1. Spirit Fanfics >
  2. O Vermelho de Nossas Páginas >
  3. Bônus: Me Escute! Ou não...

História O Vermelho de Nossas Páginas - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Eu fiquei pensando muito se escreveria ou não esse bônus.
Mas, por via das dúvidas, eu escrevi.
Acho que seria legal para a compreensão da história que há sempre duas perspectivas ou mais dentro de um mesmo acontecimento.
E essa é a ideia que eu queria mostrar pra vocês.

Por mais que ese bônus tenha ficado bem pequeno, ele foi realmente feito com muito carinho.
Eu gostaria de deixar aqui um agradecimento muito mais do que especial também aos autores e leitores que estão acompanhando e que estão humildemente deixando seus comentários.

Cara, vocês não fazem ideia de quanto isso pode mudar o nosso dia, o nosso trabalho e também deixar nosso coração bem mais acolhido por vocês.
Sério!
Obrigada por todos que estejam acompanhando, compartilhado e também favoritado.
Sei que nem sempre posso alcançar 100% de suas expectativas, porém me sinto imensamento grata pelo o apoio de vocês!!!!

Ai, emocioneii kkkkkkkkkkkkkkk

É isto!
Lembrem-se: ESTE CAPÍTULO NÃO ESTÁ REVISADO!!
Fiquem com Afrodite e tenham uma deliciosa leitura!
Beijocaaas!!!! <3 <3 <3 <3

Capítulo 10 - Bônus: Me Escute! Ou não...


Fanfic / Fanfiction O Vermelho de Nossas Páginas - Capítulo 10 - Bônus: Me Escute! Ou não...

Bônus: Me Escute! Ou não... 

 

“Eu só peço para você: Me escute! 

 
Silenciei todos os meus pensamentos através de sorrisos superficiais. 
Afoguei as minhas frustrações em ironias e banalidades. 
Meu doce passado havia sido contaminado por uma amargura chamada distância e no fim, esta deu espaço a sua companheira chamada saudade. 

Arrependimentos? Quem nunca teve? 
Mas, os meus pareciam se camuflar em um alívio um tanto vazio e irreal. 
Eu ainda desejava estar perto. 
A quentura dos sorrisos, dos carinhos e da inocência apaixonante, ainda fazia muita falta. Sim, ainda queria tudo aquilo novamente.  

Mas, no fim... 
Eu ainda parecia me silenciar em insegurança, em confusão e em tristeza. 
Queria fazer tudo diferente e ao mesmo tempo, a mesma coisa.  
Queria poder se silenciar, dando a voz para o que realmente importava.  

Admiração. 

Arrependimento  

E amor....” 

— The R4in 

 

Naruto Uzumaki 

Fechei os olhos e respirei fundo. Os dias estavam cada vez mais detestáveis. Era impossível conseguir um pouco de paz e tranquilidade naquele momento. Os óculos de grau já estavam meio embaçados pela a minha inquietação. Minha mente ainda insistia em reviver o jantar que havia ocorrido na noite anterior. Me sentia inútil em tentar ainda buscar uma aproximação. Os olhos verdes sempre possuíam um brilho tão único de pura curiosidade e divertimento. Mas, agora... Tudo isso parecia cada vez mais distante.  

Já nem lembrava que horas eram aquelas. Talvez, não importasse tanto assim. A escuridão já tomava grande parte do escritório, há um tempo. A única fonte de luz era a que via do monitor do meu computador aberto em um novo roteiro, ao qual, nem eu mesmo sabia o que já estava escrito ali. Deixei que minha cabeça encontrasse com o estofado confortável da minha cadeira. Me sentia pesado e exausto. Minha consciência pesava de forma inexplicável e eu não tinha muito para onde correr.  

O tempo havia sido responsável por grande parte desse acúmulo de pesos, de culpa e ressentimentos. Meu pensamento inicial era simplesmente fingir que o passado havia realmente ficado ali. Apreciar um pouco das palavras inteligentes de sua mente rápida e perspicaz, que ainda parecia ainda mais interessante desde a última vez que tivemos uma conversa descente e ainda carinhosa. Sentia saudades de importuná-la e ainda sim perceber que toda aquela marra a deixava sem jeito e um tanto quanto insegura.  

Sempre foi de uma satisfação quase que inevitável, poder tirá-la tanto da zona de conforto. Vê-la se abrindo pouco a pouco, como uma verdadeira flor no início da primavera, foi a minha secreta e silenciosa conquista. Nenhuma foi capaz de superar aquela. Talvez, por isso o que veio em seguida foi uma das minhas maiores decepções da vida.  

O irônico daquilo era que o motivo pelo o qual havia acontecido nosso encontro, havia sido também o que nos afastaria. O que eu não desejava de jeito nenhum era que aquilo se prolongasse mais do que havia. Era assustador como que aquele sorriso tão bonito havia simplesmente sumido da minha vista. Como que a seriedade se consolidava a cada encontro e a frieza também fosse cada vez mais nítida em suas palavras e olhares.  

Eu me pegava voltando ao passado repetidas vezes apenas para me amaldiçoar cada vez mais por todos os meus erros... E no fim, eu ainda persistia neles. E o pior de tudo isso era que eu nem pude dizer a ela que a verdade era completamente do que pairava em sua mente.  

E assim, dia após dia, eu continuava procrastinando uma conversa ao qual era necessária. E desta vez, nem um simples “Eu sinto muito” poderia ser capaz de preencher a lacuna que eu havia feito em seu íntimo, tão delicado e belo como a rosa que eu havia encontrado na sua casa naquele dia.  


Notas Finais


É... foi bem pequenino.
Mas, o que podemo teorizar com isso?
Acho que muita coisa kkkkkkk
O que mais chamou a atenção de vocês? (Além dos possíveis erros de português? kkkkkkkkkkkkkkkk)

Deixem aqui nos comentários.
Vamos comentar e teorizar juntos!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...