1. Spirit Fanfics >
  2. One Night : Jikook - (BDSM) >
  3. 4. i said "yes"

História One Night : Jikook - (BDSM) - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Desculpem a demora pra atualizar aqui😒💜🐄

- Boa leitura:)

Capítulo 4 - 4. i said "yes"


Fanfic / Fanfiction One Night : Jikook - (BDSM) - Capítulo 4 - 4. i said "yes"

🐄

— Você me pediu apenas uma noite Jungkook, mas e se eu quisesse mais de uma?

Talvez eu não tenha medido tanto as minhas palavras antes de fala-las, eu literalmente falei sem pensar. Foi de forma natural e em um tom calmo mas cheio dúvidas e confusão.

Mas independente aquilo significou muito pra mim, porque era exatamente o que eu sentia.

Eu tenho certeza que eu não vou querer apenas uma noite do seu lado, óbvio que não. Eu iria querer muito mais.

Jungkook continuou com seu olhar calmo sob mim fazendo um carinho gostoso na minha cintura mas logo ele parou umedecendo seus lábios.

— Meu bem, eu lhe daria quantas você quisesse. — Disse atencioso. — Basta você dizer sim para ser meu submisso permanente.

Eu sabia muito bem o que significava esse "sim."

Jungkook me queria de corpo e alma, Jungkook me queria como seu. Seu submisso.

E eu estava pronto pra isso desde que fosse com ele, eu me arriscaria mesmo com medo de no final dar errado. Mas eu queria ser dele, quero senti-lo e poder chamar de meu dominador.

— Hum... — Eu sorri ladino um tanto safado. Eu acho que gostaria de uma demonstração antes,sabe?

Ele me puxou com força contra sí e selou meus lábios em um selinho rápido, logo depois ele sorriu sádico e disse:

­ — Então vamos brincar um pouquinho antes, meu anjo.

Sorrimos um para o outro e ele me ergueu me fazendo entrelaçar minhas pernas em sua cintura onde começamos a nós beijar rapidamente enquanto ele me levava para algum lugar onde eu não prestei atenção.

Nosso beijo era agressivo com suas mãos enterradas em minhas coxas me fazendo soltar gemidos de dor, seus dedos me apertavam com força como se nunca mais fosse me soltar e sua boca mordendo a minha com força.

Jungkook me sentou algo que quando encarramos o beijo eu olhei em volta e vi minha cozinha, ele havia me sentado na bancada. Ele estava entre minhas pernas e ainda com as mãos em minhas coxas, mas já não ás apertando como eu gostaria.

Daí eu percebi que a dor que Jungkook me causava me fazia tão bem.

— Como eu não trouxe nada comigo, vamos improvisar. — Ele disse quando já se tinha se afastado de mim procurando algumas coisas em minha cozinha. — Enquanto isso, quero que escolha uma palavra,meu bem.

— Uma palavra? Como assim? Alguém coisa? — Questionei curioso.

Jungkook veio até mim com um pano de prato nas mãos o que quase me fez rir mas eu me contive.

— Sim, Jimin. Qualquer coisa. Uma cor, um objeto, um nome de alguma coisa. — Dei ombros parando na minha frente novamente. — Precisa ser algo broxante pra que se eu estiver fazendo algo desconfortável pra você, você me avisar.

— Isso séria minha safeword? — Falei um pouco embolado mas Jungkook riu e assentiu. — Então...

Pensei um pouco mas nada de criativo veio em minha mente, até então eu olhar pra Jungkook e continuar pensando.

— Primeira coisa, Jimin. Dominadores não costumam ser paciente, e eu não sou nada paciente. Digo tanto em uma cena quando na "vida real."

Ok, isso foi uma direta pra eu me apressar. Por isso, olhei em volta e achei algo perfeito.

— Vaquinha! Vai ser vaquinha, Jungkook! — Falei animado olhando meu balde gigante de vacas no armário.

Jungkook por sua vez riu e acabou concordando. Com o pano de prato ainda em suas mãos ele o enrolou e fez uma espécie de corda.

— Vamos entrar em cena agora, tudo bem? Espero que se lembre como se faz. — Disse um pouco mais sério e com um tom autoritário.

— Sim,senhor.

Arrumei minha postura e coloquei as mãos para frente e o encarei já que ele havia tido para sempre que estivesse falando eu olhar para ele.

De certa forma, era estranho chamar alguém assim. Mas era uma sensação do caralho por saber que era Jungkook que eu estava o chamando assim.

Era excitante.

— Mãos para trás, Jimin. Irei lhe amarrar. — Mordi meus lábios curioso e fiz o que ele mandou. Ele passou para trás da bancada e amarrou minhas mãos com o pano. — Bondage é a imobilização. Como eu fiz agora, entende? — Sussurrei um "entendo sim senhor" novamente. — Imobilizei suas mãos porque eu não quero que em nenhum momento você me toque, Jimin.

— Mas e se eu quiser te tocar? — Escutei uma risada nasal sua atrás de mim.

— Você quer o que eu quero, porra.

Senti suas mãos fortes em meu cabelo sendo puxando pra trás. Em reação eu soltei o ar preso sorrindo ladino.

— Por que está rindo? — Continuei quieto com o mesmo sorriso nos lábios. — Me responda quando eu lhe uma pergunta, Jimin. — Apertou mais meus fios de cabelo. — Agora me responda.

— Eu estou rindo porque eu gosto. — Forçou minha cabeça pra trás fazendo meu couro queimar onde deixei um gemido de dor escapar. — Gosto de quando o senhor usa sua força comigo.

— Bom garoto. — Disse em tom de aprovação soltando meu cabelo e fazendo um carinho depois.

Ele parou em minha frente, novamente entre minhas pernas e me puxou pra mais perto de si me fazendo ficar na ponta da bancada. Então, eu entrelacei minhas pernas em sua cintura e ele pegou em minhas coxas nuas ­— Já que estava de shorts um pouco curto demais. ­— Jungkook começou a dar beijos molhados por meu pescoço me fazendo suspirar já querendo arrancar minhas mãos dali de trás.

Subiu os beijos para minha boca dando inicio a um beijo, abri minha boca em busca de contato entre nossas línguas e ele fez o mesmo explorando meu ósculo enquanto enterrava suas mãos em minha coxa. Segurou fortemente — que com certeza ficaria a marca de seus dedos ali. — Arrastou as mãos para trás apertando minha bunda com vontade o que fez ele morder minha boca e grunir contra ela.

Jungkook desceu novamente com os beijos mordiscando meu pescoço e deixando chupões ali, eu só sabia soltar alguns gemidos e tentar nossos corpos mais ainda o trazendo com minhas pernas que estavam em sua cintura.

Senti a palma forte de Jungkook ir contra minha coxa me dando o primeiro tapa.

Dei um solavanco e puxei o ar pelos dentes sentindo minha pele arder por uns segundos.

— Isso foi por todas as vezes que me respondeu, por isso foi mais forte. — Explicou acariciando o local que bateu. — Mas tem outra coisa que eu adoraria lhe punir, sabe o que é Jimin?

— Não,senhor. O que é? — O encarei um pouco confuso.

— Lembra de domingo na minha casa? Quando você me deixou duro e simplesmente foi embora depois. — Mordi meu lábio nervoso já não o encarando mais. — Você foi injusto não acha? Sendo que no clube eu lhe fiz gozar e você nem pra retribuir serviu.

— E-eu...eu posso retribuir agora? — Arrisquei o olhando novamente.

— Quem sabe depois. — Sorriu sádico dando outro tapa, só que dessa vez do outro lado.

Me beijou novamente de força agressiva enquanto eu sentia suas mãos serpentiarem por meu corpo e entrar dentro de minha blusa e apertar minha cintura. Suspirei de prazer por sentir que literalmente eu estava em suas mãos.

Brincou com meus mamilos passando o dedo por eles e no final desceu radicalmente até meu membro o apertando por cima do short o que me fez choramingar e apertar o pano que amarrava minhas mãos descontando ali tudo que ele me proporcionava.

— Levanta um pouquinho, quero tirar seu shorts. — Com um pouco de esforço eu fiz e ele retirou rapidamente deslisando o tecido por minhas pernas. Depois suas duas mãos foram a encontro da minha bunda ás apertando com força e logo deixando um tapa mais forte no lado direito. — diga "obrigado senhor eu aguento mais uma."  Quero que me agradeça.

­Engoli seco ainda sentindo a dor fodidamente gostosa, por último eu sorri em satisfação repetindo sua frase.

— Obrigado senhor, eu aguento mais uma.

Depois ele deu outro tapa do lado esquerdo acompanhando de um aperto. — O-obrigado senhor, eu aguento mais uma. ­— Disse com um pouco de dificuldade.

— Lembre-se se quiser parar e só dizer a palavra de segurança, meu anjo. — Sussurrou fazendo um carinho em minha nádega.

— Hum, não obrigada. Eu ainda acho que está pegando leve demais. — Escutei uma risada safada de Jungkook.

— Não seja tão ambicioso e agradeça o que eu estou lhe dando, o que eu quero e o que você quer Jimin. — Deu outro tapa que me surpreendeu me deixando escapar um grito por ele ter sido o mais forte de todos. — Dessa vez foram apenas três. E você se lembra o por que de ter apanhado, meu bem?

— Porque eu deixei você sozinho em seu quarto mesmo quando pediu para eu ter ficado e terminado o que comecei. — Olhei arrependido fazendo um biquinho totalmente sentindo. — Desculpa, Jungkook-ah.

Não sei, era como se todo o peso na consciência viesse depois de eu apanhar. Me veio uma vontade de chorar mas não por dor. Mas sim por ter feito coisas.

Era complicado, eu gostava da sensação do perigo de aprontar e aprontava. Depois da punição eu chorava por culpa.

Talvez por ter percebido que não fui tão bom assim.

— Desculpa por ter feito aquilo com você eu fui uma péssima pessoa. — Funguei sentindo meus olhos arderem e encostei minha cabeça em seu ombro. — Eu queria poder lhe abraçar, Jungkook...me solta...

— Ei, ta tudo bem. Não precisa chorar por isso, Hum? Vou te soltar, calma. – Passou os braços por trás de mim e desfez o nó rapidamente, onde eu envolvi seu pescoço o abraçando e sentindo ele me abraçar de volta também. — Você nunca será uma péssima pessoa. Entenda que você fez por que mereceu, mas não é algo ruim. Você gostou de receber os tapas como eu gostei de da-lós. Tudo certo, meu anjo. — Acariciou minhas costas e me afastou para selar minha boca.

Sorri e depois dei um beijinho nele também e ele voltou a fazer carinho em meu rosto e me olhou com atenção. — Você quer ser meu submisso, anjo?

Respirei fundo e sorri. — É o que eu mais quero.

Carro do Jungkook Centro de Busan.

9 de agosto de 2020, 12:25 p.m.

Jungkook depois que saiu da minha casa ontem havia me dito que me buscaria para darmos um volta e que seria surpresa o destino. Então óbvio que eu estava muito curioso.

E agora, como seu submisso eu ficava bobo com qualquer coisa que ele fazia. Eu sei que não eramos namorados, mas fazia mal eu achar por alguns segundos sequer?

Eu sei que isso não me fazia bem, me alimentar com falsas esperanças. Isso que me confundia cada vez mais, mas ele me tratava com tanto carinho e atenção, como não se confundir?

Talvez eu deva conversar com Hoseok?

É, ele é meu melhor amigo e conhece o Jungkook e sabe sobre esse tipo de relação.

— Aonde estamos indo Jungkook? Estou curioso... — O olhei e ele sorriu um pouco tímido? — O que foi?

— É surpresa, Jimin. Seja paciente. — Concordei e fiquei emburrado olhando pela janela. — Já estamos chegando, é ali na frente.

O que realmente não demorou já que ele estacionou em frente a um...

Sex shop?

— Jungko-

— Esse sex shop é um dos que fazem parceria com o night club. Eu te trouxe aqui para te apresentar algumas coisas e para fazer algumas compras caso goste de algo. — Concordei um pouco assustado. — Espero que não fique muito desconfortável lá dentro. — Ele deu uma risadinha provavelmente rindo de minha cara.

Saímos do carro e antes de entrar na loja ele avisou. — Ah, não ligue pro atendente ele provavelmente vai lhe encher de perguntas idiotas.

— É eu vou responder porque eu sou mais idiota ainda, agora vamos logo. – O puxei um pouco e escutei uma risada sua. Logo eu empurrei a porta do sex shop e eu e Jungkook entramos. —Puta que pariu!

— Olha a boca Jimin. ­— Me repreendeu mas eu não tive culpa por tudo ali ser tão obsceno e algumas coisas engraçadas até.

— Eai docinho, sub novo? ­­— Olhei para o dono da voz e vi um cara de um cara de cabelos rosa atrás do balcão do caixa. — Que milagre, faz é tempo que você não aparece aqui acompanhado. Afinal, até parece que não é-

— Hyungwon! Por deus cale a boca, está assustando o Jimin. — Ele me puxou pela cintura me deixando perto dele. — Meu bem, esse aqui é o Hyungwon ele que eu lhe falei. — Acenei um pouco tímido. — Peste, esse aqui é o Jimin, e sim, meu submisso.

— Agradecido pelo novo apelido, Jeon. — Abriu um chiclete e pós na boca. — Muito prazer Jiminzinho, muito prazer mesmo porque esse homem é-

— Hyungwon! — Jungkook interrompeu o de cabelos rosa.

— É hyungwon, eu sei o que ele é. Por sorte ele é meu. — Sorri convencido. — Vou dar uma olhadinha nas coisas, hm. — Disse baixinho pra Jungkook e virei seu rosto e depositei um selinho em seus lábios logo depois encarando Hyungwon em pura provocação.

Jungkook riu da minha infantilidade e provavelmente da cara do rosinha.

­­— Ih o baixinho é abusadinho? — Ignorei e virei as costas indo ver as coisas. — Já sentei muito nele, meu querido!

— Pois agora quem senta sou eu. — Respondi ainda de costas dando dedo do meio e escutei uma risada escandalosa de Jungkook.

Ri da minha provocação e fui para a sessão de prateleiras onde tinha dildos e algumas poções para ereções, orgasmos e uns com nomes muito estranhos.

Olhei para os dildos e tinha vários de cores, formatos e tamanhos diferentes. Havia em cores normais, e de tons de pele diferentes, o que me surpreendeu foi um pauzão com a bandeira LGBT.

Eu ri não só pelas cores mas sim pelo tamanho, era imenso. Será que alguém conseguia enfiar tudo isso dentro de si mesmo?

Passei pelos paus e vi camisinhas diferentes e lubrificantes e gel para massagens.

Até que cheguei na parte que me despertou curiosidade. Me aproximei pegando uma coleira muito bonita e um pouco pesada, ela era preta e tinha correntes penduradas por ela e vários "anéis" por sua volta.

— Gostou, meu bem? — Fui pego de surpresa por Jungkook me abraçando por trás.

— Gostei. É bem bonita. — Ele pegou ela da minha mão e a abriu encaixando em meu pescoço.

Ele me arrastou para o lado onde tinha um espelho então olhei nosso reflexo ali, e era tão...perfeito de se olhar. A coleira tinha caído tão bem em mim, que eu a toquei com a pontinha dos dedos e mordi meu lábio olhando Jungkook.

— Ficou muito linda em você, anjinho. — Beijou meu pescoço. — Gosto dessa que eu posso colocar a guia em várias partes, é mais prático. Vamos levar.

— Ela é bonita mas...algumas coisas aqui são bem caras e-

— Não se importe com isso. Eu tenho desconto aqui, então sai muito mais barato. Eu quero lhe dar de presente. — Tirou a coleira e colocou em uma cestinha. — Gostou mais de alguma coisa?

Dei ombros ainda olhando as coleiras andando para o lado vendo fantasias e alguns plugs. —Jungkook, o que é isso? ­ — Apontei pra uma caixa onde eu não entendi bem a imagem.

— É um anel peniano, meu bem. Ele dificulta o orgasmo. — Concordei meio tímido e olhei algo que achei engraçado.

— Velas? Sério mesmo? — Peguei a caixinha.

Então ele sorriu e pegou a caixinha colocando a cesta.

— Obrigado por me lembrar de pegar uma dessas. Elas servem para fazer uma coisa legal, talvez eu lhe mostre.

Dei ombros novamente um pouco chateado e Jungkook percebeu. — O que foi?

— Você já fez alguma coisa com o Hyungwon, Jungkook? — Perguntei um pouco baixinho olhando a prateleira. Então Jungkook pegou meu rosto com delicadeza me fazendo olhar para ele.

— Não,meu bem. Ele só vez isso para lhe irritar, não leve a sério as coisas que esse palhaço diz,hum? – Deixou um selinho em seus lábios. — Vamos escolher outras coisas, vem comigo.

{....}

Pegamos mais algumas coisas e Jungkook mandou eu vim para o carro enquanto ele acertava a compra. Estava já um pouco entediado e com fome dentro daquele carro, eu olhava pela janela Jungkook e o tal de Hyungwon conversando amigavelmente.

Revirei os olhos e liguei o bluetooth do carro colocando uma playlist de minhas músicas favoritas e mexi em meu celular.

­— A few bottles on the table, a few waters. It ain't a secret, baby. Everbody saw us...Guess whose it is? Guess whose it is?

"Alguma garrafas na mesa, só um pouco de água. Não é um segredo,amor. Todo mundo nos viu. Adivinha quem é? Adivinha quem é?"

Guess whose it is? Guess whose it is? — Continuei cantarolando até que percebo a presença de Jungkook. — It's yours...

"Adivinha quem é? Adivinha que é? É seu..."

Jungkook colocou as sacolas na parte de trás do carro e me olhou com um sorriso divertido, começando a prestar atenção em mim.

— Next time we fuck, i don't want to fuck, i want to make love. Next tome we talk, i don't want to just talk, i want to trust.

"Na próxima vez que fodermos. não quero foder, quero fazer amor. Na próxima vez que conversamos, não quero conversar, quero confiar."

Ouvi o som da música ser diminuída e então eu encarei Jungkook.

— Isso foi um convite para transarmos, meu bem?

Eu dei uma risada morrendo de vergonha por ele ter entendido a música e eu mexi em meu celular procurando outra coisa que não tenha uma tradução comprometedora. Talvez algo em nosso idioma mesmo.

— Não sabia que você entenderia... —Me justifiquei baixinho. — Mas sobre o convite, eu achei que ele já estava feito.

Jungkook já tinha me convidado para algo do tipo naquela vez em seu carro. E eu não achava mal ideia...Mesmo ainda com medo. Mas Hoseok está certo, eu preciso transar urgentemente.

E desde que fosse com Jungkook eu estava mais do que pronto.

— Ele já estava feito no momento que nossos olhos se encontraram, eu suponho. — Ele riu e começou a dirigir. — Hum, meu bem. Como eu não entenderia? Eu sou dono da boate mais famosa de Busan, eu tenho parcerias com gente de qualquer lugar do mundo e ainda mais com marcas americanas. O minimo que eu deveria saber é o inglês.

Se gabou e eu revirei os olhos. Jungkook é um home do caralho mesmo, não é? Porra, vinte e cinco anos, dono de um estabelecimento que é super famoso, bem-sucedido e ainda por cima fez tudo isso sozinho.

Caralho, eu sou um merda.

Agora é um momento onde eu acho que eu nem merecia estar aqui, nesse carro, com esse homem. Eu literalmente não tenho um emprego bom, não fiz faculdade pela falta de dinheiro na época, eu não digno de Jungkook.

Que vergonha.

Percebendo que eu havia ficado mais calado depois do que ele disse que voltou a falar. – Notei que seu inglês é ótimo, aprendeu sozinho ou fez curso?

­— Hm... — Neguei. — Minha mãe é professora de inglês, então desde pequeno ela me dava aulas. Mas sei apenas no básico, não treinei com frequência. — Ele pareceu se animar sobre a história de minha mãe, mas eu não estava me sentindo tão confortável agora. Então preferir trocar de assunto. — Para onde vamos?

— Vamos almoçar na minha casa, anjo.

Sorri concordando já que estava com fome. Conversamos sobre algumas coisas até a chegada de sua casa, foi agradável.

Porém, eu ainda me sentia mal e um pouco envergonhado por não chegar nem aos pés de Jungkook.

Nora nos recebeu totalmente agitada e dando uma bronca em Jungkook por ter lhe aviso que eu iria almoçar lá já muito tarde, diz ela que "não deu tempo de ir no mercado."

Jungkook rebateu dizendo que era pra pedir Seokjin para ir, mas Nora se irritou dizendo que Seokjin não havia aparecido para trabalhar hoje.

Eu ri com a situação toda e me sentei na cozinha com Nora olhando ela terminar de fazer o almoço já que ela não me deixou ajudar. Jungkook por sua vez, pegou o celular e foi ligar para Seokjin perguntando o que havia acontecido.

Não demorou muito para que tudo estivesse pronto. Eu, Jungkook e Nora nos sentamos na mesa e começamos a comer enquanto conversávamos.

­— Filho, o que houve com aquele cabeça de vento do Seokjin?

­ — Hum... — Terminou de mastigar, o que é uma de minhas coisas favoritas em Jungkook e sua mastigação fofa. — Ele foi pro clube ontem, ele bebeu e tudo mais. Vou descontar do salário, ninguém mandou.

Todos nós rimos descontraídos até que a campainha da casa é tocada, Jungkook revirou os olhos e pediu para que Nora atendesse.

­— Pelo visto chegamos em boa hora. — Anunciou a mulher na porta.

🐄


Notas Finais


Hum, quem será hein? Algum palpite?

Bom, desculpa pela demora. Mas nem foi tanto assim vai...

Quero agradecer por todos que estão comentando sempre. Isso me incentiva muito muito muuuito!

Estão gostando? Porque eu estou. (Milagre kk)

Me sigam no twitter : @Ajikook18

Até a proxima💕

Não esquece de comentar porque eu fico feliz🐄💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...