História One Baby For Camila - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camren, Norminah
Visualizações 634
Palavras 1.294
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oin. Nau demorei né

Capítulo 16 - Nem tudo o que começa bem... Termina em final feliz.


Sábado.

-Eu trouxe essa câmera, então poderei filmar e editar tudo depois. -Digo e sorrio para as crianças que se balançavam agitadas e ansiosas.

Oliver estava com um chapéu de camponês, sua roupinha social parda estava guardada dentro da calça azul amarronzada. Tivemos que nos esconder para poder usar sua roupa de igreja, assim disseram eles.

Jaya, diretora fofa e amorosa do orfanato, separava e guardava as melhores roupas para eventos especiais e os domingos de missa. Pobre senhora que confiou a mim olhar essas crianças e saiu para ir ao mercado e outros compromissos.

O sol era a melhor iluminação que poderíamos ter no momento então me agachei no chão junto com Olivia, Kyle e Joey e observei os pequenos se divertirem.

Ally estava com um vestido branco e leve, este que creio ter pertencido Wendy. As mangas iam até o cotovelo e a saia a cobria até as canelas, mas ela conseguia correr a vontade, Ally se movia com graça e parecia querer voar pela grama, seus pés tocavam a terra e ela sorria. A pequena coroa de flores que enfeitava sua cabeça completava todo o figurino de pequena fada. Decidi que seu nome seria Eir, em pronúncia o r se tornaria puxado e Lauren enrolava a língua para falar.

Eir, uma deusa da mitologia nórdica, cujo significado em nórdico antigo pode ser “Ajuda ou misericórdia”. Achei válido dada a situação que ela iria se apresentar.

Levanto o polegar e foco na cena, o sol ficando no centro duas e marcando os perfis.

A roupa da princesa era um vestido azul escuro que ia até as canelas, os pés cobertos por sapatilhas delicadas – roubamos de Olívia – sua capa era cor vinho escuro e forte, o capuz escondia parcialmente seu rosto e a deixava fofa e misteriosa ao mesmo tempo, a expressão que a pequena adquiriu ao entrar no papel deixou seu olhar claro e bondoso, um resquício de sorriso pairava na boca dela e me fazia suspirar de tempos em tempos. Lauren sorriu largo quando rodou para nós e o vestido voou rodado ao seu redor.

Eles estavam encantados com tudo e tudo era tão pouco e simples.

“-Queria muito partir contigo nessa aventura... -A pequena Eir diz cabisbaixa. -Mas não posso me afastar muito de minhas asas senão cairei, e então morrerei.”

Foco na expressão tristonha de Ally e me movo com cuidado. O farfalhar dos galhos faziam as folhas caírem sobre as duas e davam um detalhe a mais à cena.

“A princesa joga os braços para cima de forma dramática seguido de um biquinho fofo.

-Eir... Você se tornou aquela que me mostrou o que é a real e verdadeira amizade. -Seu tom foi manso e ela prendeu as pequenas mãos de fadas entre as suas. -Se a sua vida depende de suas asas... Iremos atrás delas então.

E lá seguiram pelo campo de grama verdinha e confortante, os dentes de leão alto faziam Zara gargalhar ao receber as sementes em seu rosto. O sorriso contagiando sua nova amiga, a fada nunca sentira o que companheirismo significava. Até ali.

-Ele... É cruel. -Eir faz um biquinho enquanto engatinhava na grama, se escondendo entre arbustos junto. -O anão é terrível.

-Oh, que mundo... Espere, anão?! -A princesa pergunta em tom indignado. -Se é apenas um anão porquê não lutou contra ele antes?

A fada bufa impaciente e arqueia uma sobrancelha.

-Eu também não sou nenhum sinônimo de altura.”

Ouvimos uma gargalhada e nos viramos para Joey, ele segurava a barriguinha e tentava conter o riso.

-Essa foi ótima, senhorita Cabello. -Sorrio com o elogio e espero ele respirar fundo para voltar a gravar.

Aceno e mando um beijinho para Lauren, ela sorri fofa e Ally me mostra a língua enquanto fazia uma carinha fofa de brava. Oh, ela era tão adorável.

-Voltemos. -Digo e todos voltam a se concentrar.

Olívia segurava um papelão que fazia uma sombra parcial à cena e Kyle me ajudava com os ângulos da câmera.

“As duas seguiram abaixadas para a casa grande, Zara pegava um punhado de nozes que caíam por causa dos esquilos desastrados.

A casa estava silenciosa e foi fácil entrar pela janela da cozinha, desceram a pia, se aventurando na encolha, as costas contra a parede e os corações batendo rápido pela adrenalina e medo.

-Sinto cheiro de fadinha... -Uma voz fina soou assustando ambas, nas contiveram o pulo. -Quem será a fadinha burra que entrou em meu castelo.

Elas se escondem atrás da grande cômoda de mogno escuro. O anão, com suas roupas de camponês, descia as escadas lentamente enquanto segurava no corrimão, Eir tremeu de medo e se escondeu atrás de Zara.

-Ele é terrível. -Ela sussurrou.

Os olhos verdes ousaram fitar além do móvel e ela quase riu ao ver o anão lutando contra as folhas da planta no pé da escada.

-Eir, você é uma medrosa. -Ela diz risonha e baixinho. -Até eu que nunca sai de meu reino não temo um anão desses.

-Pois saiba que eu sou muito maléfico. -Ouviram uma voz atrás de si.

Eir dá um gritinho fino e cai desmaiada no chão, seu jeitinho dramático divertia Zara.

-Que fada mais sensível. -O anão diz com desgosto. -Fiz bem em tomar suas asas pra mim.

Aquilo enfureceu Zara. A princesa se levantou com toda a graça que aprendeu com os anos, seu queixo se empinando com toda a firmeza da realeza.

-Alto lá! -Aquilo estremeceu o anão -Sou princesa Zara do reino de Mérope e não aceito que digas tais absurdos sobre minha amiga. Exijo que devolva suas asas. Imediatamente!

-Não. -Ele ri sapeca e sai correndo fazendo Zara ir atrás dele em passinhos apressados.

A menina, esperta como sempre, ouviu o sacolejo das asas agitadas por sua fada-dona estar por perto e seguiu o som sem perder tempo. Desviou de pequenas camas, acreditou que houvessem mais anões por ali, e libertou as asas do armário velho.

Elas brilharam como fogo e a princesa assistiu encantada.

Elas levantaram voou e viajaram até o pequeno corpo frágil. Eir Acordou sobressalta e sorriu ao ver suas asas especiais ali.

Era hora de derrotar um anão.

A fada se levanta e vai direto onde o anão se escondia, do lado da estante e do portal mágico.

-Seu anão bobão! -Ela mostra-lhe a língua. -Não gosto de vingança, então o libertarei, mas... Pagará na mesma moeda o que fez os outros sofrerem.

Zara sorri e arrasta a amiga com asas brilhantes para fora da casa horrenda do anão trapaceiro.

-É assim que começa as aventuras? -A princesa pergunta ansiosa. A paixão da vida correndo por suas veias.

-Sua aventura começou quando você decidiu viver, Zara.

E então seguiram pelo campo procurando a próxima aventura e partindo em busca da cura para a Rainha.”

Lauren e Ally bocejam e coçam os olhinhos, pego a morena no colo e a ninou um pouco.

O sol já começava a baixar, o que significava que logo Dinah estaria ali e Jaya também. Arrumaram tudo as presas e agora se encontravam exaustos e jogados nos sofá.

-Mila... -Oliver chamou com a voz baixa, Lauren dormia em meu ombro e Ally em meu colo, achei um progresso válido. -Eu... Não to bem.

Arregalo os olhos ao ver seu nariz começar a sangrar e Joey dar um grito fino assustando as meninas que começar a chorar alto, então Joey tampou os ouvidos por conta do barulho e Kyle se desesperou ao tentar ajudá-lo. E então; quando achei que tudo não poderia ficar pior, Dinah e Jaya entram pela porta e Oliver desmaia em meus braços enquanto Lauren me puxava pela blusa e Ally estava no colo de Olívia.

-Mas o que é esse inferno todo?!

É agora que eu deveria implorar por apenas um soco?


Notas Finais


Como está tão tarde que chega a ser cedo; irei revisar erros e formatação mais tarde.
Favoritem e comentem
Beijocas de paz e até mais 💜🍕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...