História O último grito - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Ariana Grande, Avril Lavigne, Camila Cabello, Demi Lovato, Ed Sheeran, Harry Styles, Justin Bieber, Liam Payne, Louis Tomlinson, Lucy Hale, Melanie Martinez, Miranda Cosgrove, Niall Horan, Nick Jonas, Selena Gomez, Shawn Mendes, Taylor Swift, Zayn Malik
Personagens Ariana Grande, Avril Lavigne, Camila Cabello, Demi Lovato, Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Selena Gomez, Shawn Mendes, Taylor Swift, Zayn Malik
Tags Ação, Ariana Grande, Avril Lavigne, Camila Cabello, Comedia, Demi Lovato, Diall, Festa, Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Mistério, Niall Horan, One Direction, Romance, Selena Gomez, Shawn Mendes, Suspence, Taylor Swift, Terror, Zayn Malik
Visualizações 63
Palavras 1.690
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oieee

Nunca estamos preparados para um adeus

Capítulo 13 - Bem vinda ao pesadelo


Fanfic / Fanfiction O último grito - Capítulo 13 - Bem vinda ao pesadelo

Demi pv'on 

— Não sei, faz um tempo que ele foi dar uma volta nesse lugar— disse Liam. 

Então todos correm perigo. 

— Quem disse isso? —falei seguindo o som que mostrava que vinha do andar de cima. 

—Cuidado Demi— disse Avril se posicionando atrás de mim. 

 Chegando ao segundo andar me deparei com uma menina de costas e Harry estava na sua frente. Falando com ela? 

— Calma Harry, vou te ajudar! — gritei pulando nas costas da menina nos derrubando. Não sei, acho que estava tão paranóica com tudo que tava acontecendo que nem pensei direito, somente agi. 

— Sai de cima dela! — Harry apareceu me puxando. 

—Me solta porra! Será que você não vê que isso não é normal? Harry pensa bem. Achar uma menina nesse lugar do nada. Você não acha muito suspeito? Vamos mata-lá antes que ela nos mate. Já ouviu falar de assombração? — fui pra avançar nela, mas o filho da puta me segurou. 

— Calma Demi. Ela tá aqui pra nos ajudar! Porra. Você acha que eu não sei o que tá acontecendo? 

— Harry Styles, a coisa aqui é pesada. É sobre demônios. Você não entende? Não estamos num filme de terror— se manifestou Avril, indignada. 

—Alimentar ódio um do outro não vai nos ajudar a sair daqui— a garota se pronunciou pela primeira vez— Não vêem que é isso que eles querem? 

— Alguém por acaso te perguntou alguma coisa? — enfrentou Avril. 

— Gente calma. Tudo vai ser explicado e a Miranda pode nos ajudar! —defendeu Harry.

— E por que deveria confiar nela? —perguntei. 

— E em quem mais você pode confiar? —retrucou. 

Pensei um pouco. Nós não tínhamos muitas opções de ajuda. Toda ajuda era bem vinda. E se essa tal Miranda sabia de algo era bom mesmo nos contar. Para todos. Tinha que avisar para Zayn e Taylor. Meu Deus! Por onde Camila se meteu? Tinha que encontrar ela. Engoli meu orgulho. 

—Ok. Mas é bom vocês me explicar em tudo direitinho. Vou ir procurar a Camila tá legal?— olhei para garota— E Miranda, desculpe pela forma que agi. Quem sou eu pra te julgar? 

— Mas Demi...— começou Avril. 

—Shhh, deixa eu terminar. Miranda toda a ajuda é bem vinda e tudo o que posso te dizer é: bem vinda ao pesadelo. 

— Vocês nem sonharam ele todo ainda. E espero que ninguém mais sonhe. 

Engoli em seco. Os vi descendo as escadas já prevendo a reação dos outros. Mas não era isso que me interessava agora. Fui andando a procura de Camila, seguindo o lugar que tinha visto ela ir. Procurei-à no corredor sem acha-lá. Subi as próximas escadas. Não achei ela também. Subi as outras. Já estava desconfortável pois pelos fatos, aquela pousada não era de Deus e eu estar sozinha não favorecia. O terceiro andar era muito escuro. Ótimo, estava sem o celular. Continuei mesmo assim, não iria dar meia volta no percurso todo e subir novamente. Bem no final do corredor tinha uma luz acesa, de um quarto e no mesmo saia uma música leve e baixa. Entrei no mesmo e encontrei quem eu queria. Ali estava ela, de costas e som saia da sua boca em uma leve melodia. Usava umas roupas bizarras. Aqueles vestidinhos de crianças. E lá também estava a boneca. Me arrepiei. Ao contrário da Camila, a boneca estava virada pra minha direção e foi como se me encarasse. A decoração daquele quarto, diferente dos outros, era muito infantil. Tinha um longo tapete rosinha. Andei mais em direção a Camila. Estava brincando com um jogo de xícaras.

— Alice me disse que você queria brincar também— Camila pronunciou— Vem, junte-se a nós. 

Meio incerta me sentei na sua frente. Ela sorria boba, fingindo  que me servia chá. Eu já estava desconfortável. 

—Que Alice, Camila? 

— Faz tempo que ela não tem a companhia de alguma amiga— começava a rir do nada— Não Alice! Não vou contar isso pra ela— ria. 

—Contar o que? 

Não recebi resposta. 

— Contar o que Camila? Vai fala. 

—Ela quer brincar com você— ela começou a rir de um jeito muito estranho, fiquei assustada. 

— Camila, não diga uma coisa dessas! —me desesperei me levantando— Vamos sair daqui sim? Chega de brincadeiras por hoje— tentei pegar a mão de Camila, que a puxou brutalmente de volta. 

— Não Demétria. A gente nem brincou ainda— a voz de Camila mudou duma hora para outra. Em desespero, fui em direção a porta, que se fechou sozinha fazendo um estrondo. Tentei abrir, mas estava trancada. Me virei novamente para Camila, mas não sai do encosto da porta. Ela se levantou e sua feição não era uma das melhores. Em um momento para o outro, ela começou a vomitar sangue. Muito sangue. 

—Ah merda! — me virei para porta batendo nela e gritando por alguma ajuda com todas minhas forças— Alguém por favor me ajuda! Socorro. Socorro— já sentia lágrimas escorrendo em meus olhos. Olhei para trás e vi Camila, sem certeza de que era ela mesmo, se aproximar. Tentei arrombar, me jogando contra a porta. Por sorte, depois de umas três tentativas consegui, mas feri meu ombro. Corri muito, mas não adiantou pois a senti puxar meus cabelos me arrastando. Entrou novamente no quarto me lançando contra um espelho o quebrando. Senti minhas costas rasgando. Como se não bastasse ela me pegou pelo pescoço e me colocou na janela. Iria me empurrar de lá. 

Já sem metade do ar tentei empurra-lá sem sucesso. Senti uma fincada no meu quadril, e abaixando os olhos olhei que havia um caco enorme de vidro. Vi como minha única saída. Sem pensar muito o arranquei de lá e o fiquei na sua barriga. Ela calambeou para trás me soltando. Cai no chão e coloquei a mão no pescoço buscando pelo ar. Olhei para cima vendo a última coisa que queria ver. Ela colocou a mão no local ferido olhando para mesma depois direcionando seu olhar a mim. Pude ver lágrimas escorrendo dos seus olhos junto com o sangue que jorrava de sua ferida. Sem forças caiu de joelhos e me olhou profundamente como se a verdadeira Camila expressasse o que sentia ali. Dor. Senti escorrendo água de meus olhos. E essa foi infelizmente a última imagem dela que guardei em minha memória antes da mesma cair totalmente, descordada. 

A peguei pelo colo, ambas largadas no chão e foi aí que desmoronei.

Avril pv'on

Entramos na recepção recebendo olhares curiosos. A maioria ia em direção a nova garota. Até agora eu estava indignada com tudo isso. Como alguém brota do nada num lugar desses. Eu queria descobrir mais sobre tudo. O porque dessas coisas  estarem acontecendo e se iria alguma vez acontecer algo sobrenatural comigo. Tinha que ver para crer. Não que eu não acredite nessas coisas. Eu tenho muita crença nesses assuntos. 

— Antes que alguém a ataque como aconteceu na última vez— começou Harry— Não, ela não é maligna. Ela se chama Miranda,  sabe de muita coisa que nós não sabemos é está disposta a ajudar antes que aconteça algum desastre. Alguma pergunta? 

— Menina, de onde você surgiu?—questionou Louis. 

—Por que está aqui? —Liam. 

—Nos explica tudo isso que está acontecendo? —Selena. 

— Como vamos sair daqui? —Ariana. 

—Por que devo confiar em você? —Eu. 

—Pera gente. Primeiro de tudo: como o Harry te achou aqui?— disse Shawn. 

—Bem...— Harry suspirou antes de começar toda a história de como encontrou ela.

Disse algo sobre entrar num banheiro com sangue, ouvir um pedido de socorro, libertar a garota e de quase ser atacado. 

—Miranda, por favor, você precisa falar o que tá acontecendo pra gente— Niall se manifestou.

—Para vocês entenderem, terei que voltar voltar a história do começo— Miranda disse suspirando, encarando a todos— Mas preciso da presença de todos seus amigos aqui. 

Niall pv'on

— Pode deixar que vou chamar o resto— disse me levantando. 

Subi as escadas e primeiro passei no casal ternurinha. Fui olhar as horas, antes, já que tinha perdido a noção do tempo. 

—Puta merda, 03:48 já? 

Bati na porta do quarto do casal, e quem me recebeu foi um Zayn com olhos inchados. 

—Que é viado? 

—Haha muito engraçado—disse irônico— quero ver você achar graça de tudo o que está acontecendo. 

—Como assim? 

—Você e a Taylor. Na recepção, agora. Você irá entender. 

—Beleza cara, vou só acordar Taylor.  

—Não demora. 

Assentiu com um sim e eu subi as escadas a procura de Demi e Camila. Cheguei a um terceiro andar totalmente escuro e fui em direção ao último quarto que se encontrava luminado. Chegando mais perto escutei um choro, aparentando ser de Demi. Preocupado adentrei nele de uma vez, vendo um espelho quebrado, o corpo de Camila esparramado no chão, Demi chorando e sangue? 

—Deus, o que houve aqui? —gritei. 

—E-eu não queria, n-não queria— dizia Demi entre soluços negando com com a cabeça. 

— Não queria o que? 

E para a resposta dessa pergunta, Demi ergueu mais ou menos o rosto e Camila, sem expressão alguma, sem cor, sem a vida, sem nada. Me agachei na frente e analisei o corpo, me deparando com uma enorme ferida. 

—O que você fez Demetria ?!? —ergui corpo de Camila. 

—Foi tudo tão rápido! Ela surtou Niall, me atacou. Ela ia me jogar desse andar por essa janela— olhou para para o nada— era eu ou ela.

—Como assim Demi? 

—Ela ia me matar Niall. Ela tava possuída. Foi tipo o que aconteceu com a Selena, só que pior. Ela ia me jogar daqui e eu iria morrer. Ela me atirou nesse espelho. A única forma de me defender foi fazendo isso, porque ela não ia parar. 

—Olha o seu estado, precisamos cuidar dessas feridas. 

—Depois de tudo o que eu fiz? Prefiro morrer assim! Estou me odiando agora, tudo minha culpa, minha culpa— colocou as mãos na cabeça. 

—Não fica assim. Foi igual o que você disse. Ou era você ou era ela. 

Ela assentiu, e eu a coloquei em volta de meus braços, numa forma de passar segurança para ela chorar tudo o que tinha de chorar ali. Não me importei em me sujar com sangue. 





Notas Finais


Capítulo pesado...
Me doeu muito escrever ele, nos despedindo de Camila. Quem é fã dela pfv n fiquem bravos, pois vc optou em ler uma história de terror fazendo com que isso seja inevitável. Entrando em luto agr 💔😟😩
Apesar de tudo espero q vcs tenham gostado do cap😳
Os meus planos para o próximo é tipo mostrar o que Miranda viveu, narrando o seu passado na pousada com seus amigos.
É isso....
Bjnho com gloss de caramelo😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...