1. Spirit Fanfics >
  2. Office >
  3. "...pelo meu trabalho duro..."

História Office - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Primeira vez para em um smut, não me crucifiquem!!!!

Capítulo 1 - "...pelo meu trabalho duro..."


Christian soltou um suspiro quando seus dedos pararam sobre o teclado do seu computador de trabalho. Ele finalmente terminou o relatório exaustivo que seu chefe pediu. O relatório foi solicitado pelos altos escalões da empresa e já estava muito atrasado e poderia custar a seu chefe seu emprego se não terminasse rapidamente. Deveria ter levado o dia todo para ele escrever. Christian levantou os braços sobre a cabeça em um aplauso silencioso. As mangas da camisa de botão branca levemente cintilada estavam enroladas até os cotovelos, e a gravata roxa escura pendurada no pescoço pendia um pouco informal demais para ser considerada profissional.

Ele odiava prazos, e este tinha sido especialmente premente. Ele só tinha quatro horas e, apesar do ritmo acelerado de sempre, ainda levará quatro horas para digitar todo o relatório. Para seu crédito, no entanto, isso incluía o tempo necessário para reformular todos os erros que seu colega de trabalho, Mason, havia cometido.

Dedos gastos doendo, ele passou as mãos pelo rosto e fechou os olhos tensos. Olhar fixamente para uma tela de computador por tanto tempo os fez queimar.  Ele deu um suspiro pesado. E é só segunda-feira… Pulisic odiava as segundas

Foi então que ouviu a porta do seu pequeno escritório se abrir e sabia exatamente quem era pela falta de bater antes.

- Suas quatro horas acabaram, Pulisic! Está terminado? 

Christian gemeu interiormente e abaixou os braços pesadamente sobre os apoios dos braços na cadeira do escritório antes de abrir os olhos para colocar sua visão sobre o outro homem, começando pelos sapatos pretos brilhantes até as calças pretas e a camisa cinza de botões que encaixa perfeitamente, acentuando seu torso musculoso. Sua gravata listrada de preto e azul royal estava perfeitamente no lugar, e finalmente seus olhos chegaram a uma mandíbula angular, coberta com uma bela barba e atenuada pelos lábios carnudos. Pulisic se perguntou por que o homem decididamente bonito, e ainda assim tão irritante, sempre preferia aparecer pessoalmente em sua sala, ao invés de usar o interfone.

- Sim, está feito. - Christian disse, seu tom aborrecido e mostrando claramente sua exaustão. Ele apontou com o queixo para o computador em sua mesa. - Senhor Giroud, espero que esteja ciente de que, se não fosse por mim, esse relatório ainda seria a pilha de lixo feita pelo Mason.

Seu chefe bufou e inclinou a cabeça para o lado. 

- Você está tentando insinuar que você merece uma recompensa por fazer seu trabalho, Pulisic? - Seu chefe levantou uma sobrancelha fina para ele.

Christian pensou ter visto algo brilhar nos olhos do outro, algo que ele não conseguiu reconhecer por um instante antes de desaparecer. Ele olhou para seu chefe com indiferença fingida, apesar de seu ritmo cardíaco acelerado, quando Oliver Giroud se aproximou de sua mesa depois de empurrar a porta atrás de si, o clique dela fechando soando alto demais no escritório silencioso. O funcionário tinha visto inúmeras pessoas contratadas e demitidas durante seu tempo aqui. Algumas duraram semanas, outros duraram meras horas. Inferno, ele tinha visto alguém ser contratado apenas para ser demitido um momento depois, após apertar a mão do homem.

Porém, eles compartilham muitas características semelhantes. Só para citar alguns, os dois homens eram obstinadamente arrogantes, às vezes excessivamente sarcásticos, autoconfiantes e muito francos em todos os assuntos, a tal ponto que ambos tendiam a parecer rudes. Ainda assim, Christian preferiria sufocar até a morte em sua própria língua do que declarar o fato de que ele era qualquer coisa como seu chefe duro.

As duas cabeças constantemente se intrometiam. Mas tudo sempre dava certo, e ele tinha certeza de que a competição silenciosa entre eles havia sido o que lhe rendeu o pequeno escritório que ele tinha, destacando-se de outros funcionários da empresa. A vida profissional de Pulisic consistia em uma competição com seu chefe. Uma competição que consistia em Oliver tentando sobrecarregá-lo com trabalho e Christian se esforçando para superar toda a carga. 

Também existia admiração lasciva de Christian pelo seu chefe diabolicamente bonito. E isso era mostrado claramente em seu rosto a primeira vez que o encontrou. Pulisic engoliu em seco e limpou o olhar de reverência de seu rosto, substituindo-o rapidamente por sua quase sempre presente carranca, que só ficou mais profunda quando seu novo chefe abriu a boca e efetivamente o irritou na primeira frase. 

- O que você tem a dizer, Pulisic?

Christian lançou um sorriso para o homem mais velho. 

- Eu digo que desde que acabei de salvar seu emprego, mereço um aumento. Algo pelo meu trabalho duro.

- Hum. O que você quer? - Giroud baixou a voz algumas oitavas, fazendo com que ela saísse dura, mas suave. O som se misturou com o modo como os olhos queimavam em Pulisic, e o calor crescente nas bochechas do garoto sentado os tingia de vermelho. Antes que ele pudesse se conter, sua língua chegou a lamber seus lábios secos.

As sobrancelhas de Giroud se uniram antes que aquele sorriso característico dele se espalhasse lentamente pelo rosto. Esse sorriso fez Christian engolir com força, seu membro voltando à vida dentro do aperto de sua calça cinza.

Os olhos de Pulisic se arregalaram e ele se viu preso entre gemidos e sua mandíbula querendo cair. Em vez disso, ele acabou fazendo um chiado agudo que parecia longe de viril. Ele chupou o lábio inferior na boca para mastigá-lo, impedindo-se de fazer qualquer outro barulho enquanto a língua rosa de Giroud se agitava para molhar os lábios.

Giroud ficou de pé até a altura máxima e contornou a mesa de Pulisic, vindo atrás dele para se inclinar sobre o homem menor sentado. A respiração do chefe surgiu na parte de trás de Pulisic, fazendo os pequenos pelos se arrepiarem, e o funcionário respirou fundo.

O chefe beliscou sua orelha e deixou a mão no ombro de Pulisic deslizar para baixo sobre seu peito largo, parando para ajustar um mamilo endurecido e desenhando um gemido do homem mais jovem. Olivier estendeu a mão e pegou um punhado de cabelo laranja brilhante e puxou, puxando a cabeça de Pulisic para descansar em seu ombro.

Essa linha de pensamento parou quando o chefe arrastou seus dentes sobre a carne sensível do pescoço de Pulisic, encontrando seu ponto de pulsação antes de morder suavemente.

Pulisic ofegou e gemeu, inclinando o queixo mais para dar ao outro maior acesso. Giroud rosnou e chupou, deixando uma bela marca rosada na pele pálida do pescoço antes de soltar o aperto e voltar para a altura máxima.

Pulisic reprimiu um gemido que ameaçava derramar com a perda de contato.

- Vá trancar a porta. Não quero ser interrompido enquanto nos divertimos. - Pulisic engoliu em seco na direção de seu chefe.

Pulisic caminhou rapidamente até a porta e a trancou com uma mão trêmula. Ele se amaldiçoou mentalmente por permitir que seu chefe o afetasse tanto. Ele mal havia tocado em Pulisic, porém seu pênis sentia-se sufocado debaixo de todas as camadas de tecido.

Giroud sentou-se no assento de Pulisic assim que ele o deixou e rapidamente se inclinou para frente, apertou o botão 'enviar' e sorriu quando viu a animação de um envelope fechar e voar para longe, e uma mensagem apareceu dizendo que o email foi enviado na tela. Ele pensou brevemente em sair para ensinar ao outro homem uma lição sobre mexer com alguém mais alto da cadeia alimentar, mas a rigidez de seu membro o fez pensar melhor.

Pulisic engoliu em seco novamente e caminhou de volta para ele, ofegante. Surpreendido quando a gravata foi agarrada no instante em que ele chegou ao alcance do homem. Giroud sorriu e puxou a gravata com força suficiente para puxar Pulisic até a altura sentada e esmagou os lábios, sua língua buscando entrada imediata na boca do jovem. Deixando escapar pequenos gemidos, a língua de Olivier mapeou tudo o que Christian tinha para oferecer.

As línguas giraram e dançaram uma com a outra antes de Giroud se afastar, mordendo o lábio inferior gordo de Pulisic antes de se separar e se recostar na cadeira. Pulisic abriu lentamente os olhos que se fecharam inconscientemente durante o beijo e grunhiu quando o outro deu um puxão repentino em sua gravata mais uma vez.

- De joelhos, Pulisic. - Não era uma pergunta ou mesmo uma afirmação. Era uma ordem, uma ordem do seu chefe, e com a gravata firmemente presa, Christian lentamente se ajoelhou entre as pernas do homem mais velho.

Pulisic mordeu o lábio inferior quando suas mãos trêmulas subiram pelas coxas duras de Giroud, roçando a dureza que estava escondida sob sua calça. Giroud respirou fundo antes de segurar o cinto. Com outra respiração profunda, Pulisic tentou se concentrar para que ele não parecesse um completo idiota se atrapalhando para desabotoar o cinto. E em seguida, veio o botão da calça, para que ele abrisse o zíper lentamente. Ele olhou um pouco nervoso para seu chefe, com olhos ligeiramente estreitados.

Os gemidos eram grossos e áspero e, Pulisic tremia um pouco quando o som agrediu seus ouvidos. Abaixando o olhar de volta para as mãos, ele enfiou a mão nas calças de seu chefe, passando por sua cueca sedosa e passando a mão em torno do eixo de Olivier. A mão macia de Christian envolveu o comprimento e acariciou algumas vezes antes de puxá-lo para todos verem. Giroud suspirou quando o hálito frio fez contato com a carne superaquecida de seu pênis endurecido e deu uma risada baixa quando ele viu a expressão de olhos arregalados de Pulisic.

O mais jovem acariciou-o lentamente, amando os pequenos gemidos que ele retirou do homem sentado. Com os olhos presos no pau grosso de Giroud, ele endurece completamente diante de seus olhos. Seria uma pena se ele não conseguisse provar o delicioso prêmio à sua frente, e foi o que ele fez.

Inclinando-se para a frente, Pulisic passou a língua sobre a cabeça inchada, quase gemendo com o gosto enquanto a língua lambia a carne macia. Ouvindo uma inalação aguda, ele ergueu os olhos para encontrar os de Giroud, escurecendo com luxúria. Mantendo os olhos trancados, Pulisic moveu-se para arrastar a língua com a parte inferior do comprimento impressionante e observou os olhos de seu chefe se estreitaram um pouco mais. Um gemido profundo saiu de sua garganta quando Pulisic levou a cabeça completamente à boca e esvaziou as bochechas.

Giroud cantarolou, feliz por o homem mais jovem ter decidido colocar sua boca alta em um uso melhor antes que ele pudesse pedir. Ele poderia garantir um aumento para alguém que tomou a iniciativa.

- Vamos ver o quanto essa boca bonita pode aguentar.

… 

A respiração de Pulisic ficou presa antes que ele desse um gemido fraco, a dor se misturando com o prazer avassalador de seu orgasmo, ainda caído sobre ele, e Christian adorou. Giroud rosnou ao redor da carne em sua boca antes de se inclinar para trás e sair do garoto, que agora estava caído sobre a mesa.

Pegando alguns lenços na mesa de Pulisic, seu chefe rapidamente se limpou antes de  enfiar de novo as calças e ajeitar o resto de suas roupas. Pulisic observou-o preguiçosamente pelo canto dos olhos caídos. Ele notou que, assim que seu chefe terminava de se endireitar, parecia mais perfeito e composto do que nunca. Como se nada tivesse acontecido. 

Giroud sorriu para o corpo flácido de Pulisic e ajudou o homem a subir as calças pelos quadris antes de puxá-lo para fora da mesa e depositá-lo gentilmente em sua cadeira. 

Oliver encontrou a boca de Christian mais uma vez. Giroud causalmente caminhou até a porta. 

- Limpe-se e volte ao trabalho, Sr. Pulisic. - Christian franziu a testa e tentou reunir o olhar mais desagradável que pôde, que no momento só poderia ter sido um pouco irritado e ele suspirou quando ouviu a trava se abrir na porta do escritório. - E Pulisic? Se você sentir que precisa de outro aumento, não hesite em me procurar. Estou aqui para ajudar meus funcionários, você sabe. 

O sorriso safado de Giroud se espalhou lentamente em seu rosto quando ele abriu a porta e saiu. Pulisic teve um vislumbre do que estava do lado de fora, vários outros funcionários olhando na direção de seu escritório, vários olhares de choque e surpresa em cada um deles. Aparentemente, as paredes de seu escritório não eram tão grossas quanto ele pensará.

A porta foi fechada com um clique alto e o som da voz de seu chefe saiu alto e claro quando ele latiu uma ordem. "Volte ao trabalho, seus bastardos intrometidos!"

Todos no escritório sabiam o que havia acontecido entre eles, e estranhamente Pulisic simplesmente não conseguia se dar ao trabalho de se preocupar com isso.

Talvez as segundas-feiras não sejam tão ruins, afinal.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...