1. Spirit Fanfics >
  2. Often >
  3. Misunderstandings

História Often - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Depois de quase dois meses com crises de identidade e bloqueio criativo estou aqui meus amores. Me perdoem e não desistam de mim!!!!!! jflkdsajfkljkldfs sério, eu tive muito problema pra desenvolver... mas confiem que a fic não vai ser abandonada não, o roteiro tá todo prontinho, o meu maior problema tá no desenvolvimento mesmo, como eu disse... tenho todas as cenas na cabeça, mas as vezes não consigo passar pro papel :( espero que entendam!
De qualquer forma, espero que gostem do capítulo e prestem atenção, vocês vão ver um lado do Chanyeol aqui que ele ainda não tinha mostrado.

Um avisozinho: estamos nos capítulos finais, acredito que mais dois ou três. Já sinto falta...

Agradecimento mais que especial pra minha beta maravilhosa @chanbaekaz que sempre me salva ehhehe te amo!

Enfim, boa leitura! Nos vemos nas notas finais.

Capítulo 9 - Misunderstandings


Não sabiam dizer verdadeiramente se estavam cem por cento bem, mas não queriam pensar em outra coisa a não ser a presença do outro junto da sua. Esperavam poder voltar a tudo como era antes de complicarem tudo e se afastarem. 

Depois daquela reconciliação no carro de Chanyeol, Baekhyun foi pra casa sorrindo aos montes, chegou até a cantarolar as músicas aleatórias que tocavam no rádio que, inclusive, ele mal ligava enquanto dirigia. Sentia-se feliz. Parecia que tinha retirado cinquenta quilos de algo das suas cotas. Estava leve. 

Estava tão leve que no dia posterior ao ocorrido, chegou na sala do projeto de pesquisa da faculdade todo radiante. 

 

— Bom dia! – exclamou dando um beijo na testa do melhor amigo que digitava no computador da sala de pesquisa.

 

— Muito bom dia! – respondeu arqueando uma sobrancelha e virando a cadeira para observar o amigo. — Que felicidade toda é essa, meu consagrado? 

 

— Nada demais – suspirou e deu um sorriso enquanto arrumava seus materiais na mesa central da sala.

 

— Esse nada demais tem nome e sobrenome? – perguntou num tom sugestivo lançando um sorriso para o mais velho. 

 

— Kyungsoo… – parou o que estava fazendo pra olhar nos olhos do amigo.

 

— Não precisa dizer mais nada, teu olhar diz tudo, Baek – deu uma risadinha e virou a cadeira para o computador novamente. —  Fico feliz que se acertaram. 

 

Baekhyun suspirou e encarou as costas do amigo. Kyungsoo o conhecia tão, mas tão bem que lia o seu olhar em segundos. 

Estava feliz, ainda sentia uma pontinha de insegurança que fazia seu estômago borbulhar, mas ainda assim estava feliz. Podia sentir sua energia lá no alto, sabia que seu dia seria muito mais produtivo do que os outros dias que vinham passando. 

Não tinha conversado profundamente com Chanyeol nem nada do tipo, mas depois de terem transado no carro dele e agido como se tudo estivesse bem, tratou aquilo como o que precisavam para se resolverem. Não queria perder tempo com bobagens, iria deixar o que tinha para deixar no passado e pretendia virar a página, não queria mais pensar em coisas que aumentassem sua insegurança. Estava tentando, de verdade, mudar seus sentimentos e ultrapassar suas próprias limitações.

Queria ser um novo Baekhyun. Não apenas por Chanyeol, mas por si mesmo. 

 

~”~

 

Alguns dias passaram e os dois estavam bem. Tinham voltado ao relacionamento “sem compromisso” que tinham, um indo na casa do outro de vez em quando, mas dessa vez sem a limitação de terem que ir embora, acabavam dormindo por lá mesmo e algumas vezes ousavam ficar de chamego. 

Não, eles não conversaram sobre o tempo que se afastaram e nem sobre os sentimentos que desfrutavam. Achavam que o que tinham estava bom, que bastava, que era aquilo que precisavam. Querendo ou não, foi feito um acordo mudo entre eles que iriam continuar assim. Gostavam da presença um do outro e não queriam se rotular. Baekhyun principalmente não gostava de pensar nessa última parte. 

Ambos queriam ser livres, não queriam dar satisfações da vida para ninguém e não davam. Eles não se cobravam, tinham uma confiança um no outro, o tempo que estavam saindo juntos auxiliava nisso. Além de terem consciência de que não tinham nada sério, então não tinha o porquê de existirem essas cobranças. Só que mesmo que negassem com todas as forças, lá dentro, no fundinho do âmago de cada um, sentiam uma pontada de desconfiança, sempre pendia na mente aquele “e se?”. Era inevitável. E com isso, vinha a insegurança e até mesmo o ciúme, só que jamais iriam admitir, não conseguiam. Principalmente o mais velho entre os dois, que sempre foi mais relutante, enquanto o mais novo era somente mais alheio aos próprios sentimentos. 

Após finalmente passar em todas as provas, o semestre finalmente terminou e entrariam em recesso antes de iniciar mais um período na faculdade. Baekhyun continuava no projeto de pesquisa com Kyungsoo, indo de vez em quando pra universidade, às vezes acompanhado de Chanyeol e às vezes saindo de lá com ele. 

Baekhyun estava pronto para sair da sala de pesquisa quando ouviu a voz do melhor amigo ecoar pela sala:

 

— Vai na festa do centro acadêmico hoje? – perguntou enquanto guardava as coisas na pasta.

 

— A festa é hoje? – parou em frente a porta da sala e virou para encará-lo. 

 

— Você tá vivendo em que mundo, Baek? – riu baixinho e andou até o mais velho que abriu a porta para eles passarem, logo trancando-a atrás de si. 

 

— Sei lá – riu baixinho andando ao lado dele. — Acho que vou sim. – Assentiu.

 

—  Bom, eu vou com você então. 

 

—  Não vai com o Jongin? –  virou o rosto para olhar o amigo.

 

— A gente se encontra lá, provavelmente o Chanyeol vai também, não tem problema. – Sentiu o coração errar uma batida ao escutar o nome do mais alto e deu um sorrisinho sem o amigo notar, ficava todo bobo quando pensava nele, às vezes sentia-se como um adolescente. — Vou pra sua casa às seis pra me arrumar junto contigo, pode ser? – pararam no hall de entrada da universidade um de frente para o outro. 

 

— Pode ser. Leva aquela sua jaqueta preta de sarja pra mim? 

 

— Levo sim! Te mando mensagem quando chegar.

 

Se despediram e cada um foi para um lado, já que o carro de ambos estavam em diferentes estacionamentos da universidade. 

Enquanto andava até seu carro, Baekhyun pegou seu celular e abriu o aplicativo de mensagens, vendo que tinha uma mensagem de Chanyeol ali. Sorriu sozinho. 

 

Chanyeol (11:54):

Já saiu da facul?

 

Baekhyun (12:02):

Tô saindo agora

Pq??

 

Bloqueou o celular e guardou de volta no bolso, tendo que logo pegá-lo já que recebeu a resposta quase que instantaneamente. Entrou em seu carro jogando a pasta no banco de trás e abriu novamente o celular, vendo que Chanyeol ainda estava online. Sentiu uma pontadinha de uma boa ansiedade ao imaginar que o mais novo estava esperando por sua resposta. Prendeu o lábio inferior entre os dentes enquanto lia a mensagem.

 

Chanyeol (12:04):

Ah sim

É que tava pensando se você vai hoje na festa do CA

 

Baekhyun (12:04):

Acabei de confirmar com o Soo…

Você também vai?

 

Chanyeol (12:05):

Vou sim

Te vejo lá então?

 

Baekhyun (12:05):

Sim, nos vemos lá ;)

 

Bloqueou o celular e fechou os olhos suspirando, já imaginando a noite que teria com o mais alto. Inferno. Era sempre essa mesma expectativa toda vez que se encontraria com Chanyeol. As mãos chegavam a suar de ansiedade. Nem parecia que ficavam juntos há meses, realmente parecia como se fosse a primeira vez. A boca do estômago já borbulhava e Baekhyun ainda retesava a admitir que eram as malditas borboletas. 

Sabia que gostava de Chanyeol e não negava mais. O problema era que a palavra “apaixonado” ainda era algo que o assustava um pouco, o deixava com o coração apertado e o medo de se machucar sempre o tomava. Mesmo que tentasse com todas as forças curar aqueles sentimentos, ainda era algo que o dominava, não conseguia controlar totalmente. Tentava, ao menos. 

Passou o dia jogando o tempo fora, até Kyungsoo tocar sua campainha anunciando que tinha chegado para se arrumarem juntos para ir para festa. O amigo entrou e já foi direto para o quarto do mais velho, já era praticamente de casa mesmo, Baekhyun não se importava. Fechou a porta atrás de si e foi atrás do baixinho.

 

— Trouxe a jaqueta? – perguntou se escorando no batente da porta do próprio quarto assistindo o amigo tirar as coisas de dentro da mochila.

 

— Trouxe sim. – Jogou a jaqueta na direção do Byun. — Vê se não estraga ela, a última vez que te emprestei ela voltou toda vomitada – fez cara de nojo mostrando a língua.

 

— Para com isso – deu uma gargalhada. — Eu sempre cuido das coisas que tu me empresta. – Se aproximou do amigo e deu um leve empurrão nele antes de se direcionar para o banheiro, pegando uma toalha no caminho. — Vou tomar banho.

 

— Tá bom, vou depois de você. – Anunciou.

 

Baekhyun tomou seu banho e Kyungsoo foi logo que o mais velho saiu. Se arrumaram relativamente rápido e chamaram um motorista no aplicativo para que fossem até a festa, nunca iam de carro pois sempre enchiam a cara e sabiam que dirigir em um estado crítico não era nada bom. 

Chegando na casa onde ocorreria a festa, entraram juntos e foram direto para a cozinha para pegar bebidas na geladeira. Kyungsoo pegou duas garrafas de soju e entregou uma delas para Baekhyun que estava apoiado na bancada ao meio do cômodo olhando fixamente para a sala de estar. Havia apenas uma outra bancada que dividia os dois cômodos, por isso ele conseguia ver o local. Observava as pessoas passando por ali enquanto outras dançavam, conversavam e bebiam. 

 

— Tá olhando o quê? – Kyungsoo se apoiou na bancada ao lado do amigo olhando em direção a sala também.

 

— Oi? – olhou pro Doh saindo do seu pequeno transe.

 

—  Eu perguntei o que tais olhando? – riu baixinho e pegou o celular olhando as notificações. Estava esperando mensagem de Jongin.

 

— Ah tá – riu e bebericou da garrafa. – Pior que nem tava olhando nada em específico. – Olhou em volta e depois direcionou seu olhar para a tela do celular de Kyungsoo. — Ele já tá chegando? 

 

— Eles vão se atrasar um pouco, parece que o Chanyeol teve que passar na casa da irmã dele pra fazer alguma coisa – comentou e Baekhyun ficou em alerta, tudo sobre o mais alto o fazia se interessar quase que instantaneamente.

 

— Hm… – Byun murmurou pensativo olhando a tela do próprio celular e não vendo nenhuma notificação do Park ali.  

 

— Vamos pro quintal lá atrás então? –  bloqueou a tela e virou o olhar para o amigo.

 

— Ah sim, vamos sim. – Bebeu toda a garrafa de uma vez, deixando Kyungsoo assustado. — Vamos levar mais bebidas! 

 

— Vai com calma, Baek – riu baixinho enquanto observava o amigo pegar mais duas garrafas de soju. — Eu nem terminei a minha, por que você tá pegando duas? – franziu o cenho. 

 

— Quem disse que é pra você? –  arqueou uma sobrancelha e deu um sorriso ladino arrancando uma risada do melhor amigo.

 

— Já to vendo que a noite vai ser longa – comentou começando a andar pela casa a caminho do quintal dos fundos.

 

— Se Deus quiser – murmurou bebendo da nova garrafa enquanto o seguia. 

 

~”~

 

Finalmente estavam dentro do uber a caminho da festa. Jongin digitava ansioso no celular, enquanto Chanyeol observava as luzes da cidade passarem rapidamente por eles enquanto o carro andava. O Park teve que passar na casa de Yoora para ajudá-la em uma emergência e como Jongin e ele haviam combinado de irem juntos, ambos acabaram se atrasando. 

 

— O Kyungsoo não me responde – falou ansioso virando o olhar para Chanyeol.

 

— Vai ver é porque ele tá na festa, né, Jongin? – soltou uma risadinha olhando para o amigo de volta.

 

— Ele sempre me responde – falou num tom preocupado. — E se aconteceu alguma coisa?

 

— Cara, ele deve tá bebendo e dançando com o Baekhyun, nem te esquenta com isso, certeza que ele nem lembrou de pegar o celular. – Levou uma das mãos até o ombro do amigo para acalentá-lo. —  Você tá preocupado por nada, desencana!

 

— É, deve ser… – relaxou os ombros e olhou novamente para a tela do celular antes de voltar a olhar pela janela. 

 

Chanyeol balançou a cabeça e soltou um riso anasalado e voltou também a olhar pela janela percebendo que haviam chegado. O motorista estacionou em frente a casa onde já dava para notar a movimentação de pessoas entrando e saindo, a música alta chegava aos ouvidos dos dois amigos que saiam do veículo e iam em direção à entrada.

Ao entrarem na casa, como de costume, foram direto para a cozinha em busca de bebidas para começarem a noite. Jongin já olhava para a sala em busca de Kyungsoo enquanto Chanyeol catava garrafas de cerveja para eles. Pegou duas para si e uma para o amigo. 

 

— Achei! – ouviu Doh falar de repente e sumir do seu campo de visão. 

 

Suspirou e se apoiou na bancada observando a sala enquanto as pessoas dançavam, abriu sua garrafa de cerveja e bebeu quase metade quando o melhor amigo voltou com o namorado em seus braços. 

 

— Chanyeol-ah!!! – Kyungsoo falou animado se desvencilhando de Jongin e indo em direção ao mais alto para abraçá-lo. —  Tudo bem contigo? 

 

— Kyung! – sorriu de volta e o abraçou. — Tudo sim! E vejo que contigo tá tudo ótimo também. — Soltou do abraço e deu uma risada ao notar que o namorado do melhor amigo se encontrava já alterado pela bebida. 

 

— Eu tô ótimo! Mas tô melhor ainda agora – escorou o corpo em Jongin e o beijou rapidamente. Chanyeol riu balançando a cabeça enquanto bebia o resto de sua cerveja.

 

— Você tava sozinho, cadê o Baek? – Jongin questionou após afastarem as bocas e aproveitou para pegar a garrafa que Chanyeol havia separado para si em cima da bancada. 

 

— Pior que eu não sei – comentou e virou o rosto para olhar para a sala lotada de gente. 

 

Chanyeol sentiu o coração apertar com aquela informação. Onde estaria Baekhyun? Obviamente já estava bêbado o suficiente para fazer merda e essa constatação irritou o Park. Pegou a outra garrafa de cerveja e bebeu tudo de uma vez, sentindo o líquido rasgar na garganta. Jongin e Kyungsoo o olhavam surpresos.

 

— Hoje a noite vai ser longa! – Kyungsoo comentou rindo enquanto jogava os braços pro alto. — Vamos dançar! 

 

O baixinho puxou Jongin pelo braço e foi andando em direção à pista de dança improvisada no meio da sala da casa onde rolava a festa. Chanyeol pegou outra garrafa na geladeira antes de segui-los. 

Sentia a cabeça girar já e nem era por conta da bebida. Estava puto com Baekhyun e consigo mesmo. Puto por o mais velho ter sumido e o deixado com ciúmes. E puto consigo mesmo por estar com aquele sentimento dentro do peito. Odiava sentir ciúmes. Sentia-se um completo idiota quando era invadido por aquilo, parecia que ia se afogar. 

Um misto de emoções passava pela mente de Chanyeol: ciúmes, culpa, preocupação… Gostava de Baekhyun, gostava muito. Havia admitido isso há algum tempo, mas nunca tinha sentido isso que sentia naquele instante e era uma sensação péssima. 

Ao mesmo tempo que queria encontrá-lo e deixar que a sensação se dissipasse, também queria sair correndo e sumir dali sem dar explicação pra ninguém. Apenas sumir. 

Juntou-se ao casal de amigos na pista improvisada e mexeu o corpo quase que roboticamente ao som da música enquanto bebericava sua cerveja e olhava em volta. Jongin e Kyungsoo praticamente pulavam ao seu lado animados demais com a música que tocava. Os corpos chocavam no dele e ele fingia estar aproveitando a festa, mas na realidade estava passando os olhos por todo o local em busca de Baekhyun.

Não demorou muito para encontrá-lo. Estava pronto para beber mais um gole da sua bebida até que parou os olhos em uma silhueta que conhecia muito bem. Baekhyun estava apoiado na parede próximo a saída para o quintal dos fundos. E estava acompanhado. 

O mais velho conversava animadamente com outro cara que estava com um dos braços apoiados na parede ao lado dele, numa proximidade perigosa. O corpo daquele homem mostrava explicitamente suas intenções com Baekhyun que gesticulava animadamente, falando sobre algum assunto que Chanyeol não dava uma foda. 

Sentiu as mãos ficarem dormentes ao mesmo tempo que apertava a garrafa na mão e parava o braço no meio do caminho antes que pudesse beber o líquido. Continuou encarando e o coração apertando, o rosto se transformando numa carranca ao ver a animação de Baekhyun com aquele cara. Quem era ele afinal? Por que Byun parecia tão feliz com ele? Sem contar a proximidade em que estavam e a forma que o cara o olhava, às vezes olhando para os lábios do mais baixo, às vezes olhando para as coxas na calça apertada.

Aquilo fazia o sangue de Chanyeol ferver e a bebida ajudava nisso. Estava a ponto de surtar até que Baekhyun encontrou seu olhar e sorriu. Um sorriso lindo e grande, os olhos brilhavam e dava pra ver de longe aquele brilho. O Park poderia se perder nas orbes de Byun e se afogar neles, mas não era o caso. 

O sorriso de Baekhyun foi se desfazendo aos poucos ao perceber a feição de Chanyeol, pendeu a cabeça para o lado e fez uma expressão confusa. O cara ao lado percebeu e se virou para olhar para onde o mais baixo olhava trocando olhares com o Park também. Aquilo foi a gota d’água para si. 

Voltou a olhar para Baekhyun que agora tinha se afastado da parede em que estava encostado e dado um passo em sua direção, o olhar preocupado. Não soube dizer o porquê, mas sentiu raiva, ódio, decepção, ciúmes e cinquenta outras emoções ao mesmo tempo. As mãos suavam e sentiu a garganta arder, queria gritar, mas não o fez. Olhou para o cara ao lado de Baekhyun e olhou novamente para o menor antes de virar as costas e sair em direção à porta da frente por onde tinha entrado.

Estava decidido. Iria embora, não conseguia ficar mais um minuto dentro daquela festa sem se sentir sufocado tanto pelas pessoas ali quanto pelos próprios sentimentos. Não falou nada para Jongin, nem para Kyungsoo que o viram se afastar rapidamente sem entender.

 

— Ei, Yeol! – Jongin gritou, mas não foi atendido, virou o olhar para o namorado à sua frente e abriu os braços e mãos em confusão.

 

— Daqui a pouco ele volta e… – começou a falar antes de ser interrompido por um Baekhyun completamente ofegante e com o olhar perdido segurando o braço de Kyungsoo. 

 

— O Chanyeol falou algo com vocês? 

 

— Não. – Kyungsoo franziu o cenho para o mais velho. — O que aconteceu? 

 

— Não sei – falou e saiu em direção à saída da casa.

 

— Ei, Baek! – Doh tentou chamar atenção do amigo, também em vão e suspirou. — Esses dois são estranhos – balançou a cabeça e voltou a atenção para o namorado que já o puxava pela cintura para se beijarem.

 

Enquanto isso, Baekhyun praticamente cambaleava ao correr atrás de Chanyeol. Sentia que algo estava errado e tinha certeza o que era depois de ver a expressão do mais alto. Nunca tinha visto ele daquela forma. Sentia as mãos tremerem e o coração acelerava no peito em ansiedade pura. Ele deve ter entendido errado, tudo errado. 

Sentiu a garganta fechar no momento que saiu pela porta da frente e olhou desesperado para a rua, esbarrou em algumas pessoas até parar na calçada e olhar ambos os lados apenas para encontrar Chanyeol entrando num carro.

 

— Chanyeol! – gritou tentando chamar atenção dele e andando rapidamente em direção ao veículo.

 

Mas já era tarde. E Chanyeol já tinha partido. 

 

~”~

 

Chegou em seu apartamento zonzo, completamente perdido, não sabia dizer o que estava acontecendo com seus sentimentos. Provavelmente havia chegado no seu limite. Mas que merda! Como pode ter surtado de ciúmes daquela forma? Mas o que poderia fazer também? A imagem de Baekhyun conversando tão próximo e tão animado com aquele cara passava diversas vezes por sua cabeça o deixando cada vez mais perdido e com raiva. Estava tão apaixonado assim? A resposta era assustadora para si.

Ok, já tinha admitido que gostava do mais velho, mas parecia que aquilo tudo era totalmente diferente de tudo que já havia passado. Nunca, nunca mesmo, havia tido aquelas sensações. Raiva. Ansiedade. Decepção. Medo.

Começou a receber uma chuva de memórias com Baekhyun. Desde o primeiro beijo, a primeira transa, a primeira vez que dormiram juntos, quando se afastaram e quando se resolveram. A imagem do mais velho deitado na sua cama, os olhos pequenos, o sorriso preguiçoso nos lábios delineados depois de uma noite inteira fudendo por todo o seu apartamento, a pele macia e leitosa sobre a sua… 

Pressionou os olhos com força. Estava com raiva de si, de Baekhyun, daquele cara, de tudo. Sentia a garganta arder e os olhos doíam no momento em que se jogou no sofá de casa. Olhou fixamente para o teto e deixou-se ser engolido por tudo aquilo que sentia. Precisava sentir o peso da decepção. Como Baekhyun podia fazer aquilo com ele? Não podia ter entendido tudo errado, podia? Cada pergunta que passava por sua cabeça o deixava pior e o efeito da bebida em seu corpo não ajudava nem um pouco.  

Foi tirado de seus devaneios ao ouvir a campainha tocar de repente. Franziu o cenho. Quem poderia ser? Não chamou ninguém e o porteiro também não ligou para confirmar a entrada de ninguém. 

Suspirou e passou a mão no rosto e nos cabelos antes de levantar e ir até a porta. Provavelmente era Yoora, pensou. 

 

— O que foi, Yoora? 

 

Falou num tom cansado depois de abrir a porta sem observar no olho mágico, e quando levantou o olhar sentiu o corpo inteiro paralisar ao ver de quem se tratava.

Era ninguém menos que Byun Baekhyun.


Notas Finais


NÃO ME MATEM. Amo vocês, rs. Até o próximo capítulo.

Minha dm e meu curiouscat estão abertos pra críticas e sugestões também para quem quiser:
https://twitter.com/loeybar
https://curiouscat.me/loeybar

Beijinhossss!! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...