História Oblivion - Capítulo 7


Escrita por: e NSARMY

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Abuso, Canto, Coreanos, Coréia, Dança, Gay, Homossexual, Idolos, Idols, Kpop, Kpopers, Lemon, Lgbt, Musica, Tragedia, Yaoi
Visualizações 11
Palavras 13.518
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 7 - Capítulo 6


07 de Março de 2019


Zen acordou às 6:00 a.m. e se viu deitado entre Sang Woo e Mun que dormiam abraçados.

Zen  caminha até o rosto dos dois e fica cheirando para depois lamber.

Sang Woo fica virando o rosto.

Sang Woo: Hum… Mun... Por que está me lambendo?... -diz sonolento então abre os olhos lentamente para então ver Zen olhando para sua cara, balançando o rabinho, com a língua para fora.

Sang Woo: Ah, é você… Oi Zen…-diz sorrindo para o cachorrinho e faz carinho. Olha para Mun que acordava aos poucos.-Seu filho quer atenção…-diz para o menor, acariciando sua cintura.

Mun abre os olhos e sorri para os dois.

Mun: Bom dia… -diz rouco e se espreguiça, para se sentar e pega o filhote o ponto em seu colo e faz carinho em sua cabeça.

Sang Woo também se senta e olha pelo quarto.

Sang Woo: Bom dia. Parece que ele dormiu a noite inteira… Então não fez suas necessidades pelo quarto… O que significa, que devemos levá-lo para fora.-diz com um sorriso, olhando o menor e beija sua testa, e afaga a cabeça do cachorrinho.

Mun: Sim… -diz olhando para o Hyung, então olha para Zen.- Vamos para fora?~ -pergunta retoricamente para o filhote em seus braços, se levantando e indo para fora.

O leva para o jardim e o deixa ali. Zen corre até o cantinho que Mun havia indicado no dia anterior e faz suas necessidades.

Mun: Bom garoto… -diz quando ele volta correndo e cai em seus pés, após tropeçar.- Aw~ -O pega e leva para dentro, fechando a porta do jardim. O coloca no chão de novo e ele sai marchando pela sala.

Mun ri da forma que o pequeno andava e pega a tigela com o bebedouro e a ração. Vai para a cozinha e coloca ração e água para o filhote, que o seguia em marchadinhas. Mun ri e abre a geladeira para começar a preparar o café da manhã.

Mun: Ué… Cadê as comidas…? Ah… Young…~ -coloca a mão no rosto e nega. Zen comia feliz da vida, Mun o olha.- Você tem sorte de ele não poder comer sua comida… Apesar de que eu não duvido nada que ele acabe comendo pela falta de comida humana… -diz e ri.

Sang Woo vai para o banheiro, toma banho, escova os dentes e sai, se deita na cama e fica desenhando.

Assim que Zen termina de comer e beber, Mun o pega e volta para o quarto.

Mun: Olha quem voltou, bem alimentado e aliviado.- fala sorrindo para o maior.- Precisamos comprar comida… O Young comeu tudo…

Sang Woo nega com a cabeça, batendo a mão na testa.

Sang Woo: Ele é inconsequente...Acho que tudo bem… Podemos ir comprar em um mercadinho aqui do lado, vamos só nós dois para não causar problema, e voltamos logo, não deve ter muita gente por lá à essa hora… -deixa o bloco na cama e se levanta, indo até Mun e Zen, se abaixa para falar com o cachorrinho.- Está feliz, não é, barrigudinho?-diz sorrindo tocando na barriga de Zen e faz carinho nele.-Acho melhor deixar ele por aqui, para irmos.

Mun concorda de leve.

Mun: Vou tomar banho e então vamos… -fala sorrindo olhando para os dois.

Sang woo concorda e Mun pega uma roupa e vai para o banheiro. Toma banho, escova os dentes e sai vestido do banheiro.

Mun: Pronto… -diz com seus fios ruivos molhados.


Mae acorda normalmente às 6: 10 e boceja esticando os braços, olha para o maior ainda adormecido e sorri por lembrar que ele havia o colocado na cama e a tirar seu casaco, cora um pouco por isso, mas se levanta e vai em direção do banheiro, tomando banho, escovando os dentes e fazendo o que deveria fazer, até notar que esqueceu de pegar as roupas. Se enrola na toalha e vai buscar, vendo o maior ainda dormir, se apressa e pega as roupas, voltando ao banheiro e se veste. Volta para o quarto já arrumado e vai até Sook, o cobrindo melhor, enquanto acariciava seus cabelos. Pega o celular e sobe na cama, para ler animadamente um novo capítulo da fanfic que havia saído.

****

06:46 a.m Sook acorda e olha o menor.

Sook: Bom dia, Mae… -fala e se espreguiça.

Tira as cobertas de cima de si e se levanta, anda até o menor e acaricia seus fios, depois pega uma roupa e vai para o banheiro. Depois de alguns minutos termina, se veste e sai do banheiro, com os dentes já escovados e bem vestido.

Vai até Mae e beija sua testa.

Mae: Bom dia~-diz sorrindo e beija a bochecha de Sook, aproveitando que o mesmo estava inclinado.-Obrigado por me trazer ontem, devo ter sido pesado,68 tadinho…

Sook cora um pouco.

Sook: Não, você é bem leve, pra falar a verdade.- fala e acaricia seu rosto.

Mae: Ah, que bom… Não queria ter sido um incômodo.-diz colocando sua mão sobre a de Sook, acariciando, então nota as bochechas de Sook coradas, sorri de leve.- Por que está corado?... Está tão fofo…

Sook cora ainda mais e desvia o olhar, virando o rosto para o outro lado.

Sook: Não estou corado… É impressão sua…

Mae: Ah, Sook… Que fofo!~ Dá vontade de te apertar.-diz sorrindo, o olhando e beija sua mão.- Não sou bobo, Hyung.-diz rindo de leve.- Só pareço.

Sook: Eu sei que não é bobo… - fala e o olha sorrindo, ainda corado. Beija sua mão também.

Mae sorri e o puxa para um abraço,o sentando na cama e envolvendo seu pescoço, sentando em seu colo.

Mae: Será que o Mun está fazendo café?

Sook: Acho que não… Não sinto o cheiro gostoso da comida dele…- diz corado envolvendo sua cintura.

Mae: Hum… Verdade… Vamos ficar aqui um tempinho, então.-diz sorrindo e acariciando seus fios.- Hum… Acho que escolheria você como o líder...

Sook sorri de lado.

Sook: Por que?

Mae: Me parece ser responsável e pensar no bem estar do grupo.-diz sorrindo e abraça mais seu pescoço, se aproximando dele.- Acho que cuidaria bem da gente, e nos lideraria melhor entre nós seis.

Sook: Ah… Eu não me acho tudo isso… -fala sorrindo de lado e beija sua bochecha.

Mae: Eu acho…-diz sorrindo.- Eu te admiro, Hyung…-diz e também beija sua bochecha.

Sook: Não deveria… Não me orgulho do que fiz a muito tempo atrás… -fala e desvia o olhar dele.

Mae: Se você se arrepende, mudou para algo que considera melhor… Para mim, isso basta.-diz e abraça seu pescoço, deitando a cabeça em seu peito.

Sook sorri e o abraça, beija o topo de sua cabeça e deixa o queixo nela.

Sook: Obrigado…

Mae retribui ao abraço, acariciando sua nuca, com um pequeno sorriso.

Mae: Não precisa agradecer, vou estar ao seu lado.-diz baixinho, mas que o maior pudesse ouvir.

Sook cora ainda mais e se arrepia, o olha nos olhos, então desvia para seus lábios e mantém seu olhar ali. “Aaaahhh… O que tá acontecendo comigo…? Por que eu sinto esse desejo tão intenso por juntar nossos lábios…?”

Mae o olha com um sorrisinho e toca em seu nariz dizendo “boop”.

Mae: He… Está vermelhinho de novo.~ -diz manhoso com um riso de leve.

Sook abaixa a cabeça e olha para outro lugar, agarrando a cintura do menor, inconscientemente, com força.

Mae inclina a cabeça para o lado, confuso.

Mae: O que foi, Sook? -pergunta acariciando a mão do maior em sua cintura.

O maior nega de leve, carrega o menor e o deixa sentado na cama se levanta com um leve manejo e desce para o andar de baixo e entra no lavabo.

Suspira sentindo um incômodo evoluir entre suas pernas. Então resolve se aliviar, colocando um pano em sua boca para abafar ao máximo seus gemidos.

Mae estranha o maior ter agido de repente daquela maneira, mas decide não o seguir e ficar no quarto, mexendo no celular, se o maior continuasse estranho, conversaria com ele.

Sook se alivia e então se limpa e sai do lavabo e vê Zen, sorri para ele que se esconde embaixo do sofá, batendo a cabeça no processo.

Sook: Zen…~ Vem pro titio… -fala o chamando, mas nada do pequenino sair.


Young acorda às 06:38 e olha o menor ainda dormindo. Se levanta e vai em direção ao banheiro, faz suas necessidades e vai para a cozinha.

Young: Fome…~- diz, em um toque meio zumbi.

Tae Woo acorda às 6:50 com a notificação do celular, pega o celular e vê mensagens de sua mãe, perguntando como ele estava. Sorri e abre a tela, para conversar com e contar sobre como eram seus novos amigos, e que adotaram Zen, não falou nada sobre como seu relacionamento com Young estava meio conturbado, ela não precisava saber desses mal entendidos.

Young come algumas coisas que achou prontas na geladeira e biscoitos nos armários. Volta para o quarto e vê o menor no celular.

Young: Bom dia… -fala e vai para o banheiro.

Tae Woo: Bom dia, alguém já desceu?-pergunta normalmente, o olhando, até desviar os olhos para o celular quando a mãe respondeu.

Young: Até onde eu sei, não… -fala um pouco mais alto, por já estar dentro do banheiro.

Tae Woo se levanta depois de terminar a conversa com sua mãe e vai até a mala, trazendo para um dos guarda-roupas e começa a organizar o armário, enquanto o outro estava no banho, começa a cantar uma música suave. Sempre cantava quando estava organizando as coisas foi assim que seu chefe da agência o descobriu.

Young termina o banho e sai do banheiro vestido e vê o menor cantando. Sorri admirado.

Young: Você canta muito bem!

Tae Woo o olha e sorri de leve.

Tae Woo: Obrigado.-diz e continua arrumando as coisas, enquanto cantava.

Young: Não é atoa que está no grupo… -fala sorrindo e vai se deitar.

Tae Woo: Se fosse atoa, me sentiria péssimo…-diz rindo de leve.

Young

Young: Ah… Imagino… -fala e pega o celular.

Tae Woo continua arrumando e depois tira a roupa de dormir, deixando na cama e vai de cueca para o banheiro, fechando a porta.

Young o observa com as sobrancelhas arqueadas. “Como assim…?”

Depois de um tempo, Tae Woo volta já vestido, secando os cabelos, e se senta na cama, pegando o celular com a toalha na cabeça.

Young o olha e sorri de lado.

Tae Woo seca os cabelos e penteia-os com os dedos e se deita, com um suspiro.

Young: O que foi?- pergunta, quando recebe uma mensagem. Olha o celular e vê que se tratava da Mei. Sorri de leve e a responde, dando risadas nervosas pelas ameaças dela.

Tae Woo: Hum…? Ah, nada.-diz fechando os olhos, colocando o antebraço sobre eles.

Young passa mais um tempo falando com Mei e então o olha, suspira e se levanta. Deixa o celular na cama e anda até a cama do outro, pega seu braço e tira de seu rosto.

Young: Hey… Olha… Me desculpa por ontem… Fui rude… Eu sinto muito… Não queria te machucar… Ou algo assim… -fala o olhando nos olhos.

Tae Woo também o olha e assente.

Tae Woo: Não, está tudo bem… Estava falando a verdade. Eu não confundo verdade com rudeza.-diz fechando os olhos novamente.

Young suspira, concordando, se senta na cama dele e se deita ao seu lado, sem se importar se o menor deixava ou não.

Tae Woo abre os olhos e se vira para ele, o olha por um tempo e depois se deita novamente, fechando os olhos, dando um pouco mais espaço para que o outro se sentisse confortável.

Young sorri com isso e se aproxima dele. Fica o olhando vidrado, com um sorriso meio insano.

Tae Woo se sente vigiado e abre os olhos, se deparando com a cara de Young o encarando, então arqueia as sobrancelhas.

Tae Woo: Que cara bizarra é essa…?

Young: Ah… Estou me mantendo 100% focado em você e na sua magnífica beleza… -diz sorrindo e tira o fio que caia sobre os olhos do menor.

Tae Woo: Hum… Isso é assustador…-diz rindo de leve e revira os olhos.

Young sorri.

Young: Ah, o que tem de assustador em querer te adorar…? -pergunta e beija a bochecha dele.

Tae Woo: Não há necessidade de me adorar, não sou um deus e muito menos mereço adoração.-diz o olhando com um pequeno sorriso.

Young: É claro que é um Deus… Olha isso… Um ser humano tão lindo, não deve ser um ser humano… Só pode ser um deus… ! -diz determinado com aquela ideia.

Tae Woo ri de leve.

Tae Woo: Não seja bobo… Não sou tudo isso…-diz e dá uma batidinha em sua cabeça.

Young: Claro que é… -diz e agarra sua mão, para então deixar um beijo na mesma.

Tae Woo: Por que você faz isso…?-diz se referindo aos beijos que ele já lhe deu nesta manhã e aos elogios.- Eu não sei se devo ficar quieto ou se posso fazer o mesmo.

Young o olha e se senta na cama, acaricia seu rosto.

Young: Depende do que quer… Eu faço porque eu gosto de dar carinho aqueles que já me são importantes… Se você faz o mesmo, então não deveria fazer em mim, já que não sou importante… -fala o olhando nos olhos com um pequeno sorriso de lado.

Tae Woo pensa um pouco e sorri de leve, assentindo.

Tae Woo: Então tudo bem…-diz e se senta, beijando sua testa e bochecha, para depois se deitar de novo.- Acho que isso significa o bastante.


Sang Woo sorri e bagunça os cabelos de Mun.

Sang Woo: Então, vamos, logo vão estar com fome. Podemos deixar Zen na sala.

Mun concorda e pega o filhote e marchava pelo quarto e cheirava as coisas.

Mun: Vamos meu pequetuxo… -fala e os três vão para a sala.

Mun deixa Zen no chão, que começa a andar de um lado para o outro, ri e se volta para o Hyung.

Mun: Vamos… -fala indo para a porta.

Sang Woo o segue e saem da casa caminhando pela rua até o mercadinho que ficava na esquina.

Sang Woo: O que quer comprar?

Mun: Tudo… Vou fazer comida extra para o Young…

Sang Woo: É uma boa ideia, vamos fazer compras.-diz sorrindo e envolve os ombros de Mun, então chegam no mercado e Sang Woo pega o carrinho.

Mun se encolhe pelo olhar das outras pessoas neles.

Sang Woo nota e sorri de leve para Mun.

Sang Woo: Não liga para eles, deixe-os pensar o que quiser, não têm o direito de saber de sua vida e nem te julgar, e se julgarem, eles não sabem nada de você.-diz acariciando seu ombro e olha para as estantes.- Hum… Vou pegar esse Chantilly, gosto de Chantilly…

Mun: Eu nunca comi… -fala o olhando.

Sang Woo o olha indignado.

Sang Woo: Ah, meu amigo… Você precisa provar.-diz e pega cinco latas, para então ir para outra estante.

Mun o olha espantado pela quantidade.

Mun: Precisamos mesmo de tudo isso…? -pergunta enquanto ia pegando arroz e macarrão.

Sang Woo: Precisar? Não. Mas é bom, e ao menos não está muito caro, somos seis, acho que os meninos também gostam. -diz pegando leite, queijo e uma caixa de ovos.

Mun: Hum… E se Young gostar… Aish… Quer pegar mais…? -pergunta sorrindo divertido e pega farinha de trigo, biscoitos e salmão.

Sang Woo ri e leve.

Sang Woo: Com certeza ele gosta… Vou fingir que só compramos um e esconder os outros, ou não vai sobrar para ninguém… Vou pegar algumas frutas, ali. Qualquer coisa, grita meu nome.-diz e pega uma sacola, escolhendo grupos de frutas variadas.

Mun continua pegando as coisas e vai colocando tudo no carrinho.

Sang Woo passa de frutas para suco de frutas e pega vários em garrafas, latas e caixas, colocando em outra sacola.

Termina de pegar o que queria, quando um grupo de garotos se aproximam dele, com cerca de 4 garotos de mais ou menos 16 a 18 anos.

Garoto1: Hey, garotinho, está sozinho…?- pergunta com eles se aproximando.

Garoto2: Ah… Deixe-nos o ajudar. -fala com eles já bem próximos do menor.

Mun os olha assustado e se encolhendo, abaixa a cabeça e tenta passar por eles com o carrinho, mas um deles segura o carrinho e puxa, fazendo o menor soltar e outro o empurra contra as prateleiras.  

Garoto3: Calma, lindinho… Não precisa se preocupar… Vamos apenas nos divertir… -diz sorrindo com o rosto perto do menor.

Mun: Me largue… -diz em um sussurro medroso. Eles riem por conta disso.

Garoto4: O que ele disse? Parece um gatinho medroso… Adoro esses tipos… -fala rindo e os outros riem.

Garoto2: Acho que ele disse para continuarmos… -fala e toca a cintura de Mun a apertando, bem em um lugar roxo e dolorido, o menor geme de dor.- Olha… Já está gemendo…?!

Garoto3: Ah… Adorei escutar isso… É como música para os meus ouvidos… -diz sorrindo malicioso e levanta o rosto dele e o menor fecha os olhos.

Garoto1: Eu quero que ele abra os olhos… Que ele veja o que fazemos com ele… -diz do outro lado de Mun e aperta sua bunda.

Mun estremece.

Mun: SANG… -tenta gritar o nome do Hyung, mas um dos garotos tapa sua boca.

Garoto1: Shiii… Não grite… Não agora… Deixe-nos começar… -fala e aperta novamente sua bunda e passa a mão por cima do pênis do menor.

Sang Woo escuta algo parecido com “Dang” ou “Sang” e pensa logo em Mun, e vai checar se não havia algo acontecendo e assim quando chega no corredor onde havia o deixado, o encontra encurralado por 4 garotos em uma prateleira, Sang Woo sente uma onda de raiva invadir por seu corpo e deixa as sacolas no chão, indo até os garotos e Mun, não fala nada, apenas chega dando um soco nos dois que estavam tocando em Mun e puxa o menor pelo braço, o mantendo atrás de si.

Sang Woo: Eu juro, se não saírem de minha frente agora, eu mato os quatro sem remorso ou piedade. -diz sério.- Eu vou adorar ter mais quatro nomes em minha lista de vítimas, e tortura é meu ponto forte. Não deveriam ter mexido com meu garoto.

Os dois que ele havia machucado saem correndo, sem esperar os outros, cambaleando. Os outros dois ficam como se fossem para cima, mas depois ficam com medo do maior e saem correndo dali, também.

Mun estava com medo, mas não apenas dos garotos, agora de Sang Woo. Abaixa a cabeça e pega as sacolas que Sang Woo havia derrubado.

Mun: Obrigado… -agradece em um sussurro. Seu corpo tremia e parecia que cortes haviam se reaberto e a dor em seu corpo havia voltado, mas o mesmo simplesmente tenta conter e se aguentar em pé, apesar da dor se espalhar por suas pernas e braços e continuar se alastrando.

Sang Woo o olha e fica calmo novamente, coloca a mão em seu ombro.

Sang Woo: Está tudo bem? Te machucaram?...-Nota que o menor estava tremendo.- Hey… Não leve a sério o que eu disse, tudo bem? É ameaça psicológica.-diz acariciando seu rosto.- Vamos pagar essas coisas e voltar logo para casa, certo?

Mun concorda de leve e se contém para não gemer ao toque do maior em seu ombro, que possui a um corte dali até o centro de suas costas.

Sang Woo o olha preocupado.

Sang Woo: Vou dar uma olhada em você… Parece que tem algo errado…-diz tirando a mão de seu ombro.- Vamos adiantar.-Diz e vão para o caixa, Sang Woo pega um kit de primeiros socorros, por via das dúvidas e pagam tudo, colocam as compras em uma sacola gigante, que Sang Woo leva no ombro, e a caixa de ovos nas mãos.


O celular de Mae descarrega e o mesmo fica frustrado, coloca o aparelho para carregar e desce, encontrando Sook tentando chamar Zen, mas falhando miseravelmente. Mae ri de leve e nega com a cabeça.

Mae: Zen… Vem cá.~ -chama, mas também não funciona.- Não seja malvado… Só quero carinho!- diz e nada.- Aish… É filho do Mun… Ou é o Mun como cãozinho… - diz indo para a cozinha.- Hum… Não tem nada, eu acho  que podem ter saído para comprar comida…

Sook desiste de chamar ele e vai para a cozinha.

Sook: Ah, sim… Eu esperava que uma hora a comida fosse acabar… Do jeito que o Young come… Vamos ter que comprar o mercado… -fala negando e observando a cozinha, então o menor. Ele lembra do que fez e cora um pouco, se voltando para a geladeira, pegando a garrafa de água.

Mae ri de leve.

Mae: Faz sentido… -diz e volta para a sala, e Zen já havia saído da toca, mas quando vê Mae, se esconde de novo.- Me sinto rejeitado…-diz se sentando no sofá.

Sem fica encolhidinho andando por baixo do sofá. Anda até o pé de Mae e o cheira.

Sook sai da cozinha, após beber água, e ai para a sala, sentando ao lado de Mae e pega o controle da televisão.

Mae sente cócegas nos pés, mas fica quieto imaginando Zen, sorri por isso e olha para Sook, depois para a TV e se recosta no sofá, então pega uma almofada, abraçando e se inclinando um pouco na direção de Sook.


Sang Woo e Mun já estavam chegando em casa, o maior morrendo de preocupação pelo outro, chegam na casa e abrem a porta, encontrando Sook e Mae na sala assistindo TV.

Mae: Ah, vocês foram mesmo no mercado.-diz se virando para eles.

Sang Woo: A s coisas estão aqui e escondam o Chantilly para que Young não encontre, já voltamos.-diz colocando as coisas em cima da mesa e pega o kit de primeiros socorros, olha para Mun e o carrega com cuidado, subindo de volta até o quarto.

Mae fica confuso e olha para Sook.

Mae: Bem… Vou organizar as compras.

Sook: Eu te ajudo… -fala e os dois se levantam e pegam as sacolas.



Sang Woo coloca Mun deitado na cama com cuidado.

Sang Woo: Seus cortes abriram.-diz abrindo o kit, pegando ataduras e um remédio.

Mun o olhava com os olhos ainda mais fechados e sentindo todo seu corpo arder como fogo, o mesmo tremia e continha lágrimas que queriam sair.

Sang Woo: Vou precisar tirar suas roupas por um momento.-diz e tira sua camisa moletom com cuidado, para que evitasse causar mais dor ao menor. Quando tira, vê os cortes abertos e pega um pouco de água para limpar e depois aplicar o remédio.- O remédio arde?-pergunta enquanto aplicava nas feridas do tronco de Mun.

Mun: S-Sim… -diz se encolhendo um pouco e arquejando de dor.

Sang Woo suspira.

Sang Woo: Vai passar, não se preocupe, só aguente um pouco. -diz e beija sua testa.

Mun concorda e o maior continua passando o remédio em suas feridas.Quando parou, a sensação de ardor continua. Se encosta no travesseiro e o maior tira suas calças.

Sang Woo passa o remédio nas feridas de Mun para depois enfaixar todas, das pernas e ao tronco, com as ataduras.

Sang Woo: Pronto… Agora vou te vestir e vai ficar deitadinho aí …

Mun concorda e se encolhe um pouco, levanta a mão e segura a dele de forma gentil.

Sang Woo sorri e se senta ao seu lado, acariciando sua mão.

Sang Woo: Eu estou aqui com você, se quiser posso buscar algo para comer lá embaixo, posso buscar água, qualquer coisa.-diz e beija sua mão levemente.

Mun sorri de leve e concorda.

Mun: Obrigado… -fala com um leve rubor.

Sang Woo sorri e acaricia seu rosto.

Sang Woo: Está tão indefeso… Me faz querer te colocar em um potinho…

Mun arregala um pouco os olhos e se encolhe de leve.

Sang Woo ri de leve e beija sua testa, acariciando sua mão. O menor sorri.

Mun: Hyung… Poderia buscar o Zen? Vê se ele não quer sair para fazer as coisinhas dele e se não está com fome ou sede… -pede.

Sang Woo assente.

Sang Woo: Vou ver se ele quer alguma coisa, então o trago.-diz com um leve sorriso e cobre seu corpo com a coberta até seu peito. Beija sua testa.- Volto já. -diz e sai do quarto.

Mun fica deitado na cama, sentindo leves ardores por seu corpo.

Zen marchava pela sala e vê Sang Woo descendo as escadas. Vai na direção dele e tropeça caindo a seus pés.

Sang Woo ri de leve e carrega o cachorrinho.

Sang Woo: E aí, cara? Fome? Sede? Passear?-pergunta levando-o para fora, onde o mesmo faz o que queria e volta marchando para a sala, Sang Woo coloca um pouco de ração e Zen come feliz, depois bebe água, e fica olhando para o outro dono.- Terminou? Vamos ver o papai.-diz sorrindo e carrega o cachorrinho, levando-o ao quarto.

Zen abanava o rabinho feliz e o lambe.

Chegam ao quarto e Sang Woo fecha a porta quando entra, sorri para Mun e coloca Zen na cama, que vai até Mun e fica o lambendo. O menor sorri e acaricia calmamente sua cabeça e o beija.

Mun: Oi…~ -fala de forma suave e fofa. Olha para o maior- Obrigado…~ -fala e indica o lugar na cama ao seu lado para ele. Se sentou ao lado do menor, com um sorriso e fica acariciando seu rosto.

Sang Woo: Não precisa agradecer.-olha para Zen e faz carinho.

Mun sorri e segura na mão do maior com uma das mãos e com a outra fazia carinho em Zen.

Sang Woo acaricia a mão de Mun e a leva aos lábios, dando um beijinho, e Zen começa a morder seu dedo querendo brincar.

Sang Woo: Ah, quer brincar?-diz e fica brincando com o filhote, fazendo barulhinhos estranhos.

Mun ri dos barulhos que Sang Woo fazia e o pequenininho rola pela cama quase caindo, quando Mun o segura e coloca de volta a cama com um gemido de dor. Sang Woo traz o cachorrinho mais para o centro e o acaricia, depois olha para Mun e beija sua testa.

Sang Woo: Está tudo bem?

Mun: S-Sim… Só doeu um pouco… -fala com um pequeno sorriso.

Sang Woo: Tudo bem… -diz sorrindo de leve.- Se algo doer muito, me diga.

Mun concorda e Zen marcha até seu rosto e o lambe, pondo as patinhas em seu braço, Mun sorri e acaricia sua cabeça.

Mun: Quer carinho, meu bebê?! -fala e da um beijinho nele.

Sang Woo: Ele é pequeno, lerdo e carente.-diz rindo de leve e acaricia as costas do filhote.

Mun: Ah… Não fale assim dele… Não na frente dele… -fala e ri de leve, faz um esforço para se sentar na cama.

Sang Woo o ajuda a se sentar, apoiando-o em seu peito.

Sang Woo: Tudo bem… Não vou falar essas coisas na frente do nosso filho.

Mun cora.

Mun: N-Nosso…?

Sang Woo: Uhum… O adotamos juntos e está sob nossa responsabilidade.-diz sorrindo para o menor, enquanto fazia carinho em Zen.

Mun concorda e sorri de leve fazendo carinho no filhote também.

Mun: Sim… -murmura.


Young o olha e sorri. Se deita de novo e o beija no rosto e o acaricia.

Young: Então… Eu sou importante…?!

Tae Woo: Uhum…-diz acariciando a mão que o acariciava.- Mesmo tendo nos conhecendo há poucos dias…  

Young sorri feliz e leva os lábios ao seu rosto.

Tae Woo sorri e deixa o maior  o beijar, então o abraça.

O abraça de volta e deixa o rosto em seu pescoço, aproveitando seu gostoso cheiro de pêssego.

Tae Woo: Faz cócegas…-diz rindo de leve, sentindo o nariz dele em seu pescoço.

Young ri.

Young: Você cheira a pêssego.

Tae Woo: Meu sabonete é de pêssego, eu adoro pêssego…-diz sorrindo de leve.

Young: Ah… Continue o usando… Eu gosto… -fala e inspira em seu pescoço.

Tae Woo se arrepia de leve e assente devagar.

Tae Woo: Uhum… Eu também gosto.

Young beija seu pescoço.

Young: É doce, mas nem tanto… Eu quero te morder… -fala com sua boca roçando a pele dele.

Tae Woo: Hum… Só não me come…-diz sem malícia e se arrepiando aos lábios dele em seu pescoço.

Young sorri e o morde de leve.

Young: Bom… -diz e lambe.

Tae Woo: Ahn… Young… -diz rindo de leve e tremendo um pouco.- Para com isso…

Young: Hum… Tudo bem… Mas isso é uma pena… É bom provar você… -fala sorrindo e o olha nos olhos.

Tae Woo retorna o olhar e fica um pouco ruborizado.

Tae Woo: Você gosta de provocar, não?

Young: Não… Eu gosto de te sentir… -diz sem malícia.

Tae Woo: Hum… Tudo bem, eu acho... -diz o abraçando e levemente entrelaça suas pernas com as dele.

Young envolve sua cintura e beija sua bochecha, sorrindo animado e acaricia sua cintura.

Young: Eh~

Tae Woo ri de leve e esconde o rosto no pescoço do maior, dando beijos leves por lá. Young treme de leve, mas sorri com a sensação.

Young: Posso te fazer… Uma pergunta? -pergunta tremendo um pouco e sua voz falha.

Tae Woo assente de leve, ainda deixando alguns beijinhos em sua pele. O maior se arrepia ainda mais e acaricia sua cintura.

Young: Qual a sua sexualidade?

Tae Woo: Ah, eu sou gay. Mas não se sinta inseguro por isso. Não é como algumas pessoas pensam que só porque é homossexual, a pessoa vai sair pulando para a pessoa do mesmo sexo só porque quer fazer alguma coisa. Estereótipos.-diz revirando os olhos.

Young: Ah sim, eu entendo, não se preocupe, não teria porque eu ter algum tipo de preconceito com sua sexualidade.- fala sentindo uma animação, ainda maior que a normal, por saber do mais novo.

Tae Woo sorri, o olhando.

Tae Woo: Ah, que bom… E você? Não precisa me dizer se não quiser.-diz e tira uns fios de cabelos que estavam caindo no próprio rosto.

Young: Ah, eu não me importo em dizer. Sou pansexual. -fala sorrindo e beija sua bochecha.

Tae Woo: Ah, que diferente… Eu sei o que significa, mas é o primeiro que vejo por aí.-diz com um sorrisinho, acariciando seu rosto.

Young: Sim… Não conheço ninguém que seja também… -fala e o abraça mais apertado.

Tae Woo sorri retribuindo ao abraço.

Tae Woo: Ainda assim tem muitos por aí.-diz e beija seu pescoço.

Young treme e o afasta um pouco para o olhar em seus olhos.

Tae Woo retribui o olhar, olhando nos olhos negros do outro, os associando com diamantes negros.

Tae Woo: Seus olhos são lindos…

Young sorri de leve.

Young: Ah… Não acho… São normais… -fala rindo e acaricia o rosto dele.

Tae Woo:  Mas cada olho tem suas características únicas… O formato dos seus, a cor, o modo como se expressam… São muito bonitos…-diz sorrindo de leve.

Young sorri e coloca a mão em seu rosto.

Young: Os seus também são… Posso te pedir uma coisa?

Tae Woo: Pode sim.-diz o olhando.

Young segura em seu queixo e levanta um pouco o rosto do menor e junta seus narizes.

Young: Posso te beijar?

Tae Woo assente levemente, meio surpreso com a pergunta, mas se aproxima mais um pouco. Seus lábios se tocam e Young o puxa para cima de si.

Tae retribui ao beijo e acaricia o rosto de Young enquanto o beijava, com o antebraço apoiados na cama.


Mae arrumava as coisas e via o que tinha.

Mae: Oba… Chantilly…~ -diz dando pulinhos.

Sook sorri e ri disso.

Sook: Tem cinco… O Sang Woo disse que era para escondermos… Então guarda um ai e os outros vamos levar para o quarto do Mun e do Sang Woo.

Mae: Uhum, é mais seguro… Até de mim..-diz rindo e vai arrumando o resto.

Sook ri e concorda o ajudando a arrumar as coisas. Terminam e vão para o quarto.

Mae se senta na cama, balançando os pés e sorri para Sook. O maior sorri e se senta ao seu lado e o abraça.

Sook: Fofo…

Mae faz um barulhinho e o abraça também, sorrindo e beija sua bochecha.

Mae: Hyung~

Sook sorri e beija o rosto dele. “Ah… Se ele continuar falando dessa forma…”

Mae: Ah, eu gosto de como me beija~ -diz sorrindo e beija a bochecha dele de novo.- Você é fofo…

Sook: Anh… -cora e desvia o olhar.

Mae acha divertido a forma como o maior agia e se senta em seu colo, com as mãos na nuca de Sook, acariciando.

Mae: Hyung…~ -chama manhoso e rouco, beijando sua orelha.

Sook treme de leve e coloca uma mão em cada lado de sua cintura.

Sook: Hum… -murmura um tanto tenso.

Mae: Por que está estranho comigo…?-pergunta inclinando a cabeça para o lado, acariciando a sua nuca.- Você fica comigo, me abraça, me beija… Mas do nada fica estranho…

Sook o olha nos olhos ruborizado.

Sook: É que… Eu não sei agir… Dessa forma… Eu não consigo entender a minha mente… Nesse momento… Eu só quero… Ah… Nada… Esquece… Eu estou bem… -fala nervoso e o abraça mais, escondendo o rosto em seu pescoço.

Mae entrelaça os dedos no cabelo de Sook, abraçando-o pelo pescoço e beija seu lóbulo.

Mae: Hum… Pode me contar qualquer coisa, eu sei guardar segredo e pode confiar em mim...-diz baixinho em sua orelha de novo.

Sook: Não… Eu não me preocupo com você guardar ou não esse segredo… É que… Eu não sei o que é… Eu não sei como explicar… Eu estou confuso… E… Você é causa dessa confusão…

Mae: Eu…? O que eu fiz para te deixar confuso…?-pergunta o olhando nos olhos.- Se conversarmos, talvez possamos deixar as coisas mais claras, essas que estão te confundindo.

Sook: Eu não sei se isso é uma boa ideia… Não sei se irá gostar… -fala nervoso.

Mae: Não se preocupe, eu não vou ficar chateado com você, não importa o que seja.

Sook suspira e desvia o olhar.

Sook: Eu… Bom… Já namorei várias mulheres… E outras coisas… Mas… Seu jeito… Me deixa… Estranho… Não que eu o ache ruim… Mas… Ele me faz me sentir de uma forma diferente… Quando… Quando eu te escutei… No banheiro naquele dia… Meu corpo ficou tão quente… E… Passou por um momento na minha mente a ideia de ir até você… Ali… Naquela situação… Ah… -esconde o rosto em seu ombro, envergonhado.

Mae cora um pouco e assente apertando um pouco sua camisa.

Mae: Ah… Entendo… Você está confuso sobre o que está sentindo em relação a mim… Você pode estar apenas curioso a respeito… Ou sentir algum tipo de interesse, mas ainda está confuso…-diz baixinho o olhando, sem saber direito o que dizer.- Quer tentar ver se sente algo se… Nos beijarmos?... Pode te esclarecer em algo… Mas se não quiser, tudo bem… Não vejo como um problema.

Sook o olha nos olhos e sobe uma das mãos para sua nuca e o sela. Mae cora um pouco e retribui ao beijo, carinhosamente, abraçando seu pescoço levemente, enquanto acariciava a nuca do mesmo. Sook para o beijo e o olha nos olhos, ruborizado, enquanto o menor fazia o mesmo, então Sook toma seus lábios novamente.

Sook sentia uma adrenalina, uma sensação extremamente boa com aquele beijo, acaricia a cintura do menor com uma mão e sua nuca com a outra.

Mae se surpreende um pouco e leva uma das mãos ao rosto do maior, o puxando para que permanecesse próximo, enquanto o outro braço envolvia seu pescoço. Mae aproxima seu corpo do de Sook. O maior o puxa mais contra seu corpo friccionando seus membros um contra o outro e geme um pouco, então para o beijo.

Sook: Acho… Que devemos parar um pouco… -diz e acaricia sua nuca.

Mae: Ahn…~ -faz beicinho frustrado e abraça o pescoço do maior.- Eu quero mais, Hyung…~

Sook: Ah… Mae… Não fale assim… Ou não conseguirei resistir a você… -fala acariciando seu rosto.

Mae sorri divertido e aproxima seu rosto do maior, juntando seus narizes.

Mae: Hyung…~ Por favor…~ Eu quero mais beijos…~ -sussurra manhoso.

Sook suspira com um pequeno sorriso, negando de leve e cola seus lábios.

Mae retribui ao beijo com carinho e paixão, e acariciando sua nuca e sorri no fim dele, dando mais um selinho em Sook.

Mae: Hum… E então?... Melhorou sua confusão…?

Sook: Ah… Não… -fala o olhando nos olhos e sorri de lado- Acho que eu preciso de mais para melhorar…

Mae sorri corando um pouco e se aproxima novamente, juntando seus narizes, e o sela de novo impulsionando seu corpo contra o de Sook, o fazendo deitar e Mae fica por cima, colando seu corpo ao do maior, ainda o beijando.

Sook se surpreende pelo ato, mas retribui ao beijo com carinho e leva as mãos as suas coxas, as apertando de leve. Introduz sua língua ao beijo, explorando a boca do menor. Mae  estremece com o toque do maior em suas coxas, e acaricia a língua do outro com a sua, colocando suas mãos ao lado do tronco de Sook. Sook para de o beijar e desce os beijos por seu pescoço dando leves mordidas.

Mae dá mais espaço para o outro fazer o que quisesse com sua pele e geme de leve e baixinho.

Mae: Ahn… Hyung…~

Sook sorri pelo gemido do menor e morde ainda mais seu pescoço. Sobe os beijos para seu lóbulo e dá uma leve mordida e volta a descer os beijos para a sua clavícula e aperta suas coxas novamente. Mae suspira e coloca uma das mãos em sua cabeça, afagando-a, aprovando suas ações. Pressiona levemente seu membro contra o de Sook e geme novamente.

Sook leva as mãos a bunda do menor e aperta de leve. Deixa algumas marcas em sua clavícula. Mae sorri de leve e geme mais uma vez, se mantendo próximo ao maior.

Mae: Ahn… Sook…~

Sook sorri e sobe para seus lábios e o sela novamente, dando leves mordidas em seu lábio inferior. Mae retribui o beijo e o olha corado no final, sentindo um desconforto entre as pernas.

Mae: Sook…~ Eu preciso me tocar…

Sook cora de leve, tira uma das mãos de sua bunda e leva ao membro dele por cima da calça e o massageia.

Sook: Eu posso fazer isso por você. -fala e o sela- Mas… Eu quero participar.

Mae assente corado.

Mae: Uhum~... Quero que participe…-diz o selando também e geme pelo toque.- Ahn…

Sook sorri e desabotoa a calça do menor e troca de posições, puxa a calça junto com a cueca deixando o membro do mesmo exposto. Segura o membro dele e começa a masturba-lo com uma das mãos, enquanto com a outra desabotoava a própria calça e retirava seu pênis de dentro dela. Coloca seu pênis já rigido colado ao de Mae e geme de leve pelo contato. Mae geme pela sensação nova e a excitação de ver o maior daquela maneira, além de os dois se sentirem bem ali. Deixa a mão no pulso de Sook, acariciando, enquanto o mesmo os masturbava.

Mae: A-Ahn…-coloca a mão na boca, tentando conter os gemidos.

Sook: Hum… - retira a mão do menor da boca e o sela e pega a mão entrelaçando seus dedos. Mae aperta seus dedos entrelaçados, e geme por entre o beijo, sem pará-lo de fato. Sook também gemia, mas mantinha o mesmo, só parando para que os dois pudessem respirar.

Sook: Ah…~ -geme por entre o beijo. Intensifica os movimentos sentindo o membro do outro tocando o seu e lhe trazer uma sensação nova e boa. Mae abraça o tronco do maior, gemendo e arfando, quando sentiu o membro latejar, se sentindo mais sensível e mordeu o lábio.

Mae: Anh… Sook…~ Eu vou chegar… Ao meu limite logo… Ah…~  

Sook concorda e o sela de novo, sentindo o membro do menor latejar e o seu logo em seguida, então o menor goza em sua mão e depois de algum tempo, Sook também goza.

Sook: Ah…~ -arfa e deita ao lado do menor, sorrindo e o sela.

Mae tenta regular a respiração aos poucos e sorri para Sook, o abraçando, ainda arfante e se encolhendo no peito do mesmo.Levanta o olhar para o maior e o sela novamente, com carinho, depois fica com um sorrisinho para ele.

Mae: Foi minha primeira vez fazendo isso… Com mais alguém... -diz um pouco corado.

Sook: Foi a minha, com um homem… -fala e acaricia o rosto do mais novo com um sorriso- Acho que… Eu sou gay… -fala avaliando aquilo de uma forma mais positiva do que via antes.

Mae ri de leve e o abraça um pouco mais apertado, acariciando suas costas.

Mae: Mas você deixou de se sentir atraído por mulheres? -pergunta o olhando com um sorriso, e beija seu peito.

Sook pensa por um tempo.

Sook: Acho que eu sou bi… -fala e ri de leve, o puxa ainda mais para si, acaricia sua cintura e beija sua testa.

Mae sorri e assente devagar.

Mae: Ah… Então,estava se sentindo atraído por mim? Ou foi curiosidade para se descobrir…? -pergunta se encolhendo em seu peito, temendo um pouco a resposta, Mae gostava do maior.

Sook: Acredito que… Um pouco dos dois… Mas… Mais a primeira parte… -diz sorrindo, segura seu queixo e levanta seu rosto.- Não se preocupe, Mae… Eu não brinco ou uso as pessoas por benefício próprio.- diz e junta suas testas- Mas e você…?

Mae o olha com um sorriso e fecha os olhos, acariciando o nariz dele com o seu.

Mae: Estou feliz que tenha feito os dois e que goste de mim… Eu também sinto algo por você de forma mais profunda…- diz baixinho.- E eu também sou bissexual.-diz com um sorriso fofo.

Sook sorri e o aperta em seus braços.

Sook: Ah… Meu garoto… -fala e beija seu pescoço.

Sook começa a ter algumas ideias e sorri. Se senta na cama com o menor e começa a tirar o resto da roupa dele e depois a sua e o pega no colo indo em direção ao banheiro, o deixa sentado no balcão e vai encher a banheira. Assim que ela enche, ele desliga a torneira e coloca o menor dentro dela e se senta atrás dele com o mesmo encostado em seu peito.

Mae sorri e fica o olhando levantando o rosto. Beija seu queixo e pega os dois sabonetes, dando um para Sook,ensaboando as pernas do maior. O maior pega o sabonete e começa a ensaboar o tronco do menor carinhosamente, dando beijos em seu pescoço antes de o ensaboar. Logo se ensaboam por completo e depois se enxaguam e saem da banheira. Sook enrola o menor na toalha e depois a si, e então o carrega para o quarto.

Sook: Você é tão levinho… Adoro te carregar… -Fala e beija a bochecha dele e o deixa em pé em frente ao guarda-roupa.

Mae: Ah… Eu preciso colocar a roupa no armário…-diz rindo de leve e abre a mala, pegando uma cueca e conjunto de calça e blusa de manga longa moletom, se veste, e vai arrumando as coisas em um dos armários.

Sook ri de leve e pega uma camisa de manga curta branca, uma bermuda moleton e uma cueca, do guarda-roupa, que ele já havia arrumado suas coisas. Se veste e vai ajudar o menor a arrumar.

Terminam de arrumar as roupas em pouco tempo e Mae se vira para Sook com um sorriso manhoso e vai até ele, envolvendo-o com os braços por cima de seus ombros, selando-o várias vezes.

Mae: Vamos dormir juntos hoje…? -pede com voz carinhosa, fazendo carinho no rosto de Sook, o olhando de maneira romântica.

Sook: Nós sempre dormimos juntos… Mas eu entendi o que quis dizer… Se quer tanto assim, tudo bem por mim… -diz sorrindo e coloca uma das mãos sobre a do menor que o fazia carinho e a acaricia.- Quer juntar as camas, ou dormir na de solteiro agarradinho a mim?

Mae: Ah… Não sei agora… As propostas parecem tentadoras…-diz rindo de leve.-Podemos juntar as camas e dormir agarrados nelas?-pergunta com um sorriso.

Sook: Ah… Tem um gênio entre nós, din din din, e o prêmio de melhor ideia vai para Chin Mae! -fala rindo e lhe dá um selinho, o puxa para cima pelas coxas e o faz envolver seu quadril com as pernas do mesmo e o leva até sua cama e o deita nela.

Sook o sela de novo e então se afasta e vai para a cama do menor e a empurra até a dele.

Mae sorri e coloca a cabeça nos travesseiros  de Sook e consegue sentir o cheiro dele.

Mae: Ah, tem seu cheiro… É bom… Mas prefiro da fonte.-diz sorrindo para o maior e abre os braços.

Sook termina de juntar as camas e sorri para ele. Sobe na cama de Mae e se aproxima do menor o abraçando.

Sook: Ah… Meu garoto carente… Não está com fome? Não comemos nada ainda, vamos comer algo. -fala o olhando nos olhos e lhe dá um selinho.

Mae: Verdade… Vamos.


Young o beija ainda mais intensamente e agarra sua cintura. Tae Woo passa a corresponder na mesma intensidade, adentrando a sua língua, sentindo a do maior também o invadir, arfa um pouco, entre o beijo. Young desce as mãos para as coxas dele, passando pela bunda por um momento, e as aperta um pouco forte. Tae Woo estremece e leva a mão ao peito do maior, arranhando de leve e arfando, param o beijo por um instante.

Tae Woo: Nam…-chama ofegante, o olhando e depois volta a o beijar intensamente.

Young sorri por entre o beijo e treme um pouco por conta das unhas dele passando por seu peito. Tae se senta em seu colo, com o tronco inclinado para o beijar, adentra uma das mãos em sua camisa, permanecendo no abdômen e acariciando de leve. Young treme ainda mais e arfa.

Tae Woo sorri por entre o beijo e desce vários outros pelo pescoço do maior, dando leves mordidas. Young suspira e geme baixo apertando as coxas do menor.

Young: Tae…~ -geme em seu ouvido.

Tae Woo sorri, se arrepiando e sobe os beijos para seu lóbulo, morde de leve e deixa um beijo, para depois voltar aos seus lábios, subindo cada vez mais as mãos por dentro de sua camisa. Young retribui ao beijo, arfando e arqueando um pouco as costas com os arrepios causados em seu corpo.

Young: Ah… Tae…

Tae desce os beijos novamente pelo pescoço e clavícula, arranhando de leve os mamilos do mais velho, que estavam descobertos pela camisa levantada. Desceu os beijos para lá e mordiscou delicadamente os bicos, para depois beijar e descer mais uma vez pelo abdômen beijando aquela área, enquanto suas mãos acariciavam seu peito. Young joga a cabeça para trás e fecha os olhos em êxtase. Leva uma das mãos aos fios de Tae Woo e fica acariciando sua cabeça enquanto ele o beijava.

Young: Anh…

Tae leva uma das mãos à calça de Young, desliza por suas coxas até parar em seu membro e sentir o mesmo se tornando rígido. Olha para Young com um sorriso leve e massageia seu membro.

Tae Woo: Quer uma ajudinha com isso…?-pergunta entre beijos no abdômen do maior.

Young: Anh…~ -geme e coloca a mão livre em sua boca, tentando se conter.- Tae…~ Ah… Sim…~ -pede manhoso.

Tae sorri e desabotoa a calça de Young abaixando-a um pouco, junto com a cueca, tirando o membro do maior cuidadosamente, e fica o analisando até segurá-lo e masturbar devagar e beijar levemente a glande. Young suspira e seus músculos se contraem um pouco.

Young: Hum…

Tae coloca a boca na glande do maior, chupando com cuidado, por não ter o feito antes, mas se concentrava em lamber e chupar a glande, enquanto masturbava o resto da extensão. Young treme e aperta as mãos no lençol, da cama de solteiro, e se deleita com a sensação dos lábios quentes do outro em seu pênis, em contraste com as mãos geladas.

Young: Anh…~ Ah…- coloca a mão sobre a boca para tentar se conter e a morde.

Tae aumenta gradativamente a velocidade em que fazia os movimentos, pegando mais jeito, e como incentivo, tinha o maior tentando se conter para não gemer. Young gemia de forma abafada e baixa.

Young: Hum…~

Tae passa a o masturbar com uma mão, enquanto ainda chupava, e desliza a outra pelo abdômen de Young, apertando um pouco.

Young: Anh… Tae…~ Se continuar assim… Eu vou… - Young mal termina de falar e goza na boca do mais novo.

Tae sente o líquido do outro na boca e engole, sentindo um gosto diferente. Solta seu pênis com um beijo em sua glande e limpa o canto da boca, em que havia escorrido um pouco do sêmen e sorri de canto para Young.

Tae Woo: O seu gosto não é mau…

Young sorri e o puxa pelo queixo para um beijo. Assim que o beijo termina Young sorri de canto para ele.

Young: Ah, por favor… Eu sou delicioso… -fala arfando um pouco e desce uma das mãos pelo abdômen do menor indo em direção ao seu membro.- E você, não precisa de ajuda?

Tae estremece e assente.

Tae Woo: Se estiver se propondo a ajudar, aceito sua ajuda…-diz o olhando.

Young sorri de lado e troca de posições com o menor. Começa a beijar seu pescoço e a massagear o membro dele com uma das mãos, desce os beijos para a sua clavícula e deixa uma marca, passa a outra mão para dentro da camisa dele e a levanta, assim tendo a bela visão do abdômen do outro e leva os lábios aos mamilos dele, chupando e mordiscando. Adentra a mão na calça, moletom que o menor usava, e pela cueca tocando em seu membro, leva o indicador a glande e fica o provocando.

Tae Woo: Ahn… Nam…~-geme, sentindo uma onda de calor o invadir , querendo ainda mais contato, e o olha com uma expressão um pouco erótica.- Ah, vai… Não seja mau… Hum…~

Young ri de leve e volta a o selar se surpreendendo um pouco com sua expressão, mas a admirando muito. Envolve o membro dele com seus dedos e começa movimentos lentos aumentando vez ou outra.

Tae Woo: Ah… Isso é… Bom…-diz arfando e o sela novamente, segurando em sua nuca, acariciando com os dedos, sendo interrompido por gemidos.

Young sorri e o sela de novo. Para e morde seu lábio inferior, começa a distribuir beijos por seu pescoço de novo e para de o masturbar, escutando um gemido de frustração vindo do outro. Sorri e desce até as pernas dele e abaixa a calça do menor, junto com a cueca, e observa o pênis rígido do mesmo saltar para fora. Segura com uma das mãos e apoia seu peso com a outra e abocanha a glande do mesmo e começa a o masturbar. Young já tinha certa experiência e colocava o que dava do membro do outro na boca e masturbava o resto com a mão. Tae arqueia as costas com gemido que precisou conter, colocando a mão sobre a boca. Apertou os lençóis e fechou os olhos, aproveitando daquela sensação. Young intensificava mais quando chegava a glande, e estava adorando os gemidos do outro, que lhe eram realmente satisfatórios. Depois de algum tempo o maior sente o membro do outro latejar em seus lábios e então sua boca é preenchida pelo sêmen do outro. O maior engole tudo e lambe o que escorria do canto de sua boca.

Young: Hum… Tem um gosto interessante… -fala e o sela.

Tae cora um pouco e sorri, envolvendo a cintura do outro.

Tae Woo: É difícil de definir… Mas é diferente do seu…-diz o olhando nos olhos com um sorriso.

Young sorri e concorda de leve.

Young: Ah… Eu tô com fome… Vamos tomar banho e descer para comer. -fala e o menor concorda.

Os dois vão tomar banho e então seguem e se arrumam.


Mae se levanta da cama, depois de se soltar do abraço e segura a mão de Sook, o puxando levemente, para descer consigo. Os dois saem do quarto e passam pelo corredor indo para as escadas e Sook escuta alguns barulhos, mas ignora e os dois vão para a cozinha.

Sook: Ok… O Mun não desceu para fazer nada, então vamos fazer… Aliás… Você sabe cozinhar…? -pergunta e o olha com um sorriso bem ‘espero que saiba ou ficaremos com fome’.

Mae: Ah, sim. Quer dizer, algumas coisas, que minha avó me ensinou e que eu vejo na internet, mas acredito que sei fazer um bom almoço.-diz sorrindo e vai pegando algumas coisas que já sabia que tinha e colocando no balcão.- O que gosta de comer no almoço?

Sook: Hum… Poderia ser… Alguns… Kimbap? -pergunta sorrindo para ele.

Mae: Hum… Eu também gosto e foi uma das primeiras coisas que aprendi a fazer, então, tenho experiência com isso, talvez goste.-diz com um sorriso e separa os ingredientes e o que usaria para fazer.

Sook: Tudo bem… Se precisar de ajuda, pode me pedir… Só não garanto que poderei o fazer… -fala sorrindo e observa o menor preparando a comida.

Mae: Ah, tem coisas que pode fazer e não precisa ser o mestre na cozinha, Hyung.-diz com um sorriso carinhoso.- Como isso aqui…-diz e explica uma tarefa simples em que ele poderia ajudar.

Sook concorda e ia o ajudando a preparar os kimbap, quando terminam colocam tudo na mesa com um molho doce e suco.

Mae: Pronto!~ Fizemos bastante… Será que o Sang Woo e o Mun comeram…? E o Tae? Não tenho certeza do Young… Mas deve estar com fome…

Sook: Provavelmente… -fala e sorri para o menor, o selando.


Young e Tae saem do quarto e vão em direção a cozinha. Assim que entram pegam Mae e Sook no flagra se beijando.

Young: Opa… Comida!! -fala e ignora os dois indo para a mesa.

Tae sorri para os dois.

Tae Woo: Novidades temos hoje…-diz rindo de leve.

Mae dá um último selinho em Sook, o abraçando e cora um pouco quando os outros desceram.

Mae: Er… Young! Não esqueça da gente! -diz vendo o maior colocando a comida no prato.

Tae ri de leve e se senta ao lado de Young.

Tae Woo: Quem fez?

Mae: O Sook e eu.

Tae Woo: Obrigado pela comida.-diz sorrindo para os dois.

Young: Xim… Obrigudum… -fala com o kimbap na boca e colocando mais no prato.

Sook: Young… Se você acabar com tudo vai ficar sem comer por bastante tempo. -fala em tom de ameaça e o outro para de colocar a comida no prato assentindo lentamente.

Sook ri e vai junto com o Mae para a mesa.

Mae: Obrigado, a mim ele não iria escutar…-diz rindo de leve e beija a bochecha de Sook. Colocando os kimbap no seu prato, mas sem exagerar como Young.

Tae Woo: Sang Woo e Mun já comeram?

Mae: Só os vi quando voltaram do mercado… Mas eles foram direto para o quarto.

Sook: E imaginamos que não tenham comido… O Sang woo parecia preocupado e o Mun tava mais estranho que o normal… -fala colocando os kimbap em seu prato.

Mae: Agora que você disse…-diz pensativo.- Deve ter acontecido algo com o Mun…

Sook: Perguntamos a eles quando voltarem…


Sang Woo estava deitado ao lado de Mun e Zen que voltou a dormir, Mun estava dormindo também, mas acordava aos poucos agora.

Sang Woo: Mun… Não está com fome? Não comeu hoje.-diz fazendo carinho em seu rosto, enquanto o menor acordava.

Mun abre os olhos e o olha, com os olhos um pouco fechados.

Mun: Não muita… Mas posso comer um pouco se quiser… -fala rouco, encolhido no peito do maior e acaricia a bolinha de pelo caramelo ao lado do seu rosto.

Sang Woo assente e beija sua testa.

Sang Woo: Vou pegar algo para nós comermos e trago até aqui…-diz e o enrola nos cobertores com cuidado, sem acordar Zen. - Volto logo…

Mun concorda e vê o maior sair do quarto.

Sang Woo desce as escadas e vai até a cozinha, encontrando com os quatro na mesa e comida.

Sang Woo: Olá, posso pegar um pouco para levar para o Mun?

Mae: Ah, claro… Está tudo bem com ele?...

Sang Woo: Ah, tivemos um probleminha no mercado e ele se machucou um pouco, mas não precisam se preocupar, eu já cuidei dele.-diz normalmente.- Mas ele estava dormindo e está sonolento, não quis o fazer descer.

Young assente de leve e continua comendo.

Sook: E que “probleminha” foi esse? -pergunta, pega um outro prato na mesa e entrega à Sang Woo para que o mesmo colocasse a comida.

Sang Woo: Uns garotos o cercaram e “brincaram” com ele, quando eu não estava perto.-diz e pega o prato, colocando os Kimbap.

Young levanta o olhar com a boca cheia e o olha.

Sook: O que…? Calma… Eles… Não chegaram a… Você sabe… Com o Mun… Chegaram…? -pergunta sentido pelo mais novo.

Sang Woo: Não, cheguei antes e dei um soco em dois deles. Depois de uma ameaça, foram embora. Não fizeram nada muito sério com Mun, mas é melhor o deixar no quarto por enquanto.

Mae: Ahn, Coitado do pequeno…-diz fazendo uma carinha triste.- Diga que eu espero que esses Kimbaps estejam bons para ele…

Sang Woo: Pode deixar.

Tae Woo: Ele está com Zen?

Sang Woo assente.

Tae Woo: Ah, ele vai trazer felicidade ao Mun também…

Mae: Será que podemos vê-lo depois…?

Sang Woo: Hum… Talvez, depois vocês podem o ver, mas no momento, deixem ele descansar.

Tae Woo: Você bateu nos meninos?-pergunta retomando ao que o maior falou.

Sang Woo: Só um soco em dois deles.

Mae: Ah… Ao menos salvou o Mun.

Sook: Isso é fato… Mas apesar de tudo… Ter batido neles pode trazer problemas… -fala e o olha novamente.

Young: Ah… Calma ai… Esperava o que? Que ele chegasse e falasse “Ah, oi, tudo bem… Será que dá para vocês largarem o Mun, não gosto disso e ele também não… Vamos ser amiguinhos e esquecer isso tudo…” -diz com uma voz falsamente alegre.

Sook: Não… Isso seria loucura… Olha… Eu só quis dizer que poderá haver consequências, a medida não foi a certa, mas a necessária. Também não queria que o Mun tivesse se machucado, ele não merece isso.- fala os olhando sério.

Mae coloca a mão sobre a coxa de Sook, fazendo carinho, por debaixo da mesa.

Sang Woo: Entendo o que quis dizer, vou falar sobre isso com o Yul mais tarde. Eu sou impulsivo, não penso nas consequências quando faço algo, mas vou me certificar de que algo assim não ocorra.

Tae Woo: Acredito que o Yul também não vai deixar. Idols normalmente tem isso de segurança e se vierem a denunciar Sang Woo, eles vão dar um jeito.

Mae: Uhum, o errado que o Sang Woo fez foi por uma boa causa… Mas não deixa de estar certo, Sook.-diz com um sorriso leve para o maior.

Sang Woo: Sim, ele tem razão. -diz assentindo.- Vou subir, o Mun está me esperando.-diz e sai da cozinha, subindo até o quarto.

Sook olha para Mae com um sorrisinho e acaricia a mão dele, voltando a comer.Young já havia tratado de terminar o almoço e estava olhando para o restante da comida no centro da mesa.

Tae olha para Young e ri de leve.

Tae Woo: Ainda está com fome, não é?-diz levando um dos seus para a boca de Young.

Mae sorri para eles, shippando.

Young sorri e abre a boca contente aceitando o kimbap. Sook revira os olhos.

Sook: Temos que mudar isso nele… Ou não tem comida no mundo que sobre… -sussurra para Mae e beija sua bochecha.

Mae olha Sook e assente com um sorriso.

Mae: Não sei como diminuir a necessidade de comer de uma pessoa… Será que traumatizar ele serve? Tipo, os malefícios de comer demais..?-pergunta pensativo, quando termina de comer.

Sook: Eu realmente acho que ele já sabe… Mas não se importa nem um pingo… -fala e se levanta, após dá um beijo na testa do menor e pega os pratos e os hashis da mesa, indo os lavar.

Mae ri e se levanta, o ajudando a lavar os pratos, Tae Woo se levanta para ajudar e seca os pratos, enquanto Young guardava.


Sang Woo entra no quarto com o prato e hashis, senta na cama, ao lado de Mun e coloca o prato no criado mudo.

Sang Woo: O Mae fez Kimbap, quer comer…?- Zen acorda farejando e se levanta marchando na cama, até cair entre os lençóis.  Sang Woo ri.- Não estou falando com você nuvenzinha.

Mun ri e se senta na cama, Zen ignora o dito por Sang Woo e marcha até o colo de Mun.

Mun: Ah, quero sim… Obrigado, Hyung… -fala e sorri para ele. Pega o pequenininho e fica fazendo carinho.

Sang Woo sorri e pega o prato, colocando no colo, e os hashis.

Sang Woo: Ele espera que goste.-diz e pega um, levando à boca de Mun, e o olhar de Zen seguia a comida.- Zen, não. Essa comia não é sua, pode tirar esses olhões.

Mun abre a boca e morde a comida. Olha para Zen e sorri fazendo carinho na cabeça dele. Zen fica com os olhos na boca de Mun e coloca as patas na barriga dele para tentar a alcançar e então vê o prato no colo de Sang Woo e tentar roubar um dos rolinhos. Sang Woo levanta o prato.

Sang Woo: Mas nem tente. Não, menino mau. Não pode roubar comida. Você tem a sua.-diz olhando o cachorro, que o encarava.

Zen choraminga.

Mun: Ah… Sang Woo… Não precisa brigar… -fala e pega Zen o passando para o outro lado na cama- Meu bebê, você não pode comer essa comida… Você tem que comer ração, bolinhas com sabor de carne, comidinha que eu dou a você, que fica na sua tigelinha… -fala fazendo carinho na cabeça dele.

Zen o olhava atentamente, então quando Mun termina de falar, ele lembe o próprio nariz e rola na cama e quase caindo dela de novo. Mun o pega e coloca na cama ao seu lado novamente e ele sai marchando como se nada tivesse acontecido.

Sang Woo o olha e faz carinho.

Sang Woo: Certo, foi mal… Só que não tente roubar comida, seu bichinho de espécie indefinida…-diz sorrindo para  Zen.- Ele parece um filhote de foca, com um ursinho… Tudo menos um cachorro..-diz e pega mais um rolinho, levando à boca de Mun.

Mun ri de leve concordando e abre a boca, mastiga calmamente observando Zen marchar pela cama, Mun mexe o pé por um momento e Zen olha e pula tentando morder a pequena montanha formada pelo pé do menor e o cobertor.

Mun: É um gato, também… -fala rindo, sentindo cócegas pelos dentinhos de Zen.

Sang Woo: Verdade…-diz olhando para Zen e ri de leve, levando mais um rolinho para Mun, e depois pega um para si.- Hum, o Mae cozinha bem também.

Mun sorri e concorda e indica que ele coma mais. Zen olha para eles e marcha até cair entre eles e fica de costas mexendo as patas no ar.

Mun: Tartaruga… -fala rindo e o vira.

Sang Woo ri novamente e come mais dois rolinhos, até levar mais um para Mun.

Sang Woo: Ele não é normal…-diz negando com a cabeça.

Mun concorda e os dois terminam de comer. Zen fica dando pulinhos na cama e rolando.

Mun: Hyung… Isso não é normal, é?... -pergunta o olhando com as sobrancelhas arqueadas.

Sang Woo: Já vi um gato fazer isso, e gato é meio doido…-diz e se senta atrás de Mun, colocando o mesmo com as costas em seu peito. Chama Zen e ele vem para os dois.- Zen, me diz aí, rapaz. Como foi criada sua espécie?

Zen vira o rosto e olha de Sang Woo para Mun. Marcha mais para perto deles e enfia a cabeça embaixo da mão de Mun, que estava na cama, e continua tentando andar, rastejando pela cama e leva a mão de Mun consigo, e o menor ri, deixando sua mão leve sobre ele, que para de andar quando seu focinho toca a mão de Sang Woo e ele começa a andar para trás com a bunda empinada fazendo a mão de Mun cair sobre a de Sang Woo e fica os observando. Zen lambe o focinho e volta a pular pela cama.

Mun cora e olha da mão para o maior e a retira encolhendo os ombros.

Sang Woo sorri de leve e acaricia os braços de Mun, depois volta a colocar as mãos na cama, tentando chamar o cachorro, estalando os dedos.

Sang Woo: Cachorrinho estranho, mas esperto… -murmura, não se importando se o menor ouviria ou não e repousa levemente seu queixo no ombro de Mun, tomando cuidado para não o machucar.

Mun morde de leve o lábio inferior e olha pelo canto do olho para Sang Woo e tenta chamar a atenção de Zen também, que apenas ignora os dois, quando uma borboletinha entra pela janela e ele fica tentando a pegar.

Sang Woo ri de leve e estica um pouco o braço e consegue o pegar antes que caísse. Coloca Zen entre as pernas de Mun e fica fazendo carinho nas costas do cachorrinho.

Sang Woo: Ele é como um bebê, se tirar os olhos por um minuto ele cai e morre.- diz com o queixo no ombro de Mun.

Mun arregala os olhos e os mantém no pequeno.

Mun: Tá… Agora é só 100% de foco nele… -fala e seus olhos lacrimejam e ele pisca- Tá… 99%... Eu tenho que piscar… -fala e Zen fica batendo as patinhas no colchão feliz com o carinho.

Sang Woo ri e beija a bochecha de Mun.

Sang Woo: Tem uma coisa que eu sempre quis fazer… -diz baixo e olha para Zen com um sorriso, fazendo carinho no mesmo.

Mun: O que…? -pergunta e vira um pouco o rosto para o olhar.

Sang Woo olha para Zen e o vira e barriga para cima lentamente, desliza os dedos pela barriga do cachorrinho e coça por ela, procurando um local, até ele começar a balançar a pata traseira.

Sang Woo: Ah, eles sentem cócegas mesmo…- diz rindo.

Mun ri e Zen fica fazendo uns barulhinhos estranhos. Então alguém bate na porta do quarto.

Sang Woo:  Pode entrar?-pergunta baixinho para Mun. Cobrindo o corpo do menor com o lençol, já que ele estava somente com a roupa íntima e as bandagens.

Mun se encolhe embaixo dos lençóis e concorda. Sang Woo se levanta depois de beijar a testa de Mun e abre a porta.

Sook, Mae e Yul estavam em frente a porta do quarto.

Sook: Yul chegou a pouco e contamos o que você nos disse… Ele quer ver o Mun. -fala olhando o mais velho.

Sang Woo:  Ah, sim… Podem entrar.-diz abrindo mais a porta, para que os três entrassem e fecha a porta, indo logo se sentar ao lado de Mun e Zen.

Mae fica ao lado de Sook, e Yul vai até Mun na cama.

Yul: Olá, Mun… Eu soube do que aconteceu no mercado.-diz o olhando com carinho.- Está sentindo alguma dor? Está machucado?

Mun olha o mais velho e então para Sang Woo, não sabia se deveria contar ou mostra, nem queria fazer aquilo, mas queria saber o que seu companheiro de quarto achava daquilo. Sook observa o menor com atenção. Zen olha para Yul e os outros dois e se encolhe entre as pernas de Mun.

Sang Woo nota a confusão e insegurança no que dizer vindo de Mun e afaga sua cabeça.

Sang Woo: Ele não se machucou muito, só uma pancada nas costas e aperto nos pulsos dele, mas eu coloquei uns medicamentos de primeiros socorros.-olha para Mun.- Está sentindo dor?-pergunta o olhando e forma a mostrar que era uma pergunta que ele também queria saber, portanto, poderia falar a verdade.

Mae olha o Zen encolhido nas pernas de Mun e para Mun, então suspira calmamente.

Mun: Não muita… Estão doloridos… -fala mantendo o olhar nos olhos de Sang Woo.

Yul olha do mais novo para o mais velho.

Yul: Me disseram que agrediu os meninos, não estou defendendo eles. Acho que fez o preciso para não machucarem Mun.

Sang Woo: Sim…-diz olhando para os olhos de Mun e depois olha para Yul.

Yul: Vamos cuidar para que nenhum evento deste tipo ocorra novamente, portanto, evitem sair sozinhos, e sem me avisar.-diz e olha para os outro dois perto a cama e volta a olhar para Mun.

Yul: Qualquer coisa, pode me dizer, estou aqui para ajudá-los. E se alguém vier dizer que agrediu injustamente aqueles meninos, temos seu advogado, e as gravações do mercado, está tudo prevenido.

Sang Woo: Vocês são rápidos...

Mun olha para Yul meio surpreso, assim como Mae e Sook, e concorda de leve.

Mun: Tudo bem… Eu vou tentar não omitir… -fala ainda encolhido.

Yul sorri para ele e olha o cachorrinho, depois olha para como ele estava coberto.

Yul: Por que está coberto até o pescoço e tão estático?

Sang Woo: Ele não está vestido.

Mae arregala os olhos de leve.

Mae: Ele está sem roupa… Com você… Em um quarto… Sozinhos…

Mun concorda sem entender o que o outro estava sugerindo e Sook olha de Mun para Sang Woo.

Mae: Ah… Eu shippo…-murmura com um sorriso.

Yul: Então, se sente à vontade com o Sang Woo?- pergunta para Mun com um sorriso.- Vejo que suas camas estão juntas também.

Mae: Shippo…-sussurra para Sook.

Mun cora de leve e olha para Sang Woo e depois volta o olhar para Yul e concorda de leve.

Mun: De certo… Sim…- fala com uma carinha e as bochechas, o nariz e queixo vermelhos.

Sook sorri para o menor e bagunça seus fios.

Sook: Só você mesmo… -fala negando de leve.

Mae ri e o olha sorrindo, para depois olhar os outros.

Sang Woo sorri.

Sang Woo: Ah… Está vermelho, que fofo…-diz acariciando o rosto de Mun.

Yul sorri e bate palminhas.

Yul: Tudo bem, meninos. Se não precisarem de mim, irei fazer outras tarefas.

Mae vai até o criado mudo e pega o prato com os hashis.

Mae: Nós também. Vamos deixá-lo descansar.

Sook concorda com Mae, imaginando que ele na verdade não queria deixar o menor descansar, mas sim que ele e o mais velho ficassem sozinhos.

Mun: Tudo bem… Obrigado, Yul… -fala e faz um manejo de cabeça para ele.- Obrigado, vocês dois, também… -fala e olha para Mae e Sook- Ah… Mae… Você cozinha muito bem…

Mae: Obrigado~Me sinto sendo elogiado pelo Deus da comida… Obrigado por achar a comida deste mero mortal gostosa.-diz sorrindo divertido e vai até Sook, o chamando para depois saírem.

Yul: Até mais, meninos.-diz e sai fechando a porta.

Sang Woo vê Zen relaxar mais e faz carinho no filhote. Se deita ao lado de Mun, e fica o olhando.

Mun o olha de volta.

Mun: O que foi…? -pergunta ainda corado e se descobrindo um pouco, por conta do calor.

Sang Woo não responde, fica apenas o olhando, seus fios ruivos, seus olhos azuis, sua feição corada, por um momento, toda aquela combinação, lhe pareceu atraente, mas logo voltou a si.

Sang Woo: Hum…? Ah, nada demais.-diz sorrindo de leve e chama Zen, que vem até os dois, ficando entre eles.

Mun estranha a ação do outro,mas dá de ombros e faz carinho no filhote.

Sang Woo: Você se sente confortável em falar o que sofreu em sua casa?-pergunta o olhando.

Mun para o carinho no filhote e fica um tempo processando a pergunta dele. O olha e suspira.

Mun: O que quer saber…? -pergunta temendo o que ele perguntaria, mas estava disposto a falar.

Sang Woo: Nada.-diz o olhando nos olhos.- Só quero saber se pretende manter o que aconteceu para si, ou algum dia dizer, mas por acaso, eu sei. Não direi.

Mun o olha por um tempo e se senta na cama e abraça as próprias pernas.

Mun: Não sei… Muito provavelmente não… Por que eu diria? E pra quem? -pergunta e ri de leve negando. Acaricia Zen com uma das mãos.

O filhote dá a volta por Mun e adentra as cobertas, ficando embaixo das pernas de Mun, que ri de leve.

Sang Woo deita a cabeça nos travesseiros, o olhando.

Sang Woo: Desabafar, tirar o peso de guardar algo importante só para si… Você pode conversar sobre isso comigo, sou um bom ouvinte e péssimo locutor quando se trata dessas coisas… Passei por situação parecida.-diz agora olhando o filhote brincando.

Mun concorda de leve e o olha, sentindo Zen ficar marchando de um lado para o outro por suas pernas.

Mun: Se… Você perguntasse… Talvez facilitasse para eu partir de algum lugar… -fala e morde o lábio inferior.

Sang Woo pensa por uns instantes.

Sang Woo: Sei que o problema central é o seu pai, e provavelmente ele foi quem te deixou marcado… Mas ele era o único problema?

Mun desvia o olhar e suspira.

Mun: Não… Eu era alvo de bullying na escola pela minha aparência… E meus irmãos mais velhos me batiam quando eu deixava de fazer algo para eles ou errava em uma resposta da lição de casa deles… Minha mãe era o básico… Assim por dizer… Normalmente… Ela só destruía o meu psicológico… -fala e coloca o queixo nos joelhos.

Sang Woo fica o observando.

Sang Woo: E foi assim desde muito tempo? Não houve um tempo em que estava tudo em paz?

Mun nega.

Mun: Não… Quando se tratava de mim… Nunca… -fala meio perdido em pensamento e memórias.

Sang Woo se senta, ficando ao lado dele.

Sang Woo: Então, ter vindo para cá foi meio que uma salvação… Esteve sozinho? Ninguém te ajudou?

Mun: Eu… Não fui eu que quis vir para cá… Meu tio… Achou que eu tinha talento e me convenceu a me inscrever… Eu tinha certeza de que não conseguiria… Ainda acho que o Seo vai aparecer na minha frente e dizer que acabou por escolher a pessoa errada sem querer… Mas, eu tive meu tio, sua esposa e seus filhos comigo… Durante os 51 dias… Meu pai e ele não se dão muito bem…- fala sorrindo por lembrar de Kyu.

Sang Woo: Fico feliz por ter tido alguém para o ancorar…  A forma como sua família te tratou e como foi criado explica muito sobre você, o porquê de ser tímido, inseguro, ter a autoestima baixa… Não é culpa sua.-diz e fica atrás dele de novo, mas dessa vez abraçando sua cintura, o envolvendo com os braços de forma gentil.- Vou fazer o processo inverso com você, e nada será mentira, certo?-diz e beija sua cabeça.- Você é lindo, sua aparência não é estranha, é diferente, e para mim isso te torna ainda mais bonito, se fosse feio ou estranho, acho que não estaria aqui. Você é muito bom no que faz, sua comida é ótima, o jeito como faz as coisas, é tão do seu jeitinho…-tenta explicar mas deixa pra lá.- Você não pode escutar as coisas ruins que dizem sobre você, seu potencial e quem você é está acima de tudo isso… Você é muito mais do que aquilo que eles fizeram você pensar o que era. Olha, eu não sei como me expressar desse jeito, então se eu falei alguma merda porque eu não expliquei direito, me desculpe, minha intenção  é te fazer sentir bem.

Mun fica surpreso com o que o maior havia dito e por suas ações. Algumas lágrimas molhavam o rosto dele e o mesmo coloca as mãos sobre as de Sang Woo e se afunda em seu peito. Vira o rosto para ele e sorri de leve.

Mun: Obrigado… -diz e começa a chorar.

Sang Woo: Ah… Não chora…-diz o abraçando e colocando uma das mãos em reu rosto, secando as lágrimas com o polegar.- Aliás, pode chorar… Mas quero que a partir desse choro, não precise chorar mais. -diz acariciando seu rosto.

Mun continua a chorar e esconde o rosto no peito dele. Zen sai debaixo das cobertas e os olha estranho. Se aproxima e deita ao lado deles.

Sang Woo continua a o abraçar e a fazer carinho no menor, se inclina até deitar com cuidado para não acabar esmagando Zen e para não machucar Mun. Puxa o mais novo para perto, deixando-o como se escondido e protegido.

Zen marcha e fica encostado nas costas de Mun. Mun continua chorando ali, aproveitando do calor do outro e depois de algum tempo, para de chorar e adormece nos braços do outro.

Sang Woo o olha quando escuta o choro parar e vê que Mun adormeceu, olha para seu corpo, olhando os hematomas, alguns escuros, outros mais claros, sem falar das feridas e suspira, envolvendo mais o menor, até que também acaba adormecendo.


Mae e Sook voltam para o quarto depois de Yul ter ido embora. Mae se deita nas camas e pega o celular e dá um sorrisinho quando vê notificação da fanfic.

Sook se deita ao seu lado e o olha.

Sook: Por que essa felicidade? -pergunta sorrindo.

Mae: Eu gosto dessa fic… Eu acho o casal tão fofo… Mas eu acho que sou um pervertido…-diz rindo de leve e se aproxima de Sook, deitando com as costas em seu peito e sendo abraçado pela cintura.

Sook: Ah, eu tenho certeza disso… Você estava shippando Mun e Sang Woo… Sendo que o menor aparentemente nem sabe muito sobre essas coisas… -fala rindo de leve e beija seu rosto.

Mae ri.

Mae: Só por isso que sou um pervertido..?-pergunta e quando abre o capítulo mais uma cena de sexo na imagem do capítulo. Cora um pouco e pula a imagem.

Sook olha e sorri.

Sook: Vejamos… Você estava se masturbando depois de um dia que nos conhecemos e no nosso quarto… Me incentivou a te beijar… É manhoso para conseguir as coisas… Dentre elas, a que eu faça o que quer… -fala sorrindo e acaricia o rosto dele.

Mae cora um pouco e o olha.

Mae: Ahn… Não sou uma boa influência… -diz e se vira para Sook, o selando.- Mas vamos ver… O que eu fiz beneficiou nós dois…

Sook: Sim… Isso é fato… -fala e o beija novamente.

Mae sorri, retribuindo o beijo e se encolhe no peito de Sook.

Mae: Você se tornou tão especial e importante para mim em tão pouco tempo...

Sook: Você também é definitivamente especial e importante para mim… Três dias é verdadeiramente muito pouco tempo…-diz e ri de leve, acariciando seu rosto.

Mae ri se aconchegando no peito de Sook.

Mae: Eu fico pensando em como será quando formos famosos… As turnês que vamos fazer… Os países que vamos visitar… Eu nunca saí da Coreia do Sul…

Sook: Bom… Já fui para os Estados Unidos… Mas não sou muito fã de lá não… -fala sorrindo para ele e o sela.

Mae: Ah, dizem que os melhores fãs são os brasileiros… Mas às vezes o Brasil me dá medo…-diz rindo de leve e sorri, olhando nos olhos de Sook, e dá um selinho.

Sook: Ah… Muitos dizem que os brasileiros devem ser estudados pela NASA… -fala rindo e começa a distribuir vários beijos por seu rosto.

Mae: A melhor maneira de acabar com a carreira de alguém é se essa pessoa insultar os brasileiros na internet… -diz rindo e aprovando os beijos do maior.- Sook~ Eu adoro isso… -diz e o beija no queixo também.

Sook sorri e ri de leve.

Sook: Que bom que gosta… Meu garoto… -fala e segura seu rosto pelo queixo e o sela com carinho.

Mae retribui o beijo acariciando a cintura de Sook e se aproximando mais do maior, ao fim do beijo o olha com um sorriso apaixonado. Sook retribui o sorriso e se deita mais, junto com o outro.

Sook: Está tarde… Vamos dormir… Certo…? -pergunta sorrindo e o abraçando mais.

Mae: Uhum…~ -se encolhe no peito do maio e fecha os olhos, pegando no sono quase que instantaneamente.

Sook sorri e nega de leve, puxa a coberta para os cobrir e liga o ar-condicionado, adormecendo ao lado do menor.


Tae e Young também estavam no quarto, Tae estava lendo, deitado na cama, um de seus vários livros que havia trazido.

Young conversava com a Mei em sua cama.

Young: Ah… Mei… Eu nunca extrapolo com a comida… -fala, tentando se defender.

Mei: Não… Imagina se extrapolasse… Nam, eu vou até ai te trazer pelas orelhas se souber de algo.

Young coloca a mão na outra orelha.

Young: Isso não será necessário, eu sou um menino comportado… -fala fazendo uma pose estranha na cama.

Mei: Aham… Claro… Você está lembrando de se vestir por completo? -pergunta e Young puxa a calça moletom para ver se estava usando cueca.

Young: Aham, sempre… -fala com um sorrisinho.

Tae ria das ações de Young na cama, sabendo que o maior estava falando com a irmã, pelo mesmo ter dito antes de fazer a ligação.

Mei: E como estão as coisas por aí? E os garotos? Você divide quarto, né?

Young: Tá tudo bem, divido sim… Se quiser saber quem é, é só pesquisar por Tae Woo, vai o achar facinho.- fala e olha para o companheiro sorrindo.

Tae Woo: Pode dizer para ela que eu sou um anjo.-diz sorrindo de leve, olhando o maior.

Young: Ele mandou dizer que é um anjo… Mas é pura mentira… -fala rindo.

Mei grita no telefone ao ver de quem se tratava e enche Young de perguntas e outros, até Young a convencer de que teria que desligar e assim o faz.

Tae Woo: Você tirou minhas asas…-diz rindo de leve.- Sua irmã parece legal.

Young: E ela é, mas enche o saco… -fala rindo de leve e se levanta, indo para a cama do outro.

Tae sorri e puxa o maior para se deitar ao seu lado, abraçando sua cintura, fica o olhando com um sorrisinho e beija sua bochecha.

Young: Ah… Que beijo gostoso… Mas poderia ter sido à uns centímetros para a direita… -fala sorrindo e acaricia o rosto do outro.

Tae sorri e revira os olhos. Se aproxima e o sela, acariciando o rosto do maior e entrelaçando suas pernas. Young sorri por entre o beijo e segura a cintura dele.

Young: Ah… Agora sim… Perfeito… -fala e o sela de novo.

Tae Woo: Bobo…-diz após o beijo e deixa seus narizes juntos, dando vários selinhos no maior.- Hum… Posso fazer uma pergunta um pouco invasiva?

Young: Ah, claro… Adoro perguntas invasivas… -fala sorrindo de lado e dá uma piscadinha.

Tae ri de leve.

Tae Woo:  É virgem?

Young:Depende ao que se refere… -ri de leve- Não, em nenhuma das situações. -fala o olhando nos olhos.

Tae Woo: Ah, eu não sou virgem com mulher… Mas foi totalmente contra minha vontade.-diz franzindo as sobrancelhas ao lembrar.

Young: Ah… O que aconteceu…? Se não quiser contar, não precisa… -fala o olhando nos olhos com um pequeno sorriso.

Tae Woo: Ah, eu estava em uma conferência da agência e acabei bebendo e fiquei em um estado meio inconsciente, tinha uma maquiadora que se ofereceu a me levar para o quarto eu aceitei, e quando entramos ela trancou a porta e tirou uma algema de não sei de onde, me prendeu na cabeceira da cama e amarrou minha gravata em minha boca, só me lembro dela tirando minhas roupas e sentando em mim…-faz uma cara de nojo.- Argh… Eu estava com tanta raiva… A partir daí, eu só me lembro de acordar nu e algemado, quem me encontrou daquele jeito foi o chefe da agência, que logo demitiu aquela mulher…

Young: Ah, meu menininho… -fala e o abraça mais acariciando a cintura dele.- Pobrezinho… Tão novinho… Vocês processaram ela e a denunciaram, ou deixaram quieto para não causar escândalos?

Tae Woo: Deixamos quieto… Eu tinha acabado de fazer 16… Quem faz isso…? Pessoa doente…-diz resmungando.

Young: Sim… Não estou dizendo que ela estava certa, mas eu entendo que deve ser difícil de resistir a você… -fala o olhando nos olhos e o sela.- Tudo bem… Está tarde, vá dormir… Eu estou com fome… -fala e beija a testa dele e se levanta o cobrindo.

Tae Woo: Tudo bem…-diz rindo de leve.- Tente não esvaziar a casa.-diz fechando os olhos e se aconchegando nos travesseiros.

Young ri de leve e concorda. Desce para a cozinha e pega alguns biscoitos e depois que se dá por satisfeito, arruma tudo e volta para o quarto, encontrando o menor já adormecido. Se deita ao lado dele, se colocando debaixo da coberta e o puxa para si, se esforçando para não o acordar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...