História On Stranger Tides - Capítulo 4


Escrita por: e andromeds_

Postado
Categorias Naruto
Personagens Shikamaru Nara, Temari
Tags Desafiouniversoparalelo, Piratas, Piratasdocaribe, Shikatema, Shikatemabr
Visualizações 56
Palavras 4.807
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Esse capitulo é um extra. Ou seja, não está cumprindo o desafio do mês.

Capítulo 4 - Mudança de Curso


Shikamaru mal pôde acreditar quando enfim saiu de dentro do interior do navio, os ventos frios da madrugada e a brisa salgada alcançando seu rosto. Fechou os olhos um único segundo para sentir o vento mexer seus cabelos e foi empurrado de leve pelo Uchiha a suas costas.

- Ande logo. – ele murmurou de maneira quase suave.

Shikamaru obedeceu sem pensar muito, mas franziu o cenho, achando a forma do primeiro-imediato falar um tanto estranha.

Ele seguiu até a amurada, onde Naruto e um outro homem baixavam um bote. O Uchiha o fez esperar e ele parou um momento para observar o céu. Os parcos raios de sol que surgiam no horizonte denunciavam a aproximação do amanhecer. Não sabia exatamente onde estavam, mas podia dizer pela posição das estrelas que era ao sul de Konoha e que provavelmente tinham navegado quase sem parar em velocidade média pelos sete dias que foi feito prisioneiro.

Sua observação foi interrompida quando, do convés superior próximo ao timão, uma figura imponente entrou em seu campo de visão. Com a pouca iluminação proveniente dos lampiões acesos, ele quase não identificou que o olhar era dirigido a si, mas, quando notou o brilho esverdeado nos olhos estreitos e profundos, lhe veio à mente a lembrança distorcida que havia voltado em forma de sonho em sua mente a apenas alguns minutos atrás, um arrepio correu sua espinha. A Capitã Sabaku o analisava com seus olhos desafiadores e ele se sentiu intimidado, desviando o olhar. Aquela mulher era assustadora.

Um empurrão leve por parte do Uchiha o fez voltar à realidade e foi indicado que entrasse no bote, onde Neji e mais um homem, que ele não sabia o nome, já estavam -  este tinha a espada em punho e o olhava desconfiado -, um lampião os iluminava precariamente. Ele desceu, apressado, e Naruto o seguiu, pegando um dos remos. Ele e Neji começaram a remar e Shikamaru observou, incrédulo e aliviado, o navio se distanciando enquanto os dois piratas remavam.

Já estavam a meio caminho da praia quando se permitiu desviar os olhos da embarcação, analisando os homens com ele no bote: Naruto remava tranquilo, parecia não fazer esforço algum para isso, mas estava um tanto sério e ele não sabia se isso ainda tinha haver com o companheiro moribundo. Neji tinha a expressão neutra como todas as vezes que o havia visto, remando com tranquilidade também, mas parecia incomodado com algo. Por fim, seus olhos chegaram ao homem que segurava a espada e o encontrou o observando também. Teve um pequeno sobressalto ao notar a similaridade dele com o primeiro imediato, apesar da falta de serenidade na expressão e da diferença nos cabelos, o que estava ali com Shikamaru os possuía mais curtos e espetados. O homem levantou uma sobrancelha para ele, o cenho franzido indicando que não estava contente que Shikamaru o estivesse encarando, e o Nara desviou o olhar para suas costas, para a ilha que se aproximava.

Quando chegaram o mais próximo que podiam da praia sem o barco bater nos bancos de areia, eles pararam de remar e Naruto o encarou por um momento, suspirando em seguida.

- Quando chegar a praia, se esconda ao leste. – ele instruiu. – Vamos atacar a cidade, então rasgue suas roupas e se suje, sei lá, finja que fugiu do navio enquanto estávamos distraídos. Mas só apareça depois que partirmos.

Shikamaru assentiu.

- A Capitã foi clara. – a voz de Neji foi ouvida e Shikamaru se sobressaltou, só tinha ouvido a voz do homem de olhos muito claros uma vez e dirigida a si com escárnio. Dessa vez, porém, ele falava sério – Se acharem você pelo caminho no meio do ataque, não será poupado.

- Não precisava dar essa informação, Neji. – Naruto reclamou – O cara não é burro, ele não vai sair pela cidade no meio de um ataque.

Neji revirou os olhos.

- Você é mole demais. – ele resmungou.

Naruto deu de ombro, mas sorriu ladino logo depois.

- Sua prima não acha. – ele respondeu.

Shikamaru levantou as duas sobrancelhas e as feições de Neji se contorceram, ele pareceu que pularia no pescoço de Naruto.

- Parem com isso, vocês dois. – o homem que segurava a espada mandou – Parecem duas crianças.

- Foi ele que começou, Sasuke! – Naruto choramingou.

- Você é um bundão. – o tal Sasuke respondeu – E, se não parar de discutir com Neji, vou contar para Hinata que você anda fazendo essas insinuações maliciosas sobre ela.

- Você não faria isso! – Naruto pareceu realmente temeroso com a possibilidade – Ela me põem pra dormir no estábulo!

- Então pare! – Sasuke bufou – E você, sei lá qual seu nome, sai logo desse bote!

Shikamaru demorou um momento para entender que era com ele que estavam falando, incrédulo com a briga infantil que tinha acabado de presenciar. Ele assentiu, apressado, e se levantou, pulando para fora do barco.

Suas botas chapinharam na água, afundando até quase a altura do joelho. Ele se virou por um momento e Naruto estendeu o lampião pra ele.

- Boa sorte, Shikamaru. – ele desejou e sorriu.

Shikamaru não conseguiu não sorrir de volta, pegando o lampião. Ele sentia como se uma amizade tivesse nascido ali, por mais estranho que aquilo parecesse.

- Obrigado. – ele respondeu e sentiu-se na obrigação de completar – Por tudo.

Naruto deu de ombro, como quem diz que não foi nada, e Shikamaru viu Neji e Sasuke revirar os olhos. Neji começou a remar e Naruto o imitou. Shikamaru demorou um momento, observando os piratas se afastarem de volta para o navio, antes de se virar e caminhar apressado e desajeitado para a praia.

OoOoOoOoOoOoOoOo

 

Primeiro, parecia que estava flutuando. Era uma sensação vazia, porém boa, que seu corpo e sua mente estavam dormentes. Depois, aos poucos, foi sentindo-se acomodada a algo macio, como sua cama. Junto com essa sensação, e mais depressa que ela, veio uma pontada de dor forte em sua cabeça, a sensação de falta de ar nos pulmões e uma urgência em abrir os olhos que a fez erguer o corpo de súbito, puxando com força o ar e soltando um grito alto de dor logo em seguida.       

Seu corpo caiu de volta deitado. Sua cabeça latejava, principalmente na parte de trás, pontadas doloridas e longas. Seu peito ardia, como se pegasse fogo, e seus membros e articulações estavam doloridos, como se tivesse deixado eles muito tempo na mesma posição. Um espasmo de ânsia a fez soltar um novo grito de dor, sua respiração acelerada fazia a latência no peito aumentar e ela contorceu o rosto em uma careta.

Sua mente anuviada registrou um barulho próximo e ela virou o rosto, o simples movimento parecia que faria sua cabeça explodir. Itachi entrou no seu campo de visão, a expressão preocupada, o cenho franzido. Ele suspirou aliviado quando a viu com os olhos abertos e se aproximou mais.

- Finalmente deu o prazer de sua presença novamente, Capitã. – ele murmurou, a palma da mão grande e calejada tocou seu rosto em um carinho reconfortante.

Sua respiração foi se acalmando aos poucos enquanto os olhos carinhosos a fitavam. Ele permaneceu ao seu lado, com a mão em seu rosto, parecendo tão contente de vê-la consciente que Temari começou a se perguntar o que diabos havia acontecido.

- O que... – sua voz falhou quando tentou externar seus pensamentos e ela pigarreou, sentia a garganta seca, mas conseguiu completar, mesmo com a voz rouca – O que houve?

Itachi a encarou, sua expressão se tornou séria.

- Vou trazer agua pra você, depois nós conversamos. – ele disse, a mão deixou seu rosto e ela sentiu falta do calor enquanto ele se afastava.

Ela fitou o teto, sentido novas pontas de dor na cabeça. Seu peito ainda queimava e ela tentou puxar pela memória os últimos acontecimentos. Lembrava-se de ter ordenado que soltassem o prisioneiro e de vê-lo ser levado a praia por Naruto, Neji e Sasuke. Quando eles voltaram, ela passou as ordens para o ataque e anunciou que o lideraria pessoalmente, gerando uma onda de surpresa nos rostos de seus tripulantes. Ninguém contestou, nem mesmo seu primeiro-imediato, apesar de ela conseguir ler nos olhos dele a desaprovação. Ela deixou o navio na responsabilidade de Neji e organizou os dois grupos, deixando um no comando de Naruto e Sasuke e o outro consigo, Itachi entre os homens que iriam com ela. Ela partiu na frente. Lembrava-se de começar a caminhar pela praia com os raios de sol nascente às suas costas, a espada na mão e a garrucha carregada na cintura, Itachi ao seu lado e o resto dos homens atrás de si. Lembrava-se que chegaram à cidade, que estava tranquila e adormecida. Era uma cidade pobre, ela bem sabia, e não buscava riquezas ou tomar qualquer coisa das pessoas ali, nem mesmo a vida, se possível.

Foi quando chegaram à praça principal da cidade que tudo mudou e, a partir dali, suas lembranças começavam a se confundir. Ela se lembrava de um batalhão surgindo pelo outro lado da cidade. Um batalhão de soldados da marinha armados e com tochas nas mãos. Ela percebeu que o encontro foi uma surpresa para eles tanto quando para ela e sua tripulação, não era uma armadilha. Era uma má sorte que o destino havia reservado para eles.

Lembrou-se do começo da luta, do grupo de Naruto unindo-se a eles e de lutar em algum momento com Itachi às suas costas, mas o que tinha acontecido para ela ter ficado inconsciente, como havia se ferido - porque agora ela tinha certeza que a dor em seu peito era proveniente de um ferimento, provavelmente de uma espada -, por que sua cabeça doía como o inferno ou como haviam voltado ao navio... tudo aquilo era um mistério.

Não era uma pessoa paciente, nem que gostava de ficar no escuro, e começou a se irritar com a falta de uma organização em suas memórias. Forçou-se a lembrar, mas sua cabeça começou a doer mais e ela não conseguiu segurar um gemido de dor. Escutou, seus sentidos um pouco mais focados, a porta de sua cabine, que ela sabia agora ser onde estava, abrir e fechar. Itachi surgiu novamente em seu campo de visão com uma moringa nas mãos. Ele a colocou em sua escrivaninha e trouxe um copo cheio até ela, sentando-se na beirada de sua cama. Ele ameaçou trazer o copo até seus lábios e apoiar sua cabeça para que ela pudesse beber, mas Temari levantou a mão, mesmo que o movimento tenha acontecido menos firme do que gostaria, e tomou o copo da mão dele.

Itachi suspirou, se afastando um pouco, e deixou que ela se curvasse para beber. A dor em seu peito se intensificou, mas ela procurou não demonstrar. Não iria ser cuidada por Itachi e nem por ninguém. Ela terminou de beber, percebendo só naquele momento como estava mesmo precisando de agua, e estendeu o copo para ele.

- Você é teimosa como uma mula empacada. – ele resmungou, pegando o copo. – Pode abrir seu ferimento assim, sabia?

- Obrigada. – ela respondeu com um toque de ironia – Mas sei me cuidar.

Itachi revirou os olhos e levantou.

- E orgulhosa também. – ele resmungou.

- O que aconteceu? – ela tornou a perguntar, impaciente.

Itachi não respondeu de imediato, indo até a escrivaninha e deixando o copo. Depois, o Uchiha voltou a caminhar até próximo a cama dela, se abaixou e puxou uma caixa, pegando algo dentro dela.

- Do que você se lembra? –ele perguntou por fim.

Temari se mexeu de leve, e se arrependeu logo depois, sentindo toda a dor se intensificar. A conversa em si já fazia sua cabeça doer mais e mais, mas fazer o mínimo movimento parecia fazer com que cada pedacinho de seu cérebro reclamasse.

- De chegar na cidade. – ela respondeu – E dar de cara com os soldados da marinha. De começar a lutar e de você defendendo minhas costas. Mais nada.

Itachi assentiu e sentou novamente na beira de sua cama. Ele tinha algo nas mãos, mas ela teria que mudar o ângulo de seu pescoço para ver e preferiu se poupar da dor.

- Nossos números não batiam, eles estavam em maior número e não conseguimos chamar reforços. – Itachi respondeu – Você deu ordem de retirada, mesmo nós tendo chances de ganhar. Foi esperta, poupou nossos homens. Mas nós fomos perseguidos até a praia, onde tivemos que lutar novamente.

Itachi parou de falar por um momento.

- E? –ela incentivou.

- Neji notou a luta do barco e mandou mais alguns homens. –ele continuou –Mas continuamos a retirada. Eu me distraí, Sasuke tinha se ferido e eu estava ajudando Naruto a coloca-lo no bote.

Ele parou novamente, a fitando.

- Sasuke está... ? –ela perguntou arregalando os olhos.

- Não. – Itachi respondeu depressa. – Ele está bem. Eu.... Eu me distrai.

- Você já disse isso, Itachi. – Temari o cortou, impaciente.

Itachi bufou.

- Eu sei que disse. – ele respondeu e Temari notou como ele estava frustrado, talvez até envergonhado, e nervoso. – Iam me matar, Temari. Eram três homens. Vieram direto pra mim, sabiam quem eu era. Sasuke estava ferido e Naruto estava apoiando ele, não havia o que fazer. Você viu, eu ia morrer, mas você se jogou na frente. Você matou um com um único movimento de espada e eu consegui, por conta da distração que você gerou, desarmar o outro, mas o terceiro te acertou em vez de mim. – ele respirou fundo – Que droga, Temari! Por que você entrou na frente daquele jeito?!

Temari levantou as duas sobrancelhas, não impressionada com o fato de ter se jogado no meio de uma luta, esse era bem seu feitio, mas pelo transtorno na voz de Itachi. O Uchiha a fitava com os belos olhos negros, que imploravam uma resposta, as feições bem feitas contorcidas em uma careta, como se só lembrar da situação o fizesse sentir dor.

- Itachi... – ela suspirou e gemeu logo em seguida. Que inferno, odiava sentir dor!

- Eu... – ele respirou fundo – Desculpe, não se esforce. Eu...

- Não se desculpe. – ela resmungou – Eu ainda não me lembro do que houve e não sei porque disso...

- Você bateu a cabeça com força contra o bote quando caiu. – Itachi respondeu.

- Certo. –Temari concordou, isso explicava a dor excruciante que sentia. – Mas eu não sou suicida. Pelo que conheço de mim mesma, fiz o que fiz porque havia uma chance de todos os envolvidos saírem com vida.

- Quase que você não saiu! – Itachi reforçou a informação, como se ela própria já não tivesse chego a essa conclusão. Ela revirou os olhos, era uma das poucas ações que não causavam dor e ele respirou fundo de novo – Não faça isso novamente.

- Te salvar? –ela respondeu com ironia – Pode deixar que, da próxima vez, eu deixo te cortarem no meio.

Foi a vez de Itachi revirar os olhos. Ele mexeu nas coisas que tinha em mãos e ela se arriscou a mexer um pouco a cabeça para ver o que era.

- O que vai fazer com isso? – ela perguntou, franzindo o cenho, quando enfim reconheceu algumas ataduras, um pote com uma pasta estranha e um pano.

- Vou trocar o curativo do seu ferimento. – ele respondeu, arrumando tudo na beira da cama e levantando. – Agora que você está acordada deve ser mais fácil, me ajude a tirar sua camisa.

- O que? – ela perguntou arregalando os olhos – Nem pensar!

Itachi revirou os olhos de novo e bufou.

- Não faça drama! – ele disse, apontando a atadura para ela e ela estreitou os olhos para ele. Ele levantou uma sobrancelha e um sorriso malicioso se desenhou nos lábios – Não é como se eu nunca tivesse visto.

- Uchiha! – Temari rosnou e soltou logo após um gemido de dor

Itachi a fitou, entre preocupado e risonho.

OoOoOoOoOoOoOo

Logo após limpar e trocar os curativos de seus ferimentos -Itachi não deixou que ela visse a ferida e, apesar de não ter concordado com ele na hora, depois Temari achou até melhor - ele saiu e ela pode escutar as vivas de seus homens do lado de fora quando ele os notificou que ela ficaria bem, fazendo-a sorrir para o nada.

Os dias que se passaram foram tediosos e doloridos. Descobriu que tinha ficado inconsciente quatro dias e que Hayate não morrera, ele próprio veio contar a notícia ela. Temari não entendeu muito bem a situação, não sabia como haviam conseguido salvar ela e o pirata que já agonizava há dias, mas os dois estavam bem e se recuperando. Pensou em questionar mais de uma vez, mas acabou não o fazendo.

Enquanto se recuperava, Itachi comandava o navio e ela se pegou pensando em como aquela seria a ordem natural das coisas se ela não tivesse aparecido na vida dos Uchiha. Ele e Sasuke eram os únicos parentes vivos de Madara, e Itachi era de sua extrema confiança quando ela chegou no navio treze anos atrás. Se Madara houvesse morrido por outro motivo, sem ela envolvida em sua vida, Itachi seria o capitão, não ela. Temari sabia que não havia qualquer ressentimento de seu primeiro-imediato quanto a isso, e nem mesmo de Sasuke, mas ela se sentia incomodada com o curso dos acontecimentos quando pensava muito sobre e, convalescente e dependendo dos cuidados de Itachi, tinha muito tempo ocioso para pensar.

- Eu acabei nem perguntando... – ela começou o diálogo, Itachi havia acabado de limpar seu ferimento depois do terceiro dia após seu despertar – Para onde estamos indo?

Ele estava de pé em frente a escrivaninha dela e se virou para olha-la. Suspirou.

- Você precisa descansar e curar esse ferimento corretamente… - Itachi começou com o tom que já previa que ela não gostaria do rumo que o navio estava tomando.

Temari revirou os olhos e o interrompeu:

- Que seja. - ela falou - Não há muito o que eu possa fazer estando de cama assim, há?

Itachi soltou uma risada pelo nariz.

- Você não vai mesmo discutir? - ele perguntou um tanto surpreso.

Temari deu um sorriso pequeno.

- Estou com saudade dos meus irmãos.

OoOoOoOoOoOoOo

Shikamaru secou o suor de seu rosto com as costas da mão. O sol estava a pino e quente como o inferno. Uma brisa gelada as vezes soprava, mas não era o suficiente para aplacar o calor daquele dia. Ele olhou em volta, os outros homens cumprindo suas funções, e terminou de amarrar a corda com que se ocupava.

- Shikamaru. - escutou a voz alegre o chamando e olhou para trás, Naruto vinha com um sorriso faceiro.

Shikamaru sorriu, irônico. O humor de Naruto, que geralmente já era bom, estava ainda melhor depois que tinha recebido a notícia, há duas semanas, de que rumo eles deviam seguir.

- O que foi? –ele perguntou e emendou, irônico: - Veio me contar mais uma das histórias românticas de quando sequestrou sua noiva?

Naruto revirou os olhos. Depois que o primeiro-imediato tinha revelado o destino deles e que a Capitã havia acordado, houvera uma comemoração com muito rum e Naruto, bêbado, havia contado cinco vezes a história de como conheceu e sequestrou duas vezes sua noiva, a segunda com a permissão dela. Shikamaru, depois disso, não perdia a oportunidade de ironizar a situação e tirar com a cara do Uzumaki.

- Isso não tem graça. – Resmungou Naruto.

- Oh, tem sim. - Shikamaru afirmou e riu da cara de resignação do outro.

- Idiota - Naruto revirou os olhos. - Itachi quer que você vá até a cabine da Capitã.

Shikamaru arregalou os olhos.

- Por que? - ele perguntou.

- Ela teve febre durante a noite e ele está preocupado. - Naruto respondeu baixo, como se não quisesse que os outros ouvissem.

Shikamaru assentiu.

- Certo. - disse. - Vou só pegar a maleta.

Enquanto descia as escadas para o convés inferior e era cumprimentado por alguns homens com acenos de cabeça e até alguns tapas nas costas, Shikamaru pensava em como ele jamais pensaria, há um mês, que acabaria numa situação como aquela. Ele tinha ganhado o respeito da tripulação, tinha conquistado um lugar ali e sentia-se bem com isso. Ainda era surreal para ele, que sempre achou que pirataria era algo mesquinho e desonesto, estar numa tripulação pirata, ainda mais após o assassinato de sua família por piratas cruéis e sem escrúpulos. Porém, quanto mais ele conviva com aqueles homens, mais ele os achava diferentes de sua concepção inicial.

Chegou ao depósito onde era estocado os suprimentos do navio e pegou uma maleta de couro pesada localizada logo atrás da porta. Subiu o mais rápido que conseguiu com aquele peso extra, andando em direção à cabine da Capitã, que ficava logo abaixo do piso do timão.

Respirou fundo e bateu na porta.

- Quem é? - escutou a voz do primeiro-imediato Uchiha.

- Shikamaru. - ele respondeu prontamente.

- Shikamaru? - escutou a voz que havia ouvido apenas uma vez no dia que chegou ao navio e sentiu um arrepio subir a sua espinha - Não o tinha mandado embora? O que ele faz aqui?

- Entre. - o Uchiha mandou, ignorando a pergunta da Capitã.

- Não ouse! - a voz da Capitã soou mais alto. - Primeiro você vai me explicar o que está acontecendo no meu navio, Uchiha!

Shikamaru não se mexeu. Não descumpriria uma ordem da Capitã do navio. Por mais que tenha sido o Uchiha que houvesse autorizado sua permanência no navio, ele sabia que a palavra da Capitã era lei e ela que daria o veredito final.

- Deixe o homem entrar, Capitã. - escutou a voz do Uchiha propor - E nós dois lhe explicaremos.

Um momento de silêncio se seguiu enquanto Shikamaru esperava do lado de fora, suando frio, até escutar a voz da mulher dizer:

- Entre.

De novo, Shikamaru respirou fundo. Ele abriu a porta, que rangeu de leve, e entrou.

Ele já tinha estado dentro da cabine algumas vezes, porém, entre todas, a Capitã estava inconsciente e deitada, com um ar quase apático e inofensivo. Quase, pois mesmo dormindo ela transmitia sua aura de superioridade. Agora, porém, ela estava sentada, as costas apoiadas na cabeceira da cama, e os olhos verdes e inquisitivos olhavam diretamente para ele, apesar das bolsas escuras abaixo deles e da palidez da pele amorenada.

Ele demorou um momento para conseguir escapar da arapuca que era o olhar da mulher. O primeiro-imediato estava de pé ao lado da cama e fez sinal com a cabeça para que ele entrasse de uma vez e fechasse a porta, o que Shikamaru logo fez.

Deu dois passos em direção à cama e parou, no meio do aposento, sem saber o que fazer.

- A Capitã teve febre durante a madrugada. - o Uchiha falou, como se o diálogo anterior não tivesse existido.

- Você trocou o curativo? - Shikamaru perguntou e Itachi assentiu - O ferimento apresenta algum sinal de inflamação?

- Não. - Itachi respondeu - Está normal.

- Certo. - Shikamaru respondeu e olhou para a Capitã. - Eu… Gostaria de olhar.

Temari estreitou os olhos, ameaçadora. Itachi pigarreou e disse:

- Acho melhor explicarmos a situação para a Capitã Sabaku primeiro.

Shikamaru assentiu e o silencio se abateu novamente.

- Não se preocupem, podem demorar o quanto quiserem. - a ironia se fez presente na voz da capitã e Shikamaru quase teve um sobressalto. - Eu tenho a vida toda para aguardar as explicações de vocês.

- Desculpe. - Shikamaru pediu, largou a maleta no chão e se aproximou um pouco mais  - Eu começo. Bem, realmente, vocês me mandaram embora. E eu fui. Naruto me deixou na praia e eu segui dando a volta para entrar pela cidade pelo outro extremo, para não acabar no meio do ataque de vocês e… Eu vi o navio da marinha atracando assim que amanheceu. Eles desceram do navio e eu fiquei escondido, aguardando. Escutei dois deles conversando, dizendo que não sabiam ‘porque diabos mandam a gente pra esses fim de mundo’ e depois escutei meu nome na conversa. Fui condenado à forca por ajudar Naruto em Konoha, sem julgamento. Eu já esperava isso, para falar a verdade, só não esperava que a notícia corresse tão rápido. Resolvi voltar para o Amaterasu. Eu sabia que não era bem-vindo, mas pensei que talvez com o aviso que a marinha estava na ilha vocês pudessem sair sem danos e me levar junto, mesmo que eu continuasse prisioneiro.

Ele parou de falar por um momento e a capitã perguntou:

- O que deu errado?

Shikamaru suspirou.

- Me viram. - ele respondeu. - Tive que sair correndo, nunca fui bom com espada e eu estava desarmado, de qualquer forma. Dois vieram atrás de mim, mas eu consegui despistá-los. Cheguei na cidade e lembrei do homem de vocês que estava ferido.

- Hayate? - ela perguntou e Shikamaru assentiu - O que tem ele?

- Minha mãe era enfermeira. - ele respondeu - Passei metade da minha vida dentro de uma enfermaria, vendo ela tratando gente doente e ferida. Eu podia ajudar seu homem e achei que isso ia ser uma boa forma de barganha ao meu favor. A enfermaria do povoado estava aberta e vazia, roubei algumas coisas, não muito, o povoado era pobre e eu não ia deixá-los sem recursos. Quando eu ia sair para retornar ao navio, vocês chegaram a cidade. Não vi Naruto com vocês, achei que você ia atirar primeiro e perguntar depois se eu aparecesse, então esperei um pouco, contando que Naruto chegaria antes dos homens da marinha.

- Não foi o que aconteceu. - a Sabaku acusou.

Shikamaru deu de ombro.

- Não. - ele tomou fôlego e continuou: - Vocês começaram um confronto e eu observei tudo de dentro da enfermaria. Consegui sair pelos fundos, vi vocês baterem em retirada. Vi quando chegaram à praia e vi quando você foi ferida.

- O reforço do navio chegou e nós ficamos em maior número, mesmo com você e Sasuke machucados. - Itachi continuou. - Os que nos seguiram até a praia recuaram, provavelmente para trazer reforços. Shikamaru surgiu nesse momento, oferecendo ajuda.

- Nós colocamos você no bote e conseguimos chegar no navio antes que o reforço deles chegassem. - Shikamaru continuou.

- Shikamaru salvou sua vida e depois a de Hayate. – Itachi concluiu - E também ajudou os outros feridos, Sasuke entre eles. Então eu o permiti ficar.

A Capitã dividiu o olhar entre os dois homens, os analisando e Shikamaru sentiu novamente aquele arrepio que o olhar dela causava. Sem o chapéu em sua cabeça e estando consciente, ele podia ver melhor os traços do rosto dela, o nariz fino, os olhos puxados e delineados de cílios logos, e, mesmo abatida, ele pode constatar como ela era bonita e isso fez seu estômago se agitar.

A Sabaku parou o olhar nele e o analisou, levando a mão ao peito e tocando de leve o começo do curativo que saia para fora do decote de sua blusa de botão. Ela suspirou, parecia cansada e ele sabia que provavelmente estava com dor, tinham parado com os analgésicos assim que ela recobrou a consciência, tanto para evitar um vício, quanto para poupar para necessidades futuras.

- Você que fez esses pontos, então. - ela disse, olhando para ele. - Eu sabia que tinha algo de estranho nisso quando vi. O único homem que tinha conhecimento médico e capacidade para fazer uma sutura nesse navio morreu há algum tempo.

- Sim, fui eu. - Shikamaru respondeu o mais firme que conseguia.

Ela assentiu.

- Você salvou minha vida então, Shikamaru Nara. - ela constatou.

Ele a encarou, sem saber onde ela queria chegar e espantado que ela lembrasse seu nome inteiro, mas respondeu depois de um pequeno silêncio:

- Salvei.

A Capitã assentiu.

- Obrigada. - ela agradeceu.

Shikamaru arregalou de leve os olhos, não esperava aquele agradecimento depois de toda a forma que ela agira até ali.

- Eu… De nada. - ele respondeu, sem saber o que falar. Ele sabia, e ela também, provavelmente, que ele tinha feito aquilo em benefício próprio. Mas ela, uma mulher tão amedrontadora e poderosa, estava fazendo um agradecimento a ele. Shikamaru estava sem palavras.

Ela assentiu, olhou para Itachi e, depois, de volta para o Nara.

- Você pode ficar e fazer parte da tripulação do Amaterasu. - ela começou e Shikamaru quase se permitiu sorrir antes dela continuar - Mas com uma condição.

Outro momento de silêncio se seguiu antes dele perguntar:

- Qual?

Ela sorriu, irônica.

- Que você aprenda a engatilhar uma arma. - ela disse e Shikamaru a olhou confuso - Naruto disse como você tentou subjuga-lo em Konoha.

Shikamaru a encarou, desacreditado. Sentiu o rosto esquentar de vergonha. Itachi riu e a Sabaku sustentou o sorriso irônico. Shikamaru queria se esconder. Ia matar Naruto!


Notas Finais


Olá pessoas! Espero que tenham gostado do capitulo!
Tivemos aqui bastante coisas novas e a se pensar. A primeira interação ShikaTema, Itachi e Temari tendo conversas, Temari pensando sobre o passado, algo sobre a noiva do Naruto e Shikamaru se fazendo parte da tripulação do Amaterasu. Tivemos mais um pouquinho sobre o Madara também, mesmo que pouco.
O que vocês estão achando? Tem teorias? Deixem nos comentários :D

Agradecimento a beta Gabi Alves, essa maravilhosa <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...