1. Spirit Fanfics >
  2. One Shots - Camren >
  3. Dear Mr. President

História One Shots - Camren - Capítulo 20


Escrita por:


Notas do Autor


Tô orgulhosa desse cap, ninguém me toque

Capítulo 20 - Dear Mr. President


Para Camila ter que lidar com tantos eventos públicos era um verdadeiro saco. Sabia que fazia parte da sua vida como primeira-dama da França, escolheu se casar com Jean por amor, mas não imaginava que seu esposo fosse chegar tão longe na vida política, se orgulhava até certo ponto, até quando ele deixou vir à tona um lado de sua personalidade que era desconhecida até mesmo pela esposa, mesmo depois de 12 anos juntos. A ganância de Jean fez o seu casamento com Camila afundar, para ele só importava o dinheiro e o poder. Camila não sabe em que momento exato começaram a se perder, mas sabe quando se reencontrou, quando ela assumiu a chefia de sua segurança pessoal: Lauren Jauregui.

- Me chamou, primeira-dama?

Lauren abriu a porta do escritório de Camila se posicionando de forma ereta, enquanto a menor fez um sinal com a mão para que ela entrasse e fechasse a porta sem olhar para ela ainda, preferiu terminar a leitura e assinar o documento pendente que seu marido deixou sobre a compra de uma casa no campo. A segurança apenas fechou o objeto atrás de si e aguardou sua chefe terminar o que fazia. Camila se levantou com calma vindo para frente da mesa, encostando ali e tirando os óculos de grau deixando em cima do objeto de madeira.

- Se aproxime, Lauren. - assim a de olhos verdes fez. - Preciso que me leve a um lugar hoje.

- Qualquer um, senhora. - Lauren tinha as mãos para trás. - Para onde deseja ir?

Camila sentou calmamente na mesa, cruzou a perna por cima da outra, elevou sua saia social até o meio da coxa e com total voracidade segurou a mulher à sua frente pelo terno a puxando para si assustando a própria Lauren que arregalou os olhos e como reflexo segurou os pulsos de Camila com as mãos. Sem o menor pudor a primeira-dama passou a língua na boca da sua guarda-costas de baixo para cima da forma mais sexual possível e percebeu que isso a afetou já que ela fechou os olhos tentando se conter. Como se não bastasse Camila completou com um sussurro.

- Para sua cama. Hoje eu quero que você me coma até eu implorar para você parar.

- Você está louca?! - Lauren tentava se desvencilhar do corpo da amante sem sucesso. - Jean pode chegar.

- Foda-se Jean. Você sabe o quanto me excita esse tipo de situação. Vai dizer que a você não?

- Não se trata disso, se trata do que pode chegar a acontecer com você. Não sei o que seu marido seria capaz de fazer se soubesse que estamos juntas debaixo do nariz dele há dois anos.

Camila ignorou qualquer tipo de preocupação vinda da parte de sua amante, apenas voltou a maltratá-la deixando beijos no seu pescoço, mordidas na ponta da sua orelha e as próprias pernas abertas para que ela se encaixasse melhor entre o seu corpo.

- Fala pra mim que você não gosta disso tudo.

- Camila... me deixe sair, mais tarde ficamos juntas.

- Fala. - Camila levou as mãos de Lauren até sua bunda. - Duvido que você não goste.

Lauren praticamente rosnou, ela fazia de propósito, sabia que aquela parte do corpo a deixava louca.

- Inferno de mulher! Eu adoro essas coisas e adoro você.

Os lábios das duas se reencontraram pela primeira vez naquele dia. Pode parecer exagero, mas para elas ficar sem trocar um beijo sequer durante um dia era torturante já que passavam mais da metade do dia juntas, grudadas. As mãos de Lauren trabalhavam com precisão nas nádegas de Camila, ela sabia que já estava descabelada devido a forma como os dedos da menor infiltravam seus fios ondulados. Ambas estavam com a calcinha molhada denunciando o que se passava nos seus corpos. Era difícil ter que parar naquela hora, mas tinham consciência de que brincar com fogo era maravilhoso, mas pôr incêndio no prédio dessa forma não seria amigável, principalmente para Camila.

- Eu amo tanto você, meu amor.

A primeira-dama surpreendeu sua subalterna antes de deixar um selinho longo e amoroso. Lauren por sua vez carregava um brilho nos olhos e deu um beijo no dorso da mão daquela mulher.

- Eu te amo cada vez mais. Tenho a impressão de que vou explodir sempre que vejo ele tocar a sua cintura mesmo que sem segunda intenção alguma.

- Ele não significa nada para mim, Lo.

- Mas dorme com você todos os dias. E te toca. Te beija. Te tem. - ela falava com certa ânsia no tom de voz.

- Não como você.

- Camila, não é fácil para mim saber que esse cara faz de tudo contigo, certo? Mesmo que ele seja o seu marido.

- Eu sei. - Camila pulou da mesa ficando de pé e abraçou Lauren. - Eu só preciso que aguente mais um pouco, até ele voltar, eu vou pedir o divórcio.

- Eu não estou te pedindo isso, você sabe. Não quero ter essa responsabilidade, mesmo que tudo que eu queira nessa vida seja ter você só para mim.

- Eu sei. Você nunca me cobrou nada, mas eu amo você. Quero construir minha vida com você. Não faz sentido manter esse casamento por questões políticas ou mera comodidade.

- Só quero que saiba que eu fico com você da forma que for, mesmo não sendo fácil, você se tornou um pedaço de mim.

- E você de mim. Só tenha mais um pouco de paciência que eu vou ser só sua e vou te mostrar isso a partir de hoje à noite, quando estivermos sozinhas.

- Mal posso esperar.

- Eu que mal posso esperar. Estou morrendo de saudades do seu gosto, da sua boca, das suas mãos.

- Pare com isso, Camz! Já estou excitada demais e preciso sair daqui, tem gente lá fora me esperando.

- Eu sei. E você tem que sair mesmo, mas não consigo me controlar estando tão perto.

Lauren se afastou abruptamente arrancando uma gargalhada de Camila.

- Melhor eu ir.

- Para de ser besta, Lauren. - a segurança riu. - Mas vá, depois conversamos.

- Com toda certeza, primeira-dama.

Lauren assentiu sorrindo sem deixar de jogar um olhar sem vergonha para o corpo da chefe que fez Camila se arrepiar, voltou a chegar perto deixando um beijo rápido e suficientemente erótico na boca da mulher que amava. Logo depois saiu do escritório dela voltando a se posicionar do lado de fora até o momento que ela saísse e fosse a outro local.

O meio da madrugada veio e com ela a ansiedade de ambas parecia estar ainda maior. De um lado na suíte imensa Camila colocava o seu roupão se preparando para ir em direção ao quarto de Lauren, que por outro lado estava prestes a fazer um buraco no chão de tanto que andava de um lado para o outro. A situação parecia estar insustentável, já que o pouco que tinham uma da outra se tornou insuficiente. As batidas leves vierem na porta, o coração de Lauren disparou no mesmo instante, era ela, finalmente. Nem se conteve em correr para abrir a porta, embora fosse quase impossível alguém vê-la no meio daquele corredor imenso, ela era cuidadosa, porém no fundo sabia que não se tratava disso e sim de tê-la em seus braços depois de vários dias. Camila entrou fechando a porta devagar atrás de si, a troca de olhares entre as duas era intensa e verdadeira, ainda mais do que o normal. Sabiam que estavam perto de jogar tudo para o alto e viver aquilo plenamente. Lauren puxou Camila pela cintura beijando seus lábios sem nem trocarem uma palavra, não queriam perder tempo. Tratou de levar a mão para o nó do roupão da amada sendo contida pela mão de Camila que apenas mordeu o seu lábio inferior com os olhos já abertos e o sorriso mais safado que poderia lhe lançar. Deu um passo para trás e desfez o próprio nó, tirando a peça e revelando uma lingerie preta que apertava os seus seios no sutiã e continha um fio dental, além do salto scarpin que Lauren só conseguiu notar naquele momento.

- Caralho, Camila.

- O que? - ela se fazia de desentendida.

- Você é tão gostosa.

- Você tem certeza? - Lauren percorria os olhos pelo corpo da primeira-dama. - Se não me respondeu, creio que não. Acho que vai ter que provar pra ter certeza.

- Eu tenho certeza, mas não me importo de provar.

Camila caminhou pelo quarto com um sorrisinho de canto, sendo seguida por Lauren que encostou seu corpo nas costas dela, segurou seus cabelos com a mão esquerda e repousou a direita na barriga dela.

- Estou morrendo de saudades. - ela sussurrou.

- Eu também.

Camila se arrepiou com os toques e lábios da sua guarda-costas, em resposta não se conteve, roçou suas nádegas na intimidade de Lauren. Ambas gemeram de modo sofrido. Lauren puxou mais um pouco os cabelos de Camila, sem machucá-la, apenas para que ela ficasse mais entregue e pudessem trocar mais um beijo. Sua mão deslizou conscientemente em direção à boceta dela e quando ia penetrar a calcinha da amada, mais uma vez Camila a conteve.

- Essa brincadeira já tá ficando chata.

Camila soltou um risinho com o comentário mau humorado da amante. Em seguida se virou e elevou um pouco do blusão da mulher a sua frente, apenas o suficiente para descer a calcinha dela até os joelhos, caindo automaticamente e Lauren tratou de se livrar da peça. Encostou os lábios nos dela enquanto sentia as mãos da mais clara massageando seus seios apertados.

- Vai começar a ficar gostosa agora que eu vou foder você.

- Fode, mas com força, porque eu não aguento mais ficar sem você.

Camila penetrou três dedos exatamente como Lauren queria, com força. Sentiu as pernas da de olhos verdes bambear por uma fração de segundos. Como se estivesse pegando fogo, Lauren se livrou do seu blusão jogando em um canto qualquer do quarto ficando completamente nua a frente da amante que buscava com os olhos um canto mais confortável para que sua segurança ficasse completamente aberta para si. E achou. Uma estante com diversos livros policiais. Caminharam com dificuldade, mas logo que Lauren se ajeitou Camila pressionava seus dedos contra a sua boceta que a recebia muito bem. Não tinha pudor ali. As palavras que elas trocavam provocando uma a outra, os gemidos relativamente altos saídos da boca de Lauren, a luxúria que naquele cômodo habitava deixava tudo ainda melhor. Camila se ajoelhou na frente de Lauren, ficando submissa como a guarda-costas adorava e ela também, para só então iniciar um sexo oral na mulher que a olhava denunciando todo o prazer no olhar. Lauren inclinou a cabeça para trás sentindo um frio no seu ventre, ao invés de fechar as pernas tentando conter o prazer, ela se abria ainda mais clamando pelas sensações que sentia. A língua de Camila trabalhava com exatidão, explorando cada ponto, sentindo o sabor de Lauren e seus dedos afundavam até onde podiam, com força, com rapidez. O som da sucção e dos movimentos parecia deixar ambas ainda mais excitadas. A troca de olhares voltou a acontecer e ver Camila sorrir de canto, fez Lauren atingir o seu ápice. Um ápice mais longo do que o natural, já que Camila também não ajudava, afinal ver a mulher gozando em sua boca e dedos a fez intensificar ainda mais os seus movimentos. Ao terminar, Camila subiu lambendo cada parte do corpo de Lauren até o seu pescoço, onde deixou um chupão que com certeza ficaria a marca. Mais uma vez se beijaram, agora Lauren sentia o seu próprio gosto na língua de Camila e adorava.

- Vem.

Camila a chamou com o dedo indicador, ficando de quatro na cama e olhando Lauren por cima do ombro.

- Você é fodidamente sexy e sedutora.

Ela falava enquanto se livrava do sutiã da outra. Virou-se na cama, tendo Camila entre o seu corpo. Segurou os seios dela e começou a chupá-los, um de cada vez, ora ou outra puxando o biquinho encarando-a. Camila gemeu, mesmo depois de morder o lábio inferior tentando conter.

- Você não é diferente e sabe disso.

Lauren segurou a cintura de Camila com firmeza, fazendo com que a menor iniciasse um movimento na sua coxa. Era nítida a excitação na sua calcinha, molhava a sua coxa como se nenhuma peça separasse as peles de ambas. O autocontrole foi embora quando Lauren rasgou a calcinha de Camila. As mãos da primeira-dama passearam pelo rosto, cabelos da sua segurança, ela acarinhava enquanto a outra apenas sentia.

- Quero que me foda de um modo diferente hoje.

- Ah é? - Lauren sorriu. - Como?

Camila ficou de joelhos, ainda entre o corpo da outra, segurou a mão direita dela e levou até entre as suas nádegas.

- Aqui. E bem gostoso.

Lauren fechou os olhos sentindo sua intimidade contrair. Seu dedo indicador iniciou uma pressão leve e ela abriu os olhos encontrando uma expressão meio tensa no rosto de Camila.

- Você quer mesmo? - ela assentiu sem nem pestanejar. - Preciso que tente relaxar, meu amor.

Recebeu uma leve mordida no queixo. Lauren seria capaz de qualquer coisa para ajudá-la naquilo. Explorou sua boca, pescoço, orelha, seios novamente. Sentia que Camila estava começando a relaxar e seu dedo já penetrava aos poucos. A outra mão foi para a intimidade de Camila, exatamente no clitóris, ela estava molhada demais para não aproveitar aquilo. Foi então que Lauren iniciou uma masturbação, recebendo as mãos de Camila nos seus cabelos. Sua expressão agora era de total prazer e naquele momento soube que podia penetrar o dedo totalmente atrás. E assim fez. Estocava lentamente até ela se acostumar, enquanto a masturbava de um jeito quase copioso na frente.

- Você pode fazer melhor, sabe disso, não é?

Lauren sorriu abertamente para Camila, sabia o que ela queria com aquilo. Sempre a provocava mesmo que estivesse morrendo de prazer. Ela apenas respondeu penetrando o dedo do meio na parte de trás sem nem aviso e acelerando o ritmo no seu clitóris sem piedade. Sentia seu braço esquerdo formigar, mas pouco importava, ver a expressão que Camila tinha agora no rosto já compensava.

- Ainda não estou perto do meu melhor e você já está assim? - Camila assentiu em meio a gemidos. - Quero você exausta hoje, primeira-dama.

Em resposta Camila apenas cravou as unhas curtas nas costas de Lauren, arranhando o quanto podia. Já a outra penetrou seus dedos na boceta dela e a fodia na frente e atrás, fundo e forte. Sentia seu corpo responder em sua intimidade e o suor percorrer sua pele. Camila cavalgava sentindo-se invadida completamente, como queria e planejava há dias. Não foi possível se conter por muito tempo, gozou vergonhosamente nos dedos da mulher, que mostrava estar satisfeita com o rosto vermelho e suado da sua amada. Lauren deitou Camila no colchão ficando entre o seu corpo. Segurou suas pernas uma de cada vez, deixando beijos na panturrilha, para só então livrar-se do scarpin. Ao se posicionar em cima dela, Camila pressionou sua coxa na boceta da amante que gemeu baixinho sorrindo.

- Ainda não acabou. Eu te disse que ainda não dei meu melhor.

- Eu imaginei que não.

- Que bom, porque ainda quero que goze na minha boca.

Não se deram conta quando amanheceu. Foram horas transando até que ficassem exaustas, não sentissem os músculos dos corpos. Para Camila ficou desesperador, já que Jean chegaria cedo e era possível ouvir uma movimentação no corredor da mansão. Para Lauren não era diferente, já que proteger Camila era acima de tudo sua missão. Tudo correu bem com a cobertura que Lauren fez para a primeira-dama. Não puderam se despedir da forma que queriam, mas depois de toda aquela madrugada sabiam que nada as separaria. Se entregaram ainda mais uma a outra, se tornando uma só definitivamente. Lauren não poderia dormir mais, perderia a hora caso fizesse, então tratou de tomar o seu mais longo banho relembrando tudo que tinha acontecido. Ao se deparar com seu reflexo no espelho percebeu alguns chupões no seu pescoço, ao se virar notou os arranhões, sorriu satisfeita, não se importava com aquelas marcas, pelo contrário. Ela já estava marcada por Camila há muito tempo.

- Bom dia, Mila.

Camila quase deu um pulo ao escutar a voz grossa do marido.

- Jean. Voltou cedo mesmo. Bom dia.

- Sim. - ele se levantou da poltrona depois de apagar o charuto. - Onde estava?

- Cozinha, fui beber água.

- Hum. - ele se aproximou tocando a cintura da esposa. - Quero ficar com você.

Camila se desvencilhou das mãos dele indo até a cama.

- Não estou querendo.

- Por que não?

- Olha, eu já procurei diversas maneiras na minha cabeça de iniciar essa conversa, mas não tem uma maneira fácil, entende? Nossa história foi incrível até certo ponto, mas desandou e não é de hoje, ontem, um ano ou um mês. O fato é que eu não quero me prender devido às convenções ou pra ressuscitar um casamento que na minha cabeça já acabou. - ele se aproximou. - Eu só quero o divórcio.

- Pare de chilique. - ele riu sem jeito. - Nossa relação é verdadeira.

- Você sabe que não. Nossa relação foi verdadeira. Se você não me der o divórcio amigável eu vou partir para o litigioso.

- Nossa! Você está tão convicta assim?

- Juro que gostaria de dizer que não, mas eu nunca tive tanta certeza de algo.

- Quem é ele?

- Que? - ele repetiu a pergunta. - O que te fez pensar que existe "ele"?

- Ninguém tem tanta convicção de algo assim do nada.

- Não preciso ter alguém para me separar de você, Jean. Venho pensando nisso há anos, nos últimos três anos para ser exata, mas eu achava que te amava e era possível conseguir salvar o nosso casamento. Então não existe "ele".

- Tudo bem, Camila. Eu vou te dar o divórcio e vou fazer com que meus advogados entrem em contato com os seus para falarmos sobre os bens.

Dito isso, Jean foi em direção ao banheiro. Claro que ele estava mais preocupado com os bens e sua reputação diante dos eleitores, por mais que um divórcio não pese mais como antigamente. Fato é que Camila não poderia duvidar da inteligência do então marido, mas também não mentiu já que não existe "ele" e o divórcio sempre foi uma possibilidade em sua cabeça.

- Camila?

A primeira-dama virou-se ao escutar o seu nome, estava perdida em pensamentos sobre sua vida olhando o jardim de sua mansão. Estava feliz, sabia que poderia viver o amor com Lauren sem esconder nada de ninguém.

- Sim?

- Eu entrei em contato com meus advogados, eles vão agilizar a papelada do divórcio.

- Ótimo. - Camila tinha os braços cruzados encarando o então marido. - Pode falar, Jean. Sei que não é só isso, nos conhecemos suficientemente bem para saber quando um ou outro quer falar mais alguma coisa.

- Você quer mesmo isso? - ela respondeu positivamente sem pestanejar. - Ok. Você não acha que podemos manter as aparências?

- Como assim?

- Um casamento de fachada.

- Você só pode ter enlouquecido.

- Camila é importante para a minha vida política.

- Eu quero que se foda essa vida política. Eu não aguento mais tanta lenga lenga por causa dessa vida política. Você perdeu a total noção, Jean. Não se importa mais com os meus sentimentos e até mesmo com os seus. Ficou cego.

- Eu posso pagar bem.

Camila desferiu um tapa forte no rosto do então marido, com toda a raiva que sentia, a palma da sua mão ficou marcada no local. Nunca pensou que ele seria capaz de falar aquilo.

- Porra, você está maluca?

- Estou. Estou surtada e se você não sair da minha frente agora eu vou triplicar o meu surto.

- Você sabe que pode sair ganhando nessa história também.

- Cala a boca, Jean. Não me faça sentir nojo de tudo que a gente já viveu, inclusive os bons momentos, porque de você eu já me enojo.

- Não era assim que você se comportava quando estava na minha cama.

Outro tapa, dessa vez ainda mais forte e seguido de socos no peitoral do presidente da França. Jean a continha e em determinado momento a empurrou fazendo Camila cair no chão. Com o barulho Lauren invadiu a biblioteca, tinha que estar atenta a todos os movimentos de sua chefe e ao vê-la no chão a ajudou, encarando Jean com ódio, sem fazer a mínima questão de esconder.

- Vá embora. - Camila gritava. - Saia da minha vista.

- Vá você. Essa casa é minha, eu sou o presidente, você é só um troféu.

- Seu fodido. Você é um porco e que me perdoem os porcos, eu vou embora com prazer e para mim sua vida política acabou. Eu vou destruir você, Jean. Você sabe que eu sei o suficiente.

- Você não seria capaz.

- Não brinque comigo. - ela se aproximou dele ficando cara a cara e falou pausadamente. - Acabou para você.

Jean segurou a esposa pelo pescoço, Camila se assustou com o enforcamento e Lauren partiu para cima dele o empurrando e socando o seu rosto. O homem caiu no chão com o lábio partido e olhou a guarda-costas sorrindo.

- Foi bom você me socar, não vai ter mais salário já que não vai ser mais a segurança dela.

- Realmente. - Camila se pronunciou. - Ela vai ser a minha mulher.

- Não acredito que você vai levar esse seu casinho a sério.

Então elas se deram conta que ele sabia, sempre soube. Realmente Camila jamais poderia duvidar da inteligência de Jean.

- Eu até achava excitante, sabe? Agora está chato.

- Meu Deus! Como eu pude conviver com você por tanto tempo?

- Talvez porque você me amasse.

- Talvez. - ela deu de ombros. - As pessoas tendem a cometer erros nessa vida, não enxergar certas coisas, mas uma hora a venda cai. Não posso te apagar da minha história, você fez parte dela, só que eu posso fingir que você não existe mais. Na verdade você não existe mais para mim, Jean. Desde quando começamos essa conversa e você me ofendeu gratuitamente, enquanto eu tentei ser o mais respeitosa possível desde que pedi o divórcio. Agora não há mais respeito, carinho. Eu só quero destruir você antes de te apagar definitivamente. Vem, Lauren.

Camila deu a mão e a segurança segurou. Antes de saírem Jean tentou pegá-la pelo braço, mas Lauren o empurrou e elas puderam sair em direção ao quarto da (ex) primeira-dama.

- Me ajuda a fazer as malas?

- Lógico.

Lauren ainda parecia atônita aos acontecimentos, mas só estava disposta a estar ali por Camila, dar todo o suporte, sabia o quanto havia se decepcionado apesar de tudo e aquilo doía nela. O que doía em Camila, doía em Lauren. Realmente haviam se tornado uma só.

- Você vai para a casa dos seus pais? - ela assentiu. - Não quer ir para a minha?

Camila a olhou sorrindo surpresa.

- Está me convidando para morar com você, guarda-costas? - ela mexia na gola do terno de Lauren.

- E se eu estiver, chefe? - as mãos dela repousaram na cintura de Camila.

- Eu vou adorar e aceitar.

- Mi casa, su casa.

Elas riram e trocaram um selinho. Apesar de tudo estavam felizes, explodindo de felicidade. Camila falara sério sobre destruir a reputação de Jean, era vingativa e aquilo não ficaria assim. Lauren a apoiou de todas as formas, sendo o seu suporte, o seu chão. A história de amor plena entre as duas apenas começava, tinham uma vida inteira pela frente.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...