1. Spirit Fanfics >
  2. Ofereça seu coração >
  3. A audiência

História Ofereça seu coração - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Mais um capítulo pra vocês 💓 Espero que gostem

Capítulo 5 - A audiência


Fanfic / Fanfiction Ofereça seu coração - Capítulo 5 - A audiência

Liz.

Hoje vai ser o julgamento daquele garoto que se transforma em titã, Eren Jaeger. Erwin pediu que alguns soldados o acompanhassem. Levi pediu a minha presença, alegando que eu poderia dialogar com Eren por ser mais simpática do que qualquer um deles. 

Quando alegaram que o garoto era um perigo e, por isso, deveria ser morto, Levi foi até ele e o chutou. Vi um dos dentes de Eren ser arrancado. O capitão não parou de agredir ele nem tão cedo. Eu senti uma vontade quase incontrolável de ir até Levi e revidar pelo garoto. Aquilo não estava certo. 

Eren apanhou o tempo todo sem objeção alguma, enquanto Levi explicava o porquê dele ser a pessoa ideal para ficar com a sua custódia. Uma das garotas do turma dele parecia desesperada para impedir aquilo e eu não a julgaria se ela interrompesse o pequeno show de Levi. 

O julgamento acabou com a Tropa de Exploração conseguindo o direito de ficar com Eren. Tudo graças a performance de Levi. Agora eu entendia o motivo de tudo aquilo, mas não consegui deixar de sentir pena do garoto e raiva do capitão por aquilo tudo. 

 

Levi.

Quando Eren finalmente foi liberado, reuni o esquadrão que havia ido nos acompanhar. 

Ordenei que eles continuassem andando com Eren, mas permaneci parado, esperando que Liz, que estava muito mais atrás que os outros, me acompanhasse. 

- Capitão - cumprimentou ela. 

Eu sabia, pelo jeito frio, que ela estava com raiva de alguma coisa, então resolvi acabar logo com isso. 

- Fale logo o que quer dizer.

- Não precisava bater tanto - ela ergueu as sobrancelhas, claramente me julgando - O garoto não merecia aquilo. 

- Eu não tive escolha - defendi-me.

- Não sabia que você era tão violento assim - murmurou com raiva, encarando o chão.

Não queria receber um sermão justo de Liz, então tentei desviar o assunto.

- Ainda não tive a oportunidade de te mostrar - minha voz soava intencionalmente maliciosa - As paredes são muito finas, todos te escutariam.

- Quem disse que você arrancaria algum som de mim? - seus olhos demonstraram toda a sua fúria ao me encarar - Nem que a sua vida dependesse disso! 

Liz claramente estava tentando me atingir de qualquer forma. Decidi ignorar suas palavras e tentei tocar a mão dela para acalmar-lá, mas fui afastado com um tapa. 

- Você se acha muito incrível, não é? - agora ela basicamente gritava - Acha que pode fazer tudo que quer, certo? Aqui vai uma verdade então: você não é tudo isso! 

Aquilo me pegou de surpresa, deixando-me sem palavras. 

Todos os olhos nos encaravam agora, cheios de curiosidade para o que iria acontecer a seguir. 

- Não vou fazer uma cena como você - falei calmamente e deixe que ela fosse embora.

 

Liz. 

- O capitão Levi quer falar com você - Alicia, uma das novatas do esquadrão, disse ao entrar em nosso quarto.

Merda! Eu não devia ter falado com ele daquele jeito em público. Independente de qualquer coisa, Levi era o meu superior e eu não devia ter esquecido disso. Para não dar bandeira de nosso relacionamento, nem demonstrar alguma preferência, os castigos que ele direcionava a mim eram iguais, ou até piores, do que os que os outros soldados recebiam.

- Você não devia ter falado aquilo - ela disse docilmente.

- Eu sei - suspirei arrependida - Ele disse para onde eu devo ir? 

- Quem me passou o recado foi Thomas. Ele saia do corredor que levava em direção a sala do capitão.

Suspirei fundo.

- Boa sorte - desejou Alicia quando cruzei a porta.

Eu realmente vou precisar. Levi consegue ser muito frio e cruel quando quer e eu não estou livre desse seu lado. 

Caminhei o mais silenciosamente possível, formulando um pedido de desculpas em minha cabeça. Se eu me mostrasse arrependida, ele poderia suavizar minha punição. Era um tiro no escuro, mas eu precisava tentar.

- Levi? - chamei ao parar em frente a porta de sua sala. 

Não houve resposta. Bati três vezes e aguardei mais uns instantes, mas ele não apareceu. 

Decidi ir procurar por ele em seu quarto, mas antes que pudesse chegar até lá, senti uma mão me puxar para dentro de uma sala escura e tampar minha boca. A porta fechou atrás de mim e eu ouvi a chave dar duas voltas na fechadura. 

- Você demorou - falou Levi calmamente, baixando sua mão.

- Desculpe. Eu estava te procurando em seu escritório.

Observei o cômodo com atenção. Eu nunca havia estado ali antes. Não havia basicamente nenhum móvel, apenas uma mesa de madeira e um armário abarrotado de produtos de limpeza. 

- O que você... - comecei a falar, mas fui interrompida quando ele me deu um beijo, empurrando-me contra a parede.

Não entendi o que estava acontecendo, mas retribui o gesto. 

- Você sabe por que eu te chamei aqui? - perguntou raivoso ao me soltar.

- Eu... Desculpe por tê-lo desacatado na frente dos outros soldados, senhor.

- Não isso... - resmungou. 

Engoli em seco. Então o problema era eu ter tido provocado ele, zombando de suas habilidades. Nesse caso, eu não estava encrencada, era um assunto pessoal.

- Não me recordo - sorri maliciosamente. 

Levi parecia pronto para me matar e aquela situação me dava uma sensação satisfatória. Ele voltou a me beijar com vontade, mas depois me jogou de barriga na mesa, imobilizando meus braços atrás das costas. Senti sua boca passear pelo meu pescoço e sua respiração quente em minha pele. 

 

Levi. 

- O que você estava dizendo mais cedo? - apertei mais ainda o corpo dela contra a mesa. 

Liz tentou reprimir um gemido, mas sem sucesso.

- N-nada.

Distribui beijos pelo seu pescoço e desci até as suas costas.

- Me diga - pressionei meu corpo sobre o dela, dando um mordida leve em seu ombro. Ela apenas soltou mais um gemido sofrido - Se eu não me engano, você estava dizendo que eu não seria capaz de fazer você fazer barulho. Era isso? - deslizei uma mão por suas costas, mantendo a outra ainda segurando seus pulsos. Percebi que as pernas de Liz tremiam - Você tem certeza disso? Eu me lembro de você ter feito bastante barulho aquela noite - sussurrei em seu ouvido. 

Tornei a beijar seu pescoço, puxando um pouco seu cabelo. Segurei a parte de trás da sua coxa direita com força e sorri satisfeito ao ouvir ela gemer. 

- Algo assim, mas penso ter ouvido muito mais alto. Refresque minha memória.

Em um movimento rápido, aliviei o aperto em seus braços, mas apenas para poder puxa-lós para cima de sua cabeça. Posicionei minha perna direita entre as delas e fiz pressão, enquanto dava beijos em seu pescoço e deixava minha mão livre passear por dentro de sua blusa.

Liz não aguentou mais e soltou um longo e alto gemido, arqueando o corpo em busca de mais contato. 

- Agora sim - sorri vitorioso - Mas ainda não é o suficiente.

Beijei sua orelha em provocação e brinquei com a barra de sua calcinha. 

Agora Liz se contorcia tentando livrar as suas mãos. 

- Eu ainda não consegui o que queria - mordisquei sua orelha enquanto falava.

- Levi... - disse com a voz rouca.

- Você está implorando? 

Tirei a mão de sua calcinha e passei a ponta de meus dedos em sua barriga, fazendo movimentos curtos e lentos de forma torturosa. Ela mordeu o lábio inferior tentando conter seu barulho. Era orgulhosa demais para admitir aquilo.

- Eu quero ouvir.

Deslizava minha mão para dentro de sua calcinha, mas apenas durante o tempo necessário para ela suspirar aliviada e depois ficar frustrada ao sentir meus dedos deixarem o local. Continuei com esses movimentos até que ela cedesse.

- Por favor... Levi... - as palavras saíram com dificuldade. 

Soltei suas mãos e a puxei para que ficasse sentada. Fiquei no meio de suas pernas e a beijei ferozmente. Toquei com força cada pedaço do seu corpo, certo de que deixaria alguns hematomas, antes de anunciar: 

- Dispensada.

- Mas... - ela arregalou os olhos em surpresa.

- Pode ir agora - eu me divertia com a frustração dela, mas não queria deixar que ela percebesse, então assumi a minha expressão indiferente de sempre.

Liz piscou algumas vezes, tentando entender a situação. Levantou, arrumou o cabelo e a roupa e se dirigiu a porta.

- Liz - chamei quando a mão dela tocava a maçaneta.

- Sim? - ela virou para me olhar cheia de expectativa, os olhos brilhando. 

- Não esqueça de limpar a cozinha antes de ir deitar.

- Sim, senhor - os ombros dela caíram e ela fechou a porta atrás de si.

Esperei algum tempo depois que ela saiu para deixar a sala. Eu sorria satisfeito.


Notas Finais


Levi realmente pode ser cruel quando quer hihi


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...