História Ômega King - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Abo, Jungkook!alfa, Jungkook!top, Kookv, Mpreg, Royal!au, Taehyung!bottom, Taehyung!ômega, Taekook
Visualizações 82
Palavras 2.263
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá gurizada!!!!
Primeiramente: queria agradecer aos 36 favoritos, nenhuma fic minha tinha alcançado esse número logo no primeiro capítulo. <3

Segundamente: me desculpem pela demora eu nem vi passar essas semanas por causa de uns trabalhos.

Terceiramente: O capítulo não foi revisado mas irei fazer isso ao longo dos dias, oka?

Capítulo 2 - Um alfa em pele de ômega



Taehyung despertou na manhã daquele dia extremamente cansado, sentia como se tivesse sido atropelado por diversas carruagens, cada centímetro seu latejava em dor inclusive seus quadris e pernas.

Seus olhos abriram lentamente e vasculharam sua cama a procura do alfa não o encontrando, porém, estava acostumado, todas vezes que dormiam juntos, ao despertar do ômega, o alfa já havia ido embora pouco antes do alvorecer. Apesar de acostumado, era triste acordar sem o calor corporal do moreno o esquentando no inverno severo.

Virou se para o lado, afundando o rosto no travesseiro ao seu lado, inalando o cheiro forte do alfa que antes ocupava aquele lugar, sentiu algo no seu estômago se revirar em êxtase de uma sensação boa e não pode conter o sorriso que formou-se em seus lábios finos. Puxou os cobertores se cobrindo até a linha dos olhos, precisava urgentemente de um banho mas o frio matinal parecia aumentar sua preguiça para rumar a sua banheira.

Desejava dormir mais, sentia-se cansado. Entretanto, tinha deveres logo cedo incluindo reuniões e treinos. Contra sua própria vontade, enrolou-se no lençol escuro e caminhou até o banheiro onde preparou um banho quente. Entrou na banheira mergulhando na água quente, e enquanto se lavava pode observar as diversas marcas que estavam no seu corpo. Iam da panturrilha até o pescoço onde Taehyung teve que usar um pequeno espelho para vê-las. Por um momento desejou que uma estivesse em seu pescoço, maior que as outras e com pequenos furos profundos das presas do lobo alfa. A marca que mostrava pertencer um ao outro.

Passar o cio com Jeongguk havia sido uma decisão arriscada porém Taehyung não se arrependia, fora bom pra si. O fez vivenciar sentimentos que nunca havia sentido antes, desejo, emoção, amor e paixão. Tinha se ligado à Jeongguk pela primeira vez de forma completa e não estava nem um pouco arrependido. Nunca se arrependeria de nada que envolvesse Jeongguk e ele, cada palavra, sentimento, e ação mesmo que impulsiva, não se arrependeria, nem mesmo no futuro onde o ômega poderá tomar outras decisões. Era claro para si, amava aquele servo de sorriso meninil com cheiro de terra úmida e farinha de trigo.

Ainda sentia alguns sintomas do seu cio, porém, como era seu primeiro e havia saciado, ele sentia seu lobo satisfeito até o momento, mas sabia que era questões de horas e que logo iria pedir por Jeongguk novamente.

Alguns longos minutos depois, o príncipe se encontrava quase vestido, faltando apenas  fechar os últimos botões da sua camisa de algodão branca. Havia acordado animado aquela manhã, sabia que tinha alguns compromissos logo mais, porém queria passar na cozinha do castelo antes de mais um dia maçante começar. Ouviu fracas batidas em sua porta e logo depois ouviu a costumeira voz do seu conselheiro não-oficial e melhor amigo, cantarolar alguma música que provavelmente ouvira em algum festival do povo. Hoseok adorava se esgueirar pelas entradas secretas do castelo e fugir para alguma festa com danças circulares, quais eram suas preferidas. Era um ômega corajoso, animado, bonito tinha que admitir e principalmente sábio, afinal não teria nomeado seu conselheiro

— Alteza? Está acordado? — O ômega mais velho perguntou abrindo uma fresta pela porta e colocando aquela cabeleira ruiva para dentro dos seus aposentos.

— Sim. Pode entrar. — Respondeu com um sorriso ladino. Observou o ômega adentrar o cômodo fazendo uma expressão engraçada de estranhamento  e seguir até si.

— Jeon esteve aqui essa noite, não esteve? —  Perguntou o conselheiro se aproximando do criado-mudo e pegando alguns anéis e um par de brincos. Taehyung o observou ligeiramente nervoso com a pergunta. Engoliu em seco e respondeu um simples "Não". O ômega de cabelos avermelhados seguiu até si com as joias em mãos, e com delicadeza, vestiu no príncipe.

— Você mente muito mal. — Comentou baixo enquanto abotoava o último botão da jaqueta de tecido peludo de Taehyung.

— Não estou mentindo. —  Contrapôs.

— Eu lhe conheço Príncipe Kim Taehyung. — Observou o mais novo e sorriu ladino. — Você teve seu primeiro cio, não é?

O rosto do príncipe se ruborizou por um momento ao se lembrar da noite passada mas tratou de focar no amigo a sua frente. Sabia que podia confiar no ruivo, afinal foram criados juntos desde muito pequenos. 

O pai de Hoseok era conselheiro real do rei e por isso residia no castelo junto a sua esposa e filho, não demorou muito para que ambos os garotos se conhecessem, Taehyung com seis e Hoseok com sete, ambos crianças animadas e arteiras. Dividiam segredos e aventuras únicas, sabiam tudo um do outro, foi pouco tempo até formarem uma forte amizade que se intensificou mais ainda quando descobriram que o cargo de conselheiro era hereditário, ou seja, Hoseok seria conselheiro de Taehyung assim como seu pai era do rei. 

Taehyung suspirou decidido a contar para ômega  o que havia acontecido mesmo que fosse arriscado. Abriu a boca para começar a falar, porém, foi interrompido por batidas na porta. O mais novo caminhou até ela e quando abriu, encontrou umas das criadas que lhe informou que o rei lhe esperava para uma conversa em sua sala. O príncipe agradeceu e a criada logo se retirou depois de uma reverência. 

— Meu pai me chama. Me espere depois do treino. — Avisou e viu o mais velho assentir.

Buscou sua bainha que guardava sua afiada espada e saiu do quarto não se importando em deixar o conselheiro la e seguiu pelo corredor frio subindo as escadas até o corredor que ficava a sala do rei. Suspirou sentindo uma sensação de medo ao tocar a maçaneta. Levantou a mão direita decidindo bater antes de entrar, porém a pequena silhueta ao fundo do corredor lhe chamou atenção. 

Observou o corpo miúdo de uma criança de mais ou menos dez anos. Os cabelos escuros com uma franja que caía sobre tecido que Taehyung constatou ser couro. Uma máscara de couro cobria todo o rosto da pequena criança deixando apenas os olhos curiosos que lhe encaravam de volta, amostra. Os bracinhos agarravam um brinquedo de madeira e as vestes eram leves demais para rigoroso inverno que cobria o castelo de neve.

Taehyung estranhou, não haviam crianças no Castelo, pelo menos não naquele lado. Desviando os olhos por um segundo para porta, Taehyung decidiu ir até o menino, porém quando voltou a encarar o final daquela reta, o menino havia sumido, sem deixar nenhum rastro nem som naquela surda manhã.

A porta se abriu e a visão do Jung mais velho se fez presente, o cumprimentou formalmente e com um sorriso ao que desejava um bom dia. O conselheiro fez o mesmo e logo continuou sua caminhada para saída daquele lugar.

Pela porta aberta, pode ver a figura do rei de pé em frente a grande janela que dava vista a metade da cidade que ficava naquele lado das águas. Sua mãe, a rainha se encontrava no outro lado da sala perto de um sofá bem acolchoado. Entrou fechando a porta atrás de si e com uma postura ereta demais parou em meio ao cômodo esperando com uma ânsia que fazia seus lábios ressecarem e mãos suarem. Não era comum que seu pai o chamasse logo de manhã, geralmente era posteriormente após seus treinos de luta ou após o almoço e naquela hora nem havia desjejuado ainda.

— Continua a me dar desgosto. — Cuspiu as palavras com ódio e encarou o filho que lhe olhava com indiferença.

Engoliu em seco quando viu o pai caminhar até poucos metros de si e não ousou encarar-lhes os olhos, tinha medo de fazer e ver novamente o olhar de repulsa do pai contra si. Manteve os olhos cor de avelã no mapa que ocupava toda a parede em sua frente e por isso não foi capaz de perceber os movimentos do rei quando este lhe socou a maçã do rosto com força desmedida ao ponto de um corte se formar na pele e o sangue escorrer lentamente. Mesmo surpreendido e com uma dor enorme na face, o ômega nem sequer deu um passo para qualquer lado que fosse, apenas virou o rosto absorvendo todo aquele impacto e tentando normalizar a respiração. Voltou à posição inicial porém dessa vez encarando o alfa a sua frente com um olhar inexpressivo.

— Garoto insolente! — Gritou em fúria. — Achas que sou petulante como você para não descobrir que nos desonrou e passou seu cio com um serviçal do meu castelo? 

Agora sim Taehyung havia esboçado uma reação mesmo que mínima quando seus olhos se desviaram por segundos mesclando uma tensão com preocupação. Não tinha medo do que o pai poderia fazer consigo afinal era o único herdeiro e sabia que seu pai odiaria ter que tirar a coroa da família a passando para um Conde ou Governador qualquer. Temia por Jeongguk o garoto de sorriso fácil não merecia passar pelas mãos maldosas do pai e sofrer todo aquele abuso psicológico que o rei o proporciona. As mãos atrás do seu corpo se apertavam minuciosamente como se forçasse a ficar paradas naquele local. Não irá demonstrar abalo para o pai. 

Observou a rainha do outro lado do cômodo com uma expressão de espanto, sua mãe era uma das pessoas que acreditavam na atuação que ambos tinham um bom relacionamento, sempre lado a lado apoiando e aprendendo um com o outro. Ninguém nunca havia presenciado uma cena daquele gênero mesmo Taehyung tendo protagonizado várias desde que começou seu treinamento intenso. O rei era cuidadoso com aparências, sempre que o agrediu estavam sozinhos e por sorte nunca se passava de meros tapas ou socos quando o rei se irritava com algo que o ômega fizera. A mulher de cabelos longos e ondulados caminhou até o Alfa e segurou seu braço numa tentativa de acalmar-lhe.

— Querido se acalme. — Pediu com voz mansa. — Foi o primeiro cio do Taehyung, ele não sabe lidar com isso de forma certa. 

— Cale-se. Seu filho fez de nossa casa um prostíbulo trazendo um ômega qualquer para dentro do Castelo e você ainda tenta defendê-lo?

— Alfa, papai. — Corrigiu com desdém.

— O que disse? — Encarou o garoto que pela primeira vez havia se pronunciado. O alfa não acreditara que seu filho lhe desafiava.

— Eu sou um Ômega! Passo meus cios com Alfas. 

— Ômega Petulante, desonra nossa família e ainda tem coragem de ser estúpido. — Gritou. O rei ficou em silêncio observando o filho, sua bochecha sangrava e ele pode ver a postura do filho continuar a mesma. Soube naquela hora que nada daquilo adiantava para dar uma lição no filho. O que tinha cometido havia sido grave, Ômegas impuros são a escória dos vilarejos. Como o povo reagiria ao saber que seu futuro rei havia desonrado sua pureza com um mero plebeu. Deu mais um passo até ficar bem perto do rapaz. — Escute o que vou falar-te, você nunca mais chegará perto dele outra vez. — Agarrou as lapelas do manto peludo. — Chegue perto desse alfa novamente e não vai ser um mero corte que vai ganhar. 

— Não tenho medo de você, papai. — Falou com um pingo de coragem que surgiu em seu peito se soltando das mãos do pai. — Não sou um ômega indefeso como no passado, sei me defender muito bem. — O alfa o encarou claramente raivoso. O ômega nunca havia lhe desafiado, seguia suas ordens afinco e com perfeição sempre ouvindo seu mandares silenciosamente e depois saía do local que estivessem. 

— Estás me desafiando por um mero cozinheiro, Taehyung? — Perguntou franzindo o cenho. —  O que esse alfa tem de diferente dos outros? — Analisou o olhar do príncipe que por mais que tentasse esconder sabia que ali tinha sentimento a mais que só um cio. 

Taehyung levantou seu olhar para o homem à sua frente. As cicatrizes no rosto deixava explícito a diversas lutas que havia participado quando mais jovem. Os cabelos castanhos, que suportavam a coroa de Ouro e pedras preciosas. O sorriso podre que se escondia atrás dos dentes alinhados e sorriso retangular e bem humorado de um rei carismático. Odiava-o. Odiava como aquela máscara enganava até mesmo sua mãe, como enganava o povo que logo ia comandar dando o título de rei gentil. Odiava o pai por força-lo todos o dias a ser o que nunca seria, um alfa. E odiava-o mais ainda por o impedir de ser feliz.

— Estou apenas farto de tudo isso. — Respirou fundo.

Suas sobrancelhas franziram ao ver o homem mais velho rir. Gargalhava alto como se naqueles minutos alguém tivesse lhe contado as melhores das piadas, mas estava a rir de si. 

— Como você é ingênuo, Taehyung. — Voltou a postura normal com aquela carranca irritada. — Está apaixonado por um plebeu. Que clichê enjoativo. Diga-me, hum? Estão apaixonados um pelo outro?

"Sim papai eu amo! E você não vai me tirar isso." A mente do ômega gritava em raiva.

Decidido a não escutar e nem alongar aquele diálogo, o Príncipe piscou os olhos se livrando daqueles pensamentos, não agiria como um omega frágil, como tivesse se afetado com tudo aquilo, agiu como seu pai havia lhe ensinado. Com uma gélida calma para o momento o rapaz segurou forte na bahia da sua espada e com suas botas de montaria feitas de couro deu um passo a frente bem perto do rei, o encurralando na parede, este que não pareceu afetado. 

— Chegue perto do meu alfa, majestade. E você verá a sua própria criação ser seu pior pesadelo. 




Notas Finais


Taehyung com o jk: 😍😘😍😘😍

Taehyung com o rei: 😡😠😡😠😠

É isso galera nesse capítulo vocês conheceram alguns personagens, uns ficarão outros ...

Até o próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...