1. Spirit Fanfics >
  2. One Night Stand (SpideyPool) >
  3. Capítulo IV - Início do pesadelo

História One Night Stand (SpideyPool) - Capítulo 4


Escrita por: Sam_Curtis

Notas do Autor


Vocês acharam que eu não ia postar capítulo hoje né?

Sim, com certeza pensaram.

Não meus amores, eu não desisti da fic podem ficar calmos. Eu já decidi o rumo de cada uma: Meu é uma peça será um trilogia, Until Dawn: Escape of the death será um série e tanto Ink Rebel's quanto One Night Stand serão uma novela.

Então sim, eu planejo fazer uma fic bem longa, os 3 primeiros capítulos até que foram "longos" por assim dizer, mas os próximos serão bem maiores (como eu disse, eu planejei melhor agora o futuro da fanfic).

Bem...é isso!

Sem mais delongas desejo à todos uma ótima leitura!

Capítulo 4 - Capítulo IV - Início do pesadelo


- Aqui é Steve Rogers do programa SHIELD, é com você Phill!

- E corta! Mandou bem Steve!

- Obrigado Thor, tem mais alguma coisa pra hoje? 

- Pra hoje não, mas o Bucky disse que quer conversar com você.

"Deve ser a pista!" Pensou o loiro com um sorriso confiante. Tantas noites não dormidas valeram à pena.

- Okay, eu tenho que ir agora, tchau!

- Até amanhã meu amigo! - O rapaz de cabelo longo e também loiro se despede com um aceno e com um grande sorriso. Steve devolve a ação e vai até uma cafeteria, ele manda mensagem para Bucky mandando sua localização. A chuva estava caindo de forma até que tranquila.

- Ótimo! Agora eu só preci-

- Steve?! - O rapaz se vira dando de cara com Sharon, sua velha amiga de faculdade. - Que alegria te ver!

- Sharon! É bom te ver também, o que faz aqui? 

- Ah, eu ganhei uma oportunidade de trabalhar na SHIELD, como apresentadora do tempo!

- Que coincidência, eu também trabalho lá.

- Jura? Isso é ótimo, pelo menos eu não vou me preocupar em ter quer ficar sozinha lá.

- Ah você vai gostar e tenho certeza que vai se dar bem com todo mundo.

- Assim espero...mas está esperando alguém?

- Sim, um amigo meu. Enquanto ele não chega podemos ficar tirando o papo em dia.

- Claro!

Ambos ficaram jogando conversa fora. Já fazia muito tempo em que ambos não se falavam.

- Você não tem dormido muito né?

- Ah...muito trabalho só isso...

- Entendi.

A loira não acreditou na fala do rapaz mas decidiu não questionar mais, afinal, ela não tinha nada a ver com isso. Enquanto discutiam sobre a emissora, um rapaz de cabelo castanho e olhos azuis se aproximou da mesa:

- Hey Steven! Como vai?

- Bucky! Vou bem obrigado, lembra da Sharon?

- Lembro sim, como vai senhorita?

- Vou muito bem. - A moça lhe deu um sorriso e percebeu que já estava na hora de se retirar. - Não quero atrapalhar a conversa de vocês então eu vou indo, te vejo na emissora Steve.

- Até amanhã! - Quando a loira finalmente se retirou, Steve se senta e Bucky repete a mesma ação. - E então? Descobriu algo?

- Sim, lembra daquela carta que você encontrou na casa?

- Sim.

- Analisando o conteúdo delas e recebendo algumas informações, eu descobri que todas são escritas por pessoas diferentes, mas...

- Mas o que?

- Nós pensávamos que elas eram assinadas por pessoas diferentes. Mas estávamos enganados.

- Como assim?

-  Não foram feitas por pessoas diferentes, mas sim por uma única pessoa.

- Uma única pessoa? Mas você me disse que com elas os suspeitos já tinham sido presos.

- Eu sei, só que a agência investigou mais sobre o último assassinato e descobriram uma coisa.

- O que?

-  Então, com muita análise das pistas e informações recebidas, descobrimos que o assinante é o mesmo que escreve todas as cartas.

- Mas como é possível?

- Simples, existem pessoas que conseguem copiar de forma idêntica à letra de outros indivíduos.

- Como naquele filme Heathers?

- Isso, desse jeito eles conseguem incriminar pessoas inocentes.

"Então nesse caso seria uma pessoa que escreve a carta para culpar outro indivíduo?" O loiro pensou levantado uma das sobrancelhas. Uma forma de despistar os investigadores? Sim, sem dúvidas era uma forma de distração, e pelo visto, conseguiram por bastante tempo.

- Bem...sendo a Hydra eu não duvido nada.

- Nem eu, olha, ou vou deixar essas três com você. Tenho certeza que você quer analisar elas de forma mais detalhada. Ah! - O moreno pegou um cordão em formato de coração, um pingente que podia abrir. - Pega, você se lembra disso?

- Esse cordão...

Steve sentiu uma tontura e colocou uma das mãos na cabeça, seu amigo preocupado perguntou se ele estava bem. Ele afirmou que sim mas na realidade ele estava começando a sentir mal.

- Eu sei que você não gosta de lembrar disso, mas pra resolvermos esse mistério você precisa ser forte. 

- Eu sei...mais alguma coisa?

- Sim, eu trouxe um pendrive com informações do possível assinante com foto. Quando você chegar em casa verifica o arquivo e me manda uma mensagem sobre o que você acha.

- Talvez eu consiga me lembrar do rosto dele. Muito obrigado Bucky. Mas e então, quem é o suspeito?

- Aldrich Killian.

♧♧♧

- Morgan? Já tá pronta?

- Sim papai!

- Então vamos.

Ambos saíram de casa em direção ao shopping. A Stark mais nova já tinha ideia do que comprar, uma casa de bonecas. Tony ainda trabalhava como astrônomo e ganhava muito bem. A caminhada estava bem tranquila junto da chuva porém Tony teve a estranha sensação de que alguém os seguia. A filha percebeu a inquietação do mesmo e ficou preocupada:

- Papai?

- Sim meu amor?

- Tá tudo bem? - Ela apertou a mãozinha com a dele e Tony sorriu com a ação. 

- Tô sim, não se preucipe tá bom?

- Tá.

Passou -se uns 10 minutos e eles chegaram no shopping, e no momento em que eles entram no local, a chuva começa a ficar forte.

"Ainda bem que eu fechei as janelas." pensou o moreno de forma aliviada. Ele sentiu o celular vibrando e viu que era uma mensagem do filho. Como a chuva tinha aumentado, Peter decidiu ficar na casa do amigo já que ela era mais próxima do parque. O pai concordou e guardou o celular. 

- Bem pequena, vamos ver a casa? 

- Vamos!

Saindo da entrada, eles começam a procurar lojas de brinquedo, na verdade nem era tão difícil de procurar já que tinha por todas as partes. Chegando em uma loja específica, Morgan deu um gritinho de alegria. Ela tinha achado a casinha perfeita.

- Essa papai!!

- Certo! Vamos. 

Ele entrou na loja e olhou o preço da casa, era um preço salgado de quinhentos dólares, mas valia à pena pela felicidade de sua pequena. Ele pegou a casa e levou até o caixa. 

Enquanto isso, Morgan estava vendo outros brinquedos. Ela olhou para fora e viu um homem de blusa preta com um capuz olhando para ela. Ele usava uma máscara que cobria o rosto todo e tinha o desenho de uma caveira e carregava um porta animal. De maneira inocente ela achou que era algum personagem da loja. Ela iria chamar o pai até que viu mascarado abrir a porta e tirar um coelho. A menina ficou encantada com animal e o homem percebeu isso. Ele foi se afastando de maneira leve fazendo um gesto para a garotinha o seguir.

- Aqui está senhor, a casa já vem junto com as bonecas. 

- Bem, pelo menos mimha filha também pode aproveitar.

- Com toda certeza...aliás, onde ela está?

- Bem ali vendo os brinqu-

Mas ela não estava ali. 

- Morgan?! MORGAN?!

♧♧♧

- E o que seu pai disse? - Perguntou o prateado totalmente jogado no chão chupando um pirulito.

- Ele concordou. - O acastanhado se encontrava na cama do amigo apenas aproveitando o barulho da chuva.

- Ele não perguntou nada sobre a dor no quadril?

- Não eu consegui disfarçar. Mas eu passei vergonha na rua porque eu fui mancando um pouco.

- Puta merda, de que tamanho era?

- Pelo amor de Deus Maximoff, sei lá eu nem prestei atenção nisso.

- Não prestou porque a boca já tava ocupada com ele né?

- ...

- A boca e o- 

- JÁ ENTENDI!!

O moreno jogou o travesseiro no amigo que apenas retrucou pegando o pirulito o chupando de maneira rápida fanzendo o Stark ficar vermelho, tanto de raiva quanto de vergonha. De repente, o Stark começou a ter um aperto no peito e colocou a mão no local. Maximoff ficou muito preocupado.

- Cara...tá tudo bem?

- Não...alguma coisa tá acontecendo...

- Com quem?!

- Com a minha família...

♧♧♧

- COMO QUER QUE EU ME ACALME?! 

Tony já estava com o coração à mil. A chuva estava forte demais e sua pequena primcesa estava desaparecida naquele shopping enorme! Como aquele guarda queria que ele ficasse calmo? 

- Vejam as câmeras por favor!

- Está bem senhor, permaneça em frente à loja.

O guarda se afasta e com informações da aparência da garota, ele chama os esforços dos outros vigilantes. Tony já estava à ponto de ter um colapso nervoso. Enquanto isso, a pequena Morgan estava na saída do shopping, ela seguia o mascarado que mantinha o coelho dentro da porta animal. As pessoas viam a cena mas pensavam que era apenas um pai fantasiado com sua filha o seguindo, na verdade, nem todos pensavam assim. O homem já se encontrava fora do prédio apenas esperando a garota sair. Ele abriu a porta mostrando o coelho, quando a garota ia sair correndo ela ouviu a voz de um homem lhe chamando:

- Ei pequena! 

Morgan se virou para o dono da voz dando de cara com um homem de belos olhos azuis lhe olhando de forma preocupada.

- Você conhece esse homem?

- Não...

- Ela é minha filha!

- Se ela é sua filha poderia me explicar o por quê dela não estar andando ao seu lado? Não faz sentido um pai ficar na frente do filho dando a chance de alguém o pegar...não é?

- Escuta aqui seu merdi-

- É melhor ter cuidado com o que vai dizer, se não quiser sair daqui com um olho roxo e com um braço quebrado é melhor me devolver a garota!

O mascarado começa a obsevar detalhadamente o rosto daquele homem, então um click aparece em sua mente. Era ele mesmo. 

- Você...sempre atrapalhando meus planos não é? Seu repórter de merda! - O sequestrador estava prestes a puxar uma arma, mas então viu dois guardas se aproximarem com duas pistolas em mãos e decidiu que era melhor fugir.

- Ainda vamos acertar as contas. - Como ele já estava do lado de fora, ele apenas apressou o passo e foi o mais rápido possível para o carro dele. 

- Coelhinho! 

Morgan foi até a porta e pegou o coelho, depois ela correu em direção ao rapaz que acabara de lhe salvar. Os guardas que estavam perseguindo o mascarado voltaram para o shopping com muita ira.

- Senhores? Sabem me informar quem é o pai desta pequena?

- Nos siga por favor.

♧♧♧

Tony se encontrava sentado em uma cadeira da sala do gerente. Ele estava falando com Peter.

- Filho eu não posso perder sua irmã! Não posso!

- Senhor Stark?

- Sim?

- Sua filha foi encontrada.

A aflição agora se havia transformado em alívio e felicidade.

- Acharam ela Peter! De-depois eu te ligo, agora você pode ficar mais tranquilo, bei-jos!

A voz ainda estava embargada. O choro veio muito mais ao ver sua menina entrando na sala segurando um coelho e sendo carregada por um rapaz loiro e por cima bem mais alto que ele.

- Morgan! 

Ele correu em direção à filha a carregando e tomando cuidado com a animal. Ele nem ligava pro fato dela estar com aquele coelho, apenas estava aliviado em saber que nada aconteceu com ela.

- Morgan H Stark! Nunca! Eu disse nunca mais faça isso! 

- Está bem... - A pequena já estava com as lágrimas caindo. Ele não gostava quando o pai falava naquele tom.

- Mas okay, já passou. - Deu um beijo na testa da pequena. - E você deve ser quem salvou minha filha certo?

- Exato senhor.

- Espera, eu te conheço de algum lugar...qual o seu nome.

- Steve Rogers. 

♧♧♧

Em um lugar muito distante, um carro se aproxima de uma espécie de prédio abandonado e ao estacionar o mascarado que havia conseguido escapar dos guardas sai do carro completamente irado:

- MALDITO ROGERS!! MALDITO!!! - Ele começou a bater no capô do carro. Se uma pessoa passasse por ali sem dúvidas ele já a teria socado de tanto ódio que estava sentindo naquele momento.

- É bom parar de fazer isso, não penso em te dar um carro novo. - Disse um homem com capuz vermelho saindo saindo de dentro do prédio.

- Argh!...sim senhor.

-Acredito eu que pela sua reação, sua missão falhou.

- Falhou! Porque aquele filho da puta bancou o herói! Como sempre fez!

- É melhor você começar a se controlar Rumlow, precisamos pensar em um plano. Que desta vez não vá falhar.

- Como se eu soubesse que aquele maldito iria aparecer. E eu ainda vou ter que escutar dquele outro.

- Sendo o mandante da missão, ele tem todo o direito de reclamar. Temos que pensar em tudo. Essas coisas devem ser planejadas de maneira fria. Como a vingança, que é algo que eu, você e temos em comum, não é mesmo?

- Sim...

O encapuzado apenas deu um sorriso psicopata e ficou olhando para o para vazio daquele lugar.

- Se prepare Rumlow...O Início do pesadelo deles vai começar...


Notas Finais


Finamente terminei! Muitos mistérios e surpresas ainda virão por aí.

É isto meus amores, até a próxima!

🌸🍒🌸


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...