1. Spirit Fanfics >
  2. On In a Million - Jikook >
  3. Bônus: Ter dois pais não era sempre uma maravilha

História On In a Million - Jikook - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Três anos depois da publicação da história, cá estou para trazer esse bônus que amei escrever.

Espero que gostem tanto quanto eu, boa leitura.

Capítulo 2 - Bônus: Ter dois pais não era sempre uma maravilha


Haviam muitas coisas que Jinwoo costumava imaginar quando seu papai Jungkook ainda estava no exército, ele gostava de sonhar acordado com um dia normal onde os três estariam juntos e ele seria acordado pelo dois com um sorriso enorme no rosto, ganharia o seu café da manhã favorito que eram panquecas com chocolate e então seus dois papais, juntos, o levariam para a escola e iriam se despedir com beijinhos em suas bochechas, além de muitos abraços.

Então quando recebeu seu papai como presente no dia anterior, ficou extremamente contente e animado para que todos os seus sonhos se realizassem. Ouvia muitas histórias de como seu papai Jimin e seu papai Jungkook se amavam, de como viveram um romance de cinema antes do mais velho ser chamado para o exército e morria de curiosidade para ver aquilo de perto, aquela felicidade de uma família que tanto falavam. Claro, não imaginava que seria tudo perfeito, papai Jimin sempre seria o mais chato, já que costumava dar broncas em si e mandava ele fazer coisas chatas, como arrumar seus brinquedos e ajeitar sua cama.

Suas expectativas em Jungkook eram muito altas para um garotinho de sua idade, ele estava extremamente animado para que o mais velho o defendesse das broncas, brincasse consigo e lhe desse doces antes do jantar, seria o pai mais legal do mundo.

Mas ao acordar no dia seguinte ao seu aniversário, percebeu que não seria do jeito que ele esperava. Não acordou com beijinhos no rosto de bom dia, ou seu café favorito na cama. Acordou com vozes altas vindo da cozinha, eram as vozes de seus pais e eles estavam brigando, não conseguia entender direito a conversa mas parecia ser algo sério porque seu papai Jimin nunca usava aquele tom de voz, nem mesmo quando dava broncas em si.

Saiu da cama hesitante, gostava de fantasiar tantas coisas divertidas que ouvir aquela briga já estava sendo uma queda enorme de suas expectativas. Calçou suas pantufas verdes de dinossauro e coçou os olhos antes de sair do próprio quarto, andando devagar até a direção das vozes. Os dois estavam na cozinha e tinha um forte cheiro de comida queimada saindo de lá, subiu em uma cadeira com um pouco de dificuldade e se sentou a mesa sem ser notado pelos dois que estavam ocupados discutindo para notarem a presença do menor entre eles.

– Você queria que eu tivesse feito o que, Jimin? – O moreno suspirou, esfregando o rosto com uma das mãos parecendo cansado ainda. – Eu já te disse, me alistei quando estávamos separados.. já tinha sido aprovado quando me contou que íamos ter um filho.

– E você não poderia ter ido atrás para receber dispensa? Eu não estava preparado para cuidar sozinho de uma criança, do seu filho!

– Você acha que eu não tentei? Eu devia ter ido dois dias depois que soube do Jinwoo, só consegui prolongar minha ida por um tempo. Eu queria poder ter voltado atrás quando me alistei, mas na época foi a única opção que eu tinha.

– A única opção que você tinha? Você deveria ter me contado antes, deveria ter me avisado mas esperou e esperou, só me contou um mês antes de precisar ir. – Jimin revirou os olhos, cruzando os braços na frente do próprio peito.

– Porque eu estava com medo de como você reagiria, você já estava preocupado se iria conseguir voltar para a faculdade e eu não queria te estressar ainda mais.

Jinwoo suspirou, colocando os braços sobre a mesa e deitou a cabeça sobre os mesmo. Era tão chato ouvir adultos discutirem, principalmente quando ele não podia fazer nada para ajudar por não entender o assunto e ele tinha uma leve suspeita de que a culpa da briga era ele. Suspirou novamente, desta vez de forma audível para tentar chamar atenção para si e foi totalmente inútil já que eles continuavam a brigar entre si.

Virou o rosto para o outro lado, franzindo as sobrancelhas ao ver um pouco de fumaça sair da frigideira no fogão, Jinwoo não tinha certeza do que seu pai deveria estar tentando cozinhar mas pelo formato já deveria ter sido uma panqueca aquela massa preta.

– Papai.. – Levantou a cabeça ao chamar o loiro, olhando o fogão com certo receio. Claro que Jimin não o ouviu, sua voz estava alta assim como a do ex-militar e jinwoo estava certo em estar receoso, logo em seguida a panqueca começou a pegar fogo na frigideira. – Papai! – Exclamou alto e assustado, finalmente sendo ouvido pelos adultos.

– Merda. – Jimin desligou o fogão, pegando a frigideira e a colocou dentro da pia. Jungkook usou um pano de prato úmido para apagar as labaredas da panqueca e finalmente os dois se calaram, era o que Jinwoo pensava. – A culpa é sua!

– Minha culpa? Não era eu que estava cozinhando.

– Você está me estressando, isso não vai dar certo. – Jimin suspirou irritado, massageando a própria testa para tentar se acalmar.

– Podia ter me dito ontem que eu iria te incomodar, eu teria ido para a casa de outra pessoa ou dormido em um hotel depois da festa. – Jungkook ainda estava bravo ao falar, ele mordia a parte interna da própria bochecha como uma das manias que tinha e Jinwoo sempre ouviu de seus tios que tinha aquela mesma mania dele.

– Eu deveria mesmo, mas essa é a casa da sua família e do seu filho.

Jinwoo tentava ignorar que os mais velhos haviam voltado a brigar, ele tentou mesmo, mas tinha um aperto forte em seu peito e ele mal percebeu seus lábios tremerem, os olhos se encherem de água e um soluço baixo escapar. Ele "abriu o berreiro" como sua vovó dizia e só assim conseguiu com que seus pais finalmente prestassem atenção em si, Jimin foi o primeiro a largar tudo e correr na direção do menor, pousando as mãos carinhosamente em seu rosto.

– Oh, meu amor. Você acordou a muito tempo? Me perdoa, por favor. – O polegar acariciava o pequeno rosto do garotinho, enquanto a outra mão acaricia seus cabelos. Jinwoo ainda não se sentiu confortável, ele alternou rapidamente o olhar entre os dois pais e cobriu o rosto.

Jungkook se aproximou receoso, ele não sabia bem como confortar o próprio filho e se envergonhou por isso, a última vez que precisou acalentar o pequeno em momentos como aquele, ele era apenas um bebê que chorava quando tinha fome ou cólicas. Mas aquilo não era fome, não era cólica e não havia uma fralda para ser trocada, ele apenas soube colocar uma mão sobre o ombro do garotinho e fazer um carinho no local.

– Me desculpa, pequeno. – Jungkook se abaixou para que o rosto ficasse na mesma altura do filho, segurando sua bochecha livre. – Não devíamos ter essas conversas chatas de adultos na sua frente, nem falar tão alto.. eu prometo que não vai acontecer de novo.  

– Vocês me assustaram. – O pequeno murmurou choroso, limpando as próprias lágrimas.

Os dois pais se sentiram péssimos ao ver o menor chorando, além de culpados. Jimin não soube o que aconteceu para ter agido daquela forma, mas era verdade que estava se segurando para ter uma conversa séria com Jungkook desde que ele havia chegado. Não pôde dizer nada durante a festa e nem depois, porque estava amando ver seu pequeno coelhinho se divertindo na companhia do Jeon mais velho e mesmo que durante a noite fosse o único arrumando a bagunça deixada pelos convidados, tudo tinha válido a pena para ouvir a risada do filho ou seus bocejos dengosos enquanto Jungkook lia uma história para o mesmo dormir.

Foi um clima alegre e aconchegante, exceto quando o casal ficou sozinho no quarto. Era tudo o mais silencioso e tenso possível, ambos tinham coisas a dizer um para o outro, pedidos de desculpas, raiva e amargura guardados, mas eles evitaram e explodiram quando a manhã chegou.

Jinwoo não sabia o motivo de tudo aquilo, mas queria que eles parassem e logo.

– Vamos, meu amor, se você parar de chorar eu te deixo comer um Donut de chocolate quando sair da escola. – Jimin segurou sua pequena mão, deixando um beijinho sobre a mesma numa tentativa de animá-lo. – O que acha? Você quer?

– Quero. – Respondeu simples, abraçando o pescoço de Jimin que logo o pegou no colo para um abraço melhor.

Foi quando Jimin notou algo de diferente.

– Meu bem, cadê sua chupeta?

– Está com o papai kook. – Ambos olharam para o moreno, Jimin mais lhe lançava um olhar confuso do que o alegre que o filho tinha. – Ele me disse que garotinhos fortes não usam chupeta, que se eu quisesse te proteger um dia papai, eu não podia ter a chupeta porque era um ponto fraco e os vilões saberiam. – Jinwoo explicou da forma mais orgulhosa possível de si mesmo, balançando os pezinhos.

– Oh, eu entendi.. e o que você fez com a chupeta?

– Eu levei embora, para o garotinho da lua. Ele aparece toda noite porque não consegue dormir, ele não tem uma chupeta e jinwoo me deixou dar a dele para ajudar o menino. Agora todas as noites Jinwoo vai ter bons sonhos, porque o garotinho da lua vai retribuir os sonhos bons que tem. – Jungkook explicou de forma fantasiosa, era bobo é claro, a chupeta estava escondida em uma gaveta. Mas ele não pode evitar quando Yoongi o contou das inúmeras tentativas de Jimin tirar a chupeta do filho falharem, ele só precisou usar um pouco da própria imaginação e trazer o filho para a história.

– Estou muito orgulhoso, meu amor. – Jimin beijou sua testa, sendo apertado no abraço pelo menor. – Sei que fez o garotinho muito feliz e ele lhe dará o dobro de felicidade. – Jinwoo sorriu largo e seu papai iria dizer algo, mas logo o alarme do celular tocou e eles se deram conta de que era dia de aula, naquela hora ele já deveria estar vestindo seu uniforme. – Droga.

Foi colocado no chão com cuidado e olhou seu papai desligar o alarme agitado, antes de colocar a mão sobre o próprio cabelo enquanto pensava.

– Tá legal, vou fazer algo rápido para você comer e você se troca para irmos, não vai dar tempo de tomar banho.

– O menino tá com a boca verde de brigadeiro do Hulk, Jimin. – Jungkook disse calmo enquanto o olhava e antes que o marido pudesse retrucar, continuou: – Da banho nele e enquanto isso faço algo para ele comer, ele se troca, come e vai.

– O papai também vai? – Perguntou animado, encarando Jeon com um sorriso enorme nos lábios.

Acabar com suas expectativa com certeza foi a pior coisa que Jungkook já fez na vida, considerou pior do que qualquer coisa que tenha visto em seus anos servindo ao país.

– Hoje eu não posso, meu amor. – O sorriso do menino sumiu aos poucos. – Mas eu prometo que da próxima vez eu irei, te deixarei dentro da sala.




[...]




Os dias seguintes foram com certeza muito repetitivos para o pequeno garotinho e aquilo era muito estranho para si, porque sua vida continuava a mesma coisa mesmo com seus dois papais consigo?

Ele ainda não era acordado pelos dois com beijinhos em seu rosto e só teve seu café da manhã preferido servido duas vezes, se ele contar quando quase queimaram suas panquecas novamente. Seu papai Jungkook era quem fazia o café todos os dias e isso o estava decepcionando, mas ele sabia que isso era porque seu papai Jimin havia dado uma bronca nos dois por quererem comer doces no café e era por isso que o maior começou a fazer um café "saudável" todos os dias. Jinwoo odiava pão integral.

E ele era um mocinho crescido segundo seus avós, então ele conseguia tomar seu banho sozinho algumas vezes mas sempre seu papai baixinho ficava por perto para ver se estava tudo bem e o maior, passou a fazer companhia e dizia que queria aprender. O que ele queria aprender? Seu papai não sabia tomar banho?

Mas sem dúvida sua maior decepção era não ter os dois indo consigo até a escola, papai Jimin dizia que era porque o outro estava ocupado com coisas chatas de adultos e o menino acreditava nisso, pois quando chegava da escola o mais velho estava sentado na sala com alguns papéis em mão, as vezes falava ao celular e parecia muito decepcionado, quando desligava sempre soltava um suspiro que apesar de ser muito novinho Jinwoo conhecia como sendo desapontado. Jimin sempre suspirava assim quando o menor era teimoso.

– Papai, pode brincar comigo? – Jinwoo perguntou parando em pé na frente do moreno, ele estava sentado sobre o sofá e as mãos cobriam o rosto. Ele levantou o olhar para o filho e sorriu pequeno, o pegando no colo. – O senhor está triste?

– Não, meu amor. Só um pouco cansado. – Jungkook beijou sua testa, apertando sua bochecha com uma das mãos sem força alguma. – Do que você quer brincar?

Jinwoo sorriu largo com a pergunta, abrindo os braços com os dois bonecos em mão.

– Esse é o super vilão, mas ele tá cansado de ser vilão e o herói quer ajudar ele!

– Jinwoo não pode brincar, ele não recolheu os brinquedos do chão do quarto dele. – Jimin disse autoritário, sentado a mesa da cozinha enquanto digitava em um notebook. Ele estava trabalhando. Jinwoo apesar de ter ficado emburrado, o ignorou e entregou o brinquedo na mão do pai. – Eu disse que não.

– Mas eu vou recolher depois, eu e o papai estamos brincando. – Choramingou manhoso, encostando o rosto no peito do moreno.

– Não me faça ir aí pegar seus brinquedos, por favor.

– Não, você é chato! – Jinwoo o respondeu emburrado, conseguindo fazer com que Jimin o encarasse sério e suspirasse.

Foi então que o que o garotinho menos esperava aconteceu, seus brinquedos foram tirados de sua mão mas não pelo seu papai Jimin, foi pelo seu papai Jungkook! E ele estava bravo consigo!

– Jinwoo, peça desculpas ao seu pai. Você não pode falar assim, você sabe que tem que deixar suas coisas arrumadas e o obedecer.

– M-Mas ele só briga comigo, eu vou guardar depois! – Gaguejou com os olhos marejados, não sabia lidar com Jungkook brigando consigo. Era normal levar broncas do ex-park, acontecia desde que era novinho então ele já sabia como reagir com aquele sentimento. Mas não Jeon Jungkook, não o seu papai dos sonhos, não aquele que deveria ser seu cúmplice nas brincadeiras e suas travessuras. – Porque eu tenho que guardar se eu ainda estou usando?

– Vá para o quarto.

Jinwoo estava tão chocado e irritado, mas ele apenas obedeceu se levantando em um pulo e marchou com seus pezinho duros para o próprio quarto. Ele se jogou na cama e se enfiou debaixo das cobertas, suas bochechas estavam molhadas pelo choro e ele estava decidido que deixaria as lágrimas saírem até que o sono lhe atingisse. Mas se lembrou que seus pais estavam bravos consigo e que só chorar não adiantaria, então ele arrumou finalmente seus brinquedos e aí sim voltou a se deitar e chorar, quem sabe se o vissem chorando mas tendo os obedecido, eles teriam dó do pequeno e lhe fariam carinho.

Não foi o que aconteceu, Jungkook o acordou para jantar e o ajudou a comer, enquanto Jimin continuava sério e em silêncio. O menininho ficou triste mais uma vez, tinha magoado seu papai? Agora estava com receio de dizer algo e acabar encrencado mais uma vez, então só comeu seu jantar quietinho e não questionou nenhuma vez quando foi mandado escovar os dentes para voltar para a cama.

Jungkook se abaixou ao lado de sua cama, o cobrindo com sua colcha do homem aranha e beijou sua testa, perdendo alguns segundos para olhar para os olhinhos escuros do pequeno Jeon.

– O papai está magoado comigo? Eu não fiz por querer.

– Seu papai te ama mais do que qualquer coisa, sabe disso, não? – Jungkook perguntou, enquanto o menor assentia. – E você o conhece melhor do que eu, mas nós dois sabemos que seu papai leva algumas palavras muito a sério.. amanhã peça desculpas a ele, sei que ele vai te perdoar. Você é o garotinho dele, ele não pode ficar bravo para sempre.

– Eu vou pedir, prometo.

– Boa noite, filho.

– Pode ler uma história?

– Eu acho que não, querido. Por hoje, dormir sem uma história faz parte do seu castigo. – Acariciou seu cabelo. – Mas vou pensar em uma muito boa para ler para você amanhã, se você for um bom menino.

– Eu vou ser, prometo!

E Jinwoo cumpriu o que prometeu no dia seguinte, foi um garoto muito bem comportado e obedeceu seus pais em tudo o que eles lhe pediam. E aquilo pareceu ter sido bom para si, depois de chorar fazendo um pedido de desculpas que Jimin julgou ser muito fofo, ele foi perdoado e mimado pelos pais nos dias que se seguiram. Os dois sempre alternavam os cuidados entre si, ainda não eram juntos como o pequeno sempre sonhava mas era melhor do que ver os dois sempre brigando na sua frente sem se importarem com sua presença. O pequeno sabia que eles ainda brigavam, mas sempre tomavam cuidado para não fazer aquilo na sua frente ou quando o garoto estava acordado.

Jimin lhe acordava com beijinhos enquanto Jungkook fazia seu café da manhã, depois o moreno o ajudava a se trocar depois de ter tomado seu banho sozinho com seu papai apenas o supervisionando para que não corresse o risco de mentir ter tomado banho mas só molhado o cabelo na pia como já havia feito algumas vezes. Então o ex park o levava para a escola e ia para o trabalho, quando não, ele saia mais cedo para trabalhar e era Jungkook quem o levava.

Lembrava-se ter se gabado para ser coleguinhas que duvidavam de que tinha outro pai e que ele já tinha sido do exército, Jungkook é quem teve que ser paciente com tantos amiguinhos do filho lhe fazendo perguntas sobre isso enquanto estavam na entrada da escola.

O menino se arrependeu depois porque lembrou que seu avô tinha lhe dito que se gabar era uma coisa feia e que ele nunca deveria fazer isso, sentiu-se mal mas não a ponto de sofrer realmente por aquilo.

E daquele jeito as semanas se passaram tranquilas na medida do possível, logo o mês de outubro havia chegado e finalmente Jinwoo iria descansar na companhia da família, no seu dia favorito do ano depois de seu aniversário. O dia das crianças.

– Você não sabe o que ele fez, Jimin. – Taehyung estava sentado sobre o balcão enquanto assistia ao melhor amigo preparar um brigadeiro de panela. – Quando ele viu o Hoseok chorando por causa de um algodão doce, ele foi até a barraca e mandou o cara..

– Papai! – Jinwoo exclamou animado ao entrar na cozinha, segurando uma caixa embrulhada em um papel de presente vermelho com corações.

– Para o lago dos unicórnios. – Taehyung continuou dando uma clara censurada na verdade sobre a história que estava contando, rindo ao receber um olhar acusatório de Jimin. Ele desceu do balcão, puxando uma cadeira em frente a mesa para se sentar.  – O que?

– Não vou nem dizer nada. – Desligou o fogão, olhando o filho. – O que houve, meu amor?

– Esse presente é para mim?

– Claro que é, Querido. É dos seus vovôs, eles não se esqueceram de você. – Afagou os cabelos escuros do menor. 

– Eba! – O mesmo deu alguns pulinhos no lugar enquanto abraçava a caixa, ouvindo os dois adultos rirem baixo da cena. – Eu posso abrir?

– Ainda não, acho melhor abrir todos juntos e estamos esperando os seus tios chegarem, seu pai ainda não voltou também.

O menino bufou desanimado, mas concordou e antes que pudesse dizer alguma coisa, Taehyung o pegou no colo e o abraçou, enchendo suas bochechas de beijos.

– Ahh! Papai, socorro! – O menino riu, se contorcendo enquanto tentava fugir dos beijos de seu tio.

– Oh, não. Eu não resisto a esse pedacinho de gente, como você pode ter um filho tão fofo, Park Jimin? – O abraçou apertado, encarando o amigo.

– Eu não consigo respirar. – Jinwoo Murmurou de forma dramática, ficando mole no colo do mesmo.

– Oh, eu acho que vou ter que comer essa barriguinha.

– Tio Tae! – O menino riu, sendo finalmente colocado no chão pelo mais velho. – Não pode ficar me apertando, eu posso explodir!

– Eu acho que seria como uma pinhata, sairia muitos doces e coisas fofas, como estrelinhas e arco-íris. – Taehyung sorriu para o menino, pegando a lata de cerveja que foi deixada em cima da mesa para si por Jimin. – Aliás, eu também te trouxe um presente e está escondido para você não abrir antes da hora.

– Está em cima do guarda roupa do papai?

Taehyung e Jimin trocaram olhares cúmplices enquanto o menor entre eles ria baixo, o filho havia acertado logo de cara o esconderijo do tal presente mesmo que não conseguisse pegar de lá de cima.

A campainha da casa foi tocada e Jimin deixou o filho sobre os cuidados do Kim por um momento, viu pela fresta da cozinha que era Seokjin e Namjoon que haviam chegado e conversavam com seu pai na porta.

O menino aproveitou que estava sozinho com o Kim e se sentou na cadeira em sua frente, cruzando seus bracinhos de forma séria. O maior quase se engasgou ao rir da cena, o menino era realmente a cara de Jungkook e ter uma miniatura de Jeon lhe encarando como se fosse um adulto sério era realmente adorável.

Mas o menino tinha perguntas muito importantes para fazer a algum adulto e seu tio TaeTae era a melhor opção, ele era o que nunca mentia para si e independente de qual fosse sua pergunta, ele sempre arranjava um jeito de lhe responder com a verdade sem prejudicar sua inocência como diria seu tio Hope.

– O que eu posso ajudar o pequeno espião hoje? Já adianto que não irei em hipótese alguma te ajudar a roubar os presentes e nem dizer onde o Seokjin esconde os doces.

– Eu tenho uma pergunta, você vai me responder? Por favor? – Ainda estava sério ao perguntar, mas um beicinho dengoso surgiu em seus lábios enquanto esperava a resposta.

– Claro, alguma vez eu já deixei de tirar todas as dúvidas que surgiram nessa sua cabecinha mirabolante? – Ele deixou a lata de cerveja sobre a mesa de volta, cruzando os braços na frente do próprio peito imitando o menor. – Vamos lá, pequeno Bond. O que posso fornecer de informações para você hoje?

– Desde que o papai voltou, os dois estão sempre brigando.. e eu não sei porque. Isso é muito chato, você disse que eles se amavam mas estão iguais a vovó e o vovô quando eu durmo na casa deles.

Taehyung suspirou surpreso e entendia o menino, os pais de Jungkook viviam em pé de guerra no casamento e era bem comum brigarem ou se alfinetarem na frente do menino, não era atoa que Jimin quase não o deixava ir dormir nos avós e permitia mais que os dois é quem dormissem em sua casa. Mas saber que Jeon Jimin e Jeon Jungkook estavam numa situação parecida, chegava a ser quase irreal.

– Bom, eu não sei como dizer isso. – Taehyung mordeu os lábios nervoso, não achava que era ele quem tinha que explicar aquilo ao sobrinho mas se seus pais o estavam deixando apenas confuso e frustrado, ele iria tentar ajudar da melhor maneira. – Seus pais sempre foram muito grudados, meu amor. Mas quando estavam terminando o ensino médio, tiveram uma briga feia porque seu papai Jimin iria para uma faculdade muito longe e ele não contou para o Jungkook, ele não tinha tido muita sorte nas provas então era o único de nós que não conseguiu a faculdade aquele ano.

– O que é faculdade?

– Oh, não se preocupe com isso você ainda vai entrar para a primeira série no ano que vem. – Riu baixo com o olhar confuso do garotinho. – Continuando, eles se separaram e nesse meio tempo seu pai se alistou para não ficar sem fazer nada. Ele foi aprovado, mas foi quando Jimin descobriu que eles teriam você e voltou.. acho que eles nunca conversaram sobre tudo o que aconteceu nessa época então isso é uma barreira.

– Eu pensei que a culpa era minha, estava com medo de ter feito algo errado. – A criança colocou o rosto sobre a mesa, recebendo carinho em seu cabelo.

– Nunca que a culpa seria sua, os dois te amam muito e é você que os une num momento como esses. – Jinwoo não era realmente sobrinho de Taehyung, mas era como se fosse e lhe doía ver o mesmo tristinho porque seus pais eram teimosos, se lembraria de dar uma boa bronca nos dois depois.

Apenas duas horas depois, todos os seus titios já estavam em casa para lhe dar seus presentes e também para fofocar com seu pai, é claro. Ele não fazia ideia do que era fofocar, mas seu avô lhe dizia que era feio fazer fofoca então ele preferia manter em segredo que seu pai fazia aquilo.

Namjoon estava sentado no sofá assistindo a um canal de esportes depois de tentar fazer o pequeno montar um quebra cabeça consigo, ele estava proibido de chegar perto dos presentes do pequeno Jinwoo, porque ninguém queria correr o risco de que algum deles quebrasse. Seokjin, Taehyung e Jimin estava conversando enquanto comiam o brigadeiro que seu papai tinha feito. Tio Hope ria enquanto tinha o celular em mãos, aproveitando para tirar fotos e fazer vídeos do pequeno Jinwoo brincando com Yoongi no tapete da sala. Não era segredo que o mesmo era sempre bem sério e tentava manter uma pose de durão, embora todos soubessem que ele era muito carinhoso com as pessoas que amava, com seus namorados, seus amigos, mas principalmente com Jinwoo. O menino conseguia facilmente ser o total foco de sua atenção, Yoongi deixaria qualquer coisa que estivesse fazendo no mesmo instante se o sobrinho o chamasse.

– Tio yonyon! – Jinwoo riu, abraçando suas costas quando maior se deitou de bruços no tapete, ofegando por estar o carregando de cavalinho a um bom tempo. – Mais uma vez, por favor!

– Só deixa seu titio descansar as pernas, por favor.

– Seu cavalinho não tá com nada, Jinwoo. – Hoseok debochou do namorado, que apenas lhe mostrou a língua em uma atitude madura e o garotinho imitou a ação do tio. – Jimin vem ver o que ele está ensinando para o seu filho!

A porta da sala foi aberta e finalmente Jungkook chegou, era quem todos estavam esperando para deixar o menino abrir os presentes e aproveitarem o resto da tarde juntos.

O pequeno Jeon se levantou ao ver o pai entrar na casa com uma caixa de presente pequena em mãos, correu na direção do mais velho e pulou em seu colo. Jungkook logo o pegou, deixando um beijo em seu nariz.

– Papai, estávamos esperando você.

– Oh, meu amor. Me desculpe a demora, papai estava comprando seu presente e resolvendo algumas coisas. – Era a primeira vez que seu papai Kook parecia animado de verdade, ele costumava ser animado apenas quando estava brincando consigo, na maioria do tempo sempre parecia triste e ali pela primeira vez ele estava feliz.

– O que aconteceu, papai? Você está feliz. – o pequeno sorriu, franzindo as sobrancelhas quando teve sua bochecha apertada. – pai!

– Não me aguentei, estou realmente feliz..

Jimin que já havia se aproximado quando ouviu a porta ser aberta, estava parado olhando os dois com uma cara feia na direção do marido enquanto tinha seus braços cruzados, ele estava bravo.

– Podia ter demorado um pouco mais, não acha, Jungkook?

O moreno apenas olhou o marido enquanto deixava o filho no chão e o presente em seus braços, estava sentindo a tensão no ambiente não só por parte de Jimin como de seus amigos, todos sabiam que uma discussão poderia começar ali mesmo e eles estavam certos.

Jimin odiava ser o pai chato, mas se ele não fosse e colocasse regras, Jungkook faria o que quisesse com Jinwoo e o menino entraria na onda. O ex park havia lutado muito para ensinar e educar a criança por todos aqueles anos sozinho, depois da briga com o filho por causa de brinquedos, ele tinha medo de que o filho passasse a desrespeitá-lo e não o obedecesse mais.

– Eu sei que demorei, mas eu precisei sair. Não foi porque eu quis. – O moreno se defendeu.

– Você teve tempo para comprar um presente antes, deixou seu filho esperando.

– Está irritado por que Jinwoo teve que esperar ou por que você teve que esperar? Qual é o problema, Jimin? – Jungkook colocou uma das mãos sobre o próprio rosto, respirando fundo para tentar se manter calmo. – Eu estou tentando correr atrás do tempo que eu perdi, eu estou tentando ser um bom pai mas você sempre arranja algo para criticar. Você tem anos de experiência, eu estou aprendendo agora.. não pode só me deixar tentar em paz?

– Eu não me importo com você a muito tempo, foram quatro anos esqueceu? Então sim, estou com raiva por fazer Jinwoo esperar. – Jimin estava um pouco exaltado e não parecia que seu temperamento iria mudar tão rápido, ele mal se importou quando Seokjin colocou uma mão sobre seu ombro. – Nada vai trazer de volta o tempo que você perdeu com o seu filho, não vai conseguir ouvir as primeiras palavras, ver os primeiros passos ou ensinar a andar de bicicleta. Faça o que quiser para o acompanhar agora, mas não quero que tire minha autoridade, eu fiz de tudo sozinho por ele durante todo esse tempo.

– Você tem o seu jeito de educar e eu estou descobrindo o meu, eu sei de tudo o que você fez por ele na minha ausência e em nenhum momento quis tirar sua autoridade, mas eu também tenho a minha autoridade. – Mordeu o interior da própria bochecha antes de olhar para o marido. – Você não está irritado por causa dele, Jimin.. então não coloca ele no meio das nossas brigas. Saí porque finalmente consegui um emprego, ou eu deveria ficar sentado em casa enquanto você é o único que trabalha? Eu quero ajudar com as contas, com o Jinwoo e com a casa. E, mesmo que eu não mereça, quero ser um bom marido.

– Eu não tenho mais certeza sobre isso, Jungkook. – Jimin respirou fundo, desviando o olhar. – Não sei se quero continuar sendo seu esposo.

E mais uma vez a presença da criança havia sido esquecida durante todo aquele tempo, jinwoo ouvia toda a discussão de seus papais e seus olhos estavam marejados. Seus pais não queriam mais ser uma família? O que iria acontecer consigo então? Eles não o queriam mais?

O menino simplesmente não entendia e havia um nó em sua cabeça, seu nome fora mencionado tantas vezes que ele pensava ser mesmo o motivo de tantos desentendimentos e ele não queria que seus pais se separassem por sua culpa. A única coisa que queria era que seus papais o amassem e que os dois cuidassem de si juntos, mas talvez tenha desejado demais e isso atraiu má sorte.

Olhou para a porta da casa que ainda estava aberta e simplesmente saiu correndo, Yoongi no mesmo instante percebeu o sobrinho correr e foi atrás do mesmo. Suas perninhas pequenas não o deixaram ir muito longe, mas começava a cair um temporal e o menor acabou se molhando no tempo frio. Seus pais estavam logo atrás quando Yoongi o alcançou e o pegou no colo, nem ao menos deixando Jimin ou Jungkook chegarem perto do pequeno Jinwoo.

– Vocês dois tem até amanhã para se resolverem, se vocês vão se divorciar ou não o problema é de vocês. – Jinwoo teve a jaqueta jeans de seu tio colocada sobre seu corpo para o proteger da friagem quando eles se abrigaram da chuva na cobertura de uma pequena padaria.  Ele abraçou seu tio, fungando baixo enquanto recebia carinho em suas costas. – Ele não está acostumado com tantas brigas, não estão vendo que isso está afetando ele?

– Jinwoo, meu amor, me desculpa. – Jimin foi o primeiro a dizer ao filho com a voz levemente embargada, ele tentou fazer carinho no mesmo mas Yoongi não o deixou chegar perto e o mesmo aconteceu quando Jungkook também tentou.

– Meu amor, eu prometo que vamos resolver isso. Me perdoe.

– Ele vai ficar comigo e eu não quero saber de vocês dois até amanhã. Ele precisa de um tempo de vocês dois e dessa briga, eu vou cuidar dele e sabem que sim.

– Você não pode nos expulsar da nossa casa e deixar nosso filho longe de nós, só se ele quiser. – Jungkook disse levemente indignado com a ideia de deixar Jinwoo.

– E-Eu quero ficar com o tio yonyon. – A criança olhou para os pais, ainda estava chorando mas já havia se acalmado e estava se aninhando cada vez mais no colo do mais velho. Jimin sabia que quando o filho grudava assim em alguém, seria muito difícil de os separar e não tinham outra opção.

– Céus, tudo bem. – Disse atraindo a atenção dos dois irmãos. – Mas vamos estar de volta antes do meio dia de amanhã, cuida do meu filho e não deixa o Hoseok dar doces para ele antes de dormir.

– Ele não vai, vou estar de olho. Agora sumam.

– Espera, mas agora? – Jungkook olhou para o irmão de forma confusa, ficando ainda mais quando o viu acenar para um táxi que passava.

– Sim, agora. E lembrem-se, só queremos ver a cara de vocês quando se resolverem. – Ele fez questão de abrir a porta do táxi para os dois, o pequeno Jinwoo não quis nem ao menos olhar para os pais e se despedir. Fechou seus olhinhos com força enquanto abraçava Yoongi e só os abriu quando o mais velho o avisou que estava de volta em casa.

Seu dia que tinha tudo para ser perfeito não foi como o esperado no fim, seus tios tentaram de tudo para o animar, o deixaram comer doces, abrir todos os presentes e até pular na cama. Mas o menininho estava triste por seus pais, ele só conseguia pensar no quanto queria que tudo ficasse bem entre eles novamente.

Antes de se deitar para dormir, tio hobi o fez comer um pouco da canja de galinha que Taehyung havia feito para si, já que depois de tomar um banho quente a criança estava espirrando e tinham medo dele ficar gripado. 

Tio Yoon fez questão de o encher de agasalhos e ler uma de suas histórias favoritas para que conseguisse dormir, ele amava mesmo a história a história do patinho feio mas nem aquilo o ajudou muito. Depois que seus tios foram dormir, ele ainda estava acordado em sua cama com os presentes que havia ganhado, olhava triste para o Batmóvel que havia ganhado de seu pai. Era o primeiro presente que Jungkook lhe dava e ele deveria estar feliz, mas se sentia uma criança horrível por pensar se não seria melhor seu pai ter voltado só depois do exército. Talvez as brigas fossem menores, ele teria a chance de ceder uma de suas ligações para que seus papais conversassem. Iria valer a pena se ele pudesse ter os dois felizes para si.

Não soube quando adormeceu, mas acordou no dia seguinte com seus papais o chamando e eles pareciam preocupados. Se sentou com preguiça na própria cama para olhar os dois, sua cabeça doía demais e seu nariz escorria.

– Oh, meu amor. – Jimin colocou uma mão sobre sua testa. – Você está com febre, kook-ah pode pegar a dipirona?

– Claro. – Jungkook saiu do quarto do filho para buscar o remédio na cozinha.

Jinwoo levantou seus bracinhos quando Jimin começou a tirar seus agasalhos para o vestir com um pijama mais fresco, o pequeno estava molengo mas obedeceu o mais velho.

– Papai. – Chamou manhoso ao deitar de volta, segurando a mão do mais velho. – Você e o papai ainda vão me deixar?

– Meu bem, nós nunca deixaríamos você em hipótese alguma. – Beijou sua testa, ajeitando sua franja em seguida. – Nós queremos que você nos perdoe, somos péssimos pais por termos feito você passar por isso. Nós dois te amamos muito e nunca te deixaríamos, independente de um dia nos separarmos ou não.

Jungkook estava de volta ao cômodo com o remédio em um copo, o pequeno Jinwoo tapou o nariz e deixou o mais velho virar a dipirona de uma vez em sua boca para que não sentisse muito o gosto ruim. O menor fez uma careta pelo gosto amargo em sua boca e acabou sorrindo quando o moreno lhe estendeu um pirulito, ele já estava pegando o doce quando se lembrou de que Jimin poderia achar ruim, então olhou para o pai querendo saber se ele podia comer o doce antes do café.

– Irei abrir uma exceção hoje.

O menino sorriu, colocando o doce na boca.

– Woo. – Jungkook se abaixou ao lado de Jimin, colocando a mão sobre a dos dois que continuavam juntas. – Quero que saiba que você é a coisa mais importante e mais especial que já aconteceu nas nossas vidas, sei que não tenho sido um bom pai.. mas vou me esforçar muito para ser o pai que você merece. Eu te amo, filho. Eu amo muito.

O menino não sabia direito como reagir aquilo, sempre ouvia seu papai Jimin e seus tios dizerem que o amava, mas não era sempre que ouvia aquilo em uma situação parecida. Ele queria chorar e abraçar os dois, mas ainda estava com medo de que aquilo fosse só eles tentando amenizar a situação antes de lhe darem uma notícia ruim.

– Vocês dois..?

– Nós três nunca vamos nos separar, somos uma família. – Jimin sorriu.

– Então não vão se separar?

– Não, meu amor. – Foi a vez de Jungkook sorrir ao falar. – Nós conversamos muito e nunca mais vamos brigar, eu prometo. Nos resolvemos e decidimos que vamos tentar fazer as coisas serem melhores do que antes, então sempre que um problema aparecer vamos juntos resolver isso, ok? – o pequeno Jinwoo assentiu, colocando uma das mãos na frente do rosto ao espirrar. – Acho melhor tomar um banho, querido.

– Posso ir depois? Quero ficar deitado mais um pouco. – Ele coçou os olhos, se cobrindo novamente enquanto olhava os pais com um beicinho nos lábios. Obviamente Jungkook era o primeiro a se derreter, mas ele precisava de mais se quisesse convencer Jimin que tinha anos de experiência para lutar contra seus truques. – Por favor, papai. Por favorzinho.

– Hm, eu não sei..

– Oh, Jimin, que cruel. – Jungkook o olhou, ouvindo o marido rir. – Ele disse por favor, amor. – Segurou o rosto do loiro, roubando um selar demorado. – Deixa, vai.

– Eca. – Jinwoo riu baixo diante do beijo dos pais, cobrindo o rosto com a coberta.

– Eca? Acho que você está querendo ganhar uns beijos também. – Jungkook disse ao tirar a coberta do filho, Jinwoo tentou se levantar da cama para correr mas o corpo do maior em seguida estava sobre si enquanto beijos eram espalhados por seu rosto.

– Papai, socorro!

– Jeon Jungkook, você vai ficar gripado também. – Jimin o alertou enquanto ria da cena.

– Se eu ficar você também fica. – Jungkook disse travesso, puxando o marido para a cama também e logo estava beijando o rosto dos dois.

– Você babou em mim, Jeon! – Jimin cobriu o rosto para fugir dos beijos, apenas arrancando uma risada dos dois.

– A culpa não é minha se vocês dois são umas gracinhas. – o moreno se ajoelhou na cama enquanto olhava os dois deitados. – Eu senti muita falta de vocês, não fazem ideia..

– Também estávamos com saudades de você, papai. – Jinwoo disse, olhando para o pai deitado ao seu lado.

– Estávamos morrendo de saudades, Jungkook. – pela primeira vez o pequeno Jeon estava vendo os olhares apaixonados em seus pais que tanto ouviu falar nas histórias que seus tios contavam e isso havia o deixado imensamente feliz, mesmo que seu nariz continuasse escorrendo.

Naquele dia, os três passaram a tarde inteira juntos. Continuaram deitados, comendo doces enquanto faziam uma maratona de filmes de heróis e o tempo que passou foi muito bem aproveitado em família. Jinwoo foi mimado pelos dois e pela primeira vez nenhum dos dois brigou consigo, então o menor aproveitou para fazer tudo o que teve vontade.

E quando a segunda feira chegou novamente, o pequeno Jeon estava realizado. Andava saltitante pela calçada depois de ter se recuperado de sua gripe rápida, enquanto cada uma de suas mãozinhas era segurada por seus pais. Os dois estavam finalmente o levando juntos para a aula e era tudo o que o menino sempre quis, ele podia perder seu carrinho favorito ou ficar sem doces por um ano inteirinho, nada daquilo iria estragar aquele momento.

Ele estava feliz e continuaria por um tempo sendo muito feliz.

– Pronto para a aula? – Jungkook se abaixou para ficar de sua altura quando os três pararam em frente a escola, os portões já estavam abertos para que os alunos entrassem.

– Muito pronto! Hoje a professora vai ler João e Maria. – Jinwoo sorriu largo, segurando a alça da mochila enquanto olhava os dois.

– Nós amamos você, vamos vir te buscar quando acabar a aula. – Jimin acariciou seu cabelo.

– Vão vir juntos?

– Claro que sim.

– Boa aula, meu amor.

Jinwoo sorriu ao receber beijos em seu rosto dados pelos dois e acenou várias vezes para seus pais enquanto entrava na escola, estava muito mais motivado a prestar atenção na professora naquele dia do que jamais esteve antes.

E quando durante a aula ele foi perguntado sobre como era ter dois pais, em uma tarefa onde tinham que desenhar suas famílias, ele respondeu que nem sempre era uma maravilha. Eles brigavam as vezes, discordavam bastante mas se amavam acima de tudo e para Jeon Jinwoo um lar onde todos se amavam era o mais importante.

Ele tinha o amor de seus avós, de seus tios e agora ele tinha seus dois papais consigo.

E os dois o amavam incondicionalmente.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, eu amo escrever coisinha fofa da família Jeon. Eu não pretendia trazer um bônus, mas a ideia surgiu um dia na minha cabeça e eu fui escrevendo aos poucos.

Foi isso, Obrigada por tudo ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...