História One In A Million - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Guns N' Roses
Personagens Axl Rose, Duff Mckagan, Izzy Stradlin, Personagens Originais, Slash, Steven Adler
Visualizações 76
Palavras 2.615
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Estou aqui, antes tarde do que nunca, não é mesmo?
Esse capítulo é um dos meus favoritos <3
Boa leitura!!

Capítulo 11 - Courtesy


Fanfic / Fanfiction One In A Million - Capítulo 11 - Courtesy

POV Steven Adler

Estávamos eu, Duff e Slash sentados na sala conversando sobre garotas, com o passar do tempo, estava cansado em estar em casa, queria sair para dar alguma volta, para espairecer por um instante onde pudesse achar algo que pudesse canalizar aquela frustração que dominava em meu corpo.

Naquele momento em que estava jogado ao sofá, prestes a engolir um pouco de cerveja quando meus olhos ferinos vão em direção a uma garota desconhecida que descia as escadas fitando nós com curiosidade. Encaro compreendendo que essa era a Maggie do Izzy que por sinal era super gostosinha. Além disso, por mais que aquela camisa que ela vestia não fosse minha, não mudava a minha opinião sobre achar atraente garotas usando camisas masculinas.

― Você é a garota do Izzy? – indago, fazendo assustar-se com minha voz um pouco enrolada.

― Er... – diz paralisando as escadas, vendo que era o centro das atenções. ― Eu e ele estamos apenas nos conhecendo...

― Que judiaria, viu. – balbucio com malícia. ― Porquê eu te achei uma gracinha.

― Ele é uma pessoa maravilhosa. – retruca furiosa, voltando a subir as escadas.

― Mais maravilhoso que ele? – provoco sabendo de que de alguma forma indireta eu estava dando em cima dela. ― Só se for as suas pernas, meu bem.

Gargalho, vendo o quão a moça havia ficado constrangida comigo. Eu estava bêbado, mas sabia que isso poderia causar um problema e dos grandes ainda. Por mais que a bebida havia sido traiçoeira comigo, sabia que eu deveria pedir desculpas a ela por ter dito demais.

 

***

 

Acordava em meu quarto, onde me causara um grande susto, pois observando a janela eu via que tinha escurecido. Não sabia o como eu havia chegado ali, mas a única resposta que vinha em mente era de que Stradlin havia me trazido para cá, porque Rose havia perdido a paciência comigo e pelo meu uso exagerado com as drogas.

O único detalhe também que estava me incomodando, era de ter sido imbecil com Maggie, por ter de alguma forma cantado-a, tendo a consciência de que ela estava sendo acolhida por um outro alguém daquela casa. Levantava-me da cama, seguindo em direção ao banheiro para que pudesse lavar o rosto, fazer minha higiene e melhorar a minha cara de ressaca.

Após isso, seguia a sala vendo que Izzy e Maggie estavam em um sofá, Axl e Bianca com Natalie em seu colo, estavam sentados no outro. Vendo que eu seria o único a ser a vela do momento, ajeitava as roupas que usava tentando escapar dos quarto que pareciam estar distraídos demais sem me notarem por ali.

― Adler, – só pareciam, escuto Axl me chamando. ― venha cá.

― O que houve? – solto a pergunta como se eu não quisesse nada, era óbvio que eles sabiam do ocorrido.

― Steven, essa é a Maggie a garota que está dormindo no quarto de Izzy, – o ruivo começa a apresentar um ao o outro. ― Maggie, esse é o Steven, – fez uma cara debochada. ― o baterista que te elogiou quando estava bêbado hoje.

― Desculpa, – digo para a morena que assente com uma feição tranquila. ― aquilo nunca foi a minha intenção.

― São águas passadas. – ela responde, dando ombros.

― Relaxa Stee, – desta vez a loira interferia a conversa. ― eu conversei com os dois que me prometeram que não irão te bater e muito menos te expulsar da banda.

― Bianca, você é um anjo que caiu do céu mesmo. – digo mais aliviado quando estou seguindo meu rumo a porta.

Vendo que estava tudo tranquilo, voltava ao meu plano inicial de sair de casa para não ficar sobrando naquele momento.

― O que você vai fazer, cara? – pergunta Stradlin, fazendo com que me virasse a ele.

― Ih, preocupado com o que irei fazer? – solto risonho. ― Eu vou caminhar por ai, encher a cara se possível. – abro a porta. ― Até porquê eu não estou querendo segurar vela nisso aqui... Até amanhã!

Por fim, caminhava até que chegasse a rua pensando no que eu poderia fazer a partir dali. Afinal, eu não estava a fim de segurar vela para nenhum casal. Andando com meus pensamentos sobre ser expulso da banda, mexia nos bolsos da calça até que encontrava uma nota de cinco dólares.

Seguia, onde minutos depois encontrava uma lanchonete aberta onde eu pudesse comprar algo que inibisse a fome que sentia.

Entrando naquele ambiente, direcionava-me ao balcão para poder esperar pela atendente que era uma senhora que parecia estar feliz servindo aos clientes, rolava meus olhos naquele ambiente tão diferente ao que estou habituado em frequentar quando enxergo a garota que eu havia transado no dia em eu e Axl havíamos assaltado o apartamento dela fazendo meu sangue congelar.

Após solicitar e rapidamente meu lanche vir, comia com pressa tentando escapar daquele lugar.

 

***

 

Minutos após se passaram quando a conta substituía o prato em que havia vindo meu sanduíche quando vejo que faltavam dez dólares para cobrir, e como as nossas condições financeiras eram precárias demais ao ponto de notar que aquela quantia fazia enorme falta.

― Quanto falta? – a pergunta próxima de mim, fez com que eu quase perdesse o sentido de tudo, causando-me um grande susto.

― Não, não, – respondo rindo de nervoso, era justamente ela que estava ao meu lado. ― eu dou um jeito.

― Para de frescura, rapaz. – diz pegando a conta. ― Que situação crítica, hein... – solta ao balcão, pegando algumas notas pondo-as em juntamente com a conta, olhando-me de cima para baixo. ― Mas você é um gatinho muito do gostoso. – fico sem reação alguma.

― Deveria mandar me prender. – retruco relembrando-a daquela situação de dias atrás.

― Um homem como você? Seria um desperdício. – afirma com um olhar malicioso. ― Vem, vamos dar uma volta por aí.

Eu não escondia do como aquilo estava sendo totalmente estranho com a sua cortesia, ela estava dando em cima de mim na maior cara de pau, enquanto eu me sentia uma garota com tudo o que estava acontecendo entre nós. Mas recordar dos momentos de diversão naquele banheiro, me fez concordar com tudo, acompanhando-a para fora daquela lanchonete.

― E então? O que faz por aqui? – pergunta assim que estávamos longe do estabelecimento.

― Caminhando por aí com apenas cinco dólares. – respondo debochado com a situação em qual me encontrava.

― Ah claro, – suspira caminhando a minha frente. ― está querendo grana? – pergunta virando-se para mim, do nada, causando outro espanto em mim.

― Sugere algo? – eu aos poucos entendia o que ela estava aprontando, então eu entrava em seu jogo.

― Está a fim de ir ao meu apartamento? – questiona com malícia que parecia escorrer de cada canto dos seus lábios. ― Acho que pode conseguir muito mais do que quinhentos dólares.

― Garota, você tem quantos anos? – pergunto ainda constrangido com sua oferta que era demasiadamente tentadora. ― De onde vem?

― Sou uma patricinha nova-iorquina de dezesseis anos, – olhava-me de modo tão pejorativo, fazendo com que ficasse admirado por ela ser tão nova, mas agir de forma madura com tudo. ― vou confessar que te ver foi uma benção, pois pedia muito para te encontrar de novo, – sorriu maldosa, fazendo com que eu abrisse a boca em choque. ― e aqui está você, na minha frente, completamente fodido e sem grana. – gargalhou. ― Você me fez sentir atraída por homens do seu estilo, – mordia os lábios. ― e eu estou querendo ser boazinha contigo, sendo gentil, onde eu pago e você me fode... Mas se não quiser, era só ter dito.

― Oh, mas em nenhum momento eu não disse que não queria, – puxo-a para mais perto de mim, fazendo com que suspirasse. ― eu só gostaria de saber mais um pouco sobre você. – desta vez olho-a da cabeça aos pés. ― Você é tão novinha, caralho. – dizer aquilo fazia com que ela risse. ― Que tipo de pais são os seus que te deixam sozinha numa cidade como essa?

― Eles confiam em mim. – pisca com um riso sarcástico no rosto. ― Mas e aí? – fitou-me diretamente nos olhos, dando por encerrado aquele assunto. ― Irá vir comigo, ou prefere ficar perambulando pela rua?

― Garota, você ainda irá me por na cadeia. – aviso, vendo que para ela tudo não passava de uma simples diversão. ― Eu tenho vinte e um...

― Ninguém precisa saber disso, querido. – diz puxando-me para mais perto pela camisa.

― Pensando bem, – sorrio com audácia. ― acho valerá a pena correr esse risco.

― Isso quer dizer que é um sim? – questiona faceira, enquanto assinto com a cabeça.

― Só se for agora, menina. – dou meu veredito final, fazendo a moça sorrir mais ainda, dando-se por vencida.

E oficialmente eu estava me sentido como um garoto de programa.

 

POV Axl Rose

 

{...}

 

HORAS MAIS CEDO

Enquanto eu, Bianca e Natalie estávamos sentados no parque, olhava para aos arredores do parque quando senti meu coração se contorcer ao perceber que Erin estava ali, então eu tive medo que tivesse algo por ela onde machucaria a loira, para fazer com que ela não me notasse, olho para Warren que está se comunicando com a pequena.

― Axl? – surge a voz com o timbre tão doce como o mel, fazendo-me praguejar por ainda ficar inebriado em escutá-la.

― Erin? Há quanto tempo! – digo forçando um riso incomodado por vê-la.

Noto que ela encara Bianca de modo indiferente, obrigando-me a acordar e apresentar a loira para ela.

― Essa é a minha mulher, Bianca. – apresento, vendo que a mulher a minha frente assentia incomodada. ― E essa é nossa filha, Natalie. – digo, tentando fazer com que ela saísse dali e parasse de torturar a minha mente.

Eu não a desejava mais como antes, disso eu tinha a plena certeza.

― Muito bonita a sua família. – elogia em um tom mais baixo.

― A vida deve continuar e eu estou fazendo isso. – respondo de forma gentil, abraçando a loira que assistia tudo calada. ― E como vai você?

― Indo, – responde impaciente. ― trabalhando, mas a verdade é que estou aqui porquê estou de férias. – explica. ― Mudei-me para Washington há alguns meses, – vejo que ela arruma a alça da bolsa. ― bem, eu estou indo, pois tenho que visitar alguns parentes, – afasta-se aos poucos. ― até algum dia Axl.

Erin estava longe, quando Bianca olha para mim.

― Quem era? – questiona curiosa.

― Minha ex-mulher. – respondo, fazendo-a arregalar os olhos.

― Parece que ela não ficou muito feliz em me ver com você. – faz um beiço inconformada.

― Ela tem que compreender de que o que nós vivemos é passado. – comento, tentando fazê-la compreender de que Bianca era a minha importância naquele momento. ― Agora as minhas únicas responsabilidades são apenas vocês duas. – digo, fazendo-a dar um riso de ponta a ponta. ― E então? Vamos para casa?

Quando chegávamos em casa, a primeira coisa que havia visto era Stradlin carregando Adler para o seu quarto. Izzy sabia que eu havia perdido minha boa vontade com Steven, diante disso Bianca subia para o quarto, vendo que eu teria carregar Slash, o fiz. Logo, eu e o moreno carregávamos Duff também para o seu quarto.

 

***

 

Depois, que estava sentado ao sofá para descansar por ter carregado aqueles filhos da puta. Quando percebo que a loira descia para ficar ali comigo. Alguns minutos depois, Izzy e Maggie desciam as escadas conversando e rindo entre eles.

― Espero que você cuide bem desse cara, aí. – digo fazendo com Maggie me olhasse, e Bianca risse.

― Pode deixar que eu cuidarei sim. – a morena sorriu para Izzy.

Após um certo tempo, Bianca e eu notamos que o casal estava se beijando de uma maneira “fogosa”, olhava para a loira surpreso com a relação deles que estava cada vez mais intensa, contudo, pigarreio, fazendo com que os dois se lembrassem da nossa presença a sala.

― O quarto existe para esse tipo de coisa. – afirmo, vendo que Bianca achava graça.

― Estou tão feliz te ter você aqui comigo. – a loira diz para a morena que sorriu por ouvir aquilo.

― Mas eu não estou nada feliz pela cantadinha do Steven. – diz o moreno que demonstrava descontentamento por falar sobre aquilo.

― Como assim, cara? – indago sem entender.

― Não foi nada, – Maggie tenta apaziguá-lo. ― ele que está fazendo tempestade em copo da água, – olha para o moreno. ― é passado.

― Esse está pedindo para ser expulso. – retruco furioso com Adler.

― Ele está pedindo para apanhar. – responde Stradlin quase rangendo os dentes.

― Calma, – aparta Bianca. ― ninguém fará nada de cabeça quente.

― Como não? – indago exaltado, achando o fim do mundo.

― Querido, se controle, por favor... – ela me encara. ― Vamos acalmar os ânimos, – faz uma feição séria. ― Prometa a mim que vocês dois não farão nada?

Eu e Izzy se vimos de mãos atadas, então assentíamos contrariados.

 

***

 

Logo após, eu e ele começávamos a ensaiar nossas partes, enquanto as duas garotas nos olhavam atentamente, sentadas sobre os nossos amplificadores antigos.

 

{...}

 

Nós havíamos perdido a noção do tempo, onde fora o suficiente para que não víssemos Duff e Slash acordarem. Era noite quando saíamos do estudo improvisado.

Andávamos a sala onde em cima da mesa, encontrava um pequeno bilhete onde ambos haviam dado uma volta. Bianca e Maggie avisaram a nós de que iriam a cozinha para preparar o jantar.

Contudo, algo que estava me deixando alegre era Stradlin. Ele estava rapidamente aos poucos se envolvendo com Maggie, não o via desta forma há tanto tempo. A última vez em que ele havia amado com intensidade, após a separação, ele quase morreu por conta da overdose de heroína que havia tido. Izzy havia ficado abatido demais, porém a música o salvou. Então, eu percebia que com Maggie ele poderia suprir a dor.

Eu o conhecia como ninguém, desde os tempos em que morávamos em Indiana.

 

***

 

Após a janta, estávamos os quatro a sala, onde cada casal estava sentado em cada sofá. Contudo, em um certo momento Steven dava o ar da sua graça, onde eu e Izzy iríamos por tudo em pratos limpos.

Steven mostrou-se arrependido, e então concluía de que Bianca havia feito compreender de que não valeria a pena agir de cabeça quente. Então, o loiro avisava que daria uma volta, por mais que ele pensasse que não me importaria com ele, era mentira, eu me importava sim, mas não demonstrava. Afinal, Steven era um dos meus amigos.

Quando por fim eu e Bianca estávamos sozinhos na sala, animado com isso, puxo-a para mais perto dando beijos que eram retribuídos com muito afeto. Então, foi nesse instante que eu percebia que esse era o momento perfeito em que finalmente eu poderia me abrir com ela.

― Sabe que eu gosto muito de você, não é? – indago interessado, fazendo-a sorrir brandamente feliz.

― Assim como eu. – sussurra com o seu rosto corado.

― Então, – sorrio confiante, alisando seu rosto, quando iria abrir minha boca, o telefone tocou fazendo com que meu sangue fervesse. ― desculpa, mas o telefone está tocando.

Não escondia minha mágoa, a minha irritação por ter sido atrapalhado outra vez.

― Não fique assim, – sorriu compreensiva. ― atenda, vá que é uma noticia boa.

Sinceramente, eu estava farto disso, queria pedi-la em namoro, ou até mesmo em casamento sem que ninguém em nossa volta me atrapalhasse. A impressão que tinha, era de que ninguém queria me ver feliz com outra pessoa.

Disso, lembrava-me de Erin que havia nos encarado de modo tão frio e esquisito.

Vendo que não seria hoje, parava de pensar nela, indo enfim atender aquela ligação.


Notas Finais


O que acharam do Steven aceitando ser garoto de programa?
Prometo que no próximo estará revelada aquela surpresa do capítulo passado ;)

Perdoem qualquer erro que estiver presente.
Espero que gostem *-*
Apareçam e até o seguinte.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...