História One more Feeling - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Volteeei

O capítulo de hoje é curto mas tem muita coisa a dizer e explicar sobre o que houve entre Daeho e Taehyung...

Boa leitura~

Capítulo 10 - Entre o passado e o presente


Fanfic / Fanfiction One more Feeling - Capítulo 10 - Entre o passado e o presente


— Jungkook eu já disse, não tô com ânimo pra ir nessa festa.— disse, pela sexta vez naquele dia.

Jungkook havia chegado a sua casa a vinte minutos atrás e passou todo esse tempo tentando convencer Taehyung a ir em uma festa do qual o amigo de ambos os convidou.

— Taehyung você precisa sair de casa!— bufou impaciente.

— Olha, eu não tenho nada contra o San nem tão pouco contra o Jongho, eu gosto deles, mas eu realmente não tô afim de ir.— revirou os olhos.

Seria apenas mais uma das centenas de festas que os irmãos Choi dariam, já havia perdido as contas de quantas festas deles já participou.

— Você anda muito dentro de casa Tae, e outra, faz quanto tempo mesmo que você não fica com alguém? Acho que foi desde os dezesseis anos não é? 

— Desde os dezenove.— sussurrou.

Jungkook tinha razão, realmente fazia um tempo que ele não saia para realmente se divertir e ficar com alguém. E ele sabia muito bem o motivo disso. Mas o seu ânimo não era lá um dos melhores.

— Tudo bem...— suspirou derrotado. Não iria só pela falta de ficar com alguém, ele também estava precisando se divertir.— Vem me buscar? 

— Ok, Hoseok vai nos dar carona, ele também vai.— sorriu animado.— Te vejo amanhã, eu vou ter que ir, prometi jantar com o Jimin.

— Eu quero ser padrinho desse casamento viu?

— Pode deixar.— deu uma piscadela para o moreno.

— Não esquece o guarda chuva, tá caindo uma chuvarada lá fora.— apontou para o objeto encostado na parede ao lado da porta.

— Já ia esquecendo, até amanhã TaeTae.— sorriu. E então foi embora deixando Taehyung sorrindo sozinho. 

Estava feliz por Jungkook, gostava de Jimin a muito tempo e então agora finalmente estavam juntos, mesmo que não oficialmente. Estava realmente feliz pelo amigo.

Mas logo seu sorriso sumiu ao ver Daeho chegar na sala e se sentar ao seu lado.

Desde a sua chegada o mais velho não havia trocado mais nenhuma palavra com ele, mas Taehyung sabia que Daeho estava apenas o analisando, conheci ele muito bem, mais do que gostaria. Ele sabia que Daeho estava apenas esperando o momento certo para o encurralar. E era disso que tinha medo, Daeho sabia o efeito que causava nele, sabia que o fazia ficar totalmente sem ações.

Já ia se levantar quando sentiu o mais velho puxando seu braço de volta o fazendo se sentar novamente.

— Qual o seu problema!?— gritou.

— Você vai na festa dos Choi?— disse, com aquele maldito sorriso traiçoeiro no rosto. Taehyung odiava isso.

— Não lhe interessa.

— Eu sei que vai, ouvi sua conversa com o Jungkook.

— Agora deu pra ficar escutando as conversas dos outros é?— negou com a cabeça tentando soltar seu pulso da mão de Daeho.— Será que dá pra me soltar!?

      — Só quero que saiba que eu também vou.— soltou o pulso do menor.

  — Sério isso? Vai realmente ficar me perseguindo?

    — Você pensa que só você tem amigos? Caso não se lembre, eu também sou um grande amigo dos Choi.— piscou travesso.

Taehyung se arrependeu amargamente por ter aceitado ir. Havia esquecido completamente que Daeho os conhecia bem antes dele e que por coincidência, foi exatamente Daeho que apresentou Taehyung para os Choi.

— Tudo bem, só quero que se você realmente for, não chegue perto de mim.— disse ríspido logo saindo de lá.

Daeho suspirou. 

Precisava de algum pretexto para falar com Taehyung sem que o menor fugisse dele. Mas estava difícil. Queria apenas a chance de poder se explicar, de poder dizer o que sentia. E se toda a explicação dele for capaz de mudar os conceitos de Taehyung sobre ele, poderia ter uma chance de começar do zero com Taehyung e então, poderiam ter algo sério.

Mas caso contrário, teria que mudar seus planos. 

Mas enquanto não conseguisse falar com Taehyung, de nada adiantaria.

Toda vez que tentava se explicar ou chegava perto do menor, Taehyung saia correndo para seu quarto e se trancava lá mesmo.

Então, já que não conseguia falar com Taehyung sem que o mesmo fugisse, iria ter que arrumar algum outro jeito de fazer isso acontecer.

Taehyung não podia acreditar que conseguiria sentir mais raiva do que já sentia pelo mais velho, mas a cada dia mais que passava ele sentia que a raiva aumentava. Daeho já tinha idade o suficiente para responder pelos seus atos, se ele veio para sua casa foi porque quis, e Taehyung tinha raiva disso, mesmo depois do que houve entre eles o mais velho ainda agia como se nada houvesse acontecido e usava todas as fraqueza de Taehyung a seu favor.

Após subir para seu quarto, apenas se jogou na cama irritado, quando pensou que poderia tirar um dia para realmente se divertir, Daeho teria que estragá-lo. Queria entender o motivo do mais velho estar ali, porque ainda era algo que não entendia.

Antes que pudesse continuar pensando em qualquer coisa, escutou uma batida em sua porta. Se levantou mesmo a contragosto e foi atender. Mas logo voltou a se sentar na cama quando avistou Daeho parado em frente a porta.

— O que quer?— respondeu ríspido, sem olhar para a cara do mais velho.

— Nada demais, apenas vim avisar que as dona da casa já chegaram.— sorriu e então desceu de volta.

Taehyung apenas revirou os olhos. Por que Daeho sempre tinha que sorrir para ele? Era irritante.

Fechou a porta do quarto e então desceu novamente podendo ver as duas mulheres que conversavam sentadas no sofá junto de Daeho.

— Oi, como foi hoje?— disse enquanto dava um rápido abraço nas duas mulheres.

— Foi normal, só nos atrasamos um pouco por conta da chuva mesmo.— Jihyun disse sorrindo docemente.— Nenhum táxi queria parar, então decidimos pegar um Uber mesmo. Mas e vocês? Como foi hoje?

— Normal, nem sai de casa. Mas amanhã eu pretendo sair.— Taehyung disse dando de ombros.

— Nem saíram juntos?— Younha disse.

— Taehyung não gosta de sair comigo.— Daeho se apressou em dizer sem antes deixar que Taehyung dissesse algo.

— Ah que isso, antes vocês amavam sair juntos. Sempre tinha algum lugar pra ir.— Jihyun disse como se as cenas de quando Taehyung a perturbava para sair a algum lugar com Daeho, voltassem à tona.

— Acontece que nada mais é o mesmo, nem tudo dura para sempre.— Taehyung disse antes de sair da sala e voltar para o segundo andar.

Younha e Jihyun se olharam confusas.

Entendiam o motivo de Taehyung sempre sair com raiva quando o assunto é Daeho, mas já havia se passado tantos anos e Daeho já havia se desculpado. O mais velho estava arrependido, eram dois adolescentes inconsequentes. Era passado, pelo menos para elas 

O que havia acontecido com aqueles dois adolescentes que não se desgrudavam? Sempre andavam saindo juntos, Daeho até havia se enturmado com os amigos de Taehyung. Mas agora, nada era o mesmo.

O que para elas era passado, para Taehyung parecia ainda ser o presente.

Havia subido para seu quarto como nas outras vezes em que sempre tinham que tocar no passado entre ele e Daeho. Não estava mais suportando a presença do mais velho, não aguentava mais o tornado de lembranças sempre que Daeho o tocava ou dirigia alguma palavra a si.

A cada toque, era uma lembrança, era uma sensação que ele não conseguia entender.

Mas era isso, Daeho tinha o total controle de seu corpo.

Quando entrou novamente em seu quarto, apenas se sentou na mesma, deixando suas lágrimas cair. Será que ninguém podia entender o quanto a presença de Daeho o machucava? O quanto tudo isso o fez e ainda o fazia mal? Será que não conseguiam enxergar seu sofrimento?

Quando Yoongi havia passado uma noite com ele, foi diferente. Pôde se sentir acolhido, pôde se sentir seguro. Yoongi o fazia bem, mas também o fazia mal. Assim como Daeho.

Havia um tempo em que Daeho o fazia bem, em que o mais velho era uma pessoa especial assim como Yoongi. Mas então, infelizmente as coisas mudaram, foi algo repentino, porém marcante.

Ouviu passos vindo em sua direção mas não se importou em levantar a cabeça para ver quem era, mas então sentiu alguém o envolver em abraço. E só pelo toque, pôde reconhecer quem era.

— Tae, me perdoa…

— Daeho, por favor… Me deixa em paz.— soluçou tentando se soltar do abraço do mais velho.

— Taehyung eu só preciso que vive me escute, por favor. Você sabe que eu não gosto de te ver chorando.— beijou o topo da cabeça do menor.

Assim que viu Taehyung subindo para o quarto percebeu que não era somente raiva que Taehyung estava sentindo. Percebeu como o menor estava mal. Sabia que uma hora ele não iria aguentar e iria desabar.

— Você não pensou nisso quando fez aquilo comigo! Eu não quero te escutar, só me deixa em paz.— disse. Cada vez mais as lágrimas iam caindo.

— Eu tô te pedindo só uma chance pra me escutar! 

— Mas eu não quero!— levantou se soltando dos braços do mais velho.

— Taehyung eu me arrependo, me arrependo muito do que eu fiz, por favor… Eu só quero que me ouça.— disse. Taehyung o encarou. Não estava atuando, parecia realmente não pelo que fez. Seus olhos estavam marejados.

Mas não podia se deixar enganar por Daeho, ele era assim, um completo manipulador. Porém, se deixar o mesmo se explicar o faria ficar longe dele, então iria ceder.

— Tudo bem… Pode falar. Mas eu já vou avisando que nada mudará a raiva e o nojo que sinto por você!— enxugou as lágrimas que ainda caíam. Daeho se levantou e andou até o menor, ficando de frente para o mesmo.

— E-eu me arrependo Taehyung, me arrependo muito pelo que fiz. Eu penso nisso todos os dias! Eu sei o quanto eu te machuque, mas eu também sai ferido nisso tudo.— suspirou.

— Com certeza não mais do que eu.

— Eu juro que no início eu realmente não ligava pra nada, não ligava se você iria ou não sair machucado nessa história toda, eu só queria me divertir com você. Mas depois de um tempo eu comecei a te olhar com outros olhos, eu comecei a gostar realmente de você…— disse se aproximando mais do menor, levou a mão até a bochecha do mesmo e a acariciou.— Taehyung eu te amo, eu realmente te amo, eu só queria mais uma chance! Você não sabe o quanto eu tô arrependido do que eu fiz!— choramingou. Taehyung negou com a cabeça, e então novamente as lágrimas começaram a cair.

— Pare de dizer mentiras! Me diz, quando foi que percebeu que estava gostando de mim?

— Alguns dias antes da festa do Hongjoong.

— E foi justamente nessa festa que tudo aconteceu! Como você pode vir dizer que me ama, quando fez tudo aquilo comigo!?

— E-eu não queria Taehyung, não queria estar gostando do meu primo! Então… eu simples continuei com os meus planos. Mas o meu amor por você é real! Taehyung meus sentimentos por você são reais!

— Como Daeho!? Como você pode vir aqui dizer isso tudo depois do que fez!? Você me enganou, me usou e depois que já não tinha mais nada de interessante, simplesmente me abandonou!— gritou dando socos contra o peitoral de Daeho que tentava fazer o menor se acalmar.

Taehyung estava magoado, poderia ter passado esses dias todos só fingindo sentir raiva, mas a realidade era que se sentia novamente quebrado, estava realmente magoado.

— Eu não te abandonei! Por favor Taehyung entenda, eu não te abandonei… Eu só percebi o erro que cometi tarde demais… Então achei melhor ir, pra não te machucar mais ainda.— abraçou o menor que chorava compulsivamente.

Ver Taehyung daquele jeito era o que mais doía em si, ver que ele foi o culpado por estar fazendo Taehyung sofrer era doloroso.

— De todo jeito você me machucou Daeho, e ainda machuca. Eu odeio o jeito que você tem controle sobre mim, odeio o jeito que você me deixar totalmente sem ações quando está perto!  Eu odeio as sensações que sinto quando te vejo.— socou ainda mais Daeho.— E-eu te odeio!

— Não, você não me odeia Taehyung. Por favor não diz essas coisas. Que sensações são essas?

— É como se eu tivesse saudades de você, como se ainda existisse um sentimento por você dentro de mim.— disse por fim. Ele sabia o que estava começando a sentir desde o momento que reencontrou com Daeho novamente.

Taehyung estava com medo do que estava sentindo. Como podia sentir aquilo por Daeho? Ele havia o destruído, o enganado, ele havia o usado. Sabia que não amava o mais velho, não gostava dele, não havia nenhum sentimento romântico por Daeho. Mas então o que explicaria o que estava sentindo? 

— E existe? Existe algum sentimento por mim em você?— Daeho perguntou, não podia negar que tinha sim esperanças de que Taehyung confirmasse sentir algo por ele.

— Não, não eu não gosto de você, eu não te amo, eu não correspondo ao seus sentimentos Daeho! Mas não sei explicar… Você foi e ainda é marcante em minha vida Daeho. Então deve ser apenas isso, eu ainda não consegui te superar, eu admito. Vai ver eu não saiba, mas talvez eu ainda sinta algo. Mas nada supera a minha raiva e o meu nojo por você!— se separou do mais velho. Não podia deixar que as palavras de Daeho o afetassem novamente. Não podia confiar no mais velho.

— Taehyung eu penso nisso, penso todos os dias o quanto eu te machuquei, o quanto eu me arrependo por tudo. Eu só quero uma chance, uma chance pra te mostrar que mudei. Uma chance para recomeçarmos do zero.

— Você não pensou em mim quando apostou com seus amiguinhos que conseguiria transar com o idiota do seu primo apenas em alguns dias, não pensou em mim quando me fez acreditar que sentia algo por mim, quando me fez realmente gostar de você, e olha que eu cheguei até pensar que nos amávamos.— riu irônico negando com a cabeça.— Não pensou em mim quando me enganava, quando passava dias em que eu demonstrava estar cada vez mais apaixonado por você, enquanto você estava apenas concluindo a merda de uma aposta. Não pensou em mim quando estava lá, colocando a porra de um boa noite cinderela na minha bebida! Não estava pensando em mim quando comigo dopado, me forçou a transar com você! E então, quando simplesmente conseguiu o que queria, me largou lá na merda de um quarto de alguém que eu nem conhecia!— cuspiu as palavras no mais velho, que apenas abria e fechava a boca tentando dizer algo. Mas nada saia. 

Ele sabia que o que havia feito era imperdoável, mas ainda assim queria o perdão do menor. Não sabia o que dizer, mas às lágrimas que desciam pelo seu rosto já dizia tudo, ele realmente estava arrependido.

— Não importa o esforço que eu faça, eu não vou conseguir te perdoar! E nem sei se quero.

— TaeTae por favor, eu quero recomeçar novamente, eu quero tentar como uma pessoa diferente. Eu mudei Taehyung, eu realmente mudei. Mudei porque eu te amo, mas infelizmente percebi isso tarde demais. Eu fui um babaca! Fiz aquilo tudo pela aparência, pela minha fama de pegador, fiz apenas para dizer que eu conseguia quem eu queria, até mesmo meu primo. Mas eu me arrependo amargamente, eu não me orgulho do que fiz… Por favor… Eu só peço uma chance.— suplicou agarrando as mãos do menor.

— Você me faz mal, muito mal… Sua presença só vai me destruir mais ainda. Mas apesar de tudo, não quero carregar esse ódio pra vida toda, não quero viver com esse ódio. Então, pelo meu próprio bem, eu vou tentar te perdoar. Mas eu não garanto nada, minha raiva e meu nojo por você ainda é maior que tudo. Vai ser um processo bem difícil e lento.— suspirou, soltando suas mãos de Daeho.

— Eu vou tentar fazer o possível pra te provar que eu mudei. Eu quero que um dia possamos ficar juntos.— sorriu fraco. Taehyung o olhou sério.

— Eu vou tentar te perdoar Daeho, não estou dizendo que caso um dia eu te perdoe iremos ficar juntos. Eu não quero ter mais nada com você, talvez mais pra frente, possamos se tornar amigos, mas apenas isso.— disse por fim, e então saiu.

Daeho suspirou, limpou as lágrimas e então saiu de lá sorrindo fraco. Daeho pensava que Taehyung gostava sim dele, mas estava apenas se fazendo de difícil. Iria esperar, mas também iria fazer de tudo para ficar com o menor.

Taehyung havia encontrado sua mãe ainda na cozinha que o olhou preocupada. Seria mentira se dissesse que não ouviu os gritos e os choros alto, mas não quis interferir, achou que seria melhor deixar que se resolvessem sozinhos. Taehyung apenas avisou que iria sair e então caminhou sozinho pelas ruas escuras da noite chuvosa, até o único lugar que precisaria estar agora. Para a única pessoa que conseguiria o entender, a única pessoa da qual se sentiria bem junto.

Sua cabeça andava confusa por todo esse tempo, seus sentimentos andavam confusos, tudo nele estava confuso. 

Yoongi era a única pessoa que conseguia o acalmar, mas ao mesmo tempo, era quem o deixava nervoso, era quem na maioria das vezes o deixava completamente confuso, e em uma completa desordem em si mesmo.

No dia seguinte, quando havia acordado completamente nu e sem consciência do que havia acontecido na noite passada em que estava em uma festa com Daeho. Quem havia ficado com ele, aguentando seus choros, seus surtos e sua raiva, foi Yoongi. Quem havia o acolhido quando havia sido abandonado por quem achou que o amava, foi Yoongi. Sempre era Yoongi.

Antes mesmo de se envolver com Daeho, Taehyung já duvidava de seus sentimentos por Yoongi, mas sabia que não era correspondido, então, numa tentativa de esquecer todo aquele sentimento pelo mais velho, aceitou dar uma chance para Daeho, que havia passado dias o cantando e insistindo para  sair com o mesmo.  

Só não pensava que realmente iria começar a sentir algo pelo mais velho, realmente se apaixonaria. Mas então Daeho tinha que estragar tudo. Tinha que jogar todos os sentimentos de Taehyung pro alto sem se importar em como o menor iria se sair no final.

E então depois de anos, finalmente estava se recuperando, com a ajuda de Yoongi havia conseguido ficar bem consigo mesmo. E pelo visto, Yoongi iria ter que fazer tudo novamente.

Taehyung pensava que depois do que rolou com Daeho, realmente o que sentia por Yoongi não era tão forte como imaginava, mas havia se enganado, e teve mais certeza disso ainda quando Yoongi começou a namorar com Sehun. Foi então que teve a certeza de que no início, seus sentimentos só estavam crescendo, e quando começou a conhecer Daeho melhor, aqueles sentimentos por Yoongi haviam apenas adormecido. E então, quando viu que o relacionamento de Yoongi estava o afetando, pôde perceber que ainda sentia algo pelo mais velho, e esse sentimento foi crescendo ainda mais a cada dia, a cada mês e a cada ano.

O que sentia por Daeho era consequências de algo que não havia superado, era como se ainda estivesse na ilusão de que Daeho realmente o amava, era apenas saudades de quando ainda não havia descoberto quem realmente era Daeho. 

Mas já o que sentia por Yoongi era diferente, não era apenas uma simples paixão que em algum tempo sumiria. Ele sabia que amava Yoongi, amava de um jeito intenso e diferente. Era difícil aceitar que seus sentimentos não eram correspondidos, mas seria ainda mais difícil perder Yoongi caso tudo desse errado, então apenas se contentaria em ter a amizade do mais velho. Não iria tentar se livrar daqueles sentimentos, era impossível. Mas não iria forçar nada com Yoongi.

— Taehyung?— Yoongi disse confuso ao ver o menor parado em frente a porta de sua casa. Yoongi o analisou, estava com as roupas molhadas e o cabelo pingando, mas o que o chamou a atenção foi o rosto vermelho e olhos inchados de Taehyung.

Yoongi não disse nada, apenas puxou Taehyung para o segundo andar de sua casa em direção ao seu quarto, o menor não dizia nada, mas não era preciso para Yoongi entender o que estava acontecendo.

O mais velho apenas se ocupou em retirar toda a roupa molhada de Taehyung o vestindo com outras secas e quentes, colocou as roupas molhadas no cesto e então voltou para o quarto com uma toalha, encontrando o menor sentado na cama. Passou por trás do mesmo e então começou a secar os cabelos do menor.

— Obrigado por cuidar de mim… E desculpa por te incomodar a essa hora da noite.— Taehyung disse pela primeira vez desde que chegou ali.

— Eu sempre vou estar aqui quando precisar. E você não está incomodando Tae, você nunca incomoda.— sorriu, terminou de sair os cabelos de Taehyung e jogou a toalha em algum canto qualquer do quarto.

— Dorme de conchinha comigo?— Taehyung perguntou enquanto se deitava de costas para o mais velho que alguns segundos depois o abraçou por trás, envolvente sua cintura em seus braços e colocando as pernas do menor entre as suas.

— Quer falar sobre o que aconteceu?

— Se importa em deixar esse assunto pra amanhã? Não quero falar disso agora.

— Tudo bem.— beijou o pescoço do menor.

— Por que sempre que estamos deitados assim você beija meu pescoço?

— Não sei. Eu só gosto de beijar seu pescoço.— sorriu beijando novamente o pescoço do menor em um ato de confirmação.

Taehyung sorriu, era incrível como Yoongi conseguia o fazer ficar feliz com simples atos.

— Eu te amo.— sussurrou.

— Eu te amo Tae.



Notas Finais


Aah que softs... Depois de uma discussão dos Taeho merecia ter um Taegi no final né 🥺

Espero que tenha ficado claro como o Taehyung ainda está mal e destruído com o que houve com o Daeho... E sobre o lance de perdoar ele, Taehyung realmente vai tentar... Mas eu sugiro a vocês a não confiar muito nisso, nem tão pouco no Daeho...

Semana que vem ou na outra semana eu venho com mais dois capítulos, um focado somente no que houve entre o Daeho e o Taehyung explicando tudo direitinho. E o outro com eles na festa dos Choi... Essa festa vai dar o que rolar. E não vai ter nada de lágrimas,
Só bastante ciúmes e provocações kkkk

Espero que tenha ficado bom... E me desculpe qualquer erro 🙃

Até breve 🎈✨


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...