1. Spirit Fanfics >
  2. One Shots - Snowbarry >
  3. Amores e Dores

História One Shots - Snowbarry - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


"Barry e Caitlin são casados e estão enfrentando um momento de tristeza e dor onde trarão à tona seus reais sentimentos em relação a tudo isso."

Capítulo 2 - Amores e Dores


Fanfic / Fanfiction One Shots - Snowbarry - Capítulo 2 - Amores e Dores

Às vezes, nesse época do ano, Central City ficava fria, mas esse ano estava tão frio que pingentes de gelo se espalhavam pelo telhado do Star Labs - os meteorologista não conseguiam explicar o fenômeno, mas os membros do time Flash sabiam bem o motivo dessa nevasca. O sistema de isolamento térmico deles estava um pouco gasto, mas a instalação do prédio não estava acabada. Era apenas esse frio - quando isso acontecia, Cisco olhava para Barry com um olhar suplicante e os pingentes de gelo teriam desaparecido antes que a Cisco pudesse dizer por favor.

O vento de dezembro não era tão agradável quanto eles gostariam ainda mais nesse tempo, mas Barry estava ansioso para chegar em casa. Ele considerou apenas correr até lá para evitar a neve e o tráfego, mas ele tinha decidido dirigiu no seu carro para o trabalho, principalmente porque não queria correr o risco de se machucar e preocupar Caitlin, ela já tinha muito na sua mente.

Era apenas Barry e Cisco nos laboratórios. Wally estava na Terra 2 celebrando o ano com Jesse e seu pai já que ‘todos’ tinham ‘comemorado’ o natal nessa terra, Joe estava com Cecile e Jenna em Ivy City visitando alguns parentes e Íris tinha ido para Keystone City com seu marido Steve. Ralph e Sue foram para Hub City para comemorar seus três anos de namoro. E parecia que os metas não se importavam em estragar os planos de Ano Novo dos super-heróis com suas famílias.

Agora eles estavam envolvidos com uma meta, - uma mulher com a capacidade de hipnotizar os seres humanos e manipular o plasma em forma de estrela para usar como armas-, mas ela já estava trancada em sua cela em Iron Heights. Cisco terminou de imprimir a análise de sua amostra de armas quando Barry tirou seu traje Flash de inverno, lento o suficiente para Cisco iniciar uma conversa com ele. “Venha para a nossa festa Barry, por favor? Somos só nós, eu, Lisa e os gêmeos, mais ninguém.”

Barry soltou um suspiro pesado. Eles já passaram por isso muitas vezes para contar.

"Eu não posso deixá-las sozinhas."

Caitlin e Frost

Cisco fez uma pausa.

"Como elas estão?" Cisco perguntou.

"Nada bem, faz mais de dois dias que eu não vejo Frost e Caitlin está tão deprimida quanto ela." Barry suspirou cansado.

"Eu posso mandar uma mensagem para Lisa e nós podemos ter uma pequena reunião na sua casa."

Barry viu a sinceridade nos olhos de Cisco.

Ah inferno.

Cisco Ramon não pôde deixar de se importar afinal ela era sua melhor amiga, sua irmã. Barry sabia bem disso tanto quanto Cisco. Eles podem derrotar super vilões homicidas e desvendar dilemas do multiverso. Mas há algumas coisas que não podem ser corrigidas facilmente. Isso não pode ser resolvido, bem que ele tentou, mas nem mesmo Barry conseguiu ajudá-la. É nesses momentos que Cisco se sente fraco e indefeso. Quando ele está impotente, vendo seus amigos mais próximos sofrerem sem meios de aliviar essa dor. Ele sabia que o que Caitlin precisa é um processo lento. E que Frost assim como ela se isolaria do mundo com a intensão de preservar seus amigos e viver sua dor sozinha. E é algo que Cisco não sabe como lhe dar.

"Cisco, eu sei que você sente falta delas, mas ela não quer ver ninguém."

Cisco olha para baixo em suas mãos onde ele acidentalmente amassou a folha de dados que ele estava segurando. Ele vai em direção ao laptop para reimprimir.

Barry pega seu casaco e tira a neve do carro em menos de um minuto.

"Tudo bem. Então diga-lhes Feliz Ano Novo por nós, por favor. Eu realmente lhes desejo isso. Se alguém merece um ano mais feliz, são elas.”

Barry envolve seu melhor amigo em um abraço. "Sim, eu direi."


♡ SNOWBARRY ♡ 


A casa deles era grande e aconchegante, com um dos quarto de hóspedes que ele e Cisco já tinham mobiliado para o chá de bebê surpresa de Caitlin.

Quando Barry tirou o casaco e trancou a porta atrás dele, ele já sabia, com profunda resignação, que o quarto do bebê era onde ela estaria. Ele foi até a cozinha ligar a chaleira e fez uma xícara de chá primeiro.

Barry estava de luto também. A casa deles estava quieta e desequilibrada. Com cada refeição em sua mesa de jantar, havia uma presença esmagadora de algo faltando. Alguém estava faltando. Ele sentiu uma perda de ar no peito, como uma ferida dolorida que puxava a cada respiração.

Ele se empurrou do balcão e levou a caneca fumegante do Star Labs para o quarto do bebê.

Caitlin estava dormindo lá. Ela sentou-se na cadeira de balanço com uma colcha sobre o colo. Seu cabelo, uma mistura confusa e permanente de marrom e branco que se espalhou por seu rosto quando sua cabeça caiu contra seu ombro. O cabelo branco mostrava que Frost finalmente havia aparecido.

A visão puxou as cordas do coração de Barry. Deixando o chá no trocador abandonado e se abaixou diante de sua esposa.

Eles se casaram porque eram melhores amigos. Caitlin e Frost confiava em Barry de uma forma que elas confidenciaram a ele que nunca mais confiariam em nenhum outro homem. Ambos eram solteiros, eram mais velhos, apenas pareciam certo, natural e apropriado, nas palavras de Caitlin.

Barry, no entanto? Ele estava apaixonado por elas. Cada uma de uma maneira única.

Ele sempre foi, antes de Julian ou "Jay" ou até do seu casamento com Ronnie. E depois de Frost e seus flertes incessantes ele tinha esperança de que algo realmente pudesse acontecer com eles. Mas ele só tinha sido o que ela precisava que ele fosse. E agora, elas precisavam de Barry como seu marido. Então é quem ele era agora.

Barry sabia que, se um dia ele acordasse com Caitlin segurando papéis de divórcio era porque ela teria conhecido outra pessoa, e Barry estava convencida de que, apesar de suas reclamações, ele assinaria todos os papeis sem dizer uma palavra. Seu coração iria se despedaça dentro dele, mas ele iria assiná-los.

"Hey Cait", disse Barry suavemente, tirando o cabelo do rosto e observando os olhos dela o oscilar entre castanhos e azuis e priscarem antes de abrir. Ela observa onde ela está e com quem ela está e suspira.

“O Flash salvou o dia?” Ela perguntou com um bocejo.

"Claro", Barry vai buscar lhe o chá. "Teria sido bom ter a Frost conosco também."

Caitlin ficou tensa. "Eu não estou preparada."

Barry pode ouvir bem fracamente o eco de Frost e engoliu a seco. "OK."

Ele ia falar do convite de Cisco para a festa de ano novo, mas seria em vão. Em uma última análise, ele sabia que ela não iria querer ir. Os gêmeos estariam lá e... Ela não podia vê-los. Ainda não. Ele mesmo tinha dificuldade em olhar para os rostos sorridentes de seus afilhados.

“Vamos descer para sala um pouco, hein? Nós podemos tomar chocolate quente e Star Wars até a meia-noite? Parece bom?"

Caitlin apertou ainda mais a caneca. "Não, obrigado."

“Você está certo, nós temos assistido muito Star Wars por influenciado Cisco. Podemos assistir ao Dr. Dolittle em vez disso, humm?”

"Eu quero ficar aqui Barry."

Barry passou a mão pelos cabelos e suspirou. Eles tinham essa briga quase todos os dias.

"Não é bom para vocês estar aqui, Cait."

Honestamente, Barry deveria acordar no meio da noite e retirar tudo do quarto, ele sabia que poderia fazer isso em menos de cinco minutos. Ele só não teve coragem para fazer isso ainda. Este era o que seria o quarto da filha dele.

“Eu mereço isso, você não acha? É o que é justo. Eu arruinei tudo, então eu também poderia aproveitar o que perdi.” A voz dela saiu duplicada mostrando a presença e a dor de Frost pela primeira vez em uma das suas discussões e então ela assumiu, mas isso não abalou Barry.

"Amor, não. "

“Eu congelei nosso bebê, Barry. Eu a matei. Quando você vai finalmente aceitar isso? Eu matei o nossa filha.”

O estômago da Barry se embrulhou e ele quer não ficar triste com elas. "Você sabe bem que não foi assim que aconteceu."

O bebê estava natimorto. Os médicos admitiram que foi o erro deles, que deveriam ter realizado uma cesariana em vez de arriscarem ter um meta em trabalho de parto natural.

Caitlin morreu por alguns segundos. O batimento cardíaco diminuiu seis horas em suas contrações inesperadamente. Ela morreu e a temperatura corporal despencou do choque apesar de suas algemas de amortecimento. Frost assumiu e a salvou, teve que empurrar, com o soluços de Barry, através do medo, passando pelo estresse e a dor de uma entrega um vida sem vida.

Quando o bebê saiu, seus lábios estavam azuis. Foi porque ela parou de respirar meia hora antes.

Bastou olhar para ela para saber que Frost estava convencida de que foi seu gelo que fez isso com o bebê.

Caitlin encolheu os ombros, indiferente.

"Quem iria pensar que não fui eu?" Ela disse, ainda com uma voz duplicada e sem graça.

"Eu sei que não foi você", ele respondeu com firmeza.

Ele não quer que elas continuem assim. Ele sabe que Caitlin recebeu a ponta curta do bastão nesta vida, mas porra, se ele permitir que ela pense que ela matou sua próprio filha. Que isso foi culpa dela. Que ela merecia o nome dela como Killer Frost. Se Barry fosse mais novo, teria sido fácil apontar que ele era o verdadeiro culpado por criar Flashpoint e fazer essa bagunça. Ele admitiu que tinha metade da mente no mais profundo dos seus pensamentos para voltar no tempo e dar-lhes outra chance. Mas ele era mais velho e experiente agora. Ele também estava mais cansado agora. Não é como se a vida funcionasse da forma que ele queria. Não é como se a Força de aceleração lhe permitisse voltar no tempo sem maiores consequências. E mesmo que fosse o Flashpoint que lhes deu a morte de seu bebê, ele também lhe trouxe Killer Frost, foi por causa do Flashpoint que os dois se aproximaram, desgastados e abatidos o suficiente para realmente considerar e seguir em frente juntos e com o casamento.

Além disso, ele era o pai do bebê, também era um metahumano. Uma meta com poderosos poderes de velocidade, enquanto ela tinha poderes de gelo, ambos polos opostos. Quem sabia o que o bebê poderia ter durante o estresse do parto? E se ele não tivesse nada a ver os poderes de gelo, mas com a força de velocidade e se isso fosse demais para ela lidar tão jovem? Os poderes de Caitlin não eram o único fator. Era algo que a Barry não queria pensar.

"Por que você está aqui, Barry?" Caitlin disse, cansada.

"Esta é a nossa casa?" Ele tentou brincar, confuso.

“É véspera de ano novo. Eu sei que Cisco te convidou para a festa dele.”

"Ele nos convidou para a festa, e eu não vou sem minha esposa."

Caitlin se virou para olhá-lo brevemente, depois para a janela onde a neve ainda caía pesadamente. Era branco demais. Ela coloca o antebraço sobre a cabeça e olha para o teto com um bufo.

"Isso é uma droga", disse ela.

Barry recuou com sua linguagem. Ele nunca a ouviu usá-lo.

"O que?"

"Eu te implorei para casar comigo e..."

Barr estava perdido.

Caitlin pediu para casar-se com ele. Mas não estava implorando. Ela perguntou a ele e ele estava tão chocado ele que pensou que tinha morrido e foi para o céu porque em que universo Caitlin Snow propõe a ele? Quando ela explicou, depois que Barry parou de olhar e resmungar “oh my god” enquanto tentava respirar, fazia todo o sentido. Barry e Íris nunca deram certo principalmente depois de Savitar e Julian voltou para a Inglaterra. Cisco e Lisa eram uma família feliz com seus gêmeos.

Por que eles não deveriam ter se casado?

"Espere", disse Barry, estendendo a mão para protestar, "eu concordei com isso. Nosso casamento foi o melhor decisão da minha vida.”

“Você não precisa mentir para mim, Barry. Você teve Íris e...:

Isso foi um tapa no rosto da Barry. “Caitlin. Do que você está falando? Eu te amo."

Caitlin parecia exausta e exasperada.

"Eu também te amo. Mas você não precisa ficar. Isso está ficando patético, você não está preso a mim.”

Barry olhou para as aliança de ouro correspondentes, ambos na mão esquerda. Claro que ele estava preso a ela. Muito antes de se casarem ele já a amava. Como ele poderia simplesmente ir embora?

Os joelhos de Barry começaram a se cansar de se agachar na frente dela, então ele se ajoelhou no chão acarpetado. Essa foi a explicação mais fácil para porque ele desabou com um baque.

“Cait, eu não estou falando isso com seus melhores amigos. Eu te amo ", a garganta de Barry estava seca "romanticamente".

Ela realmente não sabia? Depois de todo esse tempo? Eles iriam ter um filho juntos. Não era? Claro, o bebê não foi planejado, mas também não foi um problema. Não era como se eles fossem puritanos. Eles haviam feito aquele bebê, e o dia em que ela foi concebida não foi a primeira vez deles. Claro, talvez não fosse convencional, mas eles estavam felizes. Eles eram casados. Não estavam brincando de casinha, eles eram dois adultos.

Barry esperava que por Deus Caitlin não achasse que eles estavam brincando de casinha.

"Você acha que porque eu estava carregando um filho seu?" Ela disse, de alguma forma, conseguindo não soar dura como suas palavras implícitas.

Barry sacudiu a cabeça e segurou firme nos braços dela.

"Não. Eu te amo. Eu estou apaixonado por você há anos. Mesmo quando eu estive ansiando por Íris, eu já amava você.”

"O quê?"

“Inferno, Caitlin Allen. Eu te fiz minha esposa. Você realmente acha mesmo que eu concordei com isso por conveniência? Para reduzi os impostos? Eu fiz porque era a coisa mais egoísta que eu poderia fazer que você me pediu. Mas eu não podia dizer não ao meu sonho. Era o um sonho ter você Caitlin.”

As mãos de Caitlin voaram para a boca, chocadas.

"Barry", ela respirou.

"Você é minha casa, meu porto seguro, meu amor, eu pensei que você soubesse."

Caitlin olhou para ele, com lágrimas nos olhos. “Eu nunca quis filhos. Você sabia disso. Eu sabia. Não até eu estar grávida do seu bebê. No começo Frost se assustou um pouco, ela não se imaginava sendo mãe então quando ela viu a primeira ultrassom eu senti que nós poderíamos fazer isso juntas e teríamos você. Eu estava tão animada em me casar com você, ter uma família com você. E então eu me toquei que meus sentimentos por você podem não ter sido tão platônicos e que Frost sempre esteve certa quando insistia em me dizer que eu te amava. Mas eu estava com medo. Então eu nunca disse nada. Eu apenas desejei, e de alguma forma eu consegui tudo o que eu queria e nós ficamos tão felizes porque nesse caminho Frost também se apaixonou por você. E então, tão rapidamente, tudo isso foi tirado de mim".

"Oh, Cait."

Foi a coisa mais triste que a Barry já ouviu e ainda fez seu coração pular em uma batida. Gentilmente ele tirou a caneca da mão fria dela e puxou-a da cadeira para um abraço de cura pela alma. Ela colocou os braços ao redor das costas dele e ele enterrou a cabeça contra a curva do pescoço dela enquanto ambos choravam, descontroladamente. Um momento se passou e ele se afastou para enxugar as lágrimas dos olhos dela quando ela o beijou. Não foi o primeiro, o segundo ou o centésimo beijo deles, mas foi o primeiro beijo que significou algo diferente. Algo novo.

"Eu amo você, Caitlin Snow." Barry disse baixo, com uma pequena risada molhada.

"É Caitlin Snow Allen ", ela corrigiu, então sorriu. "E eu te amo."

E do lado de fora, Central City estava festejando um novo ano. Mas a casa deles era calma e silenciosa e não mais sufocada pelo medo. Mas o conforto, a sensação de lar.

"Nós vamos passar por isso", disse ele. "É preciso consertar, e a dor não vai embora. Mas temos um bebê olhando para nós e acho que ela quer que seus pais fiquem bem.”

Caitlin olhou ao redor do quarto antes de sair dele. Barry seguiu-a para o corredor e viu quando ela fechou e trancou a porta atrás dela. "Eu quero isso também. Eu só preciso de tempo.”

Alívio em abundância fluiu através de Barry e lhe deu uma paz diferente de qualquer outra que ele teve em meses. Ele olha para a hora no relógio da sala de estar.

"Temos um novo ano inteiro, amor."



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...