História Ômega Free - Capítulo 38


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Abo, Fluffy, Hoseok, Jikook, Jimin, Jin, Jungkook, Kookmin, Lemon, Namjoon, Romance, Seokjin, Suga, Taehyung, Yoongi
Visualizações 3.851
Palavras 4.961
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi bebeeeees! Bora leeeer!

Ps- Tenho uma notícia boa nas notas finais.

Capítulo 38 - O presente escondido no quarto do alfa


Jimin levou certo tempo para fechar a boca, tempo o bastante para que Jungkook já houvesse sumido de sua frente e restasse apenas o ômega no espaço. Waw… É… Aquilo foi, no mínimo, estranho.


Jungkook disse que ele era bonito, certo? Ele não havia ouvido errado, não é? Bem… Ele era bonito mesmo, sabia disso, o fato de Jungkook concordar com aquilo não significava que o alfa queria ser seu mais novo coleguinha, como se estivesse pedindo desculpas por todas as besteiras que havia feito anteriormente, certo? Certo.


Com isso em mente, Jimin mexeu a cabeça de um lado para outro e foi muito irritante o fato de que não parava de sorrir, simplesmente não conseguia fechar aquela porcaria daquele sorriso que havia brotado do nada - Preferia acreditar nisso. - e sem motivo algum em seus lábios. O mais irritante era que, mesmo tentando - E, acredite, não foi pouco. - seu coração ainda acelerava sempre que lembrava das palavras do alfa e sua mente não conseguia deixar a lembrança de lado.


“—Você é perfeito, com ou sem maquiagem.”


Sim, ele havia ouvido errado, era a única explicação, mas tinha a certeza de que havia ouvido certo… Oh, Deus, como aquilo era complicado!


O tempo passou, Jimin trabalhou, e o alfa manteve-se em sua mente durante todo aquele tempo. Sim, todo mesmo. Foi um alívio - E ele até suspirou alto. - quando viu que o relógio do computador já marcava o horário que Sohye iria o buscar. Seria melhor descer logo, talvez a alfa até já houvesse chegado. Desligou o computador e, normalmente, fazia isso com certa tristeza porque gostava do seu trabalho, mas não hoje. Só queria ir embora logo e se distrair. Precisava se distrair.


Caminhou em direção ao elevador, já mexendo no celular e verificando suas mensagens. - Havia algum tempo que ouviu o aparelho vibrar. - Logo encontrou uma mensagem de Jin e sorriu pequeno, chamando pelo elevador.


-Park Jimin


Jiminnie, falta menos de uma semana para eu voltar de viagem! Pode comemorar, sei que sentiu minha falta. Então, quando eu voltar, vamos nos ver?


Kim Seokjin-


A porta do elevador se abriu e Jimin deixou o prédio ainda sorrindo para o celular, os dedos curtos ágeis digitando uma resposta para o amigo.


-Kim Seokjin


Vamos! Estou com saudades mesmo, mas nem senti tanta falta assim não, ok? Hahaha… Vou sair com uma alfa agora, depois te conto como foi.


Park Jimin.-


E guardou o celular de forma rápida, não queria que nada atrapalhasse seu encontro com Wang Sohye. Claro que não esperava muito da alfa - Na verdade, nunca esperava muito de alfas num geral, na última vez que o fez, isso deu muito errado. - mas talvez conseguisse um encontro legal, uma conversa envolvente e um sexo gostoso. Não era como se tivesse algo a perder e também havia o fato de que era dono do próprio corpo e também gostava de se satisfazer, assim como os alfas e como qualquer outra classe.


Não demorou muito, apenas alguns minutos, para que Sohye chegasse e estacionasse bem da frente da saída do enorme prédio da JJK Cosmetics. O carro era bonito, bem limpinho e brilhante, um tanto comprido e, claramente, muito caro. Só a limpeza daquela coisa já devia ter custado o dobro de um salário mínimo inteiro, já que a lataria brilhava como o sol mesmo durante a noite mal iluminada.


Jimin sorriu e aproximou-se do carro quando reconheceu o rosto da alfa por trás do vidro fechado, mas logo a Wang desceu um dos vidros, liberando um pouco mais seu rosto e também parte do interior do carro. Era muito bonito mesmo… E me refiro ao conjunto completo.

-Deixe que eu abro a porta. - Disse ela, preparando-se para sair do carro.


-Não precisa não. - Jimin a interrompeu, ainda sorrindo. - Eu posso abrir. - E adentrou o veículo, colocando-se ao lado da mulher. - Obrigado pela carona, Jungkook queria sair mais cedo e eu iria ficar cheio de coisas para fazer amanhã. Não consigo entender, ele me passa um monte de trabalho e quer que eu vá embora mais cedo, como assim?


Sohye sorriu largo.

-Você fala com carinho dele. Vocês se dão bem? - Perguntou, já começando a dirigir.


Jimin fez uma careta logo em seguida. Como assim “Fala com carinho”? Jungkook era um idiota, um estúpido, imbecil!

-Não, nem um pouco. Ele não me suporta. - Fez questão de esclarecer.


Sohye riu baixinho.

-Pensei que poderia gostar dele. Sabe como é, não? Não existe amizade entre alfas e ômegas, sempre um dos lados vai se interessar e, como eu sei que o Jungkook não gosta de você desse jeito…


-Não somos amigos. - Como era um absurdo ter aquele tipo de pensamento arcaico de que uma amizade depende da classificação, mas Jimin estava muito mais preocupado em deixar claro que não suportava Jeon Jungkook. Nem nunca suportaria, não mesmo, Jeon Jungkook era um desastre, um chato de primeira. - Nós não nos damos bem, sempre acabamos brigando.


Ela sorriu ainda mais largo.

-Deve ser terrível vocês trabalharem juntos então. Jungkook deve achar que você enfeita bem o escritório, é muito bonito e eu nunca vi ele contratando ômegas. - E riu baixinho. - Você é filho de algum amigo dele, ou sócio, algo assim? - Perguntou ela.


-Não. - A resposta foi rápida.


Odiava ouvir aquele tipo de coisa e fazia questão de deixar bem claro que não eram bem assim que as coisas funcionavam consigo. Não era um enfeite, não havia nascido num berço de ouro, muito menos era algum parente de Jungkook - Ainda bem. Mal aguentava algumas horas perto daquele babaca, imagine uma vida toda! - havia conseguido o emprego porque era bom no que fazia… E por um pouco de esperteza também, mas muito mais competência. Resolveu manter o pensamento em off. Só queria ter um encontro legal, nada de brigas.

-Sabe onde fica a casa de Jungkook? - Perguntou ele, tentando mudar de assunto. - Vamos direto para lá. - Para falar a verdade, Jimin queria sim um encontro, mas já havia percebido que dali não sairia nada muito bom, então talvez fosse melhor apenas voltar para o apartamento logo.


-Sei sim, não se preocupe e sim, vamos direto para lá, mas só se você quiser. - E as segundas intenções em sua voz eram bem claras.


Ok, se ela houvesse dito aquilo um pouco antes de falar aquele monte de besteiras, Jimin até poderia concordar, mas não agora.

Ele riu sem graça.

-Acho que prefiro voltar para casa mesmo, é que estou muito cansado, trabalhei muito. - E tornou a rir amarelo.


-Claro, eu entendo. - Sohye não pareceu ofendida nem nada do tipo, apenas manteve o sorrisinho discreto na face. - Podemos sair outro dia então?


E agora? O Park tornou a rir sem graça.

-Vamos ver… - Respondeu, tentando desviar da pergunta.


Ainda bem que a casa de Jungkook não ficava muito distante da empresa, muito menos durante a noite, sem trânsito algum nas ruas.

-Ótimo. - Disse ela. - Vou adorar te ver mais vezes, gosto de estar com você.


Jimin apertou as próprias mãozinhas, uma na outra, descontando a ansiedade.

-Também gosto de estar com você. - Mentira? Talvez.


-É bom saber disso. - Disse ela, parando num sinal vermelho. - Neste caso, vamos poder ficar juntos mais vezes. - E o encarou fixamente, sorrindo ladino.


-Ah… Claro. - Respondeu ele, ainda tentando desviar daquela conversa, procurando uma maneira.


-Posso te levar naquele restaurante francês que vai abrir semana que vem. - Disse ela, logo tornando a dirigir. - Sabe? Aquele que acabaram de inaugurar. Ainda não fui.


Jimin quase tossiu alto ao ouvir aquilo. Jantar naquele restaurante custava muito caro, ele tinha certeza de que não tinha dinheiro para comer lá. Só um copo de água já devia custar metade do seu salário, tanto que, quando saiu a notícia da inauguração do restaurante num jornal qualquer, ele apenas riu amarelo e negou com a cabeça. Nunca poderia comer num lugar daqueles.

-Eu… Am… Acho meio caro… - Murmurou. Não gostava nada de deixar clara sua situação financeira, mas não era como se pudesse mudar aquele fato ou desviar da situação de outra forma. - E é longe também. - Argumentou, apenas para não deixar aquilo no ar.


Sohye sorriu largo, quase como se achasse engraçado, e teria dado de ombros se não estivesse mais concentrada em dirigir.

-Não se preocupe com isso, eu pago para você. - Jimin sentiu seu estômago revirar e foi algo tão forte que chegou a se remexer no banco, incomodado. - Também posso te buscar na casa do Jungkook, não tem problema.


Mordeu o lábio inferior. Como poderia falar aquilo sem soar grosso demais?

-Eu… Prefiro não… - Murmurou. - Acho injusto você pagar o que eu vou comer… Ou precisar vir me buscar quando nós dois vamos nos divertir. Eu… Prefiro ir em outro lugar, se não se incomoda.


O carro foi estacionado em frente ao prédio alto e Jimin quase deu graças ao perceber que haviam chegado. Amém!

-Eu não me importo em pagar para você, acho que é o… - E parou de falar assim que viu que Jimin já havia tirado o cinto de segurança e quase saltava para fora do carro, num aparente desespero. De fato, ele só queria ir embora. - Jimin. - Chamou.


O Park fez uma careta, ainda de costas para a alfa, e então voltou a acomodar-se no banco de couro, agora sorrindo falsamente. Por Deus, só queria ir embora, aquilo estava sendo um desastre!

-Sim? - Perguntou e sequer teria tempo caso quisesse falar algo a mais pois, num segundo único, a alfa já havia avançado para cima de si e agora tinha lábios dançando contra os seus.


Bem, sejamos sinceros, Sohye era um desastre quando falava, mas quando beijava… Ah, ai a história era outra, e como ela não estava falando…


Jimin envolveu os cabelos longos e bonitos da mulher com seus dedos curtos e foi rápido em adentrar a boca da mesma com sua língua, curtindo aquele carinho sensual e quente. Era delicioso. Ela riu baixinho entre o beijo.

-Você é apressado. - Disse ela e Jimin teria rido se não estivesse mais ocupado em chupar a língua da moça. Quanto menos ela falasse e mais beijasse, melhor seria.


Logo a mão da alfa alisava sua coxa e aquilo era delicioso já que os dedos atrevidos chegavam perto de sua intimidade. Ele já estava prevendo que transariam naquele carro, oh Deus, seria maravilhoso. A mão de Sohye subiu pela perna bonita do ômega e deslizou até a parte interna da coxa, apertado ali fortemente, pegando o menor de surpresa. Jimin suspirou entre o beijo e apertou um pouco mais os fios longos da Alfa.


A mão intrusa o apertou novamente, e mais uma vez, acariciando a coxa forte durante algum tempo para então ir até o pênis durinho e deixar um carinho gostoso ali. É um fato que ômegas não tem um pênis muito grande, então a mão da alfa conseguia abrigá-lo quase inteiro na palma, por cima da roupa.


Jimin suspirou uma vez mais e logo sentiu dedos intrusos escorregarem para dentro de sua camisa e foi quando as digitais geladas tocaram sua pele, bem na parte inchadinha da barriga, que ele recuou levemente, cortando o beijo.

-O que foi? - Sohye perguntou, as faces tão próximas que os narizes se tocavam.


-Nada. - Disse ele. - É só que me lembrei do bebê… - Murmurou. - Mas não estou proibido de fazer nada. - Foi rápido em finalizar.


-Bebê? - Perguntou ela, franzindo as sobrancelhas.


Jimin sorriu pequeno, um tanto orgulhoso.

-Sim, eu fiz uma transferência de feto. O bebê é da minha irmã.


-Pegou o bebê da irmã? - Perguntou ela, estranhando tudo aquilo. - Nunca pensou em ter o seu próprio?


Jimin quase bufou e saiu do carro. Realmente, preferia Sohye de boca fechada.

-Ela morreu. - Falou e sentiu a garganta entalar repentinamente. Odiava falar sobre aquilo. - E já estava grávida.


-Oh… Sinto muito. - Disse ela, expressão murchando.


-Tudo bem. - Não estava nada bem.


-Bom… O pai, pelo menos, te ajuda? - Perguntou.


Jimin quase revirou os olhos. Ah, por que ela estava querendo entrar neste assunto? Por que não podia apenas beijá-lo? Suspirou para manter a paciência.

-Jungkook é o pai. - Disse ele.


Sohye arregalou os olhos e encarou o ômega, fixamente, durante certo tempo, quase como uma estátua, isso antes de recuar e afastar suas mãos do mesmo, tornando a colocar seu corpo inteiro no banco de motorista.

-Jungkook? - Perguntou ela, chocada. - Oh… Você devia ter me falado isso antes.


Agora foi demais, ele teve que revirar os olhos.

-Eu não saio falando isso para todo o mundo. - Revelou o óbvio. Cada pergunta ridícula…


-Mas deveria ter me falado. - Disse ela, claramente incomodada. Jimin só desejou descer do carro logo, mas não queria parecer grosseiro. Droga, devia ter dado um tapa na cara daquela alfa, quando ela o beijou, e vazado que teria ganhado mais. Agora, estaria em casa, com Jungkook pegando no seu pé sobre algo como “Você demorou!”


Se bem que… Já era tão tarde… O alfa deveria estar dormindo. Chegaria em casa e ele não estaria lá… Bem, melhor assim, certo? Claro que está certo.

-Me desculpe, Jimin. - Disse Sohye, claramente sentindo-se culpada. - Mas eu não pego os ômegas dos meus amigos e Jungkook é meu amigo, então… - Ela quase suspirou, mas manteve-se minimamente firme. - Isso não vai dar certo. - Finalizou.


Aquele foi o ápice. A raiva o tomou de forma intensa e cresceu em seu interior num piscar de olhos. Era sério aquilo? Oh, não… Não era obrigado a passar por esse tipo de situação, precisava ir embora dali antes que acabasse acertando um chute na cara daquela mulherzinha idiota - Sinceramente, tinha que ser do círculo de amizades de Jeon babaca Jungkook. - e mostrando que ômegas podem muito bem deixar marcar firmes em alfas imbecis porque, pelas coisas que Sohye estava falando, ela parecia não temer isso.

Bufou alto e soltou um riso cínico, mesmo que estivesse cheio de raiva, e então falou, entredentes.

-Eu não sei se você sabe, mas eu não pertenço ao Jungkook, não sou um animalzinho de estimação. - E retirou-se do carro, irritado, afastando-se de Sohye. Ouviu algo como: “Me desculpe mesmo!” sendo exclamado pela alfa, mas, sinceramente, só queria que ela fosse se foder.


Foi no elevador do prédio que toda a raiva passou a sumir e ser substituída por algo mais pesado, algo mais intenso. A raiva foi mesmo grande e até o fez ignorar o “Boa noite” do porteiro, esse que recebeu na entrada, só queria socar a cara de alguém, queria rasgar uma almofada inteira com as próprias mãos e depois chutar alguma coisa, mas agora tudo o que sentia passou a ser algo mais próximo da tristeza. Será que o mundo sempre seria assim? Ele sempre seria um ômega pequeno em meio a enormes alfas? Sempre seria o inferior? E então aquilo passou a doer enormemente dentro de seu peito.


Jimin não era o tipo de pessoas que chorava pelos cantos por causa dos comportamentos escrotos dos alfas, mas agora estava desabando. Ele não pertencia a Jungkook, seu bebê também não pertencia a Jungkook, não pertencia a ninguém. Já pertenceu a alguém antes e foi a pior coisa que fez em toda a sua vida. De fato, liberdade era algo que só se é compreendido depois de possuí-la e Jimin dava graças por ter conquistado a sua e por lutar pela mesma, tinha muito orgulho da sua luta.


O grande problema ali era que tinha em mente que, não importava o quanto se esforçasse, jamais chamaria tanta atenção quanto um alfa. Não importava o quanto fosse inteligente, o quanto estudasse, o quanto desse o seu melhor, o quanto virasse noites trabalhando, o quanto suas ideias fossem brilhantes, ainda seria o efeito do escritório. Sempre seria o enfeite do escritório.


A chave não estava consigo, então tocou a campainha do apartamento. Provavelmente, Jungkook estava dormindo, só esperava que ele acordasse logo com o som alto… E foi surpreendente quando o alfa atendeu a porta em segundos, com a face um tanto preocupada e essa preocupação pareceu tornar-se ainda maior quando percebeu a face molhada do ômega, mas Jimin não se importava, estava mergulhado na tristeza, só queria entrar no apartamento, ir para o seu quarto e dormir até não aguentar mais. Com isso em mente, passou por Jungkook, caminhando diretamente para seu quarto, sem se importar com o fato de que o alfa rapidamente fechou a porta e o seguiu.

-Bebê, está tudo bem? - Perguntou ele, mas Jimin sequer conseguiu reclamar do apelido idiota ou responder de forma debochada, só continuou sua caminhada silenciosa, com Jungkook logo atrás de si. - O que foi que aconteceu? - Mas a resposta, novamente, não veio. - Foi a Sohye? Quer que eu ligue pra ela? Posso falar alguma coisa…


-Não quero que fale com ela. - Jimin o cortou, deixando-o surpreso. Agarrou a maçaneta da porta do quarto a sua frente e respirou fundo, engolindo o choro, antes de continuar sua resposta. - Só… Me deixe sozinho… - E adentrou o cômodo, cabisbaixo, destruído.



XXXXXXXX



Jungkook sentiu algo dentro de si partir-se quando viu a porta do quarto sendo fechada na sua cara e ouviu o choro alto repentino de Jimin desabar sobre seus ouvidos. O que diabos havia acontecido? Podia perguntar para Sohye, mas não queria dar a entender que se importava muito com Jimin, muito menos queria se meter num romance que não tinha nada a ver consigo e, claro, também havia o fato que o próprio Jimin pediu para que não ligasse. Não podia se meter naquilo, mas não gostava do que estava acontecendo ali.


Esperou todo aquele tempo pela chegada de Jimin e não sabia exatamente o porquê, apenas não havia conseguido dormir e a imagem do loiro não deixou sua mente por nem um único segundo, só conseguia pensar nele e, sempre que tentava se distrair - Mesmo com o trabalho. - nada prendia sua mente o bastante para que a imagem do loiro se apagasse dali. O resultado foram horas e mais horas, sentado sobre o sofá, esperando Park Jimin tocar a porcaria da campainha. Provavelmente, estava apenas preocupado. Jimin não era uma pessoa com muita noção e Sohye claramente queria algo a mais com o ômega - Se é que me entende. - então era normal ficar preocupado, não? Ainda mais com Jimin estando tão entupido de maquiagem e com aquela roupa que deixava metade das pernas de fora, isso enlouquece qualquer alfa! E havia o bebê também, o bebê que era seu então precisava ter certeza de que este chegaria bem em casa.

Pensar em Jimin trouxe algo a mais para sua memória, algo que ainda o incomodava. Aquela história toda de Jimin ter sido noivo e de não ter encontrado registros de sua família… Aquilo ainda o incomodava. Não sabia porque, mas sentia uma necessidade enorme em saber sobre aqueles detalhes, mas não era como se tivessem intimidade o bastante para que apenas chegasse e perguntasse sobre aquilo ao loiro, um assunto tão pessoal. Ah, como era frustrante querer saber de algo e não poder descobrir!


Tomou uma xícara cheia de café quando o sono leve bateu, precisava manter-se acordado, e tornou a sentar sobre o sofá, evitando perguntar-se porque Jimin estava demorando tanto. Bem, talvez ainda estivesse na empresa, certo? Certo. Havia muito trabalho a ser feito, mas… E se Sohye houvesse aparecido antes lá? E se eles estivessem…? Mexeu a cabeça de um lado para o outro, não devia ficar pensando naquele tipo de coisa.


Quando a campainha tocou, automaticamente, num pulo, ergueu-se do sofá e acelerou até a porta, abrindo a mesma na velocidade da luz e o que encontrou foi um Park Jimin com a face inchada e os olhos vermelhos molhados. A maquiagem não estava borrada nem nada do tipo e a pele se mantinha perfeita, mas era bem visível que Jimin estava abatido. Algo ruim havia acontecido e Jungkook sentiu o desespero subir junto da vontade de ligar para Sohye e xingá-la até o fim dos tempo, mas manteve o controle sobre si mesmo e apenas deixou perguntas saírem por entre seus lábios.

-Bebê, está tudo bem? - Era uma pergunta idiota e Jungkook apenas percebeu isso quando já havia falado. Esperou por alguma resposta grosseira, qualquer coisa, mesmo uma careta, mas só recebeu o silêncio e a caminhada seca de Jimin em direção ao próprio quarto, como se apenas desejasse ficar sozinho. - O que foi que aconteceu? - Tornou a perguntar, atrás de alguma resposta, cuidando para não fazer alguma pergunta idiota demais desta vez. - Foi a Sohye? Quer que eu ligue pra ela? Posso falar alguma coisa…


-Não quero que fale com ela. - Surpreendeu-se com o corte repentino. - Só… Me deixe sozinho… - E então o Park adentrou seu quarto, deixando o alfa plantado no exterior do mesmo, e foi aí que o som do choro forte surgiu e o fez desabar internamente.


Jungkook respirou fundo. Seu coração ardia com aquele som tão triste… Precisava fazer algo. Por que? Não sabia. O que? Também não sabia, mas precisava acabar com aquele choro, aquilo não estava certo.


Será que Jimin e Sohye haviam transado e ela falou algo cruel para ele? Ah, se aquilo houvesse acontecido, Jungkook daria o maior esporro da sua vida naquela idiota, isso se não a surrasse até vê-la toda roxa!


Ok, não era hora de pensar nisso, precisava de uma ideia. Precisava de algo que fizesse Jimin parar de chorar, até porque choro é algo irritante. Foi então que uma ideia brilhante cruzou sua mente e o alfa caminhou, de forma rápida, quase desesperada, até seu quarto. Achava que aquele presente nunca sairia dali, mas estava enganado, agora ele seria bem útil.


Abriu uma das gavetas do criado mudo e fuçou por ali, mas não encontrou o que procurava, apenas alguns papéis e canetas espalhadas, sem o mínimo de organização. Bufou e praguejou algo antes de abrir a segunda gaveta e ali estava uma sacola branca, fosca, com algo dentro. Sorriu pequeno ao pegar o presente dali de dentro, era o que procurava. Havia comprado aquilo para Jimin durante a festa de Wang Sohye, mas nunca o entregou o presente, até o escondeu e mudou o esconderijo algumas vezes. Bem, havia chegado a hora.


Caminhou até a porta de seu quarto, logo passando pela mesma, e foi em direção ao quarto de Jimin, sentindo as próprias mãos começarem a tremer. Aquilo era nervosismo? Por que estava nervoso? Por Deus, ele era Jeon Jungkook, por que estava nervoso? Aquilo era ridículo!


Bufou em meio a uma risada um tanto irônica e apenas manteve sua caminhada. Ele não estava nervoso, claro que não. Chegou até a porta de Jimin e ouviu o choro forte do ômega. Aparentemente, ele estava cada vez pior, como se houvesse desabado ainda mais, e parecia estar conversando no celular com alguém. Jungkook franziu as sobrancelhas e aproximou-se suavemente da porta, tentando ouvir as palavras que deixavam os lábios do ômega em prantos.


-Eu s-sei que eu não e-estava certo, Jin, mas eu não sei… Eu… E-Eu… Sei lá porque f-fiz isso, m-mas agora perdi o e-emprego dos m-meus sonhos, J-Jin. - Era difícil de entender quando tantos soluços altos cortavam a voz do baixinho, mas nada realmente impossível. Jungkook sentiu seu coração se apertar. Ele estava chorando por que havia perdido o emprego? - E-Eu sei, J-Jin. Eu m-mereci, e-eu nem r-reclamei com o J-Junglook p-porque eu sei d-disso, m-mas e-esta tudo d-dando errado, m-meu encontro a-agora foi uma b-bosta, e-eu nem consegui t-transar!


Parecia que haviam várias coisas que haviam feito Jimin desabar, não apenas o fato de ter perdido o emprego, mas também algo no encontro parecia ter o desagradado muito. Talvez perguntasse sobre isso para Sohye mais tarde, ou não, já que Jimin havia deixado bem claro que não queria que Jungkook falasse com a alfa. Oh, merda… O que faria? Não podia simplesmente dar o emprego de volta para Jimin, as coisas não funcionavam assim, não podia ter um funcionário que manchava a imagem da empresa do jeito que Jomin o fez, não podia aceitar esse tipo de coisa por mais que o incomodasse o fato de que havia feito o loiro chorar com a demissão. Por que estava incomodado com aquilo?


Jungkook realmente não sabia lidar com aquilo, ouvir Jimin chorando tanto estava mexendo consigo, mexendo muito, ele precisava fazer algo. Sua destra foi para a maçaneta da porta e, quando a agarrou, percebeu sua mão trêmula. Segurou o presente entre o braço e o tronco e usou a mão livre para segurar o braço direito, numa tentativa de parar de tremer. Estava mesmo nervoso? Mas por que? Que ridículo… Que tipo de alfa era ele?


Respirou fundo, mas a tremedeira continuou, o que o irritou, e foi assim mesmo que abriu a porta e Jimin levou um susto ao encontrar Jungkook parado em sua porta, o encarando.


Park Jimin estava sentado em sua cama, encolhido, não havia retirado a maquiagem e esta se mantinha intacta em seu belo rosto. O loiro tinha o celular em uma das mãos, colado ao ouvido, e logo falou um.

-Jin, preciso desligar, o idiota está aqui, falamos mais tarde. - Uma resposta foi dada e o celular foi desligado.


Jimin então limpou as próprias lágrimas e ajeitou a coluna, os joelhos agora sobre o colchão.

-O que foi? - Perguntou, firme, mesmo com a voz embargada, rosto inchado, e fungando vez ou outra.


Jungkook mordeu o lábio inferior. Sim, estava nervoso, muito nervoso, agora era inegável.

-Eu… - E respirou fundo, apenas percebendo que havia prendido a respiração agora. - Trouxe isso pra você. - E desviou o olhar, um tanto envergonhado, sentindo a vermelhidão subir por seu rosto, esticando presente, com ambas as mãos, na direção de Jimin.


O Park franziu as sobrancelhas, ainda na defensiva, e o encarou durante alguns segundos. Silêncio… E mais silêncio...

-Se for outro vibrador rosa, ou qualquer outra coisa escrota, pode ir embora. - Declarou, mas manteve seus olhos fixos em Jungkook, estranhando aquele comportamento. Aquele alfa estava tão estranho… Devia estar armando alguma coisa, só podia ser. Manteve-se atento a Jungkook, não se deixaria ser enganado.


-Não, eu… Falei que ia comprar alguma coisa para você dos lançamentos da Sohye. - Explicou-se e viu os olhinhos do ômega se estreitarem, desconfiados. O nervosismo aumentou. - E-eu sei que já faz algum tempo, mas… É que… Eu estava com raiva e… E agora não estou.mais. - Finalizou a frase, finalmente, sentindo a face esquentar a cada nova palavra que falava.


Jimin manteve-se desconfiado, não moveu nem um único centímetro, e o olhar ainda pesava sobre Jungkook. Mais silêncio, nenhuma resposta, apenas um encarando o outro e Jungkook desviando os olhos para o chão quase sempre, para então tornar a fitar o baixinho, o clima pesando ao redor de ambos.


O alfa respirou fundo, prendendo a respiração logo em seguida. Não aguentava isso, não conseguia ficar com toda aquela pressão ali, com Jimin o encarando, então se apressou em ir em direção ao ômega e lhe entregar o presente, colocando em sua frente, sobre o colchão.

-Aqui. - Falou ele e estava sim prestes a sair do cômodo, mas algo o impediu, a curiosidade que o atingiu como uma bala e o fez ficar ali, encarando Jimin. - Am… Abra. - Orientou. Será que ele iria gostar?


Jimin suspirou antes de pegar o presente entre suas mãos. Era uma caixa branca que havia dentro da sacola e ele logo a abriu calmamente, a tampa era magnética então abriu facilmente e, dentro da pequena caixa, encontrou cerca de três produtos diferentes. As embalagens eram transparentes e o que havia dentro carregava um tom de azul royal bonito. Seus olhos brilharam e foi impossível não exclamar um.

-Jungkook! - Ao que o sorriso tomou seus lábios. Ah, ele amava mesmo cosméticos.


As mãozinhas espertas foram rápidas em pegar cada frasco e analisar os nomes, a embalagem, a fórmula, cada pequeno detalhe, com um enorme sorriso no rosto, bem de pertinho. Estava tão focado em seu presente que sequer viu que Jungkook sorria de volta para si.


O alfa permitiu que o alívio o tomasse e então a alegria, sorrindo largo e deixando os dentinhos de coelho a mostra. Jimin tinha um dos frascos em mãos e sorria para a fórmula que lia, animadamente.

-Gostou? - Perguntou o alfa, mesmo a resposta sendo óbvia, queria ouvi-la saindo dos lábios do loiro. Queria ouvir ele falando que havia gostado.


-Se eu gostei? - Perguntou ele, quase explodindo em alegria. - Jungkook, eu amei! - E soltou um gritinho agudo alto que fez Jungkook rir baixinho. O clima pesado havia passado, agora tudo parecia estar bem. - Eu amei muito! - Exclamou novamente. - Meu Deus, é muito bonito! - Falou, analisando cada pequeno frasco novamente e os tocava como se fossem joias delicadas. - Ah, eu vou usar agora! - E pegou a caixa, rapidamente, acelerando para o banheiro do quarto de Jungkook, onde sempre cuidava da pele já que usava os produtos do alfa para retirar a maquiagem de todos os dias, deixando Jungkook rindo sozinho no quarto.


O alfa suspirou ao que o ômega o abandonou ali. Era normal ficar tão feliz com a felicidade de outra pessoa?

-Ah, Jimin! - Exclamou, num quase grito para ser ouvido.


-Que é? - Perguntou o ômega, a voz vinda do banheiro alheio.


-Sua barriga está maior que eu vi! - Exclamou novamente.


-Está me chamando de gordo? - E a resposta veio numa pergunta divertida, esta que fez o alfa rir baixinho.


-Eu não me atreveria. - Disse ele, ouvindo um riso abafado de Jimin surgir. - Mas vou marcar uma consulta com a doutora Kamily.


-Tá bom!


Jungkook sorriu largo e riu baixinho uma vez mais. Não conseguia entender - Ou preferia não entender. - mas estava tão feliz que sentia que logo explodiria como uma bomba e era tanta felicidade que explodiria em corações e unicórnios, mas o ápice da felicidade surgiu quando ouviu o último grito de Jimin para si.


-Ah, Jungkookie! Obrigado!




Notas Finais


Oi genteeeee! Semana do dia sete começou, ebaaaaaa!

Larga esse chinelo! Sério, larga agora! Eu seeeei que demorei pra postar, mas eu realmenteeee fiquei muito ocupada mesmooooooo nessa coisa de especial. Vocês sabem que eu fiz essa brincadeira de escrever fics com alguns leitores que me enviaram plots e eu queria escolher a maior quantidade de leitores que fosse possível, por isso não tive tanto tempo para OF. Desculpaaaaaaa😭😭😭 Bem, mas, pelo menos, o capitulo foi grande.😁

Eu estou tentando manter a alegria aqui, mas a verdade é que hoje o dia começou bem tristinho mesmo. Eu tenho uma amiga - Uma escritora do site, talvez vocês a conheçam, já eu eu escrevo com ela. - que esta meio mal esses tempos, ela me mandou uns audios bem tristes hoje. Eu sei que ela lê OF, mas não sei se ela vai ler as notas. Bem, miga, se você estiver lendo isso, eu espero que tenha conseguido te animar um pouco. Eu não sou tão boa assim conversando ou fazendo qualquer outra coisa, mas eu costumo alegrar as pessoas quando eu escrevo e essa é uma das únicas coisas que eu meio que sei fazer, então espero que você esteja um pouco melhor depois disso. Eu sei que você não se vê como alguém incrível, mas eu te acho incrível de verdade, ok?

Gente, descobri uma autora que virou minha amiga que pode agradar vocês porque ela é mara! O nome é Laiwonderland, esta saindo hoje mesmo parceria minha com ela, mas não posso divulgar link porque o spirit não deixa mais... Mas pra quem procura uma autora legal, fica ai a dica haha
Bem, noticia boa, vou largar a bomba e vazar. Primeiro, senta. Sério, só senta.

Faltam cerca de três caps pro lemon.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...