1. Spirit Fanfics >
  2. O último dos Moicanos >
  3. Emboscada

História O último dos Moicanos - Capítulo 2


Escrita por: CRIS75950

Capítulo 2 - Emboscada


Fanfic / Fanfiction O último dos Moicanos - Capítulo 2 - Emboscada

O sol levantou mais cedo do que na Europa, pensou Cora.... Ela e Alice acordaram um pouco mais tarde que o habitual. Cora estava debruçada sobre a janela, admirando a paisagem formada por enormes e robustos pinheiros ao longe, enquanto Alice lutava exaustivamente para tentar fechar seu baú cheio de vestidos. 

-Maldito baú!..-protestou Alice com a voz ofegante.-Eu devia ter trazido o velho baú da vovó que é capaz de guardar até uma frota de navios inteira!

-Eu disse que não era preciso ter trazido tantos vestidos, Alice. Estamos em um território colonial e não em Londres.

-Mesmo no mato precisamos estar vestidas com elegância.

Cora riu e voltou a admirar a paisagem. Enquanto isso, Mágua observava Cora com o mesmo olhar penetrante de quando a viu pela primeira vez. O índio a encarava com um estranho desejo libidinoso... Mas ao mesmo tempo, sentia um profundo ódio pelo coronel Munro.

Quando Mágua tinha apenas vinte anos de idade, foi brutalmente açoitado pelos soldados do coronel Munro durante o período em que trabalhava para ele como seu mensageiro. 

Depois desse lamentável episódio em sua vida, Mágua uniu-se aos guerreiros Mohawk e passou dez anos lutando ao lado deles. Hoje em dia, ele é mensageiro do general Webb. Mas seu ódio pelo homem branco ainda vivia dentro de seu coração. E seu desejo de vingança aumentou no momento em que viu as filhas do coronel Munro....

Nesse momento, Nataniel, Uncas e Chingachgook estavam indo em direção ao Forte Edward. Durante o trajeto, eles acabaram encontrando sinais de guerreiros hurons e pegadas.

-O que você acha, pai?-perguntou Nataniel.

-Guerreiros Hurons... estão por perto.

-Eles estão embrenhados na floresta aguardando o ataque.-concluiu Uncas.

-Precisamos chegar até o Forte Edward e avisar o general Webb que Mágua é chefe dos Hurons e Mohawk.

Os três então seguiram caminho até o Forte Edward, que nesse momento se despedia das filhas do coronel Munro.

-Sentiremos falta das senhoritas em nosso Forte..-comentou o general Webb.-O pai de vocês é um homem muito respeitado por aqui.

-Nós agradecemos pela hospitalidade, general...-disse Cora.-O senhor foi muito gentil conosco.

-Para mim foi uma honra, srta. Munro.

As duas moças montaram em seus cavalos acompanhadas por Duncan e mais um pequeno regimento. Mágua caminhava logo a frente do grupo, guiando-os silenciosamente. De vez em quando, seu olhar encontrava com o de Cora que desviava rapidamente, sentindo um insistente desconforto cada vez que o índio estava por perto.

Nataniel, Chingachgook e Uncas entraram no Forte Edward e foram recebidos por seus velhos amigos.

-Nataniel...-disse um dos colonos convocados.-O que veio fazer aqui? Se juntar a nós?

-Eu vim falar com o general Webb... Preciso avisar a ele sobre Mágua.

-Mágua? O que tem ele?

-Não passa de um assassino e ladrão... Provavelmente está tramando algum tipo de ataque contra o coronel Munro.

-Mas Mágua trabalha como mensageiro do general Webb há dez anos...

-Mágua é um chefe Huron, e não um Mohawk...-disse Nataniel.-Ele continua leal ao seu povo. Continua sendo a mesma cobra de sempre. É um salafrário e traidor.

-Eu nunca gostei daquele índio...-comentou um dos colonos.-Eu sempre desconfiei que havia algo de errado com ele.

-Você chegou um pouco tarde, Nataniel... Mágua acabou de sair daqui guiando um pequeno regimento até o Forte William Henry.

-Guiando um regimento?

-Sim...as duas filhas do coronel Munro acabaram de chegar da Europa e saíram daqui escoltadas por um major do exército britânico que está conduzindo o regimento.

-E Mágua está guiando as filhas do coronel até o Forte William Henry?

-Está.

-Mas está acontecendo uma guerra sangrenta no Forte William Henry! Esse major não devia ter saído daqui com as filhas do coronel... serão mortos antes mesmo de chegarem ao Forte!

-Você acha que Mágua tentará fazer alguma coisa contra as filhas do coronel?

-Eu não sei...mas se tratando de Mágua, podemos esperar por qualquer coisa.

Momentos depois, Mágua sugeriu uma pequena pausa para descansar e dar de beber aos cavalos. Cora e Alice desceram de seus cavalos e sentaram-se para beber água em um tronco de árvore caído na beira do caminho.

-Eu nunca pensei que esse lugar fizesse tanto calor...-murmurou Alice enquanto usava seu chapéu como abanador.

-Ainda falta muito até chegarmos ao Forte?-perguntou Cora encarando Mágua.

O índio simplesmente olhou para ela e não respondeu. Aproximou-se das duas que estavam sentadas no tronco e encarou Cora da cabeça aos pés. Cora sentiu um forte desconforto ao ver o olhar daquele índio sobre si como se fosse uma cobra peçonhenta pronta para dar o bote. Em seguida, ele afastou-se das duas e foi até major para continuar o trajeto até o Forte.

-Por que esse selvagem tanto olha para você, Cora?-perguntou Alice em voz baixa.

-Não faço ideia...mas ele me assusta muito. É como se estivesse me devorando com os olhos!

-Estou começando a ficar com medo dele...

-Eu também...mas precisamos continuar até chegarmos ao papai.

-Espero chegar o mais rápido possível... Não suporto mais esse calor e esses insetos me picando o pescoço!

De repente, Cora sentiu como se alguma coisa a estivesse observando de dentro da floresta.

-O que foi?-perguntou Alice.

-Nada...eu senti como se algo estivesse nos vigiando.

-Está sim... O olhar daquele índio nojento!

-Não, não é isso... é como se tivesse alguma coisa dentro da floresta.

-Deve ser algum urso...

Em seguida, ouviram um disparo de fuzil que atingiu em cheio um dos soldados do grupo. Rapidamente, Duncan correu para junto de Alice e Cora para protegê-las. 

-O que foi isso, Duncan?!-exclamou Cora abraçando Alice.

-Estamos sendo atacados!

Para o desespero das duas moças, vários índios Hurons surgiram de dentro da floresta, massacrando os soldados com suas facas e tacapes afiados. Uma luta violenta e feroz formou-se diante dos olhos estupefatos das duas garotas inglesas que correram para trás de um espesso arbusto espinhoso próximo dali. Duncan acompanhou as duas com seu mosquete nas mãos. Os Hurons estavam aniquilando o regimento com golpes de facas e de tacapes. Muitos estavam sendo escalpelados. Mágua começou a procurar pelas duas filhas do coronel... parecia tomado por uma intensa ansiedade. Para sua surpresa, três de seus guerreiros hurons foram alvejados fatalmente por tiros de espingardas. De repente, Nataniel, Chingachgook e Uncas surgiram de dentro da floresta descarregando suas espingardas contra os Hurons. Os três começaram a lutar violentamente com os últimos guerreiros hurons que ainda restavam. Mágua sentiu que aquele não era o momento propício para sequestrar as duas garotas brancas e decidiu bater em retirada dali. 

Assim que viu que o perigo havia passado, Duncan se aproximou de Nataniel juntamente com Cora e Alice que ainda estavam amedrontadas.

-Agradecemos a sua ajuda...-disse Duncan.

-O senhor é o major Heyward?

-Sim.

-Nós estivemos no Forte Edward pouco depois que vocês haviam partido... Fomos alertar o general Webb sobre aquele chefe Huron.

-Quem? O guia? É um Mohawk.

-Não é Mohawk... é um Huron. E um Huron da pior espécie. 

-O que?

-Como acha que sofreram essa emboscada, major? Foi uma armadilha. Uma armadilha arquitetada por aquele maldito Huron...os hurons estão a serviço do general Montcalm.

-Como sabe de tudo isso?

-Meu pai, meu irmão e eu vivemos nestas florestas há muito tempo e conhecemos bem os povos que habitam estas regiões...Os Mohawk são um povo passivo. Mas os hurons não passam de cães assassinos e ladrões.

-Nós estávamos indo para o Forte William Henry...-disse Cora de repente.

Nataniel olhou para ela e disse depois de alguns poucos segundos admirando a beleza daquela moça:

-Nós os levaremos até lá, senhorita... Vocês duas são filhas do coronel Munro... O coronel é um bom homem.

-Conhece nosso pai?

-Não pessoalmente...mas soubemos que ele ajudou muitos colonos durante um bom período de estiagem.

-Precisamos sair daqui...-sugeriu Chingachgook.-Logo mais hurons virão.

-Venham conosco, major...-disse Nataniel.-Vamos levar vocês até o coronel Munro.

-Mas nem sabemos o seu nome...

-Nataniel Poe... Este é meu pai Chingachgook e meu irmão Uncas. Eles são os dois últimos da tribo moicana massacrada pelo homem branco europeu.

Uncas observava Alice atentamente e percebeu que ela choramingava com a mão sobre o pulso esquerdo.

-Está tudo bem, Alice?-perguntou Cora.

-Meu pulso está doendo muito...

Uncas se aproximou dela e disse:

-Me deixe ver...

Alice levantou os olhos e encarou aquele belo índio de longos cabelos negros que pegou no pulso dela de uma forma cuidadosa. Em seguida, rasgou um pedaço da saia do vestido dela e amarrou em torno do pulso dela.

-Por sorte não está quebrado...-disse Uncas enquanto apertava o nó.-Isso ajudará a aliviar a dor...mas não deve esforçá-lo.

-Obrigada...-murmurou Alice desviando o olhar.

-Está machucada também?-perguntou Nataniel se aproximando de Cora.

-Não...eu estou bem.

-Podemos ir então.-disse Nataniel logo em seguida.

Duncan, Cora e Alice seguiram caminho por dentro da floresta com Nataniel, Chingachgook e Uncas que os guiavam de uma forma extremamente cautelosa.

-Quanto tempo até o Forte?-perguntou Duncan.

-Um dia de viagem cortando caminho pela floresta...-respondeu Nataniel.

-Logo mais irá anoitecer...-disse Duncan.-As moças precisam descansar.

-Não se preocupe com isso, major...-respondeu Nataniel.-Já estamos quase chegando.

-Quase chegando aonde?

Momentos depois, os seis pararam em frente a uma caverna... Nataniel e Uncas moveram a enorme pedra que bloqueava a entrada para o seu interior. 

-Entrem... estarão seguros aqui até o amanhecer.

Duncan, Cora e Alice entraram no interior daquela caverna...Ali haviam algumas peles de animais colocadas sobre o chão. Nataniel e Uncas acenderam as tochas presas na parede que iluminaram o interior da caverna.

-Que lugar é esse?-perguntou Duncan.

-Nosso pequeno esconderijo...-respondeu Nataniel.-Nós sempre usamos para alguma emergência.

-Você acha que os hurons virão atrás de nós?

-É bem possível... Mágua talvez tenha algum plano de vingança em mente.

-"Vingança"?-perguntou Duncan.-Mas porque ele iria querer se vingar? Não fizemos nada contra ele!

-Vocês não, major...mas o coronel Munro sim.

-O que? Como assim?

-Nossos amigos do Forte Edward contaram que Mágua foi açoitado e humilhado pelo coronel Munro há dez anos atrás.... Um guerreiro huron jamais esquece esse tipo de humilhação, major. Com certeza ele está querendo se vingar.

-Devíamos ter ficado no Forte Edward...-disse Cora.-Papai ficará morto de preocupação.

-Aqui vocês duas estarão seguras, srta. Munro...-disse Nataniel.-Mágua não conhece esse lugar.

-Estou exausta..-murmurou Alice.

-Podem descansar...-disse Nataniel.-Uncas e eu iremos vigiar.

Dito isso, Nataniel e Uncas saíram para fora da caverna e montaram guarda por um longo tempo até que a noite cobrisse totalmente a floresta. Uncas e Nataniel estavam sentados no alto de uma rocha observando o imenso rio que ficava logo adiante.

-Em breve os hurons cruzarão o rio e chegarão até aqui...-disse Uncas.

-Cortaremos o caminho até o Forte William Henry... Entregaremos as moças para o coronel e depois...-Nataniel suspirou de repente.-E depois voltaremos.

-Não podemos permanecer no Forte?

-Por que está perguntando isso?

Uncas permaneceu sério e silencioso.

-Elas são bonitas, não são?-perguntou Nataniel depois de uma breve pausa.

-A mais nova...de cabelos amarelos... Ela parece tão indefesa...

-E a mais velha parece ter muita coragem e força.

-Eu não sei explicar...mas eu sinto que devo protegê-la.

-Mesmo ela sendo uma garota branca?

-Você é meu irmão branco... Você é diferente dos outros homens brancos. E eu sinto que ela também é diferente.

-Pare de pensar bobagens, Uncas... Temos que ficar atentos a qualquer movimento e barulhos estranhos.

-Você tem razão.

Enquanto isso, Alice olhava para o seu pulso que estava amarrado e pensava no jovem moicano que a havia tratado com delicadeza algumas horas atrás.

Duncan aproximou-se de Cora e ofereceu-lhe um pedaço de carne seca.

-Obrigada, Duncan...

-Você está bem?

-Sim, estou.

-Em breve sairemos daqui e voltaremos para Londres...

-Estou preocupada com Alice... ela só tem dezesseis anos e nunca havia presenciado um massacre como aquele que passamos. Ela é muito sensível e indefesa.

-E você sempre foi muito forte e determinada, Cora...

Duncan acariciou o rosto e por algum momento quase a beijou, mas Cora desviou o rosto dizendo:

-Duncan, por favor... já falamos sobre isso.

-Desculpe, Cora...

-Nós somos amigos apenas...

-Mas eu pensei que ainda poderíamos ter alguma chance....

-Eu sinto muito...mas eu não posso fazer isso com você. A sua amizade já é o suficiente.

-Para mim não.

Duncan retirou-se dali e sentou perto de Chingachgook que fumava um cachimbo.

Nesse momento, Mágua estava reunido com seus guerreiros hurons no acampamento do general Montcalm.

-Por que Mágua decidiu recuar durante uma batalha?-perguntou Montcalm.-Eu pensei que quisesse vingança contra o chefe branco Munro...

-Eu vou matar "cabelos cinzentos" assim que ele deixar o Forte....Vou enterrar minha faca no peito dele e arrancar-lhe o coração!..Munro pagará pela humilhação que me causou diante de meus irmãos hurons.

-Por que Munro castigou você, Mágua?

-Munro era amigo de nós hurons... Eu era um de seus mensageiros. Num certo dia, os soldados dele ofereceram água de fogo para os nossos guerreiros... Todos perderam o juízo naquele dia. Eu tentei impedir que fizessem coisas erradas, mas fui acusado injustamente de ter roubado a água de fogo de dentro do Forte. Os soldados que nos deram as bebidas, nunca quiseram admitir o erro...Munro então mandou que seus homens me açoitassem. Eu fui tratado feito um animal moribundo depois disso! Eu vou destruir cabelos cinzentos com minhas próprias mãos!

-E quanto às filhas dele? O que pretende fazer com elas depois que matar o chefe branco Munro?

Mágua olhou na direção do horizonte com altivez e respondeu:

-A mais velha será minha mulher...A mais jovem entregarei a um de meus guerreiros para servir de escrava.

-E o major que está com elas? É um oficial do exército britânico...

-Entregarei o major para o exército francês como forma de gratidão. General Montcalm foi muito generoso com nossa tribo huron.

-É muita gentileza da sua parte, Mágua... Mas infelizmente o major não terá nenhum valor para mim. O que realmente me interessa é tomar o Forte William Henry... Quero banir os ingleses deste território, nada mais.

-Mas antes de tudo, irei matar aqueles moicanos que cruzaram no meu caminho!...Junto com aquele branco que chamam de "Olho-de-falcão"....!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...