História On Trial - Capítulo 24


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Imagine, Kim Taehyung
Visualizações 3
Palavras 1.739
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, LGBT, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 24 - Just U


Fanfic / Fanfiction On Trial - Capítulo 24 - Just U

- Eu já disse, cara! Eles tão de sacanagem comigo! - bate na mesa.

- Alex, acha que não tá na hora de deixar eles de lado?

- (S/N), eu preciso da grana. Como vou pagar isso aqui?

- Então para de comprar deles!

- Você, mais do que ninguém, sabe que somos viciados. Só não quer admitir. - me pressiona contra a parede.

- Alex, eu acho melhor nós pararmos.

- Você consegue? - riu. - Não aguenta nem uma semana. - lacrimejei.

- Culpa sua!

- Minha? - riu.

- É! Eu disse pra você parar. Eu disse pra você que eu não queria isso pra mim...- chorei e me olhou.

- Desculpa. - segurou meu rosto.

####

- Alex!

- Que é princesa?

- Princesa é o caralho! Eu vi o que você fez. - choraminguei e começo a fazer as malas.

- Wow wow wow, 'pera aí. - me parou. - Viu o que?

- Você é tão cínico! Eu confiei em você! Eu me entreguei de corpo e alma e agora...já era.

- Já era o que?

- Você ficou com as minhas amigas na festa, seu idiota! - bati em seu peito.

- Hey, me deixa explicar.

- Explicar? Seu cu que eu vou deixar você explicar!

- Desculpa, gata. Eu tava chapado.

- Não. - neguei. - Eu vou embora. - peguei minhas coisas.

- NÃO! FICA! Por favor...- segurou minha cintura, ficando de joelhos.

- Me solta, Alex.

- Não. Por favor, não faz isso comigo. Você sabe que eu te amo e faço merda quando tô chapado.

- Não. Essa não. - neguei. - Eu te disse o que era namorar comigo, Alex. Disse que não toleraria nenhum tipo da traição. E VOCÊ FAZ O QUE?!

- Desculpa...- chora.

***

- Mas ainda sim, gata. Desculpa. - sorrio.

- Já tá tarde, Alex. - assentiu.

- Vou indo antes que o seu maridinho chegue. Aquele gostoso. - rio copiosamente e o levo até a porta.

Assim que abro, vejo Tae se enrolando com as chaves e a mala. Olha Alex com aquela carinha de quem tá puto e ele acelera. Puxei Taehyung pra dentro e ocupei seus lábios com os meus. Sentia tanta saudades.

- Que foi, Jagi?

- Saudades. - sorriu e puxou mala adentro, fechando a porta.

Me pegou no colo e fomos para o quarto. Viu nossos filhos dormirem e me pôs no chão.

- Eles cresceram tanto. - sussurrou, admirado.

- Eu sei. Dão bastante trabalho também. Tá me devendo pelo menos umas duas semanas sem estresse.

- Pode deixar. Essas coisinhas lindas vão ser bem cuidadas. - acariciou a cabecinha deles.

- Estava a fim de sair e comer fora com o meu maridinho lindo. - segurei seu colarinho e sorriu quadrado.

- Okay. Eu te devo essa. Posso chamar uma babá de confiança?

- Pode. Chama agora para não atrasar, por favor. - entro no banheiro e me despir, tendo seus olhos sobre mim.

Começo a tomar banho e logo depois ele entra, me abraçando por trás. Beija meu ombro inteirinho e segura minhas mãos.

- Te amo, pequena.

- Também, TaeTae. - sorrio boba.

- Me senti sozinho sem você. - sussurrou.

- Bobo. Claro que não. Os meninos são fantásticos.

- Eu sei, mas não é o mesmo. Eles não me abraçariam à noite. - rio.

- Verdade. - me viro pra ele e o beijo calorosamente.

- Vamos rápido, ela vai chegar daqui a pouco. - queria continuar, mas me separou.

- Aigoo! - desligo o chuveiro e me enrolo na toalha.

Fui pro quarto e começo a me arrumar pra sair. Me abraçou por trás e cheirou meu pescoço.

- Tô ficando velho. - murmurou chateado e rio.

- É a vida. - me olhou no espelho.

- Mas você não mudou muito. Agora eu, ha! Olha pra mim. Eu não sou o mesmo de quatro anos atrás. - me virei e segurei sua nuca.

- Está mais gostoso. - arregalou os olhos e rimos.

- É sério. Acho que vi até um cabelo branco hoje. - neguei e procurei em seus fios.

- Está delirando. Não tem nada aí. - arrumei e sorriu fofo.

- Se você diz...

- Vamos logo. - a campainha tocou e Jimin entrou. - Essa era a sua babá de confiança? - rio.

- Ele é bom com crianças.

- Entendi. - estava acompanhado da namorada, agora quase noiva.

- Fiquem tranquilos. - disse animada. - Eles devem ser uma gracinha. - entraram e saímos em cerimônia. Faz um tempo desde que tivemos um tempo só para nós.

Assim que entramos no carro, ligou o som em alguma música romântica e começa a cantar com aquela voz rouca dele, delícia. Dirigiu até um restaurante premiado e vejo alguns paparazzi na frente. Que ótimo...

- Eu não sabia que eles viriam aqui. - sorrio com sua preocupação.

- Tudo bem. - lhe dei um selinho.

Os flashes cegavam um pouco, mas eu estava bem vestida, então não me preocupei. Um decote bem feito e um corpo slim em body fez a diferença.

Entramos um tanto acanhados e com aqueles olhos sobre nós. Não estou acostumada com isso, não mesmo. O maître nos levou pra cima, mania do TaeTae em nos colocar excluídos desse jeito.

- Aqui é muito lindo, Tae. - sorriu e puxou a cadeira pra mim.

- Sei disso. Amanhã vou lhe fazer um café da manhã na nossa mesa. Está na hora de usá-la. - sorrio.

- Verdade. Nós não paramos em casa desde a compra.

- Desculpe ter ficado longe de você. - neguei.

- É seu trabalho.

- Falando em trabalho, o que você estava fazendo?

- Ah um trabalhinho rápido.

- Era importante?

- Muito. - o garçom anota nossos pedidos.

- Posso saber sobre o que era?

- Sobre...planos futuros.

- Ih...conte-me mais. - sorrio.

- Era um projeto sobre o desfile das minhas linhas de verão.

- Vai ter seu próprio desfile?!

- Aham. - rio.

- Isso é ótimo, bebê. - segura minha mão.

- Taehyung, quero voltar pra casa.

- Que? - não acreditou. - Por que?

- Porque eu estou sentindo falta dos meus bebês. - levantei. - Vamos voltar.

- Não, Jagiya. Temos que ter um tempinho pra nós. - me senta novamente.

- Você viajou por um tempão e não sente falta deles?

- Claro que sinto. Mas eles estão bem e eu tenho a vida inteira para conhecê-los. Fica calma.

- Não consigo. Eu fiquei esses dias sem você, meses, melhor dizendo, e eles ficaram mais próximos de mim. Os amo mais do que tudo.

- Eu também. Se quiser voltar, vamos voltar. - assenti e levantamos.

Saímos e voltamos pra casa o mais rápido possível. Me olhava preocupado e me incomodo.

- Não me olhe assim. - choraminguei.

- Desculpe. Eu só não sabia que alguns meses fariam tanta diferença entre eu e os meus filhos. Me sinto distante. - murmurou chateado.

Acariciei seu rosto e lhe dei um selinho.

- Como disse, vamos ter todo o tempo do mundo, a vida inteira.

- Eles disseram alguma coisa? Começaram a andar?

- Ainda não, acho que estavam esperando por você. - sorriu e me beijou mais uma vez.

Quando entramos em casa, ouvi Faith chorando enquanto Lexy tentava acalmá-la.

- Oh tadinha. - senti muita pena dela, que, quando entrou em meus braços, se aquietou na hora, me olhado com aqueles olhos grandes e curiosos.

- Nem sei como consegue, (S/N). - sentou cansada no sofá e sorrio.

- Eles são uma gracinha, mas dão muito trabalho.

- Pensei que fossem ficar mais tempo fora. Vocês acabaram de sair.

- Não consegui deixar eles assim, Lexy.

- Bem, talvez um dia eu saiba o que é isso. Eu e Jimin terminamos e voltamos várias vezes, não sei se ele é o certo, sabe?

- Aham. - Tae já tinha ido ver como o Chung-Hee estava, então me abri para ela. - Taehyung era diferente do Jimin. Ele queria algo mais e eu sempre queria ficar só naquilo, mas ele me fez perceber que sem ele eu não estaria completa. Confia no Jiminie, ele quer algo sério agora.

- Você acha?

- Sim. - sorriu e me abraçou de leve.

- Sua filha me odeia. - rio.

- Ela só sentiu falta da Omma. - falei com a bebê de forma fofa.

- Já que voltaram, acho melhor irmos para casa. A estrada é longa. - assenti e eles aparecem com o meu filho no colo.

Ela e Jiminie deram as mãos e se despediram. Tae se senta ao meu lado e encara eles intensamente.

- Ma...- ela estendeu as mãozinhas e tocou meu rosto.

Arregalou os olhos e ele sorriu de ponta a ponta, admirado.

- Ela disse Omma? - assentiu.

- Aham. Diz Appa, filha. - mexeu em sua mãozinhas. - Appa.

- Ma! - riu fofa.

- Isso é novo. - rio. - Ela nunca riu antes. Isso é a cara do Chung-Hee fazer.

- Eu perdi isso tudo. - disse chateado e o abracei de leve.

- Então aproveita.

Beijou minha testa e ficamos curtindo nossos filhos até eles dormirem que nem anjinhos. Colocados no berço, me vesti com o pijama de quando tinha 19 anos, meio largada e pedi pizza. Me olhou e riu. Sentei em seu colo e começo a desabotoar sua camisa social.

- O que está fazendo mocinha? - segurou minhas mãos e mordeu os lábios.

- Tentando ter um pouco de diversão. - sorriu.

- Estou morrendo de fome. - negou e segurou minha cintura.

- Que foi, Tae? Negou duas vezes só hoje. - sério, tá ficando estranho isso.

- Não é nada demais, (S/N).

- Nada demais? Quando sexo é nada demais pra você? Lembra de quando nos conhecemos?

- Lembro. E eu quis dizer que-

- Que nada. Já sei o que é. - levantei e cruzei os braços.

- O que é? - me olhou atento.

- Conheceu alguém na turnê. Sabia, só podia ser isso. Como eu sou burra. - bati o pé e riu, me puxando para seu colo novamente.

- Que burra o que? - segurou meu rosto. - Não conheci ninguém. Mal parei no hotel. Show atrás de show. - faço um bico.

- Enjoou de mim? - riu soprado.

- Não. Não é isso.

- Então tem alguma coisa.

- Tem sim. - pressionou os lábios.

- Fala, Tae. Eu aguento.

- Eu acho que...que eu estou muito velho. - rio.

- O que? Velho?

- Aham.

- Como assim velho? Taehyung, você não mudou quase nada.

- Sabe que mudei. Ao te ver nesse pijama de anos atrás, me fez perceber que você poderia ter ficado com alguém da sua idade e eu sou cinco anos mais velho que você, vou entrar na casa dos trinta e se quiser me deixar, te dou a liberdade de fazer isso.

- Quem botou toda essa merda na sua cabeça, Kim Taehyung?

- Mas-

- Mas nada. Quem disse?

- Algumas fãs disseram que era por interesse e...

- E...?

- Que eles não eram meus. E talvez eu só precise de você. - suspirou cansado e me abraçou forte como uma criança.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...