1. Spirit Fanfics >
  2. Ocean Eyes >
  3. Vulnerable

História Ocean Eyes - Capítulo 22


Escrita por:


Notas do Autor


Só por ter demorado, espero que goste.

Um aviso rápido, PRESTEM ATENÇÃO!!! LEIA!!!
A parte sublinhada é porque estão falando no idioma da terra natal.
Ou seja, o de hoje é Japonês.

Boa leitura.

XOXO: Roh

Capítulo 22 - Vulnerable


Fanfic / Fanfiction Ocean Eyes - Capítulo 22 - Vulnerable

Você tem andado com as crianças não amadas, que você nunca realmente gostou e nunca confiou, mas você é tão magnético, você atrai toda atenção. Nunca se comprometendo com nada, você não atende o telefone quando ele toca, toca, toca. Não seja tão patético, apenas se abra. Eu sou vulnerável, eu sou vulnerável. Eu não sou um robô. Você é adorável, tão adorável, mas você está apenas conturbado.

(..................................................................)

Sasuke sempre se metendo em confusão, quando não estava no quarto de eletrochoques, estava no dele dopado e amarrado para não agredir os enfermeiros. Foi assim durante dias após dias. Até finalmente se comportar e passar a entender que ou era do jeito deles, ou as coisas ficavam tensas para o Uchiha.

As dosagens foram diminuindo, não estava mais preso na cama.

Mas houve uma noite.

Aĺ noite estava chegando, a hora de dormir São às 20:00 horas, sem TV, sem sair do quarto, sem pedidos. Sasuke deitou em sua cama após ter escovado seus dentes. Lembrou da janta meio amarga essa noite, pensara está apenas com algum tipo de gripe. Tomou um copo de água e foi deitar. Estranhou estar tão pesadamente sonolento, estranhou também o mal-estar. Inquieto, levantou da cama, mas suas penas falharam no primeiro passo que deu.

Oh Uchiha Sasuke, conhece as regras, hora de dormir. – O homem de branco. Sasuke levantou a cabeça, vendo ao lado dele uma mulher. – Está se sentindo mal? Precisa de ajuda? – O ajudou a levantar. Sasuke estava tão tonto, que o homem o pegou nos braços e o deitou na cama. – O que houve com ele?

Deve ser os remédios. – Disse a mulher. O homem pediu o tablet dela, olhando algo na tela.

O que? Remédio? Não diminuíram a dosagem por bom comportamento? – Ela deu de ombros.

Não conhece o setor de trocas? Devem ter confundido. É apenas sono, ele vai ficar bom logo pela manhã. Quando trocarmos novamente de turno, seu paciente estará bem acordado. – Ela sorriu. Foi o que Sasuke viu, até fechar os olhos.

Cuide bem dele.

Oh! Seu favorito. – Disse a mulher.

Claro que não, Ayumi, eu gosto de todos igualmente. São crianças perdidas tentando achar o caminho de volta... – Sasuke não conseguiu ouvir o resto. Seu estômago revira, ele jurou que iria vomitar, mas isso não aconteceu por está fraco até para isso. – Até amanhã Sasuke, prometo traficar aqueles tomates frescos para você. – Sussurrou brincalhão para Sasuke. O Uchiha não viu, mas sabia que ele havia ido embora. Ouviu o trinco da porta, porém não estava sozinho. O cheiro do perfume doce da mulher ainda permeia as narinas do Moreno. Ele sentiu os dedos gelados em seu rosto, tentou desviar o toque mas não conseguiu.

Você é o paciente mas lindo daqui, sabia? – A pouca força que teve de abrir os olhos por alguns segundos, Sasuke usou em fazer. Viu um sorriso na mulher de aparentemente mais de 30 anos. Típico olhos puxados como toda japonesa. – Você vai ficar quietinho? Como um bom menino? – Sasuke desceu o olhar para baixo, vendo a mulher levar a mão direita para dentro da saia dela.

O...Que... – Ele tentou formar uma frase. A mulher fechou os olhos enquanto se tocava. A mão que estava na bochecha de Sasuke foi descendo, alisando o abdômen dele por dentro da camisa branca. – Nã-não... – Ele pediu.

Sua voz é tão sexy.

Por favor...

Aah! Que sotaque excitante! – Ela revira os olhos. Quando sua mão fria entrou na calça de Sasuke, apertando seu pênis, ele fechou os olhos. Já que não tem forças para se defender, ao menos iria se poupar da visão da mulher tendo um orgasmo enquanto abusa dele. E ela teve. Ele soube, quando ela suspirou entrecortado.

Achou que finalmente ela iria embora, mas seu pau começou a ser massageado. Depois ela subiu na cama, o beijando loucamente, mesmo ele não se mexendo.

As lágrimas de Sasuke foram tão geladas quanto as mãos da enfermeira fria.

Ele apagou e só acordou no dia seguinte. Hiroshi, o enfermeiro "traficante de tomates frescos", quem acordou Sasuke. O Uchiha já sentou assustado na cama.

Calma! Calma! Calma! Sasuke! – Ele pediu. Sasuke olhou para o lado vendo a mulher ali. – O que foi? – A mulher sorriu de lado olhando nos olhos do Uchiha, mas seu sorriso se desfez quando Hiroshi a olhou.

Ele estava bem estranho pela noite também. – O peito de Sasuke subia e descia pela respiração ofegante de puro ódio. Não demorou muito para ele pular no pescoço dela.

UCHIHA SASUKE?!!! – Gritou Hiroshi, puxando Sasuke para cima.

– SUA PUTA DESGRAÇADA!!! – Sasuke usou toda sua força retomada. A mulher com os lábios quase roxo. Hiroshi não teve força suficiente para tirar, então não teve escolha. Sasuke sentiu a agulha em seu braço em dois lugares, mas só soltou a mulher quando os outros enfermeiros entraram no quarto. Na porta do quarto outros pacientes gritavam, achando ótimo o ataque de fúria de Sasuke.

O que está acontecendo aqui?! – Perguntou outro enfermeiro, enquanto ajudava a mulher caída no chão.

Ele estava bem ontem, eu juro, eu não sei qual o motivo dele ter esse surto...

A PUTA ME TOCOU ONTEM!!! – Sasuke gritou se debatendo, tentando se livrar dos homens que o jogou na cama. Ele ainda se movia, mas quanto mais força, mais fraco ficava. Seu corpo fraco de novo. – Não, não vou deixar... Ela não pode me tocar de novo. Essa suja do caralho não vai me tocar de novo! – Ele falou em outro idioma. Os enfermeiros se entreolham sem entender. Sasuke levou as mãos ao rosto e passou a se arranhar. Ardia feito fogo, mas ele não se importava. Achou até que poderia ter feito mais, se não fosse os enfermeiros o segurando. Uma camisa de força foi trazido por mais uma pessoa.

Tem algo de errado, ele estava ótimo ontem, eu garanto. Não precisa dessa camisa...

Escuta, estagiário, se não pode ser severo com os pacientes, não deveria nem tentar esse emprego. – Falou o enfermeiro. Hiroshi viu Sasuke ser amarrado novamente. – Leva ele para a solitária. Depois da visita marcada para hoje ele vai para o quarto de eletrochoques. Vou marcar duas sessões.

Isso não está certo.

São as regras, Hiroshi. Se não cumpridas, está fora!

Naquele dia, por causa das agulhas que levou logo pela manhã, Sasuke parecia um zumbi, não falava, não se mexia direito. Foi ver Itachi, viu seu irmão implorar para que ele fosse mais cuidado, perguntou sobre os arranhões no rosto. O escândalo que seria se soubessem da verdade seria tão grande quanto o de não saber o que dizer, então inventaram qualquer coisa. De fato fizeram isso.

Quando voltou para solitária, não ficou ali o dia todo, voltou para seu quarto. Lá ele tentou dormir, mas agora mais atento.

Sempre que alguém o acordava pela manhã com um toque bom ombro, Sasuke assustava qualquer enfermeira, apertando o pulso e em um só golpe derrubando a pessoa na cama, ficando por cima, prendendo os pulsos acima da cabeça, pronto para pegar na garganta da pessoa. Foi isso com as duas enfermeiras senhoras, uma jovem que estava estagiando, e até com o próprio Hiroshi. Então Hiroshi teve a idéia de acordar Sasuke com um sino. Toda manhã, ele balançava o sino logo na porta, acordando o Uchiha mais pacificamente.

(...)

Sasuke achou que estaria de volta à aquele lugar. Sentiu uma mão em seu ombro, o chamando, ele se defendeu do mesmo modo. Naruto foi jogado contra a cama, com os pulsos acima da cabeça. O loiro de olhos azuis olhou assustado para Sasuke. O Moreno revira os olhos, soltando o outro.

Eu estava dormindo, por que tentou me acordar, droga? – Saiu de cima de Naruto.

– Você... – Naruto se ajeitou sentando na cama. – Estava falando enquanto dormia. Eu tentei te acordar do pesadelo. – Sasuke olhou para as próprias mãos. Se sentindo envergonhado, preferiu não encarar os olhos do Uzumaki. – Quem era a "puta" que você gritou?

– Eu gritei também? – Perguntou agora o olhando. Depois se arrependeu desviando o olhar. – Que merda. Esquece isso, desculpa te acordar, vamos voltar a dormir. – Ele voltou a deitar. Naruto fez o mesmo.

Sasuke não está acostumado a se abrir com as pessoas, como também não está acostumado com o calor. Ele saiu das cobertas, achando que o calor iria passar, mas continuou. Então tirou a camisa, depois a calça. De tanto balançar a cama fazendo isso, Naruto virou -se para olhar o motivo da inquietação. Cobriu o rosto com as duas mãos, assim que viu Sasuke só de cueca preta. Foi tirando as mãos aos poucos, ficou de joelhos na cama, praticamente babando o corpo do Uchiha de cima abaixo. Até o volume na cueca.

– Eu sei que está me olhando. – Disse Sasuke, mesmo ainda de olhos fechados, Naruto voltou a deitar. – Está quente aqui.

Para Naruto não estava antes, mas agora sente como se debaixo da cama houvesse um inferno, de tão quente que estava. Ele levanta da cama irritado, pegando o controle do ar-condicionado, deixou nos 17, como Sasuke havia deixado até Naruto desligar. Voltou para cama, correndo para debaixo das cobertas. Agora acreditando que iria dormir, quando sua cabeça o corroeu de perguntas. Uzumaki virou para o lado, Sasuke coberto até o pescoço, de costas para ele.

– Sasuke? – Ele sussurrou o chamando. Sasuke virou o olhando. – O que aconteceu lá na clínica, que você voltou furioso por ter ido parar lá. Foi muito ruim, não foi? – Falava baixinho. Sasuke ficou calado por alguns longos segundos, até suspirar e tomar coragem para falar.

– Sim. – Naruto fez linhas imaginárias no travesseiro evitando contato visual.

– Do tipo... Choques e torturas. – Sasuke sorriu pequeno.

– Ei? – Naruto o olhou, parando com as mãos. – Não vamos falar disso, pode ser? – Naruto balançou a cabeça. – Obrigado. – Deu as costas. Mas não demorou para Naruto deixar suas lágrimas caírem silenciosamente.

– Me perdoa. – Ele falou ainda em baixo tom.

Sasuke ficou calado, as lembranças invadiram sua cabeça. Ele não se virou de volta para dizer que o perdoa, pois ainda doía lembrar, e deixar lágrimas caírem é uma fraqueza. Não iria permitir que Naruto o visse fraco.

Mas Naruto passou o braço por cima do homem a sua frente, o abraçando. Sasuke encolheu, se encolheu como se fosse uma flor murchando. Ele se virou deitando a cabeça no peito de Naruto e o abraçando pela cintura. Naruto afagou os dedos nos fios negros de Sasuke, que chora silenciosamente no colo de Naruto.

Foi assim, sem falar, somente lágrimas em choro silencioso, durante poucas horas, até pegarem no sono.

(...)

Itachi levantou da cama quase em um pulo. Pegou o celular, ligou para Izumi, a mulher atendeu com a voz sonolenta, ele já foi se desculpando, mas Izumi só queria voltar a dormir, então não se importou muito.

Depois de tomar banho e vestir a mesma roupa, desceu para pagar a hospedagem. Passou em um supermercado perto do local, comprou alguns produtos de higiene pessoal e alguns lanches para viagem. Pediu para levarem café da manhã no quarto em que Sasuke e Naruto estão. Estava fazendo alguns trabalhos através do celular, quando viu a camareira com um carrinho de coisas.

– Isso é para o quarto 23? – A mulher balançou a cabeça. – Fui eu quem pediu. Pode deixar que eu levo. Um mal-humorado hospeda nele. – Ele tomou o carrinho. A mulher deu de bom agrado.

Itachi empurrava a pequena mesa de rodas, enquanto mexe no celular. Parou em frente ao quarto, pegou o cartão e passou no acesso da porta. Entrou no quarto, se deparando com Sasuke abraçado ao Naruto, e por incrível que pareça, vestido. Então, provavelmente, não teve sexo.

Itachi tirou uma foto dos dois com o celular, mas o aparelho fez barulho, acordando Sasuke. O Uchiha coçou os olhos, se afastando do Naruto.

– Que merda faz aqui, Itachi? – Itachi riu do irmão já começar com as lamúrias.

– Tão fofinho os pombinhos. – Disse olhando para a tela do celular. Sasuke pulou da cama, indo para cima do irmão, tentando lhe tomar o celular.

– Apaga, Itachi! Apaga essa porra agora mesmo! – Itachi riu alto, desviando do irmão. Naruto acordou em seguida com a movimentação.

– Não, Sasuke, o que custa? Vai tomar teu café. – Jogou a sacola do supermercado na cama. – Aí tem tudo o que precisa. Eu vou voltar para o meu quarto. – Ele saiu antes que Sasuke reclame de algo.

– O que está acontecendo, hein? – Logo pouquinho bocejou Naruto. Sasuke negou com a cabeça.

– Nada, só o idiota do meu irmão. Enfim... – Naruto pegou a sacola, remexendo nas coisas. – Você me viu vestir a roupa? – O loiro deu risada. 

– Não, fui eu mesmo quem te vestiu. Você dormiu, e aí estava tipo... Muito frio.

– Uau, e eu não acordei?

– Reclamou, mas não, não acordou. – Levantou indo até a mesa de rodinha. – Comida mexicana, oba! – Ele puxou o carrinho até a cama. – Vamos comer. Mal vejo a hora de voltar para casa. – Disse animado.

Sasuke pode imaginar, que quando voltar, provavelmente estará bem com Naruto, mas não do jeito que gostaria estar. Sentou ao lado de Naruto e o acompanhou no café da manhã. Pode perceber o quão seu amigo não mudou, continua o mesmo idiota de sua infância, rindo de qualquer coisa, animado com qualquer coisa. Não parava de se mexer, pulando na cama, quase derrubando a comida, Sasuke passou bronca nele algumas vezes, mas ao mesmo tempo achando engraçado.

Depois do café da manhã, Naruto foi o primeiro a entrar no banheiro, depois saiu para vestir a mesma roupa da noite anterior. Quando já estava vestido, tentou se distrair com algo no quarto, até ver a jaqueta de Sasuke. Ele olhou para a porta da suíte, escutando o chuveiro. Correu até o casaco, enfiou a mão nos bolsos até achar um celular. Seu celular foi confiscado por Gaara. Para sua sorte, Sasuke deixou o celular dele desbloqueado, Naruto só deslizou para o lado. Nada de mais nas redes sociais de Sasuke, ele segue coisas relacionadas a moto, legumes e até mesmo sobre notícias criminais. Naruto já estava morrendo de tédio, quando teve a ideia de ver o histórico de Sasuke. Ele ficou surpreso com as pesquisas de Sasuke "Sou gay?", "Como saber se sou gay", "Gosto de homem?". Ele quase caiu quando ouviu o trinco da porta do banheiro. Enfiou o celular de volta no bolso da jaqueta e correu para cama. Sentou lá como se nada tivesse acontecido.

Sasuke foi em direção a sua roupa, enquanto era observado por Naruto. O Uchiha tirou a toalha da cintura para enxugar os cabelos, Naruto esbugalhou os olhos vendo Sasuke não ter vergonha alguma.

– O que foi? Você já me viu antes. – Naruto cruzou os braços.

– É diferente agora. – Sasuke vestiu a cueca.

– Sim. Antes eu estava te fudendo. – As bochechas dourada ganhou um tom rosa.

– Gostaria que não me lembrasse desse dia. – Sasuke vestiu a calça, depois a camisa.

– Tudo certo. – Ele foi até a jaqueta, pegou seu celular. – Vamos? – Naruto sorriu nervoso.

– Sim! Claro.

(...)

Minato acordou logo cedo para checar seu celular, está cada vez mais preocupado, Itachi não lhe deu nenhuma notícia, não disse mais nada além de que já havia saído de casa para buscar Naruto.

Achou que havia acordado cedo demais, mas lá estava Kushina, em pé, perto da Janela, olhando para baixo, como se estivesse esperando por Naruto. Minato foi até sua mulher, a abraçando por trás, lhe dando um beijo na bochecha.

– Eu estou com medo de que alguma coisa tenha acontecido, sabe? – Ela disse com a mão no peito. Tão pensativa, que Minato quase acredita que ela não falou para ele.

– Eu preciso ir trabalhar, você vai ficar bem sozinha? – Minato disse, sem querer prolongar aquele assunto. Kushina virou para o marido, o dando um selinho.

– Não. Por isso que eu prefiro ir para o apartamento dele, vou arrumar o quarto dele, mexer nas coisinhas dele... – Ela diz com a voz chorosa. Minato abraçou Kushina. – Ai Minato, me promete que nosso filho vai estar bem quando voltar. – e mais lágrimas de Kushina. Minato já não sabe o que fazer para a mulher não perder o controle.

– Ele está bem, Kushina, eu juro que está. Logo, logo, você vai voltar a encher o saco dele. – Ele brincou. Kushina apertou mais o abraço. – Não precisa chorar, meu amor, eu te garanto que Naruto está bem e que vai voltar logo em breve.

Talvez seja porque Kushina não conheça Gaara como Minato conhece, ou porque ela tem medo de qualquer um que ameace a saúde mental de Naruto. Sofreu dias tenebrosos com o seu pequeno, após a partida de Sasuke. Ou pior dizer, noites tenebrosas. Os gritos de Naruto, implorando pelo bem do amigo, de verdade achou que estaria fazendo o certo o empurrando nos braços do Uchiha, já que Naruto praticamente deixava estampado na testa que ainda gosta de Sasuke. Ficou decepcionada e ainda se sentiu culpada quando soube o que aconteceu. Não sabia exatamente o que dizer quando desse de cara com Sasuke, mas não iria poupar o sermão.

(...)

Itachi primeiro levou Naruto para sua casa, precisava ver Izumi e também conversar com Minato via chamada de vídeo. Naruto depois de duas horas de ter comido já se queixou de fome, e a casa de Itachi já era o caminho mais próximo.

Chegando lá, Izumi estava de robe, atacando a geladeira, ele a abraçou, enchendo de beijos.

– Que bom que chegou cedo. – Ela passou os braços por cima dos ombros de Itachi.

– Desculpa a demora. Algum problema eu trazer visitas? – Izumi nega com a cabeça.

– Não. Preciso de mais alguém para conversar.

– Que bom. – Ele a deu um selinho, segurou na mão da noiva e a levou até a sala. Naruto já estava sentado no sofá, enquanto Sasuke na poltrona. Izumi olhou para o cunhado, deu um passo para trás não gostando da presença dele ali. – Izumi?

– Ah! – Ela sorriu sem jeito. – Naruto, não é? – Naruto balançou a cabeça. – Fique a vontade. Se não se importa, eu vou para o meu quarto, estou sem disposição e um pouco cansada. – Passou a mão na barriga.

– Ah... Eu posso alisar sua barriga antes de ir? – Sasuke olhou estranho para Naruto. Mas Izumi pareceu não se importar. Ele levantou indo até ela, acaricia de cima para baixo. – É menino ou menina?

– Espero que seja menino. Mas não sabemos ainda. – Naruto sorriu, até com os olhos. – Se ele for como você, seria uma honra. Você emana luz. – Os olhos de Naruto brilharam.

– Você não iria querer, estou dizendo. – Disse Itachi. – Naruto foi uma criança agitada, ele tocava o terror no meu quarto, quando tinha mais ou menos uns 10 anos.

– É tudo mentira, Izumi. Eu sou legal, eu juro que sou. Eu fui uma criança quieta, inteligente, tímida, eu mal falava com as pessoas. – Se defendeu. Itachi riu da descrição distorcida de Naruto.

– Esse foi o Sasuke.

– Eu fui normal. – Prontificou o Uchiha mais novo.

– Não foi não. Ele sempre foi antisocial, eu quem fazia as amizades para ele. – Naruto ainda passava a mão na barriga de Izumi, e quem estava começando a ficar incomodado com isso foi Sasuke, que ficou de pé impaciente com a espera.

– Naruto, vai comer logo para podermos ir embora. Não aguento mais ficar aqui. Quero ir para casa. – Naruto estreitou os olhos, achando tenso demais o clima entre Sasuke e Izumi. Tanto que a mulher sorriu sem jeito. Pôs uma mecha do cabelo atrás da orelha e acariciou o ombro de Naruto. Sem dizer mais nada ela saiu da sala, subiu a escada, deixando Naruto sem entender o clima pesado.

– Vou falar com ela, você pode ir na cozinha, fique a vontade. – O loiro sorriu grato, mas ainda sim não entendeu a retirada de Izumi.

Foi para cozinha, acompanhado de Sasuke. Queria perguntar o que aconteceu, porém não se sentia com tanta intimidade assim para se intrometer em assuntos da família alheia, então escolheu ficar de bico calado e só abrir para comer.

Era evidente que tinha algo acontecendo, ele não parava de checar a hora no celular. Isso só deixava Naruto cada vez mais curioso. Mas depois que terminou de comer, voltou para sala. Itachi minutos depois apareceu com Izumi ao seu lado, ela parecia melhor aos olhos de Naruto. Se despediram e então finalmente, para Sasuke, foram embora.

Durante o caminho, Itachi disse que Sasuke iria seguir outro caminho e ir para casa. Conforme o clima tenso que percorreu o ambiente entre Sasuke e Izumi, Naruto ficou tão incomodado que não teve nem tempo de se despedir de Sasuke, e ao saber que ele foi para casa dele, até olhou para trás por impulso, para checar se ele não estaria ali. Depois se virou de volta decepcionado consigo mesmo, por não ter agradecido e se despedido dele.

– Ansioso? – Perguntou Itachi depois de um grande silêncio de Naruto.

– Sim. Claro. Meus avós ainda estão aqui? – olhou para Itachi.

– Estão. Sua avó é... – Ele não soube como continuar, esperando pela palavra de Naruto.

– Bem brava? – Deu de ombros rindo. – Eu imagino que ela tenha botado pressão em você. – Olhou para atrás novamente. Depois para frente. – Mas ela é legal depois que convive um pouco mais. Diferente da minha mãe, se ela te odeia de início, não tem volta. – Voltou a olhar para trás. Itachi percebendo a inquietação de Naruto, resolveu acalmar o Uzumaki amarelo.

– Escuta, Sasuke iria gostar de receber visitas suas. Sei lá, quando quiser, para jogar um vídeo game, ou ver hentai, não sei. – Naruto negou com a cabeça, focando em olhar para frente agora, para não dar essa bandeira de novo. De que está procurando por Sasuke.

– Não. Agradeço a ele por ter se preocupado, mas... Melhor não. E também não temos mais idade nem tempo para jogar vídeo game... Nem para ver hentai, nunca vimos isso. – Itachi deu risada.

– Tudo bem. Só... – Pensou no que dizer. – Queria que voltassem a ser como era antes. – Naruto jogou a cabeça para trás. – De qualquer forma, sei que a porta dele estará sempre aberta caso queira entrar. – O loiro sorriu pequeno, mas grato. – Bom! Vamos mudar de assunto.

– Sim! – Naruto se animou. – Por que meu ex professor de artes, do ensino médio, foi para sua casa bêbado? – Itachi esbugalhou os olhos.

– O Deidara? A-Ah... Bem... Isso é uma longa história. – Naruto se ajeitou no banco, pronto para escutar tudo.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.
Obrigada por ler.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...