História On The Road - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Red Velvet
Personagens Irene, Joy, Seulgi, Wendy, Yeri
Tags Joyri, Red Velcro, Seuldy, Seulrene, Wenrene, Wenseul, Wenseulrene
Visualizações 312
Palavras 3.875
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, FemmeSlash, Festa, Fluffy, LGBT, Orange, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ninguém perguntou, mas eu ainda tô viva sim. Na medida do possível a gente volta e volta com estilo. Eu tô terminando uma fanfic e ainda tô escrevendo capítulo pra shortfic. Parece complicado, mas não é tanto, o negócio é produzir.

QUEM AÍ TÁ PREPARADO PRO COMEBACK?
SÓ VEM, PERFECT VELVET!
Os teasers estão tão DIVOS e as garotas estão tão lindas neles que eu não me segurei e baixei todos, fotos, vídeos e até os track teasers, porque eu sou bolofã de carteirinha. Qual faixa do álbum vocês mais querem ouvir? Qual a favorita de vocês até agora? A minha é 봐 (Look), mas eu confesso que eu quero muito ouvir Attaboy.

But enough talking. Boa leitura!

Capítulo 11 - One Step Closer


Era engraçado para as garotas perceberem que a sala de espera foi se tornando cada vez mais amigável com o tempo que passavam lá antes de depois de cada apresentação, fosse ela bem sucedida ou não. Era o lugar onde podiam parar, respirar, pensar e beber um pouco de água com calma, assistindo as outras apresentações.

Infelizmente para Wendy, NCT U perdeu para a BTOB, a banda de Yookjae. Mamamoo venceu a SHINee por uma questão de pura interpretação num momento de entrega vocal. Os garotos não tiveram sorte no quesito, mas ainda tinham talento de sobra. Yeri abraçou o amigo Minho quando a banda se reuniu com elas nos assentos. Foi um momento terno entre as duas bandas, um momento solidário.

Depois da tristeza, passaram a conversar sobre assuntos aleatórios e isso fez com que o ânimo alí ficasse melhor, com um clima menos fúnebre. Yeri, a borboleta social da Red Velvet, sugeriu que saíssem para conversar e todos aceitaram. Como ainda estavam em Seul, pediu para Minho indicar algum lugar, mas, como era de Busan, Minho pediu para Taemin levar todo mundo ao melhor lugar que conhecia.

E foi assim que foram parar em Gangnam, num club gay chamado "Radio GaGa".

– Minho-oppa, vem cá... Você nunca me disse que o Taemin-oppa era gay.

– E ele não é, fofinha. Ele só gosta dessa boate pelo estilo e pelas músicas que tocam aqui.

– Ah. Não que eu tenha alguma coisa com ele, eu só fiquei curiosa.

– Tudo bem, flor. – sorriu para a garota. – Eu entendi, não tem problema.

O motivo maior da curiosidade de Yerim era justamente a decoração do lugar, que tinha um neon em cada canto, dançarinos vestidos com fantasias que iam de Freddie Mercury a David Bowie e a neblina artificial que, segundo o próprio Taemin, era para dar um ar misterioso na pista de dança. A garota não entendia para quê uma pista de dança precisava de mistério, mas passou a entender tudo depois que Minho passou a falar mais sobre Taemin.

– Ele é hétero, também gosta muito de Pop, Rock, Alternativa, Indie e R&B. Curte a moda por ela ser inclusiva e por ele se identificar com ela, sem se importar com tipo ou gênero. Taemin vive além do gênero. Taemin é o tipo de pessoa que exala uma sensualidade no olhar e chama a atenção por sua beleza diferente das outras: seus atributos físicos como seus lábios fartos e seus olhos penetrantes, são os mais únicos e incríveis que já se viu, mas ele não é sensual pra tentar conquistar alguém, mas sim porque é o que ele é, é a forma de ele mostrar que ele não é o maknae certinho e inocente da banda.

Nessa breve – e um pouco dramática – descrição, a garota pôde notar algo. Minho era muito enfático ao falar sobre tudo aquilo, tinha um brilho forte no olhar e sorria ao pronunciar cada palavra, por menor que fosse. Juntando tudo isso com os arrepios visíveis na pele, as mãos nervosas passando pelo cabelo e as pernas inquietas se mexendo sob a mesa, uma certeza podia ser dita:

– Você gosta do Taemin-oppa.

Minho engasgou com a própria bebida ao ouvir isso.

– Yeri, de onde você tirou isso?

– Você me disse, ué. – respondeu, dando de ombros como se a questão fosse extremamente simples.

– Quando?

– Agora.

– Como? Eu não falei nada sobre isso!

– Com o corpo todo, oppa! Você tá tão apaixonado que nem esconde. Tá escrito na sua cara, nos seus olhos, nos seus movimentos, na forma como você fala dele... Você tá tão na dele que nem sabe mais qual é a sua!

– Aish, e o pior é que você tá certa. – suspirou e pôs a cabeça sobre os braços. – Eu sou um otário por esse homem.

– Peraí, então ele é o seu super crush crush? – perguntou com os olhos cheios e um sorriso sapeca.

– É, Yeri. É ele. – afirmou com pesar, sorrindo amargamente e virando o conteúdo da garrafa.

– Por que será que eu sinto uma dorzinha no seu coração?

– Porque, infelizmente, esse sapão é hétero. Olha lá.

O moreno apontou para a pista de dança, mais precisamente para onde Taemin estava dançando com Irene da forma mais obscena que a canção que tocava permitia.

– Ih, eu acho que o tal sapão foi iludido, porque Joohyun-unnie é lésbica e namora já tem um tempo. Inclusive, eu nem sei como a Seulgi-unnie e a Wendy-unnie estão deixando ela dançar assim com outra pessoa.

– Ah, eu tenho certeza de que ele e ela só tão dançando assim sem segundas intenções, mas mesmo assim. Tá que ele também dança com homens, mas é só pra curtir. Ele não tem dúvidas sobre a própria sexualidade e muito menos sobre a própria masculinidade.

– Difícil achar um homem desses por aí, né?

– Ainda mais nesse país. Se você tivesse ido comigo pros Estados Unidos... Ai, aquele país é um sonho.

– Algum dia eu vou pra lá. – voltou a focar seu olhar nos olhos perdidos do amigo. – Ai, oppa... Você tá tão distante...

– O que eu posso fazer se o senpai não me nota?

– Não sei, mas eu sei o que você não pode fazer, e é ficar aí, triste. Levanta essa cabeça! Se o boy não te quer, se livra disso e parte pra outra! – o rapaz riu da entonação que Yeri usou. – Vamo lá, viado! Olha em volta e vê como tem homão de sobra nesse lugar!

– É pra caçar os homão da porra tudo? – bateu na mesa e jogou o cabelo, mas, como seu cabelo era curto, apenas a franja se moveu.

– É. E você não sai daqui hoje sem um bofe.

E enquanto Yeri e Minho agiam, Seulgi e Joy estavam no bar, conversando sobre algo que não saía de suas mentes.

– Não acharam ele ainda?

– Não, mas a gente conseguiu descobrir quem ele é. – Sooyoung bebericou um pouco do seu drink e apoiou o queixo na palma da mão direita.

– Era alguém conhecido? – perguntou, estreitando os olhos.

– Não, na verdade, não dá pra saber quem ele é. Ele usa máscara o tempo todo. Chamam ele de Yookjae.

– É o mesmo Yookjae da BTOB?

– O próprio. – falou com um pouco de rispidez na voz. – Seungwan-unnie disse que viu ele conversando com a Yerim antes de ela desmaiar. Encheu ela de soju, fez ela cair dura e tentou roubar o celular dela.

– Nossa... – parou pensativa. – Se ele só se aproximou dela pra isso, com certeza ele tinha segundas intenções. E se ele queria o celular dela, provavelmente era por estar caçando alguma informação.

– Ou alguém. – completou Wendy, que chegou no balcão com o celular em mãos. – Eu acabei de receber duas mensagens, uma do porteiro lá do prédio e outra da Taeyeon-sunbae. O porteiro disse que tinha um cara encapuzado passando pela rua na frente de casa de um lado pro outro. Minutos depois a Taeyeon disse que tinha um cara andando de forma estranha na frente da casa e mandou a gente avisar a Myemim pra tomar cuidado. O pior é que nos dois casos era o mesmo cara estranho encapuzado rodeando as nossas casas.

– Eita porra... – Seulgi se arrepiou.

– Onde ele foi visto pela última vez? – Sooyoung pegou o próprio celular.

– Na rua da casa da Tae. – respondeu a canadense. – Quer que eu ligue pra polícia?

– Não, não precisa. Eu vou avisar pra Tae que a Yerim vai dormir comigo essa semana, já que a minha casa foi a única que ele não rodeou.

– Como você tem certeza de que ele não passou por lá?

– Unnie, eu moro num condomínio fechado, com vigilância 24h. Eles só deixam entrar pela portaria quem tem identificação. Se aquele cara tá caçando a Yerim, a minha casa é o lugar mais seguro pra ela ficar, no momento.

– Okay, então ela fica com você. Wendy e eu vamos investigar isso melhor enquanto você cuida dela, tudo bem? – a sugestão de Seulgi parecia um bom plano.

– Ótimo pra mim. Você não se importa, Wendy-unnie?

– Nah, sounds good to me. O plano é bom, eu tô dentro.

– Que plano? – perguntou Taeyong, chegando acompanhado por Mark e Yuta.

– Ah, é só uma parada estranha que tá acontecendo. Um cara esquisito que tá atrás da Yeri. – Wendy deu espaço para que Yuta se sentasse perto dela.

– Cara esquisito? Pode ser um fã sasaeng, não?

– Não, o cara também é de uma banda do concurso.

– Algum de vocês conhece o tal do Yookjae? – perguntou Joy.

– Eu só conheço ele de banda. – Taeyong respondeu. – Vocês conhecem, galera?

Mark e Yuta negaram.

– Eita, então ferrou. – Seulgi lamentou. – Se nem eles conhecem ele, a nossa busca vai ser difícil.

– Bom, se vocês precisarem, podem chamar a gente. – Mark disse, cheio de sinceridade. – Vocês nos ajudaram muito durante o concurso, agora a gente quer retribuir.

– Obrigada, garotos. Vão ser de grande ajuda. – a guitarrista deu o seu melhor sorriso de urso.


A dificuldade de Irene para respirar era tremenda por conta da presença de Seungwan sobre si e mais ainda por Seulgi, que fazia maravilhas entre suas pernas. Enquanto era beijada pela morena, recebia com fervor a língua da alaranjada em seu interior. A sensação de ter ambas ao mesmo tempo era absurda, bárbara e incrível. A química entre as três fluía como tinha que ser, indo até além do que podiam imaginar. Com os gemidos preenchendo o quarto, elas não tinham com o que se preocupar.

As maknaes estavam em uma situação parecida. Sooyoung e Yerim compartilhavam de sua tão amada intimidade na calada da noite, onde tinham certeza de que nada as atrapalharia. Estavam calmas, porém agitadas uma com a outra e a culpa era do que sentiam. Se amavam tanto que nem percebiam quando algo além do que elas faziam acontecia, porque, para elas, nada mais importava quando estavam juntas.

A cabeça girava e mais um beijo foi posto em seu abdômen. Ela tinha certeza de que se Seulgi continuasse daquela forma, o orgasmo não demoraria a acontecer. O mais incrível era que, desta vez, era Seulgi quem fazia a parte violenta e rápida enquanto Seungwan lhe distribuía beijos calorosos e apaixonados, calmos e vagarosos. O calor abraçava o seu corpo, mas mesmo assim parecia insuportável. Seungwan chupou-lhe o seio esquerdo e, logo em seguida, deixou mais um beijo. Em contraste a isso, Seulgi mordeu-lhe a parte interna nas coxas e sugou seu clitóris com tanta vontade que a fez ver estrelas.

E Yerim gritou ao sentir os dedos da Park em seu interior, já automaticamente se movendo naquele vaivém conhecido. Lento, gostoso, cuidadoso e cauteloso. Era assim que tudo começava entre as duas, que passavam todos os limites do autocontrole quando ficavam sozinhas num mesmo quarto, fosse ele em qualquer lugar. Era excitante para Sooyoung sentir as unhas da menor cravarem sua pele enquanto a fodia lentamente. Na verdade, aquilo parecia ser um de seus fetiches, um que descobriu com Yerim e apenas com ela.

Wendy apenas sabia morder o lábio inferior ao ver e ouvir como Joohyun estava extremamente excitada, enquanto Seulgi podia sentir isso com sua boca. As palavras desconexas que saíam de seus lábios eram resultado de uma mente embaralhada com a pura excitação e a mais deliciosa adrenalina que a faziam flutuar. Tudo ficava mais e mais claro quando ouvia os sussurros sujos de Wendy em seu ouvido, provocando-a por total diversão.

– Seul me disse que você tá muito molhada. É assim que você fica? Você fica excitada com a gente?

E tudo o que podia fazer era assentir com sua cabeça.

– Seulgi e eu te damos tesão, Joohyun?

Com aquela voz grave e baixa em seu ouvido era impossível não se sentir mais sensível. Joohyun gemeu manhosamente na tentativa de murmurar um simples "uhum". E no exato momento em que conseguiu reunir forças para dar uma resposta completa, sentiu dois dedos lhe penetrarem com rapidez e gritou com tudo o que podia.

– Ah, Seul... você interrompeu a Bae, ela ia falar alguma coisa. – lamentou jocosamente.

– Desculpa, é que ela parou de gemer e eu senti falta. Você tem um gemidinho gostoso, sabia? – o olhar direto fez com que Joohyun ficasse vermelha.

Vermelha estava a pequena baixista que já apertava os dedos da namorada com força, quase entregando tudo de si para ela. Suas pernas estavam dormentes e seus olhos estavam arregalados, sua boca entreaberta era a porta de saída de ar e de seus gemidos. O suor escorria por sua testa e molhava seus fios, fazendo-os grudar em sua face. Sooyoung era perfeita quando o assunto era restrito entre quatro paredes, porque conhecia cada pequeno detalhe de seu corpo, cada ponto, cada sensibilidade e, mais ainda, como usar tudo para lhe dar prazer.

– Yerim, você é tão doce... – o sorriso no rosto da Park era uma mistura entre satisfação e paixão.

Sooyoung curvou-se para beijar os lábios da garota e, ao voltar para a posição anterior, foi puxada de volta. Yerim queria o máximo de contato possível, era assim que gostava de ficar com Joy. Gostava de sentir a pele macia da unnie contra a sua, porque aquilo lhe transmitia uma maravilhosa calma, mesmo em momentos que exigiam o oposto.

Seulgi parecia não ter piedade e muito menos controle. Irene aparentemente iria perder toda a voz sobre aquela cama, porque a forma como a Kang fazia as coisas era tão intensa e implacável que a fazia gritar com todo o seu fôlego. Seungwan era um fator a mais na hora de enlouquecer a cabeça da Bae, pois fazia de tudo para aguçar seus sentidos.

A noite das cinco seria maravilhosa se tudo ficasse como estava, mas, como nem tudo são flores, seus celulares começaram a tocar ao mesmo tempo.

Seungwan atendeu relutante.

Seulgi atendeu enfurecida.

Joohyun atendeu quase sem forças.

Yerim atendeu exausta.

Sooyoung atendeu incrédula.

"Red Velvet, vocês foram convocadas para um comunicado extra-especial. Venham até o estúdio às seis da manhã de hoje."

Depois de a mensagem acabar, a incerteza começou a incomodar a todas, mas não tanto quanto o pensamento de terem de se arrumar para viajar até Seul antes do tempo estimado de retorno dado pela própria empresa, de uma semana antes de cada etapa do concurso.


– Muito bem. Todos vocês se mostraram excelentes bandas e provaram ter profissionalismo suficiente para entrar nessa empresa. Porém, como sabem, apenas um grupo alcançará o contrato e terá seu primeiro álbum publicado por nós. Convocamos esta reunião para fazer uma decisão importante entre vocês, BTOB, Mamamoo e Red Velvet. Sabemos que não foi fácil chegar até aqui e, sinceramente, admiramos toda a garra de vocês, mas hoje alguém irá dizer adeus ao concurso.

Pronto, era tudo o que precisavam para alimentar suas paranóias e ficarem mais nervosos. Qualquer coisa que fosse dita alí definiria o futuro de todas as três bandas no concurso e também, vale lembrar, adiantaria ou atrasaria a realização de seus sonhos. Enquanto as cinco engoliam em seco, Mamamoo se mantinha impassível. Nada podia ser dito da BTOB, porque todos usavam máscaras, então suas expressões faciais não podiam ser vistas.

– Nós avaliamos suas apresentações nas outras etapas do concurso. – continuou o CEO, que andava de um lado para o outro pela sala de reuniões. – Todos tiveram ótimos resultados, mas uns se destacaram mais que outros. Mamamoo foi a banda que mais se destacou por suas versões e releituras dos clássicos. BTOB nos deu uma bela amostra de como vocais masculinos podem ser brilhantes e energéticos, até em canções tristes. Red Velvet impressionou ao mostrar como o entrosamento de todos faz a diferença num grupo. Vocês todas se conhecem tão bem que quase não precisam ensaiar. Dentre todos os quesitos avaliados, popularidade, trabalho em equipe e originalidade, um de vocês não conseguiu bater a meta.

Com a prancheta que tinha em mãos, o CEO não perdeu tempo e começou a relatar os resultados.

– Red Velvet. Vocês têm originalidade de sobra. Eu tenho a versão que vocês fizeram de "What's Up?" no meu celular. – as meninas sorriram com o comentário. – Vocês também têm muitos fãs pelo país e isso é impressionante. O seu trabalho em equipe é invejável, tanto que até bandas da nossa empresa querem descobrir o segredo dele. Meus parabéns.

Palmas varreram o lugar por alguns segundos. Seulgi começou a rir pensando que a fórmula da união delas, além da amizade, era regada de bastante besteirol.

– Mamamoo, primeiramente eu quero parabenizá-las pelo desempenho e por seu dom para a música. Vocês têm muito talento e isso é visível. Vocês têm vários fãs também, o que é ótimo, mas o seu trabalho em equipe é, no mínimo, questionável. No geral, um bom grupo, mesmo com as falhas que, ao nosso ver, vocês deveriam rever e superar. BTOB, vocês são um caso à parte. São ótimos com os instrumentos e a voz, mas não têm tanto entrosamento e nem muitos fãs. Acho que vocês iriam atrair mais atenção se saíssem de cara limpa por aí, o conceito misterioso não prende mais tanta gente como antigamente.

Tendo conhecimento de que Yookjae estava alí, Joy segurou o riso por saber definitivamente o que aconteceria em seguida.

– Perdão, garotos, mas vocês vão ter de abandonar o concurso.

– Espera! Não tem nenhuma outra coisa pra avaliar? E os ensaios que foram pro YouTube? – um dos membros se levantou, desesperado.

– E o vestuário? Não conta? Nada mais pode ser visto nisso aqui? – um outro membro tomou coragem para levantar a voz.

– O ensaio já foi levado em consideração para as avaliações. Inclusive, os comentários do vídeo de vocês não foram os melhores e o mesmo pode ser dito das curtidas e visualizações. Nada mais pode ser revisto. Sinto muito.

Uma tristeza tomou conta do lugar quando os membros da banda começaram a se perguntar o motivo de não merecerem continuar, apesar de terem ouvido tudo da própria boca do CEO. Um rapaz até chegou a tirar a máscara para poder enxugar as lágrimas do rosto. Cabisbaixos e frustrados, os garotos abandonaram a sala. Todos em silêncio, sem dar nenhum comentário adjacente. O clima ficou um pouco pesado dentro da sala, mas não ficaria assim por muito tempo.

– Parabéns, meninas, por conseguirem essas colocações tão altas! Estou de certa maneira orgulhoso do desempenho de vocês e por isso vou recompensar vocês com uma estadia de uma semana no melhor hotel da cidade! Vão relaxar nos spas do hotel Lotte e se preparar para o desafio final. Esperamos receber vocês de volta em ótimo estado físico e mental.


– Me lembre de agradecer de novo ao CEO-nim por ser tão bacana. – Wendy sorriu, se remexendo na bóia e tomando um gole do Cosmopolitan em sua mão.

– Eu vou agradecer também. Esse lugar é incrível! – Joohyun balançou os pés na água cristalina da piscina.

– Você viu o salão principal quando a gente veio fazer o check-in?

– Claro que eu vi, parecia um palácio de filme de época. Eu quase babei, é muito lindo.

– Odeio admitir, mas o dinheiro realmente compra coisas incríveis.

– Ô se compra... Mas dinheiro não é a única coisa boa nesse mundo. Dinheiro é bom, mas não é tudo.

– Falou pouco mas falou bonito, dona Bae. Queria fazer um aplauso coletivo, mas a Seulgi não tá aqui pra ajudar.

– Mas ela tá chegando e... shibal.

Os queixos das duas caíram quando viram a alaranjada chegar trajando um biquíni vermelho carmesim decotado, seu corpo coberto por um saída de praia transparente de tecido leve. Em seu pescoço havia uma gargantilha preta e em seu rosto, óculos escuros de lente arredondada. Ela definitivamente estava deslumbrante, tanto que Joohyun nem ligou de ter soltado um palavrão.

– Gente..? Vocês estão bem? – perguntou balançando os braços na frente dos olhos das outras. Elas não se moviam um centímetro sequer.

– Você tá linda. – balbuciou Wendy.

– Você é linda. – Joohyun corrigiu.

Seulgi corou com os comentários recebidos.

– De onde você tirou esse biquíni?

– Krystal me deu quando voltou de viagem. Disse que achou que ficaria bem em mim.

– E ela tava certa. – Wendy se sentou na bóia e foi chegando mais perto da borda da piscina. – Caramba, Seulgi...

– Calma, é só um biquíni. – a Kang sorriu, um pouco envergonhada.

– "Só" um biquíni que ficou muito lindo em você. – o deslumbre nos olhos de Joohyun era tão grande que os faziam aumentar e brilhar radiantemente.

Se deixassem, aquelas duas passariam o dia inteiro falando sobre como o biquíni era perfeito para as proporções do corpo de Seulgi e como ela estava maravilhosa e sexy com ele. A sorte da guitarrista era que Joy estava vindo, totalmente desesperada, tanto que quase caiu na piscina ao tentar se aproximar mais das unnies.

– Respira fundo, relaxa, conta até dez, passa a senha da sua conta bancária, os três dígitos da parte de trás do cartão de crédito...

– Ai, Toronto... – Seulgi repreendeu a namorada. – Fala devagar, Sooyoung. O que aconteceu?

– Eu... Eu tô fudida. – Joy quase não conseguia encontrar fôlego ao redor para falar.

– Por quê? Que merda você fez?

– Eu preciso fazer, na verdade. Preciso fazer alguma coisa... alguma coisa pela Yerim... Eu queria pedir ela em namoro de uma forma romântica, mas eu acabei fazendo da forma mais preguiçosa e despreocupada possível. Eu queria que fosse especial e-

– Peraí, peraí. – Joohyun interrompeu, curiosa. – Quando foi que você e Kim Yerim assumiram namoro?

– Dias atrás, enquanto você e Solar se pegavam no banheiro do Dee's.

Essa resposta infeliz marcou a volta do silêncio desconfortável. Wendy e Seulgi entreolhavam-se como se pedissem socorro uma para a outra.

– E ninguém me contou? – continuou a mais velha.

– Pelo visto não. – Sooyoung riu.

– Ah, tá.

– Mas cê tá brava, unnie?

– Não.

– Não parece muito que você tá de boa...

– Mas eu tô.

– Tem certeza?

– Tenho. – no fundo ela estava incomodada sim, só não queria admitir. – Continua o papo.

– Então... – voltou a ficar afobada. – Eu quero fazer uma festa bem aqui no hotel, já que a gente tem o direito de usar o salão uma vez durante a semana.

– É, é uma boa ideia. – falou Seulgi.

– Você tem alguma coisa especial em mente pra fazer? – Wendy perguntou, olhando para Joy de forma sugestiva.

– Bom, eu tenho. Eu ia pedir pra vocês levarem ela pra algum lugar enquanto eu preparo tudo aqui, um lugar em que vocês tenham a certeza de que vocês vão gastar muito tempo. Daí eu mando um sinal pra vocês voltarem quando tudo estiver pronto. Quando vocês chegarem, uma música vai tocar e eu vou cantar pra ela.

– Awn... Que lindo! – Joohyun já estava toda chorosa no colo de Seulgi.

– Você tá ótima em fazer planos, saeng. – Seulgi riu, dando tapinhas leves nas costas da Park.

– Não é pra menos, eu sou um gênio. – Joy sorriu, cheia de si.

– Bom, eu quero ficar pra ajudar. – Wendy protestou, com um bico nos lábios. – Parece ser muita coisa pra arrumar sozinha.

– Não, tá tudo bem. Eu faço isso, preciso de vocês pra distrair aquela garota. Ela é muito esperta.

– Tem certeza?

– Absoluta. Trust me, hm? – piscou para a canadense com um sorriso travesso.

– Tá, me venceu com o meu idioma.

– Okay, vamos repassar o plano do início.


Enquanto isso, do outro lado do deck...

– É, as quatro estão alí. A baterista, a vocalista e as outras duas. Como assim "quem"? Seulgi e Joohyun, quem mais seria? Tá, pelo que eu consegui ouvir, elas vão usar o salão de festas. A garota vai ficar sozinha preparando tudo. Sim... Acho que vai ser amanhã mesmo. Ela me parece desesperada. Ok. Avisa pra Solar deixar tudo pronto pra quando eu voltar, porque eu vou atualizar muita coisa. Tá. Tô indo.


Notas Finais


Final misterioso... (Nem tanto, porque eu não sei trabalhar com mistério. Eu sou mais diretazinha sim, sou dessas.)

E vocês perceberam que eu dei uma pequena exaltação a Lee Taemin e a maravilhosa pessoa artística que ele é. Sim, pessoa artística, porque tudo o que foi descrito sobre ele alí em cima é como eu vejo (e eu creio que a indústria também) o estilo dele. Claro que tirando a parte dos gostos musicais, porque nem tudo nessa fanfic é exato. Mas, como é possível perceber, o Taemin é um artista excepcional, porque ele é um dos únicos artistas na indústria musical coreana que não usa a sensualidade pra arrancar gritinhos das fãs, mas sim pra expressar um sentimento, pra passar uma mensagem. Ele não força a sensualidade, ele é naturalmente sensual.
(Taemin é cheio de emoções. Ouçam Heart Stop, onde ele canta com a Seulgi e tirem suas próprias conclusões.)

Bom, depois desse discurso com propensões a fangirlzismos, me despeço de vocês com a seguinte pergunta: o que vocês acham que a Mamamoo tá tramando contra a Red Velvet dessa vez?

Ah, e Radio GaGa é uma música da maravilhosa e icônica Queen. Quem jogou GTA V já ouviu ela com certeza na Los Santos Rock Radio enquanto dirigia. Good feelings.

Até loguinho!
Happiness! 💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...