História Onde habita a escuridão - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 51
Palavras 1.477
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Mais um◆
mal aí os erros♥

Capítulo 18 - Piscina, Sangue, Debate e Atlantida (parte 2)


Fanfic / Fanfiction Onde habita a escuridão - Capítulo 18 - Piscina, Sangue, Debate e Atlantida (parte 2)

Pov's Sayfer

No momento paralisei e fiquei sem reação alguma, até que tomo impulso e saio do colo do indivíduo. 

- Pro - professor? - falei espantada 

- Olá sra.Alves...-

Não sabia se ficava espantada, chocada, arrasada ou se lá no fundo...gostava.

- Como você ousa fazer isso, você é meu professor e eu apenas sua aluna - disse levemente alterada

- O que deixa tudo mais interessante não acha?  algo proibido e possivelmente intenso - diz Toni

O senhor não deixe que ele apele pra esses treco de proibido...tenho um fraco por isso, posso não aguentar e ceder.

- B - bem...Obrigada, vou embora antes que fechem a escola e eu fique presa, e de novo obrigada por guardar a bousa pra mim -

Me virei para sair e Toni já estava lá encostado na porta.

- Não tão rápido Sayfer - 

- Nossa já criou tamanho intimidade comigo? Até uns minutos atrás era "senhorita Alves" 

- Sabe senhorita a me fez prestar muita atenção em você  por sua inteligência em minha matéria...olha que não são todas que são capazes - 

Aí típico cliché...homens. 

Revirei os olhos e bufei.

Vamo entra nesse joguinho e ver até onde vai.

- Por que não a Dafhyny Xpoemi? ela gostou de você -

- Se eu quisesse uma cérebro de minhoca eu tinha faz tempo, pra que eu vou querer uma estudante que não tem capacidade própria de encantar um homem e precisa de feitiço e magia das minhas ingênuas sobrinhas...-

- Suas sobrinhas - questionei

- Longa história -

- Eu adoraria ouvi - afinal quem n quer saber de um podre da Dafhyny

- Eu teria que te levar pra outro lugar - 

Caminhei até ele cheguei bem perto, fiquei na ponta dos pés e sussurrei:

- Com tanto que seja seu quarto está ótimo -

Seus olhos brilham e ele estende a mão.

- Vem comigo?-

Talvez me arrependa mas aceitei.

No momento em que pego sua mão, água começa a escorrer da mão de Toni até a minha, como se fosse uma camada de pele, quando olhei pra ele o mesmo estava em um tom de azul brilhante como água cristalina. 

Esta coloração está passando para meu corpo então ele me puxa numa velocidade estrema e eu fecho osolhos.

Chegamos a um lugar diferente pois eu sentia uma brisa, uma vibe que não é a que estávamos.

É o mar?

- Abri os olhos - Toni diz atrás de mim com suas mãos na minha cintura

Abri e notei que estávamos pisando sobre o mar e diante de nós havia a entrada de uma cidade ou ilha...Não sei ao certo.

- Reconhece? - Toni

- Não - respondi 

- Estou desapontado -

Uma onda de água se faz de baixo de nossos pés, e ela vai crescendo e crescendo até ficar numa altitude alta onde dava pra mim ver a cidade por inteiro. 

- Não acredito, não é possível...A - A cidade perdida de atlantida...guenta aí...Poseidon? - 

- Em forma humana -

- Ok -

- Não vai pular e espernear por estar diante de um...Literalmente deus grego - 

- Eu não só a Dafhyny - disse fria 

Ele nos desce e caminhamos até um tipo de castelo no centro da cidade.

Entramos e fico impressionada com tamanha beleza os lustres a coloração azul do ambiente e lá no final da escada onde se via o resto da cidade um enorme quadro de um homem com um tridente sob o mar.

- Você é assim? - perguntei

- Só no Olimpo -

- Meio velho não?  -

- Homem é igual vinho o quanto mais velho melhor -

Um sorriso bobo se faz em meus lábios. 

Tudo aqui era lindo.

Pov's Toni

- Para de apreciar cada detalhe, vem, vamos - falei a puxando para subir a escadaria a direita 

Caminhamos até a sala das árvores.

- Onde estamos? ela pergunta boquiaberta

- Essa é a sala das árvores genealógicas,  todos os deuses tem uma dessa. Quando nasce um novo semi ou deus na parede aparece sua foto, nome e a que Deus pertence. E nas prateleiras, os livros contam acontecimentos de suas vidas dês de Deus, titãs a semi deuses - expliquei

- Uau - 

Ela olha atenciosamente cada detalhe. 

- Essa é a árvore que tem só uma filha é  de quem? -

- Minha sobrinha Ártemis -

Ela para e pensa.

- Você é tio avô da Layla Smith -

- Sim...a conhece?  -

- A pouco tempo mas sim conheço - 

- Hum, como pode ver se olhar na árvore de Afrodite verá a Carla, Tifani,  Juliana e Stefani, todas seguidoras de Dafhyny. Como filhas da deusa do amor podem enfeitiçar e seduzir qualquer um para se apaixonar ou se atrair por elas ou por uma de sua escolha. Por popularidade as vezes ajudam " Dafhyny ".

Agora tá explicado a Dafhyny tem fama de dada por feitiço. As seguidora dela tinham que ser algo elas são bonitas de mais é até fora só normal.

Pov's Sayfer

Depois de tal explicação fiquei interessada e super curiosa de saber a origens da Layla e sua hhistória de vida.

Me aproximei da estante e tentei pegar o livro dela, mas estava alto demais. Mesmo erguendo o pé não  conseguia.

Então sinto mãos quentes passando por minhas coxas e cintura,  passar pelos seios e os aperta bem forte. Não consegui evitar um gemido abafado, contínua dos seios até os ombros onde deposita um beijo. Dos ombros as pontas dos dedos deslizam  suavemente pelos meus braços. Então me prensando na parede e roçando seu membro em minha bunda, enquanto minhas mãos estão presas acima da cabeça. 

Toni me solta me deixando sedenta por mais.

- Quer saber? deixa o livro pra lá, minha curiosidade pode esperar - falei ao me vira 

Caminhei até Toni que estava a poucos passos de mim e o puxei para um beijo.

Pov's Toni

Eu e Sayfer começamos a nos beijar loucamente, parece que os 2 estavam sedentos por um momento assim, cheio de desejo e luxúria. A pego no colo ainda nos Beijos e caminho até a mesa que havia no centro da sala e coloco Sayfer sentada em cima da mesma. Sayfer desabotoa os botões de minha camisa enquanto da chupoes em meu pescoço. Já com a blusa aberta, ao ver que sou um coroa bem definido e musculoso ela morde os lábios e volta a me beijar só que desta vez arranhando minhas costas, abdômen e ABS.

- Parece que o pacote é bom - ela sussurra e morde o lóbulo da minha orelha 

- Não só parece, é...pense nisso como uma aula prática - 

Ela desabotoou a fivela do meu sinto, o que faz com que minha calça social cai e que eu fique só de cueca.

- Minha vez - falei

Tirei seu blusão e comecei a beija lá novamente enquanto apertava seu seio direito direito por cima do sutiã,  e por dentro da calcinha em movimentos circulares eu massagiava seu clitóris. Ela tentava segurar seus gemidos mas não conseguia o que só me deixava mais excitado. Tirei seu sutiã e comecei a chupar seu pescoço,  do pescoço pro ombro e do ombro até os seios onde dei total atenção...o que só a deixava louca.

Sayfer se deita e arqueia as costas então tiro sua calcinha. Ela me puxa e eu sinto minha intimidade se chocarem com seu corpo nu. Então ela diz:

- Sem preliminares...vá - vai logo -

- Ahhh, não quer que eu faça isso - falei penetrando dois dedos na mesma e ela gemeu alto. 

Sayfer se deita com as pernas abertas pra mim.

Meus dedos saiam e entravam de dentro da mesma enquanto meu membro duro ja estava em seu pré gozo querendo saltar pra fora da cueca, tirei a mesma e meu membro saltou totalmente ereto ereto. As pernas de Sayfer já estavam bambas. 

Tirei uma camisinha da gaveta da mesa, por que fi é o que nois mais tem, coloquei e penetrei Sayfer Fundo, forte e rápido. 

Gemidos era só o que se escutava na sala. Toda vez que sentia que ela iria gozá diminuía a velocidade e ela resmungava.

Fui penetrando e penetrando até que não consegui segurar e gozei junto a ela. Sai de dentro da mesma e sentei na cadeira ao lado com a respiração ofegante e Sayfer ainda estava deitada na mesa.

Pov's Sayfer

Me sentei na mesa e olhei para Toni e tudo fica preto e branco, sinto cheiro do sangue e em uma coloração vermelha consigo ver seu coração bombeando cada gota de sangue para suas veias e artérias repetidas vezes. 

Abri e fechei os olhos, tudo volto ao normal mas o cheiro ainda estava sob o ar.

- Me leva de volta - falei pulando da mesa, pegando minha roupa e me vestindo

- O que houve? - pergunta surpreso 

- reunião de família as 20:40 - menti

Ele olha em seu relógio de pulso.

- Puts, 20:20 -

                      [...]

Pov's Manu

Estava na biblioteca fazendo pesquisa sobre:

Lobos que ficam em chamas 

Ser que pode, mudar cor de olho( variadas cores não apenas uma), mudar seu tom de voz e clima atual

Só consegui achar e comparar com uma coisa...

         Demônios...


Continuaaaa....


Notas Finais


O que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...