História OITNB - Atrás das Grades - Capítulo 12


Escrita por:

Visualizações 491
Palavras 1.636
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boooa noite pessoal! Dois capítulos em um dia, que loucura, não?

Neste capítulo vamos conhecer a história de um de nossos detentos, aguentem o coração por que vocês vão precisar dele para o próximo capítulo, huhaushausua

bbzinho Valon Behrami na capa do capítulo

Boa leitura!

Capítulo 12 - 01X12 - Me Engane Novamente


Fanfic / Fanfiction OITNB - Atrás das Grades - Capítulo 12 - 01X12 - Me Engane Novamente

Flashback

 

2016. Nova Iorque.

Era época de Dia dos Namorados e os correios estavam lotados devido a demanda de cartas de pessoas ‘’apaixonadas’’ ou que queriam ‘’encontrar seu par perfeito’’. Entretanto, nem todos ali realmente se interessavam na data, como Valon, que achava aquele dia uma completa bobagem e gasto de dinheiro.

Ao contrário disso, Valon visava em ganhar dinheiro fácil. Estava a alguns meses aplicando golpes em compras On-line, retirando suas entregas nos correios e depois alegando que suas encomendas nunca haviam sido levadas até ele. Com isso, seu dinheiro era ressarcido e ficava com que havia ‘’comprado’’.

- Porra! – Valon gritou nervoso ao derrubar uma enorme quantidade de caixas no chão depois de esbarrar em uma moça. Todos as caixas se abriram e diversos pares de tênis de marcas caríssimas vieram ao chão.

- Me desculpe, eu sinto muito! – A mulher disse trêmula, se abaixando para pegar os calçados no chão – Eu não te vi no caminho e... – Valon então olhou fixamente para mulher, deixando toda raiva de lado. Ele estava encantado pela moça.

- Não foi nada... – Valon sorriu. Os dois se levantaram em sincronia após recolherem toda a bagunça do chão – Está tudo bem, não precisa ficar nervosa – Tocou no ombro da mulher, tentando tranquiliza-la.

- Posso te ajudar com essas coisas se quiser. Carregar tudo isso na mão deve ser complicado – A mulher ofereceu ajuda, tentando quebrar o clima estranho entre os dois.

- Pode ser! Caso eu não lhe incomode... – Valon estava pensativo, mas aceitou o pedido da mulher de bom grado.

- Claro que não, pode me acompanhar. Me chamo Elena – Se apresentou, com um sorriso gentil.

- Me chamo Valon – O loiro estendeu a mão com dificuldade e cumprimentou Elena, que não sabia a furada que estava prestes a entrar nas próximas semanas daquele ano.

Elena e Valon formaram uma amizade comum que se resumia em cafés ou algumas idas a restaurantes, não havia nada de mal naquilo. O problema, é que Valon estava começando a ir além daquilo e Elena visivelmente se incomodou, tentando se afastar dele. Behrami, no entanto, dificultava a vida da mulher cada vez que ela recusava sua presença.

Perseguições, ameaças por carta ou telefone e até mesmo correios eletrônicos dizendo que Elena era dele, e de mais ninguém. Aquele pesadelo na vida da mulher ficou ainda pior quando ela iniciou um namoro com um colega de faculdade, e Behrami entrou em estado de fúria e armou uma bomba no carro de Elena.

Por pouco, Elena não havia morrido.

As primeiras denúncias contra Valon não deram em nenhum resultado, devido o ótimo advogado de seu pai. Mas, com a presença de testemunhas quando Valon atacou Elena em uma calçada próxima a sua casa, o jogo virou para o loiro.

Não sendo por menos, Valon foi preso e condenado por tentativa de assassinato.

 

Litchfield

 

Coutinho estava com raiva de Neymar e de si mesmo. Raiva por estar novamente com uma pessoa tão difícil e com um temperamento complicado. No fundo, seus sentimentos exalavam pelo moreno como nunca, mas as vezes era insuportável toda hora, especialmente quando ele tinha seus momentos de ousadia.

Estava para anoitecer em Litchfield e naquele horário Philippe aproveitou para tomar banho sem filas enormes ou detentos transando. Por sorte, a água estava quente e aproveitou seus bons minutos de banho. Ao terminar, notou o quão vazio o banheiro ficou, especialmente por só ter ele ali dentro.

Chegava a ser assustador.

- Tem alguém aí?! – Coutinho gritou preocupado ao ouvir alguns solados. Havia acabado de se trocar quando percebeu a presença de alguém o espionando.

- Agora têm – Valon apareceu, apontando uma escova de dentes com a ponta afiada. Philippe congelou com aquela atitude do loiro – Tantas prisões nos Estados Unidos e você caí justamente aqui, nesse fim de mundo?!

- Valon – Coutinho levantou as mãos, em rendição – O que aconteceu para você estar assim? – Perguntou, preocupado com sua própria vida. Maldita hora em que resolveu ficar sozinho.

- Você ainda tem a capacidade de me perguntar?! – O loiro berrou entre as lágrimas que desciam de seu rosto – Por sua causa Neymar não me dá mais nenhuma atenção! Eu odeio a sua presença e por mim Messi deveria ter te cortado em pedaços naquela bosta de corredor. Melhor... – Passou a língua entre os lábios – Deveria ter apodrecido na solitária, assim ficaria mais fácil conquistar Neymar.

- Do que você está falando?! – Philippe cerrou os olhos, inconformado com o que estava ouvindo – Ficou maluco, Valon? Eu sempre tive um lance com Neymar, bem antes de entrar aqui – Tentou explicar, mas Valon não queria saber.

- É mentira! – Valon acertou com a escova na bochecha de Philippe, fazendo com que ele caísse no chão.

- Droga... – Philippe disse desesperado ao se chocar contra aquele chão frio. Colocou a mão na área atingida e seus dedos ficaram sujos de sangue. Olhou fixamente para Valon, caminhando lentamente até el.

Philippe estava com medo de morrer.

- Valon! Pode parar com isso agora! – Neymar entrou correndo no banheiro e deu de cara com aquela cena, horrorizado. Philippe estava no chão sangrando e Valon com aquela escova na mão, pingando o sangue de seu amado – Mas o que diabos você fez! – Logo em seguida, Piqué e Cristiano apareceram.

- Que porra é essa, Valon?! – Piqué berrou.

- Ninguém se aproxima de mim... – Valon ousou ataca-los. Philippe se encostou em um dos boxes, sem ter saída.

- Valon, uma hora algum guarda vai aparecer e você vai se foder por causa disso – Cristiano tentou amenizar a situação, se aproximando lentamente de Behrami, que não poupou coragem em ataca-lo – Você quer furar o meu rosto, porra?! – Cristiano se alterou e tentou ir para cima de Valon, mas Piqué o segurou.

Neymar fechou os olhos e pensou durante poucos segundos. Somente ele poderia resolver aquilo.

- Behrami – Chamou o detento pelo sobrenome, que imediatamente lhe deu atenção. Valon por incrível que pareça, estava assustado, trêmulo e sem saber o que fazer – Sabe que isso não vai te levar a lugar nenhum – Neymar não temeu se aproximar lentamente do loiro, que manteve a escova apontada para ele.

- Vai se foder! Não sabe o que eu estou sentindo – Novamente começou a chorar.

- Ferir o Philippe, me ferir ou ferir qualquer outra pessoa não vai fazer com que tenhamos alguma coisa. Muito pelo contrário – Neymar falou sério pela primeira vez depois de tanto tempo – Você querendo ou não, eu e Philippe tivemos algo fora daqui e ainda temos, e não vai ser você e nem outra pessoa que irá desfazer isso – O moreno continuou falando e aos poucos Valon foi abaixando a escova – Eu sei como é horrível estar apaixonado por uma pessoa que não lhe corresponde seus sentimentos – Suspirou – O único conselho que eu posso te dar é que pare. Nunca implore o amor de outra pessoa – Fixou se olhar nos olhos de Valon, que parou com o choro e ficou intacto onde estava – Solta essa escova e para com isso. Está acabando com você mesmo.

Valon não disse nada, muito menos agiu. Cristiano e Piqué foram até ele, pegando a escova de sua mão e a escondendo dele. Coutinho continuava em seu canto, com medo do loiro surtar novamente.

- Vamos sair daqui. Você precisa se acalmar – Cristiano puxou Valon para fora do banheiro e Piqué foi logo atrás, se certificando de que Neymar e Coutinho ficariam bem.

Neymar e Coutinho se encararam por alguns segundos.

- Achamos que fossemos o Messi – Neymar falou, observando Coutinho no chão.

- Messi? – Coutinho arqueou a sobrancelha.

- Ele voltou – Neymar respondeu, ainda preocupado – Fiquei preocupado por você estar sozinho aí fora e todos fomos lhe procurar. E olha só com você corria perigo... – O moreno estava surpreso ainda com aquilo.

- Valon podia... – Coutinho ainda se recuperava do choque devido ao ataque.

- Ele podia ter te matado – Neymar foi até Coutinho, o ajudando a se levantar. Retirou a própria camisa do uniforme e passou na bochecha de Philippe, limpando o sangue – Eu podia ter lhe perdido... – Puxou Coutinho para um abraço apertado. Nunca iria se perdoar caso algo acontecesse a Coutinho, principalmente se fosse por sua causa – Eu preciso te contar uma coisa – Desfez o abraço.

- O que foi? – Coutinho disse e Neymar virou o rosto, derramando uma lágrima – Neymar! Nada mais pode me surpreender nesse lugar.

- Eu que te entreguei para as autoridades – Neymar falou com um peso em seu coração – Você está aqui por minha causa.

 

 

 

Próximos a cozinha, Bale e Alisson notaram um enorme tumulto na cozinha. Ainda estavam procurando por Valon e nada de encontrar o loiro, apesar dele estar em segurança com Piqué e Cristiano.

Os dois detentos estavam sem entender o que estava acontecendo, principalmente pela presença de um funcionário da enfermaria e vários guardas correndo de um lado para o outro.

- Ei! – Alisson chamou por Firmino, olhando seu sorriso pelo reflexo de uma das janelas dos escritórios dos oficiais – Sabe o que aconteceu?

- Parece que alguém foi espancado dentro da cozinha – Firmino respondeu desinteressado.

- Alguém? – Bale olhou confuso para Alisson – Beckham é a única pessoa que fica na cozinha a essa hora – Os dois trocaram olhares e seus semblantes mudaram imediatamente – Messi estava ali dentro! – Bale colocou as mãos na cabeça, desesperado. Se mantiveram tão preocupados com Coutinho que esqueceram completamente de David.

- Porra... – Alisson engoliu a própria saliva. Todos os detentos se encostaram nas paredes do corredor. David estava saindo da cozinha transportado por Benzema e Zidane em uma maca, desacordado.

David estava com o rosto inchado e repleto de cortes e seu braço esquerdo continha um profundo rombo. Havia sangue por todo seu uniforme e avental. Nas roupas de Beckham, também continham o sangue de seu agressor, que observava aquilo, satisfeito do trabalho que havia realizado.

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Conhecemos o verdadeiro Valon e Neymar finalmente revelou o que Coutinho mais temia, como será que o relacionamento deles vai ficar depois disso?!
Beckham está na pior, enquanto Messi está a um passo de assumir o poder de Litchfield novamente!

O próximo capítulo é o últmo dessa temporada, como vocês acham que todos esses problemas vão se resolver?

Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...