1. Spirit Fanfics >
  2. O Uivo No Palco >
  3. O Show

História O Uivo No Palco - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - O Show


Dado a vinheta do programa, o publico levantou e ovacionou a apresentação de Silva, que ficou rapidamente de pé, antes até que a vinheta completasse. Cumprimentou os participantes da frente e abraçou e beijou no rosto algumas mulheres do auditório.  

– Boa noite cidade de Anu. Está no ar hoje o programa mais falado do País – CONTE-ME  SEU SEGREDO! – encheu os pulmões Silva 

–  E hoje nós iremos trazer três pessoas. Três pessoas com histórias e segredos mais improváveis. E Lembrem-se, pela amor do Bom Jesus cristo,  que não são histórias da sua vida, do seu tempo de adolescente e jovem - Não, nada disso!! –  Tem que ser um segredo, algo que nunca e jamais diria antes pro publico, e assim o programa irá lhe dar 500 reais por sua participação e contribuição por esse segredo. 

– Mas caso sua estória esteja....ridicula, Publico o que acontece? - gritou Silva

– CHAMA O MARIO!! - GRITARAM 

A camera ao vivo focou em Mario que deu um sorriso desconcertante e largo. 

– E hoje pra começar temos Paulo – Um Homem que pretende hoje revelar um segredo ASSUSTADOR, segundo ele.. – Venha Paulo!!

Assim que Silva o apresentou, um homem jovem negro, com uma blusa social e jeans levantou-se e acenou com alegria pro publico. Tinha também uma cicatriz bem pequena entre o olho esquerdo, apesar de bem jovem. Cumprimentou alguns dos participantes e só assim foi até o palco onde apresentaria sua estória ou história. Deu um abraço forte em silva que ficou maravilhado com a energia do homem e assim também iria fazer com Mario, que ficou desconfortável com a felicidade do homem. O Homem sentou-se de frente as câmeras e já ficou um pouco envergonhado com elas, todas apontando para seu rosto. Ficou sem falar por alguns segundos parado e olhando fixamente. Percebendo isso, Silva foi até o homem tentar acalma-lo. Esse já não perdeu tempo em revelar seu segredo.

– Eu sou um lobisomem! – Gritou Paulo

O Auditório começou a rir de Paulo, que estranhamente também riu com eles por alguns segundos. Silva e Mario ficaram desconcertados.

– Tudo bem então. Já que você não quer nem perder seu tempo se apresentando para o público, eu já dou meu voto. Eu acredito no que você esta falando, eu acho que você necessita falar mais sobre sua estória de lobisomem. – Falou Mario ao microfone e o auditório riu com ele.

– Sério?? – Falou Paulo emocionado

– Sim não precisa nem o publico decidir. Você é a primeira pessoa que vem aqui fazer perder nosso tempo com essa historinha.. – Ele merece, não merece auditório. O que ele merece?

– A rua!! – Gritou alguém

– Sai do palco, maluco!! – Gritou outro

– Tira ele do palco, Mario –  

– Tira ele!!

– Tira ele!!

Gritava o auditório

Paulo então percebeu finalmente que estavam caçoando dele. Continuou parado olhando fixamente a câmera. E parecia encara-la tanto, a ponto da produção dos câmeras-man ficarem desconcertados. Esses viram certa, frieza em seu olhar. O homem parecia também estar falando sozinho.. – O que? – Disse ele ao lado. Não havia ninguém com ele, além do espaço vazio do palco.

– Na Boa meu amigo, parabéns. Você conseguiu o recorde de expulsão.  Porque você não vai la pro João Kleber. Der repente o público vai acreditar nessa mentira.

Mario estava tomando a frente demais do programa, deixando Silva mais desconcertado que finalmente falou.

– Paulo, você tem provas de que é um Lobisomem?

Assim que Silva enfim falou, o homem levantou-se e da calça de trás retirou e entregou uma folha amassada para silva. Silva abriu as folhas que mais pareciam um embrulho de tão amassadas e até que então viu em imagens de jornal, os corpos das vitimas dos casos que vinham acontecendo fora de Anu.

– O que é isso Paulo?

– As minhas vitimas! Eu as matei! – Falou Paulo ao microfone

O público então parou estantanemante. E os risos forma diminuindo até ficar um silencio total.

Tina imediatamente fez um sinal de corta pra câmera, mas Silva o repreendeu.

– Você se transformou e matou elas, Paulo?

– Sim – Falou Paulo bebendo um pouco do copo de água que ficava encostado junto ao pé da cadeira. Esse enquanto bebia mais uma vez olhou para o lado, e outra vez parecia estar falando com alguém. Silva e Mario imediatamente captaram

– Com quem diabos você está falando Paulo?

– Com eles

– Eles quem – Falou Mario já nervoso

– Os mortos – Essas pessoas da sua folha, Silva.

– O Luis Carlos, os dois jovens namorados do Rio Escoado, Leonardo e Kátia e a outra garota Maria das Graças. Eu matei todas essas pessoas, transformado em Lobisomem. Pobres Jovens..Pobre homem. Eles sabem que eu não tive culpa. – Disse Paulo querendo chorar.

– Uma vez quando me transformo Silva, é incontrolável – Não consigo comandar no meu corpo –  eu so faço as coisas sabe –  eu vejo o que o Lobo faz, mas não consigo parar....

Alguém do publico finalmente quebrou o silêncio e começou a gritar revoltado – Prendam esse homem – Chama a polícia!

– Sim, eu quero que me prenda. Eu vim aqui também pra isso – Disse Paulo apreensivo – E também Silva, quero que você pague, por favor, os pais das vitimas. Principalmente o da Maria. Por Favor!!

Paulo falava tranquilamente encarando a câmera. Tina estava quase subindo pelas paredes pelos lados.

– Você tem ideia do que você acabou de fazer, Paulo? - disse Mario contendo já o homem pelo braço. 

– Sim Mario, o Segurança. Nós sabemos o que eu fiz. Eu sou um Assassino. Eu desmembrei essa pobre garota que estava somente andando com a bicicleta e curtindo uma noite fresca do campo pelo parque enquanto aguardava por seu namorado.. Dois dias depois, eu esquartejei dois jovens que estavam nadando escondidos pelo rio, e curtindo suas fases de jovens, se descobrindo, amantes – Enquanto tocava Raul Seixas num radio na beira do rio. E uma semana depois matei um pobre homem bêbado e solitário. Você pode me prender? Antes que o lobo mate outra. Você pode fazer isso? 

Mario não sabia o que dizer. Silva segurava-se pra dizer CORTA!

– Ou alguém pode me matar também – Seria melhor assim.   

Tina não aguentou mais o que Paulo dizia e assim cortou ela mesma a rede ao vivo das câmeras.

– QUAL É O PROBLEMA DE VOCÊ PORRA!! – rugiu ela pra Silva.

– Eu ja ia cortar –  gritou Silva de volta nervoso e suando tanto de desconforto que parecia estar numa sauna. 

Esses não sabiam o que dizer, além de observar Paulo olhando pra um público que já estava “satisfeito” com a frieza dos detalhes que Paulo deu as vitimas. Estava furioso. Mario teve que desviar do homem e ajudar a segurança pra conter o publico. 

Paulo deu um sorriso tímido e cínico, encarando-os

Mario o observou e se segurou pra não ir até ele e talvez fazer o que ele tenha pedido. Estavam diante de um suposto serial Killer que tinha se revelado diante as câmeras.  Implorava para que a parte de produção tivesse já chamado a policia. Aquele dia seria lembrado por muito tempo. 

– A policia já chegou então? – Falou Paulo calmamente para Silva

– já estão a caminho – disse Silva implorando para que fosse verdade, até que mostrasse homens fardados rendendo o homem.

 – Você está confessando um assassinato. Tem certeza disso? – disse o jovem policial algemando Paulo

– Sim eu tenho. EU MATEI ESSAS PESSOAS.

Os policiais acompanharam então Paulo até a saída, e direto para um carro de Policia do lado de fora. Mario, Silva e Tina também o acompanharam.

Ficaram por alguns segundos acompanhando o camburão deslocar-se até a delegacia e sumir pela esquina.

– Parabém Mario, hoje irá pra casa um pouco mais cedo. – Falou por fim Silva

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...