1. Spirit Fanfics >
  2. Old Guard >
  3. Conhecendo o inimigo...

História Old Guard - Capítulo 3


Escrita por: Lunbi23

Notas do Autor


Oiie, eu queria, primeiramente, agradescer aos que estão comentando, é sério gente isso tá me ajudando muito! Um incentivo tão gostoso que eu não recebo muitas vezes hehe, eu peço que visitem o meu perfil no Wattpad também, aqueles que tem interrese, o nome é o mesmo @Lunbi23! Okey, era só isso, obrigada e vamos ao Cap!

Capítulo 3 - Conhecendo o inimigo...


Fanfic / Fanfiction Old Guard - Capítulo 3 - Conhecendo o inimigo...

   

Escuridão, foi a primeira coisa que avistou. Como extinto natural, seu cérebro entrou em desespero, relamente havia passado para o pós-vida...? 

Tateou ao redor, um gélido objeto entrou em contato com a sua mão, suspirou, seu bisturi, o mesmo que usará para arrancar pedaços dos corpos músculos dos ex-paladinos, ainda estava no laboratório.

Espere, ela recordou, a pancada que levou ao se chocar com o a mesa de correr e o solo não a matou, levou uma das mãos ao pescoço aliviada pelo mesmo não ter se quebrado com o impacto.

Ficaria melhor se estivesse,e resurgisse como um deles, ela zombou em pensamentos.

Se ergueu com dificuldade, a habilidade de combato daquela afrodescendente era realmente extraordinária, um bônus adicional a sua imortalidade.

Após firmar os pés no chão, seu corpo trêmulo e vacilante caçou uma saída, com seus olhos ainda se acostumando a falta de claridade, Meta torceu para que suas mãos esbarracem no interruptor_ isso se o mesmo estivesse funcionando.

Tateou e arrastou suas mãos pelas paredes frias e asperas, até esbarrar em algo afiado.

Mordeu os lábios para não gemer em dor, agarrou com mais cuidado o que quer que fosse, logo descobrindo se tratar de uma faca de dissecação, a puxou caçando o cabo, segurando com firmeza em sua canhota vacilante.

Engoliu a seco ao se recordar que, se eles ainda estivessem ali, não teria chances com uma simples lâmina, mas uma estava ferida, poderia a furar e fugir?

Uma exclamação deixou seus lábios ao que a porta foi brutalmente aberta.

Um homem desconhecido entrou, tinha a pele tão clara quanto ébano, lábios grossos em uma linha fina, feição fechada e olhos frios azuis.

Dr.Meta Kozak?- A voz impotente soou, seu coração, este que já parecia a um passo de correr por seus lábios, transformou-se em gelo, congelando seu interior e extraindo de si suor gélido.

Q-uem é v-você?– Essa era sua voz? Bem, um resquício dela. O homem pareceu não gostar do retorno, mas pensando claramente ele suspirou.

Sou alguém que quer ajudar, agora, você é a Doutora Meta Kozak?– Refez a pergunta, um tom de voz mais ameno que o anterior, tentando suavizar a citação.

...– Analisando as opções, ela viu que não teria escolha, se fugisse iria morrer_seu olhar desceu o olhar para o traje do homem, parando em uma colt 45 bem acomodada em sua cintura_ e se negasse, morreria.

S-sim... sou e-eu...– O maior pareceu satisfeito, com poucos passos chegou até si, erguendo seu braço_estava dolorido, certeza se deslocou ao cair sobre ela_ e colocando por cima dos próprios ombros, a mesma mão agarrou firme seu quadril.

Vamos embora!– Aquilo não parecia um pedido.

Andaram até fora do prédio, seus lábios já deveriam correr rios de sangue a essa hora, tantos corpos no chão... do que aqueles seres eram capazes?

Está muito ferida?– O homem perguntou, seus olhos não desceram para si nenhuma vez.

H-hn... u-uma leve luxação no ombro e-esquerdo e...m-eu braço d-direito está deslocado...– Explicou, não ganhando nada mais que um bufar.

Um movimento repentino quase a fez pular, de repente estava nos braços do homem desconhecido e_ mais surpreendentemente ainda_ estava sendo delicadamente segura.

O- o q-- ele a interrompeu.

Se andasse mais, iria desmaiar pela dor, apenas se aquiete e espere até sairmos daqui...– Vendo o ambiente ao redor, ele olhou nos olhos dela– Quantos eram?

–....– Ainda supresa pelo gesto, demorou a respondwr– C-cinco...

Hum, muito treinamento eu suponho...– Ele constatou e ela engoliu a seco ao lembrar,você não faz idéia. 

Uma vez que se encontravam na faixa da do prédio, ele a pos no chão.

P- Você ainda não me d-disse quem é...– Ele tentou, sua curiosidade sendo grande demais para sua língua, o que poderia fazer afinal? Vivia do "saber".

Não sou ninguém importante... Mas para quem trabalho, Frank– Respondeu vagamente, mas por hora, lhe servia.

O-okey...– Seu olhar vagou estrada a fora e um carro_mustang_parou uma calçada a frente– O-que- Quem são-?

Nossa carona,vamos!– E assim ele lhe arrastou_com um pouco menos de delicadeza_ até o veículo.

Entrou no carro prata tremendo, de fira não pode ver nada_ vidros fumê_, então não fazia ideia do que encontrar_ não sabia nada, de qualquer forma.

Dentro do carro, o homem_ Frank_, tomou o banco do passageiro, ao lado do motorista e partiram. 

A sua frente, um homem baixo,aparentemente asiático, com a pele mais amorenada_ bronzeado_ e um peculiar sorriso largo.

Ele tinha os típicos olhos ovais_ para não dizer "puxados"_ orientais, eram negros ônix, com um brilho que lhe causou arrepios.

Sra. Kozak,é um prazer finalmente conhece-la...– A sua voz, tão animada e carismática apenas fez com que se recirdasse de Steven.

Ali, ela soube que nada de bom,sairia desse homem. E como dissem, quanto maior e mais brilhante o sorriso, pior a sombra que ele esconde.




Notas Finais


Uuuuh quem será? Sorriso cinistro... isso não te lembram alguém???



Bem, por favor continuem comentando! O comentário gera incentivo e o incentivo à criatividade!

Era issuu até o próximo Cap^^!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...