História One Mississipi - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Magcon, Shawn Mendes
Personagens Shawn Mendes
Tags Magcon, Old Magcon, Romance, Shawn Mendes
Visualizações 223
Palavras 4.274
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Um capítulo grande pra compensar as duas semanas de atraso!

Capítulo 17 - Lucky Strike


-Por que você não me chamou para conhecer o gato que foi na sua casa ontem? - Josy reclamou de dentro do carro, assim que me viu abrindo a porta de casa.

-Como você sabe? - tranquei a porta e fui até o carro.

-Chloe viu pela janela. Eu não deveria te dar carona hoje, você quebrou uma regra importante do manual das primas/irmãs.

-É o que, Josy? - perguntei rindo

-A regra número 3: “sempre falar e apresentar o boy gato para a prima/irmã primeiro”- Josy citou cheia de pompa.

-Essa regra não existe e muito menos esse manual! - soltei uma gargalhada recebendo um olhar zangado dela.

-Eu sei, acabei de inventar, mas você entendeu o que eu quis dizer. Vai me dizer quem era ou vou ter que te torturar? - Josy me ameaçou. Contei tudo que aconteceu no domingo para minha prima.

Josy ficou muito entusiasmada para encontrar com Donald, digamos que ela sempre teve uma queda por ele.

-Olha, você não me inventa nada só para poder ir para a delegacia, entendeu? Ou então vou falar para ele te deixar apodrecendo lá. - ameacei fazendo-a rir.

Chegamos na escola e fui direto para a aula de química, hoje será a entrega das notas do projeto e estou um pouco preocupada.

-Bom dia. - Shawn olhou para mim assim que sentei ao seu lado. - Ué? Não vai fazer um escândalo porque eu estou no lugar da Josy?

-Eu não. Mas ela vai! - apontei para minha prima, parada na porta, com os olhos faiscando. - Está com pressa, passa por cima. - ouvi Josy reclamar quando alguém, tentando entrar na sala, deu um empurrão nela. Fui obrigada a rir.

-Bom dia, Josy. - Shawn a cumprimentou com um sorriso largo.

-Bom dia, Mendes! - Josy respondeu e antes de pegar um lugar na mesa de trás, ela fez um gesto para ele: “estou de olho em você”.

-Ela me assusta as vezes. - Shawn comentou baixinho

-Eu ouvi, queridinho. É bom saber disso. - Josephine respondeu

O professor entrou na sala e começou a dar aula e explicou que só daria as notas no final. Ótimo, agora vou ter crise de ansiedade.

-Relaxa, tiramos uma boa nota! - Shawn segurou minhas mãos, me fazendo parar de tamborilar na mesa.

-Você tem bola de cristal agora?

-Não, mas sei que fizemos um bom trabalho. Vai dar tudo certo. - Shawn olhou para mim, me oferecendo um sorriso reconfortante.

Sussurrei um “obrigada” e voltei minha atenção para a aula.

Na hora do intervalo…

-Tiramos dez!!!!!! Porra! - Sai da sala pulando de alegria. Minha nota estava salva.

-Eu disse para você! - Shawn levantou a mão e trocamos um “hi five”. Estávamos do lado de fora esperando a Josy resolver o problema com a nota dela.

-Tudo resolvido? - Perguntei quando minha prima saiu da sala.

-Tudo! Era erro de contagem dos pontos. - Josy deu ombros e fomos para o refeitório. Assim que entramos, Brian acenou para a gente, nós chamando para sentar com ele.

-Ontem você teve muitos problemas quando chegou em casa? - Perguntei para o Shawn.

-Digamos que estou de castigo. - Ele coçou a cabeça.

-Sério? – Duvidei, fazendo-o afirmar com a cabeça.

-Eu tenho que “manter distância” de você por um tempo. - Shawn fez as aspas com as mãos me fazendo rir.

-Então você não vai na festa depois do jogo de quarta? - Brian perguntou

-Que festa é essa que eu não sei? - Josy levantou a cabeça da mesa. Sim, ela estava tentando dormir.

-O pessoal do time de basquete vai fazer uma festa depois do jogo, para comemorar que chegamos às quartas de final da competição.

-Opa! Vamos Ellie? - Josy me perguntou

-Eu não gosto muito dos atletas, mas eu topo. Preciso comemorar essa nota. Você não consegue sair mesmo?

-Quase impossível! Vão vocês e qualquer problema me avisem. - Shawn segurou minha mão por baixo da mesa.

Passamos o restante do intervalo fazendo planos. Só digo que: será a festa do ano!!!

Shawn

-Quer uma carona? Vamos deixar o Brian em casa. – Josy me perguntou.

-Não precisa, vou ficar por aqui mais um pouco, quero ensaiar algumas músicas. Obrigado.

-Você é quem sabe. Até mais. – Josy e Brian acenaram para mim e foram em direção ao estacionamento.

-Quer ajuda? – Ellie apoiou a mão em meu ombro.

-Não, obrigado!

-Tudo bem. Qualquer coisa é só me ligar. – Ellie ficou na ponta dos pés e me deu um beijo na bochecha. – Já estou indo, caralho! – ela gritou fazendo a prima parar de buzinar e chamar atenção de todo o estacionamento. Antes de entrar no carro, ela acenou para mim.

 

Arrumei minha mochila nos ombros e voltei para dentro da escola, indo para a sala de música. Precisava terminar uma música e ensaiar o novo cover para o canal.

Será uma longa tarde!

Shawn.

-Mãe, estou saindo! – gritei assim que cheguei na porta, peguei as chaves da moto no móvel ao lado e sai.

Terminei de editar o vídeo que gravei do Shawn e, modéstia à parte, ficou muito bom! Se esse não for um dos melhores do canal dele, eu passo a usar o meu nome do meio! Subi na moto e fui em direção a escola, mandei uma mensagem antes e Shawn me avisou que ainda estava por lá.

Parei perto da entrada lateral e do lado de fora eu conseguia ouvir os acordes que ele tirava no violão. Do nada os sons pararam, fazendo a escola parecer um local assombrado, completamente vazio e sem vida. Credo. Caminhei até a sala de música, meus passos ecoando pelos corredores, quando abri a porta, Shawn estava no telefone e não demorei muito para perceber com quem ele falava. Revirei os olhos, mas me mantive quieta, já tinha deixado a minha opinião sobre isso bem clara e queria evitar outra briga como aquela. Pouco depois ele desligou e virou para o centro da sala.

-Hey, você veio! – Shawn caminhou até mim, me abraçando em seguida.

-Parece que temos alguém com problemas para compor, não é mesmo? – Abaixei e peguei umas bolinhas de papel amassado que estavam espalhadas pelo chão.

- Eu não consigo sair da primeira estrofe, estou ficando louco. Tenho a melodia, mas a letra não sai.

-Sobre o que é?

-Bom ...- ele coçou a cabeça – É sobre a minha relação com... Deixa para lá. O que você queria me mostrar? – Shawn tirou o violão da cadeira e sentou. Peguei um banquinho que estava ali do lado e fiz o mesmo. Abri minha mochila e tirei o laptop de dentro.

-Terminei o vídeo de ontem. Ficou incrível. – abri o arquivo e passei o computador para ele, apertando o play em seguida.

-Ellie, isso ficou incrível!!!! – Shawn comentou assim que o vídeo terminou. Seus olhinhos brilhavam de felicidade. – Muito obrigado.

-De nada. Quer postar agora?

-Quero. – ele abriu o navegador e fez login em sua conta. Enquanto o vídeo carregava, Shawn tentou voltar a compor mas amassou mais cinco folhas do caderno.

-Desse jeito você vai ter que comprar um caderno novo até o final do ano. – brinquei.

-Eu desisto! – ele jogou os braços para o alto, me fazendo rir.

-O vídeo já foi postado, agora é só esperar os comentários. – virei a tela para ele que levantou os polegares fazendo um joínha. Sai de sua conta e guardei o laptop. Shawn estava arrumando suas coisas espalhadas pela sala.

-O que você vai fazer agora? – ele me perguntou.

-Levar você para dar uma volta. – respondi enquanto catava as bolinhas de papel de chão.

-O que?

-Anda logo, rapaz. Vamos trazer a sua inspiração de volta. – joguei todas fora e peguei minha mochila. Sai da sala com o Shawn atrás de mim, ainda apensando que era tudo uma brincadeira. – Você já andou de moto? – levantei o banco e peguei o capacete extra. 

-Nunca e minha mãe me mataria!

-Por você andar de moto ou por você andar de moto junto comigo? – brinquei

-Acho que a segunda opção. – começamos a rir. – Ela ainda gosta de você, só não está acostumada com esse seu jeito ...

-Louco e irresponsável de ser? – completei sua frase.

-Eu ia dizer “livre de ser”, mas isso também serve. – Shawn começou a colocar o capacete. Subi na moto e o esperei. – Você já andou com alguém na garupa, né?

-A Josy conta?

-Eu esperava que fosse alguém mais normal, mas sua prima também serve. – fui obrigada a rir de seu comentário.

-Pode segurar em mim se quiser. – comentei enquanto ligava a moto. Shawn arrumou a mochila nas costas e apoiou as mãos na minha cintura. Saímos da escola em poucos minutos.

-Para onde você está me levando? – Shawn perguntou, aproximando seu rosto do meu ouvido.

-Você já vai ver. – peguei o caminho da arena, local onde os grafiteiros costumam se encontrar e onde será o concurso no qual o Matt está participando. Estacionei próximo à entrada. Shawn foi o primeiro a descer. – Você está legal? – perguntei vendo-o se enrolar com o capacete.

-Você podia dirigir um pouco mais devagar, não acha? – Shawn tirou o capacete e me encarou.

-Você ainda não me viu correr. – comentei rindo. Começamos a passear pela arena, observando os desenhos nas paredes. – Esse aqui é da Josy. – apontei para o elefante indiano que ela terminou a algumas semanas.

-Não vamos ser presos de novo por estarmos aqui não, né?

-Não, relaxa! Aqui é permitido. – continuei caminhando pelos corredores, enquanto ele observava o desenho da minha prima.

-Ellie, vem aqui! – Shawn me chamou, voltei até onde ele estava. –É você? – ele apontou para a parede com o desenho do Matt: um par de olhos femininos, azuis refletindo a nossa cidade.

-Não sei! Matt nunca me contou qual foi a inspiração.

-Matt? Aquele que eu conheci na sua casa?

-Ele mesmo. Lembram os meus olhos sim, mas não posso afirmar. Ele ainda não terminou. – Observei o desenho, o nariz e a boca ainda não estavam finalizados, eu não podia afirmar que o rosto era realmente o meu.

-Parece você sim. – Shawn comentou e sai de perto da parede. – Onde você queria me levar?

-No meu lugar favorito da cidade. Vem comigo. – Comecei a caminhar para o sul da arena, chegando em um pequeno caminho que levava ao mirante da cidade.

-Uau! – Shawn comentou assim que chegamos ao ponto mais alto. Tinha um banquinho de madeira ali, me sentei e ele me seguiu. – Eu já tinha ouvido falar, mas nunca tinha vindo até aqui.

-Eu sempre venho aqui quando quero pensar, ficar sozinha por um tempo, as vezes até para compor. Gosto de ver a cidade aqui de cima e criar histórias sobre as pessoas que estão lá embaixo. Às vezes saem umas músicas boas – brinquei. – São poucas as pessoas que eu trago aqui.

-É lindo! – Shawn comentou. Ficamos em silêncio um tempo, apenas olhando o sol se pôr. –Obrigado! – ele segurou minha mão me fazendo olhar para ele. – Fico feliz por você querer compartilhar esse lugar comigo. De verdade.

-De nada! Isso foi para você mudar de ideia sobre mim, eu não sou só uma garota nervosinha...

-Muito nervosinha – ele me interrompeu.

-Ok, muito nervosinha! Eu também tenho meus momentos fofos.

-Que são bem raros, convenhamos! – Shawn comentou, dei um soquinho de leve em seu ombro. – Viu só? Muito nervosinha! – começamos a rir. Ficamos no mirante por mais uma hora.

-Vou te deixar em casa. – comentei enquanto colocávamos os capacetes.

-Vamos comer alguma coisa antes. Por minha conta e sem desculpas para não aceitar.

Subimos na moto e saímos da arena, em direção ao centro da cidade. Paramos em uma lanchonete, aquela em que eu fiquei esperando por ele, sentamos uma mesa ao fundo e terminamos nosso dia assim: com hambúrguer, batatas fritas e gargalhadas.

Quarta-feira de manhã...

“Te vejo no intervalo! Mesma mesa”

Pouco antes do sinal tocar, recebo um SMS do Shawn e tem sido assim desde o nosso passeio na segunda, como a nossa única aula juntos é de química na segunda, nos encontramos nos intervalos. O sinal tocou e eu e Josy saímos em direção ao refeitório, quando chegamos, Shawn e Brian já estavam sentados na nossa mesa de sempre.

-E aí, flores do dia! – Brian nos cumprimentou.

-Que coisa brega, Brian! Gostei, pode continuar. – Josy brincou. -Animados para a festa de hoje?

-SIM! – Brian levantou os braços comemorando. – Vocês vão para o jogo ou só para a festa?

-Os dois! – Josy e eu respondemos em coro.

-Ih, cacete! Tenho que pegar um livro para a aula de inglês de agora! Vejo vocês mais tarde – Brian levantou correndo

-Caralho! Eu também, me espera! – Josy saiu correndo atrás dele. –Ellie você tem o seu?

-Tenho, pode ficar tranquila! – respondi vendo minha prima correr atrás do Brian. Agora estávamos só eu e o Shawn na mesa -Teve problemas na segunda?

-Não, eu já tinha avisado que ia demorar.

– Você não vai mesmo né?

-Ainda de castigo! Não tenho como sair.

-Nem se eu tiver um plano?

-Você o que?

-Só confia em mim!

-É isso que me assusta.

-Aproveitando que a Josy saiu, queria falar uma coisa com você.

-O que?

-O aniversário dela está chegando e eu queria fazer uma festa surpresa.

-Eu não sou a pessoa mais indicada para organizar as coisas.

-Para isso está tranquilo, o Matt está me ajudando. – respondi. Tive a sensação de que ele não gostou muito de ouvir o nome do meu amigo. Deve ter sido só impressão. – Eu queria cantar uma música para ela e queria que você tocasse ou até cantasse comigo no dia. – vi seus olhos brilharem com a ideia.

-E quando seria?

-Semana que vem, dia 27! A gente podia ensaiar aqui na escola mesmo, para ela não suspeitar de nada.

-Por mim fechou! – Shawn levantou a mão e trocamos um aperto rápido. Passamos o restante do intervalo combinando alguns detalhes.

Shawn

Eu estava em casa, trancado e entediado! Todos os meus amigos tinham ido ao jogo, as fotos nas redes sociais comprovam isso, e eu estava no meu quarto, amassando folhas de papel com músicas ruins. Meus pais estavam na sala com a minha irmã, assistido a algum documentário chato.

-Filho, está tudo bem? – minha mãe bateu na porta pouco tempo depois.

-Claro mãe! – respondi.

-Estamos indo dormir. Até amanhã. – acenei com a cabeça enquanto minha mãe fechava a porta. Pouco depois escuto meu celular tocar em algum canto do quarto. Levantei da cama e comecei a procura-lo.

-Alô? – atendi no último toque.

-E aí, prisioneiro? – uma voz feminina me cumprimentou do outro lado da linha, abafada pelas vozes ao fundo.

-PORRA, ERA PARA VOCÊ FALAR “SHAWN VOCÊ FOI ATIVADO”, IGUAL NAQUELE FILME DE ONTEM! – outra menina gritou, provavelmente tentando superar o barulho ao fundo, mas estava próxima demais do telefone. Olhei a tela do telefone e vi o nome da Ellie piscando na tela.

-Cala a boca, Josy! – ela gritou de volta e posso afirmar que a prima não respondeu com palavras educadas. – Shawn? Ainda está aí?

-Estou! O que aconteceu?

-Preparado para sair de casa? – eu posso jurar que ela estava com aquele sorriso torto no rosto.

-Olha, Ellie, acho que não vai ser uma boa ideia!

-O Brian disse que você falaria isso! TE DEVO UMA CERVEJA! – ela gritou me fazendo rir. – Nós temos um plano! Brian e Josy me ajudaram.

-Ok! Qual é o plano?

Eu iria me arrepender seriamente! Quais as chances de um plano, bolado com a ajuda do Brian e Josephine, dar certo? Segui cada orientação que eles me passaram: 1º fingir que estou dormindo, apagar todas as luzes e ficar em silêncio; 2º montar um “eu” de travesseiros na cama (isso só podia ter sido coisa do Brian); 3º espera o sinal da Ellie.

Fiz tudo que me pediram e sentei na aos pés da cama esperando o tal do sinal! Quinze minutos depois escuto um barulho na minha janela.

-Shawn? – levantei da cama e abri a cortina, encontrando a Ellie no meu quintal, a mão cheia de pedrinhas que ela estava se preparando para jogar. Ela acenou para mim, seu cabelo ruivo balançando com vento, sua jaqueta de couro contrastando com o vestido azul. Peguei meu celular e estava me preparando para sair quando escuto um barulho no corredor, fiz um sinal para Ellie se esconder e fiz o mesmo. Pouco depois o barulho parou e eu voltei, não a encontrando lá embaixo. Comecei a sair pela janela, me apoiando na árvore lateral. Faltava poucos metros para chegar ao chão e fui obrigado a pular.

-Merda! – me levantei, limpando a grama da minha roupa.

-Bu! – senti braços me rodearem, me fazendo ganhar um susto. –Sobreviveu a queda?

- A queda sim, mas talvez não resista a íra dos meus pais se eles descobrirem.

-Vem, vamos logo. – Ellie começou a me puxar pela mão.

-Cadê a sua moto?

-Josy está esperando a gente na outra rua, não queríamos chamar atenção dos seus pais. – Ellie me respondeu enquanto viramos a esquina. Alguns metros à frente, estava o carro de Josy, Brian estava do lado de fora.

-Eu estava quase indo lá ajudar. – meu amigo comentou enquanto trocávamos um abraço. – Ainda bem que você veio, mano! – entramos rapidamente no carro.

-Confesso que duvidei! – Josy comentou me olhando pelo retrovisor.

-Como foi o jogo? – perguntei causando um tumulto de vozes dentro do carro. Cada um falando de um lance do jogo.

Uma parte de mim estava preocupada com as consequências, mas a outra só queria se divertir com essa galera louca. Afinal, quais as chances de algo dar errado?

Shawn

-Pra você! - Shawn me entregou um copo e pelo cheiro era cerveja.

-Não posso, mas obrigada! - devolvi o copo pra ele sorrindo

-Você não bebe?

-Bebo, mas vou ter que levar o carro. - apontei para minha prima, do outro lado da sala, bebendo shots de tequila um atrás do outro. - Se você não quiser sofrer um acidente...

-Vou buscar um refrigerante! - Shawn me interrompeu e voltou para a cozinha rindo.

Passei a maior parte da noite conversando com ele e com alguns meninos do time da escola (eles perderam, mas estavam tão felizes porque chegaram até aquela etapa que parecia que tinham ganhado o campeonato). Shawn era um cara legal, isso quando não estava implicando comigo.

-Você não cansa de tentar me irritar, não? - perguntei enquanto o via se contorcer de tanto rir da minha cara.

-Eu não! A sua cara quando te chamam de Abigail é a melhor do mundo – Shawn continuou com a sua crise de riso.

-EI VOCÊS! – minha prima apareceu do nada, nos assustando. – Venham dançar. – Josy começou a nos puxar pelas mãos até o quintal, onde uma pista de dança foi improvisada.

-Eu não sei dançar, Josy. – Shawn tentou se soltar e fugir desse mico.

-Não importa! O pessoal já está bêbado o suficiente para não lembrar.

Chegamos à pista, estava tocando uma música eletrônica e as pessoas pareciam se acotovelar no ritmo da música. Josy começou a dançar, ainda nos segurando pela mão e nos fazendo seguir seus passos. Me soltei dela e comecei a imitá-la, parecíamos duas pessoas levando um choque, mas não ligávamos para nada. Olhei para Shawn que dançava timidamente, segurei suas mãos e comecei a balançar e fazer passinhos bestas, fazendo-o rir, aos poucos ele foi se soltando e começamos a rir um da cara do outro. Depois de algumas músicas agitadas, o DJ trocou por uma mais lenta e romântica, fazendo os casaizinhos grudarem os corpos e dançarem no ritmo da música. Olhei ao redor procurando a Josy, mas minha prima tinha sumido, me deixando parada, de frente para o Shawn.

-Dança comigo? – Shawn estendeu a mão, sorrindo para mim. Aceitei seu pedido, pegando sua mão. Ele me trouxe para mais perto, passando seus braços pela minha cintura enquanto os meus rodeavam seu pescoço. Aos poucos entramos no ritmo da música. – Obrigado por me tirar de casa. Estou me divertindo muito.

-Eu não podia deixar você perder isso.

-É uma loucura, mas...

-Só se vive uma vez, Shawn! – comentei, interrompendo-o.

-Acho que pagamos um mico enorme dançando. – Shawn comentou, suas bochechas corando

-Nós não temos que ser normais. Não ligue para os outros. – respondi

-Você me ensinou muita coisa nesse pouco tempo de convivência.

-Realmente! Ensinei tudo o que “não se deve fazer”- comentei, fazendo jogar a cabeça para atrás, rindo.

-Isso também!

Senti um empurrão nas minhas costas, fazendo ir de encontro ao peito de Shawn.

-Merda! – reclamei, levantando o rosto e encontrando seus olhos me observando. – Me desculpe.

-Não tem problema.

Quando notei, seu rosto estava a poucos centímetros do meu. Sua mão subiu para o meu pescoço, fazendo carinho nos cabelos da minha nuca. Fechamos os olhos, nossas bocas quase se encontrando e...

-EI VOCÊS DOIS! – gritaram no nosso ouvido, nos fazendo pular de susto. – Venham jogar. – olhei para ver quem era o infeliz que estava nos puxando para dentro de casa, era o Brian! Olhei para o Shawn, que estava todo sem graça, e ele deu de ombros.

Entramos na sala, já havia um grupo com seis pessoas sentadas em roda no centro, minha prima estava entre eles.

-Arrumei mais dois! – Brian nos soltou e sentou ao lado da Josy, que olhava para ele de cara feia, como se ele tivesse feito besteira.

-Ora, ora! Será que hoje eu consigo beijar a ruivinha? – Mark comentou, fazendo seus amigos rirem e eu revirar os olhos.

-Olha se você não quiser, tudo bem. Podemos ir embora. – Shawn segurou meu pulso.

-Está tudo bem. Vamos ver o que eles vão aprontar. – Sentei ao lado da minha prima, recebendo um sorriso torto dela. Lá vem coisa!

-Bom, pra começar vamos nos dividir em duplas. – Josephine começou a explicar as regras da brincadeira. Para resumir: teríamos que descobrir qual o sabor da bala que estava na boca do nosso parceiro (a) de dupla.

-Beleza! Eu quero fazer dupla com a Ellie! Passa pra cá, ruivinha – Mark deu tapinhas no chão ao seu lado.

-Você não escolhe nada! Quem inventou a brincadeira foi o Brian, então ele tira time. Você fica quietinho aí. – Josy respondeu, passando a responsabilidade para o Brian, ao lado dela.

-Ok! Eu escolho as duplas. – e assim ele começou a dividir os grupos. No final só restou: eu, Shawn, Mark e uma menina que já tinha visto pela escola, mas hoje descobri seu nome: Mandy. – Bom, Shawn vai fazer dupla com a Mand...CARALHO – Brian levou a mão até as costelas, curvando o corpo. – Ok, Shawn e Ellie.

-Pera aí, você tinha dito Mandy. O Shawn fica com a Mandy. Eu ouvi! – Mark reclamou

-Ouviu o caralho! Pega a balinha ali e fica quietinho. – Josy apontou seu dedo fino para o Mark e depois para o pote com balas ao lado dele.

Olhei para minha prima, sem entender e ela apenas virou para mim e piscou. Essa Josephine. E assim começou a brincadeira, cada dupla tinha cinco minutos para adivinhar o maior número de sabores possíveis. Eu e o Shawn éramos os últimos e sempre caíamos na gargalhada vendo o desespero das pessoas. Brian e Josy eram a dupla com a maior pontuação até agora, minha prima acertava em menos de um minuto.

-Quero ver passar a gente, bebês. – Josy nos desafiou.

-Não canta vitória antes da hora, linda. – retruquei fazendo-a rir. Olhei para o Shawn, que estava com um brilho divertido nos olhos. Peguei a primeira bala, vendo – o fechar os olhos, coloquei o doce na boca e juntei nossos rostos, sentindo sua língua buscar o pequeno círculo doce na minha. Pouco depois ele separa nossos rostos e diz:

-Morango. – todo mundo vibrou, ponto pra gente. Os outros quatro sabores ele matou fácil, nos deixando a um ponto de diferença do Brian e da Josy.

-Vamos ganhar deles, Mendes! – comentei, enquanto colocava a bala de tangerina na boca.

-Merda, eu não sei essa! – Shawn separou nossos rostos, fazendo todo mundo rir. Ele me segurou pelo pescoço, me trazendo para mais perto e aprofundando o beijo. – Melancia?

-Não! – respondi puxando-o pela gola da camisa e juntando nossas bocas de novo, com mais urgência.

-ACABOU O TEMPO! – Josy gritou – EU GANHEI!!!! – minha prima continuava a gritar algumas coisas mas eu estava focada em continuar beijando-o.

-Na próxima seja minha dupla, Ellie. Garanto que você não vai perder. – ouvi Mark comentar e o pessoal começar a rir. Me separei de Shawn e mostrei o dedo do meio pra ele, fazendo as gargalhadas aumentarem.

Pouco tempo depois, resolvemos ir embora. Shawn me ajudou a colocar minha prima dentro do carro, digamos que não gostou muito da ideia de ir embora. Brian apareceu logo em seguida e fomos em direção a casa deles. Estacionei na esquina e sai do carro junto com Shawn e Brian.

-Valeu Ellie! Até a próxima. – Brian me abraçou e foi cantarolando até em casa. Ficamos só o Shawn e eu na rua, minha prima estava babando no carro.

-Qual era a última bala? – Shawn me perguntou

-Tangerina.

-Merda! Eu nunca ia adivinhar. – começamos a rir. Andei até a árvore por onde ele desceu e olhei para cima

-Boa sorte para entrar.

-Vou precisar. – Shawn começou a escalar enquanto eu dava alguns passos para atrás. – Ellie? – ele me chamou de volta. Em poucos passos, ele estava de frente para mim.

-O que foi? – perguntei e antes que pudesse perceber, ele me puxou pela cintura e me beijou de surpresa.

-Tangerina é meu novo sabor favorito. – Shawn comentou quando nos separamos, me fazendo rir. Acenei para ele e voltei para o carro.

“Entrei. Boa noite, dupla”

Meu celular piscou assim que sai de sua rua. Eu sabia que essa noite prometia muitas emoções.


Notas Finais


Foram duas semanas de correria, pedimos perdão pela demora! Não desistam da gente hahaha


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...