1. Spirit Fanfics >
  2. .on the beach >
  3. .i am crazy too

História .on the beach - Capítulo 2


Escrita por: e slxtherin


Notas do Autor


nem 24 horas depois e eu ja voltei, porque eu tava ansiosa demais
é a primeira vez que eu termino alguma coisa aqui, então da até emoção
espero que gostem

Capítulo 2 - .i am crazy too


Fanfic / Fanfiction .on the beach - Capítulo 2 - .i am crazy too

- Você está fazendo um jogo comigo, garoto? É claro que você me odeia! Nós somos inimigos desde crianças. - se exaltou.

- Eu não te odeio Phil. É tão difícil de entender assim?

Mason tentava fazer com que entrasse na cabeça dele, mas o mesmo se negava a aceitar isso. Não deixaria que seu orgulho lhe abandonasse dessa forma. Não mesmo!

- Como assim você não me odeia? Nós brigamos o tempo todo, todos os dias da semana.

Phil já estava começando a se irritar. Mason estava enlouquecendo? O que estava pensando para chegar dessa forma?

- Você me xinga e eu respondo. Só isso. Mas eu não vim aqui para discutir o “ódio” que você acha que eu sinto por você. - fez aspas com os dedos, mantendo o semblante sério em seu rosto. 

Mason nunca esteve tão sério em toda a sua vida, e isso irritava Phil ainda mais.

- Então o que você tem de tão urgente para conversar comigo? Se for bobeira eu juro que…

Pela terceira vez iria começar a divagar se não fosse interrompido pelo outro garoto. Phil costumava ser assim quando ficava frustrado, confuso ou afobado com algo.

- Eu gosto de você. Não sei o porquê, antes que você me pergunte, mas eu gosto de você.

Phil ficou sem palavras, mas Mason não poderia perceber isso, então disfarçou no mesmo momento, ignorando como seus pensamentos o atacavam de forma confusa e paranóica. Estava chegando a acreditar que era uma pegadinha.

- Gosta de mim? Ah, para. O que você bebeu? Vodka, tequila, cerveja? Foi a cachaça que sua tia trouxe do Brasil, não é? Agora você está delirando. - riu nervoso, criando respostas para essa confissão repentina.

- Eu não bebi nada. Eu gosto de ti desde criança, mas você sempre me detestou, então  fingi que te odiava também. Eu gosto muito de você, e ao invés de ficar brigando contigo queria estar te beijando, mas como você não colabora eu escondi isso até agora. Se você não corresponder tudo bem, eu supero.

Mason liberou logo tudo o que escondia desde que se entendia por gente, deixando o outro completamente confuso, frustrado e com raiva pelo ato inesperado do mais alto. Como ele ousaria soltar uma bomba dessa e deixá-lo ali para morrer com aquilo?

- Eu… - não sabia o que dizer, pois nunca havia visto seu “inimigo” daquele jeito, tão frágil e triste, mas por mais que negasse de todas as formas, estava ciente de que ele estava sendo sincero.

- Não precisa dizer nada agora, mas seria bom se você pudesse me dar alguma resposta. Você sabe onde eu moro, é só me procurar. - com isso, deixou um curto sorriso de canto sair e pegou seu rumo para longe de um Phil confuso e desacreditado.

Após Mason ir embora, depois de dizer todas aquelas coisas, Phil ficou paralisado no meio da praia, com a boca aberta e com o vento bagunçando seus cabelos, sem saber o que fazer. A ficha demoraria a cair, sabia disso.

“Eu só conheço gente doida, céus!” pensou, e se recuperou da surpresa. Precisava ir para casa, pois tinha um encontro com Eric. Esperava que o garoto o ajudasse a esquecer essa frustração.

[...]

Já vestido com sua camisa cinza, calça jeans de lavagem clara e tênis pretos, Phil parou em frente ao espelho para conferir suas vestimentas, enquanto esperava pelo horário que marcou com Eric.

Ao ver que estava perfeito como sempre, sentou-se em sua cama e, mesmo tentando evitar, voltou a pensar em tudo o que Mason lhe disse.

Como que ele nunca percebeu que o outro era apaixonado por si? Estava tão cego de raiva que não pôde enxergar o que estava embaixo de seu nariz.

Logo afastou os pensamentos de sua mente e levantou-se da cama, pegando sua carteira, seu celular e suas chaves, e por fim rumando para fora de casa.

Sairia com Eric e esqueceria de tudo o que Mason lhe disse. Isso ou morreria com seus pensamentos.

[...]

Phil não poderia estar mais enganado. Percebeu isso no pior momento possível e não tinha ideia de como reverteria aquilo.

Ele e Eric já estavam na cama, com o outro por cima de si, beijando seu pescoço. Ambos tinham consciência de onde isso terminaria e estavam animados demais para apenas preliminares, principalmente Phil.

Tão animada que gemeu o nome de Mason de forma audível, e aquilo, definitivamente, não estava em seus planos. Havia estragado sua ótima noite.

- Você me chamou de quê? Quem é Mason? - perguntou saindo de cima de Phil com uma expressão irritada.

Foden não o culpava, pois se fosse consigo também ficaria irritado e faria um enorme escândalo.

- Eu te chamei de Eric, nem sei quem é Mason. Nunca nem vi. - falou com um sorriso nervoso.

 - Eu não sou idiota. Acho melhor nós pararmos por aqui. Vai embora. - apontou para a porta, dando sua sentença final.

- O quê? Eric, espera… - tentou voltar atrás. 

-Sai daqui, anda. - apressou o garoto antes que sua paciência estourasse o limite.

Phil, notando que não tinha mais jeito, vestiu suas roupas e pegou suas coisas, logo saindo do hotel em que estava seu, agora, ex ficante. Pôs-se a caminhar pela rua, enquanto se batia mentalmente e soltava diversos xingamentos para si mesmo, arriscando até um chute em uma das latas de lixo, mas sendo presenteadl com uma dor aguda em seus dedos. 

- Droga! - Praguejou, dando alguns pulinhos em agonia pela dor. Com a frustração que estava, apenas bateu seu pé no chão e voltou a caminhar, ignorando o fato de estar mancando.

Ao chegar em sua casa, foi direto para o seu quarto, tirou os sapatos, os jogou em algum canto do quarto e deitou em sua cama, sem nem trocar de roupa. Não tinha cabeça para todas essas cerimônias antes de dormir.

Ficou pensando em Mason durante toda à noite, e quando olhou para o relógio ao seu lado e viu que já passava das cinco horas da manhã, logo desistindo de tentar dormir. Além da girafa acabar com sua noite proveitosa, também tirou seu sono. 

Após tanto pensar, Phil percebeu o quão idiota estava sendo e que gostava de Mason também. Se sentiu mal por ter demorado tanto para perceber e por tê-lo magoado tanto.
Não era normal o que sentia. Entre esses pensamentos, se lembrou de como tentava se aproximar de Mason, mesmo que fosse para xingá-lo e irritá-lo, a intenção era somente ficar perto dele. O jeito como ele arregalava os olhos para suas ofensas, mas depois sorria sarcástico, sem querer mostrar que aquilo o afetou era tão encantador e frustrante ao mesmo tempo. Frustrante, pois Foden sabia que o único sorriso que tiraria dele era o sarcástico.

Decidiu que desistiria de seu orgulho idiota, já que esse o estava impendindo de amar o garoto. Resolveria toda essa confusão, indo para casa de Mason e se declarando como deveria ter feito na praia.

Levantou correndo da cama e não se importou em tirar as roupas do encontro anterior, não tinha paciência e nem tempo para isso. Pegou seu celular, suas chaves e saiu de casa sem nem se importar com o café da manhã.

[...]

Tocou a campainha da casa de Mason três vezes até que ele apareceu na porta, com o cabelo bagunçado e usando um pijama estranhamente fofo.

-Phil, o que você está fazendo aqui a essa hora da manhã? Caiu da…

Dessa vez quem teve a fala interrompida fora Mason, quando os lábios de Phil se chocaram com os seus e esse aproveitou para enlaçar o pescoço alheio com seus braços finos. 

Mason estava estático, não percebendo como estava frustrando o menor, que já iria se afastar por não ter o seu beijo correspondido, entretanto, Mason foi mais rápido e passou os braços por sua cintura, o puxando de volta e se permitindo a continuar o beijo de forma mais intensa.

O maior pediu passagem com sua língua, logo sendo aceita pela brecha que Foden deixou entre seus próprios lábios. Ambos os músculos trabalhavam em uma sintonia prazerosa e proveitosa para os dois, esses que não queriam se afastar nunca, mas pareceu menos necessário do que o oxigênio em falta nos pulmões. 

Se separaram minimamente, mantendo o olhar e os sorrisos.

- Certo, agora me explique. O que foi isso? - perguntou Mason, se referindo ao beijo repentino.

- Eu percebi o quão idiota eu estava sendo e que também gosto muito de você. Espero que não seja tarde demais. - desfez o sorriso, soltando um suspiro arrependido por ter perdido tanto tempo.

Mason se surpreendeu com o desabafo do outro, mas o abraçou em seguida.

- Não é... Mas o que aconteceu para você aparecer aqui a essa hora, bem arrumado e produzido, e me atacar na porta da minha casa? Ainda bem que eu não estava com a xícara de café na mão. - riu.

- Foi engraçado. Eu já ia transar com um garoto, mas eu gemi seu nome ao invés do dele e ele me expulsou de lá. Aí eu fui para a minha casa e passei a noite inteira acordado pensando em você.

Mason não conseguiu evitar de sentir uma pontada de ciúme, mas logo passou e ele começou a rir junto com o outro.

- Estou com vergonha por você. - disse recuperando o fôlego que perdeu nas risadas.

- Não fique, por favor. Já estou com vergonha suficiente para três de mim. - disse com as bochechas avermelhadas ao se lembrar do acontecimento com mais detalhes, mas logo balançou a cabeça e mudou de assunto. - Mas então, quer sair hoje à noite? 

- Está me chamando para um encontro? - perguntou, carregando um sorriso sacana nos lábios.

- É. E então, você aceita?

- Claro. - e puxou Phil para outro beijo, dessa vez mais calmo.


Notas Finais


espero que tenham gostado
e vai ouvir physical feat. hwa sa porque é um hino


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...