História Obsession - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Abo, Alfa, Baekyeol, Bdsm, Beta, Chanbaek, Comedia, Hentai, Hunhan, Kaisoo, Ômega, Romance, Sexo, Srta_park
Visualizações 2.483
Palavras 2.441
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie amores!
Desculpe a demora!
Mas eu tava com preguiça!
Porém, aqui estou eu de volta!
Espero que se sintam satisfeitos!
Mas, sem mais delongas, vamos ao cap!

Capítulo 22 - II. Especial


Fanfic / Fanfiction Obsession - Capítulo 22 - II. Especial

• Kim JongDae


Estava com o Suho conversando e assim que recebi a ligação do Baekhyun saí correndo do local sem nem mesmo explicar o que estava havendo para o Suho.

Apenas corri e entrei no carro, sendo seguido pelo outro que estava preocupado e confuso, porra! O Xiumin só aceitou ficar comigo a poucas semanas, mas porque eu me sito tão irritado em imaginar algum outro o tocando?

Fechei meu punho com força ao lembrar das palavras que ouvi do mesmo no dia em que ele resolveu finalmente me dar uma chance.

“Eu aceito, mas não pense que temos algo sério, somos amigos a anos e eu não quero estragar a nossa amizade. Apenas vamos ficar junto e quando não der mais, voltamos ao que éramos antes.’’

Rosnei batendo no volante do carro e recebendo um Suho furioso por não saber o que está havendo.

Acabei por me dar por vencido e expliquei tudo para ele, o mesmo se aperreou e ficou ainda mais preocupado quando eu contei que o Lay estava lá no meio. Sorri brevemente.

•    •    •

Ao ver o meu Xiumin aos beijos com o Luhan, confesso que se fosse outro alfa ou até mesmo um beta, eu teria arrancado a cabeça do ser na hora, porém, tem visão mais erótica do que ver dois ômegas excitados se agarrando?

Uma visão do paraíso, isso sem contar que o cheiro de caramelo de morango que vinha intenso do Xiumin, fez com que rapidamente a minha calça se tornasse pequena e incomoda.

Parecia que mais nada contava ao redor enquanto meus olhos pairavam sobre ele, mas ainda sim eu estava irritado, não com ele mas sim com mim mesmo por não conseguir tê-lo conquistado de verdade, por que, pra mim, ele não confiava completamente em mim.

Ainda há uma parcela dentro de mim que acredita que ele ainda acha que estou com ele pra ficar próximo do Chan, e isso me magoa, como ele pode duvidar de mim?

Saí do meu transe quando senti o garoto tomar inesperadamente meus lábios nos seus, nem havia percebido que éramos os únicos na sala agora.

Por mais que meu corpo e meu lobo interior insistisse em corresponde-lo e lhe dar aquilo que tanto ele quanto eu desejo, minha razão e emoções me diziam pra levá-lo embora e colocar o mesmo para dormir, pois era isso que ele devia fazer agora.

Segurei seus braços e o afastei de mim recebendo um Muxoxo de reprovação dos lábios do mesmo, coisa que ignorei, e o puxei para fora da casa logo o acomodando no banco de passageiro e dando a volta para me sentar no de motorista.

Foi preciso usar todo o estoque de sanidade que eu nem ao menos conseguia saber se tinha, para conseguir resistir à aquela boquinha dele que insistia em beijar e mordiscar o meu pescoço.

Tentava o afastar de mim antes que perdesse o controle, porém, além de já estar tão duro que chegava a doer, estava dirigindo e o garoto era insistente.

Pare, Xiumin! — usei a minha voz de alfa e vi o mesmo de encolher e um resmungo parecido com gemido escapou de seus lábios.

Porém, quando eu pensei que o mesmo iria desistir e parar — ao menos por agora — me assustei quando o botão e o zíper da minha calça foram abertos rapidamente e sem aviso prévio. Ele colocou meu membro para fora e quando abri a boca para reclamar, dela só saiu um rosnado rouco e arrastado, ele lambeu minha fenda.

Sentia meus olhos lacrimejarem devido a excitação quando ele começou a fazer movimentos lentos e cauculado enquanto sua lingua serpenteava meus testículos.

Minha sanidade dizia para que eu o afastasse e mandasse o mesmo parar, porém quando ia o fazer, o mesmo engoliu meu membro em sua cavidade bucal, e porra, se a boca era apertada imagine o... Ah céus.

Ele me fazia um boquete maestroso com sua língua que percorria toda a minha extensão, seus dentes que roçavam de leve no comprimento, seus dedos que faziam a masturbação dos deuses, seus lábios que ele vex ou outra esfregava na minha glande, e sua boca que era quente, macia e apertada.

Em certo momento, não estava nem mais medindo minhas ações, levei uma das minhas mãos e entrelacei em suas madeixas castanhas apertando com força e, enquanto tentava ao máximo prestar atenção a pista, segurei a cabeça dele e impulsionei meu quadril pra cima estocando sua boca sem piedade.

O mesmo gemia e eu lhe dava curtos intervalos para respirar tendo a visão magnifica da sua saliva misturada com o meu pre gozo escorrendo de seus lábios inchados.

Quando senti que chegaria ao meu ápice, tentei retirar meu penis de sua boca, porém o garoto não deixou e eu acabei por gozar nela e ele engoliu tudo sem hesitar.

Parei o carro no sinal vermelho e o levantei beijando com mais carinho seus lábios, sorrindo então assim que nos separamos, acelerei o carro rumando a minha casa, aonde terminariamos o que começamos.

•    •    •

Assim que Fechei a porta o peguei pelas coxas e o fiz abraçar meu quadril com suas pernas e voltei a atacar seus lábios dessa vez com voracidade e sorri quando um gemido escapou de seus lábios quando eu apertei suas nádegas com força.

O cheiro do seu lubrificante já estava bem visível e me deixando inebriado em sensações novamente ficando duro.

Caminhei com ele no colo e o mesmo retirou minha camisa fazendo o mesmo com a sua, me sentei de pernas abertas no sofa e com ele no meu colo rebolando rapidamente.

Levantei-me apenas para retirar o resto de nossas roupas e então voltei a me sentar como antes, eu beijava e mordiscava seu pescoço deixando vários chupões pelo caminho e ouvindo seus gemidos próximos ao meu ouvido.

Ele levantou-se segurando meu falo entre seus dedos apenas para posicionar na sua entrada e ir sentando lentamente, sentia meu pau ser esmagado e engolido pela entrada quente e apertada dele e me deliciava com as expressões de êxtase do mesmo.

Após alguns segundos se acostumando com o meu tamanho, começou a cavalgar devagar, apoiei minhas mãos em sua cintura o ajudando com seus movimentos que aos poucos iam aumentando de velocidade.

A sala já estava preenchida com o cheiro de sexo e o segundo barulho a der ouvido era o som de nossos corpos se chocando, claro que o primeiro era de nossos gemidos.

Não demorou muito para que eu sentisse que meu ápice estava chegando, então, o levantei de cima de mim apenas para impulsionar meu quadril pra cima e adentra-lo com força e fundo ouvindo o mesmo gritar de prazer.

As estocadas eram fundas e precisas fazendo, tanto ele quanto eu,  irmos a loucura quando nossos ápices chegaram sujando nossos corpos.

Ele caiu ofegante em meu peito e eu o abracei tentando fazer minha respiração voltar ao normal, alguns minutos depois, eu estava fazendo um cafuné em seus cabelos enquanto ele descansava a cabeça no vão do meu pescoço.

— Me desculpe... — sussurrou e eu fiquei sem entender.

Ele levantou a cabeça e segurou a minha com suas mãos, eu ainda o olhava confuso e então ele prosseguiu.

— Me desculpe por não ter confiado completamente em você... Você sempre tem se mostrado ser uma ótima pessoa, cuida de mim e prova o quão especial sou pra você.... Me desculpe por não ter coragem de fazer o mesmo... Eu tinha medo, medo de que estivesse apenas me usando e de que eu ia me machucar depois.... Mas agora, estou disposto a tentar, estou disposto a me esforçar para fazer valer a pena, para que exista um futuro nosso... — ele disse e eu não pude evitar e um sorriso feliz se formar em meu rosto.

O puxei para mim e o abracei com força vendo o mesmo retribuir, acariciei seu rosto e selei nossos lábios.

— E terá , eu garanto que o nosso futuro valerá a pena. — e foi com tais palavras que cravei meus dentes no vão de seu pescoço ouvindo um gemido rouco de dor vir de seus lábios.

Lambi o local sujo de sangue e sorri quando o mais velho puxou meus lábios e iniciou um beijo.

Agora sim, serei dele assim como ele será meu, para sempre.


• Kim Junmyeon •


O Chen quase pirou depois que recebeu uma ligação e eu não estava entendendo mais nada quando de repente ele sai correndo que nem um louco para fora da lanchonete.

Corri e paguei a conta logo indo atrás dele, entrou as pressas no carro e eu acabei por deixar o meu lá e entrar no dele mesmo. Arrancou o carro na maior velocidade.

O que houve Chen? — perguntei preocupado, porém o mesmo parecia perdido em pensamentos e me ignorou.

Bufei e quando o sinal fechou ele parou o carro na maior estupidez e bateu com força no volante do carro me fazendo gritar e insistir pra saber de algo antes que ele nos matasse.

— Era o Baekhyun. — suspirou. — parece que o Kyung entrou no cio no meio de uma festinha dos ômegas e agora estão todos bêbados e excitados. — rosnou. — Se algum alfa chegar perto do Xiumin, eu juro que eu... — parou a frase no meio e arrancou o carro novamente.

— Calma, Chen. Não vai acontecer nada, calma. — tentei acalmá-lo, porém era inútil, eu sabia que ele era inseguro com relação ao Xiumin e isso só piorava a situação.

— Você se acalmaria se eu te dissesse que o seu querido Lay está no meio deles e com um alfa por perto? — ele disse e eu gelei.

Chen sabia melhor do que todos a minha “atração” pelo Lay, assim como sabia que eu tinha medo de me aproximar dele. Afinal, Lay é um ômega dócil e isso é muito raro, além de que ele tem todas as qualidades que um alfa pode querer em um ômega, por isso, quem garante que ele vai me querer?

— O Baek não vai fazer nada com eles. — rosnei e tentei me consolar com esse pensamento, porém, queria chegar o mais rápido possível.

Ao chegar-mos, fui o primeiro a pular para fora do carro logo sendo seguido pelo Chen, encontrei com Luhan e Kai do lado de fora e ambos parreciam bem estressados também.

O cheiro logo invadiu as minhas narinas e eu me controlei para não ficar excitado ali mesmo, precisaria de muita paciencia e sanidade para lidar com a situação e no momento, tava difícil.

Rumei para dentro assim como os outros e soltei um suspiro de alivio quando vi que o meu pequeno estava calmamente dormindo, mas ainda assim não estava completamente tranquilo.

Poderia ter acontecido alguma coisa terrível com ele vulnerável desse jeito!

Fui até ele sem mais delongas e o peguei no colo estilo noiva rumando para fora do local antes que perdesse o controle da minha mente, por que puta que pariu, quem aguenta?

Bufei quando me lembrei que não havia trazido o meu carro e portanto chamei um táxi que veio rapidamente, coloquei o mesmo no banco de trás e entrei também no mesmo fazendo ele descansar a cabeça no meu colo acariciando os fios loiros.

Assim que o cheiro foi ficando mais distante — mesmo com a minha leve excitação — eu me tornei mais ciente de meus pensamentos e segui o caminho calmamente acariciando seus cabelos e aproveitando o tempo único que eu tenho com ele.

Ao chegar na casa dele, paguei o motorista — que era um beta — e o peguei no colo novamente entrando dentro da casa após pegar as chaves que estavam em seu bolso.

Caminhei com o mesmo prendendo a respiração e me controlando para não inalar o cheiro delicioso que vinha do mesmo, deitei ele na cama e quando ia saindo, acabei por ficar um instante observando seu rosto sereno e calmo.

Me agachei e parei ao lado da cama, deitei minha cabeça ao lado da sua e acariciei sua bochecha de leve, o mesmo sorriu ainda adormecido. Seu rosto estava a centímetros do meu, levemente corado e sua boca entreaberta.

Oh, só uma vez!

E com tal pensamento, me aproximei hesitante tendo como mira seus lábios avermelhados e Fechei os olhos sorrindo quando senti seus lábios roçando nos meus.

Abri meus olhos lentamente e arregalei o mesmos quando vi que o mais novo me observava atentamente acordado. Me separei rapidamente e o encarei envergonhado.

— M-Me desculpa, e-eu... — gaguejei e me matrizei por isso.

O outro apenas ainda me olhava — mais especificamente para meus lábios — e lambeu seus próprios.

— Eu quero mais... — sussurrou inocente e eu senti meu corpo esquentar só de ouvir sua voz rouca.

— Olha, me desculpa mesmo! Eu... — fui novamente interrompido, dessa vez pelos lábios dele que hesitantemente encostou-se nos meus. Aos poucos ele foi fechando os olhos e apertando meus braços.

Acabei por me deixar levar e aprofundei o beijo sendo correspondido de modo desajeitado por ele, eu sabia que ele não tinha muita experiência pois havia outrora ouvido ele comentar que sempre passava seus cios sozinho pois queria encontrar alguém especial.

Antes que percebesse, já estava meio que de quatro em cima do mesmo e acabei por soltar seus lábios recebendo um olhar confuso do outro.

— Se você não quiser, tudo bem, eu... — ele revirou os olhos e voltou a me beijar, um selinho.

— Você fala demais Suho-ssi. sorriu e voltou a atacar os meus lábios me deixando surpreso.

Sorri durante o beijo e logo ele foi ficando mais voraz e necessitado, em um movimento desajeitado, ele retirou minhas roupas e logo em seguida eu retirei as suas.

Separei-me de seus lábios apenas para traçar uma linha de beijos de seu maxilar à seu pescoço deixando um chupão no mesmo e logo descendo os beijos por seu tronco até parar em sua entrada já úmida.

Sorri e comecei a beijar a mesma logo em seguida estocando a mesma com minha língua e ouvindo os gemidos e murmúrios do ômega pedindo por mais, não demorei a penetra-lo lentamente para não machucar, e começar a estocar aumentando o ritmo a medida em que seus gemidos iam aumentando, até que ele chegou ao seu ápice sujando nossos abdômens e logo em seguida eu me retirei de dentro dele fazendo o mesmo.

Caímos ofegantes, e permanecemos apenas sorrindo e aproveitando as carícias e a presença um do outro. Permanecemos calados, mas nossos olhares valiam mais que mil palavras.


Notas Finais


Amores, eu gostaria de lhes avisar de algo.
Essa fic, eu baseei o plot dela em outra fic chamada "Alma Gêmea", gostaria de esclarecer algumas coisas.

Primeiro: EU CONVERSEI COM A AUTORA DA OUTRA FIC

Eu falei com ela e expliquei tudo direitinho, a mesma não se importou e disse que estava tudo bem desde que não fosse plágio.

Segundo: NÃO É PLÁGIO

Não é plágio porque eu não fiz essa fic copiada igualmente a outra, eu apenas baseei o plot e peguei algumas situações mudando as reações dos personagens.


Bom, espero que compreendam. ^_^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...