1. Spirit Fanfics >
  2. Olhos em chamas >
  3. Os Prince

História Olhos em chamas - Capítulo 52


Escrita por: IsaTigresa

Notas do Autor


Boa leitura a todos, espero que gostem

Isa Tigresa 🐯

Capítulo 52 - Os Prince


Casa dos Snape – Rua da Fiação – Cokeworth – Inglaterra

– Mas o que fazem todos aqui? – Severus perguntava enquanto via todas aquelas pessoas reunidas e os dois estranhos senhores que se mantinham avaliando ele de longe sem dizer uma única palavra.

– Culpa minha, Crouch. – Sacha se aproximou dele, sorrindo olhando a avó dela atrás dele ainda olhando Eileen. – Eu junto com nossos amigos, planejamos isso tudo, claro que tirando a parte da pancadaria e bom meu pai surgir aqui tambem não estava nos planos, mas foi bem útil. 

– Por que fariam isso? – Ele se mantinha desconfiado, não dela ou dos amigos, mas sim dos estranhos que estavam ali.

– Para de frescura! Viemos todos aqui para tirar você e sua mãe desse inferno que vivem. – Bella disse para ele enquanto avaliava a irmã por completo para ter certeza que não havia se machucado.

Joan e Walter se aproximaram do grupo de jovens, avaliavam o jovem de cabelos negros iguais aos olhos, ele era realmente muito parecido com a mãe e o avô, tirando o nariz que era realmente do pai, o rapaz alto e magro. Severus olhou o casal de bruxos desconhecidos a frente dele, Eileen era basicamente uma cópia de Jooan, eram muito parecidas exceto pela cor dos olhos que Eileen herdara do pai, Walter era alto e esguio como o neto, com os olhos negros e os cabelos tambem negros e lisos, já Joan tinha os cabelos um pouco mais parecido com a revolta juba de Bellatrix.

– Senhor e Senhora Prince, é um prazer rever os senhores. – Secha se aproximou deles com Snape ao seu lado. – Esse aqui é Severus Snape, de quem eu falei para vocês. – Ela apresentou o rapaz a eles.

– É um prazer conhecer os senhores. – Por mais que ele tivesse um certo ressentimento com os avós, por causa da história de como eles trataram e deserdaram Eileen e a abandonaram no mundo, ele jamais seria um trasgo mal-educado como o pai.

– Venha a cá meu jovem, me deixe dar uma olhada em você mais de perto. – Disse Walter o chamando para próximo deles.

Severus se aproximou dos senhores, e o avô abraçou o garoto que ficou olhando para a namorada sem entender nada e sem saber o que devia fazer, depois de alguns segundos eles se afastaram e depois foi abraçado pela avó.

– Acho que para que saiam dessa casa de uma vez por todas. – Joan se aproximou do neto, puxando a filha pela mão, eles se dirigiram até próximo de Tobias, que estava acordado se debatendo em um canto amordaçado.

– O que vieram fazer na minha casa depois de tantos anos? Depois de me deserdarem e me abandonarem e a Severus? – Eileen finalmente se pronunciou quando aquela zona na casa deles.

– Irina e Vlad foram nos visitar esse ano, eles disseram que conheceram nosso neto, neto esse que nós não sabíamos da existência. – Joan começou a explicar.

– Semana passada e neta deles foi nos visitar junto deles, ela disse que era namorada do nosso neto e contou o pouco que sabia sobre a relação dele com o pai e do pai com a mãe dele. – Explicou Walter para a filha que olhava para Sacha.

– Entendi – Eileen se mantinha fria e inexpressiva.

O grupo se juntou todo após essas primeiras explicações, todos foram apresentados, Ulrick ficou ao lado da filha que se mantinha observando tudo ao redor, Tobias já estava acordado, tentava se soltar das cordas e da mordaça a todo custo, mas não conseguiu se soltar e ainda tomou um tapa na nuca de Lúcios para que ficasse quieto.

– Severus meu querido neto, aproxime-se com sua mãe. – Ordenou Walter com a varinha na mão, Severus olhou desconfiado, mas antes que fizesse besteira foi empurrado por Sacha para ir logo e fazer o que seu avô mandava que ele fizesse.

Severus e Eileen se aproximaram dos avos que estavam ao lado de Tobias amarrado, que continuava tentando se debater e xingando bastante todo esse povo que sujava sua casa. Wlater pediu que Eileen fosse buscar sua varinha, Eileen não discutiu fez exatamente o que lhe foi mandado, Severus ficou besta de ver que todo esse tempo sua mãe tinha uma varinha para se defender e defender ele de Tobias, mas que nunca chegou a usa-la para isso. 

– Agora nós iremos redimir nosso erro de nos afastarmos de vocês e termos quase perdido a vida de nosso único neto que pode dar salvação a linhagem dos Prince, mas para isso nunca mais chegarão perto desse verme trouxa abusivo e agressivo que agride a própria família. – Joan começou o discurso antes do feitiço ser iniciado.

– Desde que Vald e Irina foram nos visitar com a carta da jovem ali, e as cartas seguintes que nos foram enviadas explicando os fatos nós achamos uma forma para garantir a segurança do nosso neto, então iremos iniciar. – Walter explicou por cima.

O ritual começou, mesmo na sala apertada eles podiam cuidar totalmente da missão de garantir que aquele demônio nunca mais conseguiria se aproximar do neto e da filha dos Prince. Lúcios se aproximou dos Prince e tirou de dentro de seu casaco o diário preto em couro de dragão com o brasão dos Balaur, entregando a eles todas as pesquisas e descobertas sobre a herança sanguínea de Snape, que Sacha havia feito nos últimos dois anos e depois foi roubado por Sirius, quando ele se passou por Regulus na época que os dois namoravam.

Walter e Joan leram o que Lúcios mostrou um uma página especifica do livro – Olha só o que temos aqui, parece que teremos que dar uma investigada nesse assunto, mas pode ser bem possível esses dados aqui, se forem reais muita coisa muda nesse contexto. – Walter avaliava com cuidado os dados no diário. – Senhorita Balaur, a senhorita que fez essa pesquisa, estou correto? – Sacha confirmou com um movimento de cabeça com todos a olhando, enquanto o diário era passado para Arthur Weasley olhar o que estava chamando tanta atenção assim dos mais velhos. – Onde foi que encontrou tantas informações para conseguir chagar a esses dados aqui?

– Ano passado no meu aniversário Lúcios me deu de presente um livro sobre os atuais Sagrados 28, que na minha opinião são 29, mas nesse libro também trazia informações sobre outras famílias que eram consideradas puro sangue, mas que por diversos motivos deixaram de ser, ou por casamentos com trouxas, ou como nesse caso que estão vendo, com a perda da linhagem genética com o nascimento de apenas um descendente que seja um aborto, – Ela começou a explicar as suas descobertas com calma para todos os curiosos presentes e principalmente para os mais interessados no assunto os Prince. – Conversei um pouco com o Lúcios e Narcisa que me ajudaram a conseguir fazer as pesquisas nas ultimas férias. Enfim, como eu cheguei a essas descobertas não importa muito, o que importa realmente é que essas informações estão certas e vocês podem confirmar com as documentações dos Black, Malfoy, acredito que o senhor Weasley poderá ajudar nisso também. 

– Muito bom, então iremos confirmar isso para depois oficializarmos, enquanto isso vamos terminar logo o que viemos fazer aqui, esse lugar é repugnante e esse homem é muito desagradável. – Joan disse dando um passo à frente, tirando um cálice, de dentro de uma mala que Arthur carregava para os Prince, o cálice era forjado em platina com três pedras transparentes nos lados do cálice.

Ela pregou o cálice e uma faca de prata, entregou a faca para Severus. – Corte a mão direita do homem que você tem que chamar de pai, colete o sangue no cálice até a primeira pedra ficar negra na lateral do cálice.

Severus esteve um pouco relutante, isso com toda certeza era uma novidade para ele nunca havia presenciado um ritual parecido com esse, logo ele além de muito curioso para saber onde isso ia dar ele também estava ansioso para que isso acabasse logo, pois ele queria muito saber para que seria tudo aquilo, mas ele não esperaria para saber o que era aquele ritual. – Antes de fazer qualquer coisa, o que é esse ritual? Nunca vi nada parecido.

– Realmente, fico muito feliz que não seja um seguidor cego como sua mãe. – Walter deu um passo a frente, era um alivio ver que seu neto não era com a filha, que seguia cegamente o que lhe era mandado. – Esse ritual foi criado por nós, para sua mãe e especialmente para você, Severus, meu neto, não poderá mais ser vítima desse trouxa, ele nunca mais conseguira se aproximar de vocês dois, é para isso que o ritual serve. – Walter explicou abraçando o neto pelo ombro, que não ficou muito confortável com o contato com alguém que ele mal conhecia, mas ele podia se acostumar caso os avós não agissem como agiram antes abandonando os dois novamente. – Será um pouquinho de sangue de vocês dois na primeira vez depois faremos o mesmo processo com sua mãe, você entenderá o ritual com a magia de sangue. 

Severus continuou seguindo as ordens dos avós, primeiro pegou uma pequena porção do sangue de Tobias e colocou no cálice, quando terminou notou que o avô tinha tirado o sobretudo que usava e em seu cinto haviam várias varinhas diferentes umas das outras, ele retirou do cinto uma varinha que parecia que já estava morta, com a madeira com aspecto de podre. O homem então apontou a varinha para o coração do neto que não teve reações enquanto atrás dele já havia três jovens bruxas com as varinhas prontas para atacarem caso o amigo fosse ferido.

– Não se preocupe, essa varinha é perfeita para o ritual, não se preocupe. – Walter explicou. Uma fisgada no peito e uma linha magica surgiu do peito do rapaz ligada a ponta da varinha na mão do homem, que a puxa até o cálice, quando ela toca o cálice se enrola em torno dele, fazendo a segunda pedra ficar vermelha, enquanto Joan colocava uma poção incolor dentro do cálice, fazendo a última das pedras do cálice ficando branca.

Walter tocou de varinha por um que parecia ser feita de carvalho branco, apontou para o cálice sussurrando alguns feitiços até o conteúdo do cálice ficar dourado e a linha que ia de Severus a peça sumir, então Walter entregou o cálice para o neto e o mandou tomar apenas metade do conteúdo. – Senhor Malfoy, sei que está ao lado de Você-Sabe-Quem, então por favor se importaria de fazer o revolto homem amarrado a nossa frente tomar todo o conteúdo do cálice, sem que ele desperdiçasse nenhuma gota?

– Claro senhor Prince, não será problema. – Lúcios jogou a maldição Impérios em Tobias para ele tomar a poção sem problemas, depois repetiram o mesmo processo com Eileen que não fez muito animada.  

Depois que o ritual foi feiro, o grupo decidiu se dividir, estava na hora das irmãs Black retornarem para sua casa, mas não antes de Narcisa conversar com Lúcios em alguns cochichos perguntando se ele estava bem depois do soco que levou, e depois agradecendo ele por ter tentado proteger ela e a irmã do Tobias e por fim se despedindo dele com um beijo na bochecha e pedindo para ele tomar cuidado com os comerciais que ele se envolve, depois disso Lúcios se foi, junto com o caderno de couro preto que ele tinha que levar de volta e levando Tobias com ele, que ele usaria para conquistar a confiança do Lorde das trevas torturando um trouxa imundo que sujou um dos sangues mais puros da Grã-Bretanha, mas não antes de Bella dar uma bela de uma cusparada na cara do mais velho amarrado e o xinga-lo por ter a audácia de xingar a irmãzinha dela de vagabunda.

Os outros esperaram Severus e Eileen juntarem suas coisas para partirem para a casa de Arthur, onde jantariam e conversariam sobre os próximos passos em suas vidas, Eileen estava incomodada de estar ali naquela situação novamente encarando os pais a quem ela tanto teve conflitos, mas agora não tinha mais jeito, eles partiriam de casa para nunca mais voltar para aquele inferno, apenas não sabia como seria a vida deles logo depois disso tudo acabar, os pais estavam ali agora por pressão dos amigos, pois nunca antes haviam se preocupado um único segundo em saber se ela estava bem, se ela havia tido um filho, nunca se preocuparam então poderiam sumir novamente depois de tira-los de perto de Tobias, não sabia ao certo como aquele ritual funcionaria, só foram informados de que Tobias não poderia mais chegar perto deles. 

– Eu vou indo nessa, pessoal, tenho que ir cuidar de nossos negócios, temos um membro novo que está dando um pouco de trabalho. – Ulrick ia se despedindo do pessoal todo, deixando a filha e o namorado dela por último. – Ainda bem que eu cheguei aqui para ajudar vocês. – Ele estava todo animado e orgulhoso de si, por ter feito algo para tentar refazer a relação dele com a filha.

– Interessante, veio aqui bancar o herói, para completos estranho e bancando o cara legal e descolado. – Os demais presentes estavam confusos em partes, os avós de Sacha e Arthur já sabiam o rumo que isso iria tomar, mas achavam que era necessário que eles tivessem essa discussão. – Mas quando eu precisei que bancasse o herói e me defendesse, foi o contrário, você esteve contra mim!

– Sacha, você atacou os meninos e quase os matou... – Ulrick tentou explicar sua posição em toda aquela briga. 

– Aqueles dois são tão ou mais psicopatas esse anormal que você socou. A diferença, é que eles são os seus queridinhos, os filhos machos que você sempre quis e nunca conseguiu de sangue, mas não vou mais perder meu tempo e desperdiçar minha saliva com você, não vale a pena. – Sacha não se despediu do homem, andou direto para Arthur, que ela tinha mais como pai do que Ulrick, o ruivo abraçou ela enquanto o  outro homem se despedia de Severus que o olhava um pouco nervoso, não conhecia todos os detalhes, mas pelo que soube o pai da sua namorada pisou feio na bola.

 Depois da partida do pai de Sacha, eles terminaram de arrumar as coisas que quando estavam todas prontas, Irina, Vlad, Arthur, Eileen, Sacha e Severus partiram para a casa dos Weasleys. Lá eles teriam um jantar e poderiam começar a planejar os próximos passos dessa nova jornada na vida de mãe e filho que agora estavam protegidos contra o demônio que era Tobias em suas vidas. 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...