História Oh My Dear Lord - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Kakashi Hatake, Obito Uchiha (Tobi), Rin Nohara
Tags Kakashi X Obito
Visualizações 11
Palavras 1.233
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Perdoem os erros, são 2am de uma linda sexta
11.10.2019

Hange

Capítulo 10 - Me tirem daqui


A manhã parecia deveras mórbida naquela manhã, parecia que até mesmo os céus sentiam o clima deprimente que pairava naquele reino isolado. 

Kakashi foi o primeiro a acordar, despertara com a camareira gritando e batendo a porta e imaginando que algo bom não viria, levantou-se, colocou a máscara de volta e pulou da janela, não sem antes colocar Obito gentilmente na cama, o cobrindo e depositando um pequeno beijo em sua testa. Segundos depois, Rin abriu a porta e encontrou um quarto vazio, tendo o moreno ressoando calmamente na cama, mesmo vasculhando o quarto nenhum sinal de que mais alguém estava presente. 

Derrotada, sentou-se na cama e esperou que Obito acordasse. 

Já passavam das 10am e nada do príncipe acordar, sendo assim decidiu passear pela cidade para ver como esta se encontrava. O rei seria sepultado hoje, afinal, o clima tenso era completamente compreensível. 

Ao deixar os portões do castelo, caminhou pelas ruas, vielas e alguns becos encontrando sempre a mesma cena, "pessoas deprimidas e de cabeça baixa". Em vida, Madara fora um bom homem, duro, exigente, intimidados mas nunca deixou de ser um exímio pai e rei, os cidadãos sentiam na pele como era estar desprotegido, o reino inteiro se encontrava a mercê de qualquer gangue que decidisse atacar os Uchiha, convenhamos que era a melhor época possível. Rin imaginou se não seria decente entrar em contato com os outros reinos para darem certo auxílio na segurança, mesmo a guarda Uchiha sendo extremamente forte, um momento frágil como aquele não passaria despercebido por seres mal intencionados. 

Perdida em pensamentos, havia chego em um pequeno riacho isolado do centro da vila, aproximou-se do riacho  e sentou-se em um balança que pendia de uma árvore consideravelmente grande, o galho formava uma sombra agradável de se aproveitar ao Sol do quase meio dia. Balançou-se descontraidamente e suspirou relaxando. 

- Minha senhora tem procurado por mim? 

- Sim, tenho sim. O estrangeiro gostaria de apresentar-se? - parou o balanço para observar a figura. - Tem me intrigado ultimamente, você tem estado muito próximo do príncipe. - o encarou de forma acusadora - Eu o considero meu irmão, você deve entender. 

- De fato compreendo, pois não se preocupe tanto, não tenho segundas intensões para com seu amado irmão. - deu um leve suspiro por baixo da máscara, o que não passou despercebido pela princesa - Sobre minha identidade, pode me chamar de Feiticeiro Branco. - fez uma leve reverência com a cabeça. - Então, peço vossa permissão para retirar-me. 

- Um momento. - o feiticeiro parou onde estava - Como conheceu o Obito? 

- Eu o encontrei atirado em uma caverna com a cabeça de uma besta ao seu lado, apenas o levei para casa e cuidei de seus ferimentos. Caso duvide, pode confirmar com ele. - estreitou os olhos por baixo da máscara parecendo a desafiar, com um aceno leve de cabeça, a princesa o dispensou. 

Eram 2pm quando Obito despertou. 

----------------------------------------------------------------------------------------- 

Com exceção das figuras do Conselho do reino, três figuras se destacavam facilmente sendo uma de preto, empunhando nas costas a espada embainhada, uma de roxo, que não havia trazido sua espada por questões de cordialidade e uma de branco, que também empunhava a espada nas costas, esta, branca como a neve. 

O sacerdote posicionou-se atrás do caixão e recitou alguns cantos, embora Madara nunca tenha sido um homem religioso e Obito tenha votado para pularem esta parte, o argumento de "seguir a tradição" foi mais forte, sendo assim, as cantigas deveriam ser entoadas. 

- Você...tá bem? - Rin se aproximou preocupada, Obito não demonstrava qualquer expressão e era justamente este fator que a preocupava. 

Desde pequeno o príncipe sempre foi muito impulsivo e expressivo, chorava quando queria chorar, ria quando queria rir. Naquele momento, tudo que o futuro rei fazia era encarar inexpressivo o caixão sendo enterrado e a estátua ser colocada sobre si segurando fortemente um papel em suas mãos. Achou que não era necessário perguntar o que ou de quem era aquele papel. 

Assim como planejado, a cerimônia fora bem reservada e rápida, ninguém queria estender aquele sofrimento mais do que aquilo, em cinco dias teria uma coroação, afinal. Os preparativos já deveriam estar em andamento. 

Apenas as três figuras permaneceram onde estavam, estáticos, apenas a respiração pesada do Uchiha poderia ser ouvida. Rin achou que seria prudente se o acalmasse e, mais tarde, conversarem de algo divertido, quem sabe dar uma passeada a cavalo?! 

- Obito, você tá bem? - perguntou preocupada se aproximada, porém, imediatamente o Uchiha se virou e tomou o rumo da saída. 

- E-eu tô... bem. - gaguejou, visivelmente abalado. Porém ainda mantendo o pouca face que lhe restara diante dos dois. Reafirmando - Eu tô bem. - ao dar o primeiro passo para retirar-se, o albino se pôs em sua frente, bloqueando a passagem. 

- Você não tá bem. - disse direto - Você quer que seu povo o veja em um estado tão lastimável? 

Silêncio. 

- Obito, vamos lá. Recomponha-se primeiro e depois saímos daqui. - Rin decidiu tentar persuadi-lo. 

- E DAÍ SE ELES ME VEREM CHORANDO? - levantou a cabeça banhada em lágrimas, era incrível como assumia uma face grossa e impenetrável, mas na presença daqueles dois, o príncipe voltava a ser aquele menino chorão de antes - O QUE ELES ACHARIAM? QUE EU SOU UM MERDA QUE SÓ CHORA E FICA SE ISOLANDO? EU SOU HUMANO TAMBÉM, MEU PAI ACABOU DE SER ENTERRADO! COMO VOCÊS DOIS CONSEGUEM FICAR TÃO TRANQUILOS? - os encarou furioso - RIN, VOCÊ NUNCA ME DEIXOU SABER O QUE SE PASSAVA NA SUA CABEÇA TAMBÉM, NÃO VENHA ME COBRAR E VOCÊ... - encarou o albino a sua frente. Tinha praticamente a mesma altura, sendo Kakashi alguns centímetros mais alto, sendo assim, conseguiam plenamente encarar os olhos um do outro - VOCÊ SÓ USA ESTA MÁSCARA, MAL SABEM QUEM É VOCÊ. NÃO ME PEÇAM PARA ME RECOMPOR, NÃO AGORA, NÃO AQUI. - eis que em um movimento derrotado, deixou a cabeça pender no ombro do feiticeiro e cruzou os braços em seu pescoço. - Apenas me tirem daqui. Eu sei que consegue me carregar. 

Ambos arregalaram os olhos e se entreolharam surpresos. Mesmo tendo convivido por tantos anos, Obito jamais se deixara ser visto de maneira tão frágil, sempre teve uma postura altiva e confiante, que mesmo que os céus despencassem ele estaria firme e os levantariam de volta, mas naquele momento, o poderoso futuro rei do clã Uchiha, estava chorando e pedindo que o levassem embora no colo. Simplesmente era algo impossível de se crer. 

Mesmo assim, tanto Kakashi quanto Rin podiam perfeitamente o compreender e o ajudariam mesmo que estivesse jogado pela rua pedindo dinheiro ou em qualquer outra situação tão miserável quanto. O albino a encarou em um pedido mudo de permissão, tendo sido concedido pela princesa, Kakashi passou um de seus braços por baixo de seus joelhos e o outro em suas costas, o levantou e o levou para o quarto. Ao longo do caminho, obviamente, a cena atraía olhares curiosos, porém todos fingiram ignorância perante a situação do futuro monarca. 

Colocaram Obito em sua cama e ficaram a velar o sono do mesmo. 

- Obrigada. - agradeceu genuinamente. 

- Disponha. - respondeu sorrindo o feiticeiro. 

No meio na noite, Rin partiu deixando um bilhete que teria que ir para organizar os presentes da coroação. 

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~  CiNcO dIaS pArA a CoRoAçÃo ~~~~~~~~~~~~~~

 


Notas Finais


Gostaria de agradecer ao pessoal que comentou. Muuuuito obrigada, além de motivar ou autores, dá uma certa divulgada, então novamente, meus sinceros agradecimento.

Não tenho uma ideia de quantidade de capítulos, já que este projeto era, inicialmente, para testar minha escrita, mas como eu tô ficando deveras empolgada então vou simplesmente escrevendo até sentir que a história foi concluída.

Grata aos que leram até aqui


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...