História Obsessive Desire - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias CNCO, Evan Peters, Grant Gustin, Sebastian Vettel
Personagens Evan Peters, Grant Gustin, Joel Pimentel, Sebastian Vettel
Visualizações 31
Palavras 1.485
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoinhas, gostaria de agradecer a todos que estão acompanhando a história, fico muito feliz que estejam gostando.

Esse capítulo é um pouco diferente, ele ficará apenas no Evan, para mostrar um pouco do personagem, assim ele não aparece somente quando for aprontar algo.

Boa leitura!!

Capítulo 7 - Lembranças Obscuras


Fanfic / Fanfiction Obsessive Desire - Capítulo 7 - Lembranças Obscuras

BORNHEIM FRANKFURT (bairro residencial) 10:00 p.m

Pelas ruas quietas do pacato bairro, a figura de um jovem caminhando sozinho era a única que destoava da rua sem movimento algum

Evan estava segurando sua mochila preta por um dos ombros enquanto suas mãos estavam aquecidas dentro dos bolsos frontais do sobretudo.

O jovem mantinha um cínico sorriso no rosto, se ele fechasse os olhos, por um momento, podia relembrar o rosto apavorado de Joel assim que viu o recado deixado por ele.

- Agora quero ver esse bastardo se aproximar da minha Melanie...ele é muito teimoso, mas agora aprendeu a lição. - O loiro ria imerso em seus pensamentos, afinal de contas, ele não iria deixar ninguém se aproximar daquela garota que ele deseja tanto.

Evan adentrou sua casa tentando não fazer barulho, ele tinha medo que seu pai o visse chegando a essa hora e começasse a lhe dar uma surra que segundo o mais velho é um modo de o filho entrar nos eixos.

O jovem nunca teve uma vida fácil, desde pequeno foi tratado com muito rigor pelo seu pai, Phil Peters, se o menino o desobedecesse, certamente levaria alguma surra. Sua mãe, Julie Peters, era a única pessoa que lhe dava carinho e amor, era seu verdadeiro porto seguro.

Evan sempre fora muito inteligente, desde cedo, sempre tirava as melhores notas da sala, no que dizia a raciocínio, não tinha ninguém que o batia, se esforçava muito para poder agradar o pai e fugir dos constantes tapas, com isso, acabou atraindo maus olhares de alguns alunos da escola onde estudava, tais alunos começaram a praticar bullying contra o menino e mais uma vez ele levava surras e chingamentos, agressões constantes, tanto físicas quanto emocionais, que acumularam no jovem uma gama de sentimentos ruins.

O rapaz cresceu amargurado, pensando que nunca haveria alguém, além de sua mãe, que o tratasse com carinho, que se preocupasse como estava ou que desse importância a sua presença. Foi quando o jovem conheceu Melanie, a garota desde o início o cumprimentava com sorrisos, não o excluía nas aulas e acima de tudo, o defendia de quem o agredisse, ela havia se tornado uma espécie de super heroína para o rapaz, ele finalmente pensou que havia encontrado o que sempre queria, até o fatídico dia em que Grant apareceu em sua frente, mostrando que o coração daquela garota que o encantou já tinha dono, mais uma vez Evan se encontrava mergulhado em seu mundo dolorido, vazio e sozinho.

Mas dessa vez ele não deixaria que o ferissem, ele já estava cansado de tanta tristeza que decidiu que teria Melanie para si, iria um dia ser o dono dos pensamentos da garota, aquele que seu coração pertencia, desde então, falou a si mesmo que ela não amaria mais nenhum outro, além dele, caso ocorresse, o infeliz iria pagar caro por entrar no seu caminho.

...

Evan chegou ao seu quarto e trancou a porta logo em seguida para que aquele homem, que ele nem mais chamava de pai, não conseguisse entrar para acabar com a felicidade que ele havia conquistado aquela noite.

Evan colocou a mochila em cima da escrivaninha e logo despiu-se de suas camisas, ficando apenas de calça. O rapaz se olhou no espelho, tendo vista de todas as marcas vermelhas e roxas em seu corpo, algumas mais antigas já quase completando a cicatrização, outras recentes e abertas; marcas  de tapas, socos, correadas, feridas que marcaram o rapaz profundamente e que mesmo se sumissem de seu corpo, jamais iriam deixar de atormentar os pensamentos do Jovem.

De repente, uma pancada forte na porta do seu quarto faz Evan se assustar.

- Você está aí seu imprestável? Abre essa porta agora que eu vou te dar lição por chegar tarde em casa. - A última voz que Evan queria ouvir estava aos berros do outro lado da porta.

- VAI EMBORA SEU MONSTRO, EU NÃO TE DEVO SATISFAÇÃO DA MINHA VIDA. - Evan gritou com a voz trêmula, seu corpo todo estremeceu só de pensar que aquele homem poderia entrar e tortura lo mais uma vez. 

- Você estava atrás daquela pentelha de novo, não é? Aquela garota só te faz mal....te fez ficar louco......Você pensa que ela te ama é? Pensa que ela gosta de um ser tão deplorável como você? Eu só consigo ter pena de você....vai ver, ela vai te repulsar, como todos os outros. - Phil abaixou o tom de voz, tornando-o mais frio, fazendo Evan se encolher em sua cama aos soluços.

Ele não queria acreditar no que aquele homem dizia, não....Melanie o amava, ela seria diferente.

- EU JÁ TE DISSE PARA IR EMBORA, EU NÃO QUERO VER ESSA SUA CARA, PARA DE ME ATORMENTAR. - Evan acabou pegando o copo que estava em cima do criado mudo e atirou com muita força em direção à porta.

O objeto estilhaçou ao primeiro contato com a madeira, assustando Phil que estava do outro lado; ele recuou um pouco, mas manteve a pose de duro para continuar intimidando o filho

- Escuta aqui....hoje você se livrou....mas amanhã me aguarde, eu vou te pegar seu filho da mãe....e vou te bater tanto....que você irá virar do avesso.

Evan continuou ali encolhido na sua cama chorando muito enquanto escutava os passos do mais velho se afastando. Phil era o único que com poucas palavras conseguia fazer o jovem mergulhar em seus maiores medos.

O jovem começou a bater freneticamente a cabeça na cabeceira da cama enquanto alguns flashbacks vinham em sua mente.

~FLASHBACK ON~ 

Enquanto Grant se despedia de Melanie, não percebiam que eram observar a por um par de olhos castanhos sombrios.

Evan estava no carro que ganhou de sua mãe, esperava pacientemente aquele encontro clichê acabar para logo entrar em ação....assim que Melanie entrou em casa e Grant seguia pela rua, Evan pegou sua touca ninja e colocou cobrindo totalmente seu rosto, deixando somente os olhos a vista.

O loiro acelerou seu carro e aproveitou enquanto Grant passava em frente a um terreno baldio - sem câmeras - e jogou o carro em cima do rapaz, mas sem muita força, não queria matá-lo naquela hora...queria fazer ele sofrer ainda.

Evan desceu do carro, pegando o corpo desacordado de Grant e o colocou nos bancos de trás.

- Agora, senhor Gustin, irá sofrer tudo o que me fez sofrer esses dois anos sem o amor da Melanie. - Evan falava com aquele sorriso sombrio no rosto ainda olhando para o rapaz que tinha um pequena corte na cabeça, o qual jorrava um pouco de sangue.

~FLASHBACK OFF~

- Para....para...por favor. - Evan já se contorcia em sua cama, todas as vezes que seu pai lhe dizia coisas horríveis, acabava tendo essas crises.

~FLASHBACK ON~

O cemitério estava vazio, praticamente todas as pessoas tinham ido embora, apenas dois jovens permaneciam ali...Melanie estava deitada encolhida abraçando os joelhos enquanto chorava copiosamente....Evan observava aquela cena de longe, seu coração estava partido por ver a garota dos seus sonhos tao triste e frágil daquele jeito....mas no fundo ele estava feliz por seu plano ter dado certo....agora ele teria Melanie para ele somente.

Evan se aproximou com cuidado, segurava em sua mão apenas uma rosa branca, chegando perto de Melanie, se ajoelhou ao seu lado.

Seu corpo tremia por tanta proximidade, num impulso, levou uma de suas mãos às madeixas da garota que se levantou assustada.

- Ah, Peters... é você. - Melanie disse com uma feição confusa.

- Sim sou eu.... - Evan tentou dar um sorriso, o rapaz não sabia o que fazer, eram tantos pensamentos confusos que ele não conseguia raciocinar, depois de um tempo estático ali, estendeu a rosa à garota, que meio sem jeito a segurou. - Comprei para você...eu sei que a hora não é boa. - Tentava buscar palavras que uma pessoa normal diria naquele momento. - Mas quero que saiba que se precisar de mim...estou aqui. - Evan tentou acariciar a bochecha da garota, mas Melanie se afastou de repente.

- O... obrigada Peters. Você é um bom amigo.....mas eu preciso ficar sozinha. - Melanie disse se levantando rapidamente e saindo de perto daquele rapaz, no fundo, ele lhe dava arrepios.

A garota não percebeu, mas deixou para trás um rapaz completamente destruido. "Amigo" aquela palavra não saía da cabeça de Evan, será que mesmo depois da loucura que fez não teria o amor de quem tanto queria? Ele não iria aceitar. Evan se levantou com raiva olhando para o túmulo de Grant.

- Será que nem depois de morto você não sai do coração dela? O que ela viu em você que não viu em mim?

~FLASHBACK OFF~

"Ela nunca vai te amar"

- Não não não não, ela vai me amar sim, ela é minha....só minha e não deixarei ninguém tira lá de mim. - Evan dizia em meio a soluços, todo seu medo, todo aquele vazio...seu pesadelo havia voltado.


Notas Finais


Obrigada por lerem!!

Gostaria de saber o que acharam


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...