História Oceans - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Michael Fassbender
Personagens Michael Fassbender, Personagens Originais
Visualizações 43
Palavras 3.262
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E ai galerinha?Voltei com mais um cap.Percebi que já tem mais de um ano que tô escrevendo isso aqui.Eu tenho que escrever mais rápido meu Deus Kkkkkkk

Capítulo 25 - The Secret Wood Box


DIA SEGUINTE

 

    A manhã tinha sido de grande peso emocional para Joy.A moça já tinha recebido alta assim que acordou,mas decidiu ficar no hospital para esperar o resultado de seu exame ELISA.A moça vestiu suas roupas,que Famke trouxera na noite anterior,com a ajuda de Michael.Ela foi até a lanchonete do hospital comer a coisa mais mergulhada em chocolate que pôde achar.Infelizmente o melhor que havia para saciá-la era uma torta alemã com cobertura rasa.Em seguida ela e Michael foram esperar pelo Dr.Schwimmer na clínica dele no 7° andar.Estavam na sala de espera juntamente com mais algumas pessoas.Michael cochilou um pouco na cadeira antes de Joy ser solicitada pela assistente.

 

    A loira,obviamente,não queria que Michael entrasse.Se ele soubesse ali na sala do médico da possibilidade da namorada ter AIDS...Joy não conseguia nem imaginar a reação do homem.

 

-Você pode ficar aqui.Não vai demorar muito.-disse ela levantando-se com pressa.

 

-Não.Eu quero ir.Estar lá para te dar apoio.-ele segurou-a pelo pulso,olhando em seus olhos.

 

   O que ela diria?Não tinha coragem de mentir.Ela rezou aos céus naquele momento,pois o olhar determinado do rapaz sugeria que não importasse o que ela decidisse,ele a continuaria pressionando sobre o que aconteceu dentro do consultório.Joy cedeu ao pedido do namorado e o pegou pela mão.

 

 

 

    Ao entrar no consultório do Dr.Schwimmer,os olhos do médico logo caíram sobre Michael.Em seguida ele olhou Joy nos olhos e arqueou as sobrancelhas sutilmente por baixos dos óculos.Aquilo foi o suficiente para fazê-la entender que ele estava perguntando se o namorado sabia.Ela maneou a cabeça em negação,também de forma sutil.

 

-Olá,Sra.Kinney.Vejo que trouxe seu namorado Michael.Minha filha o adora,rapaz.-Dr.Schwimmer sorriu para ele sem mostrar os dentes.

 

    Michael sorriu de volta e respondeu um breve "Que legal!".O casal se sentou em frente a mesa de mármore preto do doutor.Joy ainda assim estava nervosa,pois não sabia se o médico havia compreendido o que ela quis dizer quando balançou a cabeça.As possibilidades negativas circulavam a cabeça dela em órbitas.

 

-Então,vamos falar do seu exame de sangue número 2.Mais uma vez,nada deu errado.Todas as taxas estão ótimas.A taxa de leucócitos está um pouco acima do normal,mas nada que se possa preocupar,okay.

 

   Joy fez que sim com a cabeça e levantou o queixo,em sinal para que ele esclarescesse melhor sobre aquele outro ponto.Sentiu a mão de Michael abraçar a sua.

 

-Bom...-começou o Doutor novamente.-Não temos nenhuma infecção presente.Nada de -ele pigarreou- vírus ou bactérias.A porcentagem de -ele pigarreou novamente - erro no resultado dos exames hoje em dia é de aproximadamente 0,001%.Então não se preocupe com infecções.Você não tem nada.

 

-E agora o que faremos?Ela ainda tem sintomas.-disse Michael.

 

-Bom,como temos certeza de que não é nada contagioso,ou seja,vírus e bactérias...anh nós vamos começar os exames de imagem e procurar por uma possível anomalia.Mas-ele ergueu o dedo indicador.-Primeiro precisamos verificar se surgem novos sintomas ou se os que você já tem se agravam,para que não seja submetida a tantos procedimentos,okay?

 

    Sair daquele consultório sabendo que não tinha AIDS foi provavelmente o melhor momento de Joy em dois dias.Ela segurou na mão de Michael e foi embora almoçar no seu restaurante favorito.

 

                         >>>>°°°°<<<<

 

1 PM

 

     A primeira coisa que fez ao chegar em casa foi abrir todas as janelas ,deixando o sol entrar e renovando o ar.Michael pôs as malas dele no quarto de Joy e a moça resolveu tomar um banho de piscina.Pôs o seu biquíni e foi escovar os dentes no banheiro enquanto Michael aguardava por ela sentado na beirada da cama,vestindo somente uma bermuda.

 

   Ao terminar de escovar os dentes,Joy pegou seu protetor solar dentro do espelho e voltou para o quarto.Como não alcançava todas as partes do corpo,decidiu que ia pedir a Michael para passar o protetor nela.

 

-Hey,será que você pode passar isso nas minhas cos...

 

   A visão que ela teve ao dar os dois passos de volta para o quarto foi chocante.Chocante o suficiente para causar enjoo.Porém,acima disso,era também cômico.Michael estava segurando um copinho de silicone transparente nas mãos,analisando-o de perto ,quase perto de sua boca.

 

-Michael,você sabe o que é isso?- a loira perguntou,torcendo os lábios para não rir.

 

   Michael negou com a cabeça,apalpando o silicone com os dedos.

 

-É coisa de maquiagem?-perguntou.

 

  Joy o encarou com diversão.

 

-Isso é um coletor menstrual.

 

   Michael tentou não demonstrar reação,ele apenas abriu a gaveta da cômoda e colocou o coletor lá dentro de novo.Joy mordeu os lábios,mas a sua risada saía pela sua boca.O rapaz se levantou da cama,com as bochechas meio vermelhas e se dirigiu ao banheiro para urinar.

 

   Na área da piscina,Joy sentou-se em uma das espriguiçadeiras para que Michael passasse o protetor em suas costas como ela havia pedido.O rapaz sentou-se numa outra espriguiçadeira e tomou em mãos a embalagem do protetor.As costas nuas da moça estavam-no lembrando dos momentos que compartilharam na cama,quando ele passava a mão ali apertando sua carne,acariciando a pele e a beijando.Ele as admirou por tempo suficiente para que Joy notasse.

 

-Olhar é bom,mas tocar e olhar é melhor ainda...

 

    Ela virou-se para olhar pra ele e lhe mostrou um sorriso.O rapaz também lhe sorriu e abriu o protetor solar para passar nas costas da namorada.A sensação de tocá-la era muito boa e não poderia ser diferente para ela,que estava adorando cada segundo daquilo.

 

    Quando o ruivo terminou de passar o produto nela,Joy tomou o frasco em mãos e se sentou na frente dele.

 

-Você tem que passar também,se não vai parecer um camarãozinho.

 

-Okay...

 

   Joy colocou dois montes de protetor em cada braço e um no peito para que o próprio Michael passasse e ela foi aplicar nas costas dele.Ela também adorava a visão das costas do rapaz,principalmente quando seus músculos se contraíam.A moça aplicou o produto em cada canto das costas dele e depois pôs-se na frente de Michael de novo,dessa vez para passar protetor em seu rosto.

 

-Imagina se esquece de passar no rosto.Ia ficar parecendo um pênis.-comentou ela espalhando o produto pelas bochechas dele.

 

    Michael riu.

 

-An?Enfim,não precisa explicar.

 

    Joy esboçou um sorriso doce e deu um beijinho nos lábios do namorado.

 

                     >>>>°°°°<<<<

 

    A loira estava na beirada da piscina deitada de bruços,sentindo o sol atingir suas costas cor de leite.Michael já estava dentro da água,nadando perto de Joy,acariciando suas costelas expostas com seus lábios e sua barba,enquanto seus dedos passavam suavemente pelo. braço dela.Joy estava quase a dormir ali.Era uma combinação de fatores que a proporcionavam muito prazer: estava em casa,no silêncio,relaxando,com seu namorado ao seu lado e o melhor de tudo:seus sintomas tinham sumido.Pelo menos por enquanto...

 

-Você sabia que você tem uma marca de nascença em forma de borboleta na linha do cabelo da nuca?-ele perguntou, passando a mão no mesmo lugar.

 

    Joy respondeu com sonolência.

 

-Hum-rum...

 

-Você vai ficar aí o tempo todo?-perguntou Michael agarrando o lado oposto da cintura dela.

 

   Joy retirou os óculos escuros que usava.

 

-Eu sei que é inútil tentar me bronzear com essa cor de vela,mas...-

 

    Michael então,com sua mão posicionada na cintura dela,a puxou e Joy girou o corpo em 360°,caindo de costas na água fria da piscina.Michael riu da cena ao mesmo tempo que Joy submergia,com uma cara feia de desaprovação.

 

-Você arruinou meu momento Tan das Kardashians.-reclamou,agora já começando a querer rir também.

 

   Depois de alguns minutos dando alguns mergulhos,Michael a agarrou pelos braços,puxando-a na direção dele.A moça o abraçou com os braços,enquanto suas pernas nadavam se batendo com as dele.Antes de beijá-lo como pretendia,ela parou para apreciar os olhos azuis brilhantes dele.Na luz forte do sol eles se tornavam mais claros e suas pupilas extremamente contraídas.Ela pôde ver aqueles olhos passando por seu rosto e parando nos seus lábios.Os dois foram na direção um do outro e seus lábios colidiram.Estavam dando o beijo ardente que seus corpos desejavam há dias.

 

    Os beijos de Michael passaram para a orelha da loira e foram descendo pelo seu pescoço.De repente,além dos beijos,ela pode sentir o biquíni descolando de seus seios e caindo na água.Ela nem percebeu quando Michael desamarrou o nó das alças.Um segundo depois ele atirou a peça para longe.

 

-Por que se incomodou em colocar,em?-ele a beijou mais uma vez.-Você sabia que eu ia tirar.

 

  Em uma fração de segundo,ele a pressionou contra os ladrilhos da lateral da piscina e começou a beijá-la violentamente enquanto suas mãos apertavam os seios e as nádegas de Joy.Ela gemia entre os beijos,sentindo o membro de Michael duro contra ela.

 

-Você quer que eu foda você aqui ou no quarto?

 

    O ar faltou nos pulmões quando ela ouviu aquilo.Joy sentia suas partes latejando tanto que nem a água fria da piscina conseguia melhorar o calor lá embaixo.Ela apertou os lábios quando a língua quente do namorado passou por seu mamilo.Os olhos de Joy se fecharam involuntariamente enquanto Michael beijava seu seio como se este fosse seus próprios lábios.Estava desesperada para tê-lo dentro dela.Estava.

 

   O trauma prevalecia.Ainda era extremamente recente e as desconfianças dela ainda existiam.Apesar de saber que ela não tinha AIDS e nenhuma outra DST,ela ainda estava doente e era de grande irresponsabilidade dela deixar Michael se expor daquele jeito.E se o que tivesse fosse contagioso?Ela não poderia deixar aquilo acontecer.

 

   Michael ainda estava a beijar-lhe por todo o colo e pescoço quando ela inflou os pulmões para oxigenar o cérebro e ter forças suficientes para reprimir seu desejo por ele.

 

-Michael,Michael...-ela chamou por ele enquanto o empurrava de leve pra longe dela.

 

   Ele se afastou e olhou-a nos olhos,atônito.

 

-O que foi?Eu fiz algo errado?

 

   Ela queria chorar.Balançou a cabeça negativamente e pôs suas mãos no rosto dele.

 

-Eu...Eu percebi que talvez haja uma chance de que o que eu tenho...-ela fingou,seus olhos marejavam.Michael segurou na mão dela em seu rosto.- Possa ser contagioso.E eu não quero que você se arrisque.

 

    Michael balançou a cabeça,naquele sentido de tranquiliza-la e dizer que está tudo bem.

 

-Não se preocupe.O médico disse que não é contagioso e se for,eu já peguei.

 

    Joy levantou as sobrancelhas,dramática.

 

-O médico não sabe o que eu tenho,Michael...-ela balançou a cabeça dele com suas mãos,como se quisesse que ele acordasse de um transe.

 

   Michael pegou no rosto dela também,limpando a lágrima que desceu de seu olho esquerdo.Ele beijou-a nos lábios.Ele sussurou para ela que tudo ia ficar bem.

 

-Nós vamos fazer...-ela disse.-Mas com proteção.

 

                       >>>>°°°°<<<<

 

  Estavam de volta ao quarto.Ela movia-se devagar sentada no colo dele,sentindo o membro do homem deslizando dentro dela.Não era a mesma coisa.Ela odiava usar a camisinha,mas fazia aquilo por ele mesmo que ele disesse que não precisava.Michael a segurava pela cintura e pela bunda,auxiliando-a no movimento.Quando ela estava perto de atingir seu clímax,desabou em cima do peito de Michael,sem conseguir continuar.Ele logo tomou o comando,levantando-se e endireitando Joy na cama.Ele levantou as pernas da moça e começou a investir nela rápido e profundo,do jeito que ela gostava e só ele sabia fazer.

 

   Depois que tinham terminado,não se incomodaram em ir imediatamente se lavar.Joy se deitou sobre o peito de Michael enquanto ele a abraçava.O rapaz alisava o cabelo dela devagar com a ponta dos dedos.

 

-Acho que matamos a vontade,em?-disse ele buscando o olhar dela.

 

-Pode crer.-riu Joy.- Tenho certeza de que sua estadia vai render bastante.

 

-Está falando de um segundo round?-ele perguntou.

 

-Estou falando de vários rounds.Pelo menos 5 vezes ao dia.Não pode ser menos que isso.-ela gargalhou.

 

-Jesus Cristo,vamos ter que comprar uma caixa inteira de camisinhas.Você quer com sabor ou sem?

 

    Michael aguardou a resposta,mas ela havia ficado estática em seu peito.Ele chegou até a temer que ela tivesse tido um treco, até que ela quase lhe causou um treco quando se levantou de supetão e olhou nos olhos dele alarmada.

 

-A caixa!-exclamou ela.

 

   Michael olhou em volta,se sentindo mais perdido do que nunca.Do que diabos ela estava falando?Será que queria mesmo comprar uma caixa de camisinhas?

 

-Caixa,que caixa?

 

   Joy se levantou da cama,o corpo nu indo em direção ao closet.Ela acendeu a luz e começou a procurar por uma roupa.

 

-Livia,quer dizer,Kate,tinha uma caixa de madeira em casa.Era uma caixa muito especial que eu não poderia tocar.

 

   Joy vestiu uma calcinha e em seguida uma calça jeans.Michael ficou parado no mesmo lugar.

 

-Quando ela estava fugindo e eu a chamei ela falou da caixa.Ela quer que eu a pegue.Deve haver algo dentro da caixa.

 

    Michael se sentou na cama,juntando as peças na cabeça.

 

-Okay,eu entendi.Mas não está pensando em ir procurar essa caixa agora,não é?Está quase anoitecendo.

   

Joy balançou a cabeça,sabendo que iria decepçioná-lo.Ela não disse nada e continuou se vestindo.Colocou uma blusa vermelha de manga longa e uma jaqueta jeans por cima.

 

-Joy!

 

   A moça relutante o respondeu,enquanto calçava uma bota.

 

-Eu preciso ir.Eu não posso deixar que a polícia ache a caixa primeiro.Eles vão leva-lá e o que quer que ela queira que eu saiba vai estar perdido.

  

    Michael podia ver que ela estava mais do que decidida,pois já estava a procura se sua bolsa.Obviamente,ele não iria deixa-la ir sozinha àquela hora,por isso,relutante,se desembrulhou do lençol branco que cobria seu corpo e catou suas roupas no chão,vestindo-as em seguida.Decidiu não por a cueca,pois seu membro ainda estava um pouco duro.

 

 -Eu vou com você.-ele disse seguindo Joy em direção a porta do quarto.

 

    Ela sorriu agradecida e os dois deixaram a casa de Joy nos próximos minutos.

 

                       >>>>>••••<<<<<

 

-Você tem certeza de que não vai ter nenhum policial por perto?Eles podem estar na espreita caso ela volte.-disse Michael a loira enquanto eles adentravam no bairro de Kate.Já estava escuro naquela hora.

 

-Policiais são burros mas nem tanto.Ela nunca vai voltar...- falou.Michael sentiu um pouco de tristeza na voz de Joy.-Mas vamos deixar o carro um quarteirão antes da casa,só pra ter certeza.

 

     Quando estavam quase perto da casa de Kate,Joy fez como disse.Estacionou o carro um quarteirão antes.Ela e Michael saíram do veículo.As ruas estavam quietas e iluminadas pelos postes de luz amarela.O farfalhar das árvores era o único barulho por ali.A moça se encolheu de frio quando o vento passou assobiando por ela.Michael a puxou para perto enquanto seguia os passos dela pela calçada cinzenta em direção à casa.

 

    1 ou 2 minutos arrastando os pés pela melancolia da rua,Joy visualizou a construção.As luzes estavam,obviamente,apagadas e não parecia que até ontem sua melhor amiga morava ali.Michael estava mais preocupado com o fato de ter policiais por ali,por isso seus olhos percorriam por entre os jardins das casas,para dentro dos carros estacionados do outro lado da rua e para dentro do breu da casa de Kate.Não avistou nada.

 

-Não acho que tenha nenhum policial por aqui.-disse ele.

 

   Joy o agarrou pela mão esquerda e o puxou para a varanda da casa.A moça nem se preocupou quando Michael tentou abrir a porta da frente e não conseguiu,pois ela já estava levantando o tapete e recolhendo de baixo uma chave solitária e dourada.

 

-Americanos...-resmungou Michael.

 

    Joy fingiu que não ouviu e inseriu a chave na fechadura.A casa estava escura,fria e silenciosa.Joy tateou as paredes as cegas a procura do interruptor.Ao acender as luzes,notou que a casa continuava tão desarrumada quanto estava no dia que visitara a amiga pela última vez.Porém,com uma diferença: as trouxinhas de maconha tinham sumido.Provavelmente Jesse as tinha pegado.

 

-Então...Você sabe onde está a caixa?-perguntou Michael.

 

   Joy maneou a cabeça negativamente.Havia mais de mil lugares onde aquele objeto poderia estar.Joy olhou em volta,refletindo.

 

-Não acho que ela colocaria a caixa aqui.Estaria muito exposta.-afirmou Joy.

 

-É um lugar a menos pra se procurar.Ah!-ele exclamou e pegou o telefone em mãos,acendendo a lanterna.Em seguida apagou a luz da sala.-Não podemos levantar suspeitas.

 

    A loira concordou prontamente e pegou seu telefone para ligar a lanterna também.Ela iluminou o caminho até a escada.Michael subiu logo atrás dela.Ao chegaram no andar superior,Joy se direcionou até uma porta.O ruivo presumiu que talvez fosse o quarto de Kate.Ao adentrar o local,viu que estava certo.Ele iluminou a cama,o carpete,a mobilia,as paredes mas nada de caixa.Joy procurou embaixo da cama,dentro das gavetas de roupa e enfim no guarda-roupa.Revirou tudo que podia,até chegar na última gaveta próxima ao chão.No fundo havia uma caixa de madeira escura e antiga no formato de retângulo.

 

-Encontrei!- anunciou a moça ao mesmo tempo animada e nervosa.

 

    Joy pegou a caixa em mãos e se sentou na beirada da cama.Michael se sentou ao lado dela e iluminou a caixa para Joy.Ele pôde ver os olhos dela brilhando da direção dele.Joy estava com medo do que iria achar ali.Já tinha enfrentado tantas decepções,sustos...

 

-Duvido que haja algo aí dentro muito diferente do que o policial falou.Seja o que for,estou aqui com você.- a voz dele ecoou como um sussurro pelo quarto.

 

   Joy assentiu e virou-se para a caixa.Abriu-a.Percebeu que era uma caixa de lembranças.Tinham fotos e pequenos brinquedos antigos,como um aviãozinho vermelho.Ela olhou as fotos uma a uma.Eram de Kate quando era criança,adolescente,fotos com sua mãe,fotos com namorados até que Joy achou aquilo que procurava.Uma foto sua com Kate na qual as duas se abraçavam em frente a uma árvore se natal.Quando Joy fungou o nariz foi que Michael percebeu que ela chorava.

 

-Isto foi ano passado,na casa do Gannon.-ela imediatamente se lembrou daquela noite.Tinha sido tão boa.

 

    Joy notou que atrás daquela foto havia um papel dobrado.Ela colocou a caixa de lado e abriu o papel.Era uma carta.

 

“Querida,Joy.

 

    Se está lendo isso significa que algo deu errado.Sinto muito que enganei você.Sinto muito que eu tenha partido.Meu nome é Kate Austen e eu nasci no Texas,em uma cidade pequena do interior.Eu tive que criar uma nova identidade porquê fiz algo errado no passado e agora a polícia está atrás de mim.Quando eu tinha 22 anos eu matei o meu padrasto.Minha mãe,Grace,se separou do meu pai quando eu era bem jovem e se casou com meu padrasto dois anos depois.Minha vida toda eu a assisti sofrer abusos.Ele batia nela,a xingava e a tratava como lixo.Quase toda noite ele voltava bêbado pra casa.Um dia,quando eu tinha 22 anos,ele deu um soco na minha mãe e eles logo brigaram.Mamãe foi trabalhar na lanchonete que servia e ele foi beber de novo.Foi nessa noite que eu decidi o que faria.Eu o esperei voltar do bar.Ele estava bêbado obviamente e eu o ajudei a se deitar na cama.Naquele momento eu senti pena da pessoa miserável que ele era e repensei se faria mesmo aquilo,mas então ele tentou me agarrar.Eu me desvencilhei e saí do quarto.Derramei gasolina na casa toda.Saí,acendi um fósforo e fui embora.Eu venho fugindo da polícia por algum tempo e achei um lugar estável em L.A.Criei laços que não deveria ter criado,como o seu.De novo,se está lendo isso,significa que eu fui descoberta e estou a fugir de novo por aí.Sinto muito não ser a pessoa que eu disse que era.Você foi uma ótima amiga.Tudo o que peço é que esqueça tudo isso e ,se algum dia passar por sua cabeça,não tente me procurar.Adeus.

 

Atenciosamente,

 

"Livia" "

 

    Joy fechou os olhos ao terminar a carta e desejou do fundo do coração que nada de mal acontecesse com Kate,mesmo que tivesse mentido pra ela.Ao se lembrar de todos os momentos que tivera ao lado dela,do quão fiel ela tinha sido,Joy simplesmente não podia ficar zangada.Agora havia acabado e provavelmente nunca mais a veria de novo.Por que guardar rancor?

 

    Michael,que tinha lido também,comentou.

 

-Isso parece ser honesto,meu amor.Ela mentiu para proteger você.- disse com calma,passando a mão calosa pelas bochechas de Joy.

 

   Ela olhou para ele surpresa,os olhos faiscando no escuro ao encontrar com os dele.

 

-O que você disse?

 

    Michael começou a repetir.

 

-Não...Do que me chamou?-ela sorriu fracamente.

 

    Michael abriu um sorriso largo pra ela,pegando em seu rosto pela mandíbula e trazendo para perto dele.

 

-Meu amor...-ele repetiu.E a beijou nos lábios.

 

-PD DE LOS ANGELES,MÃOS PRO ALTO.

 

   As lanternas pousaram nos rostos de Michael e Joy.

 

-Fudeu.


Notas Finais


E aí?Gostaram?Comentem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...