História Ômega Free - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Fluffy, Hoseok, Jikook, Jimin, Jin, Jungkook, Kookmin, Lemon, Namjoon, Romance, Seokjin, Suga, Taehyung, Yoongi
Visualizações 1.722
Palavras 2.697
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi bb's! Leiam as notas finais, tem surpresa para vocês!😘

Capítulo 27 - O frango frito


Aquela noite foi estranha. A escolha de Jimin de não discutir mais com Jeon Jungkook parecia estar funcionando. Jimin tentava ser tão formal quanto no trabalho - Exceto pelo fato que, dentro do apartamento, chamava o alfa pelo primeiro nome. - e Jungkook, por sua vez, sentia-se relaxado. Era bom não discutir com o baixinho, como sempre. A noite foi tranquila e, na verdade, ambos quase não se falaram. Jimin lavou a louça, já que Jungkook foi quem fez a janta - A comida do alfa era mesmo boa e, ele nunca admitiria, o ômega preferia quando este cozinhava. - e então o baixinho foi até seu quarto, começar a se preparar para a festa, esta que seria dali a dois dias, enquanto Jungkook focou-se em verificar uma última vez seu e-mail. O trabalho de CEO não era nada fácil e sempre exigia muito de si, então, vez ou outra, ele acabava levando trabalho para casa.


Na manhã seguinte, novamente, o clima entre os dois estava… Normal. O que era estranho. Ambos estavam surpresos - E satisfeitos. - com o fato de que não haviam brigado até o momento, nem dentro do apartamento, nem no carro, nem no trabalho, nem em momento algum. Ainda não se gostavam - Não mesmo! - não eram amigos nem nada próximo a isso, mas começavam a se suportar e buscavam por pontos positivos naquela bagunça. Jimin apreciar a comida do alfa, era mesmo muito boa, e gostava mais ainda de tudo o que estava aprendendo com seu emprego na JJK Cosmetics; já Jungkook começava a perceber que seu assistente não era tão ruim quanto o que esperava, ainda mantinha um pé atrás com o loiro, mas começava a pensar na possibilidade de Jimin ser algo bom para a empresa. Talvez eles fossem… Colegas? É, isso parecia bom.


O grande dia chegou e Jimin estava visivelmente nervoso enquanto vestia o paletó azul em frente ao espelho da sala. Havia acabado de lavar a louça e se sentia desperto o bastante para correr uma maratona. Algo o dizia que aquele dia seria ótimo.

-Parece nervoso. - Falou Jungkook, pegando seu laptop, o qual havia levado para apartamento no dia anterior para trabalhar um pouco mais durante a noite, e o colocando dentro da bolsa preta. - É por causa da Wang Sohye? - Perguntou. Jungkook e Jimin não estavam se falando muito, já que queriam manter aquela paz estranha que passou a os envolver e uma conversa poderia estragar tudo, mas o alfa sentiu a necessidade de falar algo naquele momento, não se sentia bem ficando em silêncio por muito tempo quando havia outra pessoa consigo e ele não estava ocupado com algo que o distraísse a ponto de esquecer a companhia.


Jimin enrijeceu o maxilar. Sim, era por causa dela. Wang Sohye. Havia pesquisado um pouco sobre a mulher em seu pouco tempo livre e não demorou para chegar a conclusão de que aquela alfa era uma rainha dos cosméticos e ir a uma festa de inauguração de uma nova coleção da mesma o fazia tremer na base. Veja bem, a maioria das pessoa surta quando vai a um show de seu artista favorito, ou quando é escolhida para ser madrinha ou padrinho de casamento de alguém que considera muito, mas Jimin é o tipo de pessoa que surta ao descobrir que vai a uma festa de inauguração de cosméticos de uma mulher incrível como Wang Sohye.

-Estou bem. - Mentiu, não estava nada bem, poderia explodir em pura energia a qualquer momento e criar um novo big bang. - Só estou com sede. - E foi até a cozinha em busca de um copo de água. Precisava se acalmar.


Ambos deixaram o apartamento, sem trocar mais palavras, e foram direto para a garagem, em direção ao carro de Jungkook. O lúpus dirigiu até a empresa ouvindo apenas a música baixinha que tocava tomar o ambiente. A voz de Adele tomava o carro em alguma rádio americana qualquer que o agradava, era uma música um tanto velha, mas ele gostava.


Foi quando teve que parar no sinal vermelho que ouviu a voz baixinha de Jimin surgir.

-I set fire… To the rain… - O baixinho encarava o exterior da janela, a cabeça se movendo suavemente e apoiada sobre uma das mãos pequenas, o cotovelo apoiado no carro. Parecia completamente perdido em sua própria mente.


-Watched it pour as I touched your face… - Jungkook completou a música, sorrindo pequeno, encarando o loirinho.


E o Park o ignorou por completo, apenas continuando a cantar e encarar o vidro do carro.
-Well, it burned while I cried 'Cause I heard it screaming out your name, your name


Foi questão de segundos para que a voz de Jungkook moldasse a próxima frase da música, um sorriso de coelho brotando em sua face, e a de Jimin aumentasse levemente, se tornando um pouco mais alta e o lúpus o seguiu naquilo. Não sabiam como, não havia explicação, mas foi menos de um minuto para que ambos estivessem gritando a música e sorrindo largo feito dois idiotas. Não se encaravam, tinham vergonha, mas o sentimento positivo que os envolveu foi incrivelmente novo para ambos, nunca haviam estado tão bem na companhia um do outro, ainda que não conseguissem se encarar nos olhos. A música se seguiu, animada, crescente, as vozes se tornaram gritos e ambos passaram a se mexer e dançar nos bancos quando perceberam que não conseguiam gritar a música mais alto do que já o faziam. Jimin mexia sua cabeça de uma lado para o outro e seus fios loiros desalinhavam com o movimento, um eye smile enfeitando a face bela, Jungkook saltava no banco e sorria largo com os dentes de coelhinho aparecendo, as mãos presas ao volante tinham os dedos batucando o mesmo, mas aquilo tudo logo acabou, bastou a música chegar ao fim. As propagandas tomaram a rádio, a energia se dissipar tão repentinamente quanto o som de un tiro, os corpos estacionaram, as vozes de ambos sumiram e a seriedade tornou a dominar suas faces que se avermelharam pela vergonha. Fingiram que nada havia acontecido e não se encararam até a chegada na empresa, não tinham coragem o bastante para sequer respirar alto o bastante ao ponto de que o outro ouvisse.


Adentraram o elevador em silêncio, sequer se encararam tamanha era a vergonha e o orgulho, e então o dia de trabalho começou.


A festa seria às oito e, conhecendo Jungkook, Jimin sabia que deveriam chegar ao local, no minimo do minimo, meia hora antes, então precisava terminar todo o seu trabalho até lá. Havia muita coisa para fazer, muita coisa mesmo, e sabia que não conseguiria atingir seu objetivo, mas tentaria o seu melhor.


Claro que se perdeu no trabalho e, quando viu o relógio do computador, já era meio dia e meia, o que fez o loiro arregalar os olhos e sair em disparada para fora da empresa. Precisava ir buscar o almoço de seu chefe logo, ou Jungkook arrancaria seu fígado e venderia para o tráfico de orgãos.

-Merda… Merda… Merda… - Sussurrou inúmeras vezes assim que adentrou o elevador e teve a certeza de que Jungkook não poderia o ouvir. - Ele vai me matar… - Os per estavam inquietos e passavam o peso do corpo de um para o outro, numa dança nervosa. As portas de metal se abriram, liberando a passagem do ômega, o que o fez correr em disparada para fora do ambiente apertado.


Haviam duas opções. Ou ele ia até o restaurante que sabia que Jungkook gostava, que sempre tinha uma fila gigantesca, ou ia até aquele fast food de frango frito da esquina. Não pensou duas vezes, Jungkook que o perdoasse depois, ele já estava atrasado.


Acelerou até o fast food, o sol do meio-dia atingindo os cabelos dourados, e se colocou na fila. Querendo ou não, todo lugar era lotado em horário de almoço e Jimin tinha certeza que ficaria, pelo menos, uns dez minutos parado ali até ser atendido, e mais dez esperando seu pedido ficar pronto, se não mais. Bem, melhor do que esperar uma hora inteira no restaurante que seu chefe gostava.

-Am… Me vê aquele balde de frango… Aquele com barbecue.


-Sim senhor. - O atendente de expressão vazia e tediosa digitou algo na pequena tela de computador que ali havia. - Mais alguma coisa? - Perguntou, sem desviar os olhos da tela acesa.


-Am… Tem suco? - Jungkook sempre pedia suco natural no restaurante, então procuraria algo próximo a isso.


-De morango e melão, senhor.


-Natural?


-Não.


Jimin travou durante alguns segundos.

-Am… Morango então. - Que Jungkook não percebesse que não era natural, amém.


Recebeu sua senha após efetuar o pagamento e sentou-se numa cadeira ali perto, a espera do pedido. Cinco minutos inteiros se passaram até que o loiro sentisse o celular vibrar no bolso da roupa. Franziu as sobrancelhas antes de pegar o aparelho e ver que havia recebido uma nova mensagem. Jimin não era acostumado a receber mensagens ou ligações, poucas pessoas tinham seu número, normalmente Jin era quem o presenteou com esse tipo de coisa, mas não daquela vez.


Tarado:

“Park Jimin, onde está o meu almoço?”


“Está atrasado.”



Jimin mordeu o lábio inferior em nervosismo antes de bufar em irritação. Sério que estava atrasado? Nem havia percebido. - Reparem na ironia.


Soltou um riso cheio de deboche antes de digitar a resposta, irritado, tão irritado que seus dedos se contraíram e arderam enquanto apertava as teclas.


“Estou a espera do seu almoço.”


E ele tinha certeza de que não receberia mais mensagens, por isso guardou o aparelho no bolso. Jungkook não era de usar muito o celular consigo, por isso estranhou quando o aparelho tremeu dentro da roupa novamente. Bufou alto, já sabendo quem era, e pegou o aparelho.


Tarado:

“Estou com fome.”


Ah, como queria poder mandá-lo à merda por ser tão irritante, mas não deixaria aquilo quieto. Não podia desrespeitá-lo, mas nada o impedia de ser tão idiota quanto o lúpus.


“Quer que eu fale isso para o cozinheiro e peça para ele ir mais rápido porque o senhor está com fome?”


E, desta vez, ele encarou o celular por um minuto inteiro, para ter certeza de que a discussão havia acabado, sorrindo maldosamente.


Nenhuma resposta. Ótimo. Ele era o vitorioso.


Sorriu bonitamente e guardou o celular no bolso bem a tempo de sua senha ser chamada. A comida estava pronta.




Park Jimin correu pelas agitadas ruas de Seul, debaixo do sol forte, cansado, com um balde de frango debaixo dos braços e o copo tampado de suco de morango não natural em mãos. Ofegava fortemente e já começava a suar. Estava muito atrasado, já havia se passado de uma hora da tarde!


Correu como um louco, atropelando todos a sua frente e perdendo uma asinha de frango ou outra no caminho, até chegar ao prédio da empresa. Assim que adentrou o lugar o porteiro o encarou assustado. De fato, não é todos os dias que vemos alguém entrar, neste tipo de lugar, completamente descabelado, suado, ofegante e com uma balde de frango frito e um copo enorme de suco em mãos. Jimin tentou ignorar a atenção que recebeu e foi até o elevador, se esforçando para recuperar o fôlego.





Assim que as portas de metal se abriram em seu andar, seu corpo travou durante alguns segundos. Jungkook iria o matar, o lúpus odiava atrasos.


Jimin prendeu a respiração a caminhou até a sala do alfa, sem se preocupar muito com a sua aparência. Quanto antes aquilo acabasse, melhor. Entraria naquela sala, daria a comida a Jungkook e iria embora, o que poderia dar errado?


Bateu na porta duas vezes, com certa dificuldade já que as mãos miúdas estavam ocupadas, e as batidas foram fracas, tudo culpa de seu nervosismo.

-Entre. - A voz do lúpus o autorizou e ele adentrou a sala de cabeça baixa, novamente com dificuldades.


O Park sequer falou uma única palavra, apenas acelerou os passos em direção a mesa do moreno e deixou ali o balde de frango e o copo plástico de suco, logo virando-se para sumir o mais rápido possível.

-Espere. - E Jimin estacionou imediatamente, ainda de costas para Jungkook. - Frango? - A pergunta surgiu com certa indignação.


Jimin engoliu em seco e confirmou com a cabeça, sentindo o corpo travado começar a tremer. Não tinha medo de Jungkook, mas não era nada legal levar esporro do chefe, muito menos quando se está a tão pouco tempo no trabalho, menos ainda quase sabe que o chefe não o contratou por livre e espontânea vontade, mas sim por uma “filha da putagem” que aprontou para conseguir o emprego.

-Eu acabei me perdendo no trabalho e perdi a hora… Então… - E respirou fundo. - Seu restaurante sempre tem uma fila enorme e eu não queria me atrasar mais ainda, perdão senhor Jeon. - Desculpou-se.


Um curto silêncio tomou conta da sala e Jimin teve certeza de que levaria um puta esporro, um daqueles dignos de filmes de drama. Bem, provavelmente não seria demitido, por causa da Lee Cosmetics, mas sabe-se lá o que se passava na cabeça louca daquele lúpus idiota.

-Vire-se. - A voz grave ordenou, assustadoramente suave, e Jimin prendeu a respiração antes de girar nos calcanhares e, finalmente, encarar seu chefe. Jeon Jungkook se encontrava impassível, a cabeça apoiada em uma das mãos, o cotovelo sobre a mesa cheia de papéis, os cabelos escuros caindo sobre a testa e o corpo ereto e imponente. - Eu não gosto de atrasos. - Falou ele.


-Sei disso, senhor. - Respondeu, mantendo a voz firme.


-E não é a primeira vez.


-Sim, senhor.


Jungkook deixou uma expressão pensativa tomar seu rosto e tombou a cabeça, levemente, para a sua direita, analisando as possibilidades. Mais uma vez, o silencio tomou a sala durante algum tempo e Jimin apenas sentia seu nervosismo crescer. Jeon Jungkook filho de uma puta, se queria o castigar de alguna forma que falasse de uma vez e não o deixasse ali, plantado, com o coração na mão! Jungkook tomou ar para falar e o Park quase arregalou enormemente os olhos em expectativa.

-Caso isso aconteça uma terceira vez, serei forçado a puni-lo. - Jungkook era uma chefe duro e, sim, ele punia seus funcionários com horas extras e coisas do tipo.


Jimin confirmou com a cabeça e baixou o olhar, entristecido. Ele realmente odiava não ser um bom funcionário, por isso sempre dava o seu melhor, fazia tudo o que podia para ser a melhor versão de si mesmo e, sempre que falhava, se decepcionava.

-Sim, senhor. - Respondeu, um tanto perdido em sua tristeza.


-E sua aparência está horrível, vá até o banheiro se arrumar.


-Sim, senhor.


-Está liberado.


Jimin sequer respondeu, apenas se retirou da sala a passos rápidos e caminhou em direção ao banheiro, ainda tinha muito trabalho a ser feito, precisava ser rápido.


Adentrou o banheiro e analisou sua imagem no reflexo do espelho. Estava péssimo mesmo. Os cabelos desalinhados, o suor brilhando por cima da pele maquiada, os lábios levemente ressecados e o lápis de olho começando a derreter. Bufou alto antes de começar seus retoques. Devia ter passado coisas a prova de água, a única parte cem por cento inteira daquela maquiagem era a pele, e ainda teve que retocar o blush…



XXXXXXXX



Em seu escritório, Jungkook atacava o balde de frango com uma careta nada boa estampada na face bela. Aquele frango estava horrível, duro e pingando gordura, e ainda tinha o fato de que o suco não era natural. - Será que Jimin pensou que ele não perceberia aquilo? Oh, por favor! - Devia estar mesmo com muita fome para aceitar comer aquilo…

-Esse ômega… - Resmungou ao que engoliu outro pedaço do frango banhado em gordura reutilizada. - Sinceramente… Olha onde fui me meter. - Tornou a resmungar enquanto devorava o almoço, ainda fazendo careta a cada nova mordida. - Eu sabia que era questão de tempo até ele falhar, esta ai agora, um funcionário que só sabe se atrasar. - E tornou a comer aquela porcaria gordurosa. - Aish, pelo menos consegue fazer o trabalho e acompanhar o ritmo da empresa, a maioria nem isso faz. - Pensou positivo, mas mais um gole do suco de morango o fez xingar o funcionário loiro em sua mente um trilhão de vezes, se esquecendo daquela vantagem. Que porcaria haviam colocado naquele suco para ter um gosto tão ruim? - O que eu fiz para merecer isso? - Perguntou-se, lamentando.


Notas Finais


Meus anjinhos, tia Yura sabe que não atualizou semana passada, por isso vai ter att dupla hoje, EEEEEEEEEE! O próximo cap sai ainda hoje, só que mais tarde porque falta betar.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...