1. Spirit Fanfics >
  2. Obsessive >
  3. The way you throw your body in my arms, boy.

História Obsessive - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


isso tá salvo nos meus documentos como "jaekook furando a quarentena pra se mamar"

aproveitem!

Capítulo 1 - The way you throw your body in my arms, boy.


Jungkook amava fácil.

E quando ele amava, ele se jogava de cabeça.

Música, videogames, filmes, pessoas. Sempre que ele amava, ele amava com o corpo todo, sem medo, sem hesitação. Ele gostava, a sensação de estar descobrindo uma nova paixão. O coração acelerando, dedos tremendo, mãos suadas, inspiração sem limites. Esses eram seus amores, seus motivos para ficar acordado a madrugada toda. Ele sabia exatamente quando estava acontecendo, quando estava se apaixonando por algo ou alguém. Ele se conhecia melhor do que ninguém, sabia quais eram os seus limites o que fazer para superar eles. 

Esse é um dos traços de personalidade dele do qual você tem que se lembrar. Apaixonado. Jungkook era um apaixonado. Romântico sem esperança, volúvel como a água e tão intenso quanto se jogar de um edifício.

Outro desses traços, talvez o maior de todos, é que Jungkook era ganancioso.

Esse é importante de mencionar porque, como você vai ver, ele sempre conseguia tudo que ele queria. E ele queria demais, tudo. Ganancioso, lembra?

Ele lembra de quando viu Jaehyun pela primeira vez.

Fazia alguns anos, Jungkook já tinha ouvido falar dele, obviamente. Um dos integrantes de um grupo com conceito radical que prometia. Ele vinha de uma empresa grande, era impossível não saber o nome dele. Ele não prestou muita atenção até ver ele pela primeira vez.

Desculpe, nessa parte ele foi meio desonesto, porque quando Jungkook o viu pela primeira vez ele não reparou. Eles estavam em um programa, iam apresentar sua música de estréia enquanto o grupo de Jungkook só ia mostrar outro de seus singles. Talvez eles tenham passado um pelo outro nos bastidores, mas Jungkook não prestou atenção, ele estava explodindo de energia mal contida, ansioso para dançar e queimar toda a excitação que revirava seu estômago com violência.

Esse era outro dos traços de personalidade dele. Violência. A violência romântica com a qual ele dançava todas as noites no estúdio, bonita, controlada mas ao mesmo tempo imprevisível. Fazia seus cabelos arrepiarem, a respiração acelerar e os dedos retorcerem de vontade. 

Ele resumia a si mesmo com essas três qualidades. Paixão, ganância e violência.

Ele amava violentamente, ele desejava violentamente, ele abraçava essa violência todas as noites na cama, estando ele sozinho ou acompanhado. Dividia ela com seus fãs e seus amantes, deixando sua marca, agarrando com os braços e pernas tudo que o causava prazer.

Poucas coisas causavam um prazer tão grande em Jungkook quanto ter milhares de olhos vidrados nele, admirando e desejando ele, desejando sua violência.

Talvez seja por isso que ele não se lembra da primeira vez que viu Jaehyun. 

Talvez a primeira interação de verdade que os dois tiveram tenha sido naquele grupo do KakaoTalk que Bambam criou. Aquele com um nome obsceno, onde eles falavam de tudo menos de coisas, de fato, obscenas.

"Aqui a gente só vai colocar pessoas que nasceram no mesmo ano que nós", tinha sido a explicação dele.

Jungkook riu e concordou, porque que mal podia ter naquilo?

Ele nem percebeu quando Jaehyun entrou no grupo, na verdade. Em algum momento, ele simplesmente estava lá, interagindo com os outros meninos e participando das fotos ridículas que eles estavam mandando.

Foi quando Jungkook viu aquela foto em particular que ele começou a reparar. Aquela que ele estava com a franja afastada testa por alguns grampos de cabelo, o rosto cheio e creme para espinhas e o sorriso enorme. As covinhas aparecendo.

E é aqui que ele se entrega e admite sua preferência. 

Jungkook era um garoto simples, no fundo, sabe? Ele vê um garoto bonito, com sorriso grande e buraquinhos na bochecha e pronto, ele quer.

Ele sabia de onde vinha esse gosto. A origem ficava há algumas portas de distância, trancada no estúdio escrevendo algumas letras de música.

Quando Jungkook viu Namjoon pela primeira vez, ele sabia, de alguma forma, que o mais velho ia acabar mexendo com ele de verdade. Jungkook sempre admirou Namjoon por tudo que ele fazia, sempre seguiu ele pra todos os lados como um cachorrinho perdido. Namjoon esteve lá pra ver todas as primeiras vezes dele, o guiou pela maioria delas. Foi natural e nada surpreendente quando Jungkook se pegou apertando o travesseiro entre os dedos, a respiração cortada e a mão entre as pernas pela primeira do que seriam muitas noites acordado até tarde, imaginando milhares de cenários diferentes, onde Namjoon não o via só como um irmão mais novo, um colega de grupo.

Foi estranho no começo, não só pelo desejo repentino de estar perto de Namjoon de todas as formas possíveis, mas também por finalmente ter um problema que ele não poderia resolver com a ajuda do mais velho.

Foi uma época confusa, estranha e dolorosa, mas quando ele finalmente conseguiu contar para Namjoon o que estava acontecendo, ele quase riu de alívio. Não porque magicamente Namjoon sentia o mesmo, mas porque ele percebeu que estava fazendo algo estúpido se tornar um problema gigantesco. 

Ele e Namjoon conversaram por horas naquela noite, contando segredos um pro outro e se conhecendo de novo. Eles nunca se beijaram, nem nunca sequer trocaram um olhar mais carregado de tensão, mas Jungkook admite com orgulho que Namjoon foi sua primeira experiência amorosa, e quando ele voltou a olhar para o mais velho com os olhos brilhando somente de adoração, ele entende o porque sentiu tudo aquilo um dia. Namjoon fazia ser muito difícil não se apaixonar por ele.

E agora, há anos de distância daquele Jungkook, aqui estava ele de novo. Encarando a foto de um garoto que ele mal conhecia, só porque ele tinha algo em comum com a primeira paixonite dele.

Ele começou a prestar atenção em Jaehyun depois disso. Nos eventos que o grupo dos dois iam, nas entrevistas que ele dava, nas mensagens que ele mandava na conversa do KakaoTalk. E depois que ele começou a notar, ele não conseguiu parar mais. Procurava vídeos dele na internet, só para memorizar o jeito que os lábios dele formavam as palavras, o jeito que ele afastava o cabelo dos olhos, a forma que ele gesticulava, a curva dos pulsos e das clavículas dele. 

Os meninos do grupo se reuniam algumas vezes para beber e conversar, às vezes jogar alguma coisa, e ele tentava não olhar hipnotizado toda vez que a voz de Jaehyun sobressaía a dos demais. O sorriso enorme, dentes brancos e olhos pequenos. Os lábios dele toda vez que ele bebia cerveja, a covinha que aparecia na bochecha direita. Jungkook sabia o que estava acontecendo e se jogou de braços abertos no calor que começava a tomar conta do seu estômago.

Aos poucos ele começou a chamar a atenção de Jaehyun pra ele também. Uma troca de mensagens mais longa no grupo, fazendo questão de se sentar de frente pra ele quando todos conseguiam se reunir e sair juntos, o olhando nos olhos toda vez que ele falava.

Ele percebeu, era impossível não perceber na verdade, Jungkook tinha parado de tentar ser discreto assim que entendeu o que estava acontecendo, mas mesmo assim Jaehyun parecia não se importar. Como se o que Jungkook sentisse não fosse nada fora do normal e os flertes dele não fossem nada demais.

A indiferença foi o que o instigou a continuar, porque afinal, ele sempre conseguia tudo que ele queria e com Jaehyun não seria diferente.

Ele decidiu mudar de tática então, fazer Jaehyun perceber que ele o queria também. 

Não foi muito difícil, porque como eu já te disse milhares de vezes, Jungkook sempre conseguia o que ele queria. Roupas mais apertadas, fotos mais insinuantes, olhares mais carregados e em pouco tempo Jaehyun estava sentando do lado dele quando o grupo se reunia. As coxas e os ombros dos dois se tocando, mesmo tendo espaço de sobra para os dois na mesa. As mãos se tocando sem querer por baixo da mesa, Jaehyun o encarando sempre que ele dançava em algum clube com outras pessoas.

Aos poucos, o grupo foi parando de se reunir com muita frequência, a vida de todos era muito corrida. Aos poucos, alguns dos meninos deixavam de frequentar a saídas, até que por fim, ele, Jaehyun e mais dois dos meninos do grupo serem os únicos que saíam juntos com frequência. O aumento de espaço nas mesas de restaurante não dava mais brecha para eles sentarem um do lado do outro, então Jungkook voltou a fazer questão de se sentar na frente dele, dessa forma ele podia escorregar seu tornozelo pelo de Jaehyun sob a desculpa de ser sempre sem intenção, até que Jaehyun começou a retribuir e por fim, no final de cada noite, eles acabavam com os tornozelos entrelaçados.

As interações dos dois eram reservadas para esses poucos momentos de privacidade que eles conseguiam. Quando os dois se viam nos bastidores de algum lugar, eles se contentavam com os olhares roubados e conversas educadas. Mas todos ali sabiam, principalmente os meninos do grupo de Jungkook. Todos sabiam que ele estava de olho em algo e todos sabiam que ele ia acabar conseguindo.

Dessa forma, Jungkook mal percebeu o quão rápido as semanas iam passando. Elas se tornaram meses e esses meses se tornaram anos, e ele ainda só conseguia pensar no seu corpo entrelaçado no de Jaehyun, seus lábios beijando cada espaço no rosto dele, seu polegar acariciando as bochechas dele, dizendo o quanto ele deixava Jungkook subindo pelas paredes quando ele sorria, o quanto Jungkook queimava de vontade e desejo toda vez que ele sentia o perfume dele, toda vez que a pele dos dois se encontrava. 

A personalidade carinhosa e cuidadosa de Jaehyun só o fazia querer mais, o senso de humor ridículo dele, o sotaque na sua voz, o jeito que ele mordia o lábio enquanto tentava se concentrar, a forma que ele dançava, cada linha e cada curva do corpo dele. Deus, Jungkook se sentia preso e impotente, caindo em queda livre sem se importar com o quão distante o chão realmente estava. Ele passava noites em claro encarando a tela do celular, sem coragem de mandar uma mensagem privada para Jaehyun, irritado que o outro também não tivesse pensado em mandar uma pra ele. E no final, quando ele já não aguentava mais, jogava o celular de lado e enfiava o rosto no travesseiro, mordendo a fronha e chamando o nome dele baixando, imaginando Jaehyun embaixo dele ao invés dos lençóis. 

Surpreendentemente, quem deu o primeiro passo para acabar com toda essa tensão que já durava anos, literalmente, foi Jaehyun.

Eles tinham saído escondido juntos com mais alguns dos outros meninos. Jungkook não bebeu muito porque ele tinha vindo dirigindo sozinho e teve que aguentar enquanto Jaehyun se grudava em um dos amigos deles ao invés de Jungkook. O ciúme ainda era uma emoção relativamente nova para ele, então ele tinha certeza que seu descontamento estava mais do que evidente para todos ali.

No fim, ele decidiu ir embora mais cedo.

"Ainda não são nem duas horas da manhã", Mingyu tinha choramingado quando ele decidiu anunciar sua ida.

Jungkook riu. "Eu tenho ensaio bem cedo amanhã", mentira, ele e os outros meninos tinham a semana inteira de folga.

"Eu já vou também", Jaehyun disse se levantando e colocando o casaco. 

"Nããão", Mingyu fez um biquinho e Jungkook tinha certeza que ele já tinha bebido além da conta. "Você não veio de carona?", ele perguntou.

"Sim, mas o Jungkook já tinha combinado comigo de me deixar na empresa quando nós fôssemos embora."

Jungkook tinha certeza que se não fosse pela máscara e o boné que ele tinha colocado de volta, todos veriam a surpresa que tomou conta de sua expressão.

"É verdade", ele acabou concordando enquanto se levantava da mesa com pressa. Ele nunca foi um bom mentiroso.

"Eu nunca mais chamo nenhum de vocês para beber", Mingyu cruzou os braços e fechou a cara enquanto Jaehyun e Jungkook riam e se despediam. 

Os dois andaram em silêncio até o carro de Jungkook, antes de fecharem as portas e levantarem todos os vidros insufilmados. 

"Eu não lembro de ter te oferecido carona", Jungkook murmurou depois de ter jogado a máscara e o boné no banco de trás do carro.

"Como não? Você acabou de oferecer lá dentro", Jaehyun sorriu de lado, bagunçando os próprios cabelos e o encarando.

Jungkook soltou uma risadinha e deu partida no carro.

Os dois ficaram em silêncio por vários minutos. Jungkook sentia o nervosismo escorrendo por seus dedos enquanto ele os tamborilava no volante, mordendo o interior das bochechas e se controlando para não encarar o garoto ao seu lado.

"Então", Jaehyun disse eventualmente. "Você vai mesmo me deixar na empresa?"p

Jungkook levantou as sobrancelhas. "Você não quer que eu te deixe lá?", ele se virou para olhá-lo por alguns instantes.

Jaehyun estava com o cotovelo apoiado no vidro fechado, os dedos no cabelo enquanto ele encarava a forma que os dedos de Jungkook se enrolavam no couro do volante.

"Eu só acho que a gente não vai ter outra oportunidade dessa tão cedo", ele balançou os ombros e voltou a olhar para frente como se o que ele tivesse dito não fosse nada demais, como se a insinuação não tivesse feito o coração de Jungkook pular. "A não ser que você realmente tenha ensaio amanhã cedo."

Jungkook soltou o ar pelo nariz e deu seta para esquerda. "Ok", ele disse depois de vários minutos. 

Eles acabaram no estacionamento subterrâneo da própria empresa de Jungkook. Quando ele desligou o carro e respirou fundo, ele percebeu que não tinha ideia do que fazer.

"Você, hum, você quer subir?", ele perguntou, se virando para Jaehyun.

Jaehyun já estava o encarando.

"Você tem um quarto só seu?", ele perguntou, a voz grossa e suave.

Jungkook engoliu em seco.

"Tenho, eu tenho sim", ele respondeu no mesmo tom.

Jaehyun sorriu grande. "Então sim, eu quero subir."

Jungkook assentiu e destravou o cinto de segurança. Jaehyun fez o mesmo, mas antes que Jungkook pudesse sair do carro, ele agarrou seu antebraço. Jungkook se virou para perguntar qual era o problema, mas as palavras morreram em sua garganta quando seu olhar encontrou o de Jaehyun.

"Eu vou te beijar", ele disse, assertivo, e Jungkook se controlou para não arregalar os olhos.

No final, ele conseguiu dar um sorrisinho convencido e dizer "Não consegue esperar até a gente chegar lá em cima?"

Jaehyun riu. "Acho que a gente já esperou demais, não é?"

Jungkook riu e assentiu. Os dois ficaram em silêncio por um tempo enquanto Jungkook esperava ele fazer jus a palavra dele, mas Jaehyun parecia mais interessado em encarar suas coxas e o banco do carro.

"Afasta o banco", ele disse, finalmente. Jungkook não precisou ouvir duas vezes.

Ele puxou a alavanca e afastou o banco totalmente para trás. Nem dois segundos depois Jaehyun estava passando por cima do câmbio e se sentando no seu colo, a mão direita apoiada no vidro e a esquerda escorregando para o cabelos arrumados de Jungkook. 

"Eu sou o último?", ele disse depois de sentar, as coxas de cada lado dos quadris de Jungkook, a voz sussurrada e os dedos quentes puxando seu cabelo para trás e fazendo ele expor o pescoço. "Eu sei que você já transou com o Mingyu e o Yugyeom. Eu sou o último que falta na sua cartelinha de bingo?"

Jungkook soltou uma risada, enfiando as mãos embaixo da camiseta preta dele para agarrar sua cintura, sentindo Jaehyun tremer em cima dele enquanto ele o puxava para mais perto.

"Eu só quero você", Jungkook sussurrou de volta, lambendo os lábios e escorrendo uma das mãos para agarrar a bunda dele.

"Por quanto tempo?", ele sorriu, encostando os lábios no canto da boca de Jungkook e se afastando quando Jungkook tentou beijar ele.

"Tempo o suficiente", ele bufou. "Achei que você ia me beijar."

"Apressado. Não consegue esperar até a gente chegar lá em cima?", ele riu.

"Não, eu já me masturbei demais pensando nisso", Jungkook tentou beijar ele de novo, mas Jaehyun o afastou pelos cabelos. 

"Pensando no que?", ele lambeu os lábios. "Me conta pra eu ver se as suas fantasias combinam com as minhas."

"Em você em cima de mim, embaixo de mim, me fodendo, deixando eu te foder. Em tudo, eu já pensei em tudo", ele disse rápido, arrancando a mão de Jaehyun do cabelo dele e finalmente juntando os lábios dos dois.

Era bagunçado e molhado e deus, tudo que Jungkook imaginou. Ele conseguia sentir o calor se espalhando pelo corpo dele e enquanto sua língua se enrolava com a de Jaehyun, Jungkook decidiu que aquela definitivamente não iria ser a última vez que os dois fariam algo daquele tipo.

Ele voltou a colocar as mãos embaixo da blusa de Jaehyun e a agarrar a pele dele com força, enquanto Jaehyun ondulava os quadris contra os dele. Os vidros do carro estavam embaçando com a respiração rápida dos dois, Jaehyun soltando esses barulhinhos maravilhosos na boca dele enquanto ele pressionava a ereção no estômago de Jungkook. Eles ficaram minutos daquele jeito, grudados um no outro, correndo as mãos pelo corpo um do outro, falando besteiras e tentando encontrar um ritmo que satisfazia os dois.

Jungkook mal conseguia pensar. Tudo que ele conseguia sentir era o garoto em seu colo, as coxas grossas ao seu redor e o perfume caro que ele exalava. Ele não conseguia se conter, dizendo as coisas que ele imaginava os dois fazendo, como ele o queria desde a primeira vez que os dois se viram, dizendo o quanto ele queria Jaehyun daquela forma, as bochechas vermelhas e os lábios inchados, desesperado no colo dele. Não conseguia se impedir de dizer quantas vezes ele imaginou os dois fodendo nos bastidores de algum evento ou então no estúdio de dança, sem saber onde um começava e o outro terminava, o gosto doce de Jaehyun em sua boca enquanto os dois gemiam contra a pele suada um do outro, tudo tão forte e tão sujo que fazia as bochechas de Jungkook queimarem de vergonha e desejo.

Eles ficaram daquela forma no carro por vários minutos, Jungkook correndo suas mãos por todo pedaço de pele que ele conseguia alcançar, enquanto Jaehyun deixava marcas o suficiente em seu pescoço para Jungkook ter que pensar em uma desculpa para dar para as maquiadoras amanhã.

Em algum momento, Jungkook escorregou uma de suas mãos para a parte da frente das calças de Jaehyun, apertando a ereção dele e fazendo ele soltar esse grunhido maravilhoso contra a curva do seu maxilar. Jungkook conseguia sentar os pêlos em seus braços arrepiarem.

"A gente devia subir", ele sussurrou, a voz trêmula enquanto os beijos de Jaehyun queimavam a pele dele.

Jaehyun não o respondeu por vários minutos quando os dois voltaram a se beijar. Ele ainda estava soltando aqueles gemidos maravilhosos e Jungkook sentia vontade de engolir ele inteiro. Queria abrir o botão da calça dele, enfiar a mão lá dentro e sentir Jaehyun pulsando quente sob o toque dele, sentir a vontade se misturando com o desespero na voz dele.

"Sim", Jaehyun disse quando os dois separaram os lábios, ainda balançando os quadris com o ritmo da mão de Jungkook. "Vamos subir."

Era mais fácil falar do que fazer. Na hora que Jaehyun saiu do carro e do colo dele, Jungkook se arrependeu de sequer ter dito algo. A caminhada até o elevador do estacionamento foi apressada e desconfortável, e Jungkook não se orgulha da forma que ele apertou o botão do andar em que os dormitórios ficavam, cheio de pressa e impaciência. Os dois ficaram em pé de cada lado do elevador, respirando forte e se encarando sem mover o corpo. O tom de vermelho das bochechas de Jaehyun combinava com os lábios dele e ele encarava Jungkook como se o desesperado ali fosse ele, como se tivesse sido ele que estivesse esperando por aquele momento há anos.

Talvez ele tenha mesmo, Jungkook pensou, sentindo o calor em seu estômago aumentar. Talvez ele estivesse esperando por esse momento tanto quanto Jungkook. Talvez ele também passava noites em claro, olhando fotos de Jungkook na internet e se perguntando quando ele finalmente ia poder ter ele assim, excitado e morrendo de vontade, apressado pra pular no colo ou na cama dele.

Geralmente Jungkook nem percebia o quanto demorava pra esse elevador parar no andar dele, mas hoje ele estava contando cada segundo com impaciência, desviando o olhar de Jaehyun somente para poder encarar o painel do elevador com raiva, forçando ele a subir mais rápido.

Quando os dois finalmente saíram do elevador, Jungkook agarrou o pulso dele e o arrastou corredor abaixo, abrindo a porta do dormitório com violência e empurrando Jaehyun para dentro. Ele tirou dois segundos para ficar aliviado por não ter ninguém na sala ou na cozinha do dormitório, não estava afim de explicar porque Jaehyun estava ali. Jungkook o puxou até a porta de seu quarto e a trancou atrás dos dois. Nem dois segundos depois da porta estar trancado, Jaehyun já estava grudando seu corpo no dele e o beijando de novo.

"Porra, você é tão bonito", ele murmurou contra os lábios de Jaehyun, tirando o casaco do corpo dele com pressa. "Você não sabe o quanto eu queria isso."

"Eu sei, sim", Jaehyun riu, guiando os dois até a cama. "Eu sempre notei o jeito que você me olhava."

"Deveria ter me beijado antes, então."

Os dois caíram juntos na cama e minutos depois estavam puxando os jeans um do outro de modo atrapalhado, porque nenhum queria parar o beijo.  Jaehyun o virou na cama e Jungkook não pensou duas vezes antes de abrir as pernas pra ele, enrolando seus tornozelos ao redor dos quadris de Jaehyun e o puxando para perto com pressa, gemendo na boca dele quando suas ereções se encontraram, Jungkook totalmente nu enquanto Jaehyun só estava sem camisa e com as calças desabotoadas.

"Eu não tenho muito tempo", Jaehyun murmurou contra os lábios dele. "Diferente de você, eu realmente tenho ensaio amanhã."

Jungkook grunhiu. "Me fode logo, então."

Jaehyun riu, se afastando dele e se ajoelhado entre as pernas dele. "Não, desse jeito não. Eu quero tomar meu tempo com você."

"Foi você mesmo que disse que a gente não vai ter outra oportunidade dessa", Jungkook bufou, extremamente irritado com Jaehyun por estar tão longe dele.

"Não se preocupa, eu vou te dar uma coisa pra você se lembrar de noite", ele disse, abaixando a cueca o suficiente pra deixar a ereção escapar.

Jungkook não teve muito tempo pra encarar, Jaehyun já tinha se abaixado e colando os lábios deles de volta. Jungkook fechou o olhos e gemeu na boca dele quando sentiu Jaehyun quente nele, molhado e perfeito. Ele agarrou os cabelos de Jaehyun com as duas mãos, abrindo mais as pernas e movendo os quadris junto com ele. O ritmo ficando intenso, rápido demais, Jungkook mal tinha tempo para respirar.

"Você é tão lindo", ele sussurrou contra os lábios dele. "O seu sorriso me deixa louco."

"É?", Jaehyun perguntou sem fôlego, uma mão descendo para agarrar a cintura de Jungkook e a outra subindo para puxar os cabelos dele.

"É", Jungkook tremeu quando Jaehyun investiu mais forte, os dois fazendo uma bagunça no abdômen um do outro. "Queria gozar na sua cara."

Ele riu. "Romântico."

Jungkook sorriu e jogou a cabeça para trás quando Jaehyun desceu os lábios de sua boca para a curva de sua garganta.

Eles estavam uma bagunça, puxando os cabelos um do outro, a pele grudando de suor. Jungkook não conseguia se concentrar, não quando Jaehyun começou a sussurrar contra a pele, dizendo como ele ia foder Jungkook da próxima vez, no carro caro dele mesmo. Dizendo como ele ia debruçar Jungkook no banco de trás e foder ele forte o suficiente para fazer Jungkook escrever uma música sobre ele, sobre como a melhor coisa que ele já sentiu foi quando Jaehyun entrou nele pela primeira vez. E deus, Jungkook tremia só de imaginar, imaginar como Jaehyun ia acabar com ele.

Jungkook não demorou muito para gozar depois disso e Jaehyun o seguiu logo em seguida, os dois gemendo na boca um do outro e deixando suas marcas na pele um do outro. Ele estava tremendo nos braços de Jaehyun, os dedos do pé ondulando. Eles mal tinham acabado e Jungkook já queria mais, duvidava que ia realmente ficar satisfeito a menos que Jaehyun realmente fodesse ele.

Depois disso eles operaram quase que no piloto automático, Jungkook indo no banheiro buscar uma toalha para os dois se limparam, colocando uma roupa leve em seguida enquanto Jaehyun arrumava as calças e colocava o resto da roupa de volta. Jungkook o agarrou pra poder beijar ele mais uma vez, só porque ele podia. Jaehyun passou os braços ao redor da cintura dele e era como se os dois tivessem nascido para aquilo, para se encontrar nos braços um do outro, na pele um do outro.

O dormitório ainda estava vazio quando os dois saíram do quarto. Os dois entraram no elevador ainda longe um do outro, Jungkook se perguntava se era porque Jaehyun tinha medo das câmeras de segurança. 

Jaehyun o beijou de novo depois que eles entraram no carro. "Não vai dar pra fazer isso quando a gente chegar na frente da empresa. Lembra o que aconteceu com o Jongin hyung, né?"

Jungkook riu e beijou ele de volta.

O caminho todo foi silencioso, Jaehyun agarrando a mais dele e os dois passando todo o caminho de mãos dadas, acariciando os dedos um do outro. Quando os dois finalmente chegaram na frente da empresa de Jaehyun, Jungkook se sentiu tentado a trancar as portas do carro e arrastar ele de volta para seu quarto.

"Me manda uma mensagem", ele disse quando Jaehyun abriu a porta.

Jaehyun sorriu, cheio de dentes brancos e covinhas. "Pode deixar."

Jungkook voltou para casa com o coração aos pulos.

"Hey", ele disse depois de abrir a porta do dormitório e ver Hoseok sentado no sofá.

"Hey", o mais levantou os olhos do celular para olhá-lo. "Onde você estava?"

Jungkook deu de ombros. "Fui comer com uns amigos."

Hoseok choramingou. "E não trouxe nada pra mim?"

"Desculpa, hyung", ele riu, indo em direção ao quarto. "Da próxima vez eu trago."

Jungkook tomou banho com um sorriso no rosto, satisfeito. Sorriso esse que só aumentou quando ele se jogou na cama só de toalha e pegou o celular, os dedos quase vibrando quando ele viu o nome de Jaehyun na tela.

Jaehyun NCT: e aí?

Eu disse, não disse? Ele sempre conseguia o que queria.


Notas Finais


venham falar comigo no twitter, o user tá no meu perfil

essa foi foi inspirada por dimple do bts e obsessive do chase atlantic


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...