História O Virgem - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Naruhina, Nejiten, Retrive, Saiino, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Sasusaku, Shikatema
Visualizações 1.429
Palavras 6.910
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi oi.
Eu não tinha nada para fazer agora de manha, então decidi postar o capítulo mais (bem mais) cedo que o normal :v

esse é definITIVAMENTE O MAIOR CAPÍTULO QUE EU JÁ FIZ NA MINHA VIDA. Ele seria bem menor, com uma media de 4 mil palavras, mas quando eu vi que a fanfic chegou a mais de 200 favoritos, fiz questão de aumentar esse neném e colocar coisas que tenho certeza que você vão adorar <3 pelo menos eu adorei sz

Enfim, boa leitura meus amores <3

Capítulo 9 - Nervosa para você


Fanfic / Fanfiction O Virgem - Capítulo 9 - Nervosa para você

— Você tem um cheiro tão bom, Uchiha.

A rosada estava totalmente fora de seu estado normal. Era um nível tão deplorável que ela necessitou da ajuda dele para sair do carro e entrar na casa. Mesmo apoiada no ombro dele, ela quase conseguia derrubar os dois e não parava de falar coisas completamente aleatórias.

— E você está bêbada.

— Meu pensamento é o mesmo até quando estou sem nenhuma gota de álcool – riu um pouco estranho como se fosse maluca.

Ele a jogou no sofá. Não foi a intenção, mas a garota estava tão mole que caiu feito uma jaca. Ela deu um leve gemido de dor e se contorceu tentando se arrumar e agir como uma garota perfeitamente sã.

— Bruto – reclamou rindo.

— Acho que você precisa de um bom banho e um café forte.

— Café não – quase gritou.

Ignorou ela e foi direto para a cozinha. Se tinha uma coisa que o moreno sabia fazer, essa coisa era um bom café para pessoas alcoolizadas. Cansou de ajudar Shikamaru e Naruto após uma festa, já era profissional no assunto.

Enquanto ele estava ocupado, Sakura fazia questão de mostrar o quanto era madura bêbada. Já que não conseguia ficar de pé por muito tempo, ela tirou quase toda a roupa deitada no chão.

Como um cavalheiro exemplar, não ousou olhar. Mesmo querendo muito, ele não seria baixo ao ponto de se aproveitar de uma garota bêbada.

— Vai me dar banho, daddy?

— Não seja ridícula.

Ele se virou para ela por um breve momento. Céus, era uma maldita muito gostosa. A blusa preta, que não a pertencia, ia até metade de suas coxas fartas.

— Onde achou essa blusa, fósforo? – se virou rapidamente tentando parecer perfeitamente normal.

Mas estava longe disso. Ela foi capaz de desconcertar o moreno ao ponto dele nem ser capaz de lembrar o que estava fazendo exatamente. Tentava respirar, mas era difícil. Ainda tinha em mente o prefeito desenho daquelas pernas incríveis.

— Você deixou jogada quando fomos pra casa de Temari. Que gafe, Uchiha. Nem um pouco organizado – ela respirou fundo – Seu cheiro é muito bom, sério. Que perfume cê usa? Tem uma fragrância marcante meio amadeirada, mas ainda é leve. Tem umas notas florais também, mas continua sendo um cheiro bem másculo – ela riu, nem tinha mais controle do que falava, as palavras só saiam.

Já sentia que a rosada estava se aproximando. Até podia ouvir ela quase caindo enquanto tentava caminhar em linha reta.

— O café está quase pronto – estava levemente engasgado – Vai tomar banho. Acho que você consegue fazer isso sozinha, né?

Ele se virou rapidamente e fez questão de apenas olhar para o rosto dela. Sabia que se abaixasse um pouco o olhar e visse aquele corpo maravilhoso, não se aguentaria.

— Seu chato. Tem certeza que não quer me dar um banho?

— Você não sabe o quanto eu quero – admitiu – Mas não quero me aproveitar de você bêbada, Sakura. Então, por favor, faz o que estou pedindo – era quase uma súplica.

Ela sorriu. E era um sorriso maravilhoso de se ver, tão calmo e doce, quase capaz de transformar sua sensualidade em inocência.

— Você é tão fofo que nem parece que existe – se dirigiu para o banheiro com aquele largo sorriso enquanto balançava a bunda mais que o normal.

Assim que a porta bateu, Sasuke soltou um longo suspiro e mordeu os lábios. Ela o deixava doido, em todos os sentidos possíveis. Estava tão duro que o seu amigo quase implorava por uma rapidinha no banheiro.

Ele levou a mão até o membro duro e arfou. Céus, estava completamente maluco por ela, chegava a doer. Quase não podia manter sua sanidade e respeito por ela.

Quando a rosada saiu do banheiro, ele respirou fundo já se preparando para o que podia vir. A rosada podia aparecer apenas de toalha, ou totalmente nua. Não dava para saber, mas apenas imaginar a cena já fazia ele ficar maluco.

Mas ela estava vestida. Ainda usava a blusa dele, mas estava nitidamente sem sutiã.

— Se sente melhor?

— Um pouquinho mais sóbria – sorriu se sentando na mesa junto com ele – Tenho mesmo que tomar café? Eu já escovei os dentes e o banho já foi o suficiente pra me colocar de volta ao eixo.

Ele suspirou encarando a garota. Não ia obrigá-la a fazer nada. Sabia que a rosada ainda estava super altinha, mas discutir com uma bêbada sempre era uma péssima ideia.

— Certo, fósforo. Mas só se você for direto pra cama.

— Ok – levantou sorrindo.

Por um minuto, dava para acreditar que ela estava quase sóbria. Mas o momento acabou quando ela caiu e riu um pouco alto com a situação como se fosse algo hilário.

Ele se levantou suspirando e a ajudou. Apoiada no ombro dele, ela conseguiu chegar no quarto sem quebrar nada ou se quebrar.

— Dorme comigo? – ela perguntou enquanto se sentava – Não quero dormir sozinha, Sasuke – fez charme.

— Sr. Botinhas sempre dorme com você.

— Então só deita aqui até eu pegar no sono. Prometo não te atacar.

— Mas eu não posso prometer isso.

Ela riu alto com o comentário e se cobriu com a coberta quentinha. Não parava de encará-lo com aquela cara de criança pidona, ela sabia que ele nunca conseguia resistir.

— Só até você dormir.

Tirou os sapatos e se deitou ao lado dela. Sr. Botinhas massageava o travesseiro para poder deitar e dormir tranquilamente, raramente o felino se separava da moça. Era bem espero, até Sasuke sentia aquela vontade às vezes.

— Não vai se cobrir?

Ele suspirou e, um pouco contra sua própria vontade, entrou debaixo das cobertas junto a ela.

Era uma situação excitante, ele não podia negar. Aquilo era o suficiente para deixá-lo totalmente tenso e quase imóvel. Suava frio e parecia que a qualquer momento ia explodir.

O Uchiha já estava no limite a muito tempo. A garota sempre o provocava quando possível e aquilo o deixava com uma tensão superior ao que estava acostumado. Céus, ele queria tanto tocá-la.

— Sasuke?

— Achei que já estivesse dormindo.

— Sasuke, eu estou sem calcinha.

O ar faltou e a cama pareceu bem menor que o habitual. Ela estava jogando sujo, muito sujo. Parecia que quase implorava para que o moreno perdesse a sanidade e a atacasse com todo desejo que tinha.

Mas seria tão contra os seus princípio se aproveitar dela naquele estado. Ele sabia que metade das coisas que ela fazia e falava, eram influência do álcool. Sabia que na manhã seguinte, ela, talvez, nem se lembraria daquilo.  

— Sakura, vá dormir.

Escutou ela rindo um pouco, mas não ousou olhá-la. Apenas fitou o teto até sentir suas pálpebras pesarem.

X X X

Sr. Botinhas era um gato insuportável às vezes.

Passou o rabo no nariz do moreno e quando percebeu que o ele não ia ceder e levantar, o felino resolveu que deitar no rosto do rapaz era uma ótima ideia.

Foi depois disso que o Uchiha se levantou, obrigando o gato a sair. Como a rosada conseguia dormir com aquele demônio extremamente fofo?

Ele suspirou e coçou os olhos, foi somente quando procurou pelo celular no criado mudo que ele foi capaz de perceber que aquele não era o seu quarto. O celular estava lá, mas não era o quarto dele. Havia dormido ao lado dela vencido pelo cansaço, mas não foi algo tão ruim. Deu graças aos céus por não ter caído em tentação no momento em que ela estava tão vulnerável.

Encarou a rosada que dormia tranquilamente e sorriu. Tão linda com os cabelos bagunçados e o rosto amassado. Era realmente uma demônia criada para seduzi-lo em qualquer momento.

Não eram nem 9hrs ainda. O felino acordou o rapaz cedo em um dia que ele não tinha que fazer nada, afinal, o moreno estava de férias.

Com um longo e sofrido suspiro, o Uchiha se levantou indo até a porta com toda a calma do mundo para não acordá-la. Decidiu que começaria seu dia naquele momento antes que uma onda de falta de disposição o atingisse.

Foi até o banheiro lavar o rosto e todo o resto que era necessário. Cada músculo de seu copo doía por ter dormido todo torto na cama da rosada. Ele sabia que ficar daquela forma traria consequências, mas não pode evitar já que Sakura decidiu que ele era um ótimo travesseiro.

E ele adorou aquilo. Nem se importou na hora.

Ao sair do banheiro, se deparou com Naruto que tentava entrar no quarto sem fazer muito barulho com o tênis na mão. A expressão em rosto era de pura infelicidade.

— Voltou cedo.

— Estava com saudades do meu namorado preferido – riu forçado.

Não era necessário ser um gênio para saber que algo tinha de errado.

— Problemas no paraíso?

— Estava indo tudo bem até que falar de um ex da Hina virou um ótimo assunto. Até aí, de boas, mas as comparações começaram e, cara, é horrível ver os pais da sua namorada falando que o ex dela era um ótimo rapaz e que sentiam falta dele as vezes – deu uma pausa para respirar – Eu adoro os pais da Hinata, mas não sou obrigado a ouvir essas coisas, entende?

— Perfeitamente.

Sasuke havia cruzado os braços e se apoiou​ no batente da porta do banheiro quando percebeu que o amigo ia cantar feito um passarinho sobre a sua noite não tão boa.

— Passamos a véspera de natal na casa dos meus pais e eles não tocaram no assunto “ex namorada do Naruto” em nenhum momento. Hinata diz que os pais dela gostam de mim, mas porra, toda vez que vou lá, eles tem que falar do perfeito Kiba Inuzuka.

— A Hinata namorou o Kiba? Que lixo – ele parecia surpreso.

Kiba cursava jornalismo na mesma faculdade que Temari, Hinata e Sakura. O Uchiha teve a infelicidade de conhecê-lo quando foi levar para a amiga loira um trabalho que ela havia esquecido na casa dos rapazes.

Inuzuka era o homão da porra para grande parte das garotas daquela faculdade. Era inteligente, culto e um excelente atacante. Mas também era um grande filho da puta. Grosso, cheio de si e insuportável.

O Uchiha esbarrou nele por acidente e isso desencadeou uma briga desnecessária. Foi algo que chamou a atenção de todos que estavam próximos, afinal, o cara gritava feito um maluco que o moreno era um lixo.

Foi aí que o moreno perdeu a paciência. Acertou um belo soco na cara do exibido e a briga ficou tensa. Graças aos céus, Temari era forte e maluca o suficiente para se meter no meio e separar a bagunça antes que as coisas ficassem mais sérias.

O Uchiha nunca imaginou que um cara como aquele poderia namorar uma garota feito Hinata.

— Esse não é o foco da história. Enfim, eu e ela fomos para o quarto e eu estava puto da vida. Achei que falar um pouco sobre o que eu estava sentindo não faria mal, mas Hinata se sentiu ofendida – suspirou pesado.

Ele se sentou no chão e olhou para o teto. Era raro ver o rapaz naquele estado de estresse. Muito raro. Chegava a ser estranho.

— Eu gosto dos pais dela, mas caralho, não suporto ser comparado.

— Primeira briga do namoro, que emocionante – ele se sentou no chão também – Você devia ligar para ela, vai por mim.

— Sasuke, você nunca namorou para me dar conselhos. Você só tem casos de uma noite e isso não te da experiência o suficiente. E, a julgar pelas roupas da Sakura no chão da sala, você já começou outra casinho.

— Não fala merda, ela estava bêbada e arrancou a roupa. Sabe muito bem que eu nunca tentaria algo com ela naquele estado.

— E aí você dormiu no quarto dela pra evitar que alguém a visse nua?

— Eu não dormi no quarto dela – mentiu para aliviar a situação.

— Ah, claro. E tá usando a mesma roupa de ontem pra lembrar na noite com os amigos, faz sentido. E claro, a porta do seu quarto está toda aberta e a cama arrumada, faz mais sentido ainda – ele deu uma leve gargalhada. Seu humor já estava voltando ao normal.

O loiro se levantou e passou a mão nos cabelos um pouco frustrado. Deu um longo suspiro e pegou o celular encarando o moreno como se estivesse a dois passos de algo muito importante.

— Vou ligar pra ela.

Ele se virou e abriu a porta do próprio quarto. Antes de fechar a porta, ele encarou o amigo que ainda estava sentado no chão com um sorriso leve.

— Obrigada pelas dicas. É sempre bom conversar com você, neném – fechou a porta.

O Uchiha apenas riu e se levantou indo para a cozinha tomar seu café. Ia começar o dia bem e faria algo produtivo como ler um livro sobre administração e voltar às aulas a todo vapor.

Seria um ótimo dia, sem dúvidas.

O celular em seu bolso vibrou e rapidamente ele olhou para ver o que era.

“Estou um pouco nervosa para você”

“hoje”

E ele se lembrou que a demônia da Sakura havia aprontado a proeza de marcar um encontro duplo. Ele revirou os olhos, bateu a palma da mão na testa e murmurou uns palavrões.

— Juro que te mato, fósforo – disse baixo enquanto guardava o celular.

— Mas eu ainda não fiz nada, Uchiha.

Sua voz sonolenta era sempre música para os ouvidos dele. Ainda usava as roupas dele.

— Eu tenho um encontro marcado para hoje graças a você.

Os olhos sonolentos verdes dela se arregalaram brilhando. Com um largo sorriso, ela se aproximou.

— Eu tinha me esquecido disso, nem falei com Shino ainda.

Ela se esticou e pegou um copo no armário.

O moreno achou melhor nem falar nada, apenas revirou os olhos e encheu sua xícara de café forte e sem açúcar. Precisava daquilo para acordar e poder seguir o dia de uma forma produtiva.

Ainda era estranho saber que ele havia dormido com ela. Muito estranho. Mal conseguia olhar para sombra dela sem sentir as bochechas corando. Ele precisava fazer algo. Precisava estudar, ler um livro ou até mesmo descobrir uma banda independente nova. Ele precisava ocupar a cabeça para tirar Sakura de seus pensamentos.

Porém, algo roubava toda a sua atenção e não era o ocorrido da noite anterior. Era idiota, ele admitia esse fato, mas não podia fazer nada para evitar.

— Quem é Shino? – perguntou um pouco baixo enquanto se sentava.

Ele cerrou os punhos e franziu o cenho. Obviamente, se sentia arrependido pela pergunta que deixava claro o ciúmes, mas não podia voltar no tempo.

Haruno estava bem atrás dele, misturando o adoçante em seu suco de abacaxi natural feito por Naruto na noite anterior. Aproveitou que não seria vista e deixou escapar um sorriso de canto.

— Amigo meu da faculdade – sua voz transbordava diversão.

— Hum.

A rosada se sentou do outro lado da mesa para que pudesse ficar de frente para o amigo. Pegou uma torrada e deu uma mordida.

— E vocês são amigos há muito tempo?

Ele não olhava diretamente para ela. Seu olhos ficavam desviando de um canto da cozinha para o outro e sua voz deixava transparecer o sentimento de curiosidade.

— Na verdade não. Cursamos moda juntos e eu só comecei a falar com ele tem menos de três semanas.

Ela se levantou para pegar manteiga na geladeira. Aproveitou o momento para soltar mais um sorriso discreto.

Foi audível a mordida dele na torrada. O rapaz estava um pouco incomodado com a ideia de sair com uma​ garota, mas estava mais incomodado ainda com a ideia da rosada sair com alguém de sua faculdade.

— Enfim, se lembra de algo relacionado a nossa noite? – foi com essa pergunta que Sakura caiu do cavalo e sentiu todo seu corpo ficar tenso.

Claro que se lembrava, não de forma detalhada, mas se lembrava perfeitamente dos pontos altos. Infelizmente. Ainda estava sofrendo de uma terrível dor de cabeça graças a sua imaturidade.

Ela foi tão idiota, pareceu uma adolescente de 17 anos que não sabe beber ainda. Perdeu o controle e se lembrava de falar algumas merdas. Fechou a porta da geladeira com o quadril e se sentou.

— Um pouco – respondeu por fim, incomodada.

— Então não lembra de deitar do meu lado sem calcinha? – sorriu sacana ao perceber que era a chance dele de brincar um pouco com ela.

Ela corou. Quando acordou e notou que faltava uma peça importante em seu corpo, imaginou que algo horrível poderia ter acontecido. Mas, Santo Cristo, nunca imaginou que seria aquilo.

— A gente... Q-quer dizer... Nós fizemos algo?

— Não seja estúpida. Eu nunca faria algo com você naquele estado – ela respirou aliviada – Mesmo querendo muito.

Sakura não sabia se corava ou se aproveitava a declaração escancarada do rapaz para fazer uma brincadeira. Mas de qualquer forma, ela estava tensa e envergonhada demais para fazer qualquer coisa.

— Só esqueça a noite, sei que você não estava pensando muito bem – sorriu satisfeito por tirar a calma dela – Enfim, temos que ir mesmo?

Ela respirou bem fundo e recuperou a pose em menos de três segundo. Tinha a obrigação de não parecer nem um pouco afetada com o que fez na noite anterior.

Por fim, tomou uma atitude. Já estava íntima o suficiente dele para simplesmente puxar o celular e mexer sem medo. Deu um pequeno sorriso ao ler as duas últimas mensagens.

— Olha, acho que ela ficaria decepcionada se você não fosse. Ela está nervosa pra você. – riu baixo.

— Quem ficaria decepciona?

Naruto estava indo em direção a cozinha com o celular na mão. Havia trocado de roupa e usava uma calça de moletom laranja e uma blusa branca.

— O rolo do Sasuke. Ele não quer sair comigo no nosso encontro duplo – ela parecia se divertir com a história.

O loiro se sentou ao lado do moreno e arqueou uma sobrancelha curioso. Algo dizia que Naruto estava com aquele olhar de: “Pegando a rosada e outra garota ao mesmo tempo, Uchiha?’

— Neném, você tem que se divertir. Prometo não ficar com ciúmes.

— Não fode, Naruto.

O loiro riu e encarou o celular.

— É sério, eu ficaria feliz se vocês saíssem. Hinata vai vir aqui mais tarde e pretendo fazer as pazes com ela.

— Uzumaki, você é sujo – a garota riu. – Pode deixar que eu vou arrastar esse cabeça dura comigo e vocês vão poder transar na casa toda.

O moreno revirou os olhos e bebeu a última gota de seu café.

Sabia que não teria escolha. Naruto só iria parar de perturbar quando ficasse sozinho para que pudesse fazer tudo que tivesse vontade com a namorada. E também sabia que Sakura ficaria no seu pé para sempre se ele não fosse.

Seria obrigado a ir nesse maldito encontro.

Mas, olhando pelo lado positivo, não seria assim tão ruim. Valerie era uma garota bonita, poderia ajudá-lo a esquecer a cor rosa por algumas horas. E fazia anos que ele não ia no cinema sem segurar vela.

E ele foi.

O moreno achou melhor ir no carro dele, afinal, não queria correr o risco de ter que voltar de ônibus caso ela fosse a fundo com o par dela. Ele estava odiando pensar naquela maldita hipótese.

Haruno fez questão de escolher uma roupa para ele. Disse que montaria um estilo bem “eu não me arrumei muito para isso, mas continuo gato”. Revirou todo o armário dele e fez uma verdadeira bagunça.

O Uchiha não pode fazer nada para evitar o delírio da garota. Quando notou, já estava enfiado em uma calça jeans apertada e escura que ele nem se lembrava de ter. Para combinar, uma blusa preta e uma jaqueta camuflada bem quentinha.

Durante o caminho para o local, a garota se manteve calada com o olhar fixo em seu celular. Digitava mensagens feito uma doida sem parar em nenhum momento. As vezes ela até soltava uma sonora risada.

Isso incomodava levemente o Uchiha.

Em geral, ele não se importava de ver seus amigos conversando no celular enquanto faziam uma viagem juntos. Mas ele não estava gostando de ser literalmente trocado por Sakura.

O cinema escolhido para o encontro ficava em um shopping no centro da cidade. Haruno disse que seria uma ótima ideia assistir um filme e depois dividir uma pizza. Disse também que aquela poderia ser uma chance incrível de tirar o atraso dele.

— Ah – foi a primeira vez que ela se dirigiu ao rapaz – Esqueci de falar que Shino é gay.

Sasuke sentiu um pequeno peso sair de suas costas ao ouvir aquele pequeno fato sobre o rapaz. Não sabia o motivo, mas parou de se sentir ameaçado.

Ele coçou a garganta e suspirou aliviado.

— E como pretende fazer um encontro duplo com um cara gay? – perguntou parando o carro e pegando o tíquete do estacionamento.

— Ela não sabe que ele é gay – riu pelo nariz. – Eu só inventei isso de encontro duplo pra ver pessoalmente o que isso vai dar.

— Mas você tem vários contatinhos, era só chamar um e ter um encontro de verdade.

— Pobre Sasuke – suspirou – Tem meses que eu não saio com alguém.

Ele teve que segurar o sorriso ao ter a informação. Mas assim que ela saiu do carro, o sorriso dominou os lábios dele por completo. Assim que terminou de trancar o carro, ele encarou a rosada que já estava indo a caminho do elevador que daria acesso ao shopping.

Ela estava tão gostosa.

Usava uma calça preta de couro sintético que destaca sua bunda redonda e maravilhosa. Uma blusa cinza e fez questão de roubar a jaqueta dele que combinava com a calça. Ele só acordou para a vida quando a garota sumiu de seu campo de visão.

Suspirou guardando a chave no bolso e deu uma corrida para que pudesse alcançar Haruno, mas parou de correr quando a viu abraçando um rapaz.

Ele devia ter a mesma altura que o Uchiha. Usava um óculos escuro e um casaco cinza de capuz. Parecia um daqueles garotos problemas que você tenta manter distância por medo.

O Uchiha se aproximou devagar e, quando estava perto o suficiente, fez um som com a garganta para chamar a atenção.

— Sasuke, esse é Shino.

Shino estendeu a mão e sorriu. Assim que deram um forte aperto de mão, o moreno teve quase certeza de que ele não era bem o que a rosada havia dito.

— Você é mesmo gay? – deixou escapar.

Afinal, o cara tinha jeito de ser mais intimidador do que o próprio Uchiha. Era o tipo de cara que faz você correr se encontra de noite.

— Você parece ser engraçado – foi tudo o que disse.

Por fim, os três foram para o elevador. Valerie já havia mandado mensagem avisando que estaria esperando na entrada do cinema.

Durante todo o caminho do elevador até o cinema, Sakura e Shino não pararam de rir por nem um segundo. O rapaz não fez a menor questão de participar da conversa e tentou focar no que, ou melhor, em quem estava o esperando um pouco mais a frente.

Ela estava linda, sem dúvidas, mas não deslumbrante. Usava uma camisa preta do Nirvana que fez ele se perguntar se ela curtia ou era apenas estilo. Uma calça jeans preta bem justa e um casaco estilo time de futebol da escola com a cor vermelha em destaque. Nos pés, usava um tênis que combinava com o casaco.

— Ela é muito gata – a rosada disse bem baixo.

Assim que estavam bem próximos, Valerie cumprimentou todos com um abraço, mas em Sasuke, ela acrescentou um leve beijo na bochecha.

— Já escolheu o filme? – ele perguntou e ela negou.

— Eu escolho! – Haruno se candidatou e não deixaria que ninguém tomasse sua vaga.

Não demorou muito para que ela voltasse com quatro ingressos. O filme escolhido era um filme antigo que estava sendo reexibido, um filme que o Uchiha nunca havia ouvido falar em sua vida.

Por sorte, o filme já ia começar. Isso evitaria que alguém puxasse assunto e a situação ficasse mais constrangedora do que já estava.

— Eu e Sasuke vamos comprando a pipoca.

E a garota puxou o moreno sem esperar uma resposta.

— Olha, escolhi um filme bem bosta. Não tem quase ninguém na sala, o que vai ser ótimo para você.

Ela tagarelava dicas do que ele devia fazer dentro da sala de cinema. Não parava de falar a agia como se aquele momento fosse algo incrível.

Dentro da sala, as coisas só pioraram para o Uchiha. Sakura e Shino sentaram algumas cadeiras acima de onde o moreno e a garota estavam. Aquilo deva visão de camarote para toda a cena.

Haruno estava adorando aquilo, ou pelo menos se forçava a isso.

Assim que o filme começou, ela focou toda a atenção em seu aluno. Estava doida para vê-lo colocando em prática tudo que ele era capaz de fazer.

Mas se passaram 20 minutos e ele nem olhou para a morena ao seu lado. Toda a atenção estava focada na maldita tela do cinema.

Era notável que Valerie sempre desviava o olhar para ele na espera de algo, mas ele nem ligava a ignorava a garota. A rosada estava se segurando para não descer lá e empurra-lo para cima da morena.

— Céus, ele é mais gay que você – disse frustrada arrancado uma risada do amigo que comia pipoca.

— Se acalma um pouco, testuda.

Ele ofereceu pipoca, mas a garota recusou. Estava ocupada demais vendo o quanto Sasuke conseguia dar orgulho a comunidade virgem.

— Você sabe que não vai rolar nada, né?

Shino sabia de quase tudo envolvendo o Uchiha. Haruno havia contato que o rapaz era tímido e não sabia lidar com mulheres, mas não disse que ele era virgem. Havia jurado manter o fato em segredo e ela sempre mantinha a palavra.

Quando a rosada estava quase perdendo as esperanças, algo inusitado aconteceu. Valerie, com toda atitude possível, puxou o moreno e o beijou. O Uchiha pareceu aceitar bem pois não interrompeu nada.

O que ela sentiu ao ver aquela cena era completamente diferente do que ela pensou que sentiria. Na teoria, ela sentiria uma imensa alegria ao ver seu aluno dando um passo importante para uma vida não virgem.

Mas na prática, ela sentiu um pequeno aperto no peito como se algo ruim estivesse acontecendo. Sentiu até vontade de atrapalhar o beijo ou simplesmente desviar o olhar antes que começasse a ficar triste.

O beijo terminou e ele parecia dizer algo. Sakura pensou ser uma indireta chamando ela para a batalha, mas a hipótese foi jogada longe quando a morena se levantou e saiu do lugar o mais rápido possível.

Haruno sentiu o aperto em seu peito sumir e o sorriso foi inevitável. Mas ela tratou de esconder tudo e voltou rapidamente para a sua pose de professora.

— Puta que pariu, Uchiha. Me espera aqui, Shino.

E ela foi obrigada a se levantar e ir até lá ver o que caralhos ele havia aprontado. Assim que se sentou, ele nem se deu ao trabalho de virar, o filme parecia bem mais interessante.

— Que porra foi essa? – perguntou com a voz grossa.

— Ela estava com bafo e beijava de uma forma muito errada – ainda olhava para a tela – Ai eu disse que queria ver o filme e ofereci uma bala de hortelã. Eu alertei sobre o problema, mas ela se sentiu ofendida.

— Não aguentou uma bafinho, Uchiha?

— Não aguentei a língua dela descontrolada na minha cara. Tô falando sério, ela lambeu a minha cara, Sakura.

— Não deve ter sido tão ruim, para e cu doce.

E foi aí que ele tirou os olhos do telão. Sem muita enrolação, puxou a garota e passou a língua na lateral de seu rosto, mas não parou. Lambeu o queixo, boca e nariz apenas para completar o festival de língua na cara.

— Agora imagina com bafo.

Haruno secou o rosto com a mão, fez uma cara de nojo e suspirou. Ela queria, com todas as forças, dizer que aquilo era realmente nojento, mas achou o ato tão atraente partindo dele. Com toda certeza, ela estava maluca.

— Vamos embora.

Se levantou e fez um sinal com a mão chamando o amigo que estava apenas esperando. Assim que saíram, Sakura e Sasuke seguiram para o banheiro para lavar o rosto babado. Shino disse que esperaria por ambos na praça de alimentação.

— Isso foi frustrante – ela disse se sentando de frente para o amigo.

— E nojento. Mas enfim, testuda, tenho que adiantar a minha vida, boa sorte com o seu tímido preferido.

E ele se foi enquanto ligava para alguém. Com certeza devia ser algum contato de pós feriado que Shino sempre tinha guardado.

— Vamos embora?

Era a voz de Sasuke. Ele estava parado de pé ao lado dela. Com as mãos no bolso do casaco e aquele olhar de quem está a um passo de matar a alguém.

— Estava pensando em fazer alguma coisa só eu e você.

— Podemos fazer algo em casa.

— A proposta é tentadora – sorriu maliciosa – Mas Naruto levou Hinata pra lá, então...

— Tinha esquecido disso.

Ela bufou e se sentou de frente para a rosada. Parecia estar com um péssimo humor, o que não era novidade.

— Ela beijava bem? – perguntou com a voz baixa.

— Pelo amor, Sakura! Ela lambeu minha cara toda.

— Eu sei, é que sei lá – sorriu amarelo.

Ele apenas revirou os olhos e sorriu como resposta. Ela ficava linda quando sorria sem jeito.

Ela suspirou e apoiou a cabeça na mão. Queria levantar e fazer algo, mas se sentia pesada, como se algo ruim puxasse todas as suas energias para baixo.

— Você está bem?

— Sim, só estou entediada.

— Vamos para casa. Eu ligo para Naruto e digo que vamos ficar quietos cada um no seu quarto. Falo até que ele não precisa se preocupar com o barulho.

Isso fez a rosada dar um leve sorriso. Ele parecia desesperado para chegar em casa.

— Vamos dar só uma horinha para eles. Ai vamos embora, fechado?

Ele deu um longo suspiro como se a ideia fosse um absurdo, mas no fim, concordou com a cabeça. Isso fez ela sorrir, mas ela não fazia a menor ideia do que poderia fazer.

E isso era frustrante. Queria poder puxar ele e fazer alguma loucura. Porém, a maldita da criatividade estava em um nível abaixo de zero, se sentia levemente desanimada depois se ver o Uchiha beijando uma garota.

— Vamos ficar aqui por uma hora inteira?

Foi aí que algo passou pela mente hiperativa da rosada.

— Sasuke, você toparia fazer uma loura?

Ele parecia pensativo. Como se a ideia fosse algo tentador, mas o preço fosse alto demais.

A rosada revirou os olhos e apenas se levantou arrastando o garoto até o elevador. Não se importava de ele ia gostar ou não da ideia de distração, mas não se permitiria ficar parada por nem mais um segundo.

Com toda a autoridade possível, obrigou ele a dirigir até o mercado mais próximo. Disse para ele esperar na carro, seria rápida. Quando retornou, exibiu as duas garrafas de vinho barato e sorriu largamente.

— Pretende beber? – parecia surpreso.

— Sim, ué. E você vai fazer isso comigo.

— Eu não bebo, Sakura. E se bebesse, quem iria dirigir até em casa?

— Tenho certeza que vinho barato não vai nos deixar muito bêbados. E podemos ir para casa e ficar na garagem escondidos.

— Pensei que daríamos uma hora para eles.

— E vamos, eles nem vão saber que estamos lá e nós nem iremos escutá-los.

A resposta do Uchiha foi a de sempre: revirou os olhos. Com a cara fechada, deu partida e pegou o caminho para casa. Ele havia aceitado, já era um maravilhoso começo.

Sasuke parou o carro no lugar de sempre. A garagem era pequena, então só podia abrigar um carro e a rosada havia ganhado o direito a isso naquela semana, então o carro do Uchiha ficava parado de frente para garagem. E a regra funcionava muito bem no fim.

Saíram do carro e abriram um pouco o portão da garagem. Foi o suficiente para passarem com toda a cautela e silêncio do mundo. Parecia até que estavam invadindo a própria casa. Sakura decidiu abrir o carro para que pudessem ficar mais confortáveis.

— Vai beber? – ela perguntou se sentando no banco do passageiro.

Ele suspirou e puxou a garrafa da mão dela dando um longo gole. Mas se arrependeu de beber tanto de uma vez, aquela bebida mais parecia álcool puro com algumas gotas de uva.

— Céus, isso é horrível – botou o língua para fora fazendo careta.

Ficava ainda pior por estar quente. A rosada apenas sorriu e pegou a garrafa da mão dele dando um gole também.

Descia queimando, rasgando e desintegrando os órgãos. Até ela achava horrível, mas gostava das lembranças trazidas pela bebida.  

— No primeiro ano, essa foi a primeira coisa que eu bebi. Me achei incrível por fazer isso.

O moreno riu negando com a cabeça e suspirou.

— No primeiro ano eu era bem careta. Naruto costumava sair com uns amigos e eu ficava só olhando e pensando “que caralhos eu estou fazendo aqui?”. Eu não me sentia parte daquilo.

— Ah, todo mundo já passou por isso. Eu já passei por isso. Cheguei ao ponto de fingir ser outra pessoa para agradar quem eu achava que era meu amigo.

O moreno pegou a garrafa da rosada e deu mais um longo gole na bebida.

— Gostou? – ela riu.

— Nem um pouco. Mas tá me ajudando com uns problemas psicológicos, eu acho.

A garota abriu a outra garrafa para ela e bebeu suspirando. Olhou para o homem ao seu lado e sorriu. Ele mantinha os olhos fixos em algo e seu pensamento estava totalmente perdido.

Ele era tão bonito. Era uma beleza simples e encantadora que roubava toda a atenção da garota. Ela nunca seria capaz de dirigir com aquele pedaço de mau caminho ao seu lado roubando todo o seu foco.

Sakura deu uma leve mordida nos lábios nervosa ao se lembrar da cena do cinema. Aquilo não saia da cabeça dela. Só foi possível ver a silhueta perfeita do moreno mexendo o mandíbula enquanto acompanhava o beijo da morena gostosa.

Chegava a doer um pouco, mas ela não admitiria.

— Ela beijava bem? Sei que já perguntei, mas você não me deu uma resposta digna.

O Uchiha olhou de canto para a rosada. Deu um leve sorriso e encarou o volante sem muito ânimo.

— Se tirar o bafo – suspirou.

— Então ela beija bem? O beijo foi bom? Você gostou? – olhou para o outro lado, não queria contato visual.

— Ela sabe usar a língua um pouco.

— Ah, então ela sabe usar a língua?

— Um pouco.

— Interessante.

Continuava a evitar o contato visual. Encarava o nada enquanto mordia os lábios e cerrava o punho. Por que estava sentindo raiva? Deveria estar feliz, afinal, era isso que tanto queria: ver o Uchiha quase perdendo o cabaço.

O carro mexeu um pouco e ela só foi capaz de sentir o forte puxão em seu braço, obrigando ela a encara-lo.

— Mas não faz meu tipo, longe disso. O beijo não foi o melhor da minha vida. Baba demais, língua rápida demais, coisa demais. Particularmente, a única pessoa que eu conheço que sabe usar a língua muito bem, do jeito que me deixa doido, é você.

Ela corou. Corou tão rápido e intensamente que nem sabia onde enfiar a cara. Como ele tinha a ousadia de jogar uma bomba como aquela no colo da moça e agir tão naturalmente?

O Uchiha a largou e voltou a se sentar normalmente. Ele deu mais um gole e olhou para a parede branca da garagem.

— Qual é a cor natural do seu cabelo?

Ela encarou o rapaz e riu um pouco alto.

— Que tipo de pergunta é essa?

— Sei lá.

— Eu não vou falar a cor natural do meu cabelo.

Ele bufou insatisfeito e bebeu mais um pouco. Ainda olhava para o mesmo lugar de antes e isso a deixava curiosa.

Quando Sasuke colocou a garrafa dele já pela metade do lado de fora do carro e puxou e dela para colocar no mesmo lugar, ela sentiu um frio na barriga bem forte. Daquele que você sente quando fica nervoso com algo importante. Estava um pouco curiosa para saber o que ia vir a seguir.

O moreno se aproximou, puxou uma mecha do longo cabelo da garota e analisou como se fosse encontrar uma falha no rosa impecável.

— Se tiver algo desbotado, a cor base será loiro – comentou – Mas isso não quer dizer que eu seja loira porque às vezes é necessário descolorir o cabelo pra cor fixar bem.

— Diga logo a cor, fósforo.

— Não, eu gosto de me sentir rosada natural.

Ele revirou os olhos e soltou o cabelo dela, mas continuava próximo. Próximo o suficiente pra sentir o hálito de Sakura que era de puro álcool naquele momento. Estava tão perto que conseguir se ver refletido nos olhos claros da garota.

Era uma visão incrível vê-la tão de perto.

— Hoje foi horrível, né?

Ela sorriu com o comentário repentino. O moreno parecia um pouco altinho, mas ele não tinha culpa, afinal, não estava habituado a quase beber uma garrafa inteira de vinho barato com puro álcool.

— Sim, hoje foi horrível – mordeu os lábios segurando a risada.

— Queria terminar meu dia bem – suspirou olhando para baixo. – Na verdade, eu queria te beijar agora, mas não quero fazer isso estando meio bêbado.

— É bem legal da sua parte pensar assim.

— Eu sei.

Ele se afastou e bufou encostando-se no banco de qualquer forma.

— Mas eu queria muito te beijar. Você realmente sabe usar a língua.

Ela apenas riu e saiu do carro. Deu a volta e foi até onde ele se encontrava.

— Deixa pra me beijar quando estiver sóbrio, agora vamos só descansar um pouco. Já demos uma hora para eles.

— Por mim tudo bem.

Ele se levantou e a moça caminhou até a porta que daria acesso a cozinha, mas ele impediu que a rosada adentrasse a casa.

Havia um sorriso sacana em seus lábios e muita coragem. Ele não estava bêbado, apenas um pouco mais solto que o normal graças aos álcool. Sabia exatamente o que estava fazendo.

— Caralho, Sakura – resmungou.

— Você está bem?

Não respondeu. Puxou a rosada pela cintura e a beijou.

Foi a terceiro beijo deles. Terceira vez que Sasuke atacou com vontade os lábios desenhados da garota.

Ela pediu passagem e se entregou ao beijo junto com o moreno. Estava doida para que ele fizesse aquilo, desejou isso desde que entraram na garagem.

O Uchiha a empurrou até a porta da cozinha e a prendeu ali para que não saísse. O beijo tinha sabor de álcool, mas ambos sabiam que estavam sóbrios o suficiente para controlar as ações. Estavam fazendo aquilo com total consciência e se lembrariam no dia seguinte com total clareza.

Sakura foi bem audaciosa quando decidiu tirar a jaqueta dele e passar a mão pelo peitoral ainda tampado pelo pano da blusa. Ele adorou aquilo. Adorou o arrepio e adorou sua mente indo para lugares malucos onde ele poderia fazer diversas coisas com ela.

O beijo era quente e ele estava começando a sentir confiança ao ponto de segurar a coxa farta da rosada. Céus, como era gostoso aquilo. Como era bom tocá-la sem medo. Era maravilhoso sentir tudo aquilo com ela.

Sasuke separou o beijo e virou a rosada de costas. Novamente, a pressionou contra a porta e tinha certeza que ela podia sentir seu membro ereto roçando em sua bunda. Ele estava tão duro que chegava a ser quase um crime. Mas ele não se importava, queria que ela sentisse bem o que ela fazia com ele.

Jogou todo o cabelo dela para o lado e arrancou sua jaqueta. Distribuiu beijos pela sua nuca enquanto segurava firmemente a cintura bem marcada dela.

Sakura era maravilhosa, uma verdadeira deusa.

A garota pegou a mão dele e levou até o seio. Não se importava de parecer desesperada, já até havia feito coisas piores​, só queria mostrar para ele que estava disposta a aceitar qualquer toque vindo dele.

E ele aproveitou a chance. Apertou de forma firme e se deliciou ao ouvir ela arfar de prazer. Era um som doce e maravilhoso que ele adorou ouvir.

Eles não estão no quarto? – era a voz de Hinata.

Bati lá e nada. Mas o carro de Sasuke está lá fora, então já voltaram.

Rapidamente, ele se afastou e pegou a jaqueta no chão. Sakura fez o mesmo.

— Podemos continuar outra hora – ela sussurrou e roubou um rápido selinho antes de abrir a porta.

O susto de Naruto ao ver os dois entrando pela porta da garagem foi algo memorável. Um pulo e um grito agudo que fez o Uchiha dar uma gargalhada alta.

— Puta que te pariu, Sasuke. Por que caralhos entrou por ai? – ainda tentava acalmar seus batimentos.

— Não queríamos atrapalhar vocês.

Haruno ainda tentava arrumar os cabelos, o Uchiha escondia a ereção com a casco que tinha em sua mão e ambos carregavam na face uma expressão de quem havia acabado de quebrado o vaso preferido da vovó.

Aquilo foi o suficiente para o Uzumaki e a Hyuuga desvendar o caso.

— Entendo – disse por fim com um leve sorriso.

— Acho que nós que atrapalhamos vocês – a morena deu um leve sorriso.

— Enfim, vou tomar um banho. Vejo vocês no jantar.

E a rosada correu mais rápido do que qualquer coisa veloz que existe no mundo.

Hinata e o namorado ainda olhavam para o Uchiha com aquele olhar de quem sabia de tudo que havia acontecido.

— Eu não vou nem falar nada – declarou o loiro.

— Bom, você acabou de falar algo.

Sasuke se retirou da cozinha com um leve sorriso sacana nos lábios. Estava se sentindo 100% satisfeito e 0,1% menos virgem.


Notas Finais


Oi oi pra você que leu até aqui e gostou <3

Eu raramente faço capítulos com mais de 4 mil palavras, então esse é um milagre da natureza. Um prezentão desses, bicho <3 É uma form de agradecer todo esse carniho que estou recebendo de vocês.

Enfim, o que acharam? Muita coisa acontecendo, não é mesmo? Adorei escrever o fim desse capítulo, de verdade.

Não se esqueçam que, antes do natal, Temari falou com Sasuke sobre uma festa de ano novo na casa da Hinata. A festa está bem próxima, meus amigos, então aguardem emoções fortes com esse casal que só precisa de um incentivo jkdkkskmabd

Ah, antes que eu me esqueça, gostaria de deixar o link da shot-fic que eu postei ontem: https://spiritfanfics.com/historia/inatingiveis-10893098 é bem diferente de o virgem, mas acho que vale super a pena dar uma olhadinha (DIVULGAÇÃO É TUDO, NÉ)

Enfim, o próximo capítulo sai no domingo. Mesmo com o Enem, eu irei postar de noitinha já que o capítulo também está pronto. Stou tão organizada com essa fanfic que nem parece eu kfjfkskskad

Vejo vocês nos comentários, nenéns <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...