História Obscure - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Ashley Benson, Barbara Palvin, Justin Bieber, Lucy Hale, Ryan Butler
Personagens Ashley Benson, Justin Bieber, Lucy Hale, Ryan Butler
Tags Brigas, Mistério, Morte, Revelaçoes, Segredos
Visualizações 68
Palavras 1.725
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi mores, voltei com um capítulo novo para vocês.
Não me matem por toda essa curiosidade, mas o contexto da história é esse, suspense! ahaha

Capítulo 10 - Apologies


Fanfic / Fanfiction Obscure - Capítulo 10 - Apologies


P.o.v Megan
─ Mia, o que faz aqui? ─Justin perguntou─
─ Vim admirar as estrelas Bieber. ─ela respondeu─
─ Mia, precisamos conversar. ─eu disse me levantando do banco e ela ficou me olhando─
─ O que quer vadia? ─perguntou me olhando de cima à baixo─
─ Eu sei do seu irmão, eu sei que você sabe quem é E, então me diga quem é. ─eu disse─
Mia ficou me olhando calada, parecia que estava surpresa pelo fato deu descobrir sobre o seu irmão.
─ O que você sabe sobre meu irmão? ─perguntou─
─ Sei o suficiente. ─respondi─
─ Então foi você que roubou meu celular? Posso te denunciar por isso. ─ela disse─
─ Vá em frente, eles vão adorar ver suas mensagens com E. ─eu disse e ela me olhou de cara emburrada─
─ O que você quer? ─ela perguntou─
─ Eu quero respostas. ─respondi─
...
Estávamos sentados no banco da praça esperando que Mia contasse o que sabia.
─ eu e Mike fomos separados quando criança, meus pais me abandonaram, eu moro com meus tios, todos pensam que eles são meus pais e que sou filha única. Achei Mike pelo facebook, reconheci o sobrenome e adicionei, conversei com ele e marquei um encontro. Era chocante a semelhança que tinhamos um com o outro. Ficamos tão felizes por descobrir que éramos irmãos mas tão tristes por saber que nunca poderiamos revelar isso para nossa família. Mike morreu tão de repente e a única pessoa que eu sabia que ele tinha contato era Mona. ─ela disse olhando para Mona que abaixou o olhar─ Recebi uma mensagem anônima perguntando se eu queria vingar a morte dele e então resolvi aceitar. Não se enganem achando que eu sei quem é E, eu não sei. ─ela disse─
─ Vimos você com ele hoje mais cedo. ─Bárbara disse─
─ E está sempre com aquela máscara, eu não faço nem questão de saber quem é, pois ele é um psicopata, e eu quero apenas me livrar dele. ─ela disse─
─ Então por que você ajuda ele? ─ Ryan perguntou─
─ Eu faço isso em busca de respostas, ele diz que sabe quem matou meu irmão, mas se eu quiser descobrir eu tenho que ajudar ele. ─respondeu─
─ Você nunca pensou na probabilidade dele mesmo ter matado seu irmão? ─Chaz perguntou─
─ Sim, e se foi ele, eu quero ver ele atrás das grades. ─ela respondeu─
─ Você não precisa se juntar à ele Mia, pode se juntar a nós. ─Mona disse─
─ Eu não posso, ele já causou problema demais, se eu me juntar à vocês eu vou ser a próxima. ─ela disse─
─ Estamos no mesmo barco que você Mia, queremos a mesma coisa, descobrir quem é que fez isso tudo. ─ eu disse─ 
─ Vocês pegaram meu diário né? ─ ela perguntou e nós assentimos─ 
─ Não foi por mal, apenas queriámos respostas. ─ Bárbara disse e Mia assentiu─ 
─ Leiam a última página, vão achar o que precisam lá. ─ Mia disse se levantando e saindo dali─ 
Nós nos olhamos e ficamos em silêncio por um tempo.
─ Acreditaram no que ela disse? ─ Ryan perguntou quebrando o silêncio─ 
─ Eu acredito. ─ Mona respondeu─ vi sinceridade nas palavras dela.
─ Eu também acredito, mas só vamos saber quando lermos a última página do diário. ─ Chaz disse─ 
─ Está na minha casa, vamos para lá. ─ eu disse e eles assentiram─ 
Como já era por volta das 23:20h, minha mãe já devia estar dormindo. Peguei o diário no meu quarto e voltei para a sala no andar de baixo. Coloquei o diário em cima da mesa e ficamos todos olhando para o mesmo que ainda permanecia fechado.
─ Então, o que estamos esperando? ─ Bárbara perguntou─ 
Respirei fundo e abri o diário na última página. Havia um pequeno texto e algumas pequenas fotos polaroide de Emma. Comecei a ler o texto em voz alta.
Você queria saber o motivo deu fazer isso tudo e eu vou te explicar. Emma roubou tudo o que era meu, sonhos, alegria, amigos, minha vida. Ela tirou tudo de mim, e eu finalmente criei coragem para me vingar, aquela vadia pagou por todo mal que me fez, e todos os que fizeram vão pagar também, você é minha cúmplice Mia, é a única em quem eu posso realmente confiar. Se fizer tudo o que eu te pedir, eu te conto um segredo sobre seu irmão. 
Agora levanta a bunda desse chão e comece os trabalhos. ─E

P.o.v Mia
─ E então, eles acreditaram na história? ─ perguntou─ 
─ Sim, em cada palavra. ─ respondi─ 
─ Falou para eles lerem a última página do diário? ─ perguntou─ 
─ Sim, eles sabem que eu sou sua cúmplice. ─ respondi─ 
─ Você tem que fazer eles pensarem que você não vai mais ser minha cúmplice e ficar do lado deles. ─ disse─ 
─ Farei isso. ─ disse─ 
─ Quanto ao que eu te prometi. ─ disse me entregando um envelope─ 
─ Obrigada. ─ peguei e sorri─ 
P.o.v Megan
Alguns Dias Depois.

─ Para que me chamou para esse almoço? ─ perguntei─ 
─ Quero me desculpar por ter colocado a culpa em você. ─ minha mãe respondeu─ eu estava de cabeça quente. 
─ Eu sei. ─ disse─ 
─ Não quero que fiquemos nessa guerra, somos mãe e filha, vivemos na mesma casa. ─ ela disse─ 
─ Eu sinto muito por não ter te contado antes. ─ disse─ 
─ Não se preocupe, eu estou disposta a seguir em frente. ─ ela disse e eu sorri─ 
─ Agora me dá um abraço. ─ ela disse e eu abracei ela─ 
Nós entramos no restaurante e fomos fazer nossos pedidos.
─ Que tal ravioli? ─ minha mãe sugeriu─ 
─ Por mim está ótimo. ─ respondi e o garçom anotou o pedido─ 
─ Para beber? ─ perguntou─ 
─ Uma coca light. ─ respondi─ 
─ Para mim um suco de maracujá. ─ minha mãe respondeu e ele assentiu─ 
P.o.v Mona
Estacionei o carro naquele enorme celereiro, sua tinta estava reforçada, deixando o vermelho ainda mais vivo, e as partes brancas estavam super limpas, bem diferente de como era antes. 
Olhei em volta e vi que não havia ninguém em volta.
─ Olá? ─ chamei─
Ninguém respondeu, então empurrei a porta do celeiro e entrei. Estava escuro ali dentro, fechei a enorme porta e comecei a observar o celeiro, estava exatamente do mesmo jeito desde a última vez em que eu entrei aqui. As palhas pelos cantos, o que diferenciava é que agora não havia nenhum animal ali, estava vazio. De repente meu celular vibrou e eu me tremi com o susto. Desbloqueei o mesmo e li a mensagem.
Vamos brincar de quente e frio? Tenho uma surpresinha para você. ─E
Eu olhei em volta e não vi ninguém. Me aproximei do monte de palha e recebi outra mensagem.
Frio. ─E
Me afastei dali e fui caminhando até o outro lado do celeiro, onde havia alguns baldes no chão. 
Muito frio. ─E
Olhei em volta, procurando algum lugar para ir, eu não fazia ideia do que estava procurando. Olhei para um canto do celeiro onde havia um monte de tábuas de madeira encostadas na parede. Me aproximei e fiquei encarando as madeiras enormes. Meu celular vibrou e eu olhei a mensagem.
Quente. ─E
Comecei a tirar as madeiras e quando terminei vi que havia uma caixa. Tentei abrir a caixa mas estava trancada com cadeado. Tirei um grampo da minha bolsa e comecei a tentativa de abrir o cadeado. Depois de uns 10 minutos finalmente consegui abrir. Meu celular vibrou e eu li.
Bingo, está pegando fogo. ─E
Eu abri a caixa e vi que não havia nada. Me levantei irritada por ter caído no jogo de E e quando me virei para sair vi que o celeiro estava pegando fogo. Então esse era o jogo? Parece que E levou o jogo muito a sério. Peguei meu celular e comecei a ligar para Chaz, mas ele não atendia. Corri até a porta do celeiro mas estava trancada. 
─ Socorro!!! ─ gritei batendo na porta─ 
A fumaça começou a me sufocar conforme o fogo ficava mais forte, cai naquele chão e fiquei observando as chamas. Minha garganta ardia e meus olhos lacrimejavam por conta da ardência. Minha visão começou a ficar turva e eu vi uma pessoa vindo em minha direção antes de apagar por completo.
P.o.v Megan
─ Como assim a Mona sumiu? ─ perguntei─ 
─ Deixa eu ouvir a gravação mais uma vez. ─ Bárbara disse e Chaz reproduziu─ 
Chaz, por favor, eu preciso de sua ajuda.
─ Precisamos achá-la, E deve estar com ela. ─ Ryan disse─ 
─ Precisamos rastrear o celular dela. ─ Bieber disse─
─ Eu tenho um aplicativo no meu celular que pode ser útil. ─ Bárbara disse mostrando um aplicativo rastreador─ 
Nós conseguimos rastrear o número de Mona, indicava um celeiro na fronteira de Stratford. Nós pegamos nossos carros e corremos para lá.
P.o.v Mona
Abri os olhos lentamente, e vi aquela pessoa em cima de mim, me levantei rapidamente e fiquei encarando-a.
─ Você? ─ perguntei assustada─ 
─ Oi mona, de nada por salvar sua vida. ─ respondeu─ 
─ Como sabia que eu estava aqui? ─ perguntei─ 
─ Eu sempre sei onde você está. ─ respondeu─ 
─ Não acredito que seja você. ─ disse nervosa─ 
─ Você está muito cansada, precisa descansar. ─ disse enfiando uma pílula em minha boca me fazendo apagar por completo─ 
P.o.v Megan
Chegamos no local e corremos até o celeiro, vimos o corpo de Mona caído no chão e eu olhei em volta. Vi uma pessoa de máscara, com um casaco vermelho e com o capuz na cabeça. Fez um shi com o dedo na boca e saiu correndo dali. 
─ Pessoal. ─ eu disse ainda olhando para trás e todos olharam─ 
─ O que foi Megan? ─ Bárbara perguntou─ 
Eu não respondi, apenas corri atrás da pessoa que eu acreditava ser E, encontrei a pessoa parada de costas, já era noite.
─ É o fim, se revele. ─ eu gritei ao parar de correr─ 
De repente E se virou e ficou me encarando com a máscara. 
─ Chega de joguinhos, chega de tudo isso, tira essa droga de máscara. ─ eu disse─ 
E levantou os braços e lentamente tirou a máscara. Eu arregalei os olhos.
─ Você? ─ perguntei incrédula─ 
 


Notas Finais


Continuarei em breve!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...