1. Spirit Fanfics >
  2. Obra Prima >
  3. Na Jaemin é o meu amarelo.

História Obra Prima - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá meus anjos! Como estão?

E mais uma vez venho aqui lhes apresentar mais um fuffly, desta vez um que foi um tanto quanto mais trabalhoso. É minha primeira vez escrevendo uma one-shot tão longa, então realmente espero que gostem.

A betagem explendida desta one foi feita pela @woojiniepk, muito obrigada pela paciência e pelo trabalho muito bem feito anjinho!

Esta capa e banner maravilhosos foram feitos pela @JungJaehyuna, muito obrigada mesmo meu anjinho.

Espero realmente que gostem desta história, estava muito anciosa para poder à postar logo, então, anceio que gostem da fanfiction tanto quanto a mim.

BOA LEITURA 🌻

Capítulo 1 - Na Jaemin é o meu amarelo.


Fanfic / Fanfiction Obra Prima - Capítulo 1 - Na Jaemin é o meu amarelo.


Na Jaemin era o amarelo. Sempre alegre, otimista e energético; o garoto transmitia a todos que estavam ao seu redor uma alegria incomparável.


Durante seus dois anos em sua faculdade de artes, Jaemin sempre teve uma paixão incomum por duas cores, amarelo e rosa. Tanto que durante esses longos anos sendo universitário, por conta de seu amor pelas cores, seus amigos começaram a fazer comparações do garoto com as cores; sempre usando tons rosados e amarelados quando retratavam alguma pintura relacionada ao Na.


Para Jaemin, ele era o amarelo, e estava a procura de seu rosa. Mas mal sabia Jaemin, que sim, ele poderia ser o Rosa de alguém…


Sentado em uma das carteiras da enorme sala de aula, Jaemin fazia esboços em seu caderno. O lápis dançava pela página, dando vida a uma bela flor de lótus, enquanto os pequenos e leves traços de Jaemin eram dados no caderninho de tonalidade rosa, o garoto mal notou a chegada de mais alguém no ambiente.


O rosado estava imerso em seus pensamentos enquanto desenhava, sua mente estava a mil. Não fora nada impressionante o susto que Jaemin levou ao notar a presença de um garoto, alto e aparentemente novato — já que nunca havia o visto. Com a mão em seu peito e coração acelerado, Jaemin suspira e solta um sorriso aliviado, já que estava se acalmando do susto recente.


— Me desculpe lhe assustar, não foi essa a intenção. Aliás, belo desenho — diz o moreno de forma desconcertada, mas ainda sim, ele tinha o olhar curioso sobre a folha onde se encontrava o desenho de Jaemin.


— Não tem problema algum, e obrigado. Aliás, sou Na Jaemin, estou cursando artes a dois anos aqui — diz o rosado, enquanto mantinha seu sorriso nos lábios, desta vez ele estava esticando sua mão em direção ao garoto desconhecido por si, que prontamente a apertou, assim o cumprimentando.


— Sou Park Jisung, sou calouro e estou começando a cursar letras — disse Jisung, apertando a mão do garoto rosado a sua frente, este que acabará de descobrir que além de desenhar muito bem, ainda tinha um sorriso magnífico.


Jisung não ficava impressionado em como Jaemin desenhava bem, afinal já era de se esperar isso do garoto, o rosado cursava artes à dois anos, deveria conhecer pelo menos o mínimo sobre desenhos, pinturas e afins. O que mais prendia a atenção do Park, era o modo em que Jaemin se expressava através de seus desenhos. As cores, traços feitos, e até mesmo o modo de sombreamento do esboço feito, tudo era tão expressivo, armónico e estranhamente mexia com o seu emocional.


Uma simples flor de lótus parecia ter algo a mais, o desenho parecia trazer consigo o real significado da flor, sendo este, sobretudo, a pureza, isto porque essa bela flor emerge das águas sujas, turvas e estagnadas. Esta pureza que poderia ser facilmente associada ao amor; sendo assim o sentimento puro, que nasce em meio a péssimas condições.


— Já imaginava que deveria ser um calouro, afinal ainda é bastante cedo para os estudantes estarem chegando, e além do mais, nunca havia lhe visto pelo campus — declara Jaemin, fazendo os últimos traços de seu desenho, tudo enquanto sorria alegremente, afim de tentar ser amigável com Jisung.


—É tão cedo assim? — pergunta Jisung sem graça, fazendo Jaemin sorrir mais abertamente, achando fofo o modo de agir do moreno.


— Bastante cedo, contando que as aulas só iniciarão daqui a meia hora. — Jaemin diz, fazendo questão de continuar a sorrir por um longo tempo, enquanto colocava sua assinatura no esboço que acabará de findar.


Jisung não sabia ao certo o porquê, mas acabou se prendendo no sorriso do garoto, assim sorrindo juntamente ao menor. O Park se sentia cada vez mais estranho, tudo parece piorar quando se sentou ao lado do rosado, podendo ver este mais próximo de si. O moreno jurou ter ficado cego durante alguns segundos, o brilho que Jaemin exalava era inexplicável; seu sorriso, suas mãos alvas e macias segurando seu lápis, seus cabelos rosados como algodão doce, que exalavam um cheirinho de morango, tudo no garoto o fazia ter a imagem de um anjo, uma beleza inalcançável e descomunal.


Jisung não fazia idéia do que estava pensando, por que diabos estava reparando tanto nos mínimos detalhes daquele garoto de cabelos rosados em sua frente? Até mesmo reparou que o garoto tinha algumas poucas pintinhas espalhadas sobre seu corpo, sendo semelhantes até mesmo com constelações belíssimas, tornando assim, o corpo do garoto em uma obra de arte.


Jisung havia reparado em cada mínimo detalhe do garoto, naquele curto período de tempo que passara juntamente a ele. Só não tinha reparado em algo, o nervosismo de Jaemin ao perceber que estava sendo observado, o garoto inocentemente pensava o pior, imaginando que o Park talvez não tivesse gostado dele, e por isso estaria o encarando tanto. Com bochechas vermelhas, dedos inquietos sobre a mesa de sua carteira e olhar baixo devido ao nervosismo e timidez, Jaemin não sabia o que falar ou fazer; então, sem pensar muito, o Na somente disse a primeira coisa que lhe veio em mente, para quebrar todo aquele silêncio do ambiente.


— Animado para poder cursar letras? Bem… Eu me lembro de que, quando era calouro, ficava ansioso e chegava a passar mal devido a ansiedade e nervosismo durante todo o meu primeiro ano na faculdade. — Jaemin diz com um tom de voz mais baixo do que o imaginado, enquanto brincava com seus dedos aflitamente.


— Estou tão animado que sinto até mesmo que posso desmaiar durante a aula. Meu sonho sempre foi cursar letras e agora finalmente consegui. Espero que quando me formar meu outro sonho seja realizado. — Diz Jisung, enquanto sorria abobalhado, falando do seu amor em relação a letras. 


O Park finalmente havia notado o estado de nervosismo de Jaemin diante de seu olhar, primeiramente fez questão de se xingar internamente, por não ter percebido isso antes e por ter causado aquele desconforto no garoto, mas logo depois acabou achando o rosado mais fofo ainda por ter tentado iniciar um novo assunto, ao invés de somente continuar em silêncio até que Jisung percebesse seu desconforto diante de seu olhar.


— E eu poderia saber qual outro sonho seria este? — pergunta Jaemin já mais confortável com aquela situação, agora o garoto sorria, porém ainda com o olhar baixo.


— Claro que pode — diz Jisung sorrindo, enquanto olhava para seus dedos sobre a mesa de madeira. — Meu outro sonho é poder finalmente lançar o meu livro — diz Jisung, fazendo o Na levantar o olhar descrente sobre si, o garoto estava impressionado com a fala do Park.


— Espere… Do modo que você falou, parece que você já tem esse livro escrito a muito tempo. — Jaemin diz com uma expressão surpresa, agora olhando nos olhos de Jisung.


— E ele realmente está escrito a muito tempo, à anos na verdade. — Jisung declara fazendo o Na ficar mais surpreso ainda.


— Isso é impressionante Jisung! Você já tem um livro inteiro escrito, isso à anos. É inacreditável! — diz Jaemin cada vez mais impressionado. — E esse seu livro, ele é sobre o que?… Sem querer ser muito intruso, é claro, não precisa responder se quiser. — O Na dispara sobre Jisung todas as suas palavras rapidamente por conta de sua animação. O garoto estava tão animado que mal notou que poderia estar deixando o garoto desconfortável, e esse pensamento o fez se sentir mal e parar por um momento.


— Não tem problema nenhum em responder sua pergunta, eu até gosto quando me fazem perguntas animadas sobre a minha história — diz Jisung sorrindo abertamente, tentando acalmar o garoto. — O livro é um romance.


E Jisung novamente foi traído por sua própria mente. Não sabia o que estava acontecendo consigo, desde que o avistou dentro daquela sala, o garoto de cabelos rosados, aparência angelical e sorriso encantador, o Park estava hipnotizado pela beleza do Na, parecia um peixe sendo fisgado.


— Um romance? Tenho certeza que ele deve estar perfeito — diz o Na mais uma vez sorrindo animadamente em direção do Park.


Nesta altura, ambos garotos não faziam idéia do que estava acontecendo, talvez fossem apenas os hormônios a flor da pele os fazendo ter pensamentos assim. Porém, também tinha outra possibilidade temida pelos jovens, seria aquele o início de alguma relação romântica? Eles realmente estavam começando a nutrir sentimentos um pelo outro?


(…)


Já haviam se passado quatro meses desde a entrada de Jisung para a faculdade, consequentemente, também tinham se passado exatos três meses desde que Jaemin e Jisung haviam se conhecido. Durante todo esse tempo, os garotos se aproximaram mais e mais, sendo até mesmo alvo de piadas em seus grupos de amigos, sendo taxados como namorados. Já para os próprios garotos, não faziam idéia de como os denominar. Sentiam sentimentos um pelo outro, isso era fato, porém não tinham coragem de tomar um passo à frente e assumir um relacionamento, além do mais nem uma amizade colorida se encaixava, já que eles também nunca havia sequer se beijado ou dado um selinho, tudo devido a extrema timidez e medo de ambos.


Durante todos esses meses, os garotos vieram escondendo seus próprios sentimentos com medo do que poderia acontecer. Não sabiam o porque, tinham medo de relacionamentos, porém era claro o medo que eles tinham de machucar um ao outro, ou então de se machucar. E por meses seus sentimentos iam se aflorando cada vez mais, sendo praticamente impossível os controlar.


Hoje seria mais um dos dias em que eles viveriam correndo de seus sentimentos. Logo pela manhã, Jaemin acordou radiante, mais alegre do que o normal, por algum motivo desconhecido. O garoto havia levantado na maior alegria do mundo, parecia que o sol que brilha incessantemente no céu em um calor absurdo, animou o rosado.


Jaemin cantarolava, enquanto se arrumava para seu primeiro período da grade de horários do dia, hoje seria um dia um tanto quanto incomum, pois teriam uma exposição no último horário, talvez até por isto Jaemin estivesse mais animado que o comum.


Os quadros para a exposição seriam todos feitos hoje, logo no primeiro horário. Jaemin se encontrava animado e nervoso, afinal seria sua primeira exposição no ano, isso quer dizer que Jisung olharia seu quadro. O Na pedia a todos os deuses possíveis e imagináveis, para que seu professor pedisse um tema em que Jaemin estivesse bastante inspirado, tudo isso para que seu quadro não saia um fracasso total, que no final do dia, seria visto por Jisung.


Enquanto se arrumava o Na teve um idéia para o ajudar com seu nervosismo, ele iria até os campos de flores da escola, para que assim, pudesse se acalmar enquanto observava as belas flores. Com esta idéia em mente, Jaemin rapidamente põe suas vestes, que consistiam em: uma camisa de mangas longas branca, uma blusa rosada com uma estampa simples, uma calça jeans e seus all-stars amarelos com alguns desenhos feitos por si. Já devidamente vestido, o rosado põe sua mochila amarela com desenhos de girassóis — também feitos pelo Na — e se põe a caminhar em direção aos campos de flores da faculdade.


Durante o percurso, Jaemin pode notar que alguns poucos alunos já transitavam pelos corredores, ainda era bastante cedo para haver alunos ali, porém eram compreensível, já que hoje seria a exposição e a maioria dos alunos que estavam por ali, tinham algum cargo importante na faculdade. Jaemin era cumprimentado pelos alunos, já conhecidos por si enquanto passava pelo corredor, e deixando sua ansiedade e nervosismo de lado, o garoto também cumprimentava a todos com seu típico sorriso em seus lábios.


Jaemin já estava próximo ao campo, podendo ver as vastas flores. Seu interior já se acalmava somente em olhar aquela bela vista, se sentia sempre mais calmo naquele local, era onde Jaemin sempre se sentia bem, onde suas melhores inspirações vinham, era um lugar bem especial para o Na.


Sem pensar muito, Jaemin vai de encontro aos girassóis que tinham no campo, se sentando em frente aquela imensidão de flores. Jaemin suspira se sentindo cada vez mais calmo e mais feliz, seu sorriso cada vez era mais presente enquanto seus olhos brilhavam ao ver tamanha beleza nas flores.


Jaemin pega seu amado e companheiro caderninho de rascunhos, logo abrindo o pequeno caderno de coloração rosa no seu último rascunho, ele não estava terminando, mas Jaemin já sabia perfeitamente naquele momento como o terminar. O rascunho consistia em Jisung e alguns doces e guloseimas ao seu lado. Jaemin se lembrava perfeitamente quando começou aquele rascunho, fora quando Jisung havia ido juntamente consigo ao shopping. O moreno não parava de comer mais e mais doces, a cada loja que paravam era um doce diferente. Jaemin pode jurar que em algum momento do passeio Jisung iria passar mal, porém o Park continuou ótimo e ao chegar novamente na faculdade, o garoto ainda fez o Na preparar um bolo para ele.


Distraído com seu rascunho Jaemin mal notou o tempo passar, já estava pintando o desenho terminado quando alguém se aproxima do rosado. Como estava focado em pintar e ainda estava com fones de ouvido, o garoto leva um susto ao ver Jisung chegar de surpresa o abraçando por trás, quase fazendo Jaemin dar uma cambalhota para frente.


— Porque você sempre me assusta? — pergunta Jaemin, enquanto colocava sua mão sobre seu peito, tentando acalmar seu coração aos poucos.


— Por que eu acho fofo você depois todo sem graça por ter tomado um susto com nada — diz Jisung sorrindo, enquanto continuava a abraçar Jaemin por trás, este que nessa altura já se encontrava com suas bochechas rubras e totalmente envergonhado.


— Aquele sou eu? — pergunta Jisung, enquanto pegava o caderninho rosa em suas mãos, Jaemin nunca mostrava seus desenhos ao Park, todos que ele havia visto, eram por pura sorte.


— É-é você s-sim — responde Jaemin totalmente desconcertado, enquanto tenta pegar o caderno das mãos de Jisung, este que esquiva das mãos do Na e continua a observar o esboço.


— Está bonito e muito fofo. Só não sei o porquê desses doces ao redor — declara Jisung, enquanto sorria feito um bobo olhando para o desenho.


— E-esse desenho é d-de um dia e-específico — diz Jaemin ainda envergonhado, sentindo suas bochechas ficarem cada vez mais rubras.


— Eu acho que sei que dia seria esse. Foi no dia que nós fomos no shopping, né? Naquele dia eu comi mais doces do que na minha vida toda — diz Jisung, agora se sentando ao lado do menor, enquanto devolvia o caderno a Jaemin, percebendo o quão mal ele ficou ao ver o Park com seu caderninho.


— Hyung? — O Park chama o menor, recebendo apenas o olhar deste sobre si, como um sinal de que poderia prosseguir. — Você sabe que não precisa ficar com vergonha de mim, né? — O moreno perguntou, enquanto olha para seus pés.


— S-sei — diz o Na simplista, logo se praguejando por ainda estar gaguejando.


— Hey nana, quer fazer algo legal? — pergunta Jisung, tentando acabar com o clima estranho e o silêncio do ambiente. Como Jaemin apenas havia acenado positivamente com a cabeça enquanto sorria, o Park se levanta, logo sendo seguido por Jaemin.


Assim que o Na se levanta, Jisung o pega desprevenido, o pondo sobre suas costas, assim carregando em suas costas o menor que gritava e pedia desesperado para que o Park o soltasse. Enquanto ria do desespero de Jaemin, Jisung corre até os girassóis, assim entrando no meio da plantação destes ainda com um Na totalmente medroso e escandaloso em suas costas.


Já no meio do campo de girassóis, bem afastado de onde se encontravam antes, Jisung põe Jaemin no chão, este que fez questão de dar uns tapinhas leves no peito do Park, este que somente ri, achando o Na a coisinha mais fofa deste mundo.


— Não tem graça! — diz Jaemin tentando parecer emburrado, porém todo seu teatro caí por terra, assim que este solta uma gargalhada alta e gostosinha de se ouvir.


Jisung sorri, cada vez tendo mais noção de o quão precioso o Na era. O garoto era como uma  jóia rara, tinha uma beleza extraordinária, era apreciado por todos e valioso de mais para qualquer um ter. O Park não parava de pensar, durante todo este tempo que conhece o mais velho, o quão sortudo e privilégiado era por ter alguém como Jaemin em sua vida. O Na era sua alegria de cada dia, a grande motivação para seguir correndo atrás de seus sonhos, seu porto seguro. Jaemin para Jisung era um verdadeiro anjo.


Jisung mesmo sabendo que iria se sujar, não liga e se senta na terra, onde estavam os girassóis, bem no meio onde não havia nenhuma flor. O garoto então, põe sua mochila abaixo de sua cabeça e se deita, ali mesmo na terra, mantendo seu olhar em Jaemin. Por um momento o Park teve que desviar seu olhar do Na, pois este estava bem na frente do sol, fazendo com que o moreno pudesse se cegar ao olhar o rosado. E isso o fez rir, enquanto Jaemin só ficava cada vez mais confuso.


— Do que você está rindo? — pergunta Jaemin sem deixar de sorrir, mesmo ainda estando confuso. O Na se abaixa, ficando do lado de Jisung agachado, sem coragem de sentar na terra como o outro havia feito.


— Você realmente é como o amarelo — diz o Park, fazendo o Na sorrir em sua direção.


— E como chegou a esta conclusão, meu caro Park? — pergunta Jaemin sorrindo incessantemente, enquanto ainda agachado, apoiando sua cabeça no peito de Jisung, assim ficando mais próximo deste.


— Além de você ser totalmente alegre, iluminado, otimista e energético, você consegue transmitir todos esses sentimentos bons para quem está ao seu redor, assim contagiando todos com os sintomas de Na Jaemin — diz o Park fazendo cafuné nos fios rosados do menor, enquanto este sorria, enquanto seus olhos brilhavam ao ouvir as palavras tão fofas e românticas serem proferidas pelo Park.


— E o que seriam os sintomas de Na Jaemin? — pergunta o rosado, se afastando um pouco de Jisung, mas tudo aquilo somente para alcançar um dos milhares de girassóis que estavam ao seu redor.


— Os sintomas de Na Jaemin consistem em: sorrisos contínuos, alegria inesgotável e um coração amolecido ao ter a visão de um anjo em sua frente — declara Jisung, observando Jaemin como em um clichê, que somente eles dois compreendiam, o Na estendia o girassol na direção do Park. Jaemin tinha um enorme sorriso no rosto que como sempre, acabava completamente com o moreno somente com aquela aura alegre e angelical.


Ainda sentados naquele campo de girassóis, com sorrisos bobos em seus rostos, os garotos ouvem o tintilar do sinal da faculdade, indicando que os alunos deveriam começar a se dirigirem até suas devidas classes. E sem dar sequer tempo da Jaemin processar alguma informação, Jisung pega o garoto em seus braços, o colocando em suas costas. E novamente com o Na em suas costas, Jisung se põe a correr novamente, desta vez indo em direção ao prédio da faculdade.


Porque você sempre faz isso? — pergunta o Na já desistindo de pedir para ser solto, agora ele somente se segura ao pescoço do moreno, que continuava a correr para dentro da faculdade, fazendo que ambos fossem alvos de alguns olhares.


Jisung sem responder ao Na, vai em direção a classe de artes e assim que chega em frente a porta da sala de aula, o garoto finalmente solta Jaemin, este que sorria feito um bobo.


Animadamente o Na, que já se encontrava no chão, corre em direção do maior, assim pulando em seus braços em um abraço desajeitado, onde os dois gargalhavam e se seguravam, na tentativa de não caírem no chão.


— Até mais bocó — diz Jaemin assim que é solto por Jisung, este que assim que ouviu as palavras do rosado, fez uma careta irritada, o que acarretou na corrida de Jaemin para dentro da sala de aula, tudo isso para não ser pego pelo Park.


Assim que entra dentro de sala, Jaemin vai em direção a sua carteira de sempre, a penúltima fileira ao lado da janela, onde a vista para os campos de flores era perfeita. O Na agora sentado em sua carteira, lembra de tudo que aconteceu a minutos atrás. Ah como Jaemin amava aquele garoto, desde seus olhinhos brilhantes até suas bochechas gordinhas e macias. O rosado se lembra perfeitamente do sorriso do Park assim que lhe entregou o girassol, naquele momento o Na pode ver uma pulseira no braço de Jisung, a pulseira que Jaemin havia o dado a 3 meses atrás.


A pulseira era algo que Jaemin havia dado ao Park, justamente no dia que havia percebido seus sentimentos pelo maior, o rosado também tinha uma pulseira parecida com a do moreno, só mudava a cor, fazendo assim com que eles ficassem como se fossem um par, o que Jaemin realmente desejava, mas sempre acabava negando isto para si, devido a sua timidez e medo. Jisung sempre deixava bem claro que aquela pulseirinha simples que Jaemin havia lhe dado, era algo bastante importante para ele, o que deixava o Na bastante feliz, já que para ele, aquelas pulseiras também tinham um significado muito importante. A pulseira de Jaemin era rosada com pedrinhas brancas em formato de corações, já a de Jisung era amarela com pedrinhas em formato de estrelas. De acordo com ambos, sempre lembravam um do outro sempre que olhavam suas pulseiras.


Jaemin passava seus dedos por sua própria pulseira, enquanto sorria feito bobo, lembrando de cada momento que havia passado com Jisung. Em tão pouco tempo o moreno já havia se tornado tudinho para Jaemin, sem o Park, o rosado não conseguia se imaginar mais, é como se, Jisung agora também fizesse parte de Jaemin, e o Na também fizesse parte do Park. Os garotos não somente se completassem, mas também se fundissem.


O Na é disperso de seus pensamentos, assim que seu professor se põe dentro da classe. Jaemin ao ver seu professor entrando em sala, logo melhora sua postura, tentando por toda sua atenção na aula, porém seus pensamentos sempre lhe traiam, indo até o garoto alto e moreno, que nesses últimos meses tem sido o motivo da alegria do rosado.


— Hoje iremos pintar os quadros para a exposição, o tema foi escolhido por mim e deve ser seguido. Vocês poderam terminar suas pinturas até o penúltimo horário, então não tenham pressa e dêem o seu máximo — declara o professor assim que se assenta, recebendo a atenção de toda a classe.


— E qual será o tema?— Jaemin pode ouvir uma voz perguntar atrás de si, assim que se vira percebe que era Renjun, um intercambista fofo, que estava na faculdade desde que o Na havia entrado.


— O tema escolhido foi: amor e seus significados. Neste tema poderá ser feito qualquer pintura que tenha um significado de "amor" para você, poderá ser um objeto, uma pessoa, um animal e afins — responde o professor, logo se pondo de frente para a lousa.


Jaemin no momento que havia ouvido o tema escolhido, sorriu já sabendo exatamente o que iria pintar, estava ansioso para começar sua pintura. O professor comentou mais um pouco sobre o tema, coisa que Jaemin vagamente havia prestado atenção, já que sua mente já tinha um quadro pronto em mente dentro do tema. Assim que o professor distribuiu as telas para pinturas aos alunos, juntamente com os pincéis e tintas, logo permite que começassem com suas pinturas.


Jaemin começa prontamente, pegando um dos pincéis e as tintas, o garoto começa com traços simples e leves, assim começando a formar a imagem que ele havia em mente. As cores usadas eram todas em tons claros, tons pastéis. Rosa, amarelo e azul eram as cores mais presentes no quadro, todas em seus tons claros, dando um ar mais leve a pintura.


Em pouquíssimo tempo, Jaemin já tinha metade de sua pintura pronta, o pincel ainda dançava pela tela, mas agora dando uma pouca pressão em alguns pontos estratégicos. O rosado sorria ao mover seu pincel, cada vez ficando mais satisfeito com sua própria obra.


Seu avental já se encontrava totalmente colorido, agora além da sua coloração rosa original, também tinham alguns pontos amarelos, azuis e brancos, se parecendo até mesmo com uma obra de arte. Jaemin se divertia ao pintar, era algo que o garoto realmente adorava, desejava infinitamente poder seguir o ramo artístico em sua carreira.


Estavam no segundo período e Jaemin já findava sua pintura, o garoto tinha potes com glitters de diferentes estilos e cores espalhados sobre sua mesa, ele estava tão feliz consigo mesmo naquele momento. Como já havia acabado, ele somente pega um pincel mais fino pondo sua assinatura na obra, que consistia em seu nome e algumas estrelinhas brancas ao redor.


Jaemin se afasta do quadro para poder visualizar melhor sua pintura, e ao ver como havia ficado, o Na sorri abertamente. Seu quadro retratava uma pessoa sem "rosto" segurando um girassol. Era destacado no quadro uma pulseira amarela além do girassol, mesmo que a pessoa não tivesse um rosto, era visivelmente o Park, por mais que Jaemin tentasse esconder não conseguia.


O girassol e a pulseira brilhavam com o glitter que Jaemin havia colocado, na pulseira haviam pedrinhas de glitter em formato de estrelas, exatamente como na realidade. O céu azul atrás do "garoto sem rosto" transmitia uma paz incomum, era como o céu por trás daquele campo enorme de flores.


Com seu quadro já terminado, Jaemin é instruído pelo professor a levar sua pintura até onde seria a exposição, então assim o Na faz. Com sua tela em mãos, o garoto cuidadosamente caminha pelos corredores, onde pouquíssimos alunos transitavam, já que a maioria estava em aula, preparando algo para a exposição.


Quando finalmente chega ao pátio, onde seria a exposição de hoje, Jaemin procura pelo lugar reservado até a classe de artes e assim que a encontra, coloca sua tela no lugar reservado a ele, já que estava com o nome "Na Jaemin" pendurado por ali. Ficou curioso do porque seu quadro estar na frente, normalmente suas pinturas ficavam pelo meio, mas como sabia que seu professor sempre tinha tudo planejado, o rosado opta por guardar essa sua curiosidade apenas para si.


Como agora Jaemin tinha mais dois períodos livres, o rosado caminha até a cafeteira da faculdade, afim de comer algo e passar um pouco do tempo. Chegando na cafeteria, o garoto rapidamente é atendido por Kun, um dos estudantes de gastronomia da faculdade.


— Olá, Jaemin, o de sempre? — pergunta Kun sorridente ao ver Jaemin ali pela cafeteria, que se encontrava praticamente vazia.


— Olá, Hyung! Sim o de sempre — responde Jaemin sorrindo abertamente, igualmente a Kun, que agora se dirigia até a cozinha para pegar a amada torta de morango de Jaemin, além de seu garden capuccino. 


(...)


Jaemin estava sentado no pátio com seus fones de ouvido plugados, enquanto desenhava um personagem de anime aleatório em seu caderninho. Já estavam no penúltimo período, o que significava que em poucos minutos a exposição iria começar. Muitos alunos já eram vistos pelos corredores da faculdade, alguns arrumavam seus trabalhos para a exposição, já outros somente transitavam por ali olhando vez ou outra algum estande.


O Na estava mais uma vez imerso em seus próprios pensamentos, o rosado percebeu que desde que havia chegado em sua sala, não viu mais Jisung. O que será que o garoto estava fazendo? 


Enquanto cantarolava baixinho "Someone you loved" e olhava para um ponto fixo qualquer, uma belíssima imagem invade a visão de Jaemin, era Jisung totalmente sorridente e animado que corria em sua direção. O rosado se levanta do pequeno banquinho que se encontrava sentado, somente para dar um abraço no maior, e também por medo de acabar caindo para trás no banquinho, pois sabia que assim que o moreno chegasse, iria fazer a total questão de abraçar Jaemin.


O Na estava feliz por ver o garoto, mas também estava curioso para saber o por que da demora deste, já que praticamente todos de sua classe estavam no estande. Jaemin sabia que não iria aguentar guardar esta dúvida para si, então apenas resolveu o perguntar logo, para acabar com suas preocupações em relação a demora do garoto.


— Hey, Sungie, por que demorou tanto? Por um momento pensei que não iria vir mais — comenta Jaemin que inconscientemente forma um biquinho em seus lábios, o que faz Jisung sorrir negando com a cabeça em resposta.


— É uma surpresa hyung, mas te garanto que vai ser bem legal — comenta o mais novo, enquanto bagunça os fios do cabelo de Jaemin, que somente ri com o ato.


E mais uma vez no dia, o tintilar do sinal da faculdade é ouvido, indicando assim o início da exposição. Como Jaemin era um dos responsáveis por seu estande, foi obrigado a continuar por ali, já Jisung estava livre para olhar outros estandes, porém teria que fazer isso juntamente com sua classe. Por isto mais uma vez, os garotos se separaram contragosto de ambos.


Logo no início da exposição, Jaemin já havia recebido muitos comentários positivos sobre o seu quadro, o que o fez sorrir satisfeito consigo mesmo. O garoto estava tendo um dia ótimo hoje, o que contribuiu demais para que agora, seu rosto contesse vários sorrisos contínuos. Mesmo ainda estando parado em seu estande, sem poder andar pela exposição, conseguia sempre encontrar o seu olhar com o de Jisung em meio a multidão, este que sempre acenava e sorria em sua direção.


— Hey, Nana? Este quadro é seu? — Pode ouvir uma voz bem próxima a si, quando direcionou seu olhar a pessoa se surpreendeu, pois era Jisung ali em sua frente. O garoto jurava que o Park estava no estande de culinária ainda…


— É sim Sungie… Mas você não deveria estar com sua classe agora? — Jaemin responde confuso, vendo que a classe do moreno ainda estava no estande de culinária, que era onde o rosado jurava que Jisung também estava.


— Isso faz parte da surpresa também, daqui a pouquinho você vai descobrir — responde Jisung com seu sorriso escancarado em seu rosto, fazendo novamente Jaemin sorrir.


— Hyung? Essa pintura… Ela está bonita demais — diz o maior sendo totalmente sincero. Jisung ficava pasmo com o talento de Jaemin para arte, e em todos os poucos desenho e pinturas que já havia visto deste, sempre ficou admirado com tamanha perfeição em suas obras.


Essa obra em especial de Jaemin tinha algo de diferente, não sabia ao certo o que, mas ela conseguia sentir os sentimentos através daquele quadro, eram sentimentos tão bons, tão puros, transmitiam até uma certa paz no peito do Park. As cores, os pontos com glitter na pintura, tudo era tão belo… Jisung era um verdadeiro admirador de Jaemin, tanto com suas obras quanto com o artista.


— O-obrigado. — Jaemin disse enquanto sorria coro devido ao elogio, Jisung achou fofa a cena, porém não fazia idéia que o motivo daquilo era porque o Park havia sido sua inspiração.


Jisung realmente havia amado o quadro, e fez questão de comentar isso durante todo instante, fazendo Jaemin quase ter uma combustão espontânea de tanto corar. O Na se sentia extremamente feliz, pois a única pessoa cuja opinião importava para si, havia gostado do que fez, e aquilo o alegrou de uma maneira tão grande, que seu sorriso ficava cada vez mais reluzente a cada segundo.


Jisung ficou ao lado de Jaemin a maioria do tempo da exposição, até que o garoto teve que sair, pois foi chamado por sua professora, o que fez Jaemin ficar mais preocupado e curioso do que já estava. O Park costumava sempre dizer o que iria fazer para Jaemin, o garoto era ansioso de mais e não conseguia guardar nada somente para si. Porém ao ver o garoto fazendo esse mistério todo, estava matando o rosado.


O rosado estava mais uma vez apresentando os quadros para as pessoas que haviam acabado de chegar no estande, quando do nada, sente uma respiração atrás de si, e quando se vira, encontra  com Jisung.


— Hyung, vêm comigo aqui rapidinho? — pergunta o maior já pegando uma das mãos de Jaemin.


— Mas eu preciso ficar no estande Jisung… — diz o rosado com uma voz desanimada, mas ainda continha um leve sorriso em seus lábios.


— Não precisa não hyung, eu já falei com seu professor, fora que o Jeno pode cuidar do estande. Não é Jeno?— diz Jisung, que recebe um aceno positivo de Jeno. Assim logo puxando Jaemin de maneira animada juntamente consigo.


Jaemin praticamente arrastado, Jisung estava andando tão rápido e animadamente, que o Na jurava que iria cair a qualquer momento, agora ele entendia o porque do moreno sempre o colocar em suas costas quando começava a correr, ele andava rápido de mais.


Jisung parou de andar quando chegou em frente a classe de letras, o garoto virou para Jaemin com um grande sorriso em seu rosto.


— Hyung, a surpresa está aqui dentro e eu estou muito feliz com isso, só espero que fique tão feliz quanto a mim — disse o maior, logo destrancando a porta atrás de si. 


Assim que a sala é aberta por Jisung, os olhos de Jaemin brilham ao ver o que estava ali dentro. A sala estava totalmente diferente, com vários posters e com banners todos com o rosto de Jisung, dizendo a mesma coisa, o lançamento do livro de Jisung…


Jaemin olha incrédulo para o maior, este que sorria como nunca, o Na corre até o moreno, o abraçando fortemente. Jisung tira o Na do chão, o girando enquanto ainda abraçava este. Ambos estavam tão felizes com a conquista do mais novo, finalmente havia conseguido lançar seu livro.


— Jisung, mas quando isso aconteceu? — pergunta Jaemin enquanto sorria, sua animação era visível e ambos garotos pareciam que começariam a chorar a qualquer instante.


— Lembra quando nós estávamos falando sobre nossos sonhos e você acabou fazendo uma capa para o meu livro, para que um dia ele fosse postado? Naquele dia eu conversei com a minha professora sobre lançar esse livro, primeiro ela pediu para ler, ela acabou gostando e disse que poderíamos lançar se arrecadasse os fundos. Bem, nesses últimos três meses tenho arrecadado fundos. Eu também deu algumas mudanças no livro. E agora eu finalmente vou lançar ele. — Jisung diz de maneira animada enquanto sorria, algumas poucas lágrimas escorriam por seu rosto, mas nada abalava sua alegria naquele momento.


Porque você não me disse antes? Eu poderia ter te ajudado seu bobo! — diz Jaemin enquanto sorria, também sentindo as lágrimas escorrerem por seu rosto.


O Na caminha até a pilha de livros que havia ali, pegando um deles em suas mãos. A capa do livro era realmente a pintura que Jaemin havia feito a meses atrás, aquilo mexeu com o coração do garoto, o fazendo fungar levemente e limpar as lágrimas que caíam sobre seu rosto. Virando a contra capa do livro, Jaemin pode ver ali a sua pintura favorita, o que o fez sorrir mais abertamente. Quando Jaemin fez a pintura, que agora era a capa do mais novo livro de Jisung, o moreno havia dito que, sua contracapa seria algo que lembrasse Jaemin.


Semanas depois disso, o Na apresentou a Jisung sua obra de arte favorita, que era "o nascimento de vênus". Jaemin explicou o significado a Jisung e tudo que ela representava, o Park então havia dito que aquilo lembrava o Na. Jaemin não acreditava que depois daquele tempo todo, o garoto ainda se lembrava de tudo aquilo.


Quando estava prestes a tentar falar algo, Jisung pega em suas mãos novamente, o puxando para fora da sala. O deixando completamente confuso, porém nesta altura Jaemin já estava feliz de mais, e estar com o mais novo, somente renova esse sentimento, então somente se deixou ser arrastado por Jisung.


Jaemin já sabia exatamente para onde estavam indo já no meio do caminho, eles iriam até os campos de flores, o Na só não fazia idéia do porque daquilo. Ele só continuava a sorrir como um bobo, — e chorar um pouquinho também — enquanto era arrastado.


Assim que chegam em frente aos girassóis, Jisung para, este se vira de frente para Jaemin. E o Na jurou que naquele momento o Park parecia mais belo do que nunca, ele sorria como nunca, seus olhos brilhavam e seus cabelos balançavam em direção ao vento, ele estava tão lindo naquele momento, sendo somente ele, aquele Park Jisung de sempre.


E mais uma vez como um clichê romântico que somente eles compreendiam, Jisung se ajoelhou em frente a Jaemin. O menor não sabia o que fazer e muito menos como agir, então somente deixa que as lágrimas rolem sobre seu rosto.


— Nana? Acho que já tá óbvio que eu te amo, né? — Começa o garoto enquanto ri levemente, vendo as lágrimas já começarem a caírem por seu rosto.


— Durante todos esses meses, não consegui parar de pensar em você um momento sequer. Tudo que eu faço, sempre acaba me lembrando você. Lembra dos ajustes que eu havia feito no livro? Foi tudo porque, enquanto relia minhas palavras, me lembrava de você. E acabei no fim transformando meu livro na nossa história — continuou Jisung, que parou por um momento, se virando para trás e esticando um dos braços para alcançar um dos girassóis atrás de si.


— Hyung, você não é somente amarelo. Você é o meu amarelo, minha alegria, minha luz, minha força, minha energia… Você é simplesmente o motivo de cada sorriso meu, de cada ação boba; é o motivo do meu nervosismo, da minha anciedade e do meu medo. Nana, você é como um anjo, um anjo que egoistamente gostaria de ter só pra mim. — Jisung completa entregando o girassol ao rosado, que já tinha suas pernas bambas, não conseguia mais controlar as tantas lágrimas que caíam e mesmo assim, conseguia sorrir feito um bobo apaixonado, que realmente era.


— Na Jaemin, você é a obra prima da minha vida — diz o maior se levantando do chão, e parando bem de frente para o rosado, para conseguir olhar dentro de seus olhos.


— Meu anjo, você aceita ser minha mistura de rosa e amarelo? Ou melhor, aceita ser meu namorado? — pergunta Jisung, enquanto estendia uma caixinha, onde continham dois cordões, ambos com pingentes de girassóis, que atrás continham um pontinho rosa e um amarelo interligados.


Jaemin chorava feito um bebê, sendo incapaz até mesmo de responder a Jisung. O garoto estava tão feliz, naquele momento não havia medo e nem ansiedade que poderiam acabar com sua felicidade. O park vendo a situação que o menor se encontrava, o abraça na tentativa de o acalmar.


— Eu te amo, tá? — diz Jisung de forma baixa, para que somente Jaemin pudesse ouvir. O moreno abraçava o Na como se fosse a coisa mais preciosa do mundo, que na realidade era, a coisa mais preciosa do seu próprio mundo.


— E-eu q-quero — diz Jaemin de forma baixa, o garoto mal conseguia falar uma palavra, mas se sentia tão bem.


E então ali, juntos naquele campo de girassóis. Jisung se aproxima de Jaemin e enquanto sorria, puxa o menor para um beijo. Mesmo nervoso de mais e quase desmaiando ali mesmo, Jaemin põe seus braços ao redor do pescoço de Jisung, este que tinha suas mãos ao redor de sua cintura. Ambos sorriam em meio ao beijo, o ósculo era lento e romântico, em um ritmo que somente eles compreendiam.


Naquele dia, o sol parecia mais radiante, todos pareciam estar mais alegres. Mas na verdade tudo aquilo era o efeito do mais novo casal, que transmitiam sua alegria, energia e força para todos que estavam ao redor. Em meio a medos, ansiedade e timidez, se iniciou uma bela história de amor, mas uma história diferente, onde tudo acabava rosa e amarelo, a história romântica deles.


The end

Ou apenas o início de uma história de amor clichê e colorida.


Notas Finais


E foi isso meus amores! Me desculpem pelos erros e muito obrigada por lerem até aqui.

Gostaram da história? Algo que gostaria de acrescentar ou retirar da fanfiction? Então comente, todas as críticas construtivas seram muito bem vindas.

E mais uma vez, muito obrigada @JungJaehyuna e @woojiniepk pelo trabalho maravilhoso que fizeram nesta história, o trabalho de vocês são explendidos anjinhos!

Por hoje é só, até a próxima anjos!💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...