próprios pés, aparentemente nervoso.

– Você me desenhou? – dá um sorriso pro chão me sinto triste por não poder ver.

– Desenhei, mas ainda não acabei! Quando eu terminar eu entrego pra você, o que acha?

– Pode ser... – ergue o olhar e fica em silêncio.

– Jimin?

Me olha em resposta.

– No que você está pensando?

– Agora?

– Sim.

– Estou me perguntando se você é hétero.

Eu não consigo evitar corar. Se ele está se perguntando isso é porque tem algum interesse, né?

Mas pensando bem, qual é? Eu desenhar alguém não significa que eu estou dando em cima dela.

– E o que a resposta mudaria?

– Não sei, eu só pensei.

– Entendo.

– Uhum...

– Eu sou.

– O quê?

– Bissexual.

– Ah!

Olho para meus próprios pés e decidi ir mais pro lado, respeitando o espaço dele.

– O que você está fazendo?

– Te dando espaço.

– Mas por que?

– Não acha que estou perto demais? Você pode achar que eu vou agarrá-lo!

É sempre assim que os héteros reagem.

– Jungkook?

Eu o encaro.

– Eu também sou bissexual! – Dá risada.

Eu fico sem graça ao ponto de ficar totalmente corado, sinto minha pele ficar quente.

– Mas eu tô com um rolo aí. – ele diz sendo totalmente aleatório.

– Entendo, um garoto como você não ficaria sozinho.

– Isso foi um elogio?

– Talvez.

Ele me olha e eu respondo seu olhar. Ainda sustento seu olhar, não tenho intenção nenhuma de desviá-lo.

Ele ainda anda, não deixamos de caminhar. Ele então desvia o olhar olhando pra frente.

– Você está saindo com quem? – pergunto.

– Não sei se conhece, se chama Taehyung.

– Taehyung?

– Sim, ele é do terceiro.

– Hmmm, você curte mais velhos! – brinco.

– Lógico que não! – sorri e me dá um soquinho fraco no braço.

Já estávamos na frente da escola.

– Primeira aula, filosofia!

resmungo relaxando os ombros.

Peguei a garrafa térmica e tomei um gole do café ainda quente.

– Eu precisava disso.

– Amante de café? Também adoro café!

Entro na sala e sento em meu lugar. A sala ainda está vazia, não muito cheia, não muito vazia.

Tiro da minha mochila meu caderno de desenho, onde tem uma folha avulsa com Jimin ali.

Pego meu estojo e adianto o desenho enquanto a aula não começa. Até agora só o rosto e o tronco está pronto. Tem um braço fazendo um coração, mas ainda falta o outro.

Eu o fiz sentado fazendo "perninha de índio" como diz minha mãe. Com um calça de moletom frouxa e camisetão escrito "boom" na transversal. Mas como antes dito, falta os braços.

O sinal toca e Hoseok adentra a sala. Ele passa por mim coloca a mochila na mesa dele e enquanto a abre olha pra meu desenho.

– É o Jimin?

– É sim.

– Hmmmm – diz indicioso.

– Não pense besteira, seu tonto! – Dou risada.

É como se a gente já se conhecesse a meses.

– Preciso te contar! – Ele diz.

– Conte-me.

– Estou oficialmente na. mo. ran. do! – diz pausadamente pra causar impacto.

– Não acredito! – finjo decepção – Agora eu não tenho mais chances com você?

Ele gargalha.

– É com quem? – pergunto.

– Min Yoongi!

– Você é gay?

– Sou, você não sabia????

– Na verdade não! Mas a gente se conheceu ontem e eu não tenho bola de cristal!

Ele ri.

– Eu confesso que te achei um pitelzinho, se eu não tivesse alguém no meu coração eu sem dúvidas ficaria com você.

– E eu sem dúvidas não recusaria! – brinco.

– Você também é gay?

– Bissexual, na verdade.

– Claro, claro! Então você é do vale!

– Sou meu bem!

Ele sorri e eu retribuo.

A professora entra na sala, todo mundo se recompõe pra então prestar atenção na aula.

Eu coloco o desenho dentro do caderno de desenho e o fecho. O depositando debaixo da mesa.

Escola, Cantina.

Hoje eu trouxe dinheiro. Pego meu hamburguete que nada mais é do que uma esfirra fechada com hambúrguer e catupiry; e compro uma latinha de refrigerante. Como ontem, vou ao palco e me sento lá.

Hoje não tem apresentação, hoje é só mais um dia, mais um dia... comum?

Dou uma mordida no meu hamburguete e tiro o celular do bolso colocando um episódio baixado de Hora de Aventura pra eu assistir.

– Jeon?

Olho pra frente.

– Vamos até a mesa! – Hoseok sugere.

– Não precisa! Obrigado.

– Ah, vamos! Vamos! Vamos! Conheça meu namorado!

– Eu sou estranho, eles vão achar ruim.

– Vamos sim! – Puxa minha camiseta e eu levanto colocando no bolso meu celular.

Segurando em uma mão o hamburguete e na outra a latinha eu me aproximei com os olhos estralados.

– Senta aí, sem medo! – Hoseok ordena.

Eu coloco a latinha na mesa e o hamburguete em cima do guardanapo de papel.

Me sento ao lado de um garoto alto, loiro platinado. A mesa tem seis garotos sem contar comigo.

– Pessoal, esse é Jeon Jungkook.

Eu sorrio sem mostrar os dentes.

– Eu já o conheço. – Jimin diz convencido.

– Prazer Jeon, sou Taehyung. – Um lindo rapaz de cabelos negros e sorriso retangular estende a mão. Eu estendi de volta e aperto sua mão.

– Prazer. – respondo.

– Sou Kim Seokjin! – aperto sua mão. Ele é alto, parece que todos aqui são. Ele é muito bonito e tem os lábios rechonchudos.

– Olá! – Estou ficando sem respostas.

– Min Yoongi! – Ergue a mão o garoto que está ao lado de Hoseok, ele é pequeno e me dá vontade de trancar ele numa caixinha.

Ergo a mão de volta.

– Eu sou Kim Namjoon, presidente do grêmio. – diz por fim o loiro platinado que está ao meu lado.

Aceno com a cabeça.

– Eu pareço estar atrapalhando, então vou comer rapidinho!

Jimin sorri.

– Você está sendo tolo. – diz Taehyung.

– A única amizade aqui de outros anos são os Taemin. Nós fomos trazidos como você. – confirma Seokjin.

– Taemin?

Eles dão risada.

– Eu e o Taehyung. – Jimin comenta.

Concordo com a cabeça e mordo meu hamburguete.

Eu comi em menos de cinco minutos e tomei todo meu refri. Me senti um invasor ali.

Dei a desculpa que ia na lixeira pra jogar a latinha e eu só não voltei.

Eles estavam rindo quando eu segui a direção oposta da mesa e fui até a sala de aula. Forçando um pouco consegui abrir a porta. 

Sentei em meu lugar, sendo permitido ou não.

Tirei meu celular do bolso e faltava quinze minutos pra encerrar o intervalo. Quinze minutos.

Eu ali na sala em silêncio me deixou entediado. Coloquei fones de ouvido e liguei na minha rádio de Lo-Fi favorita. Enquanto terminava o desenho, se eu seguisse esse ritmo até a próxima aula eu terminaria.

O contorno e seus traços estão prontos. Falta só a pintura. A pintura eu decidi pintar de aquarela. Mas tem um problema, eu não tenho aquarela, não aqui. Então eu pego meu lápis vermelho e só dou uma colorida em seus lábios, suas maçãs do rosto e as pontas de suas orelhas. Fui o colorindo destacando seus olhos. Quando vi já tinha acabado. Assinei o desenho e por fim o fechei.

Jimin, sentado no chão fazendo coraçãozinho com os dedos.

O sinal toca, todo mundo entrando na sala e eu levanto e vou até a mesa de Jimin, entrego o papel pra ele.

Que não dá muita atenção de início pois está batendo papo com um garoto no fim da sala.

Deixo na mesa e saio dali.

A aula começa e eu não recebi nenhum: " Uau, Jeon Jungkook, como esse desenho ficou lindo! Obrigada por ter feito e perdido o intervalo com ele!"

Mesmo eu sabendo que não, que foi porque eu não queria estar naquela mesa.

Um tempinho depois a professora sai da sala pra ir fazer alguma coisa. Aproveito pra me virar e pedir

desculpas a Hoseok, por ter saído da mesa.

Quando me viro está Hoseok e Jimin dividindo uma cadeira. 

Os dois estão olhando pro desenho.

– Ficou muito bom.

– Não parece comigo???

– Sem dúvidas!

Eu fico olhando para os dois e eles erguem o olhar e arregalam os olhos. Dou risada por que eles reagiram igual e ao mesmo tempo.

Jimin tem a tentativa fracassada de colocar o desenho de baixo da mesa.

– Eu já vi.

– Ah. – Jimin relaxa os ombros.

Eu coço a nuca e digo:

– Desculpa por ter saído da mesa.

– Ah, você só não estava confortável. Aos poucos você acostuma. – Hoseok incentivou.

– Vocês vão vir amanhã? – pergunta Jimin.

– Por que não viriamos? – perguntei.

– Amanhã é quarta, de quarta-feira só tem aula de educação física. Ninguém vem! – Diz Hoseok.

– Amanhã com certeza eu não vou vir. – Avisa Jimin.

– Ah, eu também não. Cansei da voz desse velho! – Hoseok brinca

– Eu tenho que vir. Pelo menos essa semana.

– Deu dó! – Jimin faz voz de bebê e aperta minha bochecha.

– Sim, deu dó de vocês que não vão me ver com shortinho de ginástica! – Brinco.

– Amanhã vai estar um dia tão lindo, acho que vou vir sim! – Hoseok entra na brincadeira.

– Só vou vir amanhã pra usar minha regata nova, não pra ver você! – diz na brincadeira também.

– Mas, falando sério, vocês não vão vir? – pergunto.

– Eu não, já combinei com Yoongi de irmos ao shopping amanhã.

– Eu vou. – Jimin afirma.

– A gente se vê no shopping? – Hoseok se empolga.

– Não, eu vou vir amanhã.

Eu dou um sorriso largo.

– Até parece que eu vou perder Jeon Jungkook de shortinho de ginástica!

– Você vai vir mesmo?

– Aí se peguem! – Hoseok brinca.

– Se ele quiser eu quero, se não quiser é meme. – Digo.

Jimin abaixa a cabeça.

– Cara, é brincadeira! – aviso.

– Eu não recusei. – Ergue o olhar.


Notas Finais


:3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...