1. Spirit Fanfics >
  2. O Uivo No Palco >
  3. O Programa

História O Uivo No Palco - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - O Programa


 

Silva, assim sempre como gostava de ser chamado, folheava pacientemente uma apostila enquanto tomava  café com leite em um copo  de vidro desses que antes armazenava um conjunto de milho verde ou ervilha. A Logo do produto ainda estava transparecendo no copo, mesmo com toda tentativa de Silva de retirar na unha. O refeitório não era tão grande quanto a de uma empresa terceirizada. Era um tamanho médio, que comportava perfeitamente o mesmo número de funcionários do programa. Produtores, diretores e segurança, além claro do apresentador, que ria tão alto, que mesmo daquele tamanho dava um eco perfeito que parecia estremecer todo o refeitório. E a medida que passava de folha a folha da apostila, por muitas vezes interrompia Mario de levar o café até a boca. Se tinha algo que Mario mais detestava, mesmo Silva sendo muito seu amigo era seu costume de interrompe-lo com seu escandalo de risadas. 

- Puta que Pariu! Olha isso Mario. Meu nome é Cabral. Sou do interior de São Paulo. Atualmente e até hoje" - Fica atento com isso - ”Foragido e a úncia pessoa que sabe da verdade que até hoje não é dita no País”. 

- Que é...

"Eu sei quem mandou matar PC Farias"

- Ah vai  se fuder - Disse Mario arqueando na cadeira do refeitório, dando um rangido estridente seguido de mais uma leva de gargalhadas altas de Silva. Tinha quase certeza que um dos produtores que chegaram por último no programa levou um susto e quase deixou celular cair das mãos.

-  Devagar cara!! -  Interrompeu um pouco Mario, antes que pedisse novamente para ele continuar lendo. 

Desculpa cara, mas é que isso é hilário demais, enfim...- "Eu possuo documentos reais e nunca apresentados antes em nenhum telejornal sobre o verdadeiro mandante do assassinato".

- E o que mais? 

"Já afirmo que eles estão me procurando até os dias de hoje. Necessitei de muita coragem pra chegar ao seu programa e dizer a verdade" 

- E 500 reais né safado

Antes que Silva desse um tapa no ombro de Mario, esse o reprendeu afastando o ombro da tapa. - Me deixe beber a droga de café caralho! - Silva explodiu ainda mais em risadas que quase o deixaram sem ar. 

- Me diz, como você consegue gostar disso? de aguentar esse povo maluco? Dessa porra de programa? Sai daqui porra. Vai morar com sua cabeça de vento numa praia. Isso é ridiculo demais, cacete!!- Mario Pensou, mas se dissesse poderia lhe custar o bom emprego de segurança. 

- Cada gente doida que me aparece no seu programa que Jesus - Esse cara pode até se juntar com aqueles farofeiros lá de Bacurau

- Sim!! Sim!! Os caras que viram discos voadores em Bacurau - Falou Silva dando uma golada do café que pelo tempo da conversa já se encontrava frio e amargo. 

- E as férias? Quando finalmente teremos um pouco de paz..

- Férias?  Porra Mario. Você sabe que esse ano a gente tá de agenda cheia. Não sei o quando vamos ter férias. Tá chovendo de gente maluca no programa pedindo pra participar. O que eu posso fazer? 

- Cara, eu preciso tirar, pelo menos um dia de descanso - So um dia. Estou sem férias já tem um ano, porra. Um ano já. 

Silva deu uma leve fungada e passou as mãos entre os lábios e no bigode. Lembrava o Charlie Bronson, ou como seus colegas de programa diziam entre as cortinas, O Kruashtron Tra do Sertão.

 - Sim, mas está sendo bem pago, não está? 

Pelas costas de Silva, Bruna, a cozinheira do refeitório, enquanto já terminara de secar algumas talheres e copos umidos, fez uma arma imaginaria com as mãos apontada pra cabeça fazendo Mario quase se segurou contorcendo, pra não de rir de nervoso

Silva pediu a Bruna um pouco mais de café. Bruna foi até Silva e derramou o ultimo fio da garrafa no copo de silva que fuzilou o café e deu mais uma golada amarga. Silva não respondeu curtindo um pouco do gole e nem Mario, até enfim dizer;

- Eu vou ver está bem - Não se preocupe que vou ver. - Dois ou três dias de licença não vai matar ninguém não mesmo? - Completou dando tapas no ombro de Mario. 

- estou falando das minhas férias seu creitno - Pensou Mario 

- Olha só. Que tal esse - continuou Silva a apostila -  "Meu Nome é Paulo e.gostaria de fazer uma confissão. Silva percebeu que Mario perdeu o interesse. Esse começou a  olhar pros lados e inclusive fez deu umas torcidas no pescoço. - Nossa que dor nas costas - deve ser essa cadeira - Disse enquanto verificava a cadeira onde sentava. 

 - É vai ser esses aqui mesmo e esse outro Paulo. - Falou sozinho enquanto Mario interessava-se mais a cadeira

- Cansei de ler essa merda. Bruna. por favor. - disse apontando o copo vazio 

- Acabou o café pra hoje meu filho - Falou Bruna secando as mãos no avental. 

- Então, já escolheu como será hoje as etapas do programa? - disse enfim Mario para silva

Silva encarou Mario e deu mais uma olhada na apostila jogando-a contra mesa. 

- É..já escolhi 

Mario olhou fixamente pra silva coçando a barba no rosto e empurrando o cabelo com uma falha calva na frente para trás. fingiu que tinha algo importante ao celular, deu uma olhada rapida, até então Silva novamente quebrar o silêncio. 

- Acha que é o unico que precisa de férias? 

- Eu sei tá legal - 

- Porra! Tem um DOIS  ANOS que EU também não tiro férias. 

- Porque você não quer ferias, seu ganancioso filho da mãe. Já ouviu falar de reprise?  

-  E olha, eu realmente duvido que esse ano vou ter férias amigo. E não estou falando do programa, estou falando lá em casa. Já é o sexto moleque que vem a caminho. 

Mario segurou um riso falso e abusador deixando Silva um pouco mais preocupado. 

- Já é a terceira vez que ela me faz isso. Me convencer a ter outro filho

- Não foram SEIS VEZES? - ironizou Mario

- Não Caramba. Foram Três filhos que eu sempre quis. Os outro ela tudo me convenceu. Não sei como parar ela.

- Para de assistir filme de família grande e feliz, que isso pode mudar amigo - Mario deu uma grande risada seguida de Bruna 

- Ou você também pode fazer... O que mesmo Bruna? Ah sim! A porra de uma.....de uma.. VA - SEC - TO - MIA - Falou Mario com os dedos indicadores apontados na  própria temporada, como se tivesse "lido" mentalmente cada letra até chegar a palavra. 

- Eu não, essa porra deve doer! - E depois eu vou ter que sair daqui pra fazer essa merda. 

- Tira uma semana de  licença então porra e vai cortar isso dae - de uma finalidade nessa reprodução - Falou Bruna fazendo Mario quase cair no chão de rir. 

- Olha que ela tem razão heim - Seis é bom, mas DOZE É DEMAIS - disse Mario caindo na gargalhada. 

Silva tentou beber um cafe falso num copo vazio, e quase jogou o copo contra a parede mas segurou-se com Mario parando de caçoa-lo e o acalmando, mesmo com tudo, Mario gostava muito da cia der Silva , e não queria irrita-lo. 

- Vocês dois não tem ideia do quanto é difícil conversar com a Helena. 

Fica calmo tá bom amigo - Parabéns cara!! Você vai ter um sexto menino. Isso é ótimo! - A gente tem que comemorar cara. - Que tal depois de fecharmos a noite hoje? - O que acha Silva?

- Lá no "Bem Amigos", a gente podia ir por lá - dizem que o Shop é ótimo e barato. 

- Claro! Isso ae, Vamos sim!! - você também vem Bruna? 

- Com certeza Mario, mas não vai dar pra eu pagar rodada completa hoje. 

- Pode deixar que isso hoje é por minha..conta - disse Mario quase se enforcando com suas palavras. 

 - Você pode por favor ligar a TV, você sabe que ninguém consegue ligar essa aberração, além de você. Temos tempo ainda pra ver um programinha antes de subir. - falou Silva ainda empolgado com o convite de Mario ainda passando as mãos na careca reluzente. 

- Porra cara, deixa de ser chato Silva, levanta essa bunda e liga a TV. 

- Eu sou mais baixo que você porra. Não alcanço aquela merda de TV - Bruna, por favor..

- Tudo bem. Deixa comigo - Disse Bruna com calma. Ela lembraria naquela noite claro de rir mais dos acontecimentos que acometiam Silva e se segurava para não espalhar para os amigos e familiares. Ela ao contrario de Mario, não gostava tanto da presença preguiçosa de Silva. 

Subiu em uma cadeira onde a TV ficava no alto. conectou a tomada e Ligou a TV, na metade do Telejornal do canal Ariranha, com as noticias que acometia o País e claro a cidade de Anu.

Uma breve noticia de casos de pessoas encontradas mutiladas em próximo a região de Anu e Bacurau. Bruno fez inclusive questão de aumentar para todos saberem mais, e um silencio pequeno acometeu-se no refeitório. Apenas o som da TV.  Algumas imagens noturnas e embaçadas chamaram mais a atenção. Um grupo da forense examinava o que pareciam ser..pedaços de corpos mas embaçados pra distinguir. O Apresentador do telejornal chamou atenção sobre a forma como as vitimas foram atacadas e em todas elas tinham mordidas.  "Uma especie de cão tem atacado e dilacerado alguns moradores que andam despercebidos a noite, em varias partes da região. O que poderia ser esse estranho animal?. De acordo com o Biologo convidado do programa, não existe nenhum animal capaz de tamanho ataque. Ele ainda voltou a atenção do programa quando afirmou parecer ser uma coisa..de outro mundo" 

- Quando a reportagem voltou para equipe de investigação e policia, esses afirmaram ser um possível caso de Serial Killer, e os lembrou de outros ataques de animais da região, com Onças e Coiotes A reportagem terminou com repórteres tentando conversar com moradores próximos do ataque. Alguns dizendo não ter escutado nada, nem grito nem mesmo um sussurro. Entretanto quando voltou a uma senhora, essa disse ter escutado um som jamais nunca escutado antes. "Eu estava esquentando um chá pra eu dormir. Está calor e eu abri um pouco a janela da cozinha, pra ventilar um pouco de ar.  Quando escutei da mata. Ben ali na frente .O som. Não era de um cachorro, de um coiote, nem de onça...Era outra coisa... - Quando questionada pelo reporter, essa completou - "Não. Não parecia um Urso. Não parecia nada que eu tenha até imaginado das histórias daqui de qualquer bicho da mata. “Pra min. isso era o coisa ruim” - Disse a senhora encarando a câmera. 

- Porque essa senhora não veio aqui no programa. Vai “ser um sucesso” - Deu uma risada irônica Mario cruzando os braços - É muito difícil hoje dizer que é um maluco assassino que anda a solta.?

- Cacete Gente. Foto tudo borrada e essa merda que a velha falou. Será que essa porra vai chegar aqui em Anu? 

- Deixa de conversa Bruna - É só mais um querendo pegar a casquinha do programa,- Disse Mario

-   Esses desgraçados sabem da audiência do programa e querem uma fatia agora, porra - Encarou para o telejornal Silva franzindo o cenho- Falam pra caramba do programa em tudo que é lugar por aqui. sucesso de audiência da região.. Até parece que eles não iam de algum jeito também querer chamar a atenção. 

"A policia continua investigando o caso e inclusive alertando os moradores com toques de recolher pela noite.  Alguns dizem se tratar de mais um caso de Chupa-Cabra "

- Ah, Olha ae que eu disse. Viu? - E eles são safados. Escolhem o dia do programa, antes de ele começar ainda pra passar essa mentira. Porque não passou a porra do futebol ou mostrou o que tá acontecendo lá em Hollywood, como todo jornal faria?

- Em Anu isso não tem importância, amigo - Ironizou mais uma vez Mario. 

-  Merda de Jornalistas. - Saudades quando centravam só em ferrar o Presidente - - Disse Bruna dando um pequeno descanso as pernas sentando ao lado de Mario

- To pra te falar que algum dia desse, esse programa vai ir além do absurdo. Algum dia vai vir uma história de VERDADE. Um puta escandalo sabe. Um dia nós seremos o primeiro a divulgar isso - Você vai ver...

- Olha na boa Silva. Interrompeu Mario - Mas...

Antes que SIlva respondesse, uma luz verde piscando na porta de saída do refeitório indicava que faltava emfim poucos minutos pra começar o programa. Seguido de Tina, a produtora do programa que adentrou com a parte superior do corpo dando uma fuzilada em Silva e Mario. 

- Tá na hora - Anda logo que vocês ainda precisam ir no camarim. 20 Minutos

- ok Pode deixar - falou Silva acompanhando Mario até o camarim. 

- Soube que você irá ter outro filho. Parabéns - Disse Tina a medida que chegavam ao camarim, passando por outros produtores e câmeras-Man que se posicionavam e se arrumavam pro programa. 

Silva tentou explicar o caso a ela, mas percebeu que essa verificava os últimos direcionamentos do programa. Apenas deu um leve toque no ombro de Tina e disse um alegre..- Obrigado - Para Tina. 

- Onde está a apostila do Programa? Já viu todo cronograma de hoje? 

Antes que Silva dissesse que esqueceu algo na cozinha, foram abordados pelas costas por Bruna, devolvendo a apostila para as mãos de Silva. Tina deu uma leve fuzilada com a falta de atenção de Silva mas continuou o seguindo até enfim desviar quando chegou ao camarin. - 15 minutos - Disse ela antes de sumir da vista deles. 

- Droga! Parece minha filha mais velha pedindo pra usar o computador dela. 

Mario deu uma leve risada e despediu-se de Silva, dirigindo-se até a produção do programa. 

Deu boa noite para alguns dos amigos e colegas de produção, inclusive Tina que não desgrudava os olhos do cronograma diario no computador, e passando os últimos retoques pra radio na produção do palco.

Mario implorava já pra estar em casa. Sentou um pouco no banco colocando o colete  e o uniforme de trabalho, com radio fone e uma lanterna no bolso esquerdo do colete.  Lembrou-se dos velhos tempos de detetive particular. Mesmo que a maioria dos seus casos fosse investigação para traição que em sua maioria claro, era de maridos infiéis. Mesmo que tenha e estudado muito, encarado dias em claro, viradas, e chuvas matutinas..Tudo para se formar em um sonhado investigador - Todos seus casos não passavam de gente pulando a cerca. Até o dia que foi convidado pra servir a policia de Anu, com seu extenso currículo de casos.

Mais uma vez passou pela fase de estudos e mais estudos, e treinamento, mas infelizmente falhou na ultima etapa. Para não ter que perdido seu tempo, foi convidado pro seu amigo de longas datas Silva, para usar seu dom no programa, e o unico o qual ele carregou. O de segurança. seu trabalho era facil e rapido. Acompanhar e algumas vezes enxotar as vitimas do programa. Sua alcunha ficou tão conhecida também no programa que se tornou o favorito de muitos em toda vez que aparecia. Por isso inclusive ele passou a ficar mais destacado no canto do palco, esperando quando o publico resolvesse que alguem estava falando abobrinhas demais e ele os retirasse. Era assim que funcionava o programa.

Gostava também do salário mas sentia-se ridiculo. Igualmente por ter falhado de entrar pra policia, e para piorar sem as férias passou a ter noites mal dormidas. E já que não conseguia dormir direito por vezes virava o dia em bares ou casa noturnas da região, para so então poder dormir o dia inteiro até a hora de se dirigir ao estudio. 

Assim que apareceu no palco, o público que já o conhecia arrancou se em aplausos e gritaria. 

Parecia que Mario o segurança tinha enfim se tornado um personagem do programa. 

Eis que então, apareceu das cortinas Silva, com um terno cinza, acenando para um publico ovacionado. Silva sentou-se a mesa de apresentador e assim uma equipe de maquiadoras deu os retoques finais pra esconder um pouco de algumas manchas no seu rosto e claro, ficar mais apresentavel. 

- Já escolheu quem você irá trazer primeiro ao palco? - Alertou tina no ouvido de silva. 

- Sim, você vai ADORAR ESSA - Disse Silva de volta na mesma entonação de voz de Tina.

Mario posicionou-se no canto do palco. Afrouxou um pouco o colete de PRODUÇÃO do programa e bateu os pés na esperança de desapertar os sapatos, que ele ja tinha pedido muitas vezes um numero melhor. 

-- Então podemos começar - Disse Silva dando o sinal para as câmeras e produtores para delírio do público 

- Que comece o show de aberrações -  pensou Mario 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...