1. Spirit Fanfics >
  2. Oh cúpido vá longe de mim! (Tododeku) >
  3. Estúpido cúpido!

História Oh cúpido vá longe de mim! (Tododeku) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Heiii, preparados pra mais uma fanfic!
Bem o intuito é fazer capítulos com temáticas e títulos que tenham haver com músicas de romance antigas! (E que claro se entrelaçam com o enredo próprio) Serão cerca de 5 a 10 capítulos dependendo do rumo.
Beijinhos e boa leitura!

Capítulo 1 - Estúpido cúpido!


Fanfic / Fanfiction Oh cúpido vá longe de mim! (Tododeku) - Capítulo 1 - Estúpido cúpido!

Oh cúpido vê se deixa em paz! Meu coração que já não pode amar, eu amei há muito tempo atrás, já cansei de tanto soluçar, hei hei, é o fim, Oh cúpido vá longe de mim!


Seu cúpido certamente amava brincar com seus sentimentos de forma sádica e irônica, o pobre coração já não aguentava suportar até mesmo o enunciar da palavra "paixão" que já sentia o doer em amargura e frustração.


Shouto era jovem, poderia ainda ter muitas aventuras de amor, mas certamente não queria vivência-las, os traumas do fracasso no jogo do amor o atormentavam tanto a ponto de nem sequer querer ouvir a bendita. Entretanto era feliz assim mesmo, sem esperança nisso mas bem resolvido, trabalhava há anos na sua própria cafeteria no subúrbio do Japão, e todo esse foco no trabalho o rendeu bons resultados e fama no ramo de cafeicultura.


Suspirou pesadamente enquanto encarava a cafeteira moer cada grão puro de cafeína para o próximo café que iria servir, enquanto Jirou o enchia os ouvidos a tagarelar o quanto estava apaixonada.


Até acharia fofo se não fosse tão complexado com isso.


-Todoroki! Você não entende, é único, eu perco o fôlego quando vejo ela sair do banheiro e desfilar pra mim com aquele sutiã de renda verm-


-Chega, pelo amor! Eu amo você e bem sabes disso, mas não significa que eu preciso ficar escutando esse monólogo de como a Momo é perfeita no sutiã de rendinha vermelha com pequenas bonecas russas! Vocês apaixonados são insuportáveis- bateu com a xícara de porcelana no balcão a preparando para receber o leite recém fervido.


-Aí aí, desculpe-me senhor que odeia apaixonados! Sho, eu sei que as suas experiências não foram lá as melhores, mas isso não significa que é hora de desistir ou que você não mereça sentir paixão.....-tocou o ombro do heterocromado de forma amena, carinhosa e cuidadosa.


Em geral, poderia se considerar um bom amigo, era agradável, geralmente passivo em relação a brigas e apoiava todos com o que podia, mas o assunto paixão e amor eram um tabu, não o fazia bem pensar nisso e seu humor desandava ao lembrar de seus odiosos relacionamentos, não era fácil e nunca foi, infelizmente era um fracasso inegável e uma ferida exposta, que a todo custo tentava se proteger ignorando o assunto.


-Jirou, por favor não....- pediu, sabia que ela não fazia por mal e que as pessoas ao seu redor, cheias de amor, naturalmente iriam transbordar e isso o atingiria.


E o bicolor odiava essa idéia.


As relações....como podia explica-las? O cúpido certamente tinha algum tipo de problema ocular, pois suas flechas somente miravam em latas de lixo enormes que se encontravam em chernobyl com tanta toxicidade que presenciou.


Era doloroso lembrar, e como na maioria de seus problemas emocionais, ele os ignorava.


Até que o sino que notificava a entrada de um novo cliente soou.


E seu cupido pareceu acordar e atirar uma nova flecha, mal feita, as pressas, mas tão potente quanto qualquer outra.


Era um esverdeado que o seus olhos teve o prazer de observar.


Pequenininho, lotado de sardas que pareciam pequeníssimos grãos de canela expostos na pele bronzeada e convidativa, e os cachos, ah! Redondos e bem aninhados no couro cabeludo, um pouco bagunçados,(fofo ele diria) um olhar penetrante tão verde quanto qualquer floresta que pode conhecer ou tão brilhante quanto duas esmeraldas reluzentes, e como se aquela obra divina tivesse seu último toque, o lindo sorriso que iluminava a expressão do garoto.


-Todoroki? Não vai atender o garoto não?- sentiu o cutucão vindo da amiga que o tirou do transe.


Ele realmente tinha pensado tudo isso em um curto tempo?


Não não podia ser, era devaneio, loucura, só podia, deveria estar cansado demais e acabou a confundir as peças.


-Ah, sim, o que deseja? Se me permite a nossa especialização são cafés e tortas.- Repetiu automaticamente o que falara pelo resto do dia tentando amenizar o surto interno que lhe ocorrera. 


-Cafés hum? Claro que seria, uma cafeteria não é?- Riu exasperadamente e  Shouto jurou que perderia as forças- Meu nome é Izuku, e eu prefiro algo que você me recomendar, gosto de surpresas!- respondeu meigo sorrindo logo em seguida,- Então seu nome é Todoroki?


Pane, tela azul, seus pequenos divertidamente estavam a pedir socorros.


-Está no crachá, então sim.


Oh não...


-Ah sim! O crachá! - desviou o olhar sem graça saiu a procura de um lugar para se acomodar.


-Epa,epa, isso aqui foi um pânico? Isso foi um pânico! Eu não estou acreditando que o verdinho ali balançou o meu protegido!- chacoalhou o corpo do garoto rindo.- Ok, aqui não é a universal mas eu vi um milagre, e na minha frente!


A única coisa que realmente desejava, era enterrar-se no chão e nunca se dignar a sair novamente.


Estúpido Cúpido.


Notas Finais


Iaii o que acharam? Pegaram a vibe?
Enfim a música inspirada e que apareceu no capítulo foi da ilustre Celly Campello - Estúpido Cúpido
Recomendo super!
https://youtu.be/bPTD0SI33AE
Espero que tenham gostado e perdoem me os erros!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...