1. Spirit Fanfics >
  2. One-shot: Meu Anjo Guardião. >
  3. Capítulo Único.

História One-shot: Meu Anjo Guardião. - Capítulo 1


Escrita por: MyloveDurm

Notas do Autor


Oi, oi!
Espero que gostem.

Capítulo 1 - Capítulo Único.


Fanfic / Fanfiction One-shot: Meu Anjo Guardião. - Capítulo 1 - Capítulo Único.

 A lua brilha ao céu, cercada por diversas estrelas, enfeitavam a noite silenciosamente. Já era tarde, poucas pessoas estavam andando na rua, até mesmo os cachorros evitavam latir ao menor ruído, era quase como se estivessem respeitando o momento de Jade, a dor e sofrimento era evidente, o respeito necessário.

     A cidade de Hamburgo sempre foi bela, independente da estação do ano, mas a noite dava um ar quase mágico, a imaginação de uma pessoa fértil seria capaz de criar as mais belas histórias de fantasia, apenas por apreciar a beleza do ambiente ao seu redor, mas a beleza da cidade, juntamente com o silêncio também poderia piorar ainda mais a dor de um coração perdido, como o de Jade.

     Andando sem rumo com seu longo e belo vestido de noivo, Jade segura a cauda de seu véu, que cheirava a jasmim, enquanto seu cabelo, delicadamente penteada e enfeitado com belas flores falsas nas cores rosa bebê e azul bebê, que também cheirava jasmim.

     A maquiagem começava a borrar, depois de tanto chorar era o de se esperar, o batom nude era o único que se mantia intacto, enquanto todo o resto começava a manchar o belo e delicado rosto de Jade. O rímel começava a irritar, por grudar os cílios toda vez que piscava. A sombra nos olhos provavelmente já deveria ter escorrido e deixado Jade parecendo um panda.

    Mas nada disto incomodava Jade e como poderia incomodar? Ficar com a maquiagem borrada não era nada se comparado à um coração despedaçado e servido em uma bandeja de ouro para os diversos convidados que havia ali estavam para ver o início de uma vida feliz, mas acabaram presenciando um evento traumático e vergonhoso.

    Jade não conseguia entender onde havia errado para merecer tal situação, o que teria feito para causar tanta falta de sorte a si mesmo? Será que foi uma pessoa cruel em uma vida anterior? Será que maltratou alguém? Será que é uma pessoa tão chata a ponto de ter que passar por uma situação tão constrangedora?

    Jade parou por alguns minutos para observar a natureza ao seu redor, era fim de outono e início do inverno, o vento gelado batia nos galhos praticamente secos das árvores, o que causaria arrepios em qualquer pessoa que andasse por um parque vazio nas altas horas da noite. Mas a alma e a mente de Jade se encontra tão longe, que nada chama a sua atenção, exceto a beleza exuberante da noite estrelada. Na mente de Jade, não havia nada mais belo que uma noite estrelada, a lua solitária é responsável por dar o toque mágico ao céu noturno, enquanto as estrelas funcionam como diversos piscas-piscas natalinos, mas 100% naturais e sem necessidade de energia elétrica.

    Mas desta vez, nem mesmo a grandeza do céu era capaz de alegrar um coração sofredor, nem mesmo uma estrela cadente seria capaz de melhorar o humor de Jade.

     Jade segurou a saia rodada do vestido de noiva e subiu na mureta da ponte. Só havia espaço suficiente para se manter em pé, qualquer passo em falso resultaria em uma queda muito feia em direção há uma água gelada e funda.

      As lágrimas inundam os olhos de Jade, ela mal conseguia enxergar um palmo a sua frente, algo parecia intalado em sua garganta, quando um soluço rouco se faz presente, Jade sente seu chão demosronar, a cada segundo a realidade ficava mais clara e dolorosa. Jade se entrega as lágrimas e sentia como todo a água do corpo estivesse virando lágrimas e a cada lágrimas seu corpo ficava mais e mais desidratado.

      Nada disto seria possível e Jade sabia disto, mas no momento precisava de desculpas, desculpas para acreditar na noite horrível que estava tendo. No pesadelo que a cada minuto se tornava mais e mais real.

      Que mau havia feito para merecer tamanha humilhação, que mau teria causado para merecer tanta dor?

    Com os olhos embaçados de tantas lágrimas, Jade segura firme a saia rodada do vestido de noiva e respira fundo olhando aos céus, ela fecha os olhos e conta até três antes de abrir os olhos e se preparar para dar um passo a frente.

-Eu não faria isto se fosse você.

     Jade se assusta e olha na direção da voz. Um homem loiro e alto a olhava enquanto estava parado no início da ponte. Estava escuro e ela não conseguia ver com detalhes quem seria aquele homem.

-A água está um gelo. -O homem anda lentamente em direção a Jade. 

-Não se aproxime. -Diz Jade com medo do estranho.

-Eu não irei te fazer mal algum. -O homem levanta as mãos. -Só estou tentando te impedir de fazer besteira.

-E por que faria isto? -Pergunta Jade desconfiada.

-Olha, eu nunca usei um vestido de noiva antes, mas acho que seja uma roupa muito cara e que não mereça ser estragada com esta água gelada. -O homem se aproxima do parapeito da ponte e se apoia, enquanto observa a água do rio correr lá embaixo. -Além que se estragar o vestido, vai ter que pagar uma multa bem cara.

-Eu não estou me importando com o vestido. -Diz Jade dando de ombros.

-E com o que está se importando? -Pergunta o homem ainda debruçado sobre o parapeito.

-Do que isto importa para você? -Pergunta Jade olhando para as estrelas.

-Apenas curiosidade. -Responde o homem olhando para Jade. -Só quero saber o que pode ter acontecido para alguém, com vestido de noiva, esteja prestes a se jogar de uma ponte, em direção a água quase que congelada.

-E o que isto mudaria na sua vida? -Pergunta Jade.

-Provavelmente nada. -O homem dar de ombros. -Mas a sua mudaria completamente.

-É isto que eu pretendo. -Diz Jade com os olhos voltando a se encherem de lágrimas. 

-Eu não acho que se jogar da ponte.é a solução do problema. -Diz o homem lentamente deslizando na direção de Jade.

-E quem lhe disse que eu tenho um problema? -Jade olha na direção do homem, que disfarça que estava se aproximando dela.

-Bom, ninguém levanta no meio da noite e transbordando de alegria pensa em ir pular da ponte. -O homem olha para Jade. - Ah, eu fiquei milionário, para comemorar vou até o centro e pular da ponte. -Diz o homem como se estivesse encenando uma peça de teatro. -Não faria sentido.

-Você também está aqui. -Jade olha para baixo e consegue ver os brilhos das estrelas refletidos na água. -Por que veio para o lago tão tarde da noite?

-Na verdade, estou indo para casa. -O homem continua com os braços apoiados sobre o concreto de proteção da ponte e lentamente desliza os pés para se aproximar de Jade. -Eu estou saindo de uma reunião de trabalho, resolvir vir pelo parque para cortar caminho. -O homem olha para Jade sorrir. -Você não imagina o susto que eu levei quando te avistei, achei que era uma assombração, a noiva assassina ou algo assim. -Brinca.

-Eu estou tão horrível assim? -Jade abre um sorriso involutário e passa as mãos sobre o rosto para tentar amenizar a maquiagem borrada.

-Você não ganharia o Miss Universo com esta aparência, isto é certeza, mas se seu vestido estivesse um pouco mais velho e rasgado com certeza seria chamada para fazer o clipe Thriller do Michael Jackson. -Responde o homem enquanto encena rapidamente a coreografia da música. -Sabe dançar?

-Eu sou uma péssima dançarina. -Responde Jade fazendo uma careta.

-Então temos um problema. -O homem coloca a mão direita sobre a boca como se estivesse pensando em algo. -Precisamos pensar em outro emprego para você. Que tal aquele filme Beetlejuice?

     A mulher não consegue se conter e começa a rir, a situação a qual se encontra não poderia ser mais aleatória que isto, estava prestes a se jogar da ponte e acabar com seu sofrimento quando um estranho aparece do nada e começa a fazê-la rir.

-Não acho que eu tenho talento para atuação. -Responde Jade olhando para o céu noturno. -Acho, que na verdade, eu não tenho nenhum talento. -Diz melancólica.

-Mas é claro que tem, você só não está se dando o devido valor. -Diz o homem com a voz tranquila.

-Ninguém me dar valor. -Jade se debrulha em lágrimas, sem mais conseguir se controlar.

-O mundo está cheio de pessoas idiotas, que passam o dia apenas pensando em como destruir a alegria dos outros. Se a gente for dar atenção a eles, sempre estaremos infelizes. -O homem já está perto o suficiente para segurar Jade, mas ainda não encontrou o momento certo. -Nós temos que dar valor a nós mesmo, senão ninguém vai dar.

     Jade não percebeu a proximidade do homem e alheia a isto continua com o rosto escondido entre as mãos enquanto desata em lágrimas. Hoje era para ser uns dos dias mais felizes da sua vida, uma noite bela e inesquecível, mas agora, a única coisa que quer é pular de véu e grinalda sobre a água gelada de Hamburgo.

-Oh céus, me perdoa. -Jade abre os braços e olha para a lua.

    Quando ela tenta dar o primeiro passo a frente, o homem é mais rápido e a segura pelas pernas, com muita dificuldade devido a saia rodada do vestido de casamento, ele a puxa para trás e consegue fazer com que ela caia em segurança sobre os seus braços. Com a noiva firme em seus braços, os dois trocam olhares, é a primeira vez que conseguem ter um contato visual tão nítido, a luz do poste próximo recai perfeitamente sobre os dois, sendo possível a visualização perfeita do rosto um do outro.

     O homem tem o rosto levemente arredondado, com cabelo loiro de tamanho médio e franjinha, e um par de olhos azuis encantadores. Já a noiva é dona de um belo par de olhos verdes, com a pele mais bronzeada do que o seu salvador e algumas sardas que tentara esconder com a maquiagem, os cabelos negros, antes em um belo penteado, agora estão bagunçados sobre o rosto da noiva.

-Esqueça o que eu disse sobre ser uma assombração. -Diz o homem encantado com a beleza da mulher.

-Quem é você? -Pergunta Jade ainda nos braços do homem.

-Eu me chamo Michael Kiske. -O homem sorrir e coloca Jade no chão. -É um prazer te conhecer...

-Jade, Jade Kreger. -Jade ajeita o vestido de noiva. -Obrigada, eu acho. 

-Você quer ir beber alguma coisa comigo? -Pergunta Kiske colocando as mãos no bolso da jaqueta jeans. -Conheço uma lanchonete que fica aberta até tarde, eles tem uma variedade incrível de pretzel.

    Jade olha fixamente para o homem a sua frente, ele aparentava ser simpático, mas ela se sentia derrotada e não seria uma boa companhia, além do fato que devia está com uma apresentação horrível.

-Eu não estou apresentável. -Diz Jade ajeitando o véu sobre a cabeça.

-É só lavar o rosto. -Kiske dar de ombros. -E outra, com você vestida deste jeito, é certeza que vamos conseguir sobremesa grátis. -Rir ao apontar o vestido de noiva.

-E você vai se passar por meu noivo? -Pergunta Jade dando um sorriso choroso.

-Por que? -Kiske olha para si mesmo e faz uma pose engraçada. -Eu não pareço um noivo para você?

     Kiske usa uma blusa simples preta com uma jaqueta jeans por cima e uma calça vermelha com alguns detalhes pretos e um coturno nos pés.

-Só se você for um noivo que foi pego de surpresa. -Responde Jade rindo.

-Sou um noivo contemporâneo. -Diz Kiske passando a mão sobre a franja loira. -Estou criando tendências. -Ele coloca as mãos no bolso da jaqueta. -Mas vai comigo ou não? Te garanto que não vai se arrepender. Afinal não posso estragar ainda mais a sua noite. -Kiske diz sem pensar e se arrepende no momento que percebe a mancada que deu. -Me desculpa, eu não falei por mal.

-Tá tudo bem. -Jade coloca a mão sobre o cabelo e tira o véu que cobria parcialmente o seu rosto. -Você tem razão. -Ela dobra o véu e segura firme sobre o peito. -Onde iremos?

      Michael Kiske sorrir e guia Jade até a sua lanchonete favorita, a mesma estava vazia, exceto pelos funcionários, enquanto Kiske faz os pedidos, Jade vai até o banheiro lavar o rosto. Quando ela volta, Kiske já escolheu uma mesa próxima a janela.

     Kiske se surpreende quando Jade aparece a sua frente, o rosto agora sem maquiagem, mostra a beleza natural de Jade, além de deixar bem evidente as sardas espalhadas pelo nariz e maçã do rosto. Ela sorrir e senta em frente a Kiske.

-O melhor pretzel da cidade. -Kiske empurra uma cesta com o lanche em direção a Jade.

-Obrigada. -Jade ajeita o longo vestido para ficar mais a vontade. -Se quer um conselho, quando for se casar, nunca escolha um vestido tão rodado, é horrível para se sentar. -Diz Jade irritada com o próprio vestido de noiva.

-Irei me lembrar disto. -Kiske entrega um copo de café com leite para Jade.

       Os dois ficam alguns segundos em silêncio, apenas saboreando os pretzels, não havia necessidade de puxar assunto, estavam confortável assim, dando tempo um para o outro, o silêncio não era um incomodo. 

     Jade observava as estrelas, sempre tentou encontrar as constelações que via nos livros, mas nunca conseguiu encontrar nenhum, talvez apenas pessoas abençoadas podiam ver nítidamente as estrelas. Kiske percebendo a devoção da jovem nas estrelas, sorrir.

-Consegue ver a Ursa Maior? -Pergunta Kiske.

-Não. -Responde Jade envergonhada.

-Tudo que precisa para ver uma constelação é usar a imaginação. -Kiske aponta para uma estrela e depois outra e depois outras. -Você encontra o contorno e o resto basta apenas imaginar.

-Acho que pessoas como eu, nasceram sem o dom de apreciar algo tão puro e belo. -Diz Jade tentando ver a Ursa Maior.

-Bobagem, todos podem ver. -Kiske sorrir. -Você precisa acreditar em si mesmo.

-Para ver as estrelas ou para tudo? -Pergunta Jade desviando os olhos das estrelas para olhar para Kiske.

-Para tudo na sua vida. -Kiske sorrir e dar uma boa mordida em seu pretzel. -A gente precisa ver além do que os olhos conseguem enxergar. Precisamos enxergar com a alma. Precisamos ver as coisas sem colocar dificuldades.

-Ás vezes é difícil, a vida dar cada rasteira na gente. -Diz Jade pegando um guardanapo para limpar os lábios. -No atual momento, não acredito em nada, nem em mim mesmo. -Jade passa os dedos sobre o bordado do vestido de noiva.

-O que aconteceu? -Pergunta Kiske olhando fixamente para Jade.

-A noite que era para ser de alegria, se transformou em um pesadelo. -Jade evita olhar para Kiske. -Além de ser abandonada no altar, ainda fui humilhada pela a família do meu noivo. -Jade olha para a janela. -Ex noivo no caso.

-Veja o lado bom da situação. Com certeza se livrou de um grande mala que só ia trazer problema a sua vida. -Kiske sorrir, para confortar Jade.

-Obrigada. -Ela olha para Kiske e sorrir.

-Não por isto. -Diz Kiske.

       Depois que os dois terminam de beber seus respectivos café e de limpar a cesta de pretzel, Kiske levanta a mão para chamar a atenção do funcionário.

-Acho que merecemos uma sobremesa grátis. -Kiske aponta para ele e depois para a Jade. -Nós acabamos de casar.

-Você não conseguiria casar com uma mulher bonita assim nunca. -Diz o funcionário chorando de tanto rir. 

-Isto que dar ser amigo dos funcionários. -Diz Kiske revirando os olhos. -Nunca respeitam a gente.

     Jade começa a rir junto com Kiske e o funcionário da lanchonete. O garçom acaba trazendo dois bombons e entregando para Jade e para Kiske.

-Só estou dando por causa dela. -Diz o garçom olhando para Kiske. 

-Se eu trouxer a Jade mais vezes,vou ganhar mais bombons deste? -Pergunta Kiske desembrulhando o bombom.

-Ela sim, você não. -Responde o garçom se distanciando.

-Vê se pode isto, crescemos juntos e assim que ele me trata. -Kiske dar uma mordida em seu bombom.

-Eu não tiro a razão dele. -Jade abre um grande sorriso. -Você quer se aproveitar da minha companhia apenas para ganhar sobremesa grátis. -Jade revira os olhos.

-Agora você vai ver ter uma imagem errada de mim. -Diz Kiske preocupado.

-Mas eu já tenho. -Jade começa a rir - Quem em sã consciência fica andando tão tarde da noite? 

-Posso te fazer a mesma pergunta. -Rebate Kiske. 

-Gosto de me vestir de noiva e andar na rua a noite. -Jade dar de ombros. -Para assustar as pessoas.

-Na próxima vez avisa, eu quase tive um ataque cardíaco. -Diz Kiske com as mãos sobre o peito.

-Só faço isto nas noites de lua cheia. -Brinca Jade.

-Eu também fazia isto, maa eu virava lobisomem. -Diz Kiske entrando na brincadeira.

      Quando estavam indo embora, Kiske foi até o caixa pagar, Jade se ofereceu para dividir a conta, mas logo se deu conta que não estava com sua carteira, afinal estava usando um vestido de noiva. Então Kiske disse que ela podia pagar a conta em uma próxima oportunidade e ele daria a desculpa de ter esquecido a carteira.

     Quando foram sair da lanchonete, Kiske a ajudou com a cauda do vestido, enquanto ela carregava o véu.

-Estes vestidos realmente não são nadas práticos. -Diz Kiske soltando a cauda.

-Mas são bonitos. -Diz Jade rodopiando levemente. -Fiz um belo ensaio fotográfico na prévia do casamento.

      Os dois se olham, olhos no olhos, sem saber o que dizer ou fazer em seguida, iria se despedir ou arranjar uma desculpa para passar mais algum tempo juntos?

-Obrigada pela noite. -Diz Jade envergonhada. -Se não fosse você, eu teria pulado daquela ponte.

-Não agradeça, não por isto. -Kiske coloca as mãos nos bolsos da jaqueta. -Só espero que tenha entedido que a vida ainda vale a pena. Você tem muita coisa para ver e viver ainda.

-Obrigada, de coração. -Jade deposita um beijo demorado na bochecha de Kiske. -Nunca irei saber retribuir.

-Basta ficar bem. -Diz Kiske envergonhado com o beijo. -E venha até mim sempre que precisar, nunca lhe deixarei para trás.

      Jade conseguia sentir que ele não estava falando aquilo apenas por falar, ele realmente estava se dispondo a ajudar uma completamente desconhecida, uma mulher que quase acabou com tudo ao tentar se jogar de uma ponte. Ela sorriu, feliz por saber que a vida pode ser mais simples do que realmente planejamos. Sua noite havia sido arruinada, se encontrava desamparada, quando um desconhecido de bom coração a abordou e sem pedir nada em troca a ajudou a perceber que aquilo não era o fim, que na verdade é um novo começo.

-E você também, pode me procurar sempre que precisar. Meu número está na lista telefônica, Jade Kreger. -Jade abre um grande sorriso.

-Eu também estou na lista telefônica, Michael Kiske. -Kiske passa a mão sobre o cabelo. -Mas pode me encontrar mais facilmente em shows de uma banda chamada Helloween.

-Eu sei. -Jade sorrir.

-Como você...

-Eu conheço a banda. -Diz Jade o interrompendo.

-E por que não disse nada antes? -Pergunta Kiske confuso.

-Para você me achar mais maluca do que realmente sou? -Pergunta Jade rindo. -Além de me achar uma louca de vestida de noiva que ia pular da ponte, não precisava achar que sou uma fã louca também. -Jade dar de ombros. -Afinal, é a primeira impressão que fica e convenhamos que a minha apresentação não foi das melhores.

-Tá tudo bem. -Kiske sorrir para Jade. -Mas caso queira mudar sua primeira impressão, saiba que eu gosto muito de vinhos e queijo.

-Irei me lembrar disto. -Jade acena sorridente.

       Os dois se despedem e combinam de manter contato sempre que possível. Foram em direção oposta, Kiske com as mãos no bolso da jaqueta e Jade com o véu em mãos. Nas extremidades da rua, os dois olham para trás e sorriam ao perceber que ambos fizeram a mesma coisa, eles acenam sorridentes, a luz da lua acompanhado do brilho das estrelas, com os corações leves de preocupações e um sentimento desconhecido surgindo entre eles, com direito a borboletas no estômago e um leve formigamento nas mãos.


Notas Finais


Obrigada por ler e comentar!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...