História Obrigada por existir! - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Drama, Família, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Namjoon, Romance, Suga, Taehyung
Visualizações 341
Palavras 1.122
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Drogas, Estupro, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Capítulo mais emocionante da minha life.

Capítulo 11 - Capítulo 11



Era final de semana, umas 8 horas da manhã, meu avô e a Sung saiu pra comemorar alguma coisa do relacionamento deles que eu não fazia idéia o que era, eu estava vendo algumas músicas para a festa. Eu escutei alguém abrindo a porta da sala e eu sabia muito bem que era o meu irmão que tinha chegado de viagem, então tomei coragem pra falar com ele. Eu o encontrei sentado no sofá.

- Como foi a-a viagem ao Brasil ? - Droga! eu tinha mesmo que gaguejar?

- O que você está fazendo aqui peste ?

- Eu quero conversar com você. - Falei com receio.

- Conversar ?

 Falou arqueando uma sobrancelha, tem algo errado aqui, cada os insultos e os tapas ?

- Bom eu gostaria de conversar com você sobre uma coisa muito importante. - Ele não falou nada apenas me ignorava, e eu estou com medo já que Pedro é imprevisível, resolvi proseguir. - Você costuma me maltrata sem nenhum motivo aparente, eu queria saber, porque você faz isso ?

- Já olhou pra você ? Você me traz nojo, me dá um asco só de te olhar. - Falou fazendo cara de nojo e raiva, ok! Isso não está sendo produtivo.

- Porque esse ódio ? O que eu te fiz ? - Eu não sei o que estava acontecendo, eu sentir rancor em minhas palavras e sentir a minha garganta da um nó.

- É fácil, toda vez que te olho me lembro dela, o seu rosto me lembra o dela, a sua voz, tudo em você. - Espera ele está falando de Alexia? - me vem um rancor, me vem a cabeça que ela permitiu que o Lucas fizesse aquilo comigo. As torturas psicológicas, físicas e ...

  Sim, ele estava falando de nossa mãe e pai, ele não conseguiu proseguir, vi uma lágrima escorrer e ele a secou na hora. Tentei me aproximar dele e ele me empurrou, eu sabia muito bem o que ele estava sentindo, sabia do rancor e ódio, sabia do medo de tudo o que sofremos voltar a acontecer outra vez.

- Eu sei o que você está sentindo, sei o seu medo ... - Falei sentindo as lágrimas querendo cair mais eu tentei as segurar, eu sentia que ia ser em vão.

- Não, você não sabe ... - o interrompir.

- Sim, eu sei o que você sente, eu passei por tudo aquilo, eu também fui torturada, eu também ... Eu também sofri nas mãos deles.

  Foi realmente em vão tentar segurar as lágrimas, tudo o que aconteceu começou a passar em forma de filme na minha cabeça e tenho certeza que na cabeça de Pedro também. Tanto eu quanto Pedro estava chorando muito, eu vi Pedro levantar as suas mãos é fiquei com medo dele me bater ou algo do tipo, mas foi diferente ele colocou as suas mãos na cabeça e a balançou em discordância.

- NÃO, NÃO, NÃÃÃÃÃO, VOCÊ NÃO SABE O QUE É SE SENTIR SUJO COMO EU ME SINTO. - Falou gritando. - Você acha que eu me sinto como Iara ? Você acha mesmo que eu não me sinto destruido quando eu lembro daquela sensação ? você acha que eu gostei daquilo ? Eu tenho pesadelo todo dia com a MESMA CENA SE REPETINDO IARA! - Falou com rancor e medo, gritando no final.

- Por mais que eu não tenha sofrido o que você sofreu, eu sofri outras coisas também Pedro. - Falei sussurrando. - Eu fui mutilada diversas vezes, fui queimada, pensaram até em vender os meus órgãos no mercado negro, eles me torturava mentalmente, eu fui jogada na rua, Pedro! Eu fui jogada na rua a mecer de qualquer um. Até hoje eu sou torturada Pedro! Eu sou torturada pelos meus pesadelos, sou torturada pelo meu medo de que tudo o que aconteceu volte a acontecer, sou torturada pelas palavras do meu avô, comecei a ser torturada pela Sung, semana passada ela cortou o meu cabelo pra vender pra poder manter os luxos dela, EU SOU TORTURADA POR VOCÊ PEDRO. - Falei gritando as últimas palavras enquanto chorava. - E tudo porque você acha que eu sou igual a Alexia, COMO VOCÊ PODE ME COMPARAR A ELA ? você não percebe que no fim está sendo igual a eles ? Os mesmos monstros que me ... que nos torturou.

- NÃO OUSE ME COMPARA A ELES. - Gritou com raiva.

- ENTÃO NÃO ME OUSE COMPARAR A ELA. - Retruquei gritando. - Pedro eu não aguento mais, não aguento a minha vida, tudo que eu quero é que minha vida seja normal mas isso está longe de acontecer e o máximo que eu posso fazer é tentar ser a sua irmã, eu não quero ser a Alexia, eu não quero ser apenas uma amiga, eu não quero ser como uma psicóloga escutando os seus problemas apenas por algumas horas, eu não quero ser apenas uma pessoa comum. Por mais que você queira negar estamos ligado pelo nosso DNA, eu quero ser a pessoa que te ajude a toda hora, em todo o lugar, eu quero ser a pessoa que cuida de você, te colocando a frente dos meus problemas assim como eu faço com Sophy. Pedro, eu quero ser aquilo que eu sou destinada a ser, eu quero ser a sua irmã.


 Pedro me olhava no fundo dos meus olhos, acho que era a primeira vez que conversamos sobre nossos poblemas e a primeira vez em anos que eu conversei de verdade com ele. O rosto dele estava sem nenhuma expressão mas os seus olhos mostrava um turbilhão de emoções, entre elas tinha pena, medo, arrependimento, raiva, e aos poucos transmitia compaixão, o que de certo modo foi aliviante. Ele venho andando até a mim lentamente, me olhando nos olhos e eu podia sentir as suas emoções interligadas às minhas, ele ergueu os seus braços em minha direção, é então venho a supresa, ele me deu um abraço, um abraço que transmitia arrependimento e carinho, então isso significa que ... que agora estamos em paz ? Que agora as coisas não vai ser como antes ? Que as nossas vidas ia mudar ? Que seríamos unidos ? Que ele não me  maltrataria mais ? Eram muitas perguntas com apenas respostas incertas já que eu não sabia o que poderia acontecer daqui para frente.

- Des-desculpe-me. - Falou Pedro entre soluços. - Eu não sei o que fazer e difícil admitir mais eu preciso de ajuda. - Falou colocando a sua cabeça em meu ombro.

- Eu estou aqui para te ajudar. - Falei afagando o cabelo preto azulado, macio e um pouco ondulado. - É espero que você me ajude.


Notas Finais


Me diz aí o que acharam, sem vácuo por favor!?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...