História Once upon a time a jurassic world - Capítulo 9


Escrita por: e MeySouza

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Anna, Capitão Killian "Gancho" Jones, Cruella De Vil, David Nolan (Príncipe Encantado), Emma Swan, Henry Mills, Regina Mills (Rainha Malvada), Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Jurassic World, Once Upon A Time, Swanqueen
Visualizações 60
Palavras 1.784
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Ficção Científica, LGBT, Luta, Romance e Novela, Sci-Fi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ooooie meus amores. Um beijo da tia Mey e do tio Fah - desculpem, eu sempre quis falar isso 😅😂🤷😎(Mey aqui)

Ele pediu pra eu postar pois teria alguns afazeres. Mas o mérito do capítulo é todo dele. Fiz pqns revisões apenas. Espero que gostem ❤️

Capítulo 9 - Estamos falando de um animal


Em um rapido reflexo Emma conseguiu se esconder embaixo do Jeep, posicionando-se para conseguir visualizar Indominus saindo de seu padoque. Os seus passos eram lentos e largos, sendo direcionados diretamente para o carro estacionado ao lado do "atual esconderijo" da loira.

Era possível visualizar de sobresalto, as pegadas de Indominus. Um certo fio de medo percorreu as suas células quando notou a enorme criatura parada. Num rápido momento de lucidez, ela se deu conta de que alguém estava em maus lençois. O funcionário incompetente seguia sentado na frente de um outro veiculo. Emma abriu a sua boca em espanto. Nada era de seu alcance. Por reflexo, tapou os ouvidos. Tudo ficara silencioso, mas as coisas só ficaram claras quando o carro ao lado fora arremessado. A loira acabou soltando o grito intalado em sua garganta, por conta do susto. Antes que as coisas pudessem piorar, foi possivel mover as suas mãos e tapar os seus lábios, evitando que o barulho fosse emitido. Uma lágrima solitária escapou dos olhos dela, quando viu o homem sentado no chão, chorando, despedindo-se da vida com um último sinal da cruz, segundos antes de ser abocanhado por Indominus.

Foi inevitavel. Ela sentiu-se culpada pela morte dos dois homens. Involutaramente, a loira passou as mãos pela a suas costas, deparando-se com uma pequena faca - para ser exato, o seu ‘’amuleto da sorte’’. Ao lembrar-se da mangueira de gasolina do Jeep, tomou uma rápida atitude, cortando-a. Emma molhou-se com o combustivel. No mesmo instante, Indominus se aproximou do Jeep, colocando o seu nariz por baixo do mesmo, em expectativa de farejar algo. Em reação, a loira virou o seu rosto para o outro lado, chorando de olhos fechados, esperando que a vida continuasse consigo. Sentiu ser farejada. Por outro lado, a criatura só sentia um forte cheiro, não sabendo identifica-lo. A ardência em suas narinas o fez abandonar o local.

Emma sentiu tremores no chão, o que significava que a ‘’fera’’ estava evacuando, olhou para a floresta para onde o animal feroz tinha saído, com uma certa dificuldade. Por ser algo enorme em estreitas arvores, Indomus derrubou duas arvores.

A loira soltou todo o ar que havia prendido durante aqueles segundos, por fim, saindo debaixo do Jeep, devagar, observando todo o estrago a sua volta. Os seus passos eram cautelosos e atentos. Depois de passar por alguns veiculos, uma chave pendura lhe chamou a atenção. A mulher não pensou duas vezes para entrar e arrancar em direção a sala de controles.

Emma estava um bocado revoltada. Por outro lado, Regina, por telefone, obteve a resposta de Anna, dizendo que desta vez, Indominus realmente havia saído de onde não deveria. A morena desligou seu celular, virou o carro na estrada e dirigiu a sala de controle, como sempre, em velocidade máxima, sabendo que com um dinossauro feroz a solta, um carro seria algo que chamaria sua atenção. Ela não estava muito longe. Ao chegar, estacionou seu carro na vaga reservada para ti, e saiu de lá em uma disparada. Na escada para subir na sala, encontrou um segurança com uma afeição nada agradável. Direciona-lo um olhar desesperado, interrogativo e esperançoso, fora tudo que estava ao seu alcance. O seu maior desejo era de que não haviam mortes. O homem botou sua mão no ombro de Regina, fazendo-a olhar em seus olhos. Então, ela foi para o elevador, limpando os olhos com o dorso de suas mãos. A morena arrumou os seus cabelos, e tomou sua postura. Sabia que aquilo não estava disfarçando seu desespero, mas era aquela deveria ser a sua reação em qualquer ocasião.

As portas do elevador se abrem, e todos olham-na. Todos aqueles olharem em sua direção só a alfinetava mais por dentro. Ela limpou sua garganta e deu dois passos para fora. Regina fixou seus olhos em uma mulher abraçada a um garoto que aparentava ter dezesseis a dezessete anos chorando. Provavelmente eram familiares de algum dos mortos. Visualizou o resto da sala. Um silencio enorme pairava por ali. Alguma coisa tinha que ser dita, mas ela não sabia tomar as iniciativas, pois não é todo dia que um dinossauro hibrido e feroz foge de seu habitat e mata pessoas.

-Preciso que todos mantenham a calma!- ela disse, olhando para o televisor, vendo o implante de Indominus mostrando todos os locais por onde se locomovia, e se espantou com a velocidade. Regina desceu os degraus e se dirigiu até as mesas de Belle e Anna, olhando para o televisor

- O implante provoca um choque se chegar perto do perímetro- Regina tomou iniciativa

-Está se movendo rápido- diz Anna

-Emitam alerta geral...- Belle estava mandando ligarem os alarmes de alerta do parque, mas foi interrompida por Gold, a mandando desligar o telefone – Novas informações, esta tudo bem- Belle revira os olhos e desliga o telefone

- a contenção de itens vai captura-la! A existência do parque depende da nossa habilidade em lidar com incidentes assim. Era previsível- diz Gold falando alto para que todos ouvissem

- Devia colocar isso em um folheto: ‘’um deles pode comer alguém’’ – diz Anna arrumando sua mesa

-Esse padoque fica 6,5KM de distancia da atração mais próxima, a contenção cuidara disso e ninguém mais será...-

- Comido?- Regina é interrompida por Anna e Regina a encara com um olhar reprovador.

A contenção estava se preparando com armas tranquilizantes, sedativos, redes, fumaças em bastão e armas de choque.

****

Robin e Henry andavam no trem de vidro do parque, estavam indo para as girosferas, umas maquinas inventadas pelo parque, tratava-se de uma bola de vidro que andava em um campo, em meio a dinossauros herbívoros e era controlado com um painel de controle, Robin estava sentada no banco em que encostava na parede de vidro do trem, observando a paisagem enquanto Henry mexia em seu celular. Robin notou no fundo da paisagem por onde os dinossauros corriam, dois carros andando em alta velocidade, eram da contençõa, sabendo que estava acontecendo algo errado, se concentrou nos carros ate perde-los de vista.

Todos olhavam para o televisor, todos os guardas da contenção que foram enviados para sedarem Indominus, e nem notaram a entrada triunfal de uma Emma revoltada saindo do elevador,

-Senhorita, preciso ver seu crachá- o segurança barrou Emma, e Regina olhou para trás, observando que Emma estava viva, ficou aliviada ao ver que sua amada e irritante Emma estava viva.

- O que foi que aconteceu naquele lugar?- a loira perguntou andando em direção a todos e sendo seguida pelo segurança –tem câmeras em todo o padoque, ela não desapareceu!- o segurança segurou Emma e Regina virou para frente para ignorar o espetáculo que seria dado pela loira e revirou os olhos, olhou para tras e indicou que o segurança poderia solta-la.

-Deve ter sido defeito técnico- Regina tentou ser obvia

- Não estava olhando? Ela deixou a marca de garras no muro para pensarmos que escapou! –

-ESTAMOS FALANDO DE UM ANIMAL! – Regina andou até Emma e as duas ficaram cara a cara, era difícil saber qual das duas possuía uma face mais revoltada

- Um animal altamente inteligente! – Emma colocou sua cabeça mais próxima a de Regina

- 400 metros do sinal do implante – Belle gritou de sua mesa, para que as duas parassem de se olhar com fogo nos olhos, com olhares enfurecidos, e deu certo, Regina se aproximou de sua mesa, e todos da sala observavam tudo pelo televisor da sala.

Os guardas da contenção estacionaram os carros, desceram com suar armas e se colocaram em posição para capturar Indominus, e tudo era observado pela sala de controles

- Estão indo atrás dela sem armas letais? – interroga Emma

- Investimos $26 milhões neste item. Não podemos matar- responde Gold, atento ao televisor, estava tão atento que nem notou o olhar sarcástico que recebia de Regina, não era ele quem ainda naquele dia estava falando que não se importava com custos?

- Eles vão morrer! – responde Emma

- 300 metros...-

- Aborte a missão! – Belle é interrompida por Emma

- Já estão no local – responde Gold, e Regina sentia que iria enfartar, com Emma e Gold discutindo, Indominus solta, os guardas correndo perigo... Revirava os olhos e batia os pés de ansiedade

- Aborte... –

- NÃO É VOCÊ QUEM ESTA NO CONTROLE!!! – Regina interrompe Emma dando um grito, calando não só a loira, mas todos que estavam ali por perto,

Os guardas se posicionaram, e um deles avançou devagar, pois Indominus iria chegar a qualquer momento, ele resolveu ir na frente de todos pois algo lhe chamava a atenção, havia um pequeninho córrego no chão, e do outro lado do córrego, havia algo estranho, com uma pequena luz azul, ele se aproximou lentamente, pois Indominus estava por perto, abaixou-se e pegou aquilo na mão, demorou alguns segundos para perceber que aquilo era um pedaço da carne de Indominus, onde estava colocada o seu implante, aquilo o assustou, e a todos que assistiam tudo pela sala de controles,

- O que é isso? – perguntou Anna

- É o rastreador implantado que ela arrancou – responde Emma tomando a frente de todos

- Como ela sabia disso? – interroga Regina

- Ela lembrou onde o colocaram -.

Os guardas estavam já preparados, e o que tomou a frente de todos, que segurava o implante de Indominus, sentiu algo quente no seu pulso, era sangue, respingava de algum lugar, levantou-se e olhou para cima, caia de algumas folhas, e para ter sangue naquela altura... Precisaria de alguém, ou algo que chegasse até lá em cima, então se levantou e olhou para seus colegas de trabalho, mas um barulho surgiu no meio das folhas, um granido e todos olharam com atenção, as folhas começaram ase mexer e a ‘’sair do lugar’’ todos notaram que não eram folhar verdes, e sim Indominus, mas como isso era possível? Ela era branca, e não verde, estava parada, parecia que sabia que algo estava acontecendo, já estava preparada, e a cada paço que dava, sua face aparecia mais, e seu corpo voltava a ser branco e cinza,

- ELA ESTA CAMUFLADA!! – gritou o guarda, e todos os outros começaram a atirar com sua armas de choque, mas Indominus já havia agarrado o guarda com sua mão, o jogou no chão, pois estava levando choques, aquilo doía, mas ela era mais forte, estava ali para matar, e era o que ela iria fazer, ao perceberem que Indominus avançaria, os guardas correram, mas sem parar de atirar, o primeiro guarda tentou levantar e correr, mas Indominus pisou no seu corpo, fazendo o televisor da sala da controles indicar que aquele guarda estava morto, e em míseros trinte segundos, o televisor ia indicando a morte de doze guardas, Emma se virou para tras e olhou para Regina, que estava ficando apavorada com a situação em que tudo se passava.


Notas Finais


Um beijo no core ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...