História Ocean Whistle - Capítulo 5


Escrita por: e exosmol

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Sehun, Suho
Tags Arromanticidade, Assexualidade, Baekyeol, Chanbaek, Colegial, Demissexualidade, Exo, Kadi, Kaisoo, Longfic, Lovexhate, Menção De Seho, Slowburn, Sookai, Transtorno De Ansiedade
Visualizações 2.364
Palavras 6.770
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E AÍ, NAVEGANTES DO VENETIA LILY!!! Essa semana passou voando, não acham? Ou só a gente que ta achando isso? KKKKKKKKK

Primeiramente gostaríamos de agradecer pelos comentários, mensagens e meu Deus, 100 favoritos!!!!!!! AAAAAA vocês tem noção do quanto a gente gritou por conta disso? KKKKKK Muito obrigado mesmo, gente. Todo o amor que essa fanfic está recebendo nos faz ficar com o coração explodindo, sério. Vocês são uns amores!!!!

100 FAVORITOS AAAA

Tudo bem, parai KKKK no capítulo de hoje iremos novamente explorar o enorme navio com o nosso gigante favorito, o próprio Chanyeol. Espero que vocês gostem de voltar para o garoto que começou toda essa fanfic, sentiram falta do nosso meninozinho soft?

Enfim, a fase de apresentações individuais acabou. Então espero que vocês gostem do rumo que a fanfic vai começar a tomar a partir de agora, e continuem nos mandando mensagens e comentários, sério, nos amamos cada um deles. Significa muito para a gente.

OKAY, agora chega KKKK

Sem mais delongas, podem aproveitar um novo capítulo de Ocean Whistle. Boa leitura e até as notas finais <3

Capítulo 5 - 5. The Lost Boy


Fanfic / Fanfiction Ocean Whistle - Capítulo 5 - 5. The Lost Boy

Música do capítulo - TDA

 

 

 》Park Chanyeol《

 

Você falou que ia nos ligar assim que chegasse no navio, Chanyeol! — falou a senhora que estranhamente estava com flores em sua cabeça. Bom, estranhamente para aqueles de fora, para o moreno aquilo era apenas um dia normal na casa dos Park. Sua mãe, Soyeon, amava usar coroa de flores e cantar pela casa, ela dizia que fazia sua aura ficar limpa.

Chanyeol sempre amou aquilo.

As pessoas sempre estranhavam a excentricidade de sua mãe, mas o menino sempre achou incrível, e ainda mais incrível como seu pai, uma das pessoas menos excêntricas do mundo, acabou se apaixonando pela mulher, e como ele sempre fazia questão de demonstrar seu amor por aquele lado de sua esposa.

Tão romântico, não era mesmo?

— Me desculpa, mãe! — o garoto falou rapidamente para a tela do seu computador, fazendo reverências. Ligação no Skype com sua família sempre causava algumas confusões já que seus pais não eram lá muito chegados a tecnologia. — Eu estava arrumando minhas malas, então acabei demorando.

Mamãe só está um pouco triste, Channie! — falou Yoora, naquele momento aparecendo na pequena telinha junto de sua mãe. — Já está sentindo saudades, e o navio nem partiu ainda. — a garota mais velha riu e levou um leve tapa de sua mãe como resposta.

O garoto segurou a risada para não acabar a irritando também.

— Eu também já estou sentindo saudades. — falou — Mas eu só liguei agora para mostrar que estou bem, porque já preciso sair para a tour de boas vindas.

A sua mãe ofegou dramaticamente. — Mas já? Você acabou de ligar, Chanyeol!

— Eu sei, sinto muito, mãe! — falou, e fez uma expressão que Yoora tinha que entender que era um pedido de ajuda, pois era algo muito comum entre os irmãos.

E como se ela tivesse lido sua mente, Yoora disse: — Mãe, o Channie precisa ir para a tour, ou vai acabar se perdendo no navio. Você não quer que isso aconteça, não é?

A mãe olhou para a filha, sua expressão era completamente óbvia, estava chateada, pois sabia que a menina estava certa. Então a mais velha olhou para seu filho e suspirou em derrota.

Tudo bem, pode ir. — falou finalmente. — Mas me ligue assim que voltar!

Chanyeol riu carinhosamente.

— Pode deixar, mãe! — sentiu uma pontada de dor ao ver a expressão no rosto da mulher, ele também estava sentindo o mesmo que ela. Odiava estar distante. — Eu amo muito vocês!

Também te amamos, maninho! — falou Yoora, acenando para a câmera e mandando um beijo.

Não demore muito! — foi tudo que sua mãe falou, fazendo Chanyeol rir mais uma vez.

O garoto então encerrou a ligação no Skype e deitou-se mais uma vez em sua cama. Realmente não sabia como iria aguentar tanto tempo sem eles ao seu lado a todo instante.

Durante toda a sua vida, Chanyeol sempre teve somente sua família. Não que fosse excluído ou um “perdedor”, ele simplesmente não sentia necessidade de se aproximar de novas pessoas. As únicas pessoas que realmente se aproximava, além de seus pais, eram somente as crianças e os idosos que ajudava em suas visitas ao hospital de sua pequena cidade.

Suas visitas eram o seus dias favoritos da semana, amava brincar com os pequenos, fazendo-os rir e tirando foto de todos que achava fofo. Ou seja, todos mesmo. E também adorava jogar xadrez, bingo e todos os jogos possíveis com as senhoras do lar de idosos, e fofocar sobre as outras senhoras que não faziam parte do grupinho das que era amigo.

Fazia seu coração explodir de felicidade. Sentia como se tivesse nascido para fazer aquilo de certa forma, e o amor que sentia de todos só o fazia ter certeza daquilo.

Ele sentia falta deles também.

Sabia que iria sentir saudade de tudo aquilo quando aceitou ir para Venetia Lily. Mas eram sacrifícios necessários para poder realizar seu sonho.

Estava se lembrando do motivo para estar naquele lugar constantemente.

— Já chega, Chanyeol. — falou para si mesmo, levantando de sua cama e balançando a cabeça para tirar aqueles pensamentos dali. — Hora de conhecer o seu novo lar temporário. Vamos, vamos.

O garoto foi até o banheiro, ligou a torneira da pia e lavou o seu rosto rapidamente. Não quis se olhar no espelho, tinha certeza que iria encontrar vários defeitos e provavelmente desistiria de sair do quarto, o que ele não podia fazer de jeito nenhum.

Foi até sua mala que ainda estava bagunçada em sua cama. E não, ele não havia mentido para sua mãe sobre estar arrumando, ele realmente estava, só que desistiu no meio do processo e nem passava por sua cabeça começar de novo, pelo menos não naquele instante ou naquele dia. Talvez no dia seguinte… Se realmente precisasse.

Ele vasculhou os bolsos da mala, e pegou o seu celular que havia guardado ali por algum motivo que não lembrava, aquilo acontecia muitas vezes. Haviam duas mensagens não visualizadas, e as duas eram da mesma pessoa: sua mãe.

Mãe <3: Não esqueça de me ligar quando volar.

Mãe <3: Voltar*

O garoto riu ao ver as mensagens e respondeu um rápido “ok, mãe” antes de bloquear a tela do aparelho e guardá-lo no bolso de sua calça. Não precisava de nada mais do que aquilo para ir para a tour, certo?

Foi só depois de se convencer que não precisava de nada mais do que aquilo que Chanyeol finalmente partiu em direção ao plaza, e ainda bem que havia decorado o caminho para retornar ao centro do navio, pois chegando no local percebeu que já havia um aglomerado de alunos, todos parecendo confusos, mas ao mesmo tempo animados.

Chanyeol não podia culpá-los.

— Pessoal, por favor, se organizem por aqui para que eu possa dar o comunicado e começar o tour pelo navio.—  Chanyeol escutou alguém falar, mas não conseguia muito bem identificar quem entre as milhares de pessoas ali. — Por favor, é só fazerem uma fileira aqui, venham para cá vocês, — um certo grupo de pessoas então se moveu para o outro lado. —  e vocês vão para ali. —  com isso o restante dos alunos se moveram, fazendo o que antes parecia ser uma bagunça ficar bem mais organizado e livre.  

E então Chanyeol viu quem estava dando as ordens.

Era um dos garotos populares de mais cedo, o menor entre eles. O garoto lembrava que ele parecia bastante confiante, então não foi surpresa quando viu o crachá de líder do comitê de boas vindas em seu pescoço.

— Pronto, bem melhor não é mesmo?—  ele falou com um sorriso orgulhoso no rosto. Realmente parecia estar feliz por ter resolvido aquele “problema”. — Bom, acho melhor me apresentar. Meu nome é Do Kyungsoo, sou o líder do comitê de boas vindas. — Chanyeol notou como o seu sorriso cresceu ao falar aquelas palavras. —  E estou aqui para fazer a tour de apresentação do navio para vocês. Tenho certeza que todos querem saber mais sobre o Venetia Lily, principalmente considerando que essa vai ser nossa casa por seis meses.

O mais alto concordou com a cabeça, havia pensado a mesma coisa ainda mais cedo.

— E também tenho certeza que alguns de vocês já devem ter pesquisado e lido com antecedência sobre o mapa do navio para não virem despreparados. Eu sei porque eu mesmo fiz isso. — sorriu novamente. — Mas mesmo que tenham feito isso, por favor, sigam a tour, pois muitas coisas mudaram especificamente para adaptar o navio da melhor forma possível aos alunos.

Quase todos os alunos concordaram com a cabeça daquela vez, inclusive o Park.

Contudo, enquanto Chanyeol escutava as palavras do mais baixo que ditava todos os conselhos com firmeza e seriedade, recebendo a compreensão de quase todos os estudantes que ali estavam, outro menino que estava parado ao seu lado com as mãos enfiadas nos bolsos do casaco não cansava de bufar toda vez que tinha a oportunidade, principalmente quando Kyungsoo parecia estar empolgado e conseguia arrancar risadas das pessoas. O Park não sabia quando ele tinha chegado ali, mas naquele momento já era basicamente impossível ignorar sua presença por conta da insatisfação que o menino demonstrava estar sentindo. Também pôde perceber que algumas meninas que se mantinham perto de si estavam na mesma situação que a sua, porém logo percebeu que os motivos delas não eram os mesmos que os seus. Enquanto o mais alto desfocava sua atenção para o menino por conta de seu comportamento um pouco irritante, as outras garotas pareciam estar gostando muito da presença do moreno ali.

Como estavam bem na frente, era possível que Kyungsoo visse tudo o que se passava ali, e não demorou muito para que as reclamações do moreno que estava ao lado de Chanyeol chamassem a sua atenção.

— Com licença, será que há algo que não está te deixando satisfeito? Você está meio que me atrapalhando aqui. — o Do ditou sem rodeios na frente de todos os alunos que logo fizeram questão de virarem seus rostos para quem o presidente dirigia a palavra.

— Uau! Não se pode nem mesmo bufar, senhor presidente? — o outro perguntou sarcástico. — Só acho que você está enrolando demais e ninguém mais aguenta ficar aqui em pé, já basta a caminhada que vamos fazer...

Chanyeol pôde perceber como a expressão de Kyungsoo mudou por um segundo, o mais baixo parecia estar se segurando para não falar nada que o comprometesse.

— Bem, não sei se você tem algum tipo de superpoder que te permite ler mentes, mas até o momento ninguém parece estar cansado ao meu ver, além de você mesmo. — Kyungsoo respondeu certeiro com uma sobrancelha arqueada e arrancando risadas de alguns alunos — Mas tudo bem, um dos objetivos do Venetia Lily é acabar com o sedentarismo, você saberia disso se não ficasse querendo interromper a minha enrolação. — continuou e parecia muito orgulhoso de cada palavra que dizia. — Eu tenho regras a seguir, se você não está de acordo com isso não posso fazer nada.

O garoto apenas revirou os olhos como resposta, mas algo em Chanyeol o fazia sentir como se aquilo ainda não tivesse acabado.

Kyungsoo, o presidente, pareceu ficar bastante satisfeito consigo mesmo devido a falta de resposta do outro e logo voltou à sua pose anterior, como se nunca tivesse sido interrompido.

— Então, continuando, uma das coisas que vocês devem estar se perguntando é: Como vão funcionar as aulas? — ele riu para si mesmo, os alunos pareciam estarem ainda mais atentos ao que o mais baixo falava. Chanyeol mesmo ainda não havia parado para pensar sobre como as aulas iriam funcionar, estava preocupado demais com o todo o resto do navio. Não podia dizer que ficou exatamente feliz de ter lembrado que estava ali para estudar.  — Não existe muita complicação quanto a isso. O Venetia possui um sistema de ensino integral. — alguns alunos reclamaram, e Chanyeol logo se juntou a eles, mesmo que já imaginasse aquilo. Afinal, era uma escola interna. Sob o mar, mas ainda assim interna. — Fiquem tranquilos, esse ensino é bem mais flexível do que as outras escolas.

—  Como assim? —  uma garota pequena de longos cabelos castanhos perguntou, ela estava atrás do garoto que havia interrompido Kyungsoo mais cedo, e parecia estar tentando chamar atenção do mesmo. — Mais flexível de que forma?

— Bom, o horário matutino será composto das aulas obrigatórias. Como por exemplo: matemática, coreano, história, inglês e biologia. — os alunos reclamaram de novo. —  Mas, o horário vespertino será composto de aulas complementares. Ou seja, atividades extracurriculares que vocês participam por vontade própria. Não entendam errado, isso não quer dizer que você escolhe ir ou não, ainda é obrigatório a presença, mas você pode escolher os clubes que quer participar. Como o clube de dança, xadrez ou literatura.

— Me parece chato de todo jeito. — a menina comentou, fazendo alguns alunos caírem da na risada e o garoto de quem tanto tentava chamar a atenção revirar os olhos mais uma vez.

— Enfim, vocês têm uma semana para decidirem quais clubes irão querer participar. Eu irei distribuir o formulário no final da tour, ou vocês podem pegar o mesmo a qualquer momento na secretaria. A lista de clubes disponíveis vai estar na parte de trás do formulário. — pegou um papel de sua pasta e mostrou para os alunos — Fiquem cientes que, caso tenham membros o suficientes do terceiro ou quarto ano, vocês podem fundar o seu próprio clube, basta falar comigo ou qualquer outro integrante do comitê.

Os alunos comemoraram com a informação, e Chanyeol podia imaginar o motivo. Se pudesse, ele mesmo fundaria um clube do cochilo, onde as atividades se resumiriam em dormir e conversar sobre como era bom dormir.

— Bom, vamos começar a tour.—  Kyungsoo falou finalmente, batendo as mãos e sorrindo para os alunos à sua frente. — Por favor, guardem suas dúvidas e perguntas para o final da tour. —  Chanyeol nem precisou olhar para saber que aquilo foi direcionado ao garoto de mais cedo.

Depois daquilo, o grupo começou a seguir o menor que, mesmo sendo baixo, conseguia manter uma aura de superioridade. E de auras Chanyeol entendia, sua mãe ensinou tudo para ele sobre o assunto, sobre como a aura que a pessoa passava era importante. E aquilo sempre ficou em sua cabeça, ele não conseguia evitar em notar.

Passaram por vários corredores, o que estava confundindo a cabeça do moreno. Eram tantos, e todos iguais, não havia nada que ajudasse Chanyeol a diferenciar e lembrar. Ele sabia que se caso se separasse do grupo, não saberia por onde tinha chegado ou para onde o grupo foi. Não estava com nenhum senso de direção, apenas seguia o presidente que não parava de falar fatos curiosos sobre o navio como uma enciclopédia ambulante.

Por mais que Chanyeol estivesse completamente interessado nos meses que passaria na escola marítima, ele realmente não se importava sobre o material que era usado nas paredes e o motivo pelo qual eram tão resistentes. Desde que o navio não afundasse era tudo que precisava saber e estava ótimo.

Então, o Park e todos os outros alunos foram direcionados por Kyungsoo, e os seus ajudantes, para o “corredor da discórdia” ou “corredor das salas de aulas” como o presidente o chamou. Chanyeol ainda preferia o seu apelido próprio. Eles passaram de sala em sala, com o líder do comitê explicando brevemente as matérias que seriam passadas naquelas salas e falando um pouco sobre o professor responsável.

Era um tanto quanto impressionante como a mente do menor era boa, deveria estar estudando tudo sobre aquele programa desde que descobriu que havia passado. Não tinha como ele ter aprendido aquilo em menos de um dia.

A sala de biologia chamou a sua atenção, os materiais que iriam utilizar e toda a grade de assuntos que o Kyungsoo anunciou deixou o moreno bobo. Era quase como um sonho, afinal, biologia era sua matéria favorita. A única que estudava sem reclamar, pelo menos não tanto quanto as outras. A última parada, porém, foi uma sala enorme, possuía espelhos do lado direito, com barras de ferro e colchonetes no chão. Era claro que se tratava de uma sala de dança, mas o moreno sabia que o presidente precisava anunciar aquilo para todos os presentes.

— Então, aqui estamos em um dos ambientes que eu creio que fez os olhos de muitos brilharem, não é mesmo? — o menor recebeu um assentir animado de alguns que ali estavam. — Todos que tiverem a sorte de conseguirem se inscrever nas aulas de dança aproveitarão desse enorme espaço completamente refrigerado em toda a extensão. Vocês terão a oportunidade de acompanharem aulas de ballet, dança de salão, street dance e dança contemporânea aqui por toda a semana.

O Park pôde ouviu alguns burburinhos animados dos alunos, contudo, não continuou tentando escutar o que falavam, pois o mesmo garoto moreno de antes resolveu se pronunciar mais uma vez.

— Pelo que eu saiba, dança contemporânea nunca foi uma opção de dança aqui em Venetia Lily. Eu li sobre as atividades de dança, mesmo que muitos aqui não fizeram questão de perderem seus tempos, mas eu fiz. Jazz é uma opção, dança contemporânea não. — disse com os braços cruzados e parecia firme em seu argumentar.

— Kai, não é? — viu Kyungsoo perguntar com uma sobrancelha arqueada e parecia não estar muito contente, logo o outro assentiu. — Eu li inúmeras vezes sobre cada coisa desse programa, tenho certeza que não havia Jazz como uma das opções.

— Pois você está errado. Eu tenho certeza absoluta. — o então Kai, respondeu completamente sério e aquilo fez com que Kyungsoo bufasse impaciente. — Por que é que não confere na listagem para ver se estou certo?

— Eu li isso hoje mesmo, como é capaz de você duvidar do que eu digo… — Kyungsoo começou a resmungar enquanto revirava a papelada encadernada em suas mãos, contudo, seus olhos se arregalaram levemente ao passar alguns segundos lendo o conteúdo que ali estava. — Jazz. — disse mais para si mesmo e logo fez questão de fechar os olhos com força e suspirar. — Me desculpem a todos, mas não terá dança contemporânea e sim Jazz, me equivoquei por um momento.

As pessoas pareceram não ligar para aquele pequeno erro que o Do cometeu, Chanyeol com certeza fazia parte daquele meio. Porém, nem todos estavam daquele jeito, e quando ele dizia nem todos, era uma pessoa em particular. Kai mantinha um sorriso sacana no rosto.

— Não vai me agradecer e se desculpar para mim, senhor presidente? Não era eu que estava duvidando da sua perfeita memória? — perguntou com um tom claramente provocador que arrancou algumas risadas alheias.

— Não vou me desculpar por nada, erros acontecem. Nunca disse que minha memória era perfeita, você está colocando palavras em minha boca. — respondeu o menor sem encarar o moreno, parecia se segurar para não atacá-lo ali mesmo.

— Impressionante como as pessoas conseguem ser individualistas nos dias de hoje, mas tudo bem, eu supero isso. De nada, de qualquer forma… — Kai respondeu dando de ombros e então Kyungsoo começou a respirar fundo, enquanto estava claramente vermelho.

Aquilo já estava demais para Chanyeol.

O Park desviou o olhar daquela cena, parecia que aqueles dois não iriam parar de discutir tão cedo, o que o deixava um tanto quanto agoniado. Nunca gostou de confrontos, mesmo quando não estava envolvido. Decidiu então ir beber água; lembrava de ter passado por um bebedouro não muito longe daquela sala, precisava sair dali naquele momento e voltaria rápido. Provavelmente eles nem teriam acabado de brigar.

Enquanto andava até o bebedouro. Chanyeol se lembrou dos dois garotos simpáticos de mais cedo, eles não estavam com ele naquela tour o que significava que provavelmente ou estavam muito cansados, ou decidiram faltar. O moreno não conseguia entender a decisão de faltar algo importante daquele jeito, ele tinha noção de que acabaria se perdendo igual uma criança sem os pais se não tivesse ido para a tour. Ele não tinha noção nenhuma de espaço ou direção.

E a maior prova daquilo foi o fato que logo depois de encontrar o bebedouro, e matar sua sede, Chanyeol já não sabia mais para onde voltar. Todos os corredores pareciam os mesmos, e não havia nenhum tipo de referência que ele podia usar para ir até a sala de dança. Inclusive, talvez reclamasse para a direção sobre placas. Por que não tinha nenhuma?

O moreno tentou não se desesperar. Caso não conseguisse encontrar o caminho, simplesmente iria até a primeira pessoa que aparecesse e perguntaria por onde ele teria que seguir para chegar ao plaza. A partir de lá saberia como voltar para o seu dormitório, pelo menos aquele caminho já tinha aprendido.

Ele decidiu qual corredor pegar, e seguiu em frente com esperança de que acabaria chegando na enorme sala de dança e todos ainda estariam lhe esperando.

Não foi bem o que aconteceu.

Estava seguindo o caminho que acreditava ser o correto quando começou a perceber a diferença nos papéis de parede do corredor, e o momento em que teve a realização que estava no caminho errado foi ao ver Baekhyun encostado na parede.  

Chanyeol parou no mesmo instante que seus olhos bateram no garoto e continuou olhando para o ruivo por bastante tempo, se perguntando por que ele continuava encontrando aquele garoto o tempo inteiro. Seria algum tipo de castigo? Era porque ele escondeu aquele gatinho no seu quarto por três semanas sem contar para seus pais? Ele estava doente, precisava de ajuda!

— Tira uma foto, vai durar mais tempo! — disse o ruivo, que logo percebeu que o moreno estava o encarando de uma forma bastante óbvia e revirou seus olhos, pegando o seu celular do bolso.

O mais alto sentiu suas orelhas esquentarem, e desviou o olhar.

— Er, desculpa… — ele falou, olhando ao seu redor procurando por algo que não sabia bem o que era. Talvez pelo guia? Sim, pelo guia.  — Eu fui beber água, e acabei me perdendo. — o mais alto riu envergonhado — Você sabe onde fica o Plaza?

— Você estava na tour? — o menor perguntou, tirando o seu olhar da tela do aparelho em suas mãos e direcionando para o moreno. Seu cabelo ainda mais bagunçado que mais cedo, e ainda assim não estragava nenhum pouco a sua postura. Parecia o dono daquele lugar. — E se perdeu?

Chanyeol concordou com a cabeça e coçou seu pescoço envergonhado.

Baekhyun riu.

— Meu deus, isso é hilário!

O mais alto sentiu suas orelhas esquentarem ainda mais.

— Não é hilário! — reclamou, cruzando seus braços. — Não foi culpa minha, o presidente estava brigando com um garoto e eu fui beber água por um segundo, quando voltei eles tinham sumido.

— Kyungsoo estava brigando com alguém? — Baekhyun perguntou, sua expressão havia mudado completamente, naquele instante parecia preocupado.

Ah, verdade. Eles são amigos. Chanyeol pensou.

— Er… Eu não diria brigando, estava mais para um pequeno desentendimento.— falou, e viu o ruivo relaxar. — Ele é um ótimo guia, aliás. Eu nunca conseguiria falar na frente de tantas pessoas daquela forma. — riu novamente.

Ele viu o outro garoto sorrir de forma orgulhosa. Ou pelo menos parecia com orgulho.

— Enfim, de qualquer forma. — falou. — Você pode me dizer para onde fica o Plaza? Eu sei o caminho a partir do meu quarto, mas eu to completamente perdido aqui.

Baekhyun olhou para o maior, como se estivesse refletindo se deveria ou não ajudá-lo, no final apenas deu de ombros.

— Eu também não sei para onde fica o Plaza. — falou finalmente, e aquilo fez Chanyeol querer rir.

Ele estava tirando sarro do maior segundos atrás, mas também estava perdido. Aquilo sim era hilário. Não que Chanyeol fosse falar para ele.

— Eu tenho quase certeza que é para aquele lado. — o ruivo falou, apontando para um dos milhares de corredores

E sem falar mais nada o menor começou a andar na direção que havia apontado.

Não foi difícil para Chanyeol alcançar o ruivo, afinal possuía pernas bem mais longas. Ele agradecia muito por ser tão alto, aquele detalhe o poupava de ter que correr.

— Tem certeza que esse é o caminho? — perguntou, olhando para trás preocupado.

— Certeza você sabe que eu não tenho, se acha que vou te atrapalhar não me siga. — falou enquanto caminhava e olhava para todos os lugares, Chanyeol decidiu se calar no mesmo instante.

Por que o garoto parecia estar sempre de mal humor? Bom, não sempre. No momento da apresentação parecia como se estivesse se divertindo, parecia leve e até mesmo um pouco feliz. Provavelmente por estar com seus amigos.

— Você não se lembra de mim, né? — acabou deixando escapar dentre seus devaneios, o menor o olhou confuso. Ele realmente não se lembrava. Por que lembraria, não é mesmo? — Nós nos esbarramos mais cedo e você não foi muito… gentil. Tipo, nenhum pouco.

— Você quer que eu peça desculpas?

— N-não. — falou rápido, gesticulando com suas mãos. — N-não foi por isso que eu falei.

Baekhyun encarou o garoto afobado e revirou os olhos, mas Chanyeol pôde ver que ele não estava realmente irritado. Ou pelo menos esperava.

— Não precisa gaguejar por isso. — falou finalmente. — Mas não irei pedir desculpas. Você deveria olhar por onde anda para que isso não aconteça novamente com outra pessoa.

— Eu estava olhando! — o maior reclamou como uma criança de três anos de idade, nem ligava mais para o quanto suas orelhas deviam estar vermelhas naquele ponto da conversa. Odiava aquele detalhe em si.  — E-eu só tinha me distraído por um minuto.

— Você literalmente me atropelou! — Baekhyun respondeu simplista, se sua mãe estivesse ali, Chanyeol tinha certeza que ela falaria que a aura do ruivo era uma completa bagunça indecifrável. — Não há desculpa para isso. Olha o seu tamanho para o meu.

— M-mas… — ele tentou argumentar, mas o ruivo levantou a mão o interrompendo.

Chanyeol continuou andando ao lado do menor, o encarando e esperando por algum tipo de resposta, mas o ruivo apenas se manteve calado e olhando para a frente, como se o maior não existisse e não estivessem no meio de uma conversa.

— Er… — tentou novamente, não sabia bem como lidar com aquela situação. — Você não vai falar mais nada?

Baekhyun balançou a cabeça negativamente. — Estou ocupado demais tentando achar o Plaza, se ainda não percebeu.

Chanyeol bufou um pouco com a resposta que recebeu, mas o que ele esperava? Uma conversa amigável?

— Também não precisa ficar com essa cara, não sou um monstro. Só preciso prestar atenção para onde estamos indo ou ninguém presta. — falou o garoto, indiferente, então parou de andar, uma música estranha começou a tocar do nada e só quando Baekhyun pegou o celular de seu bolso que Chanyeol percebeu que era um toque de ligação.

— O que foi? —  Baekhyun perguntou assim que atendeu, e logo bufou com qualquer que fosse a resposta que recebeu do outro lado da linha. —  Eu sei, cacete. E eu tô indo já, mas eu me perdi. —  ele então fez uma careta, e afastou o celular do seu ouvido, até Chanyeol conseguia escutar uma grande risada, e o garoto estava bem distante do aparelho. Depois de um certo tempo, o ruivo colocou o celular em sua orelha novamente. — Acabou o showzinho? Que bom. Enfim, eu já estou indo, tenta enrolar aí.

E em seguida desligou a ligação.

— Conversa boa? — o maior falou rindo, estava tentando ser engraçado, ou ao menos quebrar o gelo. — Espero que esteja tudo bem, meus pais também gritam bastante no celular e as vezes...

— Você gosta de falar, né? —  falou o menor, parecendo completamente indiferente ao fato que tinha acabado de insultar o maior.

Chanyeol perdeu a paciência.  

— E você não sabe responder as pessoas como um ser humano, né? — o Park se deparou respondendo, mas logo sentiu seu rosto explodir em vermelho e desviou o olhar. Ele nunca falava daquela forma com ninguém.

Baekhyun o encarou chocado por um tempo e então começou a rir.

O menino realmente começou a rir como se o maior tivesse dito a coisa mais engraçada que já ouviu em toda sua vida, estava com sua mão em sua barriga e Chanyeol já não sabia mais como reagir naquela situação.

— Até que é engraçadinho... — escutou o menino falar baixinho para si mesmo, quando finalmente conseguiu se recuperar e então voltou a andar em direção ao plaza. —  Anda, vamos logo.

Novamente, Chanyeol se encontrou seguindo o menor sem nenhuma explicação cabível. Sua mãe realmente odiaria ter que ler a aura daquele rapaz.

Depois daquilo os dois garotos apenas se mantiveram procurando pelo Plaza, e a cada segundo que passava o maior se arrependia mais de ter decidido seguir o ruivo. Afinal por que ele estava o seguindo mesmo?

Olhou para o Baekhyun, que parecia estar totalmente focado em achar o local. Não havia se passado nem mesmo um dia e já tinha visto tantas faces daquele garoto; primeiro parecia ser um descontrolado, depois agiu como se fosse o rei popular, em seguida o atacou depois do esbarrão e naquele momento estava o ajudando? Bom, não exatamente ajudando, mas também não estava jogando palavrões em sua cara como mais cedo.

Era um progresso, não era?

Parecia que com o ruivo tudo era uma grande interrogação.

— Finalmente, caralho! — o menor gritou, assustando o Park que voltou para a terra e percebeu que estavam praticamente na porta de saída do navio.

Chegaram no Plaza.

Chanyeol riu.

— Estava começando a achar que íamos chegar na cozinha desse navio e não chegaríamos aqui.

— Bem queria ter encontrado a cozinha.— foi a única coisa que Baekhyun respondeu antes do seu celular tocar mais uma vez e o mesmo atender na mesma hora. — Já to aqui, porra. Tá com um prego no cu? Pra que esse desespero?

O Park sentiu seus olhos arregalarem ao ouvir aquelas palavras. Realmente não estava acostumado com pessoas de “boca suja”.

— Onde você tá? — o menor perguntou, olhando ao seu redor. — Ah, vou desligar, te encontro em um minuto.

No instante em que o ruivo desligou o celular e estava prestes a guardar o mesmo em seu bolso, Chanyeol viu o presidente do comitê de boas vindas aparecer do nada ao lado do garoto, parecia estar ainda mais frustrado do que antes.

— Tá fazendo o que aqui, Baekhyun? Não ia dormir? — o menor perguntou com uma expressão um pouco confusa em seu rosto ao ver seu amigo ali.

— Ia, mas o Sehun me mandou uma mensagem dizendo que iam entregar essas porras de uniformes e eu tive que vir, né. — respondeu dando de ombros, porém, Chanyeol pôde perceber que Kyungsoo ainda não estava satisfeito com aquela resposta.

— Mandou mensagem? Eu não te falei para largar o celular, Baek? Você não tem jeito mesmo… — reclamou enquanto balançava a cabeça não acreditando naquilo.

— Ai Kyungsoo, larga do meu pé com essas coisas. Eu já estou bem, tá legal? — o ruivo retrucou, sem paciência para aquele papo, mas Chanyeol pôde ver o sorriso de lado em seu rosto.

O Park na verdade estava completamente com uma cara de tacho naquele meio, parecia que estava invadindo a conversa íntima dos outros, contudo não sabia para onde ir, parecia que seus pés estavam presos no chão e não saiam dali de jeito nenhum.

— Ah, oi, desculpa minha má educação. — Kyungsoo finalmente o viu ali e o cumprimentou, dando um sorriso fraco mesmo que não parecia estar para sorrisos. — Estava na tour não estava? — o maior assentiu. — Baekhyun por quê você apareceu com o menino aqui? Ele estava na tour também. Tava fazendo alguma merda, né?

— Adoro sua fé em mim. — Baek falou, revirando os olhos. — Enfim, esse doido aí se perdeu e acabou esbarrando em mim, que também estava perdido — coçou a nuca por um momento e decidiu continuar. — Só procuramos pelo Plaza juntos, estávamos querendo ir para o mesmo lugar de qualquer forma.

— Vocês são inacreditáveis viu, deveria ter me ligado se estava com seu celular. — Kyungsoo advertiu o seu amigo e o outro não esboçou nenhuma reação.

— Eu esqueci, ué. O importante é que chegamos, não é mesmo? — o ruivo encarou o mais alto que não conseguia fazer mais nada além de assentir.

— É, isso… — o Do assentiu sem muita animação e o encarou — Qual é mesmo o seu nome?

— Chanyeol. — disse não muito alto, mas de forma clara que fizesse com que os outros dois o escutassem — Park Chanyeol.

 

Baekhyun deu de ombros com a nova informação e Kyungsoo apenas disse um “Ahh” em forma de entendimento.

— Vem cá, que cara de cu era aquela quando você chegou aqui? — o ruivo perguntou ao amigo que apenas bufou imediatamente ao prestar atenção em sua pergunta.

— Ai, olha… — Kyungsoo olhou ao seu redor, parecia conferir algo e logo Chanyeol pôde ver seus olhos revirando quando olhou em certa direção. O maior sabia que era feio se intrometer na conversa alheia, porém, não deixou de olhar na mesma direção que os outros dois.

Era aquele tal de Kai que o menor estava discutindo mais cedo. Ele estava andando distraído em direção onde os três estavam.

O presidente não perdeu tempo e saiu arrastando o ruivo dali um tanto quanto irado no mesmo momento. Chanyeol não sabia se eles tinham percebido, mas nem ao menos se despediram de si. Não que esperasse muito de qualquer forma, só queria agradecer por Baekhyun ter lhe ajudado, entretanto, aquilo provavelmente não aconteceria naquele dia.

Chanyeol percebeu Kai perto demais de si e o mesmo viu quando Kyungsoo o estava fuzilando com o olhar de longe, deu uma risada mais para si mesmo do que para o outro. Não demorou a perceber Chanyeol o encarando e ali parado vendo aquilo tudo como se fosse uma estátua. Encarou o mais alto sem expressão por um tempo e deu de ombros, seguindo por uma direção completamente diferente da dos outros dois.

Era impossível encontrar alguém simpático naquele lugar?

— Ei, Chanyeol, não é?  — alguém falou, o que fez o mais alto se virar e dar de cara com um dos garotos bolsistas de mais cedo. Yixing.

— Ah, sim sim! — confirmou com um sorriso.  — E você é Yixing, certo?

O garoto concordou com a cabeça.

— Desculpa se eu falei errado... — começou, com a sorte que estava naquele dia não se surpreenderia se o garoto ficasse extremamente irritado caso tivesse pronunciado seu nome errado.

— Relaxa, você falou certinho, cara.   — ele disse, e então olhou na direção que o presidente e Baekhyun saíram.  — Vem cá, tu tá metido com o quarteto da Hana Academy, é?

— Hã? — perguntou confuso com aquilo, mas logo se lembrou quem era o quarteto que ele se referia. — Ah! Baekhyun e Kyungsoo? Não, não estou. O Baekhyun só me ajudou no caminho e Kyungsoo apareceu aqui do nada. — explicou e recebeu um assentir de Yixing, mas logo ficou intrigado — Por quê a pergunta?

O chinês apenas deu de ombros.

— Nada demais. — falou, parecia reflexivo. Olhou novamente para o caminho pelo qual a metade do quarteto havia ido e continuou. — Só toma cuidado.
 

♥ V.L. ♥
 

Depois daquilo Chanyeol tentou seguir o seu dia normalmente, de preferência sem mais aparições surpresa do menino ruivo e companhia. Já tinha tido “emoções” demais para seu primeiro dia, e achava que era o suficiente.

Agradeceria a ele algum outro dia.

O Park pegou o seu uniforme depois de bastante tempo na fila, onde todos os alunos reclamavam sobre não ter seus tamanhos ou sobre as cores não favorecerem seus atributos. Aquilo sempre havia feito o garoto ficar nervoso, se lembrou de todas as vezes que precisou usar roupas normais em sua escola, pois não havia uniformes tão grandes para sua série.

E como foi zoado pelos seus colegas por aquilo.

Mas felizmente quando chegou a sua vez, havia um uniforme, e apenas um, em seu tamanho. E o menino não pôde evitar o grande suspiro de alívio que acabou fazendo a moça que estava distribuindo rir.

Não sabia como iria durar seis meses com apenas um uniforme, mas daria um jeito. Lavaria todos os dias se fosse necessário.

Foi apenas quando chegou em seu quarto e finalmente pôde se deitar em sua cama, com o pensamento de não se levantar até o dia seguinte, que as palavras de Yixing ecoaram em sua cabeça novamente.

“Só toma cuidado.”

Por quê? Chanyeol pensou.

Ele sabia que os garotos eram problema. Ou pelo menos um deles, mas algo no modo como o chinês falou aquilo o fez pensar que não era apenas o que ele pensava.

Urgh.

Não iria mais pensar sobre aquilo. Não tinha tempo para ficar pensando sobre o que o quarteto fazia ou deixava de fazer, só queria que se mantessem longe e não lhe trouxessem problemas.

E como se fosse um sinal do universo que não importava o quanto ele desejasse, aquilo não aconteceria. A porta do quarto se abriu e Chanyeol pôde ver a outra metade do quarteto entrando em seu quarto, o fazendo lembrar que dividia o mesmo com um daqueles dois.

— Ah, colega de quarto! — Sehun falou, parecendo estar com um ótimo humor. — Você não foi na tour? Não te vi lá, cara.

O Park riu, coçando a nuca.

— Eu fui, mas meio que me perdi no meio da apresentação — admitiu um pouco envergonhado.

O outro garoto que Chanyeol não lembrava bem o nome, riu.

— Tudo bem, isso acontece. — falou, olhando para o Park. — Se eu saísse do meu quarto sem o Sehunnie provavelmente também acabaria me perdendo. Esse lugar é enorme.

Sehun confirmou enquanto guardava o seu uniforme em o que Chanyeol assumiu que fosse o seu armário. Então ele ficaria com o outro, sem problemas.

— Acho que até eu me perderia, então relaxa! — falou depois de fechar o armário, naquele instante parecia estar procurando por algo em sua cama. — Onde foi que eu coloquei o isqueiro?

Pra que ele precisa de um isqueiro? Chanyeol se perguntou, e a frase do chinês ecoou em sua cabeça de novo. Talvez eles realmente eram perigosos.

— Me chamo Junmyeon! — disse o menor entre os três, com um sorriso inocente em seu rosto. — Prazer em te conhecer.

— Sou Chanyeol. — respondeu, um pouco chocado com a simpatia do garoto. — Er… Prazer em te conhecer também.

Junmyeon riu de leve e então se virou para o seu amigo.

— Isso é injusto, você consegue um colega de quarto dócil e eu fico com um colega de quarto que finge que eu não existo? — reclamou, mas estava rindo durante todo o seu discurso.

— Não acho que ele seja assim, Junma! — o maior respondeu, ainda procurando pelo isqueiro em sua cama e mala.

O menor bufou, e então olhou para Chanyeol mais uma vez.

— Você conhece Red Generation, né?— perguntou, e o maior assentiu com a cabeça. — Tá vendo? Ele até conhece as rainhas. Eu deveria ser colega de quarto dele.

O Park riu com aquilo.

— É assim que você decide se alguém presta ou não? — Sehun perguntou. — Perguntando se eles conhecem as suas ídolas?

— Mas é claro! Se não conhece, no mínimo, está desperdiçando sua vida.

Sehun zombou do seu amigo, fazendo o menor ir até o mesmo para bater de leve em seu ombro.

— Finalmente achei! — Sehun disse, segurando o objeto em sua mão. — Baekhyun iria comer meu fígado se eu aparecesse lá sem isso.

— Vamos logo, Sehunnie! — o menor respondeu.

— Ok, vamos. — eles estavam prestes a sair do quarto quando Sehun se virou novamente para Chanyeol. — Você quer vir também? Nós vamos ver o navio partir. Momento épico, não é mesmo?

— Ah sim sim, você tem que vir! — falou o menor, animado. — A gente pode escutar os hinos juntos e cantar enquanto barco fica distante do porto!

Chanyeol riu mais uma vez, adoraria ver o navio partir, principalmente com aquelas duas pessoas que estavam provando ser bem mais simpáticas do que ele esperava, com as interações que teve, já havia perdido a esperança na humanidade dentro de Venetia Lily. Mas então, considerou que teria que lidar com o ruivo mais uma vez, mesmo que ainda precisasse agradecer pelo favor que tinha feito mais cedo. Sinceramente não tinha energia no seu corpo.

— Acho melhor não, estou cansado, vou apenas dormir mesmo! — respondeu, sorrindo leve. — Mas, por favor, diz ao Baekhyun que eu agradeço pelo favor que ele me fez hoje.

Sehun pareceu ficar confuso com aquilo. — Baekhyun? Favor? — perguntou. — Essa é nova.

— Pode deixar que damos o seu recado, Chanyeol! — disse Junmyeon, puxando o outro garoto pelo braço. — Vamos logo, não quero ter que aguentar outro sermão do Kyunggie.

Sehun acenou para o maior e então foi arrastado para fora do quarto, deixando Chanyeol sozinho. O garoto suspirou.

Que dia.

Mesmo que tinha usado aquilo como apenas uma desculpa, realmente estava cansado. Não achava que teria energia nem mesmo para ligar para sua mãe, e por aquele motivo lhe mandou uma mensagem implorando para que ela o perdoasse.

Ele só queria jogar seu corpo no colchão macio e dormir por longas horas, porém, sabia que precisava pelo menos tomar um banho antes de ir para o mundo dos sonhos — que ele esperava que não fossem pesadelos.

O garoto não demorou muito em sua ducha e saiu do banheiro com a toalha enrolada na parte de trás de seu pescoço. Pegou o pano felpudo e o colocou estendido em algum canto para que secasse pelo menos um pouco. Depois deu uma última olhada em seu celular, vendo uma mensagem de sua mãe que dizia que ele não deveria se preocupar e que fosse logo descansar.

E o Park não fez diferente. Colocou o aparelho na escrivaninha e se cobriu até o pescoço, se enrolando por completo no cobertor e fechando os seus olhos para que adormecesse o mais rápido o possível.

Não sabia o que Venetia Lily lhe traria, mas sabia que pelo menos todas as suas noites de sono seriam muito maravilhosas só por conta daquele paraíso de colchão que era seu temporariamente.

Bendito colchão e bendito sono que não demorou a chegar, tirando o peso de suas costas daquele dia. No final de tudo, ele merecia aquele conforto, né?


Notas Finais


O QUE ACHARAM DESSE PEQUENO ENCONTROZINHO? KKKKKK

Eu amo demais o Chanyeol, meu próprio filho. Ou melhor, nosso não é mesmo? Espero que vocês estejam amando o poste alegre e o ruivo emburrado.

Na próxima semana iremos novamente ver o nosso presidente confiante, Kyungsoo. Estão ansiosos? Depois do que ele passou nesse capítulo, aposto que vocês querem saber mais do que aconteceu durante aquele tour, não é? HAHAHA

Até a próxima sexta-feira! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...