História One Shots - Alren - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Lauren Jauregui
Tags Alren
Visualizações 79
Palavras 2.270
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - 3. The gifted ones (Parte 1)


Fanfic / Fanfiction One Shots - Alren - Capítulo 3 - 3. The gifted ones (Parte 1)

- Sejam bem vindas ao Instituto Cowell para Super Dotados. - disse a mulher com um sorriso simpático irritante aos olhos de Lauren. Nada contra simpatia, a morena apenas estava de mal humor. - Como disse anteriormente, me chamo Demi Lovato e sou coordenadora do Instituto, em breve serão apresentadas a seu diretor, Dr Cowell. Logo conhecerão o campus e serão levadas à suas acomodações.

-Uh... - Lauren levantou a mão. - Será que poderia explicar um pouco melhor sobre o que é esse lugar? - perguntou um pouco impaciente, realmente não queria estar ali. 

A mulher sorriu. - Claro, senhorita Jauregui. Tenha paciência. O Instituto funciona como abrigo e escola para pessoas com dons especiais, como é o caso de vocês. Seus pais as deixaram aqui pois sabem que estarão seguras conosco. 

Lauren revirou os olhos. - Ou querem se livrar da responsabilidade. 

- Lauren! - Camila, que estava sentada numa cadeira ao lado de Lauren, a repreendeu. 

- O que foi? É verdade. Eles nos deixaram aqui na primeira oportunidade que tiveram, nem ao menos sabemos o que são os nossos dons direito. - Lauren pausou e riu amargurada.- "Dons". Eu chamaria de maldição. - disse triste. 

A senhorita Lovato fez uma expressão compreensiva. 

- Seus pais sabem o que é melhor para vocês. Acredite, acontece com quase todos: os primeiros sinais de poderes aparecem, e você fica confuso, aterrorizado, se sentindo fora de controle. Estão aqui para aprenderem a aceitar e controlar seus dons, de forma positiva para que não se machuquem ou machuquem outras pessoas. Acreditem, estão em boas mãos, e ninguém aqui irá julgar vocês. 

Camila segurou a mão de Lauren e apertou de leve, sorrindo. 

- Vai ficar tudo bem, Lauren. Essa é a nossa chance de recomeçar, sem receber olhares na escola, por exemplo. 

Lauren concordou hesitante, não queria desanimar a amiga. 

- Bom, sem mais delongas, a senhorita Brooke irá levá-las para uma tour pelo campus. - anunciou Demi, abrindo a porta da coordenação, por onde pouco tempo depois entrou uma garota. 

Lauren a analisou com o olhar: cabelos castanhos com mecha loiras, estatura baixa, pele bronzeada. À primeira vista parecia uma garota frágil, mas possuia uma postura confiante e calma. Lauren se perguntava qual seria seu dom. 

- Allyson Brooke. - disse Lovato- Essas são Camila Cabello e Lauren Jauregui. 

- Podem me chamar de Ally. - disse a garota. - E quais são os seus dons? 

- Er, eu posso mover coisas... Com a mente, eu acho...- Lauren respondeu incerta. 

- A senhorita Jauregui possui telecinese. Enquanto Cabello pode alterar a estrutura molecular de seu organismo e elementos a sua volta, com contato. Podendo assim, digamos, atravessar paredes. 

- Impressionante. - Ally sorriu para as duas. - É um prazer conhecê-las. Então, vamos começar a olhar em volta? 

As garotas assentiram. 

- Srta Lovato, poderia arranjar um guarda chuva para as duas? 

- Tá ensolarado lá fora. - respondeu Lauren confusa. - Não vamos precisar. 

- Acredite, vão sim. - respondeu Ally com o semblante calmo. 

- Tanto faz. - Lauren deu de ombros, sua frustração era visível. 

Com sua gentileza e empatia, Ally se aproximou da garota e pôs uma mão em seu ombro. 

- Sei que pode achar que está numa prisão ou que não irá se encaixar aqui. - disse compreensiva. - Mas acredite, ficará tudo bem. 

Mesmo um pouco contrariada, Lauren sorriu em agradecimento para a garota, tocada pelo gesto. 

- Vamos? - Ally prosseguiu, sendo seguida pelas garotas. 

- A propósito, qual o seu poder? - perguntou Camila antes que Lauren o fizesse. 

Ally virou para as duas.

- Eu sou vidente 
...... 

As coisas não estavam tão bem no momento. 

Havia se passado um ano desde que Lauren e Camila entraram para o Instituto. Neste meio tempo, as duas aprenderam a controlar seus poderes de forma fascinante e estavam mais confortáveis vivendo na escola do que sentiam em suas próprias casas. 

Lauren havia se aproximado bastante de Ally no último ano, visto que a garota era sua tutora. As duas se importavam uma com a outra, Lauren se sentia calma e segura em sua companhia, além de aprender bastante com a mais velha. Já Ally gostava da confiança e força de Lauren, que havia mostrado um excelente desempenho, espírito de liderança e, o mais importante, um coração bondoso. Sempre que chegava ao final de uma semana cansativa, as duas se encontravam para comer doces, observar as estrelas e contar coisas sobre seu passado. Ally aprendeu sobre a relação turbulenta de Lauren com sua família, e como tudo piorou depois que seus dons se revelaram. Assim como a morena ouviu a história de como Ally se sentiu apavorada quando as visões começaram a aparecer, e sobre sua família conservadora tê-la internado em um hospital psiquiátrico, achando que estava louca. 

Lauren logo percebeu que todos naquele instituto tinham um passado, uma história de sofrimento por trás de seus dons. Mas que eram ótimas pessoas, e pela primeira vez se sentiu bem vinda em seu lar. 

Mas no momento, a sociedade se encontrava em conflito. Algumas pessoas, ou a maioria, era contra a livre circulação de super dotados nas ruas, clamando que eram perigosos demais para a convivência em sociedade. O pior de tudo, era que a grande parte dos governantes concordavam com essa opinião, fazendo com que a política fosse 80% contra aquele grupo de pessoas.

Lauren encarava o teto de seu dormitório pensando em toda aquela situação, não conseguia dormir. Já não podia andar livremente na rua sem receber olhares de desdém, nojo e o pior de todos, medo. Antes, Lauren ficava com raiva de tudo aquilo. Mas hoje, a garota sentia mais tristeza do que fúria, não era para ser assim, não era justo haver toda aquela segregação e preconceito contra as pessoas de sua... Espécie? Raça? Já nem sabia como qualificar a si mesma e seu povo. 

Depois de um tempo encarando a escuridão, decidiu parar de pensar naquilo, fechando os olhos. Era melhor tentar dormir, apesar do leve som de roncos de sua colega de quarto, Camila. Lauren sorriu. Era bom ter a amiga por perto.
Quando estava quase pegando no sono, outro som além do ronco invadiu sua cabeça. Lauren distinguiu como sendo a voz de Normani, sua boa amiga que por acaso possuía o dom da telepatia.

- Lauren... Está acordada? - ouviu a voz baixinha no fundo de sua mente.

Normani, além de conseguir ler mentes e sentir sentimentos alheios, era capaz de se comunicar com as pessoas dentro de sua cabeça, se estivesse em uma curta distância. Neste caso, o dormitório da garota ficava a dois quartos de distância do de Lauren.

- Sim... - Lauren respondeu com seu pensamento. Aquilo ainda era uma experiência estranha, a morena nunca iria se acostumar. - Por quê? Tá tudo bem? - estranhou o tom de voz meio preocupado da amiga.
- Eu não sei. Estou ouvindo coisas estranhas vindas da cabeça de Ally.

Lauren se endireitou na cama ao ouvir o nome da garota. 
- Que tipo de coisa? 
- Eu não sei, Lauren, acho que ela está tendo um pesadelo. - disse Mani. - Mas é algo forte, invadiu minha mente involuntariamente enquanto eu estava dormindo. Não acha melhor subirmos e ver se ela está bem? - perguntou.

O quarto de Ally ficava logo acima do de Normani, no pavimento superior, tornando fácil o alcance de seus pensamentos. A garota não tinha uma colega de quarto, por ser veterana e ter funções no instituto, possuía um quarto só para si. 
 

- Te encontro no final do corredor em 2 minutos. - disse Lauren, empurrando os cobertores de cima de seu corpo e pulando da cama. 
Rapidamente se calçou e vestiu um roupão de pijamas, saindo depressa do quarto, com cuidado para não acordar Camila. 
 

- O que exatamente você ouviu? - perguntou para Normani assim que a encontrou no corredor, as duas imediatamente indo em direção às escadas. 

- É estranho, não consigo entender nada dessa vez. É como se fosse um rádio mal sintonizado, não dá pra distinguir os ruídos. - respondeu Mani, se apressando para acompanhar os passos de Lauren. 
 

Quando chegaram no quarto, após Lauren usar sua telecinese para destrancar a porta, se aproximaram da cama de Ally. A garota estava se mexendo bastante na cama, o suor frio era visível em sua testa e murmurava coisas sem sentido, claramente estava tendo um pesadelo.

Normani pôs uma mão na testa de Ally, fechando os olhos. Lauren assistiu seu rosto pacífico mudar para uma expressão assustada, a garota retirou sua mão depressa. 

- Lauren, seja lá o que Ally está sonhando, está a atormentando profundamente. É uma onda de pensamento muito forte, não consigo distinguir, mas posso sentir. - Normani pôs a mão no peito. - Ela está muito angustiada, precisa acordá-la!

Lauren mal terminou de ouvir e já estava com suas mãos nos ombros de Ally. 

- Ally, acorda! - sacudiu seus ombros de leve no princípio, para não assustar ainda mais a garota, mas quando Ally começou a lutar em seus braços, a morena fez o possível para acordá-la mais rápido.- Ally, você precisa acordar, agora! 

A garota abriu os olhos e quase pulou da cama. Lauren notou que ela estava trêmula, e confusa, respirando fundo. 

- Tá tudo bem. Estamos aqui com você. - Lauren fez um carinho em seu braço, tentando acalmá-la. - Você teve um pesadelo, mas já passou. 

Ally imediatamente negou com a cabeça, ainda ofegante. 

- Não. Não, Lauren, isso foi diferente. E-Eu não consigo explicar, eu... 

- Calma. - Lauren interrompeu, gentilmente. - Respira. O que você viu? 

- Sinto que algo ruim está prestes a acontecer. - Ally encarou as duas garotas, com o semblante preocupado. - Eu acho que uma guerra está vindo. 

-G-Guerra? - perguntou Lauren, não esperando aquela resposta. - Tipo entre super potências, ou... - deixou suas palavras no ar, percebendo o que poderia ser. - Nós... 

- Temos que mudar. - Ally interrompeu. - Temos que mudar, não podemos deixar isso acontecer. Não estamos preparados. Isso... Isso não pode acontecer. - repetia as palavras. 

Aquilo era algo incomum. Ally era uma pessoa calma e contida, raramente perdia a conpostura. Vê-la com tanta dificuldade para organizar seus pensamentos e formar uma frase fez Lauren perceber a gravidade da situação. 

Mas no momento o que precisava fazer era acalmar a garota. 

- Ally, fique calma. O futuro muda o tempo todo, certo? Seja lá o que você viu, podemos mudar.- mesmo não tendo certeza do que estava se passando pela cabeça da vidente, Lauren fez o melhor para tentar distraí-la.- Sei que está se sentindo angustiada, mas você precisa descansar e amanhã de manhã falaremos com o diretor Cowell sobre isso, que tal? 

Ally pareceu relutante em concordar, então Lauren continuou:

- Eu vou dormir aqui com você, ficar em estado de alerta. Se acontecer qualquer coisa fora do normal, agiremos depressa. 
Depois de hesitar um pouco, Ally acabou cedendo. Normani deu boa noite para as duas e voltou para seu quarto, enquanto Lauren se ajustava para dividir a cama com a vidente. 

Contato físico não era algo novo para as duas. Toda vez que algo ruim acontecia com uma, a outra a consolava, com abraços, carinhos e palavras de conforto. Geralmente, Ally fazia esse papel, já que Lauren tinha mais dificuldades para lidar com várias situações, enquanto a mais velha se mostrava mais madura e experiente. 

Dessa vez era diferente.

Lauren se deitou e puxou Ally para si, a envolvendo em seus braços. A menor deitou a cabeça em seu ombro, e Lauren passou um braço por sua cintura. 

Apesar do calor confortável provido pelo contato, Lauren sentia que Ally ainda estava tensa. 

- Você está bem? - sussurrou. 

- Dor de cabeça. - murmurou de volta. - As imagens, não me deixam em paz.- Ally se referiu ao pesadelo ou visão. 

Lauren beijou sua testa.

- Já te contei sobre a pegadinha que preguei no professor de química? - Lauren começou. Sabia que se queria distrair os pensamentos de Ally, a melhor coisa era contar uma história engraçada de seu passado. Ally adorava ouvir sobre as coisas que Lauren aprontava, e a morena esperava que aquele monólogo a ajudasse a pegar no sono. - Então, ele passou um trabalho sobre experimentos com frutas amadurecidas... 

.....

Lauren acordou no meio da noite com uma sensação estranha. Algo estava diferente no ar, mas não sabia o quê. Quando pensou em acordar Ally, a mesma acordou abruptamente, sentando-se na cama, pondo uma mão na cabeça. 

-Ally, você tá.... 

- Eles estão aqui. - disse rápido, virando o pescoço para encarar Lauren com uma expressão assustada. - Lauren, o instituto será atacado em 2 minutos. Precisamos avisar a todos. 

Antes que que Lauren tivesse tempo de digerir aquela informação, foi surpreendida por Camila que atravessou a parede do quarto de mãos dadas com Normani e Dinah. 

- Okay, o que está acontecendo? - perguntou a Latina. 

- Eu não pude deixar de sentir, Ally. - se explicou Normani. - chamei Camila e Dinah. 

- É melhor ser importante, não gosto de ser acordada. - reclamou Dinah, bocejando. 

- Acredite, a situação é grave. - Mani afirmou. - Nunca senti tanta preocupação vinda de Ally. 

- Você disse que o Instituto será atacado. - Lauren virou pra Ally. - O que... 

- Gente... - Camila interrompeu, apontando para fora da janela. - Será que tudo isso tem a ver com aquelas vans pretas invadindo o gramado da escola?

- Temos que sair daqui. - disse Ally. - Agora! 
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...