1. Spirit Fanfics >
  2. “once upon a time..” - taekook / vkook / kookv - abo >
  3. Dezenove — comemorações

História “once upon a time..” - taekook / vkook / kookv - abo - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


Adivinha quem esta; viva?

Capítulo 19 - Dezenove — comemorações


Fanfic / Fanfiction “once upon a time..” - taekook / vkook / kookv - abo - Capítulo 19 - Dezenove — comemorações

 meia noite


Jeongguk’s point of view


— feliz natal, Coreia!


— feliz natal noona! feliz natal Taehy! — murmurei sorrindo para eles que estavam pouco atrás de mim e os meus pais.


Eu, Taehyung, noona e meus pais estávamos numa espécie de estúdio de televisão, estavam transmitindo nossa comemoração de natal para todo o povo.


Em  pouco tempo, quando acabarem de gravar, vou levar Taehyung para o lado de fora e dar seu presente de natal. Estou bem animado.


— assim encerramos a transmissão, desejamos um ótimo natal para todos os habitantes de reino e também um ano novo próspero para aqueles que seguem o calendário gregoriano!


Jeon Sojeong comunicou a todos como a imagem bom monarca que ele passa pede. Com a confirmação das câmeras desligadas chamei meu alfa para o lado de fora. 


— está com o que te pedi?


— sim, também trouxe? 


— claro que trouxe. Vem, me segue.


Sai puxando as pontas de sua mão direita, puxando mais e mais para que pudesse a segurar firme. 


Passamos pelos corredores quentinhos, tenho lembranças vagas de correr por eles no inverno, correr de algo. 


 Abri as portas pesadas de madeira para que o alfa passasse primeiro, nos sentamos num banco depois de tirar o máximo de neve sob ele.


— posso ir primeiro?


— prossiga.


— eu sei que pode parecer algo clichê para alfas presentearem seus omegas, e sei que você merece tudo do mais único. Mas logo me defendendo, — Taehy levantou as mãos cobertas por uma luva cada, se rendendo. — eles são únicos no mundo porque eu mesmo ajudei em praticamente todos os processos.


— é uma joia?


— shh, finja que não acertou e faz uma cara de surpresa para mim! — ele tirou uma câmera pequena do casaco, própria para para bolsos, e apontou em minha direção. — vou capturar sua reação.


— mesmo que falsa?


— hmm... certo, primeiro a verdadeira e depois uma bonitinha. Agora, abra. Rápido! 


Ele me entregou a caixa pequena sorrindo, sorri de volta agradecendo.


Desfiz o laço com cuidado, arrisquei observar seu olhar ansioso em minhas mãos. Não abri a caixa mais rapidamente por isso, até porque provavelmente guardaria a caixa bonitinha. 


Quando finalmente só faltou puxar a tampa para cima olhei novamente para o mais velho que implorava pelo olhar pela minha reação. Em poucos dias ele faria aniversário.


— um.


— ah, não conte apenas para abrir a caixa! Falta tão pouco, Gguk!


— dois. 


Dei um risinho.


— Jeongguk!


— três. 


— abre! abre!


— e... oh!


Abri, por fim, a caixa, sendo surpreendido por uma corrente fininha com vários cristais brancos. — podia até testar mais tarde o quão duros eram para saber o sei tipo. — todos os pontos branco brilhavam como estrelas, e o pingente era uma pequena garrafa com mais pedrinhas coloridas como o universo presos por uma rolha tão pequenina quanto a garrafa.


— gostou? — sua voz surgiu após o flash da câmera acabar. A foto imprimia da própria câmera.


— você supõe que eu não gostei? Isso é tão lindo... Taehy! 


— claro que não. — suas bochechas ruborizaram quando seus olhos encontraram meu sorriso que era totalmente diferente para as câmeras que não fossem as dele. — hm.. olhe! 


Desviou o foco da pergunta feita por ele para a foto recém revelada.


— está parecendo que estou com vontade de chorar!


— você está? 


— n.não! Mas é tão lindo, até choraria se não fosse tão bobo chorar por isso...


— gostou tanto assim?


— sim... — fui surpreendido por um abraço, não demorei para retribuir. — sua vez de abrir o presente.


— está bem. — o alfa estendeu as mãos e coloquei um embrulho leve em cima delas. 


— tem ideia do que é? 


— é bem leve... — ele ficou observando. — posso apenas abrir?


— pode. Vou tirar uma foto sua também. — peguei a pequena câmera que descansava em seu colo. 


O maior primeiro desatou o laço, sem muita dificuldade tirou o papel grosso de dentro do papel de presente. Uma aquarela.


— você...


— fazia muito que não pintava com aquarela... nunca nem tive tanto tempo para esperar as tintas secarem, mas... fiz isso para você. Por você.


— é lindo. 


— reconhece o lugar? 


— espere... é o campo de maçãs que fomos! 


— sim! Consegui algumas fotos de lá e pintei. Com as referências é claro. Pensei que fosse ser bom.


— bem, acertou em cheio! 


O alfa com cheiro de café me abraçou apertado, o que fez o aroma entrar facilmente por minhas narinas enquanto respirava. Agradável. Senti meu lobo se revirar dentro de mim, alegre e me contagiando junto. 


— podemos dormir juntos está noite... se quiser!


— ainda me pergunta, gguk? — sua risada se fez presente. — claro que quero.


Ele ficou me abraçando por mais alguns segundos, seu corpo rodeando bem o meu. Comecei a sentir uma dorzinha característica na ponta do nariz, começando a ficar frio demais. 


— está frio... 


— melhor entrarmos. 


Suas mãos enluvadas seguraram as minhas. A pequena ante-sala decorada com fotos em seu quarto era aquecida com o fogo queimando constante na lareira bem adornada. 


Agora apenas usava uma camisa segunda pele e um suéter azul real, além de calças mais leves e meias fofinhas. 


Taehy vestia o mesmo, mas em tons de creme. As vestes neutras lhe caiam melhor comparando as coloridas.


Suas mãos com algumas cicatrizes, tão parecidas com as minhas de tanto usar a espada, elas seguraram as minhas com cuidado. Os dedos avermelhados na ponta.


— seu aniversário está próximo. — sorri pequeno.


— é... e Jimin já chega amanhã. Estou tão feliz que vamos passar o ano novo juntos também... — assinto concordando. — queria que o Hoseok hyung e Yoongi hyung estivessem no meu aniversário também... 


— você não é o único... acha que a esse ponto o bebê deles já teria nascido?


— acho que não... talvez nasça daqui alguns meses. 


— se sobreviveu.


— é claro que sobreviveu, não vamos pensar no pior, hum?


— está bem, está bem. 


O alfa sorriu vitorioso e logo em seguida deixou um bocejo escapar. 


— hmm... está com soninho... melhor nos deitarmos...


— gguk, por favor, dorme comigo... — ele fez biquinho e juntou as mãos de um jeito tão fofo, não podia dizer não para ele, mesmo que a ideia original já fosse aceitar. 


— você é um fofo... eu já ia dormir aqui bobinho...


— sério??


Taehy pulou em mim para me abraçar apertado. “Nunca vou deixar de ficar feliz assim quando você diz sim para isso.”. 


Apesar de ter deitado na cama com ele, demoramos para dormir, apenas conversando sobre qualquer assunto bobo e pensando um pouco no que fazer amanhã. Já sabia o que iria fazer.


Treinaria. 


Não posso ficar nervoso para o que pretendo anunciar em breve. 



(...)



Usar a espada sempre me acalmou, querendo ou não. 


Criar estratégias rápidas, esse era meu mundo. 


Como próximo rei preciso saber o que fazer, quando fazer e onde fazer, especialmente em casos de uma guerra eminente. Independente do tamanho do exército.


Saber de onde lutar era importante, se poderia observar tudo o alto de morros ou torres, ou se veria tudo em um só plano, sem noção do que havia alguns metros à frente.


Quando lutar. Descansar durante o dia e lutar à noite quando o exército inimigo passou a tarde se locomovendo pode resultar em uma bela vantagem. 


O que fazer? Lidar com batalhas como uma orquestra, tudo é comando de um maestro. É importante saber controlar todos os instrumentos para um bom som. 


O som da espada se chocando nos bonecos de treinamento me manterão calmo para quando toda a agitação que sentia durante os dias no palácio. 


Não duraria muito tempo lá, já estava molhado em suor e o meu cabelo já estava começando a umedecer apesar de preso. 


Escutei uma movimentação pelas costas, olhei para trás com a visão periférica e... nada. 


— Taehy, se estiver aí, fale logo. Não quero te machucar sem querer.


Apenas... nada. 


Ainda escutava os sons, até que chegou um momento que parou, não baixei a guarda até que o som voltasse.


— está tudo bem, gguk?


— Taehyung... hm, está tudo bem sim. 


— xis!


Uma foto. O flash bateu em meu rosto. 


— Kim Taehyung! Essa foto deve estar horrível! 


— as expontâneas são as melhores! — o mais velho sorri.



(...)



29 de dezembro


— Jimin! Por aqui! 


— Taehyung!


Os alfas se abraçaram apertado, chegando até mesmo a cair na neve. Comecei a rir deles.


— irão congelar de frio assim, seus bobos! Vamos entrar. — puxei a mão de ambos para que levantassem.


Jimin era caloroso, com o coração do tamanho do mundo todinho em seu peito. Nem ao menos parecia que a neve caia lá fora. 

 

Seu jeito refletiu perfeitamente em forma de chocolate quente, docinho, consistente e ameno. 

 

Acho que todos olhavam para ele com admiração para o alfa que ele é. Sei disso porque olham para Taehy de forma parecida, mas não igual, são olhares bons e diferentes.


— Jimin, precisamos de seus chocolates quente para viver. 


— não quero que vá embora...


— seus fofos. — o alfa mais velho cobrou as bochechas coradas. — tentarei vir mais vezes, juro. 


— bom mesmo, hyung. 


— falta quanto tempo, Taehy?


— espere... — o citado olhou para o relógio que fazia a contagem regressiva. — exatamente... duas horas!


— uau o tempo passa rápido...


— você fala como se fosse o mais velho.


— posso dizer que vivi muitas coisas. — sorrio olhando para ambos, recebendo sorrisos em resposta também.



(...)


— espero que meus presentes estejam conosco no quarto, ein? Oh! Um minuto! Aah! Estou feliz! Feliz! Feliz!


— taehy, pare de pular! Vai quebrar o chão de tantos pulos! 


— não exagera. É o meu aniversário! A melhor época do ano. 


— pode ir se acostumando, Jeongguk, é assim todo ano. 


— céus...


— ah, vão me dizer que não ficam animados para os próprios aniversários? 


— mas- 


— espere! Faltam... dez, nove, oito...


A cada número que saia de sua boca, o sorriso de Taehyung crescia. Os olhos brilhando em expectativa.


— um! 


— surpresa! 


— noona?!


— pois é, esses dois me obrigaram a ficar acorda até agora. Brincadeiras a parte, parabéns!


— own!


A mais velha trazia um bolo consigo, nada grandioso como o doce da comemoração íntima de Taehyung com os pais, mas ainda era um bolo, e da noona.


Enquanto Jimin distraia ele, havia saído de fininho para falar com ela sobre isso.


— está lindo noona, muito obrigado mesmo.


— não precisa agradecer nada a mim, meu amor. Agradeça também aos seus amigos.


— amigos? Mas só o Jimin está aqui.


— acha mesmo que ele teria feito um bolo comigo nesse tempo, Taehyung? 


— é de se esperar, eles não sabiam que estamos aqui. — essa voz...


— Hosu hyung! Oh céus! Você! Você está vivo! 


— obrigado pela parte que me toca, teteco. 


— Hyung! 


O maior pulou na direção de Yoongi, quis fazer o mesmo com Hoseok de tanta felicidade.


— sua barriga... Hosu...


— pois é... — ele sorriu tímido vindo me abraçar, quis apertar ele um pouco mais, porém sabia do incomodo que geraria.



Noona’s point of view



Já estava tarde, como todos os funcionários mais novos já dormiam não tinha muita coisa para fazer agora. Apenas checar algumas coisas antes de deixar o palácio na mão dos guardas do turno da noite. 


— o que acha que podemos fazer?! 


Era a voz do pai de Jeongguk...


Não costumava escutar a conversa dos outros, mas não pude evitar, estavam aos berros.


— majestade, entenda, não podemos continuar roubando recursos do reino vizinho sem querer que eles ataquem o país! Não é a primeira vez que isto acontece e pelo visto não vai ser a última também!


— você não entende. Pode sair, eu lido com a ameaça sozinho. 


— mas, majestade-


— saia. 


O conselheiro Kim saiu às pressas para o lado oposto que eu estava, deixei um suspiro aliviado escapar dos lábios.


— sei que está escondida, Iseul.


— precisa de algo, majestade? — por um segundo ou dois quis xingar a mim mesma por não ter matado a curiosidade.


— não precisa se fingir de besta. 


— me desculpe, majestade. 


— agora vem com desculpinhas? Olhe, preste bem atenção, se alguém sequer imaginar o que houve nessa conversa, principalmente Jeongguk e Taehyung, sabe em quem vai cair a punição, não é? 


— sei sim, majestade... mil perdoes mais uma vez.


— saia logo da minha vista.



Notas Finais


Poise Eu voltei... sinceramente nao sei o que aconteceu exatamente para que o meu ritmo de escrita tivesse diminuido tanto. Enfim, espero que tenham gostado do capitulo, ele foi feito com carinho.
Beijinhos no olho e ate algum dia.^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...