1. Spirit Fanfics >
  2. O Vizinho da Minha Prima (Jeon Jungkook - BTS) >
  3. Like or Love?

História O Vizinho da Minha Prima (Jeon Jungkook - BTS) - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


aaaaaaa Demorei mas voltei
Desculpem por não ter postado no dia que eu geralmente posto capitulo novo (domingo) eu tive um baita bloqueio e só consegui começar a escrever esse cap no sábado a noite, ou seja não tive tempo pra terminar. Além do bloqueio to cheia de coisa na cabeça tbm, trabalhos do colégio, a votação do soba, sono desregulado, etc etc etc...
Por isso inclusive que estou postando só esse horário, me perdoem por isso tbm
Eu realmente espero conseguir trazer o prox cap no domingo, mas não prometo nada.
E bem, esse cap teve o P.O.V do Tae, pq uma leitora recomendou que eu fizesse mostrando como os meninos se sentem, ent decidi que seria uma boa pra vcs conhecerem um pouquinho melhor o teteco, e tbm no cap de hj temos um personagem novo que é importantíssimo pra estória...

Espero que gostem!
Boa leitura amores <3

Capítulo 6 - Like or Love?


Fanfic / Fanfiction O Vizinho da Minha Prima (Jeon Jungkook - BTS) - Capítulo 6 - Like or Love?

     Kim Taehyung’s P.O.V.


                                                                                                                           Sábado - 22:48 PM


Já está virando um costume meu chegar atrasado nos lugares onde eu marco de ir, nunca fui aquela pessoa que sempre demora muito se arrumando e nem nada do tipo, gosto de ser o mais básico possível, e sempre que posso, prefiro vestir roupas mais confortáveis. – sem deixar de ser estiloso, claro. O que posso fazer se tenho bom gosto? – E por mais que eu não demore a ficar pronto, ultimamente ser pontual não está mais na lista de coisas que sou. Geralmente é por completa culpa minha, mas dessa vez eu ao menos pude fazer algo para impedir que isso acontecesse mais uma vez. Sim, estou muito atrasado, para ser bem mais específico, uma hora e quarenta e oito minutos, segundo o relógio digital do painel do meu carro. Porém o trânsito caótico dessa cidade não me deixa ter mais escolhas a não ser enfrentar esse engarrafamento e esperar que ele passe logo, para que assim eu finalmente possa ir para casa do meu amigo.

Entre tanto, o universo parece estar em conspiração para que nossa pequena reunião não aconteça. Praticamente assim que eu coloquei os pés dentro desse carro o mundo começou a desabar. Uma chuva tão violentamente forte que ensoparia qualquer que fosse o pedestre mais bem protegido na rua, uma tempestade que veio junto a ventos insanamente fortes, raios e trovões estrondosos. O que aconteceu inesperadamente, pois na previsão meteorológica hoje mais cedo durante a manhã, dizia excepcionalmente que hoje seria um dia ensolarado, mas ao contrário do que foi dito, o dia foi enublando cada vez mais e quando eu menos percebi essa chuva começou. E como consequência de tal, esse engarrafamento se formou. Pelo que eu entendi, devido a pista escorregadia houve um acidente na rua principal, – que por sinal é onde eu estou – não sei direito o que exatamente aconteceu apenas ouvi a notícia por cima no rádio antes de mudar a estação para uma outra que estivesse tocando alguma música.

Agora estou aqui, impaciente e ansioso, e sem poder fazer absolutamente nada para mudar isso a não ser me controlar. Isso tudo porque eu quero muito ver meus amigos, faz tempo desde a última vez que estivemos os três juntos. Por conta dos trabalhos e estudos, nossas vidas se tornaram muito corridas, e esse fato muitas vezes nos impede de marcar um encontro, quase sempre não dá certo, ou porque estamos atolados de coisas como trabalho ou provas para fazer, ou então porque terá outro compromisso muito importante que não pode ser adiado, assim sempre acabamos por desmarcar. Vez ou outra acontece de um conseguir ver o outro, mas nunca nós três ao mesmo tempo. E hoje, logo hoje em que finalmente dá tudo certo, isso vem me acontecer, essa chuva e esse engarrafamento. É como dizem “alegria de pobre dura pouco”.

Me atento no movimento contínuo e ritmado do limpador de para-brisa ao clarear a visão embaçada pelos pingos pesados e grossos dessa chuva forte e insistente. Respiro fundo tentando permanecer calmo, ver Jungkook e Jimin não é só importante pelo fato de sermos amigos de longa data, eles são como irmãos para mim. Nossa antiga convivência diária me faz muita falta, eu sinto saudade das nossas conversas idiotas sobre jogos ou até mesmo sobre as meninas de nossa escola, também me lembro das piadas sem graça que fazíamos e coisas do tipo que na época eram bestas, mas que por mais imbecis que sejam, são lembranças que tenho e que as guardo profundamente em meu coração. E isso é exatamente o tipo de coisa que não falo pra ninguém, mas sei que no fundo não preciso dizer porque eles já sabem, e melhor, eles também sentem.

Conheço Park Jimin desde que eu me conheço por gente, faz tanto tempo que nem sei ao certo, apenas sei que fomos colegas no colégio por um bom tempo, e como temos a mesma idade, também éramos colegas de sala. Não faço a menor ideia de como o Park conheceu o Jungkook, só sei que nos nossos plenos onze ou doze anos, em uma tarde de domingo, Jimin fez uma pequena festa em sua casa, e desse dia só me lembro de ninguém ir além de mim e Jungkook, – que por sua vez era uma turma abaixo da minha e de Jimin por ser um ano mais novo – e nessa tarde passamos o tempo todo jogando Metal Gear Solid 3: Snake Eater no PlayStation 2 do Park. Naquele dia viramos muito amigos, e isso dura até hoje, por mais que não seja a mesma coisa e apesar da distância, tentamos manter contato sempre que dá, e nos falamos quase todos os dias por mensagem ou ligação.

Ao ver que isso ainda demoraria talvez algumas horas, resolvo por fim avisar-lhes com uma mensagem de texto sobre o motivo para a minha demora. A depender do horário que eu conseguir sair desse trânsito praticamente parado, é possível que seja tão tarde ao ponto de ter que deixar a nossa conversa pra outro dia, e isso me frustra muito. Sabe, eu quero pôr o papo em dia, saber das novidades deles dois, e ainda melhor, contar as minhas, tenho coisas muito importantes pra dizer, e preciso de suas opiniões já que são deveras significativas pra mim.

Olho mais uma vez para a janela do motorista, e o estabelecimento que vejo ao meu lado direito acalenta meu coração mesmo que minimamente. Essa foi a cafeteria que levei Lalisa no nosso primeiro encontro oficial, é a preferida dela, e devo admitir que esse lugar faz umas bebidas muito boas de fato.

 

Lisa é uma mulher encantadora, ela é carismática, muito extrovertida e engraçada, é brincalhona mas na medida certa, é responsável e humilde, sabe admitir quando está errada mas também não aceita ser acusada injustamente, ela é fofa porém sabe ser sexy quando quer, é inteligente, uma mulher forte e independente. Se eu pudesse passaria dias falando tudo que me deslumbra nela, quando a vi não pude deixar de perceber sua beleza, mas nunca poderia imaginar que essa garota me prenderia a ela dessa maneira. É incrivelmente ridículo o jeito que eu me comporto como um bobo apaixonado quando o assunto é Lalisa Manoban, e na verdade eu sou mesmo. Faz dois meses que estamos ficando, não é um namoro, mas nos tratamos como se fossemos namorados, sei que ela sente o mesmo que eu, por isso acho que já está mais que na hora de dar um passo a frente, por dizer assim. Não sei como, onde ou quando, mas vou pedir Lalisa em namoro, e espero conseguir fazer isso o mais rápido possível. Nós já conversamos sobre algo parecido, então sei que ela não curte pedidos muitos exagerados e nem que envolva muita gente, e pra falar a verdade eu também não. E é essa a coisa importante que tanto quero falar com O Jeon e com o Park, quero saber o que eles acham, e preciso de ideias, não aguento mais esperar por esse momento, e pra ser totalmente sincero tenho medo de demorar de mais a agir, e perder Lisa por isso, parece bobo mas este receio existe e a cada dia que se passa me atormenta um pouco mais.


O barulho estridente e irritante das buzinas dos carros ao meu redor me desviam de meus devaneios, bato a mão no volante com certa força. Definitivamente não vou suportar ficar mais um minuto dentro desse carro, parece que tudo está colaborando para o meu stress hoje, desde a discussão que tive mais cedo com minha mãe até esse engarrafamento. Suspiro pesadamente ao lembrar da briga.

 

Eu tive uma conversa com ela durante a tarde, e como eu sempre conto quase tudo da minha vida pra minha mãe, falei com ela sobre Lalisa e com certeza, não foi uma boa ideia ao ponto que ela faz um escândalo pelo telefone por saber que eu estou “namorando”. Acontece que elas nunca se viram pessoalmente e minha mãe parece já não aprová-la, simplesmente porque, ela é ciumenta de mais para aceitar que eu já tenho vinte e quatro anos, e que estou na idade de namorar e fazer coisas do tipo. Minha mãe sempre foi muito cuidadosa e super-protetora, ela é daquele tipo de mãe que acha que o filho pra sempre será o “bebezinho imaturo da mamãe”, e eu como bom filho que sou nunca dei trela pra isso e deixava que ela me mimasse muito. Mas depois de uns anos suas atitudes e o modo como me tratava começou a me incomodar, e foi assim que eu decidi vir morar sozinho. Como nesse pouco período de um ano e meio em que já não habitava o mesmo lugar que ela, eu não tive nenhum relacionamento sério, não cheguei a falar sobre mulheres e nem namoro com ela. Mas com Lisa é diferente, já estamos juntos a dois meses, mesmo que não oficialmente, e não acho justo deixar minha mãe sem saber disso. Eu só queria que ela aceitasse a futura nora – rezo para que realmente seja – numa’ boa, e que as duas se dessem bem, é verdadeiramente importante para mim que elas tenham uma boa relação.

Atenho minha atenção em seguir com o carro vagarosamente quando o fluxo parado começa a se mover, felizmente depois de quase duas horas aqui parado com tudo travado, consigo passar do ponto onde aconteceu o acidente, dali pra’ frente já estava tudo normal. Sigo pelo caminho que me levaria ao apartamento de Jimin, espero que nada mais dê errado hoje.

 

 

                                                                                                        (…)


- Demorou em… - Jungkook diz batendo o pé no chão como se estivesse me repreendendo e com um esboço de sorriso no rosto, o que entrega o quão ansioso ele também estava.

- Sabe que a culpa não foi minha. - Falo dando de ombros quando o Park me atende, abrindo aporta para que eu possa entrar. Os dois vestiam trajes tão casuais quanto eu, como basicamente moletom e calça jeans. - A propósito, que chuvarada foi essa de hoje!? - Dito indignado.

 

Entro e observo o ambiente bem aconchegante, em um estilo industrial bem descolado. A sala tinha em uma das paredes um papel de parede desenhado com tijolos brancos, e nas outras um cinza bem clarinho, que possuíam como decorações, quadros sortidos de diferentes tamanhos, cores e formas, mas que mesmo colocado juntos formavam uma ótima combinação. Assim como também havia uma parede envidraçada de fora afora com janelas que mantinham o lugar muito bem arejado, a cortina blecaute que ia do teto ao chão fornecia a privacidade que aquele cômodo precisava. A mobília em cores pretas em destaque com mais outros detalhes coloridos que diferenciavam ainda mais a sala desse apartamento. Na área onde fica o rack retrô e sem painel que aparava a televisão, há duas poltronas uma de frente pra outra que ficavam nas laterais do sofá maior, o qual dava visão frontal da TV, e um tapete cinza macio dava o último toque para o pequeno ambiente.

- É como eu dizia pro Jungkook, a previsão errou feio. Eu particularmente achei meio estranho, mas tudo bem né… - O Park diz sucinto enquanto vai na cozinha pegar uma bebida para nós três. Me sento na poltrona ao lado do sofá, esticando as pernas em cima da mesinha de centro, quando escuto o barulho baixo que a porta da geladeira faz ao se fechar. - Mas ai, o Jeon me adiantou que você tá’ de rolo com uma tal de Lisa, é gata? - Disse rindo ao jogar uma garrafa de cerveja para mim e outra para o Jungkook.

- E como! Tô’ amarradão na dela. - Falo abrindo o objeto de vidro logo após tomando um gole do líquido levemente amargo que desce rasgando pela garganta. Não sou muito fã de bebidas alcoólicas, ainda que eu as beba as vezes.

- Isso sim é novidade. Quem é você e o que fez com Kim Taehyung?! - Jimin comenta e nós rimos. - Então quer dizer que o garanhão do colégio se apaixonou?

- O pior que é sim. A gente fica já a dois meses, na verdade quase três … - Olho para um ponto fixo atrás de Jungkook que estava sentado na outra poltrona a minha frente. A imagem bela de Lalisa me vem na cabeça e sorrio por isso.

- E vocês já…? - Jimin me olha com um olhar malicioso, o que me faz entender sobre o que ele falava, retribuo o olhar com um sorriso maroto e ele da risada sendo logo acompanhado pelo Jeon que faz o mesmo. - Quem cala, consente! Você não perde uma né Tae? - Fala ainda rindo sapeca me jogando uma almofada, defendo-a de bater no meu rosto com um braço.

- Prefiro não comentar sobre isso. Mas cara, ela é tão linda que eu nem consigo explicar! - Falo intercalando o olhar entre os dois a minha frente.

- É de família então… - Jungkook diz sugestivo e eu arqueio uma sobrancelha enquanto Jimin o olha sem entender. Será que ele realmente está levando essa amizade com MinSuk pra’ frente, se é que eu posso dizer assim?

- Tu está mesmo a fim dela ou é só impressão minha, mesmo? - O olho desconfiado e Jimin se empertiga com um semblante perdido.

- Me expliquem isso agora, estou me sentindo deslocado aqui, ok? - O Park retruca falsamente irritado, enquanto observo Jungkook tombar a cabeça para o lado como a sua mania estranha.

- É que a tal Lisa que o Taehyung-hyung está ficando, tem uma prima que se chama MinSuk. E eu disse que acho ela bonita, só isso! - Jungkook se justifica e eu aperto os olhos franzindo o cenho, desconfiado, enquanto molho os lábios novamente tomando a bebida. - O quê? - Pergunta ao me ver olhando-o de maneira interrogatória.

- Nada, se você diz que é só isso então eu acredito em você. - Dou de ombros. - Mas tenho que admitir que você está certo sim, a genética delas é impecável. As duas são incrivelmente belas! Se eu não estivesse apaixonado por Lisa bem que daria umas pegas na MinSuk. - Resolvo jogar um verde, sei que Jungkook é ciumento, até de mais. – inclusive acho que é um dos poucos defeitos dele, mas, com certeza, é algo que têm de ser trabalhado – E tá mais que na cara que ele está sim, a fim de, pelo menos ficar nem que seja por um dia, com MinSuk. Logo, sei que fazendo isso, no mínimo ele iria se irritar, e eu particularmente amo perturbar meus amigos.

- Eu disse… - Ele bebe um pouco de sua cerveja desviando o olhar do meu.

- Então, vocês dois estão gostando das duas primas uh? Que coisa… - Jimin para coçando a nuca nervoso, ele parecia meio indeciso sobre continuar ou não falando.- Sabem, é difícil dizer isso, mas vocês sabem se elas também tem algum primo sobrando? - Ri sem graça abaixando o tom e automaticamente eu e Jungkook nos engasgamos com nossas bebidas. – seria cômico se não fosse trágico – É visível o desconforto do Park devido a nossa reação, por isso tento me controlar mais rápido. Mas é compreensível, eu realmente ouvi bem?

- Primo… tipo primo mesmo? - Jungkook fala surpreso, e eu pisco forte raciocinando. - Quer dizer, você, espera o que? - O mais novo continua em choque, mas vejo Jimin com um semblante preocupado. Eu até queria dizer, ou ao menos tentar dizer alguma coisa, até para tranquilizar o Park, mas simplesmente não consigo, eu travei. Não me incomodo com o fato de meu amigo ser gay, bissexual, ou coisa do tipo, só não estou acostumado ainda com essa ideia, não se tratando de Jimin, que eu sempre vi namorando com pessoas do sexo oposto. Por hora só acho meio estranho, mas sei que em pouquíssimo tempo irei me habituar.

- Sim. Bem, não sabia como contar isso pra vocês mas eu preciso. Eu não sou gay como vocês devem estar pensando, sou bissexual, se é que isso faz alguma diferença para vocês. Mas para continuarmos com essa amizade, vocês tinham de saber sobre isso… - Jimin fala sério, eu e Jeon rimos.

- Relaxa chimmy! - O provoco ainda rindo, ele odeia quando chamo-o assim. - Não importa pra’ gente se você é gay, bissexual, pansexual, ou não sei mais o que. Não faz diferença nenhuma, você vai continuar sendo essa mesma pessoa que você é. E é por esse seu jeito que somos seus amigos, não pela sua sexualidade! - Sorrio sincero, e tento o acalmar. Nunca deixaria de ser amigo dele por uma coisa que deveria ser normal mas que infelizmente muitas pessoas não aceitam.

- Faço das palavras dele, as minhas. Você sabe como nós somos, nos conhece bem, hyung. Me admira você ter imaginado que em algum momento eu e Taehyung-hyung deixaríamos de ser seus amigos por causa disso! - Jungkook completa.

- Sei que vocês realmente não ligam para a sexualidade da pessoa apenas para o caráter, mas isso falando de pessoas que não conhecem, comigo poderia ser diferente… Não sei, apenas fiquei com medo que isso afetasse nossa amizade. Obrigado por me aceitarem como eu realmente sou. - Jimin sorri e pasmem, ele estava chorando?

- Nós nunca não te aceitaríamos. - Falo. - Mas, posso perguntar quando você se descobriu?

- No final do ano passado, quando eu comecei a achar que estava gostando de um carinha da faculdade, eu acho! E antes que perguntem, eu não contei antes porque queria ter certeza primeiro, e acabei demorando mais ainda por insegurança. - Funga de leve o nariz ao se recompor. E ambos apenas concordamos quietos.

- E seus pais já sabem? - Jungkook pergunta. Jimin assente fraco.

- Contei a eles a um tempo, os dois não reagiram muito bem no início, mas acho que já estão se acostumando. - Sorri sem graça e da de ombros.

- Mas você está bem com tudo isso né? - Pergunto, me preocupa saber que Jimin pode estar mal por não ser bem aceito pelos pais, ou até por outras pessoas em seu meio. Gosto muito dele, não quero o ver sofrer.

- Na verdade sim, já estive melhor isso é fato, mas em compensação a antes, estou bem mais relaxado com isso. Eu só queria que as pessoas entendessem que não é nada de mais…

- Um dia isso vai acontecer amigo, só espero que não demore muito! - Dito por fim bebendo mais um pouco, Jungkook concorda comigo em um murmúrio quase inaudível.

Ainda vivemos em um mundo cheio de preconceito, desigualdades e injustiças, onde padrões de beleza existem, discriminação racial existe, superstição religiosa existe, onde as pessoas não podem ser quem elas são. Um mundo onde amar e aceitar, independente de raça, cor, nacionalidade, gênero e escolha sexual, ainda é impossível. É verdade que evoluímos muito em questão de respeito em comparação a anos atrás, mas esse é um processo longo e muito demorado, por isso infelizmente continua enorme o preconceito da humanidade, e eu realmente espero que essas próximas gerações aceitem mais e julguem menos.

- Enfim! Taehyung-ssi, Jungkook disse que você está ficando com essa Lisa a uns meses, pretende namorar com ela ou não? - Jimin muda o assunto e eu contenho um sorriso ao lembrar. Por um momento esqueci de um dos assuntos que eu mais queria conversar sobre com eles.

- Ah sim, então, eu realmente queria pedir a ajuda de vocês! Sim eu quero namorar com ela, e quero a pedir o mais rápido possível, só que eu não sei como e não queria que fosse muito sem graça. Me ajudem com isso por favor ? - Coloco a garrafa em cima da mesa de centro e junto as mãos como se implorasse a eles, enquanto os outros se entre olham e riem.

- Podemos pensar o seu caso! - Jungkook fala fazendo pose. - Não sei se deveríamos… - Se dirige a Jimin o que me faz franzir o cenho.

- Ok, eu nunca mais duvido de você dizendo que não gosta da MinSuk mesmo que a verdade seja outra! - Falo exasperado o que faz Park rir e Jungkook me jogar outra almofada na cara. - Agora me ajudem, ela disse que não gosta de coisas muito extravagantes, e eu também acho que um pedido muito exagerado não seja legal.

- Olha, você pode reunir algumas pessoas na praia de Busan e fazer um luau, contrata um jatinho particular e quando o sol estiver se pondo o avião vai passar com uma faixa, e na faixa estará escrito “Quer namorar comigo?”. - Jungkook diz olhando pro teto inspirado movendo as mãos, enquanto eu apenas o olho boquiaberto.

- Vamos fingir que você nunca disse isso, e começar de novo! - Falo calmo olhando pra Jimin que por outro lado parecia pensar em algo que realmente funcionasse.

- O que ela gosta de fazer? Ou melhor, quais são os lugares que ela gosta de ir? - O Park pergunta.

- Bom…- Tento me lembrar dos lugares onde eu e Lalisa fomos nesses últimos meses, ou de conversas que tivemos sobre. Ela não é uma mulher muito ambiciosa, muito pelo contrário, Lisa é muito simples, ela gosta de coisas mais simples, então geralmente vamos a lugares mais comuns que todo mundo vai, como praças com jardins bonitos, parques de diversões, cinema, sorveteria, no geral, locais assim. - Nós já fomos no cinema daquele shopping perto do meu apartamento, você sabe né? - Ele afirma. Mas parece não estar satisfeito o suficiente. - Hum, na praça da cidade… - Nega mais uma vez. - No parque de diversão!

- Isso! Parque de diversão é um ótimo lugar pra você pedir a mão dela, é diferente mas não deixa de ser romântico. - Jimin comenta. Como eu não pensei nessa possibilidade antes? Acho que disso ela vai gostar.

- Bingo! Valeu chimmy… - Fazemos um high 5. Vejo Jeon tombar a cabeça de novo.

- Sou mais o luau. - Jungkook retruca e eu rio. Isso só reforça minha tese do pirralho ser muito ciumento, com absolutamente qualquer pessoa. Arremesso a almofada que ele jogou pra mim antes, de volta.

- Então já que você já sabe como vai pedir sua pretendente em namoro, vamos ao Jungkook. - Park começa. - E você, como vai conquistar a tal priminha? - Olha pra Jungkook. Sabemos que ele não gosta de falar sobre seus sentimentos principalmente quando se trata de garotas, então ficar o perturbando para justamente falar sobre isso deve lhe encher muito o saco, mas essa é exatamente a graça.

- Você também vai começar? - Língua fala, língua paga. Isso vai ser engraçado. - Olha, eu não quero e nem vou conquistar ninguém, porque não gosto de ninguém, que coisa! Nem conheço ela direito, como posso gostar de alguém que acabei conhecer? - Jeon se levanta da poltrona e começa a andar de um lado pro outro ao falar. - Até porque caso eu quisesse, o que eu não quero, não precisaria conquistar a MinSuk. Tá mais que na cara que ela está a fim de mim… - Me sento ao lado do Park que estava no sofá, o olho e ele faz o mesmo comigo, logo ambos caímos em gargalhadas. O jovem é convencido, não?! - Não entendo o motivo das risadas, quando vocês verem o jeito que ela me olha, quero ver quem é que vai rir.

- Aé? Então porque ela saiu correndo quando vocês estavam quase se beijando? - Pergunto ainda rindo.

- Vai ver ele estava com bafo… - Park fala no mesmo estado que eu.

- Vão rindo ai, podem continuar. Já ouviram que, quem rir por último, ri melhor! - Jungkook volta a se sentar com uma expressão debochada em seu rosto.

- Então você está dizendo que vai conquistá-la? - Questiono convencido, e Jimin sussurra algo como “boa” para mim.

- Quem disse isso? - Jungkook arqueia a sobrancelha.

- Você, ora bolas… - Park responde antes de mim. - Se rirá por último quando ela estiver na sua, significa que ela ainda vai ficar, logo, você vai conquistá-la.

- Hyung, eu não disse isso, você que entendeu errado. - Jeon justifica sem graça.

- Foi exatamente isso que você quis dizer nas entrelinhas das suas palavras, de bobo só tenho a cara Jungkook! - Foi a minha vez de contradizer Jeon Jungkook.

- É só o que me faltava agora, me poupe Taehyung. - Jungkook revira os olhos, respondo com uma risada soprada.

- Mas falando sério agora? - Jimin começa. - O que você acha dela? - Completa. Eu particularmente acho que eles formariam um belo casal, mas conhecendo MinSuk a um pouco mais de tempo, diria que, se essa amizade – segundo Jungkook – for mais pra frente, acho que demoraria muito até que eles realmente estivessem namorando, JK só tem cara de garanhão, coisa e tal, no fundo Jungkook é um jovem adulto muito tímido e inseguro, alguém que precisa ter muita coragem para chegar nas mulheres, e MinSuk é exatamente igual, ou seja, em outras palavras, ninguém iria tomar iniciativa.

- Ah sei lá, ela é uma mulher simpática, inteligente, interessante, humilde, sincera, engraçada… - Um brilho sigiloso nos olhos de Jungkook ao falar da moça, nos faz ter mais que certeza, sim, ele gosta dela pode não ter percebido ainda, mas gosta. - Por mais que as vezes ela seja meio estranha e muito alienada com algumas coisas. - Ele sorri. - Gosto dela! - Fala sem perceber, ainda concentrado em algo aparte que eu imagino ser algo relacionado a MinSuk. Arregalo os olhos e Jimin faz o mesmo, começo a rir, Jungkook realmente é muito ingênuo.

- Ha. - O Park grita assustando JK. - Já admitiu então? Fácil assim? Pensei que seria mais demorado. - Pergunta e eu me esforço pra segurar a risada da cara perdida do mais novo.

- O que? Admiti o que? - Ele tomba mais uma vez a cabeça ainda confuso.

- Que você gosta dela. - Ele fala cruzando os braços de maneira vitoriosa.

- Gosto como amigo, como eu gosto de vocês! - JK diz sério.

- Então você ama ela? - Questiono pigarreando.

- Convencido você né Taehyung-hyung?! Quem disse que eu te amo? - Justifica-se revirando os olhos entediado.

- Eu que sei. Se não fosse por mim você não teria conhecido a MinSuk, inclusive. - Falo dando de ombros

- Mas ela mora literalmente do meu lado, uma hora ou outra eu iria conhecê-la. - Ele diz e eu suspiro.

- Exatamente mais um motivo pra você me amar. Você mora do lado dela e ainda não a conhecia, precisou que eu fizesse alguma coisa para isso… - Pego minha garrafa esquecida em cima da mesa, tomo um gole fazendo careta por sentir o líquido já quente.

- Que mentira! Não preciso de você para tomar iniciativa por mim. - Fala ríspido. Jimin só observa a cena calado, mas seu rosto expressava literal divertimento.

- Então me responda Jungkook-ssi, por que nunca ao menos tinha a visto antes? - Jungkook se ajeita inquieto, eu relaxo as costas de novo no encosto do sofá.

- Porque ela quase sempre fica com a cortina fechada, não dá pra ver seu quarto, ou seja, também não conseguia a ver! - Responde seco.

- Vocês parecem duas crianças. - Jimin intervém dando-me um peteleco na testa, logo após levantando para fazer o mesmo com Jeon, que resmunga em resposta. - Chega de falar de mulheres pelo amor de deus! - Balança os braços em negação comicamente. Realmente, só agora percebi que de fato, desde que chegamos só falamos das meninas. - Que tal uma partida de videogame para variar? - Fala por fim cruzando as pernas sobre o sofá.

- Ai sim! - Jungkook e eu dizemos em uníssono.









 

 

                                                                                                   (…)









 

 

 

 

 

                                   

 

 

                                                                                                                                                            Continua?


Notas Finais


Foi isso meus amores, espero mesmo que tenham gostado, deixem ai nos coments a opn de vcs, não sejam leitores fantasmas einn
Me desculpem qualquer erro eu fiz a revisão mas as vezes passa um ou outro desapercebido!
Fiquem ligados que no próximos capítulos vão ter MUITAS novidades ein, ent não deixem de acompanhar a fic ;)


Até o próximo <3
bjos ~tory


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...